Eleições CNBB 2019. Jaime Spengler: a carta na manga?

Por FratresInUnum.com, 23 de abril de 2019 | Não, nós não nos esquecemos dele. Acontece que precisamos proceder por partes (ver artigo anterior) e, agora, nos toca falarmos do exímio candidato daquela que os próprios bispos da CNBB chamam jocosamente de “A máfia franciscana”.

Sim, é ele mesmo: Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada.

Dom Jaime Spengler

Muito chegado à Nunciatura Apostólica no Brasil, o temido Dom Jaime foi o inquisidor nomeado para investigar a conduta dos Arautos do Evangelho (dizem que militou nas fileiras da TFP durante sua juventude), trabalho que executou com muita dedicação, com vistas a agradar bastante o Papa Francisco e – quem sabe? – receber dele um barrete cardinalício.

De fato, não é de hoje que correm boatos de que ele sucederia Dom Murilo Krieger, arcebispo de Salvador e, portanto, arcebispo primaz do Brasil, mas a quem a misericórdia do papa argentino resolveu não outorgar o cardinalato. Spengler, ao contrário, foi bem mais “franciscano” e já garantiu as graças do pontífice reinante antes mesmo de ser “promovido”… Afinal de contas, “é dando que se recebe”, não é mesmo?

Rumo ao pódio cardinalício, Spengler pretenderia, antes, conquistar a presidência da CNBB? Embora Dom Leonardo Steiner, também franciscano, possa ter pretensões de perpetuar-se no poder sobre os bispos – tudo em nome do famoso “Reino”, entenda-se! –, é possível que tanto ele quanto Dom Walmor sejam apenas usados para a se destruírem e deixarem o lugar para Spengler. A propaganda eleitoral já começou.

Da ala de “centro-direita”, espera-se alguma articulação envolvendo Dom Orani Tempesta e seu bispo auxiliar, Dom Joel Portela, que, sussurram nos corredores, seria o candidato de consenso para Secretário Geral. Não surpreenderia se, no caos, surgisse o nome de Dom Odilo Scherer para apaziguar os ânimos de um episcopado cada vez mais dividido e em completo descrédito.

Tags:

22 Comentários to “Eleições CNBB 2019. Jaime Spengler: a carta na manga?”

  1. Um automovel vazio chega a Brasilia para a eleicao da CNBB. Do automovel desce Dom Odilo.

  2. Más notícias para os Arautos Evangélicos, caso seja o presidente da “igreja no Brasil”. O cerco está cada vez menor…

    • Não creio que a eleição dele vá causar tanto problema para os Arautos – até porque, estando na CNBB, ele teria milhares de outros problemas para se preocupar.
      E não sei de onde tiram que ele ‘cercou’ os Arautos. É verdade que alguns (especialmente da Montfort) tentaram instrumentalizar a atuação desse bispo na visitação, bombardeando-o com acusações contra a entidade. Mas ao que parece, ele percebeu a roubada a tempo, e conseguiu se distanciar.

      Aproveito para deixar aqui um link de um blog que tem postado temas sobre ‘polêmicas’ dos Arautos, inclusive referentes à visitação. Ao que tudo indica, tem material vazado de dentro dos próprios Arautos.

      https://exarautos.org/

      Obrigado a todos!

    • É o contrário. Boa notícia! Ele conheceu melhor os Arautos e imagino que sabe, agora mais do que nunca, que a Igreja de Cristo pode contar com esta nobre associação para a nova evangelização de que o mundo tanto precisa, como pediu o Papa São João Paulo II, o mesmo que reconheceu e abençoou a entidade, para que fosse até os confins do mundo anunciar a necessidade da devoção ao Imaculado Coração de Maria, conforme pediu Nossa Senhora de Fátima.

  3. Nos bastidores eclesiásticos já esfriou o nome de Dom Leonardo Steiner. Especula-se que sua imagem está por demais arranhada e que alçá-lo a presidente seria acabar ainda mais com a CNBB, mas ele ainda contaria com o apoio dos arcebispos de Curitiba e Florianópolis, que levariam votos dos mais à esquerda para Steiner. Em troca da presidência, ganharia Steiner a sede de Campinas, após a AG da CNBB.
    Dom Jayme Spengler é o grande nome, mas às sombras. No entanto, como ainda existe uma ala de bispos insatisfeitos, nomes como o do Arcebispo de Recife e até mesmo do Arcebispo de Sorocaba estariam sendo cogitados como a rota de fuga diante do impasse Leonardo-Walmor-Jayme; o Arcebispo de São Paulo apoiaria este caminho alternativo. Já o Arcebispo do Rio apoiaria um de sua região para a secretaria geral, ou um de seus auxiliares ou o bispo de Petrópolis.
    Muita coisa há de se discutir nesta AG, talvez uma das mais conturbadas e divididas. A política já está acontecendo. Que o Espírito Santo intervenha para o bem da Igreja.

    • Deus livre campinas de dom Leonardo!

    • “Conheço” o arcebispo de Sorocaba. Bom homem, fala e escreve muito bem.
      Acho que seria uma opção viável dentro dessa confusão toda. Entretanto, ele não aparece tanto na mídia quanto os outros candidatos.
      Aguardaremos e veremos!!!

  4. Quais são os candidatos que estão concorrendo? Quem seria o “menos ruim ” para nós tradicionalistas Tridentinos ? Quais as chances do novo presidente dar uma guinada na CNPT e fazer uma volta ao passado medieval ? A esperança é a última que nunca morre.

    • Olhando para a situação atual e para o bem da Igreja no Brasil, um bom início para todos os católicos brasileiros que seguem fiéis à doutrina da Santa Igreja, é que seja eleito um bispo que não seja esquerda e nem centro-esquerda.
      Penso que o ínicio de uma mudança seja nessa direção. E pelo posicionamento no “dia-a-dia”, parece que Dom Orani seja a opção.

  5. Gostaria de saber em que casa de macumba dom Semfesta compra seus artigos religiosos e seu banho de cheiro. Talvez algum Administrador infiel, verdadeiro asceta do camaleonismo retumbante, possa dize-lo também, visto igualmente afeito aos despachos de beira-rio.
    O fato é que as pragas saídas da floresta de Lutero continuam a devorar os campos dos Goytacazes, sem esquecer que São Sebastião e São Jorge perdem numerosos devotos todos os dias.
    Quem sabe um raio despregado das nuvens fulmine logo a CNB do B e seus asseclas.

  6. Para que serve a CNBB, ou ainda a “quem’ serve? A CNBB já tem sua origem um tanto duvidosa, pois tem-se dos pilares emblemáticos um bispo brasileiro, embora devotíssimo do uso da batina, bem envolvido com os comunismo. De outro lado, um futura papa bem engajado com inimigos seculares da Santa Igreja. De toda sorte foge completamente à Missão dada aos Doze Apóstolos de irem pelo mundo tudo ensinar, pregar, converter e batizar, ensinando tudo aquilo que o Mestre ensinou a observar. Converter é uma palavra proibida na CNBB, e de também nos corredores da Santa Sé. O máximo é fazer eco contra aqueles que são fiéis aos Santos Evangelhos piamente. Então resta uma entidade civil, afinal para os países em que tais conferências existem a laicidade impõe essa condição, sem poder algum, a não ser de calar os fiéis que são fiéis, redundante não, a Verdadeira Igreja. Mantém o status dos prelados com honras civis e militares, afinal querendo ou não é interessante ter uma instiuição com riquezas de financeiras e de pessoas, sob seu comando. Bem, sei que muitos me “excomungaram”, mas é essa a visão que tenho das CNBs. Uma vez que o Santo Padre atual já disse que a corte era a lepra da Igreja, o que então não dizer das CNBs? A Santa Igreja não foi instituída para o bem temporal dos seus filhos ou dos demais. A função, ou melhor a Missão da Santa Igreja é Salvar Almas e não agradar ao mundo. Também não é, como alguns pensam, travar guerras, sejam morais ou físicas. É simplemente ir pelo mundo todo, pregar o Evangelho a TODA CRIATURA. quem crer e for batizado será salvo, caso contrário será condenado. ( Mc 16,15). Na Sexta Feira, apesar da adaptação “politicamente correta”, nas Oração Universal, ouvi-se rezar pelos infiéis( de outras religiões), pelos excomungados(acredito que agora faço parte deles), cismáticos e judeus. Fazer reuniões e até acordos com esses, colocando a questão de Fé, debaixo do tapete, para que vivamos nesse mundo bem, não é contraditório com a Missão dada aos Doze? Vou maís longe, não seria falta de extrema Caridade, afinal estaríamos chancelado para que permaneçam no caminho contrário, como só há uma caminho que conduz a Salvação Eterna, logo estamos empurrrando para a perdição? De toda sorte, rezemos para que um mal menor venha assumir essa presidência, pois infelizmente no momento o mundo está posto no maligno.

  7. Eleição da CNBB é que nem aquele filme “Alien vs Predador”: não importa quem vença, nós perderemos.

    • A sua correlação com o filme me fez lembrar uma frase do primeiro Alien x Predador: O inimigo do meu inimigo é meu amigo. Parece cair perfeitamente à esse momento eleitoral na CNBB.

  8. Qualquer bispo da Província Eclesiástica do Rio de Janeiro na direção da CNBB já seria um alento. É, de longe, a região menos infectada com as hostes esquerdistas no episcopado brasileiro. Claro, a turba já se move em direção a um oportunista barato como Spengler, porque bem sabe que um petista confesso como Steiner seria um tiro no pé que minaria de vez a credibilidade da CNBB.

    A propósito, impressionante como esse episcopado sulista de origem germânica é um flagelo para a Igreja no Brasil. Com todo respeito aos católicos fieis da região, que certamente não merecem o episcopado picareta que a região produz há décadas.

  9. Não sei porque tanta preocupação com quem vai ocupar o cargo de presidente da CNBB. Não faz a menor diferença. Pode até mudar o nome de quem vai comandar, mas o resultado prático já sabemos qual será.Essa entidade não faz parte da hierarquia da Igreja, de tal modo que se deixasse de existir não faria nenhuma falta para a Igreja. Muito pelo contrário, seria muito mais edificante a dissolução dessa entidade criada para fins escusos, cujos frutos amargos acumulados ao longo de décadas são de orientação marxista, e só contribuíram para a decadência da fé católica no Brasil. As seitas protestantes foram as mais beneficiadas pela ações cnbbistas. O inferno também foi favorecido recebendo inúmeras almas que morreram na ignorância da fé por terem seguido a agenda da CNBB.

  10. “em nome do famoso Reino…” Reino das trevas, do antiCristo!

  11. Faz uns anos, em uma publicação do Pe Paulo Ricardo contra a maçonaria, um maçom fez o seguinte comentário, “…quanta ignorância, o bispo de Porto Alegre participa de nossas reuniões…”. Fico curioso por saber se seria este arcebispo!

  12. Escrevam: o futuro Presidente (tomara) será um verdadeiro cara-de-nada/picolé-de-chuchu. Como tem sido outros depois de Dom Luciano Mendes de Almeida. O perigo está no Secretário-Geral… Esse é o designado full-time para a CNBB. E não vejo outros nomes senão Dom Joaquim Mol ou Dom Eduardo Pinheiro (mais difícil por ser titular de diocese). Espero estar errado pra valer… E que surjam nomes como Dom Orani para a presidência e Dom Levi Bonatto para secretário-geral

  13. O que eu acho engraçado e até o João Paulo comentou…

    Não sei porque se preocupam tanto com essa organização criminosa chamada CNBB. Pior é ver os pseudos ‘tradicionalistas’ (intercalando missa nova com missa do indulto) preocupados. É bizarro!

    Tradicionalista e CNBB não combina! Ou segue a fé da Igreja ou segue as diretrizes heréticas dessa corja. Talvez nas paróquias onde se tem Missa do Indulto, os padres e fiéis aderem a Campanha da Fraternidade, ou estão receosos de perderem ‘o direito’ de terem a Missa.

    Quem guarda a fé de sempre e tem bons pastores como guias, não está nada preocupado com essa eleição.