O livro que quer transformar a Igreja em Sodoma.

Por FratresInUnum.com, 7 de março de 2019: Sodoma é o nome da cidade bíblica cujo fim está ligado ao castigo divino pela difusão do pecado sexual contra a natureza com pessoas do mesmo sexo (cf. Gen. XIX,1-26). Por isso, Frédéric Martel escolheu “Sodoma” como nome de seu livro acerca da homossexualidade no Vaticano, pois, segundo ele, a Igreja se tornou como que um refúgio para homossexuais.

Em recente entrevista, porém, Martel deixou bastante claros alguns de seus pressupostos, sem os quais seria impossível chegar a essa conclusão. Apresentaremos, primeiro, os pontos principais da entrevista e, em seguida, faremos uma análise crítica. Pedimos ao leitor a paciência de ler calmamente o nosso texto.

Análise dos principais pressupostos do livro

Em primeiro lugar, ele afirma que “a castidade é profundamente contranatura”. Este é o pressuposto central e principal para todas as conclusões a que chega o autor.

Além disso, Martel afirma que a Igreja é “um ambiente homoerótico e as pessoas heterossexuais não querem ir para lá, querem se casar” e que, portanto, “as figuras na Igreja mais fervorosamente a favor da castidade e do celibato são muitas vezes os padres homossexuais”.

Aqui, o autor mostra muito bem que a finalidade do seu escrito é, primeiramente, lançar sob suspeita todos os padres que preguem a castidade, que defendam o celibato e que, portanto, tenham atitudes mais espirituais, místicas e doutrinais.

Ademais, ele afirma claramente que “para mim um cardeal ou um bispo ser gay não é problema. Há um problema, sim, com a vida dupla, com a hipocrisia”. Em outras palavras, o autor, que é um homossexual confesso, declara que a homossexualidade em si não é um problema, mas, como todos os que a atacam, segundo ele, são homossexuais enrustidos, isto é uma hipocrisia da qual a Igreja tem que libertar os seus clérigos, pois, “a homossexualidade, quando é reprimida, quando a pessoa se odeia a si própria e se flagela, acaba por tornar-se um problema que vem à superfície”.

Deste modo, Martel afirma que a homossexualidade no clero é um fenômeno cuja abrangência é enorme, mas não é um problema em si — o problema é combatê-la.

Um último detalhe digno de nota é que ele se apresenta como grande defensor de Francisco, diz que, para escrever o seu livro, ficou hospedado no Vaticano (na residência Santa Marta, que é a única hospedagem intra muros, lugar onde, por mera coincidência, reside o pontífice argentino), mas se defende, negando que “foi o Papa que encomendou este livro e que foi por isso que a sua entourage me deu acesso ao Vaticano”. Teriam razão os antigos, quando afirmavam que “quem muito se defende, muito se acusa”?…

Passemos à análise crítica dos pressupostos declarados pelo autor em sua entrevista.

A castidade contranatura?

O pilar principal de todo o livro é que a “castidade é contranatura” e, portanto, que toda pregação acerca da castidade só pode ser sinal de hipocrisia ou de repressão, a qual depois explodiria sob a forma de abusos sexuais.

É óbvio que só uma pessoa que não pratica a castidade pode pensar que é impossível que alguém a pratique por pura virtude e também por graça de Deus, através de uma profunda vida de oração. Hoje, em um mundo tão erotizado e tiranizado pela luxúria, talvez seja mais raro encontrarmos pessoas espontaneamente castas, mas isso não era muito raro até alguns anos atrás. Fica fácil, portanto, enganar o leitor: toma-se uma espécie de clichê mental compartilhado socialmente como se fosse um absoluto inquestionável, ao qual o próprio autor se nega a comprovar, aliás, porque é totalmente falso.

A verdade é o contrário do que diz o autor, pois o ser humano é essencialmente dotado de razão e, portanto, capaz de dominar o seu instinto sexual pela razão, e é nisso que consiste a virtude da castidade. Nada mais conveniente à natureza humana…

A castidade é uma virtude extremamente humanizante, equilibradora da psique, tranquilizadora, elevada. O celibato é a verdadeira marca da consagração completa do sacerdote católico, totalmente absorvido na sua missão apostólica e desinteressado por qualquer outro bem que não o seu crescimento espiritual para a salvação das almas. É plenamente acessível a qualquer pessoa o testemunho de tantos cristãos que são felizes por praticar a castidade ainda hoje e o número imenso de celibatários que sempre foram a coroa da Igreja Católica.

No entanto, desde o início da modernidade, as sociedades ocidentais se tornaram vítimas de um violento processo de implosão da razão e hiper-estimulação das paixões, especialmente da libido, da pulsão sexual. São séculos de esforços para corromper a consciência das pessoas e tornar cada dia mais impossível o acesso à luz da razão e, portanto, totalmente inacessível a luz da fé, que é muito superior e mais sutil.

Chegamos ao ponto de que, como bem ilustra Martel, tornou-se quase impossível para muitos imaginar que existe um mundo para além dos limites tão estreitos da libido. O prazer venéreo tornou-se o único viés pelo qual estas pessoas enxergam o universo e, portanto, qualquer coisa que exista fora disso se lhes apresenta como hipócrita, ilógica, inexistente. Martel chega ao ponto de distorcer de tal modo a realidade que, para ele, se um padre se apresentar como celibatário e casto, espiritual e conservador, deve-se por força concluir que é um homossexual perigoso!

O mais incrível, porém, é como se conseguiu que os próprios sacerdotes da Igreja sucumbissem a esta desgraça e se tornassem materialistas práticos. Não é raro que encontremos padres que pensem exatamente como Martel, partindo do princípio de que a castidade é desumana e que a prática do sexo é como que um cume da vida do homem.

O Pe. Luís Correa Lima, jesuíta, por exemplo, escreveu há um ano um artigo intitulado “A fraternidade e a superação da violência contra LGBT”, no qual a única opção que lhe parecia razoável na pastoral da Igreja com pessoas homossexuais é a aceitação irrestrita das suas práticas sexuais. Ele raciocina como se a castidade não existisse, como se não fosse humanamente integradora, chegando a dizer que tem razão quem busca “almejar construir um mundo em que as pessoas possam viver e respirar dentro da sua própria sexualidade”. O Pe. James Martin, também jesuíta e predileto da corte de Papa Francisco, fez considerações muito similares durante o Encontro Mundial das Famílias. Estes são apenas dois exemplares de um cenário desolador.

A Igreja, um ambiente homoerótico?

Martel afirma que a Igreja é um ambiente homoerótico e que os heterossexuais não querem saber de castidade, mas querem se casar e ter filhos, e que, por fim, o clero superpopulou-se de gays que se escondem por trás de suas batinas.

A afirmação de Martel é tão evidentemente verdadeira do ponto de vista estatístico que chega a confundir o leitor, visto que o número de padres homossexuais é gritantemente enorme.

Contudo, Martel toma como pertencente à essência do sacerdócio celibatário aquilo que é apenas uma anormalidade das últimas décadas. Qualquer pessoa um pouco mais velha sabe que, embora hoje haja um número tão assustador de homossexuais no clero, há cinquenta anos a Igreja simplesmente não era assim. É verdade que sempre existiram casos de padres que praticaram a homossexualidade, mas eram a exceção e não a regra.

Os padres antigos eram desbravadores, conhecidos por sua virilidade e coragem de sua pregação, tiravam do nada Igrejas pujantes, eram homens de reputação ilibada, venerados pela população, influentes desde o ponto de vista político e respeitados moral e intelectualmente. Quanto mais os bispos e cardeais!…

Foi nas últimas décadas que a prática da homossexualidade tornou-se tão generalizada no clero católico. Mas, antes, não era assim. Como chegamos a este ponto?

A homossexualização do clero católico: um projeto de corrupção

É preciso dizer os fatos com clareza: os seminários católicos sofreram a infiltração sistemática de agentes externos que disseminaram homossexuais por toda a estrutura da Igreja com o fim de destruí-la, e isso em todos os graus da hierarquia.

Neste sentido, o estudo de Michael Rose, “Adeus Homens de Deus” (Editora Ecclesiae, Campinas: 2015) apresenta uma vasta documentação que não deixa margem para dúvidas. Temos o testemunho confesso da principal agente desta trama. O livro precisa ser lido para que todos entendamos a monstruosa operação realizada para corromper a Igreja.

No Brasil, tivemos um caso bastante similar, cujos bastidores foram revelados por um infiltrado de uma sociedade secreta na Igreja Católica muito conhecido nas décadas de 70 e 80, chamado Neymar de Barros. Os seus dois livretes, A verdade sobre Neymar de Barros, volumes I e II (Editora Exodus, São Paulo: 1987), contam como ele forjou sua conversão para recolher dados do clero a fim de que a sociedade secreta que lhe contratara difundisse a homossexualidade entre os padres. Ele chega mesmo a apresentar uma pesquisa que realizaram acerca da porcentagem de homossexuais no clero brasileiro por volta do ano de 1978 (vol. II, p. 70).

Em todo caso, os elementos principais para a difusão do homossexualismo no clero foram a perseguição sistemática dos seminaristas heterossexuais, católicos devotos, com princípios morais claros e com doutrina segura; e a promoção de homossexuais declarados, a destruição da dogmática, da moral e, sobretudo, da espiritualidade, com a completa propagação do liberalismo total nos costumes, que serviu como uma espécie de oxigênio moral para os homossexuais no clero, e da construção de uma apologia teológica da homossexualidade que chegou a constituir aquilo que hoje em muitos grupos se chama de homo-heresia, uma reinterpretação completa da doutrina católica em termos homossexuais, que se tornou o oxigênio intelectual para esse disparate.

Aos poucos, construiu-se aquilo que Michael Vorris chama de “A rede” (The Network), uma verdadeira organização comunista e homo-herética que ocupou a Igreja Católica em todos os níveis. O próprio Martel deixa muito claro em sua entrevista que não há problema nenhum em ser padre gay, nem muito menos em ter um amante – ele diz que acha isso lindo! –, mas que o problema é ser um padre gay de direita, embora ele mesmo faça a distinção de um sub-grupo, ao qual ele chama de homófilos, que são os homossexuais não praticantes no clero católico – com essa distinção, Martel apenas está mencionando os eventuais homossexuais não militantes, ou seja, aqueles que não são membros de “A Rede”.

“A Rede” é constituída por clérigos homossexuais ostensivos, que se protegem e se “reproduzem”, atraindo para os seminários gays de todas as proveniências possíveis, e que se auto-promovem para os cargos de maior expressão na Igreja, tentando manipular a sua doutrina e teologia em seu próprio favor.

Em outras palavras, o livro de Martel, na tentativa de colocar um sinalizador sobre os padres conservadores, o que faz é colocar um sinalizador sobre os membros de “A Rede”. Agora, ficou muito fácil identificá-los. Ele mesmo protegeu a identidade de todos os seus entrevistados, que não são outros que os próprios entrevistados de “A Rede”, de Vorris. Nunca “A Rede” foi tão longe, nunca se exprimiu tão claramente e nunca os seus objetivos ficaram tão claros. Martel disse que suas gravações explodiriam com o Vaticano. Não! Explodiriam apenas com “A Rede”.

Entretanto, não deixa de ser curioso como “A Rede” conseguiu atingir tão alta influência.

Papa Francisco, o Papa de “A Rede”

Martel apresenta o pontífice argentino como uma espécie de Gorbatchev, que tenta salvar o sistema e, para isso, mudá-lo. Ele defende Francisco contra todo o “complô” que ele diz ter se instado para persegui-lo. No final, defende-se contra a acusação de ser um marionete de Bergoglio e chega a falar demais, reclamando de que alguns digam que o livro foi encomendado pelo papa.

De fato, não temos como saber se o livro foi pessoalmente encomendado por Francisco. Contudo, é evidente que ele protege de modo muito claro os membros de “A Rede” e toda a sua linha de ação é muito coerente com a intenção de “Sodoma”. O próprio Martel o reconhece, mostrando a conexão de tudo isso com o sínodo sobre as famílias, que criptograficamente abriu a comunhão aos divorciados recasados e também não mencionou com letras claras nenhuma condenação às práticas homossexuais e às uniões gays. É evidente que as observações de Martel vão na mesma linha das ações de Papa Francisco: de um lado, visam a plena cidadania gay na Igreja Católica e, de outro, a ordenação de homens casados, que garantiria o coeficiente heterossexual no clero, segundo os princípios homossexualistas do autor.

Em todo caso, Papa Francisco é o papa sob medida para “A Rede” e os seus planos manipuladores. Assim como as Fundações internacionais usam o aborto para corromper as mulheres e destruir, assim, as sociedades; “A Rede” está usando o homossexualismo para corromper o clero e, assim, destruir a Igreja. Isso não é propriamente uma novidade.

No início do século XIX, as forças secretas na Itália publicaram um conhecido documento chamado “Instrução permanente para a Alta Venda”. Ali, eles afirmam:

– “O Papa, quem quer que seja, jamais virá às Sociedades secretas; cabe às Sociedades secretas dar o primeiro passo em direção à Igreja, com o objetivo de vencer os dois”.

– “Não pretendemos ganhar os Papas para a nossa causa, fazê-los neófitos dos nossos princípios, propagadores das nossas ideias… O que devemos pedir, o que devemos procurar e alcançar, assim como os judeus esperam do Messias, é um papa segundo as nossas necessidades. Alexandre VI, com todos os seus crimes privados, não nos conviria, porque jamais errou nas matérias religiosas”.

– “Esmagai o inimigo, qualquer que ele seja, esmagai o poderoso à força de maledicências ou de calúnias: mas, sobretudo esmagai-o no ovo. É preciso ir à juventude; é ela que precisamos seduzir, é ela que devemos arrastar, sem que o perceba, sob a bandeira das Sociedades Secretas”.

– “Ora, pois, para garantir-nos um Papa nas proporções exigidas, trata-se inicialmente de moldar para ele uma geração digna do reino com o qual sonhamos. Deixai de lado a velhice e a idade madura; ide à juventude e, se for possível, até à infância… Uma vez estabelecida vossa reputação nos colégios, nos ginásios, nas universidades e nos seminários, uma vez que tiverdes captado a confiança dos professores e dos estudantes, fazei com que principalmente aqueles que se comprometem com a milícia clerical gostem de procurar vossas conversas”.

– “Essa reputação permitirá o acesso das nossas doutrinas ao seio do clero jovem, assim como ao fundo dos conventos. Em alguns anos, esse clero jovem terá, pela força das coisas, invadido todas as funções; ele governará, administrará, julgará, formará o conselho do soberano, será chamado a escolher o Pontífice que deverá reinar, e esse Pontífice, como a maioria dos nossos contemporâneos, estará necessariamente mais ou menos imbuído dos princípios humanitários que iremos começar a pôr em circulação; é um pequeno grão de mostarda que confiamos à terra; mas o sol das justiças desenvolvê-lo-á até ao mais alto poder, e vereis um dia que rica colheita esse pequeno grão produzirá”.

Alguém ignorará que Francisco é este papa não apenas esperado, mas preparado por décadas de infiltração? Fingiremos que a publicação do livro de Martel no primeiro dia do encontro sobre o abuso sexual de menores no Vaticano é uma mera coincidência? Não se trata de um diagnóstico sobre “Sodoma”, mas de sua apologia, implantação e apogeu na Igreja.

Já é hora de acordar. A Igreja está quase completamente tomada pelos seus inimigos. Corromperam a maior parte do clero e, agora, querem expelir a pequena porção ainda saudável que mantém a Igreja em pé…

Ficaremos parados? Cruzaremos os braços? Não! A Promessa da Santíssima Virgem é clara! Como leigos, resistiremos a esse massacre e o enfrentaremos nem que seja à custa de morte. A esta “Rede” maligna opomos outra rede, a rede dos consagrados à Santíssima Virgem! É hora de reagir!

Assim como da primeira vez, sobre “Sodoma” cairá o fogo do céu! A Igreja, como a família do justo Lot, não toma parte nesta iniquidade e não recuará nenhum milímetro. São duas cidades em luta: de um lado, Sodoma; doutro lado, a Jerusalém Celeste! Reconheceremos estes prevaricadores onde estiverem e os denunciaremos. Se eles não temem mais a Igreja, temerão o povo!

Continuaremos fieis à virtude, conservaremos a fé, manteremos íntegra a observância do celibato e teremos inteiramente inabalável o fogo da nossa entrega, pois sabemos que, como disse Nossa Senhora em Fátima: “no fim o meu Imaculado Coração triunfará”!

22 Comentários to “O livro que quer transformar a Igreja em Sodoma.”

  1. A Virgem agirá em menos de década e meia. Até 2030 este problema estará sanado. Anotem.
    Podem até achar demorado e é, mas será resolvido.

  2. Refere-se à Agenda 2030 da ONU? Está lendo alguma “profecia” (qualquer método pode ser usado pelos globalistas para inserirem sua agenda para ser aceita por pessoas de boa-fé)?

  3. Assisti um vídeo da Associação Regina Fidelis onde conta uma história em que o Padre Pio é perguntado de quando o Imaculado coração triunfaria. E ele responde que as crianças ali presentes iriam testemunhar esse acontecimento. A história parece verídica.

  4. Nilton, essa história da resposta de São Pio de Pietrelcina “de que as crianças ali presentes iriam testemunhar” é datada de que ano? E onde você achou essa pérola…

    • 1962. Agora faça as contas.
      Onde está isto? Procure.

    • Nos anos de 1963 ou 1964 segundo o vídeo, e as crianças teriam em torno de 10 anos. https:// http://www.youtube.com/watch?v=aqtIuvQwSiM

    • Uma profecia de Dom Bosco diz: “Quatrocentos dias após o mês das flores que terá duas luas cheias, a revolução será proclamada na Itália. Duzentos dias depois, o Papa será obrigado a deixar Roma e andará errante durante cem dias, depois do que regressará à sua capital e cantará em São Pedro o Te Deum de Salvação”
      O mês das flores é Maio, os próximos anos nesse século cujo mês de Maio terá duas luas cheias serão 2026, 2045, 2072 e 2083.

  5. “Ficaremos parados? Cruzaremos os braços? Não!”

    Certo… Mas o raio de ação de um leigo é bem restrito comparado às evoluções frenéticas da Elefoa Pink…

    O leigo pode e deve fazer apostolado (pessoal e intelectual); pode e deve apoiar financeiramente ações genuinamente católicas; pode e deve rezar o exorcismo de Leão XIII…

    Mas o problema do problema é que a Elefoa Pink se tranca por dentro do horto das aflições. Só ela tem a chave. Não temos como adentrar nas Caves do Vaticano nem na Cachaçaria de Dom Galego Rosa… O leigo olha de fora, desconfiado, mas… o que mais? Por outras palavras, como IMPEDIR eficazmente que a Elefoa Pink continue sambando na Avenida Paulo VI…?

    Disse “horto das aflições”, pois certamente não se trata mais do horto de Jesus Cristo, o qual horto, embora não feneça com a espinheira nefasta dos vícios, fenece com a das heresias. E a Igreja não é infalível em matéria moral? Logo, é preciso pensar realmente qual é o “estatuto eclesial” desses lacaios do Anticristo – estes mesmos que pervertem a moral evangélica e, ENSINANDO o que não presta, empurram as almas para os vícios e a morte.

    • Prezado PW, achei muito oportuna a sua sugestão de rezar o exorcismo de Leão XIII. (A forma menor ou maior?) Com efeito, vemos que as forças do mal estão investindo contra a Igreja. Orações de exorcismo mitigariam essas forças, dependendo da fé e do número de pessoas a rezarem-na. Isso toca no conceito de guerra espiritual (spiritual warfare) que a maioria dos fieis na América Latina parecem desconhecer, mas é mais conhecido no mundo anglófono.

  6. Meu Deus!
    Cada dia ficamos sabendo de que a situação está muito pior que nossos piores pesadelos poderiam oferecer!
    Impiedade, sacrilégios, devassidão… todas estas nefandas realidades se mostram claramente no interior da Igreja!
    Nunca imaginei que veria tamanha decadência!
    Rezo cotidianamente aos Corações Sacratíssimos de Jesus e Maria para que abreviem este tempo de provação da Igreja.
    Abandonados por aqueles que deveriam vigiar e proteger o Rebanho do Senhor, as ovelhas se dispersam: umas foram atrás de falsos pastores, outras fugiram e acabaram atacadas pelos lobos vorazes da incredulidade e da indiferença e, as poucas que restaram no aprisco encontram-se feridas e sem rumo…
    Rezemos!
    Somente com nossas Orações e Sacrifícios obteremos a vitória sobre estes inimigos infiltrados dentro da Igreja!
    Apenas o Bom Deus poderá vencer e esmagar os lobos em pele de ovelhas que tomaram de assalto a Nova Arca da Aliança, a Santa Igreja Católica.
    Senhor, tende piedade de nós!
    Imaculado e Doloroso Coração de Maria, rogai por nós!

  7. A linguagem corporal do apresentador do vídeo sobre o Padre Pio mostra que ele está mentindo, provavelmente não acreditando no milagre que curou Padre Pio, nem nas revelações proféticas dadas a ele.

    • O mais interessante é que tem gente que viu o vídeo e acha que em 1963 ou 1964 só havia crianças no mundo com apenas 10 anos. Nenhuma com 1 mês de vida, 1 ano, dois anos , três anos etc.

    • Desde quando linguagem corporal (se é que isto existe) informa que alguém estaria mentindo ou não?
      Sendo assim, sugiro se apresentar à justiça como assessora para verificar se um réu fala ou não a verdade.

    • É cada um que aparece. Fazer malabarismos para tentar denegrir a mensagem… isso é coisa do inimigo.

  8. Ap 17,16:” Os dez chifres que viste, assim como a Fera, odiarão a Prostituta…”. Este é o método usado pelas forças talmudistas para a destruição dos seus inimigos: corromper o máximo possível “ad intra”, infiltrando seus agentes, oferecendo uma falsa amizade “ad extra”, enquanto uma outra ala ataca sistematicamente. Leão XIII, e outros antes e depois já denunciaram esta manobra diabólica. É claro que os maiores inimigos se encontram dentro da Igreja. E apenas o ” pusillus grex”, ou seja, aqueles que não aceitam nenhum desvio doutrinário, poderão, com a graça de Deus, permanecerem firmes em seus postos, defendendo a verdadeira Igreja, Una, Santa, Católica e Apostólica, fora da qual não há salvação. Mais do que nunca, fiquemos com o Santo Rosário nas mãos, porque a “Santa Memória” está vindo aí…

    • Salazar, acho interessante esse tema da “Santa Memória”, pois toca na questão da validade da missa e do final dos tempos; tempos que acredito que estamos vivendo. O senhor teria mais informações sobre a Santa Memória que poderia partilhar conosco?

      Um padre que falou sobre a Eucaristia no final dos tempos foi o Pe. Gobbi. O senhor conhece as alocuções dele sobre o tema? Não me refiro à autenticidade sobrenatural das mesmas, mas ao texto em si, pelo seu valor profético.

    • O Pe. Gobbi tem uma mensagem que fala do final dos tempos. Nessa mensagem, ele fala da supressão da Eucaristia no final dos tempos (alguns creem que mesmo assim alguns sacerdotes continuarão celebrando clandestinamente a missa válida).

      http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/7978/O-Fim-dos-Tempos-Mensagem-de-Nossa-Senhora-ao-Pe-Stefano-Gobbi

  9. Gostaria de reforçar a recomendação do livro “Adeus homens de Deus”, de autoria de Michael Rose. Esse livro demonstra através de testemunhos verídicos como candidatos sem vocação ou sem aptidão foram infiltrados em alguns seminários.

    Nos anos da minha juventude, eu fui vocacionado e seminarista e, se eu tivesse lido esse livro antes entrar no seminário, acredito que teria me poupado de muitas experiências negativas, como ser marcado por ser conservador, ser alvo de bullying, …

    Em inglês, o título do livro é “Goodbye! Good Men: how Catolic Seminaries Turned away Two Generations of Vocations from the Prieshood”.

    Quem quiser conferir, tem uma palestra interessante de Michael Rose sobre o seu livro.