Cardeal Sarah recusa cargo no Sínodo sobre os Jovens.

Por Senza Pagare – O Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, foi eleito membro da Comissão de Informação, responsável pela divulgação de notícias acerca do Sínodo dos Bispos sobre os Jovens, mas declinou esse cargo por “razões pessoais”.

O Sínodo dos Jovens está envolto em polémica desde antes do seu início porque o ‘Instrumentum Laboris‘ – o texto que será usado nos trabalhos do Sínodo – refere-se aos “jovens LGBT”. É a primeira vez que um documento oficial da Igreja fala de LGBT, que é uma sigla que já de si se rende à ideologia gay. Vários Bispos pediram ao Secretário do Sínodo, o Cardeal Lorenzo Baldisseri, que o texto fosse mudado, mas o Cardeal respondeu que nada mudaria.
Diversos Bispos, muitos deles americanos, pediram também que o Sínodo fosse cancelado, por não estarem reunidas as condições necessárias, visto que a Igreja se encontra numa grave crise com a divulgação de vários casos de abusos sexuais de menores. Esses Bispos recomendaram que o Sínodo fosse sobre essa crise, de modo a encontrar a melhor forma de limpar a Igreja desses abusadores e evitar que surjam novos casos no futuro.
O Sínodo dos Bispos sobre os jovens começou no passado dia de 3 e decorre no Vaticano até dia 28 de Outubro.

4 Comentários to “Cardeal Sarah recusa cargo no Sínodo sobre os Jovens.”

  1. Bem ponderado tudo, esses fatos quadram muito bem com “canonização” de Montini.
    Ninguém se salva sozinho; ninguém vai pro inferno sozinho…

  2. Penso que nenhum bom cardeal deveria ir a este sínodo. Veja bem, se você pede e suplica com toda boa vontade, você escuta do cardeal Lorenzo: nada vai mudar! Então deixem de ir. Por outro lado se não forem estarão fazendo um favor ao papa Francisco. Caramba não há o que fazer nessa ditadura bergoliana.

  3. O nobre cardeal Sarah adota a postura de silêncio que ele mesmo aconselha em um de seus livros. Não um silêncio inativo, porque nunca deixou de se posicionar contra as heresias que sempre voltam. Mas um silêncio de espera, de quem acredita que Deus, no Seu tempo, proverá o resgate da Igreja.
    Por ora, realmente não faz qualquer sentido participar de um sínodo que tem cheiro de enxofre.

  4. O comportamento do eminente Cardeal Sarah foi mais do que eloquente: declinou-se ao convite pois um cardeal que preza a Igreja, não compartilha com ideias e procedimentos de certos membros da Igreja comportando-se como aderentes aos planos das esquerdas-NOM – caso papa Francisco – além de se dissociar de seu múnus sacerdotal católico integral, brindaria os ideologistas e, nesse ínterim, trairia a Igreja e deixaria os fieis que confiam nele e em seus procedimentos até então, permitindo ainda em mais à mercê das ferozes hienas globalistas!
    Se aceitasse esse inconveniente e polêmico cargo seria uma grande vitoria para as esquerdas, patrocinadoras desse tal “Sínodo dos Jovens”, o qual mais se pareceria à entronização do GLBTismo na Igreja, que tudo!
    Além disso – o eminente Cardeal Sarah jamais foi, é ou será dos pupilos do papa Francisco – no entanto, sua presença seria-lhe também uma vitoria contra os conservadores, para pleno regozijo das revolucionarias esquerdas-maçonaria, desejosas de a Igreja católica reconhecer a existencia dos GLBTistas, como um bem a se preservar e serem “acolhidos e indiscriminados” na nova igreja modernista – tudo em nome do “amor”!
    O papa Francisco comporta-se como Lula e qualquer esquerdista: esse, se o soltasse e pudesse voltar ao cargo de ditador, agiria como um impermeável: não possuo erros; eles estão apenas nos meus desafetos, com os quais ainda acertaria as contas: teríamos o Paredón II ou assassinatos em serie “sem rastros” – ninguém sabe, ninguém viu – enquanto aquele posicionaria-se como não muito preocupado com os fatos negativos em que já incidiu!