A Igreja está “cega pelo mistério da iniquidade”, afirma Cardeal Sarah em novo livro.

Por LifeSiteNews, 19 de março de 2019 | Tradução: FratresInUnum.comEm seu último livro,  Le soir approche et déjà le soir baisse (“Já é tarde e a noite vem chegando”, citação do episódio dos peregrinos de Emaus, no Evangelho de São Lucas), o Cardeal Robert Sarah decidiu “se manifestar” para os “católicos desorientados” atingidos pela profunda crise pela qual passa a Igreja.

Sarah

“Não consigo mais ficar em silêncio. Eu não posso mais ficar em silêncio”, escreveu o Cardeal Sarah em seu parágrafo inicial. Ele fez uma análise ampla da “noite escura” da Igreja e de que ela “está envolvida e cega pelo mistério da iniquidade”.

Diante antes da publicação do livro na França, em 20 de março, uma introdução foi publicada online, dando o aperitivo de um texto verdadeiramente arrebatador que aborda os problemas atuais de frente: abusos sexuais, mas também relativismo doutrinal, ativismo social e falta de oração, falsas acusações de homossexualidade e hipocrisia generalizadas, e as dúvidas dos fiéis que vêem os inimigos da Igreja em seu próprio meio.

O Cardeal Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, não oferece estratégias, diz ele. Pelo contrário, ele anuncia as respostas atemporais sem as quais todos os esforços são inúteis — uma vida profundamente arraigada de oração, fidelidade ao ensinamento transmitido pela Igreja, ao invés de subestimar a doutrina católica como “muitos pastores” estão fazendo, caridade fraterna e amor a Pedro.

Mas as suas palavras não são, de forma alguma, do suplício pelo qual a Igreja está passando.

O Cardeal Sarah não hesita em falar — nas palavras de Paulo VI — da “fumaça de Satanás” que invadiu a Igreja, apontando abertamente os “traidores” que, como Judas Iscariotes, tornaram-se “agentes do Mal”. “Eles buscaram profanar as puras almas dos pequeninos. Humilharam a imagem de Cristo presente em cada criança”, ao mesmo tempo em que humilharam e traíram a tantos padres fiéis, escreveu.

“A Igreja está passando pelo mistério da flagelação” pelas mãos daqueles que “deveriam amá-la e protege-lá”, advertiu o Cardeal.

Mas a causa do escândalo dos abusos sexuais, ele acrescentou, só pode ser encontrada em traições anteriores: “A crise pela qual o clero, a Igreja e o mundo estão passando é radicalmente uma crise espiritual, uma crise de fé”.

O cardeal africano recorda que o “mistério de Judas” — palavras tomadas do Papa Francisco — reside em se distanciar do ensinamento de Jesus, e pode, portanto, ser comparado ao mistério do mal em nosso tempo.

“Jesus o chamou tal como os outros apóstolos. Jesus o amava! Ele o enviou para anunciar a Boa Nova. Mas, pouco a pouco, o coração de Judas foi sendo tomado pelas dúvidas. Sem perceber, ele começou a julgar o ensinamento de Jesus. Ele disse a si mesmo: esse Jesus é muito exigente, e não eficiente o bastante. Judas queria fazer o reino de Deus vir à terra imediatamente, por meios humanos e de acordo com seus planos pessoais”. Ele deixou de rezar com Jesus e “buscou refúgio nas coisas do mundo, provavelmente murmurando em seu coração ‘não servirei’ quando Jesus lavou seus pés na última ceia”, escreveu o Cardeal Sarah.

“Ele recebeu a comunhão quando seus planos já estavam completos. Foi a primeira comunhão sacrílega da história. E ele traiu”.

Segundo o Cardeal Sarah, as mesmas faltas, as mesmas traições, são cometidas hoje: “Nós abandonamos a oração. O mal do ativismo eficiente se infiltrou em todo lugar. Nós buscamos imitar a organização das grandes empresas. Esquecemo-nos que só a oração é o sangue que irriga o coração da Igreja… Aquele que não reza já traiu. Já está preparado para toda concessão ao mundo. Ele segue os passos de Judas”.

O cardeal tem palavras duras quanto ao abandono da doutrina católica. Eis onde ele vê a causa dos atuais escândalos de abusos sexuais:

“Nós toleramos qualquer questionamento. A doutrina católica é desafiada e, em nome de posturas pretensamente intelectuais, teólogos sentem prazer em desconstruir o dogma e em esvaziar a moral de seu conteúdo profundo. O relativismo é a máscara de Judas disfarçada de intelectual. Como podemos nos surpreender de que tantos padres rompem os seus compromissos? Nós depreciamos o significado do celibato, nós exigimos o direito a uma vida privada, o que é oposto à missão sacerdotal. Alguns vão tão longe, a ponto de reivindicar o direito ao ato homossexual. Um escândalo segue o outro, envolvendo padres e bispos”.

O Cardeal Sarah prossegue, advertindo seus irmãos padres de que todos serão prejudicados por acusações que são verdadeiras apenas para uma minoria. Mas “não se inquiete os seus corações”, acrescentou, recordando que o próprio Cristo foi atingido pelas palavras “Crucifica-O!” e pede-lhes que não se inquietem por “investigações tendenciosas” que apresenta os pastores no topo da Igreja como “clérigos irresponsáveis com uma vida interior anêmica”.

“Padres, bispos e cardeais sem moral não vão, de maneira alguma, manchar o testemunho luminoso de mais de 400 mil padres no mundo que, todos os dias, leal, alegre e santamente servem ao Senhor. Apesar da violência dos ataques que ela suporta, a Igreja não morrerá. Esta é a promessa do Senhor, e Sua palavra é infalível”.

Dirigindo-se especificamente aos católicos que são levados à duvidas, ele falou do “sutil veneno de Judas” da traição. O demônio “quer nos ver (a Igreja) como uma organização humana em crise” quando ela é “Cristo perpetuando-Se”. Satanás leva os fiéis à divisão e ao cisma “ao nos fazer crer que a Igreja traiu”. “Mas a Igreja não trai. A Igreja, cheia de pecadores, é, ela mesma, sem pecado. Sempre haverá luz suficiente nela para aqueles que buscam a Deus”.

O Cardeal Sarah advertiu os fiéis católicos contra a tentação de “resolver as coisas com nossas próprias mãos” — uma tentação que levaria à divisão através da crítica e divisão. “Não hesitemos (…) em denunciar o pecado, a começar pelos nossos próprios”.

“Eu tremo com a ideia de que a túnica inconsútil de Cristo possa uma vez mais ser despedaçada. Jesus sofreu a agonia ao ver antecipadamente as divisões dos cristãos. Não O crucifiquemos novamente”, implorou o cardeal.

Sarah não está procurando popularidade ou sucesso, ele insistiu. “Este livro é um pranto de minha alma! Um pranto de amor a Deus e a meus irmãos. Eu devo a vós, cristãos, a única verdade que salva. A Igreja está morrendo porque os pastores têm medo de falar com toda a verdade e clareza. Estamos com medo da mídia, da opinião pública, de nossos próprios irmãos. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas”.

Aos católicos confusos a quem se dirige, o Cardeal Sarah exorta, especialmente aos padres, à oração: “Quem não reza se condena”, escreveu, citando Santo Afonso. “Não é uma questão de acumular devoções. É uma questão de guardar silêncio e adorar, de estar de joelhos, de entrar com temor e respeito na liturgia. É a obra de Deus, não um teatro”.

E ele prossegue sua meditação: “Caros amigos, querem colocar a Igreja em seu devido lugar? Caiam de joelhos! É o único caminho! Se fizer diferente, o que fizer não será de Deus (…) Se não encostarmos nossas cabeças, como São João, no Coração de Cristo, não teremos forças para segui-lO até a Cruz. Se não tivermos tempo de ouvir as batidas do Coração de nosso Deus, nós O abandonaremos, nós O trairemos como os apóstolos fizeram”.

Junto com as orações, na atual crise, é necessária a fidelidade à doutrina. O Cardeal Sarah está claramente consciente das razões da confusão dos dias de hoje. “Como podemos aceitar que conferências episcopais contradigam uma a outra? Onde reina a confusão, Deus não está!, escreveu.

“A unidade de fé supõe a unidade do magistério no espaço e no tempo. Quando um novo ensinamento nos é dado, deve ser sempre interpretado em coerência com o ensinamento que o precedeu. Se nós introduzimos rupturas e revoluções, rompemos a unidade que governa a Santa Igreja pelos séculos”, insistiu. “Aqueles que bradam em voz alta a mudança e ruptura são falsos profetas. Eles não procuram o bem do rebanho”.

Fidelidade à verdade significa aceitar a Cruz, escreveu o Cardeal Sarah, acrescentando que Cristo exige aquela fidelidade mais uma vez.

“Ele nos olha diretamente nos olhos e pergunta a cada um de nós: você me abandonará? Você renunciará o ensinamento da fé em toda sua plenitude? Terá coragem de pregar minha presença real na Eucaristia? Terá coragem de convidar os jovens à vida consagrada? Quando você terá força para dizer que sem a confissão frequente, a comunhão sacramental corre o risco de perder seu sentido? Você terá a audácia de recordar a verdade sobre a indissolubilidade do matrimônio? Terá a caridade de fazer o mesmo àqueles que ameaçam culpá-lo por isso? Você prefere o sucesso ou me seguirá? Queira Deus que respondamos com São Pedro, cheios de amor a humildade, ‘Senhor, a quem iremos? Só vós tendes palavras de vida eterna’. (João 6:68).”

Tudo isso exige “amor a Pedro”, escreveu o Cardeal Sarah. “O mistério de Pedro é um mistério de fé. Jesus escolheu confiar sua Igreja a um homem. Não nos esqueçamos, Ele permitiu a este homem trair três vezes à frente de todos, antes de lhe entregar as chaves de Sua Igreja. Nós sabemos que a barca da Igreja não foi confiada a um homem por causa de suas habilidades extraordinárias. Mas sabemos que este homem seria sempre assistido pelo Divino Pastor, a fim de guardar a regra da fé”.

Essa é a razão pela qual não devemos ter medo, acrescentou, falando do “fio de ouro das definições infalíveis dos pontífices, sucessores de Pedro” em oposição ao “fio negro dos atos humanos e imperfeitos dos Papas, sucessores de Simão”, nos quais ainda “sentimos a pequena agulha guiada pela mão invisível de Deus”.

Na mesma direção de sua introdução, Sarah deixou claro que não se espera que os católicos sejam cegos:

“Queridos amigos, os seus pastores estão cobertos de faltas e imperfeições. Mas não é desprezando esse fato que se construirá a unidade da Igreja. Não tenham medo de pedir a eles a fé católica, os sacramentos da vida divina. Lembrem-se das palavras de Santo Agostinho: ‘Quando Pedro batiza, é Jesus que batiza. Quando Judas batiza, ainda é Jesus que batiza!”.

E prosseguiu: “Se você pensa que seus padres e bispos não são santos, seja santo por eles. Faça penitência, jejum para reparar as faltas e covardia. É a única maneira de carregar o fardo do outro”.

A quarta exortação do cardeal é sobre a “caridade fraterna”, refletindo sobre a Igreja como mãe que abre seus braços a nós: “Em seu seio, nada pode nos ameaçar. Cristo abriu Seus braços de uma vez por todas na Cruz para que a Igreja pudesse abrir os seus a fim de nos reconciliar com ela, com Deus e conosco mesmo”, um chamado contra a divisão que “persegue a Jesus”.

Em resumo, o Cardeal Sarah está chamando os fiéis a reconhecer “a grandeza e a transcendência de Deus”, a quem devemos amar até a morte — a única condição que pode nos permitir ouvir as palavras ditas por São Francisco de Assis: “Vai e reconstrói a minha Igreja”. Ainda afirmou o Cardeal: “Vai, reconstrói pela sua fé, esperança e caridade. Vai e reconstrói pela sua o oração e fidelidade. Graças a você, minha Igreja novamente se tornará minha casa”.

Essas palavras foram assinadas em 22 de fevereiro, durante o encontro sobre abusos sexuais no Vaticano, no momento em que acusações horríveis começaram a se acumular contra a Igreja, especialmente contra aqueles membros mais fiéis a seu ensinamento perene.

15 Responses to “A Igreja está “cega pelo mistério da iniquidade”, afirma Cardeal Sarah em novo livro.”

  1. Que bálsamo para nossos corações…obrigada ao Cardeal Sarah, e obrigada a todos os sacerdotes que continuam a servir fielmente a Deus. Que peçamos a graça da fé e perseverança nesses tempos.

  2. Como sempre sabias e santas palavras palavras vindo do coração do Cardeal Sarah. Uma das pouquissimas luzes que ainda brilham nessas trevas satanicas que tomaram conta da Igreja.

  3. Que todos que estão limpos e guiados pelo Espírito Santo proclamem e denunciem a verdade, deixaram o comunismo entrar dentro da igreja, fizeram pacto com os comunistas russos para não citar nada sobre o comunismo no concílio Vaticano II no 1962, infelizmente estamos colhendo os frutos. O ovo da serpente foi plantado no seio da igreja, aceitaram o cavalo de tróia que é a teologia da libertação. Coragem, fé, atitude contra os comunistas e muita oração.

    • O ovo da serpente não é a teologia da libertação, mas sim o MODERNISMO. Teologia da libertação seria impossível sem essa heresia que desgraçadamente triunfou após o Vaticano II.

  4. Que Jesus tenha misericórdia:Que continuamos rezar pelos Clero do mundo inteiro que saberemos que o demônio fica vagando pelo mundo a busca de almas fieis a Deus. O povo precisa rezar mais e acreditar que já existia está falta de respeito e de Amor .As pessoas vivem sem ouvir as batidas do coração de Jesus?Foi assim que o demônio entrou no interior das Igreja,primeiro foi a falta de Amor a Deus ao próximo e a se mesmo.

  5. Por outro lado acho conveniente a crise. É o próprio Espírito Santo que nos está pedindo uma coisa: Conhecer e ama Jesus na sua gênese. Existe amigos que lêem muito mais livros sobres anjos, sobre demônios, sobre os santos, sobre fundadores de congregações do que o próprio Evangelho. Ora…ora…
    A crise é exatamente o impacto do conhecer aquilo que de NOVO eu não sabia ou não percebia (discípulos de Emaús), aquilo que estava velado pelos panos do misticismo cristão.
    Se não sairmos dos conceitos medievais (de uma igreja distante de Jesus Cristo esquizoasceta, neurótica, dramática e muito mítica) para lançarmo-nos na leitura do Evangelho ficaremos SEMPRE a sombra de incertezas. Existem muito cristãos inteligentes, capazes de escrever compêndios doutrinários, são doutrinadores, mas entre Jesus e o seu testemunho de ser outro Cristo há uma abismo ideológico.
    Como será proveitoso para as novas gerações de bispos, cardeais, padres, leigos e leigas se permitir conhecer Jesus.

    • Pelo altíssimo nível das suas considerações e pela novidade intrínseca delas (a serpente do Paraiso talvez tenha dito as mesmas cousas a Eva antes de oferecer-lhe o fruto), creio q senhor é um padre da igreja conciliante, e celebra a Santa Ceia montiniesca revestido com paramentos de pantera, encimados por um turbante de pele (sintética) de javali ornado (?) com penas de galinha pedrês, ao som de tambores, tamborins e pandeiros batucados com grande frenesi e acompamhados de urros lancinantes e palmas tresloucadas da “assembleia litúrgica”.

      Logo o senhor será secretário da CNB do B.

      O cardeal Sarah certamente lhe poria para correr.

  6. Cardeal Sarah é uma voz que clama no Deserto, a exemplo do maior dos Profetas (João Batista). O mundo se transformou num deserto espiritual e a Igreja, por causa da Apostasia e do pensamento do tipo NÃO CATÓLICO parece dominar no interior do Catolicismo, cada dia mais forte. “Mas jamais representará o pensamento da Igreja” (palavras de São Paulo VI, papa).

    Como não se perturbar com a frase antes obscura (e agora clara e resplandecente):

    – “Quando o Filho do homem retornar, encontrará ainda fé sobre a Terra?”

  7. Luz para nós cristãos. Vejo a necessidade dos leigos cada vez mais aprofundar na leitura da Bíblia, catecismo da Igreja, dentre outros livros. A sutileza dos novos pensamentos e a maneira como são expostos (mudança para o bem comum) nos requer o conhecimento da doutrina mais a fundo. A participação de grupos de oração nos mostra muito isso. E com certeza, este texto mostrou a necessidade e a confirmação do q NSa pede, oração e penitência, pois nos fortalecerá como membros do corpo de Cristo.

  8. Ao terminar de ler o texto eu disse para mim mesmo: “É nisso que eu acredito!” O cardeal Sarah consegue expor a verdade com muito amor à Igreja. Precisamos mais disso.

  9. Um dia que um cardeal desses acusar o Concílio, como fez Dom Lefebvre. já terá um pé no paraíso.

  10. É triste ouvir essas palavras de ” a Igreja está cega”, quando que na verdade a Santa Igreja permanece Pura e Imaculada como seu Divino Esposo a fez. O certo é que autoridades, ou melhor aqueles que deveriam defender a Santa Igreja, de fato estão arraigados ao mal, ao pecado, às paixões humanas. Quando Pedro se encontra “debilitado” é preciso que o colégio apostólico se pronuncie. Infelizmente já vimos que os autos postos da Igreja encontram aparelhado com todas as heresias que durante séculos se levantaram contra o próprio Cristo. O rebanho está confuso com todas as falácias que anos se produzem nos corredores do Vaticano. Os fiéis estão caminhando para as fábulas, e assim se afastando da verdade. Rezemos a Deus Nosso Senhor que tenha misericórdia do seu pequeno rebanho.

  11. Foi bom, mas…criticar genericamente qualquer um pode fazer. Ora quem não é contra a pedofilia, os abusos sexuais no clero? até o cardeal McCarrick periga ser contra. Essas generalidades não adiantam muito. Seria bom que ele dissesse quem espalha ambiguidades, qual é a Conferência Episcopal que espalha heresias, mas isso já é pedir demais. Pra ficar num só ponto: o que o cardeal acha dos Dubia? Aqueles 4 valentes cardeais sim, tiveram a coragem de escrever e dar nome aos bois

  12. Fofinho e esquisito esse texto!
    Não fala em sacramentos e só UM apóstolo traiu Jesus.

Trackbacks