Cardeal Müller: “O grande erro foi trazer os ídolos para dentro da Igreja, não colocá-los para fora”.

Por LifeSiteNews, WASHINGTON, DC, 24 de outubro de 2019 | Tradução: FratresInUnum.com – O Cardeal Gerhard Müller lançou uma forte declaração contra a instalação de “ídolos” em uma igreja romana para o Sínodo da Amazônia.

Em um trecho de uma entrevista nesta noite com Raymond Arroyo, em seu programa The World Over, transmitido pela EWTN, o Cardeal Müller afirmou que “trazer os ídolos para uma igreja é um pecado grave, um crime contra a lei divina”.

Müller é ex-Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Os comentários foram feitos após Arroyo mencionar o fato de que pessoas removeram os controversos ídolos pagãos da Igreja de Santa Maria del Traspontina e os jogaram no Rio Tibre, pedindo o comentário do Cardeal.

“O grande erro foi trazer os ídolos para a igreja”, respondeu o cardeal, “não retirá-los, porque segundo a Lei do próprio Deus — o primeiro mandamento –, a idolatria é um grave pecado e não se deve misturar [os ídolos] com a liturgia cristã”.

“Retirá-los”, continou Müller, “jogá-los fora, pode ser contra a lei humana, mas trazer os ídolos para dentro de uma igreja foi um pecado grave, um crime contra a Lei de Deus”.

“É uma diferença profunda”.

Assista ao diálogo: 

O cardeal alemão recentemente fez alguns fortes comentários contra o paganismo que pode ser visto no Sínodo da Amazônia. Em um comentário escrito para LifeSiteNews, ele lamenta que “nem mesmo bispos percebem quando a divisa do velho paganismo foi cruzada”, e explica que a idolatria e a superstição são “pecados contra Deus, porque confundem o Criador com sua criação”.

“A adoração a Deus”, explica ele, “é a verdadeira teologia da libertação do medo, do pavor e da insegurança que nos vem do mundo material e dos homens. E só com a ajuda do Evangelho e da graça de Cristo, uma cultura pode desenvolver suas influências positivas e ser libertada do poder do mal”.

O Cardeal Müller então recordou também as palavras ditas por São Pedro: “Vós sois o Cristo, o Filho de Deus vivo”.

8 Comentários to “Cardeal Müller: “O grande erro foi trazer os ídolos para dentro da Igreja, não colocá-los para fora”.”

  1. “O grande erro foi trazer os ídolos para a igreja”, respondeu o cardeal, “não retirá-los, porque segundo a Lei do próprio Deus — o primeiro mandamento –, a idolatria é um grave pecado e não se deve misturar [os ídolos] com a liturgia cristã”.

    “Retirá-los”, continou Müller, “jogá-los fora, pode ser contra a lei humana, mas trazer os ídolos para dentro de uma igreja foi um pecado grave, um crime contra a Lei de Deus”.

    “É uma diferença profunda”.

    Que tempos são esses em que é preciso dizer isso a religiosos, padres, bispos e ao próprio Papa?

    Senhor que eu não esteja dormindo quando o Dono da casa chegar.

    • Se N.Senhora de Fátima não tivesse afirmado em sua mensagem que a apostasia da Igreja viria, fazendo empalidecer o papa da época, eu estaria agora realmente surpreso.

  2. Excelente colocação e ponto final na questão: o erro é trazer para dentro da Igreja os ídolos…

  3. Trazer ídolos pagãos de índios para dentro da Igreja Católica é adesão ao paganismo e fóra com NS Jesus Cristo! “O Espírito Santo afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns se desviarão da fé e darão ouvidos a espíritos enganadores e à doutrina de demônios” – 1 Tm, 4 1; dessa forma, todos os ídolos doutras religiões são demonios e o papa Francisco hoje tido até diversos por comunista, nem se estranha mais essa dele e outras que vierem.
    Confiram o dossiê de Pe Luigi Villa sob o papa Paulo VI, a mando de S Pio de Pietrelcina, de arrepiar os cabelos!

  4. S.E.R. Cardeal Muller: “Papa Subito!”

  5. “os ídolos pagãos serão escoltados para [a Basílica de] São Pedro”?????????? Não acredito que ainda Bergoglio não entendeu que é pra jogar fora, não levar pra Basílica!!! Ele só vai mudar o problema de lugar… Triste ein!!

  6. Como cristão católico, sou muito séptico quanto à entrada de Ídolos pagãos trazidos para dentro da Igreja que Cristo fundou, nesta caminhar, um dia teremos a Cruz e o Corpo de Cristo substituídos por qualquer ídolo pagão na Sagrada Eucaristia, passando a celebra-se as missas negras

  7. Francisco deve estar considerando que ninguém é mais forte do que Deus e, por isso, os rituais pagãos não surtirão efeito nas dependências da Igreja. Pela tentativa de trazer todos para Deus “aceitando” inicialmente suas deficiências teológicas, ele pode acreditar que será perdoado por essa infração, desconsiderando a confusão que estabelece na cabeça dos fieis.