Coluna do Padre Élcio: Os objetivos “humanitários” dos comunistas e a colaboração com os católicos.

CARTA PASTORAL prevenindo os diocesanos contra os ardis da seita comunista. Escrita em 13 de maio de 1961 pelo então Bispo da Diocese de Campos, D. Antônio de Castro Mayer, de saudosa memória (continuação).

Por Padre Élcio Murucci – FratresInUnum.com, 9 de fevereiro de 2019.

1  –  Cooperação entre católicos e comunistas em Sierra Maestra A revolução de Fidel Castro, segundo declarações dos Prelados cubanos (cf. “Cristandad”, de Barcelona, nº 358, p. 298), teve, no seu início e durante todo o período mais duro da conquista do poder, a colaboração franca, corajosa e entusiasta de católicos. A maioria dos guerrilheiros de Sierra Maestra era constituída de católicos, que lutavam com o rosário na mão, animados e acompanhados por Padres católicos.

2  –  Um grande equívoco

Houve, pois, estreita colaboração entre os católicos e os revolucionários fidel-castristas. Na aparência, uns e outros tinham o mesmo objetivo: libertar a pátria de um governo tirânico. Na aparência, dizemos, porque no fundo as intenções eram muito diversas. Os católicos desejavam acabar com os desmandos de um regime corrupto, e restaurar a ordem dentro da civilização tradicional de Cuba, a civilização cristã. Os fidel-castristas empenhavam-se, exclusivamente, pela destruição de um estado de coisas que detestavam, porque impedia a implantação de outro, ainda mais tirânico que o então existente, no qual seriam os donos de uma nação escravizada, subordinada à Moscou. Os católicos batiam-se pela reparação de certas injustiças, e mesmo pela punição dos culpados. Os fidel-castristas, como os comunistas em geral, não cuidavam das injustiças a não ser como meio de atrair adesões à sua causa. Não queriam apenas a punição dos culpados, mas a total destruição de todas as instituições e pessoas que fossem empecilhos ao domínio do partido.

3 – … do qual os católicos não desconfiavam Eis, portanto, duas forças que se conjugam para a consecução de um
mesmo fim material: pôr cobro a uma situação de fato. O desaparecimento de um governo tirânico é, em si, um bem. Ele não pode ser, no entanto, pura e simplesmente destruído. Ele precisa ser substituído por outro, pois que a sociedade não subsiste sem poder público. De onde a impossibilidade de abolir a tirania existente num país, sem se cogitar da nova autoridade que há de tomar o lugar do tirano. No caso cubano, a solução parecia muito fácil. O que se fazia necessário era abater um governo corrupto, e substituí-lo por outro, honesto, dentro do mesmo regime político. Não constituíam problema as instituições vigentes, mas a maneira como as conduziam os governantes. A solução era tão lógica, que não passou pela cabeça dos católicos houvesse entre os homens de Sierra Maestra quem pensasse de outro modo. Na aparência, portanto, tudo se preparava no sentido de corrigir os males introduzidos, especialmente pelo abuso do poder num regime legítimo e digno de ser aprovado.

4 – O ardil dos comuno-fidelistas em relação aos católicos Os comunistas, porém, pensavam diversamente. Eles tinham seu fim preestabelecido, e, como costumam fazer, aproveitavam-se da ocasião propícia, para ampliar seu poderia com vistas ao objetivo último: a dominação mundial. Não o declaravam. Guardavam seu segredo à espera de que, senhores da situação, pudessem dispensar a máscara com que iludiam os companheiros de armas. E assim um país de imensa maioria católica caiu sob a dominação dos piores inimigos da Igreja.

5 – Engodo comunista habitual: luta contra a miséria e a injustiçaO que se deu em Cuba é um exemplo típico do resultado a que leva a colaboração com comunistas. Estes, com efeito, não desdenham a cooperação dos católicos. Antes, a solicitam, provocam-na mesmo, salientando miséria e injustiças que possam despertar a indignação e a
reação dos espíritos retos. E infelizmente, amiúde conseguem a colaboração desejada. Habituados a agir de boa fé, os católicos tendem muitas vezes a achar impossível que por detrás de considerações humanitárias possa alguém esconder um fim perverso. Terminam assim empolgando-se, não pelo movimento comunista, mas pela luta em
benefício dos infelizes, dos oprimidos e sofredores. E trabalham juntos, católicos e comunistas, certos os primeiros de que os outros, como eles, desejam sinceramente curar a sociedade das chagas que a enfeiam; mais certos os últimos de que a agitação humanitária lhes proporcionará o ambiente ideal para a ampliação de seu poderio.

2 Comentários to “Coluna do Padre Élcio: Os objetivos “humanitários” dos comunistas e a colaboração com os católicos.”

  1. Utilitaristas e oportunistas como são os comunistas, o povo católico aqui caiu sob as patas dos social-comunistas, desde o PSDB ao caudilhesco PT pela farisaica. farsante e engodo proporcionados pela “opção preferencial pelos pobres” da parceira TL-PT, como sempre, agem traiçoeiramente, bem semelhante ao caso cubano, de as esquerdas fazerem os católicos e mais de trampolins para subirem ao poder e após, confiná-los como gado estabulado!
    Não são poucos os comentarios aqui relatando que suas paroquias estão ocupadas por militantes martelo e foice, disfarçados de sacerdotes católicos, todos da TL…
    Bem sabendo nós que os marxistas também aqui em varios casos compravam o silencio dos opositores, caso das mega seitas protestantes e mais de 600 pastores no Brasil, das mais importantes,a começar da IURD-PRB – e varios dessas seitas regozijaram-se pelo aumento dos dízimos após o bolsa-familia…
    Além disso, os hipócritas comunistas de fato detestam pobres, pois se aliam apenas a milionarios, banqueiros etc., crendo no monstruoso Lula afirmando que, sem ajuda dos amigos dentro da Igreja católica – melhor, da “igreja católica”, a oriunda das farisaicas CEBs – sem os quais não teria chegado ao poder, *proclamado por ele mesmo!
    Assim sendo, o caso da choramingada pelas esquerdas Marielle Franco, embora eleita apenas por burgueses do Rio, de bairros, como Copacabana, Tijuca, Laranjeiras etc. em 91% e apenas 09% de onde proveio, segundo o TSE…
    Quem sabe, se houvesse rejeição e denuncias do papa Francisco anti golpista ditador Maduro já teria sido deposto do poder e, nessa sua agonia final ainda recorre a ele para facilitar um diálogo – não nos consta comunistas, associados a eles e simpatizantes dialogarem com ninguém – apenas quando acuados, promovem a cena teatral nomeada de “o diálogo”!
    * https://www.google.com/search?q=video+de+lula+no+aviao&sa=X&ved=2ahUKEwi73Knjlq_gAhVvLLkGHQ_RAaAQ1QIoAnoECAYQAw&biw=1366&bih=657

  2. “3 – … do qual os católicos não desconfiavam Eis, portanto, duas forças que se conjugam para a consecução de um mesmo fim material:”
    Desculpe discordar disso, mas as pessoas se enganam com aquilo que elas querem enganar-se, desde o inicio a Revolução Cubana notabilizou-se pela execução sumária dos adversários e dos supostos aliados do Governo Batista, desde de o inicio a índole sanguinária dos líderes da “Revolucion” era notório, portanto nada tinha em comum com Cristo…