Foto da semana.

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sorrindo, área interna

Vaticano, 10 de agosto de 2019: Bento XVI recebe os monges da Congregação agostiniana de Windesheim, Holanda. Nesta semana, foi divulgada uma resposta de Bento XVI às críticas que recebeu de progressistas sobre a sua intervenção no debate acerca da crise de abusos sexuais. Nela, o Papa emérito vai ao cerne da questão: “Deus não aparece de forma alguma”. Na corrente bergogliana, vê-se introduzida na teologia o que Bento imputava à sociedade ocidental: agem como se Deus não existisse.

Abaixo, a íntegra:

“A contribuição da senhora Aschmann (“O verdadeiro sofrimento católico em 1968“, HK, julho de 2019, 44-47), apesar de sua unilateralidade, pode estimular uma reflexão mais aprofundada. Trata-se de uma reação à minha publicação no Klerusblattpara esclarecer a crise dos abusos (nº 4/2019, 75-81). A reação é insuficiente e é típica do déficit geral de recepção ao meu texto.

Parece-me que nas quatro páginas do artigo da sra. Aschmann não apareça a palavra Deus, algo que eu coloquei no centro da questão. Escrevi: “Um mundo sem Deus só pode ser um mundo sem significado … A sociedade ocidental é uma sociedade em que Deus está ausente para o grande público e não tem nada a dizer a ele. E é por isso que é uma sociedade em que a medida do ser humano está sendo cada vez mais perdida”.

Pelo que eu posso ver na maioria das reações à minha contribuição, Deus não aparece de forma alguma, e, portanto, não é enfrentado justamente aquilo que eu queria enfatizar como o ponto principal da questão. O fato de o artigo da sra. Aschmann ignore a passagem central de minha argumentação, assim como a maioria das reações de que tomei conhecimento, mostra-me a gravidade de uma situação em que a palavra Deus costuma parecer marginalizada na teologia”.

Tags:

7 Comentários to “Foto da semana.”

  1. Satã passeia garboso e faceiro dentro do Vaticano.
    Por que iriam então falar de Deus?

  2. Grande Bento XVI! Resposta lúcida e verdadeira.

  3. Excelente resposta. Papa Bento XVI diz a verdade.

  4. Tem-se admitido estamos nos tempos do fim e nossa alma estar em maior perigo de se perder para sempre que nos séculos passados, e abaixo estão as referencias às palavras de São Paulo a Timóteo para o nosso momento relativista e antropocentrista, adotante mais de ideologias que jamais existiram a rodo, como hodiernamente:
    … Haverá um tempo em que não suportarão a sã doutrina, mas de acordo com seus próprios desejos, ajustarão mestres para si, tendo comichão nos ouvidos, e darão as costas à verdade, voltando-se às fábulas. 2 Tm. 4,3-4.
    Assim, Nossa Senhora veio à montanha de La Salette e advertiu-nos:
    “No ano de 1864, Lúcifer, juntamente com um grande número de demônios, será solto do inferno. Eles vão pôr fim à fé pouco a pouco, mesmo naqueles que se dedicam a Deus. Eles irão cegá-los de tal maneira que, a menos que recebam uma graça especial, essas pessoas irão assumir o espírito desses anjos do inferno; várias instituições religiosas perderão toda a fé e perderão muitas almas.
    Livros maus serão abundantes na terra e os espíritos das trevas espalharão por toda parte um relaxamento universal em tudo que concerne ao serviço de Deus. Os chefes, os líderes do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência, e o demônio obscureceu sua inteligência. Eles tornaram-se estrelas errantes que o velho demônio arrastará com sua cauda para fazê-los perecer.
    Sim, os sacerdotes estão pedindo por vingança, e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e pessoas consagradas a Deus, que por sua infidelidade e suas vidas perversas estão crucificando o meu Filho de novo!” SS Virgem de La Salette, 19/09/1846.
    Confiram como base, as celebrações das Santas Missas “criativas”, quase todas, muito profanadas, a começarem dos sacerdotes as incentivando, usando as casas de Deus, as igrejas, como salões de festas, até por varios bispos, incluídos nos acima, hoje socialistas e comunistas!
    *“Deus é silêncio. O demônio é barulho”
    Cardeal denuncia: “O barulho se tornou uma droga da qual os nossos contemporâneos são dependentes” – e isto vale para a liturgia também; “Deus é silêncio. O demônio é barulho” – 10/10/16
    Cardeal denuncia: “O barulho se tornou uma droga da qual os nossos contemporâneos são dependentes” – e isto vale para a liturgia também
    “Corremos o risco de reduzir o sagrado mistério a bons sentimentos”, alertou o cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.
    Em entrevista ao jornal francês “La Nef”, por ocasião da publicação do seu livro “A força do silêncio: contra a ditadura do barulho”, ele destacou que “o silêncio não é uma ideia; é o caminho que permite aos seres humanos chegarem a Deus. O silêncio sagrado é uma lei fundamental em toda a celebração litúrgica. O Concílio Vaticano II enfatiza que o silêncio é um meio privilegiado para se promover a participação do povo de Deus na liturgia”.
    *https://catholicus.org.br/deus-e-silencio-o-demonio-e-barulho/

  5. Bento XVI, vida longa, a Igreja precisa de S.S.

  6. “Um mundo sem Deus só pode ser um mundo sem significado …” (Bento XVI)

    Por isso há tanto sofrimento no mundo de hoje.

  7. Se não tinha fibra para aguentar o rojão, Ratzinger não devia ter aceito o pontificado. Havia outros representantes da ala conservadora conciliar que possivelmente teriam feito melhores manobras para conter a sanha do lobby transviado e outros.
    Por lado, foi bom que ficasse evidente o completo fracasso do falso Pentecostes das falsas ideias e dos falsos projetos do tal João XXXIII e do fúnebre Paulo VI.

    Vão se tratar seus desobedientes descarados e insolentes!