Um retrato da Igreja no Brasil.

Por FratresInUnum.com, 12 de novembro de 2018 – “A Igreja deu o seu povo para o movimento socialista, que o perdeu para os protestantes”. Esta frase do nosso último editorial, como um flash, resume a trágica situação em que nos encontramos.

igreja destruidaÉ praticamente indescritível a sensação de expatriados que os católicos comuns sentem na Igreja do Brasil. Os cenários são aterradores e apenas demonstram como o clero perdeu completamente a conexão com o seu povo. Falamos como leigos.

De um lado, padres da teologia da libertação, que usam seus sermões como desculpa para a tentativa de doutrinação socialista, mas são como uma vitrola quebrada, apenas repetem chavões, ideias marteladas obsessivamente, para um público de idosas que permaneceram ali por pura inércia. Os outros, já se foram. De outro lado, conscientes da derrota para os protestantes, alguns padres adotam a mesma retórica dos pastores pentecostais e, na disputa entre quem é mais protestante, é óbvio que os protestantes acabam levando vantagem.

Em algumas igrejas, você não percebe muito bem se o que está diante de você é um padre, um coach, um comediante ou um(a) apresentador(a) de programa da tarde. São aqueles sermões: “sete passos para achar marido” ou “dê um gostinho diferente pra vidinha”… Enfim, tudo tão patético, uma palhaçada tão mal feita que dá vergonha até em quem está passando na rua!

A vida se torna um inferno para alguém que só quer ser simplesmente católico, sem esquisitices e excentricidades. Não passa pela cabeça desses senhores que um fiel queira apenas um sermão piedoso, doutrinal, baseado nas Sagradas Escrituras. Se quisesse um show-man ou um militante comunista, iria para uma stand up ou para o diretório do PT ou do PSOL.

Mas o fato é que a maioria dos padres falam, falam, falam e ninguém entende do que estão falando. A coisa não deslancha. São ideias improvisadas, embaralhadas a esmo, jogadas como carteado, à sorte, depois das quais tudo fica como estava antes, senão pior, pois as pessoas não apenas perdem a fé, mas aprendem o erro e, ao invés de se converterem, desconvertem-se e pioram. Seria muito mais útil somente fazer as leituras com pausa e boa dicção (o que já é um luxo em nossos dias) e deixar um largo tempo de silêncio. O silêncio é mais eloquente que muitos sermões!

Quando aparece um sacerdote piedoso, que não se envergonha de ser católico e de ser padre, que prepara um sermão simples e profundo, doutrinal e místico, as almas começam surgir como abelhas à procura do néctar. A Igreja logo enche. Mas, mais rápido que isso, surge a assassina inveja clerical, que, incomodando-se com o êxito pastoral do bom padre, começa a persegui-lo por todos os meios.

Será que eles não percebem que os fieis notam a trama? Logo o padre é transferido ou começam a aparecer denúncias “espontâneas”, ataques “repentinos”, polêmicas insufladas: cartas marcadas, complôs, tudo orquestrado pelas autoridades eclesiásticas.

Os bons padres, impotentes, vão sendo desanimados, isolados, até o ponto de se deprimirem e desistirem da luta. Até porque as estruturas criadas para engessar a Igreja e impedir a ação da graça são muito eficazes em realizar o seu intento homicida. A retórica é sempre a mesma: “padre, você precisa andar em comunhão”, “precisa caminhar em unidade com o plano de pastoral da diocese e da região episcopal”, “você tem ideais muito elevados de santidade, seja mais humano”, “a sua eclesiologia é muito antiquada”. Entenda-se assim: você precisa se pautar pelos fracassos dos outros e se nivelar por baixo; não se confesse, não confesse, não pregue, não converta, não reze, não adore, apenas entregue a sua alma e as almas dos fieis ao demônio, assim como os outros o fazem.

Não há Igreja mais estruturada que a Igreja do Brasil. Os fieis não imaginam o número de burocratas de batina – ou melhor, sem batina! –, que dão a vida e gastam suas energias em reuniões, assembleias, organogramas, subsídios e todas as inutilidades que a criatividade mórbida de quem não tem vida sobrenatural pode inventar. Vivem para atazanar os outros! E, literalmente, as almas que se danem! Sem confissões, sem visitas a enfermos, sem a pregação da fé, sem a vida da graça, sem o impulso dos sacramentos.

Os católicos são obrigados a não ser católicos e a ver a Paixão silenciosa dos padres que querem sê-lo.

Como o Núncio Apostólico quer renovar a Igreja valendo-se desses mesmos malfeitores que a estão destruindo impiedosamente? Se ele quisesse realmente fazer algo de útil, deveria enxergar o invisível e procurar os padres proscritos, que estão no ostracismo, os doentes, aqueles que foram postos nas paróquias mais periféricas, em suma, aqueles que não estão nos centros de poder nem nas cortes dos bajuladores dos bispos.

Esses carreiristas hipócritas desistiram de Deus e da vocação. Para eles, só existe a política eclesiástica e, através dela, a obtenção de cargos que lhes sirvam como escudo para protegerem todos os seus crimes, todas as suas máfias.

É por isso que o povo não importa, nem a fé nem a devoção. E os padres que ignoram essa politicagem eclesiástica são perseguidos e espezinhados e, literalmente, que se dane o povo!

“A Igreja deu o seu povo para o movimento socialista, que o perdeu para os protestantes”. Mas ela não o fez de um modo qualquer: criou uma estrutura iníqua para fazê-lo e não haverá como recuperá-lo sem destruí-la por completo. Se quisermos a Igreja de volta, precisamos desburocratizá-la, oxigená-la, torná-la mais simples, realmente pobre, evangélica; precisamos, em suma, esquecer todas essas estruturas de pastorais, assembleias, reuniões, e voltar à Missa e ao Terço. É duro, mas este é um retrato da Igreja no Brasil.

Tags:

28 Comentários to “Um retrato da Igreja no Brasil.”

  1. Realmente a Igreja Catóolica no Brasil está um cáos!!! Muito triste!!!! Lamentável!!!!

  2. Quanta tristeza, quanta ofensa a Nosso Senhor Jesus Cristo. Como amam o poder, a reverência e os primeiros lugares. São todos estudados com mestrados e doutorados em Roma. Quão distante não estão do Mestre? Saberão reconhecê-Lo? Certamente que não e também muito provavelmente não serão reconhecidos.

  3. Por isso estou frequentando a Missa Tridentina ultimamente, Padre piedoso e que você nota claramente que preparou o sermão com base nas Escrituras Sagradas.

  4. Excelente editorial! É triste, mas muito realista. Que os bons padres saibam que não estão sós. Há milhões de fiéis sedentos da verdade e que rezam para ter a graça de bons padres em suas paróquias e capelas!

  5. Nossa, que palavra verdadeira! É o tipo de texto que dá vontade de falar horas sobre cada parágrafo. É verdade! É verdade! É tudo verdade!!! Pq eles não falam mais da doutrina? Porquê? Porquê? Outro dia, conversando com um padre ele se queixou para mim que NA ÉPOCA DE NATAL houve uma ou duas confissões. Veja só… Imagina o resto do ano. Depois fiquei pensando: será que ele falou a verdade para a comunidade? Será que ele disse que quem morre em pecado grave vai para o inferno? Se não se fala a doutrina, como as pessoas vão saber? O povo anda perdido, como ovelhas sem pastor…
    Leia: A Solidão e o Abandono dos Leigos em: https://www.salusincaritate.com/2018/03/a-solidao-e-abandono-dos-leigos.html

  6. Meu Deus …isso é muito claro…tá uma tristeza …
    Como seria bom q esses acordassem, a CNBB precisa acabar de doutrinar os padres dessa forma..
    Como o povo tem sede de padres piedosos q dão a vida pela.Igreja.
    A nossa parte é orar com força pelos nossos padres q tem esse desejo.na alma de evangelizar, e tem sede das almas ..
    Louvado seja Deus por alguns que ainda.restam …

  7. A foto que ilustra o artigo não é daquela igreja da seita luterana que foi atingida pelo prédio que desabou em São Paulo devido as chamas?

  8. A foto que ilustra o artigo não é aquela igreja da seita luterana que foi atingida pelo prédio que desabou em São Paulo devido as chamas?

    • Não. É de uma igreja demolida na França.

    • Salve Maria Santíssima,

      Meus prezados,

      Bem sabemos, com dilatado doloroso pesar, o quanto em determinados países, especialmente da Europa, a demolição da igreja, não se limita mais, tão somente, à linguagem metafórica, mas veio a atingir as raias de fato, com a trágica realidade do verdadeiro bota-abaixo de numerosos templos, desmantelados sem dó nem piedade. Realmente, consta a acerba notícia destes tristes episódios, mesmo naquela nação conhecida como a “Filha Primogênita da Igreja”, a França. Entretanto, a dilacerante cena de demolição, que tão apropriadamente ilustra o brilhante artigo, teve lugar na realidade, não na França, mas na Alemanha. Trata-se na Igreja de São Lamberto (“Sankt Lambertus Kirche”, em alemão) da localidade de Immerath (oeste da Alemanha). Concluída no século XIX, no belo estilo neo-românico, como ampliação de um templo edificado originalmente ainda no século XII.

      https://pt.aleteia.org/2018/01/12/centenaria-igreja-e-dolorosamente-derrubada-para-dar-lugar-a-mina-de-carvao/

      https://de.wikipedia.org/wiki/St._Lambertus_(Immerath)

      GLORIOSO SÃO LAMBERTO, ROGAI POR NÓS !

  9. Só não consigo entender em que esses “textões” lamuriosos ajudam na situação atual… Ao invés de agirem como protestantes é hora de sermos realmente católicos e cuidar da nossa mãe, ao invés de ir pra janela falar mal dela com as vizinhas… Amemos a Igreja, nos mortifiquemos por Ela… Transformem a “verborreia” em ação curadora!!!

  10. Sobretudo depois que Paulo Seis resolveu chutar o pau da barraca e mandar 2000 anos de costumes cristãos para o Museu de Moscou (ora meio falido), multidões de doidivanas sem competência para ganhar a vida ingressaram na Instituição para ter o mínimo (e muitas vezes o máximo) garantido.

    Em geral os clérigos não se amam, mas se invejam e sabotam, pois o grau de narcismo pré-adolescente jamais superado os impede de estabelecerem relações humanas maduras e normais. Se a essa mutilação da personalidade somarem-se o delírio megalomaníaco e a personalidade histriônica, então o circo de horror está montado.

    Muito contrariamente ao otimismo ébrio e delirante de Roncalli e os sonhos molengas e cor de rosa de Montini, o mundo – os seus confetes e fatuidades – não tem nada a oferecer exceto tristeza, tédio e morte. Pois o mundo está posto sob o maligno. Não tem como enfeitar um cadáver rijo e nauseabundo como pretendem os 4.892 parágrafos da Gaudium et Spes e a salvação segundo o modelo calvinista-OVNIs Day.

    Tudo isso tem cura e se resolve com três coisas muito simples: jejum, esmola, oração.

  11. No Brasil estamos vivendo uma situação em tudo análoga à de 1964: os brasileiros recobravam seu patriotismo e seu amor próprio com a derrocada do nascente comunismo, a ejeção de um governo corrupto e a ascensão da direita armada, e tudo com o terço na mão. Viva o Brasil! No entanto, ser católico nos dias de Paulo VI e do Concílio não estava sendo nada fácil…
    Numa analogia quase perfeita, a situação piorou para os católicos brasileiros. Em 64 o Papa progressista e o conciliábulo não haviam ainda conseguido transformar nossos bispos em militantes (ou ordenar militantes para o episcopado). Hoje a Igreja do Brasil está tomada por gramscistas e transformada num soviete hiper burocratizado.
    Penso que se Bolsonaro e a ala conservadora do Congresso quiserem dobrar esse demônio chamado CNBB, poderiam suspender a imunidade tributária APENAS da Igreja Católica. O bolso é a parte mais sensível dessa gente, e por dinheiro fazem tudo, quem sabe até converter-se.

    • Pedro Pelogia, essa proposta de tirar a imunidade tributária da Igreja Católica é totalmente sem pé nem cabeça.
      Primeiro que não é o presidente que decide essa questão, e sim o Congresso Nacional.
      Segundo, que não pode haver tratamento desigual entre brasileiros – se retirassem isso da Igreja, teriam que retirar dos protestantes e todas as outras também.
      E terceiro, que retirando da Igreja, estaria liquidando todos os institutos dela – incluindo hospitais, asilos, ordens religiosas conservadoras, etc.
      Sabemos que a maioria dos bispos infelizmente é movida por dinheiro, mas é essa máfia que precisa ser combatida, e não a Instituição, conforme você sugere.

  12. Não pareceria que o diabo teria lacrado a boca de diversos, de muitos dos Altos Hierárquicos e de tantas centenas de sacerdotes, sem a mínima coragem de ao menos denunciarem os erros, apontando os grandes culpados de nossas tragedias apresentadas nesse site?
    Em entrevista ao diário La Repubblica, em varias mais oportunidades, o padre Gabriele Amorth – inclusive D Manuel Pestana – que comandava o departamento de exorcismo em Roma havia vinte e cinco anos, relatou que o ataque ao papa Bento XVI na noite de Natal, os escândalos de pedofilia e abuso sexual envolvendo varios clérigos seriam provas cabais da influência maléfica do demônio na Santa Sé e que “é possível perceberem as consequências disso”; incluiu-se no presente momento, bastante satisfeitos com a eleição do papa Francisco, acusado por varios de ser mais um dos que atentariam contra a doutrina da Igreja católica…
    Quantos parelhas gays até se acariciando dentro das igrejas, a imensa quantidade de mulheres se vestindo como se estivessem vindo diretamente de boites ou ruas de lazer e resolveram dar uma “passadinha” para assistirem a uma santa Missa e ainda bem ousadamente se aproximarem da S Comunhão?
    Além de os padres e/ou outros seus superiores hieráquicos de “nada vendo ou sabendo”, portanto, inertes, anestesiados!
    Quantas almas se desviam para os erros e vão gradativamente sendo subvertidas para a inúmeras seitas protestantes pelos pastores; muitos pregam com veemencia em potentes alto falantes, como narradores futebolísticos, como numa lavagem cerebral – sendo um dos modelos utilizando de gritarias no silencio absoluto da assembleia, com recorrentes condenações ao inferno para quem não os seguirem – e, dessa forma de hipnose, conseguem cativar e arrecadar dividendo$ dos incautos – e como!
    Ainda bem que estamos bastante prevenidos desse maus procederes e de seus feitores, como prenunciado por N Senhora, dentre mais, como em La Salette:
    … *”Livros maus serão abundantes na terra e os espíritos das trevas espalharão por toda parte um relaxamento universal em tudo que concerne ao serviço de Deus. Os chefes, os líderes do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência, e o demônio obscureceu sua inteligência. Eles tornaram-se estrelas errantes que o velho demônio arrastará com sua cauda para fazê-los perecer.
    Sim, os sacerdotes estão pedindo por vingança, e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e pessoas consagradas a Deus, que por sua infidelidade e suas vidas perversas estão crucificando o meu Filho de novo!”.
    * Virgem de La Salette, 19/09/1846.

  13. “Os bons padres, impotentes, vão sendo desanimados, isolados, até o ponto de se deprimirem e desistirem da luta.”
    É a mais pura verdade, o padre que realizou o casamento da minha filha é um homem piedoso e rígido na doutrina, vinha sendo boicotado pelo Bispo, ele me disse que estava cansado e aquele seria o seu ultimo ato naquela igreja, depois iria para um retiro no Sul de Minas…

  14. Não vou mais a igreja.
    Não encontro um padre que seja simplesmente padre.
    A CNBB acabou com minha vontade de acordar cedo e ir a missa.
    Inconformada com o conformismo católico.

    • Eu estava há meses na mesma que você, Sâmia. Quando ia à missa dava vontade de chorar, sempre por alguns motivos, às vezes os mesmos, às vezes diferentes (a criatividade desse povo é sem tamanho – reggae no ofertório, ato penitencial com bateria, cachorro passeando no altar durante a consagração das espécies…).
      Esse domingo acordei cedo e senti que precisava de qualquer maneira ir à igreja. Há um templo luterano na minha rua. Acabei ficando para o culto. Nenhum mau gosto, música alemã dos séculos passados, órgão, flauta, silêncio…
      Mas, poxa vida, não há sinal da Cruz, não há o vero Corpo de Cristo, não há qualquer imagem da Santa Mãe de Deus a interceder pelo povo.
      O mesmo me ocorreu há uns anos em Nova York, onde atendi a um serviço fúnebre na St. Thomas, uma igreja anglicana na 5ª avenida, com um dos melhores corais do mundo, um órgão fantástico e uma liturgia soleníssima, de deixar um católico com santa inveja. Na aparência, se tratava de uma missa solene. E, nesse caso, com sinal da Cruz, incenso e até uma ou outra imagem dos santos intercessores.
      Mas, afinal de contas, sabia que aquele pão não se tornaria Divindade, visto que a fé deles não chega a tanto. E, na homilia, o reverendo fez um mix curioso, aludindo a uma necessidade de “resgatarmos no seio da igreja episcopal aquela velha e sábia doutrina católica do purgatório”. No fim das contas, apesar da pompa, parecia que não sabiam bem para onde iam também.

      “Vais também deixar-me como esses, Pedro?”
      “Para onde iremos, Senhor? Só tu tens palavras de vida eterna!”

      “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja. Dar-te-ei as chaves … e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.”

      Há que insistir. Aquele que perseverar até o fim será salvo.

    • Sâmia, não é a primeira vez que a Igreja passa por crises globais! Imagine que o Arianismo tomou toda a Igreja, até o Papa chegou a pender para o Arianismo. Santo Atanásio, praticamente sozinho, conseguiu com a Graça de Deus, trazer a Nave Católica de volta ao rumo e o Arianismo foi condenado. É preciso ter fé de que a Igreja de Cristo, independente dos mais padres e bispos, que são Judas traidores, não são a Igreja, cuja cabeça é Cristo. Independente do pecado do padre, Cristo está presente na Eucaristia e toca nossa alma. Devemos rezar, jejuar e fazer penitência pela Igreja de Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana, para que Deus se digne de nos enviar outros “Atanásios” no clero. Santa Teresa D’Ávila viu, em uma Missa, por graça de Deus, Jesus na hóstia consagrada, e sobre o padre dois demônios ao pescoço, pois estava em pecado mortal. Jesus disse a Teresa que se sujeitava a isto por amor à nossas almas, para estar conosco.
      Veja, no tempo de Santo Atanásio não haviam meios de comunicação eficazes, e por mais de um século o arianismo se espalhou e levou muito tempo para trazer a Igreja novamente ao seu lugar. O fiel católico dependia exclusivamente dos seus pastores para ensinar. Hoje dependemos apenas dos sacramentos pelos sacerdotes, pois temos acesso a toda a Sã Doutrina, aos documentos conciliares, aos ensinamentos dos Santos facilmente. Portanto, não podemos nos esconder atrás das traições dos Judas modernos. Temos que fazer nossa parte. Crer pelos que não crêem. Amar pelos que não amam a Deus. Adorar pelos que não adoram a Deus.

  15. O então cardeal Ratzinger falou sobre isso numa conferência em 1992. Evangelizar e simplificar. “A Igreja precisa falar menos de si, se desfazer das estruturas para que a Face do Esposo possa se fazer visível”.
    Antes ele já tinha tocado no tema na conferência “A verdadeira e a falsa reforma” em 1990 quando dizia da necessidade de uma ablatio (entalhação, ato de esculpir) nas estruturas da Igreja para que a nobilis forma (o que realmente importa) apareça . Eis uma parte:

    “Difundiu-se hoje em toda parte, inclusive em altos níveis eclesiásticos, a ideia de que uma pessoa é mais cristã quando está envolvida em muitas atividades eclesiais. Incentiva-se uma especie de terapia eclesiástica da atividade e do esforço. Procuram colocar todos em uma comissão ou pelo menos em alguma função da Igreja. Deve sempre haver uma atividade eclesial, deve-se sempre falar da Igreja ou fazer alguma coisa por ela ou nela. Mas um espelho que reflete só a si mesmo não é mais um espelho. […] Nós não precisamos de uma Igreja mais humana, nós precisamos de uma Igreja mais divina. Só assim ela também será verdadeiramente humana”

    Ambas estão no livro “Ser Cristão na Era neopagã – Vol 1” publicado pela Ecclesiae.

  16. In urbi Camposinus…

    Passando pela praça da igreja a, avistamos um sr. com aparência de meia-idade, camisa social sem manga, gola aberta, calça social preta e relógio de marca…. Fazemos sinal para cumprimentá-lo:

    Sr. Padre, sua bênção. Tem confissão na catedral hoje?
    – Meu filho, estou saindo de uma reunião, vou celebrar e em seguida tem uma reunião na cúria sobre as metas pastorais da diocese. Depois os padres vamos partilhar os resultados desse primeiro trimestre.

    Mas não dá para ouvir uma confissão nesse intervalo?
    – Não meu filho, do contrário atrasaremos a reunião. Agende na secretaria um horário.

    ***
    Não causaria espanto se isso fosse um diálogo imaginado. A questão é que foi tal como ele é narrado aqui!

  17. Não sei , mas ao meu ver o povo precisa se doar mais , amar como Jesus e talvez todas essas críticas virariam louvores e agradecimentos , não há maior perfeição como a Celebração Eucaristia!!! O mistério!!! A vida !! O maior e verdadeiro amor acontece ali naquela hora !!! E somente um Sacerdote tem esse dom !!! É bíblico não critiques os servos !!! E sim ameis !!!! Quem critica certamente não da a cara pra bater e fazer algo para o Nosso Salvador !!!!
    Vamos povo clamem ,implorem e supliquem por Jesus !!! Ame-O servava-O e terás mil histórias pra contar !!!! Va a Santa Missa ,confesse seus pecados e se fortaleça na Eucaristia e verás o Sacerdote com outros olhos !!! Pois o que deve mudar é o seu coração !! Troca Senhor os corações de pedra por um de carne !!! Para te louvar um coração adorador !!! Irmãos a conversão vem da sua entrega e de mais ninguém !!! Então derrama-se ao Espírito Santo e Ele fará maravilhas em vossas vidas!!!
    A paz de Jesus esteja com vcs 🙏🏻🙏🏻🙏🏻

    • Flavia,

      Em parte vc tem razão. É preciso que a oração preceda a ação, o julgamento e a exclamação!!! Mas é exatamente isso o que está faltando (oração e vida interior) e, por isso, estamos indo de mal a pior.

      Conheço um padre que foi um seminarista bom e piedoso. Depois da ordenação, virou um diabo de orgulho. Apodreceu.

      Então, não adianta ninguém ficar louvando, pentecostando e exclamando diante da pregação da heresia. da balela e da calça apertada. Esse tipo de postura (unilateral) é indício de duas coisas: masoquismo ou avestruísmo.

  18. En Brasil, si la Santa Sede a través de la apostólica Nunciatura acompaña estrechamente al Ministerio Episcopal de obispos y arzobispos, hablando con el clero, muchos obispos están más preocupados por la administración de las diócesis, llenando los graneros Cuentas financieras con cuentas de grasa y poco se preocupan por la propagación de la fe!
    En esta editorial el siguiente enlace muestra claramente lo que está sucediendo en Brasil:
    y para poner fin a la dimensión del pastoreo aquí en Brasil, los obispos están mucho más preocupados por la transferencia de parocos de una manera abusiva: los padres parecen siervos, y para muchos obispos son de hecho, sin tener en cuenta el ejercicio del sacerdocio! Padre tiene periodo de validez en las parroquias de Brasil: 6 años o incluso menos! ¡ Si usted es los aduladores de los obispos, usted puede alcanzar 12 o aún más!

  19. O pai da mentira veio justamente para isso, confundir. Da confusão surge o caos, a desordem, a anarquia. O mundo de hoje prega justamente isso: a total desobediência às leis, sobre tudo Divina e Naturais. Imagem acima traz a destruição de uma igreja, meramente um templo tangível, mutável, retratando bem que o pai da mentira age naquilo que nos é perceptível aos sentidos, aquilo é passageiro, aquilo é retirável. Desta forma, nós mesmos, a alma, imagem e semelhança de Deus, permanece no tempo e no espaço e é com isso que temos que nos preocupar. Infelizmente a destruição atingiu autoridades da Igreja, mas não a Igreja. Os Mandamentos, Sacramentos, Doutrina e o Magistério Apostólico permanece, assim como seu Fundador intocável. O que era pecado, permanece pecado. O que era virtude, permanece virtude. Portanto, como dizia Santa Teresa D’Avila, andemos pelos caminhos percorridos pelos santos, nada de caminhos novos. Fujamos das novidades, fujamos daquilo que é modismo, que agrada a um tempo, a uma geração, a uma necessidade do momento. Não devemos nada a esse mundo para que vivamos conforme ele, mundo! Estamos aqui como peregrinos a caminho do Céu, da Pátria Celestial. Os que vivem como a carne, conforme seus sentidos, suas paixões, morrerá. Assim, somos criados a imagem e semelhança de Deus, não vivamos para esse mundo, para a carne e suas paixões. Fujamos da vida fácil, do agrado ao mundo, do bem viver a dessa vida. Pois os que vivem assim, já receberam sua recompensa. Rezemos pela nossa perseverança final.

  20. Engraçado esse chavão de que o Brasil está se tornando protestante. Mas ao passar pelas igrejolas de bairro, se vê meia dúzia de gatos pingados. Onde estão esses “católicos” que a Igreja perdeu? Certamente não nas seitas…

  21. A grave crise de fé por que passa a Igreja no Brasil começou com o tráfico de influência perpetrado por um grupo de burocratas da CNBB que arrogou para si o controle sistemático de bispos e padres para seguirem suas cartilhas de orientação marxista e progressista. Embora essa entidade não faça parte da estrutura hierárquica da Igreja, age impunemente como se fosse a “sé apostólica” no Brasil. Aos poucos essa entidade foi ocupando espaço, usurpando poder para inocular no corpo eclesial o veneno da maldita TL, causando paralisia, cegueira e demência generalizada. Esse estado de coisas levou a perda da fé e a debandada em massa de fiéis, ora para o protestantismo, ora para o espiritismo, ora para indiferentismo religioso, ora para o ateísmo prático.
    Obstinados no erro, essa gente não demonstra qualquer sinal de arrependimento, mas segue planejando novas investidas para manter o controle total sobre o povo fiel que já demonstra estar reagindo aos efeitos maléficos e paralisantes do veneno das duas serpentes (TL e progressismo). No entanto, é de causar estranheza o medo e a subserviência de bispos e padres aos ditames dessa entidade autoritária e parasita que tanto mal faz para a Igreja no Brasil. Nunca é demais lembrar do alerta que Jesus fez a uma certa casta de chefes do povo que não queriam entrar no Reino de Deus e usavam todo seu poder e autoridade para não deixar entrar quem desejasse entrar no Reino. De igual modo, os burocratas da CNBB usam todo o poder de influência para calar e paralisar bispos e padres fiéis que desejam seguir o caminho da sã doutrina católica. Enquanto isso, o povo fiel vai morrendo às minguas, mergulhado na ignorância das verdades da fé. É triste andar de paróquia em paróquia e, com raríssimas exceções, ver tantos desvios e abusos litúrgicos nas missas. O lugar do altar parece mais um palco, cheio de mulheres, aniversariantes, e gente que tem algum destaque.. A missa parece mais a festa do povo. Tem até danças. Os cantos são barulhentos, sentimentais e horríveis. A indecência nos vestidos é livre e não se pode questionar isso. É proibido falar sobre o inferno, posto que todo mundo que morre foi para a casa do pai (todo mundo vai pro céu, pois Deus é pai). De vez em quando se tem notícia de que em uma determinada paróquia um padre anunciou que está deixando o sacerdócio pois decidiu se casar. E assim caminha a Igreja no Brasil. Só mesmo uma intervenção divina para sanar todos esses males.