Salvini brande rosário e compra briga com católicos.

Publicações criticaram o gesto do ministro do Interior.

Por Ansa Brasil – Já criticado nos últimos meses por expoentes e publicações do mundo católico devido à sua ofensiva contra os migrantes resgatados no Mediterrâneo, Salvini comprou uma nova briga ao subir no palco do comício de Milão com um rosário em mãos.

“Eu, pessoalmente, confio a minha vida e a de vocês ao coração imaculado de Maria, que, tenho certeza, nos levará à vitória”, disse Salvini a dezenas de milhares de apoiadores, que também não se furtaram a vaiar o papa Francisco quando seu nome foi citado pelo ministro.

Em um editorial publicado neste domingo (19), a influente revista católica Famiglia Cristiana chamou a exibição de Salvini com o rosário e as vaias a Jorge Bergoglio de “soberanismo fetichista” e acusou o ministro de “instrumentalizar a religião para justificar a violação sistemática dos direitos humanos” por parte da Itália.

“Enquanto o líder da Liga exibia o Evangelho, outro navio carregado de vidas humanas era rechaçado”, diz o texto, em referência à embarcação da ONG alemã Sea Watch, que não teve autorização para descer na ilha de Lampedusa 45 migrantes resgatados no Mediterrâneo.

O navio foi apreendido neste domingo pela Guarda de Finanças, que denunciará a tripulação às autoridades judiciárias. Ainda não se sabe o destino dos 45 deslocados internacionais que estão a bordo.

Antes disso, o diretor da revista jesuíta La Civiltà Cattolica, Antonio Spadaro, afirmara que “rosários e crucifixos ainda são usados como sinais de valor político, mas de forma inversa em relação ao passado”. “Se antes se atribuía a Deus aquilo que deveria ficar nas mãos de César, agora é César quem empunha e brande aquilo que é de Deus”, escreveu Spadaro no Facebook, sem citar Salvini.

“A consciência crítica e o discernimento deveriam ajudar a entender que um comício político não é o lugar para fazer ladainhas. Está claro que o identitarismo nacionalista e soberanista precisa se fundar sobre as religiões para se impor”, acrescentou.

Também sem citar Salvini, o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, segundo na hierarquia católica, afirmou que “Deus é de todos” e que é “muito perigoso invocar Deus para si mesmo”.

O ministro, por sua vez, rebateu que “uma Europa que nega as próprias raízes não tem futuro”. “Sou crente, e meu dever é salvar vidas e despertar consciências. Estou orgulhoso de testemunhar, com ações concretas e gestos simbólicos, minha vontade de uma Itália mais segura e acolhedora, mas no respeito de limites e regras”, disse.

Salvini também afirmou que recebe mensagens de “freiras, padres e cardeais” pedindo para ele manter sua política de linha dura. “Sou o último dos bons cristãos, mas tenho orgulho de andar sempre com o rosário no bolso”, ressaltou.

Desde que chegou ao poder, em junho passado, o ministro e vice-premier não se reuniu com o papa Francisco nenhuma vez, apesar de o próprio líder ultranacionalista ter anunciado certa vez que se encontraria com o Pontífice.

Essa distância se aprofundou no início de maio, quando Francisco recebeu uma família cigana alvo de protestos de neofascistas por ganhar um apartamento popular em Roma. Além disso, o esmoleiro do Papa, cardeal Konrad Krajewski, reativou por conta própria o fornecimento de energia elétrica a um prédio ocupado por mais de 400 pessoas – incluindo muitos migrantes – na capital.

A ação gerou críticas de Salvini, que pediu para Krajewski “pagar as contas dos italianos em dificuldade”. A gestão do ministro do Interior também é alvo de ataques entre padres, como dom Paolo Tofani, de Pistoia, que em uma homilia chegou a dizer que Jesus teria morrido ainda criança se o Egito tivesse uma política migratória como a da Itália.

Tags:

8 Comentários to “Salvini brande rosário e compra briga com católicos.”

  1. Palavras coerentes da Máfia Sodomítica e Sionista Vaticana, que brande suas lanças contra quem se opuser ao seu amo George Soros. Deixai-os ! São cegos guiando outros cegos!

  2. É, política migratória já trouxe ao Brasil mais de três milhões de muçulmanos, que talvez serão responsáveis pela nossa decapitação. Não é, senhor Aluízio Nunes? Não é, senhor Temer e caterva? Deus nos guarde!

  3. Eu vi a cena, ele não faz sequer o sinal da cruz direito. Será que sabe?

  4. Críticas um tanto justas que escondem intenções sujas, projetos podres de poder; quando um membro do clero [padres e bispos] brada aos berros de menina a paresia de um certo metalúrgico que nunca trabalhou, o silêncio paira no Vaticano.

  5. meus amigos
    É compreensível a forma de agir de Salvini. Ele o faz em desepero.
    A Europa infelizmente, é um caso perdido no que concerne à defesa e manutenção da civilização ocidental e já nem falo da componente cristã da mesma.
    Quem anda pelas ruas das cidades europeias só observa muçulmanos seja Milan, Paris ou Bruxelas. Em muitos locais são mais de 10% da população local onde impõem a lei da sharia.
    Prevejo para muito breve uma guerra civil na Europa ocidental devido a isso.

  6. “Quando o pastor se torna um lobo, o primeiro dever do rebanho é se defender“ (Dom Gueranger).

    Sem comentários!

  7. Salvini é mais um político que utiliza a religião católica como escudo para encobrir a podridão da política italiana, sobretudo agora com as eleições europeias.

  8. L’Espresso ( capa, 26 maio ). El Papa aparece disfrazado de Zorro como símbolo de la oposición a Salvini.
    Zorro subito.
    https://www.lanacion.com.ar/el-mundo/el-papa-aparece-disfrazado-zorro-como-simbolo-nid2251736