Arautos do Evangelho declaram “comissariado inválido”.

Redação (Sábado, 19-10-2019, Gaudium Press) Reportagem exclusiva à Gaudium Press traz  esclarecimentos sobre o comissariado dos Arautos do Evangelho, divulgado pela Santa Sé, os Arautos do Evangelho foram manchetes de  algumas das mais famosas agências noticiosas do mundo e responde as calúnias.

Logo após a difusão da notícia sobre o comissariado dos Arautos do Evangelho divulgada pela Santa Sé, a Associação foi inserida nas manchetes de algumas das mais famosas agências noticiosas do mundo. Enquanto alguns órgãos procuravam enfocar a situação com profissionalismo, outros preferiram prestar-se – antes de comprovar a realidade dos fatos – à veiculação de versões parciais, ou até mesmo distorcidas, dos fatos de maneira a, consciente ou inconscientemente, denegrir a boa reputação da entidade. Desejosos de encontrar a verdade no meio de todas as informações, inclusive contraditórias, que têm circulado pela internet e pelas redes sociais nos últimos dias, realizamos uma reportagem exclusiva junto às autoridades e aos membros dos Arautos do Evangelho, para apurar a sua versão dos fatos, e apresentá-la ao grande público.

* * *

Porta-voz aposta em “perseguição religiosa” com “modelo moderno”

Os Arautos lamentam que algumas agências não tenham seguido o código ético do jornalismo, pois não ouviram a versão das vítimas, dando azo a notícias distorcidas e sem fundamento factual. Segundo afirma Humberto Goedert (advogado, brasileiro, 53 anos), porta-voz da entidade, “é notório que há uma organização criminosa por trás, movida por ódios pessoais, e não interessada na verdade. Uma autêntica perseguição religiosa em pleno século XXI, disfarçada sob os véus de falsas ideologias. Tudo isso tem causado danos irreparáveis, não só para a imagem dos Arautos, mas também para a própria Igreja. É vexaminoso”.

Mais ainda, Goedert explicou que o departamento de imprensa da instituição – após investigação das várias afirmações caluniosas, procurando remontar às suas fontes – encontra sempre no fim o mesmo roteiro difamatório, reajeitado e reencaixado, mudando apenas os nomes dos implicados. O porta-voz diz acreditar que a razão disto acontecer é que a verdadeira motivação não está nos fatos, mas no ódio: “Os incriminadores são sempre os mesmos, que são desafetos da instituição; eles se refugiam nas sombras da internet e procuram disfarçar seu pequeno número no anonimato”, acrescentou.

Segundo o membro, esse grupinho de descontentes, porém, é como um vaso oco, como reza o ditado: só faz barulho. Goedert remete a Cristo, que também foi perseguido e condenado à pior das ignomínias, mas – observa ele, com uma ponta de ironia – Jesus passou por um juízo, embora iníquo, onde ele ao menos foi chamado pelo seu próprio nome: “Quem quereis que vos solte, Barrabás ou Jesus, que chamam de Cristo?” (Mt 27,17). Com efeito, o porta-voz deplora que nem isso foi concedido aos Arautos, pois no decreto lavrado pela Santa Sé foram tratados como “associação pública”, o que não corresponde à realidade jurídica da entidade.

Goedert lamenta que tenha havido “muito atropelo e pouco diálogo” nos procedimentos dos quais a instituição é objeto desde 2017. “Sempre estivemos abertos ao diálogo, um diálogo aliás que, infelizmente, nem sempre foi recíproco. Só pedimos que seja observado o mínimo de legalidade nos procedimentos, pois até no julgamento injusto de Jesus um certo simulacro de procedimento jurídico foi observado. Mas a justiça dos escribas e fariseus é coisa do passado: até parece que o modelo moderno de julgamento eclesiástico prescinde de fatos, provas e argumentos”, conclui o advogado.

Visita Apostólica positiva, mas com resultado desconhecido

Como foi já amplamente divulgado, ainda antes da comunicação oficial por meio dos Comissários, os Arautos do Evangelho foram objeto de uma Visita Apostólica, durante a qual – segundo a nota divulgada pela entidade – “nada foi encontrado contra a moral, a sã doutrina ou as leis eclesiásticas e civis”. Goedert lembra que, ao final da Visita, ainda foi entregue um volumoso dossiê de respostas a questionamentos, oriundos em parte dos mesmos murmuradores de sempre, e remete à nota de imprensa que afirma que “os Visitadores e a Santa Sé não apresentaram observações a essa resposta da Instituição”.
O porta-voz comunicou à nossa reportagem o espanto e desconforto de muitos membros dos Arautos ao serem informados de que, apesar de tudo isto, fora declarado um Comissariado, baseando-se apenas em razões genéricas.

O Comissariado é inválido”, afirma Presidente

No último dia 17 de outubro, o Presidente dos Arautos do Evangelho, Felipe Eugenio Lecaros Concha (chileno, 60 anos), juntamente com o seu Conselho Geral, recebeu a visita de Dom Raymundo Damasceno Assis e Dom José Aparecido Gonçalves de Almeida, nomeados respectivamente Comissário e auxiliar para a “Associação Internacional Pública Arautos do Evangelho”. A reportagem teve acesso à ata da reunião. Nela, o Presidente dirige as seguintes palavras iniciais aos prelados:
“Nós lhes reverenciamos como bispos da Igreja de nosso Senhor Jesus Cristo, e como tais ambos são objeto de nossa consideração, mas devemos declarar que não reconhecemos Vossa Eminência enquanto ‘Comissário’ da Associação Privada de Fiéis Arautos do Evangelho, da qual eu sou o Presidente legitimamente eleito”.

O Presidente dos Arautos do Evangelho explica que o decreto que notifica o Comissariado da Associação é simplesmente inválido pelas seguintes razões:

1) O decreto se destina a uma “Associação Pública de Fiéis”, quando os Arautos do Evangelho são uma “Associação Privada de Fiéis”. A diferença de natureza jurídica entre ambas as formas associativas faz com que não corresponda aos Arautos receber este decreto, assim como Fernando dos Santos não poderia responder em juízo por Antonio dos Santos, sem se configurar um erro de pessoa.
2) As associações privadas de fiéis, por sua própria natureza, não são passíveis de ser comissariadas. Com efeito, o Código de Direito Canônico prevê o Comissariado apenas para as associações públicas de fiéis (cân. 318,1).
3) Dada a impossibilidade de tal Comissariado, o Presidente e seu Conselho dão o caso por encerrado.

Segundo consta na ata em questão, o pronunciamento foi fundamentado nas leis eclesiásticas e amparado por eminentes canonistas, como Lluis Martinez Sistach, que nega a possibilidade de semelhante Comissariado. Além disso, existe o precedente do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida que não permitiu o comissariamento da Associação Privada de Fiéis Palavra Viva, declarando que “a nomeação de um comissário (cân. 318) é indicada no direito entre as medidas previstas apenas para as associações públicas de fiéis (cân. 312-320) e, portanto, não podem ser aplicadas a uma associação privada de fiéis. Portanto, a nomeação de um comissário neste caso não é legítima”.

Em Portugal, por exemplo, a lei civil incorporou esse entendimento ao permitir vigilância das autoridades competentes, mas não o Comissariado.
O Presidente então concluiu a respeito: “Trata-se, portanto, de um decreto nulo. Não é uma questão de querer aceitá-lo ou não; na realidade, ele sequer está destinado para nós”.
“Nem há lugar para recurso”, diz canonista
O canonista que assessorou o Presidente dos Arautos durante a reunião, Prof. Dr. José Manoel Jiménez (professor, espanhol, 67 anos), explicou que a Associação sequer tem a capacidade de recorrer do decreto, pois se trata de um documento simplesmente não-existente (ou infectus, na linguagem canônica).
O Prof. Dr. Jiménez ainda argumentou que tampouco foi seguido o cân. 50, que prevê a obrigação de ouvir a parte lesada antes de se proceder à emissão de um decreto.

Ainda sobre o fato do documento confundir a entidade privada com uma associação pública, o canonista espanhol diz ter ficado atônito: “Isto é inexplicável. Foi um erro, ou fizeram isto de propósito? Se foi um erro, é algo que sinceramente não se pode admitir na Cúria Romana. Agora, se foi feito de propósito, o que pretendem com isso?”

Dom Raymundo Damasceno e Dom José Aparecido concordaram a respeito do fato de ser esta questão relevante e que por isso será levada por eles à Santa Sé. Além disso, reiteraram não estar em posse de nenhuma outra informação, além das generalidades que constam no Decreto, no tocante às problemáticas e carências a serem supridas pela entidade. Afirmaram, ademais, não terem tido acesso nem ao relatório dos Visitadores, nem ao dossiê de respostas proporcionado pelos Arautos. Segundo Goedert, as autoridades dos Arautos se encontram perplexas diante desses fatos, por não terem como explicar a seus simpatizantes tantas singularidades no processo.

As duas Sociedades são um caso à parte

A reportagem procurou também os representantes das duas outras entidades que são objeto, junto com os Arautos do Evangelho, do decreto de Comissariamento emitido pela Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica.
Por um lado, a Sociedade Clerical de Vida Apostólica Virgo Flos Carmeli reúne os clérigos que comungam do mesmo carisma dos Arautos do Evangelho, aplicado às especificidades do ministério sacerdotal. Da mesma forma que a Sociedade Regina Virginum o é à vida apostólica feminina.

O Pe. Jorge María Storni (argentino, 77 anos), Superior Geral de Virgo Flos Carmeli, e a Ir. Anina Morazzani (venezuelana, 51 anos), Superiora Geral de Regina Virginum, nos remeteram aos comunicados oficiais onde as respectivas entidades se pronunciaram a respeito do Comissariado.
Neles se lê que “o referido decreto é ilegal por contradizer expressas normas do Direito Canônico, além de conter graves irregularidades”, entre as quais mencionam: o não estar motivado em graves razões explícitas; o não terem sido ouvidas as diretorias das entidades a respeito do resultado da Visita e dos motivos do decreto, antes do Comissariamento; e o conter erros materiais graves, como a confusão nas formas associativas, ou afirmar que Virgo Flos Carmeli e Regina Virginum formam parte de Arautos do Evangelho, quando são instituições autônomas.
Nos comunicados também há queixas de falta de transparência na manipulação das informações por parte da Santa Sé, divulgando à imprensa dados que foram mantidos ocultos às próprias entidades interessadas.
Embora reconheçam que, pelo direito vigente, elas possam ser objeto de um Comissariado, pois são entidades públicas da Igreja, as Sociedades pedem que sejam respeitados seus direitos que consideram terem sido lesados no processo em curso e, sobretudo, que sejam esclarecidas as razões concretas graves que o tenham motivado.

Outros questionamentos

Segundo outros membros dos Arautos do Evangelho, contatados por nossa reportagem, muitos enigmas ainda estão sem solução em relação a este e outros Comissariados.
Elizabeth Titonelli (brasileira, 58 anos) se indigna: “Como explicar que se procure violar a lei, comissariando ilegalmente os Arautos, quando tantas outras coisas na Igreja parecem ser simplesmente intocáveis, mesmo diante de tantos abusos de ordem doutrinária, moral e disciplinar?”

Guillermo Asurmendi (argentino, 60 anos), por sua vez, censura o recente comportamento de pessoas de grande visibilidade na Igreja, que ele qualifica de “barbaridades”, e que entretanto nunca foram punidos; e conclui: “Chama a atenção esta falta de equidade, a gente fica até sem saber o que pensar. Parece indicar que existem, além de dois pesos e duas medidas, intenções inconfessadas. O único que queremos é que sejam observados os nossos direitos, que haja ao menos um pouco de proporcionalidade e respeito da justiça para o bem de todos, inclusive para a credibilidade das instâncias eclesiásticas”.

Elizabete Astorino (casada, brasileira, 61 anos) também disse estranhar a confusão do decreto quanto à competência dos dicastérios do Vaticano. Ela recorda ser contra a própria natureza das associações laicais que leigos – sem votos, com frequência casados e exercendo profissões seculares – sejam tratados como religiosos: “Por que insistir em colocar-nos sob a tutela da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica? Não tem o menor sentido!” Além de demonstrar estupefação por haver tantas incoerências e improcedências, Elizabete diz que outros casais também se perguntam como ficariam suas famílias se, por absurdo, elas fossem todas comissariadas: “Em tom de brincadeira, eu perguntei ao meu marido se da próxima vez que quisermos trocar de carro vamos precisar do OK do Comissário. Mas meu marido nem ligou; ele riu, e deu de ombros”, disse.

Dr. Jiménez garante que tampouco foram seguidas as praxes prévias ao Comissariado. Segundo Goedert, indícios apontam que os Arautos já tinham sido prejulgados com finalidade destrutiva, e que existem dados segundo os quais já desde 2014 se procurava apenas um pretexto para promover uma Visita Apostólica destinada a desembocar necessariamente, seja qual fosse o resultado, num Comissariado. O porta-voz acredita que o vazamento ilegal de alguns vídeos, há alguns anos, cujo conteúdo teria sido manipulado fora de contexto, foi instrumentalizado para este fim.

Procurado pela nossa reportagem, o Presidente dos Arautos, Felipe Lecaros, mencionou existirem relatos recentes de alguns Arautos que apontam para a animosidade de certo purpurado em relação à Associação. Segundo estes membros, isso já ocorre desde longa data, colocando em xeque a boa fé, parcialidade e a reta intenção, seja da Visita, seja do Comissariado, e afirmam encontrar as impressões digitais desse prelado na campanha difamatória promovida contra a Instituição, a qual se teria iniciado no período e na cidade onde ele se encontrava. Lecaros, contudo, não quis dar mais detalhes a respeito; disse apenas que esta matéria ainda se encontra em investigação, e que a entidade se reserva o direito de promover qualquer ação legal destinada a defender a sua boa fama, diante dos fiéis e da sociedade.

Outra fonte, que pediu para permanecer no anonimato, diz estar assustada com o crescente descontentamento que está constatando, não apenas entre os Arautos, mas também no público em geral, a respeito dos atropelos de que os Arautos têm sido objeto. “Eles realmente têm muita paciência, viu?”, exclama. “Até demais, ao menos por enquanto. Mas nós estamos nos organizando; se eles não se defenderem, nós o faremos”, afirma. Ela se diz inconformada com a atitude que as autoridades da Igreja estão tomando, e pergunta: “Afinal, o que pretendem com isto?” E conclui: “Isto não é bom para a Igreja, logo agora…”
Arautos se perguntam: “qual é o problema?”

Felipe Lecaros lamenta a falta de diálogo nas medidas que estão sendo tomadas contra uma entidade que sempre se caracterizou pela comunhão eclesial: “Fazemos o possível para manter um bom entendimento em todas as dioceses onde trabalhamos, e disto são prova as milhares de cartas de apoio, felicitação e gratidão que temos recebido de párocos, bispos e até cardeais, louvando nosso apostolado”. Ele explicou que muitas iniciativas atuais dos Arautos, como a Revista e o Fundo Misericórdia, foram inclusive sugestões de prelados, acatadas pela Instituição.
Assim, insiste ele, sabemos que as oposições vêm de uma minoria organizada, e se pergunta o porquê desta constante não transparência por parte da autoridade eclesiástica a propósito de eventuais queixas alegadas contra uma instituição de comportamento exemplar?

Quanto aos motivos atualmente alegados, Lecaros questiona: “O governo e a vida dos membros é regida pelos nossos Estatutos, aprovados aliás pela Santa Sé; a qualidade da formação dos Arautos é algo universalmente reconhecido, e assim poderíamos prosseguir com as demais alegações; então, qual é o problema?”
Goedert confirma que esta situação “nos leva a nos perguntarmos o que realmente temos de problemático”. Contudo, ele prefere não se arriscar a responder: “Por enquanto, só temos algumas hipóteses, sobre as quais ainda não chegou o momento de nos pronunciarmos”, acrescentou.

47 Comentários to “Arautos do Evangelho declaram “comissariado inválido”.”

  1. Resumindo: escreveu, escreveu, e nada acrescentou. Sei muito bem o tipo de educação que esse tipo de entidade oferece. Aliás, é típico das seitas: reduzir drasticamente a comunicacão com a família, pinta-la como inimiga do jovem, “robotizar” pre-adolescentes, apresentar o líder carismático como inerrante, encher as mentes jovens com visões apocalipticas sem nenhum fundamento (Bagarre). Medo, medo, medo.

    Um dia terão de prestar contas a Deus pelas mentes que envenenaram e destruiram comcseu fanatismo.

    • É, você tem provas disso ou só está difamando mesmo?

      Eu os conheço muito bem e não há nenhuma lavagem cerebral, pelo contrário, valorizam muito a família.

      E, se você é católico mesmo, sabe que quase todas as acusações que fizeram contra os arautos são feitas ou podem vir a ser feitas contra qualquer outro grupo da Igreja. É o PF dos inimigos da Igreja.

      PS: PF, prato feito.

      Salve Maria!

    • Quem não conhece fala o que quer e imagina o que quer. Porém quem conhece há anos sabe a verdade. Os Arautos para mim e minha família foi um divisor d’água. Antes mergulhado nas ilusões do mundo decaído de falsos prazeres que sempre conduz a tristeza e às vezes depressão, e depois quando passamos a participar como leigos nos Arautos há 05 anos, uma nova vida em que os problemas de cada dia são tratados e resolvidos em consonância com o divino através dos Sacramentos frequentes sobretudo, eucaristia e confusão. Hoje a paz está presente, porque os desafios diários são enfrentados com a fortaleza cristã que adquirimos dentro dos Arautos. Essas calúnias tem origem no mau que tanto incomoda-se com a luz de Deus.

    • Senhor Zaqueu, sinceramente ignoro o que está acontecendo com os Arautos. A única informação que tenho é que D. Clá Diaz exorcizava, sem autorização do Bispo?!
      Também sei que esta “Prelazia” é oriunda ou, (pelo menos tem muitas referências) do IPCO, cujo fundador lutou pelo Tradicionalismo Católico e pelo direito à Propriedade Privada.
      Sei também que os Arautos estão radicados, em Portugal, para onde continuam a convergir muitas vocações.
      Particularmente, me ajudaram a ministrar um grupo de, cerca de 60 pessoas para a Consagração, pelo “Método de S. Luis maria De Montfort”.
      Longe de mim imaginar tratar-se de uma “seita”, assim tão perigosa?! Muitas famílias estão felizes pelos filhos que têm lá.
      E penso nas Ordens religiosas e Institutos destruídos, neste últimos tempos. A minha pergunta é:
      À semelhança do que aqui afirma, eles seriam acusados porque “envenenaram e destruíram as mentes com o seu fanatismo”?
      Será que o Papa Francisco tem razão quando acusa de “fanatismo”, “rigidez” , “seita” todos os Tradicionalistas, conservadores, os Padres de Batina…etc.
      Estou apenas perguntando, porque tenho dúvidas, sem ironia…
      Agradeço mais informações porque conheço muita gente boa que anda por lá e que precisa conhecer as origens, os objectivos e toda essa polémica instalada, em volta da Instituição. Muito Obrigada, desde já.

    • Pois é. Pior é ficarem pagando de perseguidos da fé católica tradicional. Essa galera faz é um desserviço da causa tradicional. Há muito já deixaram de combater os erros da reforma litúrgica e ambiguidades pós-conciliares, mas a galera que curte umas rendas e frufru achaa que eles são do movimento tradicional e compram a briga deles. Por mim, que o Vaticano dê um jeito neles. De maluco, já basta os muitos que tem.

    • >>>reduzir drasticamente a comunicacão com a família
      >>>pinta-la como inimiga do jovem
      >>>robotizar pre-adolescentes
      >>>apresentar o líder carismático como inerrante
      >>>encher as mentes jovens com visões apocalípticas sem nenhum fundamento
      >>>medo, medo, medo
      Espera lá, acabei de descobrir que Jesus é um líder de uma “seita”, um “fanático” que prestará contas com Deus [isso é, ele mesmo]!
      Eu não tenho nenhuma simpatia pelos plinistas, no entanto, a maioria das acusações que fazem para com eles são estúpidas e refletem o avanço quase irreversível da mentalidade moderna — se colocadas em relação a Emanuele Brunatto, pouco sobra para louvar São Padre Pio de Pietrelcina, e não por menos, se vermos todas essas acusações, o que sobraria da Irmandade da Vida Comum, por exemplo? Suas escolas devem ser o inferno na terra para sua gente, pois nada se estudava lá que não fosse para o amor exclusivo de Cristo.
      A infestação da modernidade chegou até o ponto onde falar que o mundo vai acabar se tornou um pecado contra a sacrossanta liberdade de consciência do indivíduo. Imaginem quando chegar a hora de ouvirem que é preferível arrancar o olho pra fora do que olhar uns pares de seios na rua? Já se está ouvindo pelo mundo um: “Prendam esse tal de Jesus! Ele é uma ameaça aos direitos humanos!”

    • Caro Zaqueu, Salve Maria! Entendo que ninguém é forçado a ficar onde não quer. As pessoas não vivem lá em cárcere privado, elas saem a hora que elas quiserem, não são obrigadas a fazer parte dos Arautos do Evangelho. Eu conheço esta instituição há mais de 20 anos e os ajudo mensalmente, a Revista que eles publicam tem excelentes artigos sobre a Doutrina Tradicional e Milenar da Igreja. Acredito que assim como o Pe. Rodrigo Maria foi vítima de difamação por parte de um grupo de comunistas infiltrados dentro da Igreja, penso que o mesmo esteja acontecendo com os Arautos do Evangelho. Jesus Cristo: “Sereis perseguidos por causa do Meu Nome”! Maranatha! Vem Senhor Jesus, implantar o Vosso Reino de Amor e de Justiça. ….E então o Filho do Homem vai separar os bodes das ovelhas, o joio do trigo ….!

  2. Plínio Correa de Oliveira foi mais esperto. Não vinculou sua TFP ao clero. João Clá, discípulo perfeito de Plínio, menos na inteligência, precipitou-se ao se aliar a Claudio Hummes, a quem considerou como pai e guia, e levou parte do seu público para o clero. Assim, nada mais natural que os Arautos do Evangelho fique vinculado às regras clericais, principalmente na comunhão e disciplina. Não é possível pertencer ao clero e não desejar ser supervisionado por superiores, inclusive o Papa, afinal após à absorção clerical o que se faz de errado faz-se diretamente contra a Igreja que não pode ficar publicamente exposta a cultos públicos à Dona Lucilia e Doutor Plínio, a explanações excêntricas como a que Doutor Plínio preside no céu a ordem do universo (usurpando atribuição de Deus), que o Doutor Plínio é a maior figura da história, encontros espíritas onde Plínio e Lucília aparecem, que Jesus Cristo encarnou porque Doutor Plínio foi fiel, que João Clá é o papa perpétuo, que se construirá um santuário na lua, que ocorreu a inédita sucessão profética devido a um abraço de João a Plínio, isso sem falar dos heterodoxos exorcismos e das atípicas revelações que o demônio fez a alguns padres.. Nosso Senhor mandou jogar a rede para pescar almas, mas às vezes algum desavisado cai na rede do clero.

    • Thomas Morus, quais foram as ‘revelações atípicas’ que o demônio fez aos padres Arautos?
      A de que Francisco fazia tudo que ele mandava? A de que Francisco realizava rituais satânicos no Vaticano? Realmente são coisas atípicas, mas hoje desgraçadamente vemos tudo isso acontecer.
      Eu confesso que achei exorbitante quando isso saiu na mídia, mas hoje já vejo com outros olhos, e tinha muito de realidade naquilo.
      Com relação a ter entrado na Igreja, talvez ele João Clá não imaginasse que depois de João Paulo II e Bento XVI a Igreja poderia dar uma guinada tão satânica quanto deu agora, com Bergoglio.
      Ruim para eles, estão passando um aperto terrível, mas ao menos transpuseram a muralha e estão do lado de dentro da fortaleza, e numa guerra isso pode ter mais eficácia do que quem grita e denuncia do lado de fora.
      Deus escreve certo por linhas tortas.

    • Uau!

      O senhor consegue demonstrar a veracidade de tudo isso?

      Ou são só ilações lançadas ao vento?

  3. Nota-se, pela história, a confusão mais uma vez da Santa Sé, de alhos com bugalhos, o que aliás não é de causar espanto.
    Afinal o Vaticano, neste último pontificado, demonstra desconhecer assuntos básicos da doutrina da Igreja Católica Apostólica Romana, não sendo portanto surpresa alguma agora estar pisoteando o Direito Canônico.

  4. Esse comissariado não trazia em si qualquer razão de existir. Os Arautos do Evangelho foram investigados e auditados em todas as suas atividades e seguimentos durante três anos. Nada foi encontrado de errado.
    Agora enviam comissários e ao mesmo tempo, os desafetos, pequeno grupo de pessoas, atacam com calunias que são publicadas a esmo e sem qualquer imparcialidade por parte da imprensa desprovida de qualquer senso moral e que promove em sua programação incentivo à degradação moral dos jovens e da sociedade. #globolixo

  5. Os Arautos são apresentados de um modo geral como Tradicionalistas.

    Entretanto quem aceita o CVII e a missa nova tambem chamade missa de Paulo VI é Tradicionalista ?

    Eles rebateram as acusações que tem sido feitas contra eles?

  6. SE tem uma coisa que tem a pagar foi de fazer aliancas com uma hierarquia que muda a liturgia e a moral de acordo com os ventos da modernidade. Obviamente isso iria pega-los algum dia. Nao acredito nas calunias que fazem contra os Arautos, os jovens que conheco estao bem felizes e sob controle das familias. A educacao e’ de primeira e a devocao idem. Porem, para que os Arautos se tornem melhores eles teriam que se livrar de alguns rancos da TFP, e voltar a praticar a MIssa de Sempre, sem duvida.

  7. A Montfort já denunciava essa turma desde início dos anos 200.

  8. Que os mantenedores deste site sejam simpáticos à tfp e congêneres não é surpresa. Porém, publicarem uma reportagem “chapa branca” como esta frente a enxurrada de denúncias que invadem a a grande mídia neste momento…é brincadeira!!! E as denúncias de estupro? Os abusos de João Clá??!!! E os vídeos sobre conversas com o demônio, através de um exorcismo mega estranho ?!! Por que será que todas as denúncias sobre os Arautos sempre eram arquivadas depois de um tempo nos fóruns paulistas e apenas agora (após, o processo cair nas maos de uma juíza) não foi arquivado ?!! Coincidindo com a investigação de Roma !! Muito provavelmente, por ser mulher, a juíza nao deva ser maçon por isto nao arquivou. Infelizmente, conheço um maçon de alto escalão extremamente simpático aos Arautos (?!), defende com unhas e dentes eles. Bom, para quem deseja mais informações, segue um link da mídia mundana, inacreditavelmente mais isenta do que este site, neste caso: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/10/21/mp-investiga-denuncias-contra-grupo-catolico-conservador-arautos-do-evangelho-por-tortura-estupro-e-humilhacao.ghtml

  9. Depois dessa lavada que os Arautos levaram nas mídias, tivemos curiosidade e fomos pesquisar sobre o tal Boletim de Ocorrência, divulgado sobre o malfado abuso sexual (é público, qualquer um pode ir na delegacia de Caieiras e obter uma cópia) e pasmem, o que ñ compreendo é pq os Arautos ainda ñ tomaram providências contra essa falsa acusação! Uma verdadeira denunciação caluniosa. O assunto sequer virou processo. A suposta vítima foi desmascarada na delegacia. Seus pais e as próprias testemunhas por ela levadas, que ñ conheciam sequer os Arautos, foram contra ela. Uma coisa é certa, ainda que nós tradicionalistas ñ sejamos simpatizantes dos Arautos, temos que ter a humildade, esses abusos relatados ñ condizem com a realidade, ainda mais partindo da rede esgoto. Tenho quase 70 anos e sempre acompanhei as discussões de perto , referente a Plínio Corrêa e Clá Dias. Está na cara que tem perseguição religiosa e vão bater forte neles pra depois tentar esfacelar o resto da tradição que ainda existe. Observem, essa igreja do Sínodo foi literalmente assumida por demônios, estamos em guerra.

  10. Por quê o Vaticano não faz uma visitação apostólica em Belo Horizonte? Há graves denúncias de homossexualismo nos seminários (e até na cúpula), o reitor da PUCMinas (dom Mol) implantou a Ideologia de gênero por lá, sem falar da construção da nova catedral com símbolos marxistas (foice & Martelo), além de ser uma obra faraônica projetada por um marxista ateu. E os eventos na Faje (jesuitas) em prol da Ideologia de gênero…
    Por que motivo a Igreja blindou Dom Walmor?!?
    Pior. Os bispos elegeram dom Walmor como presidente da CNBB. Depois não vão reclamar dos escândalos, da imprensa, da evasao de católicos…
    Fica a dica, eminência!

  11. Gostaria de lembrar aos leitores do Frates in Unum que não existe católico tradicionalista, assim como, analogamente, não existe casamento anulado.
    Ou o fiel é católico ou não é, este é o fato.
    Católico que, por exemplo, é espírita, não é católico, nunca foi e nunca será.
    Católico que é comunista ou socialista, ou nazista, ou fascista ou de esquerda, ou ainda maçom, não é católico, da mesma forma.
    Católico que frequenta o budismo, o candomblé ou demais seitas pagãs não são e nunca foram católicos.
    Utilizar o catolicismo somente por questões sociais, cerimoniais ou de interesses pessoais, não faz ninguém católico e nunca fará.

  12. Visitação, comissariado … Para que tanta enrolação? Basta ver os vídeos “vazados” e ler os cinco volumes de “Dom de Sabedoria” para entender os objetivos dos Arautos do Evangelho. Não estão para brincadeira. O Leão Rompante acordou. Mentiras, calúnias, difamações … tudo isso passará e eles se reergueram mais fortes do que nunca, seja com nome de arautos ou outro qualquer. Rótulos, rótulos e rótulos… o que importa é o ideal, e ali tem ideal para, no mínimo, 300 anos.

  13. Cezar Ferreira. Toda e qualquer revelação do demônio é atípica, porque ele é o príncipe da mentira. Portanto, o Sr. João Clá e seus seguidores caíram na cilada do demônio.

    O senhor me pergunta quais são as revelações atípicas do demônio. Todas aquelas que descrevi, e mais aquelas que se tornaram públicas em virtude dos vídeos disponibilizados no You Tube, e lamentavelmente censuradas pelos Arautos do Evangelho que providenciaram as supressões de disponibilidade sob argumento de serem vídeos privados. Então que tornem públicas as revelações do demônio disponibilizando abertamente o vídeo!

    Uma das revelações atípicas demoníacas é aquela em que é dito que Francisco é comandado pelo diabo (não sei se o senhor se lembra, mas em nenhum momento foi “revelado” que Francisco faz rituais satânicos no Vaticano. Essa é uma revelação do senhor).

    Ora, a partir do momento em que foi expressa denúncia com tal gravidade envolvendo o Papa, nada mais natural que os superiores hierárquicos de João Clá e dos padres Arautos investiguem mediante o Comissariado essas atípicas revelações, bem como outras denúncias. Ao que consta o Sr. João Clá não foi proclamado papa perpétuo, estando, portanto, sujeito à fiscalização dos superiores hierárquicos. É a realidade clerical.

    Devo, entretanto, parabenizá-lo pela franqueza em atribuir erro ao Sr. João Clá, a despeito de demonstrar clara solidariedade, ao afirmar que ele se equivocou em participar do Clero. Eis uma situação luminar, inclusive em benefício dos Arautos, pois retira do seu fundador a aura de mito para mostrar o que ele realmente é, e sem qualquer demérito: Um humano!

    Quanto à invasão da fortaleza, figura para ilustrar a possível “Manobra Judite”, o que tenho a dizer é que não adianta invadir a fortaleza e lá dentro tentar vender bugigangas excêntricas, como papa perpétuo, profeta maior, água benta da máquina de lavar roupa, homem tido como ordem das coisas. Os da fortaleza vão expor as fábulas para ridicularizar os resistentes. Somente a humildade e a ortodoxia são armas eficazes porque abençoadas pelo Verdadeiro general e profeta, Nosso Senhor Jesus Cristo. Ademais, a soberba muitas vezes cega, pois outro erro é supor que o Clero é ingênuo, capaz de cair no conto do vigário, digo, no conto do monsenhor. São dois mil anos de envolvimento com reis, papas, confessionários, cardeais, presidentes, juízes, advogados, santos, livros, bancos, empresas, etc. Acreditar que o Clero é capaz de cair no conto do monsenhor também é, permita-me dizer, fábula.

    Por fim, gostaria de expressar sobre a difícil missão de Dom Damasceno que terá de agir com a perícia de um bom cirurgião para resolver a questão, porque certamente terá em mente as almas bem intencionadas que militam nas fileiras dos Arautos do Evangelho.

    • Caro Thomas, essa história de ‘papa’ perpétuo NUNCA houve.
      O que se dizia dentro dos Arautos é que todo sacerdote É um pontífice, pois liga o Céu à Terra. O papa é o SUMO pontífice. Profetas também podem ser considerados pontífices – no Antigo Testamento, eram eles que conduziam o povo, e não o Sumo Sacerdote, que era outro cargo.
      Nos Arautos alguém comentou ser cabível considerar o Monsenhor João um pontífice no sentido sacerdotal e profético, e a ideia fez sucesso.
      Isso muda completamente o sentido, e não tem nada a ver com o papado.
      Obviamente isso foi entendido de forma exagerada por alguns mais tapados, e depois foi aumentado e deturpado pelo padre traíra que espalhou os vídeos (o tal ‘Padre Odette’).

    • Sr. Thomas Morus, e o poder do monsenhor em não somente expulsar demônios mas fazer com que ele retorne ao corpo quando ele ordena, como visto em um dos vídeos, ação esta admirada pelo pe. arauto Hélio? O senhor não acredita mesmo que ele possa se curar plenamente e ainda vir a ser o Papa?

    • Caro, Rubens

      Realmente, não achas um exagero considerar João Clá, ainda que em hipótese, profeta…um exagero?? Quanto a ele dar ordens a demônios …isto se vê diariamente em igrejas evangélicas…que certeza tens que são demônios mesmo….???E pior, se o forem, como podes confiar no que dizem?!!!!
      Meu caro, acredito que sejas honesto e tenhas boa vontade, deposite sua confiança apenas em Nsa Senhora e no nosso bom Jesus, homens não são confiáveis!!! São muletas, as quais se apoiares nelas irão se quebrar, apoie se em Cristo, digo isto apoiando se nas idéias de Sto Ignácio, São Francisco, Sto Antônio…
      Abs.

  14. Excelente artigo . Muito esclarecedor. Obrigado

  15. Para um tradicionalista ‘ao pé da letra’, os Arautos realmente não são propriamente ‘tradicionalistas’.
    Mas para católicos mundanos, bem como para a mídia bergogliana, os Arautos fazem parte da ala tradicionalista.
    Eles são apenas o alvo maior e mais chamativo diante do inimigo, e é claro que, se conseguirem tirar eles da frente, virão em seguida atrás dos ‘outros’ tradicionalistas, até que não sobre nenhum.
    Por isso o momento é máxima atenção, e de trégua entre nós.
    Somente a tresloucada Montfort comemoraria uma situação dessas.

    • Quando menina vivi, em Lisboa sete anos, dentro da disciplina de um Colégio Interno Feminino, no tempo em que não existia esta divisão absurda dentro da Igreja.
      Se me perguntarem se foi fácil, não foi, tanto que não quis seguir a vida religiosa. Derramei algumas lágrimas porque o regulamento tinha que ser observado. Hoje entendo que, quem quer fica, quem não quer deixa, sai, vaza…
      Mas me deram formação académica suficiente e gratuita. Isso eu lhes agradeço, de coração. Houve algumas intrigas e injustiças, também. Que havia freiras “màzinhas”, talvez também houvesse, uma ou outra…

      Agora, abusos e violências, maus exemplos de vida, nem pensar!!! Isso afirmo, com toda a minha convicção…

      O que quero dizer é que, tanto a vivência monástica, como qualquer vocação de renúncia e aniquilamento total, em função de um bem maior que é o Amor a Jesus, não é para todos.
      Cada um tem que ser preparado para o rigor que é, por exemplo, a vida de Clausura, a vida das Missões…etc., como os Votos de Pobreza, Obediência e Castidade. A vida de Ascese não é exigente?! Acham que algum Jornalista entende isto?!

      Todos têm que conhecer a Regra de Vida de uma determinada Comunidade. Sempre assim foi. Só que agora todos se queixam de serem “vítimas”, “coitadinhos”, de algo que não gostaram.

      Por acaso, na vida do Mundo, fora dos Mosteiros e Colégios é melhor?! A vida não é hostil?!

      Claro que o Inimigo sempre se infiltra em todo o lado, incluindo nos Arautos, Seminários, até no Vaticano.

      E, caso haja crime tem que ser investigado e punido, lógico. Não sou contra a Verdade. A Verdade sempre nos liberta.

      O que incomoda é a especulação mediática e sensacionalista que se instala, em volta das polémicas. Em uma grande maioria, acaba-se percebendo que, afinal “a Montanha pariu um rato”. Veremos…

      Rezemos para que a Obra dos Arautos não leve um fim, como muitas outras…só pela inveja de muitos, onde não proliferam vocações, como nos Arautos.

      E colo as palavras do Vanderlei Pires:
      “Eles são apenas o alvo maior e mais chamativo diante do inimigo, e é claro que, se conseguirem tirar eles da frente, virão em seguida atrás dos ‘outros’ tradicionalistas, até que não sobre nenhum.
      Por isso o momento é máxima atenção, e de trégua entre nós.”

  16. Nós que conhecemos os Arautos do Evangelho temos a obrigação de vir a público defender a ordem! Sabemos da seriedade do seu trabalho e da santidade da Ordem. Não podemos deixar que uma meia dúzia de covardes, que não querem largar seus vícios, sequer atrapalhem o trabalho dos Arautos. O Espírito Santo inspirou Monsenhor João e tantos outros à fundarem ordens religiosas, para suprir a Igreja do que lhe faltava naquele momento. Com Deus não se brinca, nem se atravessa seu caminho, pois a Justiça Divina é implacável! Lutemos e rezemos pelos Arautos do Evangelho, pois Nossa Senhora assim o quer e nos inspira. Salve Maria!

  17. Caro Sr. Rubens. Respondo aos dois posts em seu nome acreditando ser a mesma pessoa.
    Não tenho elementos para afirmar que o Monsenhor João Clá tem poderes para expulsar demônios, e fazer retornar ao corpo de uma pessoa. O que eu vi nos vídeos disponibilizados no You Tube, e depois proibidas as exibições, é que ele pretendeu fazer exorcismo não atendendo as regras da Igreja. Não me lembro dele ter ordenado o demônio retornar ao corpo de qualquer pessoa. Somente será possível a confirmação se os Arautos do Evangelho permitirem novamente a exibição dos vídeos.
    De outra feita, quem deverá dar resposta apropriada sobre a autenticidade de tais exorcismos são os integrantes do Comissariado.
    Parece-me que o Monsenhor João está muito doente, pois em meio a esta borrasca em nenhum momento apareceu, deixando a briga para os seus assessores. Obviamente seria ele a pessoa mais adequada para refutar os ataques. Neste cenário não acredito na sua plena cura. Portanto, considerando a enfermidade, a idade avançada, e as acusações de heterodoxia, não vejo como ele possa tornar-se papa, e muito menos perpétuo.
    Aliás, quanto à questão do “papa perpétuo”, também é matéria a ser estudada pelo Comissariado. Entretanto, parece-me estranho considerar o Sr. João Clá pontífice mesmo no sentido sacerdotal ou profético. Que fosse do ponto de vista sacerdotal, sob o entendimento etimológico da palavra pontífice como ponte, mas profético?
    Essas definições imprecisas, dúbias, perplexitantes, geram um clima que favorece teses heterodoxas que incentivam o entusiasmo sem base alguma, situação definida como fanatismo (que o senhor prefere conceber como atos de tapados).
    Aliás, na leitura que fiz na internet da Refutação da TFP a Uma Investida Frustra, de Átila Sink Guimarães, ele afirmou, tal qual o senhor, que a autoria da oração Ave Lucília foi feita por dois jovens ignaros. Ocorre que um deles é hoje padre dos Arautos do Evangelho. Claro que a “tapadice,” como o senhor entendeu, ou a ignorância naquele evento, revelam que o ambiente propicia teses inusuais e heterodoxas, por vezes prestigiando os ignorantes e infelizmente condenando os que justamente questionaram.
    Estejamos, pois, esperançosos que estes abusos sejam corrigidos. E somente será possível se nossos corações estiverem totalmente voltados para Nosso Senhor por intercessão de Nossa Senhora. Que se esqueça de Ave Lucília, do homem como ordem do universo, de encontros espíritas, de ressurreição de Plínio e Lucília. Tenho certeza que as almas bem intencionadas dos Arautos do Evangelho irão aos poucos compreender.

    • Sr. Morus, não somos a mesma pessoa. Tenho um homônimo aqui. Mas sua resposta foi interessante e esclarecedora, embora fé é fé, e alguns têm fé dentro da fé dentro da Fé. Haja fé! E tem gente que reclama dos dogmas da Igreja … Por essas e outras que o fardo leve referido na bíblia, não raras vezes, torna-se pesado e quem agradece são as seitas protestantes que pululam mais e mais.

    • Thomas Morus,
      Com relação à ladainha de Dona Lucilia, sim, foi feita por dois jovens naquilo que chamaríamos ‘devoção popular’, e praticamente nunca fez sucesso dentro da TFP nem dos Arautos. O Pe. Victorino Rodriguez disse que ela tinha alguns exageros decorrentes de ingenuidade, mas nada além disso.
      Um dos jovens que a compôs realmente se tornou padre, mas de lá para cá passaram-se mais de 30 anos, e nem é preciso dizer que ele teve mais do que tempo para aprender mais.
      Monsenhor João realmente está debilitado, por conta do AVC que reduziu sua capacidade de expressão, embora esteja totalmente lúcido, mas tenho que reforçar que nunca disseram que ele se tornaria papa (a menos que tenha sido deturpação de telefone sem fio)! A intenção da obra sempre foi a de orientar o mundo e a Igreja em matéria de Contra-Revolução, e nada além disso.
      Com relação à questão ‘pontífice’, isso obviamente não é uma ‘bandeira’, é apenas uma tese que ganhou simpatia e que ganhou proporção exagerada por causa dos traíras. Sobre os exorcismos, eu vou deixar 2 links que dão uma explicação satisfatória sobre a questão:
      https://exarautos.org/2019/03/29/arautos-exorcismos-classificacoes-da-igreja/
      https://exarautos.org/2019/04/01/ex-arautos-arautos-exorcismos-metodos-inusitados/

  18. Os Arautos tem um Ordo específico para cada situação onde contém as regras que devem ser seguidas pelos membros. Aos pais cabem comprar os livros de regras, pois de princípio não são gratuitos (o são apenas para famílias mais carentes). Com exceção dos crimes imputados ao Fundador (que já foram arquivados uma primeira vez, pois a suposta “vítima” confessou no interrogatório que havia sonhado) todas as outras situações (acordar cedo, rezar, horário para refeições, estudos, música, esporte, descanso, uso do hábito, etc) são prescritas no Ordo próprio. Assim, os responsáveis legais pelos alunos têm livre acesso ao conteúdo. Os que estão reclamando, ou tiveram preguiça de ler ou estão de má fé mesmo. Com já dito acima, noutro comentário, quem quer fica, quem não quer saí. É assim em qualquer outra ordem, associação, clube, academia, etc. Regras há de ter em todo lugar. Disciplina também. Ah! Outro detalhe: os pais (ou responsáveis legais) assim o contrato de admissão autorizando. Mas tem gente que é tapada mesmo. Conheci um professor, já falecido, que ficou 30 anos lá dentro (na época TFP), e depois saiu falando. Agora pergunto: Ignorância ou má fé?

  19. Hoje tive [por muito] de lidar com uma mulher que só não é mais reprovável porque o demônio anda muito ocupado, mas mesmo sendo o que é, permanece sendo catequista. O principal grave ataque que a senhora imputava aos membros [dos Arautos] era o de impedir os internos disso e daquilo.
    Isso vindo de uma catequista, que tem como ofício a literal razão de impedir os catecúmenos disso e daquilo, para a glória de Deus — visível é a marca de como a mentalidade moderna não é mais moderna, pode ser chamada só de mentalidade mesmo, pois alastrou-se até tomar todo espaço da outra, aquela antiga.
    Ela, muito indignada, dizia que era um absurdo limitar o direito de privacidade dos internos, que suas conversas pessoais não deveriam ser expostas para os superiores, mas no tanto que eu fiz lembrá-la de que era assim que ocorria em absolutamente toda e qualquer ordem monástica, ela apontou ao fato dos internos serem crianças; como se isso mudasse alguma coisa — e pior — não revelasse a mais pachorra mentalidade moderna, o culto pelagiano das crianças e adolescentes.

    Cristo chamou as crianças para junto dele, deixai vir a mim as crianças, mesmo que alguém tente impedir, e não importa quem seja! Mas parece que o reino dos homens deve sobrepor o reino dos céus; e [outrora] era a Igreja que santamente raptou Edgardo Mortara e mandou a Europa inteira calar a boca, pois os anseios e buxixos dos homens eram como peidos para a Igreja, desagradáveis, mas certamente passageiros e sem importância.
    No mais, como se ironia fosse de graça, a dita cuja [pelo sobrenome] parece ser judia, mas não seria surpreendente, por trás de todo modernista há sempre a figura do judeu.

  20. Vi que em muitos comentários postados aqui fazem criticas aos Arautos, entretanto são críticas baseadas exclusivamente na opinião pessoal de quem comenta. Infelizmente nosso Brasil é assim, superficial… Quem será que leu na integra o decreto emitido pelos Arautos na qual alegam ser inválido o comissariado? Alguém seria capaz de argumentar pelo direito canônico que há algum erro no que publicaram? Vamos deixar o amor próprio de lado vai… vamos ser adultos. Por favor.

  21. Tenho há muito tempo escrito neste forum católico sob o nome Thomas Morus, em homenagem a este grande santo inglês. Todavia, surgiu outra pessoa com o mesmo nome cuja mensagem foi publicada acima (caro Sr. Rubens, tenho elementos para crer…). Posto isto, solicito ao Sr. Ferreti a publicação desta mensagem como alerta que minha opinião não é necessariamente a mesma deste outro Thomas Morus.

  22. Sr. Rubens.
    Agora quem fala é o Thomas Morus, o original, e não o genérico que entrou neste portal para tumultuar.

    É absolutamente conhecido que a ladainha à Dona Lucília foi bem corrente na TFP, principalmente no âmbito de atuação do Sr. João Clá. Diferentemente do que o senhor afirma, ela fez muito sucesso na TFP, e até ficou célebre nas denúncias de franceses e do Orlando Fedeli, que repercutiram muito na mídia. Quanto à expansão dela nos Arautos já não posso afiançar.

    Não foi somente o padre Victorino Rodriguez que a censurou. Ela sofreu três outros posicionamentos bem contrários. A ladainha foi condenada por Dom Antonio de Castro Mayer, e categoricamente por Átila Sinke Guimarães, no estudo Refutação a Uma Investida Frustra. A outra censura, embora carente de crítica, porém não menos pungente, foi do maior interessado, ou seja, Plínio Corrêa de Oliveira, que determinou o recolhimento das cópias no âmbito da TFP.

    Lamento o estado do Monsenhor João Clá, porque pelo que vi, principalmente na internet, ele perdeu seu maior atributo, que era a eloquência.

    Quanto à alusão que João Clá é pontífice, sua explicação dando conta que uma tese em meio dos Arautos ganhou simpatia, a despeito de não ser bandeira, reforça o que acima argumentei. Há se tomar cuidado com teses inusuais, atípicas e heterodoxas, sobretudo considerando a responsabilidade deste grupo cujo numero considerável aderiu ao Clero, resultando no perigo de que estas teses, mesmo não sendo bandeira, afete a integridade da Igreja Católica.Ela é um universo de teses sólidas confirmadas pelo Espírito Santo que dispensa cupidez por coisas novas. O lamentável evento da ladainha de Dona Lucília, como o senhor mesmo aventou, já bastou.

    Assim foi no cisma da Inglaterra. Por um triz a ação deletéria de Henrique VIII não sucumbiu já que estava tudo certo no conclave da época que o cardeal inglês Reginald Pole seria o novo papa. Porém, uma voz surgiu no conclave, se não me engano do futuro Pio V (prometo que depois faço a pesquisa) condenando a ideia heterodoxa do cardeal inglês, porque ele estava tendendo a aceitar a predestinação.

    Era certo que Henrique VIII ia perder o controle da igreja na Inglaterra com a nomeação de um papa inglês, mas tudo ruiu pela fraqueza do cardeal em se simpatizar por uma tese atípica, a despeito de ter sido um clérigo muito atuante em defesa da Igreja Católica na então católica Inglaterra. Ele inclusive chegou a retornar à Inglaterra quando Maria I assumiu a coroa como legado papal. A prudência é uma das virtudes cardeais.

    • Thomas Morus, mas se for comparar a questão da Inglaterra, é mais provável que Bergoglio seja o Henrique VIII (digo no sentido de ser quem abre a porteira para a libertinagem). Quem está se separando do Magistério é ele mesmo.

  23. Os vídeos vazados não deixam qualquer sombra de dúvidas sobre a índole dos Arautos. O demônio teria revelado, entre outras coisas:

    – O demônio fala sob pressão das maldições de Dr. Plínio, D. Lucília e Mons.
    – Dr. Plínio está sentado a direita da Virgem (min 8:22).
    – Neste trono, Dr. Plínio possui a “plenitude do seu caráter” e “todo o poder” (min 9:52)
    – Dr. Plínio tem o controle do mundo, porque é a “ordem do universo” (min 10:35). (“fenomenal!”, eles aclamam)
    – Dr. Plínio esmaga a cabeça do demônio (min 11:00)
    – D. Lucília, que está num trono ao lado de Dr. Plínio, conversa muito com Mons. João (min 15:30)
    – Mons. João admite que conversa com ela quando beija os quadros dela que tem em seu quarto (min 16:19)
    – Um padre revela que existe uma consagração que se faz ao Dr. Plinio, a D. Lucília e ao Mons. (min 18:00 e 53:00)
    – Dr. Plínio intercede para que as construções dos Arautos sobrevivam depois do fim do mundo (min 30:50)

    – O papa é um estúpido, títere do demônio (min 42:13) (os padres riem ao “estupido” min 42:30)
    – Um padre se refere ao papa como “esse Bergoglio” e debocha da “pouca honra” com que o diabo o recompensa (min 45:20)
    – Já na época da eleição, o Mons. teria chamado o papa de desgraçado (min 46:00)
    – Dr. Plínio incentiva a morte do papa (min 46:40)
    – O papa vai cair, bater a cabeça e morrer (min 47:00), ao que eles comemoram (min 47:40)

    – O demônio tinha poder de influenciar pessoas até chegar Dr. Plínio (min 52:40)
    – O demônio diz que os Arautos devem fazer apostolado constante sobre Dr. Plínio e D. Lucília, “ter eles na boca, porque é a doutrina, e Mons. no coração” (min 54:00) Eles aclamam.
    – Ela [D. Lucília] no agir, o outro no querer [monsenhor] e o outro no falar ( min 54:30)

    – Um padre revela que num primeiro exorcismo, Mons. ordenou ao demônio que não mais se comunicasse com as pessoas e que daí por diante começou uma nova era (01:28:00). Mons. fala logo em seguida e ratifica.

    – Mons. diz estar impressionado com o conteúdo das “revelações” (min 01:30:00)
    – Mons. diz que estas “revelações” confirmaram pensamentos que ele já tinha (min 01:30:40)
    – Um padre diz que, na hora que o “Bergoglio” estava “pintando os canecos”, Mons. estava esperando um sinal claro para agir (min 01:31:00)

    Essas declarações podem ser identificadas em um dos vídeos vazados.Isso tudo aclamado e ratificado pelos padres Arautos e pelo Mons. que estavam presentes nas imagens. Se isso tudo é conforme a doutrina católica, eu já não sei mais nada de religião.

    • Acho que o sr de fato não sabe mesmo nada de religião. A intercessão dos santos é algo que existe na Igreja acho que pelo menos há 2000 anos. A devoção aos fundadores também. Até a tão odiada por muitos “Sagrada Escravidão” está inteiramente dentro da doutrina católica ou seja basta não mau espirito para compreender que é uma entrega a Nossa Senhora, como escravo pelas mãos dos fundadores, no tempo que vivi na TFP conheci muitos que fizeram a sua consagração, eram todos muito felizes por isso. Agora só não entendo uma coisa, na hora de atacar o Papa Francisco no que ele fez durante o sínodo não há escrúpulos nenhum, mas quando os foram os Arautos que falaram mal do papa aí vem todo mundo cair em cima como se fosse um crime hediondo. Fariseus!!!

    • Os arautos tem muitas ‘ondas’, chamadas a ‘graça’ do momento. Mas depois superam essas coisas com uma facilidade até grande.
      Essa questão de interrogatórios de possessos foi uma dessas fases, na qual agitaram, teve aquela onda, e depois passou. Quando o tal ‘padre Odette’ vazou os vídeos, os Arautos já estavam em outra fase. Há uma linha geral de princípios e convicções, mas o resto – onde se inclui essas revelações – são coisas de ocasião.

  24. Se tivéssemos um Papa sério, cardeais sérios, etc, todo esse problema dos Arautos seriam resolvidos e evoluiríamos na Fé. Pois eles, os Arautos, não perdem tempo. Estão sempre estudando a doutrina católica, a experiência dos santos e santas da Igreja. Pena que ninguém lá de cima ajuda, pelo contrário, querem destruir.