Pachamama no Tibre: um gesto que fala por si.

Por FratresInUnum.com, 22 de outubro de 2019 – Toda vitória começa no campo semiótico, embora a maior parte das pessoas, por conta da miopia histórica, não consiga captar a profundidade dos símbolos.

Em 7 de setembro de 1303, tropas do rei da França, Felipe, o Belo, invadiram o palácio papal de Anagni e, com a mão coberta por uma luva de ferro, deram um tapa no rosto do Papa Bonifácio VIII, o qual caiu do trono para o chão. O episódio ficou conhecido como “Atentado de Anagni” e, mesmo tão circunscrito, foi determinante para o fim da cristandade medieval: o declínio do poder temporal do papado começou exatamente a partir daí e, de certo modo, estamos vivendo as consequências daquele ato até os dias de hoje.

Resultado de imagem para católicos roubam imagem igreja de roma e lançam no rio

Na manhã de ontem, dia 21 de outubro de 2019, dois rapazes foram à Igreja de Nossa Senhora em Transpontina, perto do Vaticano, onde estão acontecendo contínuos cultos pagãos por ocasião do Sínodo da Amazônia, e, em um ato de coragem sem precedentes, tomaram imagens da Pachamama e as jogaram no Rio Tibre. Todo o ato foi filmado pelos próprios jovens e o vídeo viralizou pelas redes sociais, provocando comemorações eufóricas por católicos de todo o globo, para desespero completo dos cúmplices desse Sínodo vergonhoso.

A reação de susto do Vaticano foi indisfarçável. Eles acionaram a polícia, com medo de “atentados” semelhantes. Seguiu-se uma verdadeira enxurrada de comentários louvando o ato nas redes sociais, inclusive nas páginas dos órgãos de comunicação do Vaticano. A patrulha bergogliana começou um inútil esforço concentrado para intimidar as comemorações populares, valendo-se de apelações moralistas e politicamente corretas, que foram solenemente ignoradas pelos fiéis, cuja produção de memes comemorativos excedeu-se em criatividade.

A insubordinação do laicato consciente à traição da hierarquia não pode mais ser ignorada. O gesto dos dois jovens repercutiu não apenas pelo respaldo do povo católico, mas sobretudo como representação de toda uma resistência ativa, engajada, batalhadora, que não cessa de se opor ao desmonte da Igreja e que vai romper todos os limites meramente institucionais, não se permitindo mais amordaçar, mas partindo para atitudes concretas.

Os dois moços personificaram a indignação de todos os fiéis e fizeram aquilo que todos queriam fazer. Assim como Nosso Senhor expulsou os vendilhões do Templo e como os Macabeus destruíram os altares da idolatria, aqueles dois jovens entraram na sua casa, na Igreja Católica, e jogaram no rio aquela “abominação da desolação”, que jamais deveria ser cultuada em um templo cristão.

A Igreja sempre destruiu as imagens dos deuses pagãos! Inclusive, no centro da Praça de São Pedro, a poucos metros dali, está um obelisco sobre o qual permanece fincada uma relíquia da Santa Cruz de Nosso Senhor, para simbolizar a vitória de Cristo sobre toda a idolatria do paganismo, e o templo de Santa Maria sobre Minerva, em que a Igreja destruiu todo o culto pagão a Afrodite e o substituiu pelo culto do Verbo Encarnado e de sua Mãe Santíssima.

Atirando aquele ídolo ao rio, os dois cristãos deram muito mais que um tapa em todo o Sínodo da Amazônia, e o festejamento do ato em todo o orbe católico dá provas disso. O livro do Apocalipse diz: “Então, um anjo poderoso to­mou uma pedra do tamanho de uma grande mó de moinho e lançou-a no mar, dizendo: ‘Com tal ímpeto será precipitada a Babilônia, a grande cidade, e jamais será encontrada’” (Ap 18, 21).

Não há mais retorno. Francisco perdeu completamente o controle sobre o povo. A máscara caiu. Não conseguem mais sustentar a narrativa da tal eclesiologia do Povo de Deus: eles abandonaram o povo há muito tempo e se tornaram uma sinagoga restrita, autista, sectária, autoritária, que fala apenas para si mesma.

De agora em diante, o teatro se tornará cada dia mais flagrante, menos convincente. E os promotores dessa nova igreja, malgrado sua euforia, terão de conviver com o odium plebis, com um povo que não lhes dará descanso e não cessará de denunciar a sua impostura.

20 Comentários to “Pachamama no Tibre: um gesto que fala por si.”

  1. Excelente. Concordo!

  2. Não tenho a intenção de desautorizar o excelente artigo do Fratres, mas registre-se apenas uma pequena retificação histórica. Na verdade, não foi o Rei Felipe, o Belo, quem invadiu pessoalmente o Palácio de Agnani. Mas sim um tropa liderada por Guilherme de Nogaret, a mando de Felipe. Um dos invasores, Schiarra Colonna, foi quem esbofeteou o papa.

  3. “Gritemos com cem mil línguas porque, por força do silêncio, este mundo apodreceu”

    (Gridiamo con centomila lingue perché, a furia di silenzio, questo mondo è marcito)

    (Santa Caterina de Siena)

  4. Depois de muita preocupação, tristeza e muita dor por esse sínodo do mal entreguei tudo nas mãos de Deus e senti paz. O escândalo do investimento durante o sínodo, a heróica atitude desses dois JOVENSe principalmente a reação do fiéis são respostas de Deus as nossas orações. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

  5. O minimo que o Papa Francisco deveria fazer era renunciar ao seu papado devolve-lo a quem de direito, o Papa Bento XVI. A igreja não sucumbirá as heresias proferidas pelo Papa e seus comandados, ainda há esperança. Parabéns aos jovens, e que sirva de exemplos a todos os que são realmente católicos. Vamos combater o inimigo com a força e a proteção de Nosso Senhor Jesus Cristo e sua mãe Maria Santíssima.

    • Devo informa-lo que este assunto encontra-se nas mãos de N. S. de Fátima que já nos avisou:..”no final o Meu Coração Imaculado vencerá”.
      Questão de tempo e de alguns fatos que infelizmente ainda ocorrerão no passar dos próximos dez anos.

  6. Infelizmente, não comungo do otimismo do final do artigo, claro que esses atos de resistência são louváveis, mas é pouco frente à crise que enfrentamos.
    Francisco vem criando cardeais num ritmo frenético – frequentemente estourando o teto de 120 eleitores, já conseguiu nomear quase metade do colégio cardinalício. O propósito é – evidentemente – deixar um sucessor afinado com sua visão de Igreja, temo que consiga seu intento, pois a preferência vem recaindo sobre prelados liberais.
    Afora isso, boa parte do clero – creio que a maioria – perdeu a fé, ao menos a católica. É inacreditável termos um bispo que se jacta de jamais ter batizado um índio ou um James Martin.
    No que concerne aos fiéis, estes simplesmente se adaptam às mudanças sem maiores contestações – falta-lhes preparo para perceber a crise avassaladora pela qual passa a barca de Pedro. Ademais, boa parte daqueles que têm mais – digamos – preparo é francamente herética, basta ver as maquinações do episcopado alemão que conta com apoio dos católicos de lá, onde há – comparativamente – enorme contingente de leigos formados em teologia.
    Sinceramente, só não creio na demolição total da Igreja por conta da promessa de Nosso Senhor.
    Rezemos pela Igreja.

  7. Um leitor do Frates in Unum, aparentemente desconhecedor do significado das palavras da língua portuguesa, me criticou pelo comentário que fiz sobre os “raptores” da pachamama, quando sugeri a eles a destruição pura e simples destas imagens por incineração, antes de joga-las no rio.
    Estes tipos de imagens não devem sobreviver e o fogo é a forma correta de eliminar as heresias icônicas, sempre que for possível utiliza-lo.
    Deixa-las boiando no rio Tibre é uma forma de permitir que voltem à profanação.
    Meu apoio é irrestrito ao ato, apenas penso que ele deva ser aperfeiçoado.
    Enfim, espero que desta feita ele entenda o que foi escrito ou pelo menos demonstre que leu o texto até o fim.

    • Concordo. O certo é incinerar e lascar água benta enquanto se reza algum salmo devastador.

    • Para um Romano, jogar algo no Rio Tibre é o sinal máximo de desonra, alem disso não se caracterizou o crime de civil de vilipendio caso eles tivessem destruído as estátuas… Quem quiser recuperá-las de volta que vá procurá-las na lama do rio… pelos meus cálculos já devem estar no Mar Mediterrâneo…

  8. Não podemos nos calar ,como leigos temos um papel importante na nossa igreja .
    Temos que Denunciar !!!

  9. Esse artigo foi também um “tapa na cara” dos vivos que estão mortos e dos mornos (Apocalipse 3, 1c,2-3 e 15-16) que venham aqui cuspir regras aos jovens que por amor a Santa Igreja, imitaram Jesus cumprindo o Salmo, quando expulsou no chicote os vendilhões no Templo. “O meu amor pela tua casa me consome.” (João 2, 13-17)

  10. Tal ato pode ser não ter sido correto do ponto de vista legal/jurídico, mas foi extremamente necessário para o momento.
    A Igreja está atravessando uma crise terrível, foi tomada por impostores que a estão levando para o abismo. Os católicos fiéis precisam se levantar contra essa situação. É um absurdo que a estátua de um deus pagão seja adorada em plena Basílica de São Pedro, tendo sido lá entronizada em um andor carregado por bispos (!) É uma situação que absurda, que nada tem a ver com o respeito a outras culturas.
    Que essa tenha sido a primeira de muitas atitudes de resistência.

  11. Outra coisa que esqueci de incluir no meu comentário anterior:
    Interessante vocês citarem o caso ocorrido com o Papa Bonifácio VIII, pois ele foi o sucessor de Celestino V, que curiosamente, foi o último papa que havia renunciado antes de Bento XVI.
    Não sei se foi conscientemente, mas achei genial a sacada de vocês.

  12. O feito destes dois jovens me parece não apenas um ato heroico e louvável, mas sobretudo simbólico. Porquanto revela que serão os leigos que irão libertar a Igreja dos ídolos imundos que a hierarquia apóstata está agora acolhendo com bastante entusiasmo e paixão. Não adianta nada o Bergoglio nomear 200, 300 ou 400 cardeais do time dele. A justiça divina vai agir e a profecia de Fátima vai se cumprir. Vale lembrar que na visão do bispo vestido de branco está claro que o papa será fuzilado no alto de um monte juntamente com seus cardeais, bispos, padres, religiosos, leigos etc. Essa visão revela a purificação da Igreja e do mundo. A causa é a apostasia que já começou do todo. E podem apostar que isso não está longe de acontecer. E todos saberão que a Igreja Católica pertence a Cristo e não a um grupelho de hereges e apóstatas que acham que podem fazer o que der na telha sem maiores consequências. O melhor a fazer é se preparar, pois a purificação é inevitável.

  13. Exemplo louvável destes dois jovens!
    Na verdade, deveríamos defenestrar TODA esta caterva que se juntou para destruir a Santa Igreja!
    Porém, infelizmente, desde o malfadado Concílio Vaticano II que este “ímpeto maléfico” tomou grande parte da Igreja.
    Mudaram a Liturgia, o calendário, a teologia (antropocêntrica), a hierarquia e o Apostolado Católico.
    Tudo foi modificado!
    Qualquer um dos leitores – que tal qual este padre idoso que aqui escreve – que tenha vivido antes da hecatombe conciliar, sabe o que afirmo.
    Rezo insistentemente para que a Promessa da Virgem, em Fátima, concretize-se o quanto antes, pois, assistimos a realização daquela outra Profecia – anunciada em la Salete: “Roma perderá a fé e se tornará a sede do anticristo!”
    Que o Bom Deus tenha piedade de nós e que o Triunfo do Imaculado e Doloroso Coração de Maria aconteça o quanto antes!
    Viva Cristo Rei!

  14. São Gabriel da Virgem Dolorosa
    – Extraordinário exemplo para a juventude, rogai por nós!
    – Santo de tristeza, rogai por nós!
    – Amado do aflito Coração de Maria, rogai por nós!
    – Co-patrono da juventude católica, rogai por nós!
    – Guia dos confusos, rogai por nós!
    – Luz dos duvidosos, rogai por nós!
    – Descanso dos cansados, rogai por nós!

  15. Bravíssimo, rapazes!! Vou mostrar o vídeo ao meu filho! Os católicos verdadeiros sempre foram intolerantes ao erro. Nada de pacifismo meloso e invertebrado! O historiador romano Tácito dizia que os cristãos tinham muitas virtudes, mas um defeito imperdoável: eram intolerantes em relação a outras religiões. Não aceitavam colocar sua fé ao lado de outras no Panteão. E o sangue daqueles mártires foi honrado pela ação nobre desses rapazes! Mais uma vez: Bravo, bravíssimo!