Palavras de um Cardeal: O Papa é frio como gelo, um astuto maquiavélico, e o que é pior, ele mente.

Por LifeSiteNews, 22 de setembro de 2018 | Tradução: FratresInUnum.com – Hoje, a revista alemã Der Spiegel, uma das revistas políticas mais influentes da Europa, publicou uma matéria sobre os fracassos do papado de Francisco. LifeSiteNews já resumiu partes desta matéria sobre o envolvimento do Papa Francisco no encobrimento de casos de abuso na Argentina. Mas os autores da Spiegel também fazem um relato de suas conversas com prelados do Vaticano, sem citar seus nomes, mas que falaram de modo bem crítico sobre o Papa Francisco.

300

“Não mentirás” – capa de Der Spiegel de 22 de setembro de 2018.

De acordo com a revista, um cardeal não apenas chamou claramente o papa de mentiroso, mas também disse: “Desde o início, não acreditei em uma só palavra dele”. Os comentários da própria Spiegel sobre esse papado, como veremos, também não deixam por menos.

Um dos interlocutores de alto escalão disse à equipe jornalística que, no Vaticano, reina “um clima de medo e incerteza”. “Francisco é muito bom em pôr as coisas em movimento”, disse um prelado alemão, “mas, quando no final sobram apenas resultados vacilantes, isso com certeza não ajuda”. Exemplos de tais vacilações podem ser encontradas, como diz Spiegel, no modo como o Papa Francisco tratou o debate sobre a Comunhão para cônjuges protestantes de católicos. Um cardeal alemão conta à revista sobre mentiras, intrigas, “e um Santo Padre que, ao contrário de qualquer um de seus predecessores, põe em dúvida a verdade da fé”.

Marie Collins, ela própria uma importante vítima de abuso e defensora das vítimas, fala sobre o modo como o papa e o Vaticano lidam com os casos de abuso: “belas palavras em público e [então] ações opostas por detrás de portas fechadas”.

A revista Spiegel comenta que o papa poderia muito bem ter optado por ignorar os “indícios de crimes dentro de seu próprio círculo íntimo”, porque “ele está interessado, devido a uma política de poder, em manter um ou outro cardeal ou bispo em seu ofício” [ndr: ver exemplo aqui]. Aos olhos da revista alemã, “Francisco, coloca-se em uma posição vulnerável”. Ele luta por anos “contra o capitalismo global, mas assim como seus predecessores — tomou somas que chegam a milhões do agora rejeitado cardeal McCarrick, que esse mesmo recebeu de doadores”. “O Papa elogia o valor da família tradicional, mas depois se cerca de conselheiros e colaboradores que vivem o oposto — em uma situação mais ou menos de concubinato com representantes de ambos os sexos”.

francis-der_spiegel_810_500_75_s_c1

“O papa ainda é o dono da situação?”, pergunta-se a Spiegel. A revista aponta que “a crítica [deste papado], entretanto, vem de um círculo muito maior do que o dos arqui-conservadores conectados globalmente”. Um dos problemas deste Papa, de acordo com a revista, é que “ele é silencioso em assuntos delicados”, tais como o dubia dos quatro cardeais a respeito de sua exortação pós-apostólica Amoris Laetitia, mas também a respeito da petição de 30.000 mulheres que recentemente solicitaram que ele respondesse às questões decorrentes do relatório Viganò. Ele não responde a essas mulheres, permanece mudo, e “deixa sem resposta a acusação de que, desde junho de 2013, ele tinha conhecimento sobre os feitos do molestador de menores, Cardeal McCarrick”.

Ao falar sobre um dos colaboradores mais próximos do papa, o cardeal Reinhard Marx e sua própria arquidiocese de Munique, a revista Der Spiegel aponta para a crise da fé na Baviera. “Uma parte do problema na Arquidiocese, no entanto, é doméstico”, explica. A credibilidade da Igreja ali, acrescenta, está sendo prejudicada pelos fatos de que “um clérigo de alto escalão de Munique coloca descaradamente sua concubina sentada no banco de frente da igreja, e que também nesta cidade, há indignação sobre pastores abertamente homossexuais e sobre um Papa imprevisível”.

“Desde o começo, não acreditei em uma só palavra sua.” São as palavras incisivas de um cardeal dentro dos muros do Vaticano: “Ele prega misericórdia, mas é na verdade uma pessoa fria como gelo, um astuto maquiavélico e, o que é pior — ele mente.”

10 Comentários to “Palavras de um Cardeal: O Papa é frio como gelo, um astuto maquiavélico, e o que é pior, ele mente.”

  1. Rezemos pelo Santo Padre

    • Sim e rezemos muito, pois.
      Agora, se há algo que ele absolutamente não é, seria afirmar que ele é imprevisível.
      Será que alguém ainda tem alguma dúvida de como isto tudo irá terminar?

  2. É só analisar os factos. Não se trata de julgamentos, é constatar factos: o Papa é maquiavélico. É um verdadeiro déspota e, há provas disso mais que dadas, mente.

    Este artigo sai no dia em que o Vaticano, qual manobra de diversão, publica meio à pressa e sem o Papa estar em Roma sequer, o acordo entre o Vaticano e a China. Óbvio que o foco das notícias foi esse.

    Não são ponto sem nó. Está tudo aqui. Clarinho como água. Francisco não tem qualquer credibilidade e mesmo a sua autoridade está mais enfraquecida que nunca. Apenas sobrevive à custa dos mass media completamente manipulados por Bergoglio.

  3. Resultado de tudo isso?
    Pizza!
    Tudo terminará em pizza!
    Não há intenção alguma de verdadeiramente curar as feridas das vítimas de crimes sexuais por parte de clérigos e religiosos.
    O que há é um jogo de cena, um jogo midiático, um discurso moldado ao gosto de ouvidos ingênuos.
    Já ouviram respostas padronizadas dos serviços de telemarketing de várias empresas?!
    O do Papa Francisco é idêntico:
    “Agradecemos a sua colaboração, e reiteramos a nossa presteza no intuito de resolver o problema. O querido cliente (ovelha) pode ficar aguardando, pois uma solução está a caminho.”
    Sendo assim, eu vou estar desejando boa noite a todos!

  4. Rezemos para que Deus liberte sua Igreja dessa máfia que se apossou dela.
    Rezemos para que Deus liberte seu povo dos maus pastores.

  5. Preocupa-me a reação do pequenino Rebanho do Senhor, que Ele cuida, mas que está sob os cuidados dos Pastores peregrinos… Nossa Senhora de Fátima, Rogai por Nós!

  6. Pareceria-nos que o atual pontífice, nem todos o considerariam mais como papa, como está sendo tratado em varios sites – então nos sedevacantistas, bom nem citar – além de nada ou muito pouco teria de imprevisível, bem seria ao contrario, quase que se imagina qual será seu próximo procedimento e, em geral, estaria sempre prestigiando em algo que agrade os inimigos da Igreja e excite repulsas de parte dos católicos entre os tradicionais e que não aceitam o que considerariam cocmo duvidosos, ambiguos ou invencionices.
    Comporta-se como qualquer esquerdista: passa-nos a impressão que nem está para nada que o acusam, continuaria com suas reformas e nem se desculparia de eventuais procedimentos que se considerariam ambiguos ou até heréticos de parte de varios cardeais e bispos, extensivos aos católicos bem informados do que se passa no Vaticano.
    Sob influencia dele. no site da CNBB nada de menções nessa época pré eleitoral em meio à profusão de tantos partidos arquiinimigos da fé a citação de seus muitos nomes ultra execraveis de tão bandidos que são, caso da patifaria do *PT-Haddad e doutros idem PCs, como PDT, PC do B, PSDB, PSOL, PSTU, Rede PSB etc., e doutras idem ‘ndranghettas.
    Olhem abaixo por ex., de D Dom Antônio Emídio Vilar, Bispo de São João da Boa Vista (SP)que possui aqui de espiritual; tudo o mais de se artigo idem ou aproximadamente:
    2 – Saibam educar-se PARA TRABALHAR EM CONJUNTO. Queremos governos que respeitem a liberdade e a criatividade das pessoas, que valorizem as iniciativas sociais e que respondam às necessidades cotidianas. Não queremos governantes que acreditam que cabe somente a eles decidir o que é bom para todos.
    3 – Candidatam-se porque possuem UMA TRAJETÓRIA DE VIDA PESSOAL comprometida com a superação da pobreza, com a educação, a saúde, a moradia, o saneamento básico, a promoção da vida e ao meio-ambiente. Não compram votos e nem barganham votos e licitações públicas, para depois recuperarem o que gastaram ou simplesmente enriquecerem-se ilegalmente.
    …** “Padre, não devemos esperar que um apelo ao mundo venha de Roma por parte do Santo Padre, para fazer penitência. Também não devemos esperar que o apelo à penitência venha de nossos bispos em nossa diocese, nem das congregações religiosas. Não! Nosso Senhor já usou muitas vezes estes meios e o mundo não prestou atenção. É por isso que agora, é necessário que cada um de nós comece a reformar-se espiritualmente. Cada pessoa deve não apenas salvar a sua própria alma, mas também as almas que Deus colocou em nosso caminho… O diabo faz tudo o que está seu poder para nos distrair e tirar de nós o amor pela oração; seremos salvos juntos ou seremos condenados juntos”. (Irmã Lúcia ao Padre A.Fuentes).
    * Fernando Haddad, o 13: inimicíssimo da Igreja, odio ao Senhor Deus, perversor e destruidor da familia cristã brasileira via kit gay imposto nas escolas, como Ministro da “Educação”; imagine que faria se os bestiais o elegessem presidente, capacho de Lula e esse como seu mentor?
    ** http://beneditinos.org.br/2012/09/modas

  7. Ao que tudo indica, o prelado argentino é apenas mais um efeito do Vaticano 2 e das reformas que Paulo VI, de infeliz memória, implementou em nome desta assembleia.

    Uma igreja que não sabe o que veio fazer no mundo, correndo atrás, submissa, de seus piores e jurados inimigos; uma igreja que renunciou ao seu passado e dele se envergonha; uma igreja sem metas, sem destino, perdida diante do caos que procurou com afinco e obstinação.

    Enquanto, de fato, a banda apóstata do clero e dos fieis por este arrastado à heresia e ao cisma não se curarem da infecção e da depravação doutrinal de que miseravelmente padecem, tudo será em vão inclusive o lamentar.

    Vê-se, nessa calamidade toda, da qual o gélido prelado argentino é apenas a ponta do iceberg, a mão onipotente de Deus que humilhou as ambições e os projetos mundanos dos aventureiros que se apossaram da Igreja desde a morte de Pio XII.

    Se a isso tudo se somarem o doentio corporativismo e triunfalismo bocó da clerasia, a desgraça se completa.

    Quem sabe se Bergoglio não teria sido um santo jesuíta se tivesse sido formado num seminário decente e católico e não nas estribarias do modernismo.

  8. Trata-se de manter o poder! Assim funciona um Estado aparelhado pelo comunismo! O rebanho permanece sob cabresto e submisso, muito, esperamos, em oração implorando a Deus por Misericórdia! É tudo o que nos resta, a Misericórdia!