Desespero de causa.

Por FratresInUnum.com, 28 de agosto de 2019 – Uma das maiores fake news da história! E, “coincidentemente”, às vésperas do Sínodo pan-amazônico, acerca do qual não há nenhuma empolgação popular.

Resultado de imagem para papa francisco índios

Maio de 2019 – Papa Francisco recebe o líder indígena esquerdista Raoni.

O povo não fala em índios ou ecologia, muito menos em ordenar homens casados ou caciques. O clero, excetuando-se alguns bergoglianos fanáticos, tampouco tem reagido às provocações sinodais. O Instrumentum Laboris, há pouco divulgado, causou agudas críticas: é a paganização da Igreja, a sua completa rendição à revolução tribalista.

Mas, mesmo assim, nem o escândalo conseguiu tirar os fiéis da mais absoluta indiferença. De fato, a psicologia do povo católico funciona às avessas da mentalidade revolucionária: ao invés de protestos, o povo se manifesta mediante o desprezo.

Sem nem sequer tomar conhecimento do assunto, o católico normal segue a sua vida como se nada estivesse acontecendo, rezando para que o vexame logo passe, sem deixar maiores estragos. E prossegue o seu caminho.

Do outro lado, os eternos adolescentes de maio de 1968 continuam com suas fixações idealistas, com seus discursos ultrapassados, com sua psicose apocalíptico-eco-teológica e, desesperados pelo fato de ser já indisfarçável que se isolaram num monólogo de grupo, criaram a ficção de uma crise que sequer resistiu a uma semana de alarde.

O presidente da França, um progressista totalmente rendido à ideologia internacionalista, em completa crise de credibilidade em seu próprio país, disparou o ataque contra o Brasil, contra as alegadas queimadas que estavam destruindo a floresta, e ameaçou sanções na reunião do G7, mas tudo se desfez como bolha de sabão. Um vexame! Enquanto isso, celebridades reagiam em coro, doidas por desfrutarem de quinze minutos de aplausos e, depois, assistirem tudo no telejornal da noite. Outra vergonha!

Mas, nem com isto conseguiram angariar nenhuma reação popular. O Sínodo está às portas, Bergoglio fez menção ao assunto no Angelus de domingo, a CNBB já havia divulgado nota e vídeo de endosso aos protestos, os serviços de informação ligados ao Vaticano solidarizarem-se com uns e outros e, mesmo assim, puderam apenas contar com o desprezo solene dos católicos.

Realmente, os padres sinodais terão de se contentar com seus próprios aplausos mútuos, com a velha sensação de autoproteção grupal, pois as pautas do Sínodo não vão _pegar_, não estão pegando, não vão conseguir decolar e o povo está se negando a colaborar com mais este teatro patético.

O esforço conjunto de Bergoglio, dos políticos progressistas e da mídia apenas flagrou de modo indissimulável que eles não estão conseguindo e que a sua manobra comunicativa não excede aos limites de uma confissão de fracasso, do reconhecimento de que estão sozinhos, enfim, uma atitude tomada pelo pânico e pelo completo desespero de causa.

13 Comentários to “Desespero de causa.”

  1. Parece-me muito otimista o diagnóstico acima.
    Se Francisco autorizar a “ordenação” de diaconisas, terá um aplauso estrondoso de 99% das ministras “extraordinárias” da Eucaristia (extraordinárias só no papel), se autorizar os “viri probati”, terá o aplauso dos diáconos permanentes que na maioria já estão de olho na possibilidade de se tornarem sacerdotes permanentes. Se autorizar na liturgia práticas dos pajés também terá apoio de uma parcela de católicos contaminados pela medicina alternativa, da medicina mágico-esotérica.

  2. Pe J F tem absoluta razão, pois além disso, como citarei sem mais interromper que os projetos com apoios das esquerdas serão descartados, refutados e pisoteados por serem, sem exceção alguma populistas, demagógicos e fraudulentos – como elas mesmas!
    O bando de zumbis que se ajuntará no Sínodo da Amazonia não passam de grupelhos de conspiradores e traidores da Igreja e capachos dos globalistas-Illuminati-ONU e da Maçonaria, a qual às sombras é a protagonista-mor desse pacote provindo de escorpiões!
    O Sínodo da Amazonia propositalmente visa pisotear as verdades reveladas pela fé da Igreja católica e trazer, como consequência uma igreja como qualquer seita, onde v seja o auto sacerdote e fiel a si mesmo, arraigá-lo ainda mais no narcisismo e antropocentrismo ideológicos, novos cultuadores dos deuses pagãos indígenas, em suma, em Satã, em suas falanges, afastarem as almas de salvação o quanto possam e direcioná-las mais rapidamente para o inferno por lavagens cerebrais a serem incrementadas nessas regiões de povos incultos!
    Na sexta-feira pp, o presidente Jair Bolsonaro foi à televisão discursar sobre as montadas queimadas na Amazônia e surpreendeu os fact-checkers, pois no 4º terceiro minuto de sua exposição, Bolsonaro pediu serenidade aos telespectadores e acertou o alvo que “Espalhar dados e mensagens infundadas, dentro ou fora do Brasil, não contribuem para resolver o problema e se prestam apenas ao uso politico e à desinformação” – embora, como se fôra informação!
    Recentemente, não correu imenso boato que a China não mais produziria fornos microondas por 1001 efeitos deleterios à saúde?
    Àquele momento, o pres. J Bolsonaro se referia às centenas de fotos antigas, doutros locais, falsas bandeiras, fora de contexto, postadas doutros locais postadas nas redes sociais por celebridades como zumbis Madonna, DiCaprio, Cristiano Ronaldo e Emmanuel Macron – conteúdo que havia sido pontuado como inadequado tanto pela Agência Lupa quanto pela AFP no Brasil pelo viés político das esquerdas e gentalha suspeitíssima de ser considerada como veraz!

    • Todo esse seu palavrório, não pode esconder o fato de que a floresta amazônica queima. Que está sendo destruída de forma criminosa . Isso é fato. Agora o uso ideológico que se faça dessa tragédia é outra história.

  3. Também achei muito otimista o texto, apesar de concordar. A mídia em massa apoia idéias liberais, progressistas segundo a agenda da NOM/ONU e afins. A rede globo está dando nos nervos já!

    O povo Católico sim, estão indiferentes e saturados de tanto discurso vazio. E tem crescido mais e mais o número dos que se perguntam: “É lícito resistir a um Papa? O Santo Padre não é o guardião da fé, como é possível reconhecer um Bispo como sucessor de Pedro, vigário de Cristo e ser resistente?”

    Que tempos!Que tempos esses!

  4. Raoni não representa coisa alguma, exceto a si mesmo.
    Não é líder de coisa alguma, muito menos de índio.
    Não passa de um esquerdista a serviço de interesses escusos e de comunistas, mais nada.
    Por outro lado, le general Bolsonarrô se não disse, deveria dizer: La France n’est pas un pays serieux.
    O sustento da França hoje, dito pelo próprio governo francês, se deve ao dinheiro que extorque das ex-colônias francesas, coisa da ordem de 500 bilhões de dólares por ano.
    Fakenews? ora, vá ao site do próprio governo francês que está lá:
    https://t.co/dnAWvvjnaI
    https://t.co/xpteZnlRID
    https://t.co/RqlD2TA6yF

    • Felix, excelente comentário!
      Foi muito bom lembrar a dependência da França e de outros países da Europa, outrora donos de colônias, e que hoje mantém seu socialismo e welfare as custas das riquezas materiais e do roubo explícito dos povos que dizem não colonizam mais.
      Sempre me pergunto se estas riquezas parassem de entrar de forma compulsória na França que tipo de país se tornariam?? Certamente um país de quarto mundo, até se autodestruir, pois sobrevivem neste parasitismo há mais de 100 anos! Será que saberiam viver diferente! O socialismo é sempre parasita e destruidor de riquezas e pessoas!

  5. Realmente tá um vexame….
    O pivo católico já se tocou q isso é uma babaquice ultrapassada de bando de senhores idosos e ultrapassados q nunca de verdade conheceram a Yeshua!
    Oremos para q ainda se convertam…antes de partirem…

  6. Vídeos como este, incisivamente contrários ao sínodo amazônico, e ou a Jorge Mario Bergoglio, se acham presentes em grande número em plataformas como o youtube, e também amplamente compartilhados pelas redes sociais. Em sua maior parte, estes vídeos apresentam visualizações que ascendem aos milhares. Da mesma forma, o número de “likes”, em muitos deles, ultrapassa também a casa dos 3 dígitos, ou mesmo mais. Uma leitura, um a um, dos comentários ali realizados leva a inequívoca constatação do predominante rechaço ao sínodo, tamanho o número das manifestações de contrariedade e de discordância a ele. Neste âmbito estatístico do número de visualizações, do número de “likes”, do número de comentários discordantes, o gritante contraste entre estes vídeos manifestamente anti-sínodo (que além de tudo, são também em maior número) e os apologéticos a ele, como aqueles protagonizados por seu maior “garoto propaganda” no Brasil, Dom Hummes”, evidencia uma desproporção simplesmente absurda em desfavor do conciliábulo amazônico. E isso, sem levar também em conta o fato de que os produtores responsáveis por estes vídeos (e outros mais com igual postura) potencialmente ainda irão levar às mídias, até a realização do encontro sinodal em outubro, novos conteúdos críticos, com a igual probabilidade de ter a mesma divulgação e repercussão já obtida até agora, ou ainda maior. Este quadro evidencia que o presente artigo, longe de qualquer exagero quanto a estimativa de uma rejeição ao sínodo, se acha perfeitamente conectado à realidade. Ao que tudo indica, o sínodo pan-amazônico, além de um fiasco, poderá ser mesmo um grande “tiro no pé”, do qual seus propugnadores se arrependerão amargamente, não só na outra vida, mas já nesta.

  7. Vídeos com conteúdos, incisivamente contrários ao sínodo amazônico, e ou a Jorge Mario Bergoglio, se acham presentes em grande número em plataformas como o youtube, e também amplamente compartilhados pelas redes sociais. Em sua maior parte, estes vídeos apresentam visualizações que ascendem aos milhares. Da mesma forma, o número de “likes”, em muitos deles, ultrapassa também a casa dos 3 dígitos, ou mesmo mais. Uma leitura, um a um, dos comentários ali realizados leva a inequívoca constatação do predominante rechaço ao sínodo, tamanho o número das manifestações de contrariedade e de discordância a ele. Neste âmbito estatístico do número de visualizações, do número de “likes”, do número de comentários discordantes, o gritante contraste entre estes vídeos manifestamente anti-sínodo (que além de tudo, são também em maior número) e os apologéticos a ele, como aqueles protagonizados por seu maior “garoto propaganda” no Brasil, Dom Hummes”, evidencia uma desproporção simplesmente absurda em desfavor do conciliábulo amazônico. E isso, sem levar também em conta o fato de que os produtores responsáveis por estes vídeos (e outros mais com igual postura) potencialmente ainda irão levar às mídias, até a realização do encontro sinodal em outubro, novos conteúdos críticos, com a igual probabilidade de ter a mesma divulgação e repercussão já obtida até agora, ou ainda maior. Este quadro evidencia que o presente artigo, longe de qualquer exagero quanto a estimativa de uma rejeição ao sínodo, se acha perfeitamente conectado à realidade. Ao que tudo indica, o sínodo pan-amazônico, além de um fiasco, poderá ser mesmo um grande “tiro no pé” do qual seus propugnadores se arrependerão amargamente, não só na outra vida, mas já nesta.

  8. Este Sr.Domingos Oliveira está mal informado e conclui o que vem de mentes que nunca leram ou entendem nada da Amazonia. A floresta amazônica só pode ser destruída pelo corte de suas árvores pois incendiar (ainda mais deforma natural) é impossível, pois tem grande índice de humidade e não possui vegetação rasteira. Portanto as queimadas são em área de desmatamento ilegal ou nas áreas de mata rasteira ou Campos.
    Atualmente temos os menores índices de fogo dos últimos 15 anos e de mata NATIVA preservada 66%.
    Seu alarmismo mal informado não ajuda o Brasil nem a floresta da qual o Sr. quer dar a entender que se preocupa. Ficar preocupado de nada adianta, se ocupe de estudar um pouco sobre a floresta que serão melhores os resultados!

  9. O problema maior será se a indiferença ao sínodo por parte do povo católico contribuir ainda mais para a indiferença à própria igreja em si, pois o povo comum não consegue distinguir entre a Igreja, enquanto Sacramento de salvação, do clero visível e reinante, e pensam que ser obediente à igreja é ser obediente a última determinação do padre ou ao último twit do papa. A confusão doutrinal leva a um peso moral por demais pesado ao católico simples, e ele acaba ou por aderir incondicionalmente aos modismos do clero ou termina por perder a fé.