Protesto contra os actos sacrílegos do Papa Francisco.

Por Contra Recentia Sacrilegia – Nós, os abaixo-assinados investigadores e académicos clérigos e leigos católicos, protestamos contra e condenamos os actos sacrílegos e supersticiosos cometidos pelo Papa Francisco, Sucessor de São Pedro, no âmbito do recente Sínodo que teve lugar em Roma.

Tais actos sacrílegos foram os seguintes:

  • A 4 de Outubro, o Papa assistiu a um acto de culto idólatra da deia

    pagã Pachamama.

  • O Papa permitiu que tal acto de culto fosse praticado nos Jardins Vaticanos, profanando deste modo as áreas vizinhas das sepulturas dos mártires e da igreja de São Pedro Apóstolo.
  • O Papa participou deste acto de culto idólatra abençoando a imagem de madeira da Pachamama.
  • A 7 de Outubro, o ídolo da Pachamama foi posto diante do altar-mor de São Pedro e foi depois levado em procissão até à Sala do Sínodo. O Papa Francisco recitou orações numa cerimónia envolvendo esta imagem e juntou-se depois à dita procissão.
  • Depois que várias imagens desta deia pagã foram removidas da igreja de Santa Maria in Traspontina, onde haviam sido postas sacrilegamente, e tendo sido em seguida arrojadas ao Tibre por católicos indignados com essa profanação daquela igreja, o Papa, a 25 de Outubro, ofereceu desculpas pela remoção das imagens, e outra imagem de madeira da Pachamamafoi de novo posta na igreja.  Deu-se, assim, início a uma ulterior profanação.
  • A 27 de Outubro, por ocasião da Missa de encerramento do Sínodo, o Papa aceitou uma taça que fora usada no culto idólatra da Pachamama e pô-la sobre o altar.

O próprio Papa confirmou que estas imagens de madeira eram ídolos pagãos. No curso do seu pedido de desculpas pela remoção destes ídolos do interior de uma igreja católica, o Papa usou especificamente para eles o nome de Pachamama,  nome que, de acordo com uma crença religiosa da América do Sul, corresponde à falsa divindade mãe da terra.

Diferentes actos desta cadeia de eventos foram já condenados como idólatras ou sacrílegos pelo Cardeal Walter Brandmüller, Cardeal Gerhard Müller, Cardeal Jorge Urosa Savino, Arcebispo Carlo Maria Viganò, Bispo Athanasius Schneider, Bispo José Luis Azcona Hermoso,  Bispo Rudolf Voderholzer e Bispo Marian Eleganti. Por fim, no curso deuma entrevista, também o Cardeal Raymond Burke fez igual apreciação do culto que foi prestado.

Esta participação em idolatria foi antecipada pela declaração intitulada “Documento sobre a Fraternidade Humana”, assinada pelo Papa Francisco e Ahmad Al-Tayyeb, o Grande Imã da mesquita de Al-Azhar, a 4 de Fevereiro de 2019.  Esta declaração afirmou que:

«O pluralismo e as diversidades de religião, de cor, de sexo, de raça e de língua fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos. Esta Sabedoria divina é a origem donde deriva o direito à liberdade de credo e à liberdade de ser diferente.»

O envolvimento do Papa Francisco em cerimónias idólatras é uma indicação de que quis dar a esta declaração um sentido heterodoxo, que permite que o culto pagão de ídolos seja considerado um bem positivamente querido por Deus.

Além disso, não obstante ter comunicado privadamente ao Bispo Athanasius Schneider que «[o Bispo] pode dizer que a frase em questão acerca da diversidade das religiões se refere à vontade permissiva de Deus …» , o Papa jamais procedeu à correcção da declaração de Abu Dhabi nesses sentido.Num pronunciamento subsequente durante a audiência de 3 de Abril de 2019, o Papa, respondendo à questão “Porque é que Deus permite que haja muitas religiões?”, referiu-se de passagem à “vontade permissiva de Deus” tal como a mesma é entendida pela teologia escolástica, mas deu ao conceito um sentido positivo, declarando que «Deus quis permitir isto» porque, sendo embora certo que «há muitas religiões», elas «olham sempre para o céu, olham para Deus» (ênfase acrescentada). Não se nota aí sequer a mais mínima sugestão de que Deus permite a existência de religiões da mesma maneira que Ele permite, em geral, a existência do mal. Ao invés, a implicação que daí resulta claramente é a de que Deus permite a existência de «muitas religiões» porque elas são boas enquanto «olham sempre para o céu, olham para Deus».

Mais grave ainda: desde então, o Papa Francisco já reafirmou a declaração não corrigida de Abu Dhabi, ao estabelecer um “comité inter-religioso” , que veio mais tarde a receber a designação de “Comité Superior”,  com sede nos Emiratos Árabes Unidos, paradar seguimentoaos “objectivos” do documento, e ao promover uma directivaemitida pelo Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-reliogioso dirigida aos dirigentes de todos os institutos católicos romanos de estudos superiores, e indirectamente aos professores universitários católicos, pedindo-lhes que dêem ao documento a «maior difusão possível», aí se incluindo a asserção não corrigida de que Deus quer a «diversidade religiões» do mesmo modo que quer a diversidade de cores, sexos, raças e línguas.

Prestar culto a alguém ou algo além do único Deus verdadeiro, a Santíssima Trindade, é uma violação do Primeiro Mandamento. A participação em qualquer forma de veneração de ídolos é absolutamente condenada por este mandamento e constitui um pecado grave, independentemente da culpabilidade subjectiva, que só Deus pode julgar.

São Paulo ensinava à Igreja dos primeiros tempos que o sacrifício oferecido a ídolos pagãos não era dirigido a Deus mas antes aos demónios, como se lê na sua Primeira Epístola aos Coríntios:

«Que vos hei-de dizer, pois? Que a carne imolada aos ídolos tem algum valor, ou que o próprio ídolo é alguma coisa? 20Não! Mas aquilo que os pagãos sacrificam, sacrificam-no aos demónios e não a Deus. E eu não quero que estejais em comunhão com os demónios. 21Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demónios; não podeis participar da mesa do Senhor e da mesa dos demónios
(1 Cor 10, 19-21)

Com tais acções, o Papa Francisco incorreu na condenação proferida pelo Segundo Concílio de Niceia:

«Muitos pastores destruíram a minha vinha, profanaram a minha porção. Por isso que seguiram homens ímpios e acreditando nos seus próprios desvarios, caluniaram a Santa Igreja, que Cristo tomou para Si por esposa, e não distinguiram o sagrado do profano, asserindo que os ícones de Nosso Senhor e dos santos não eram diferentes das imagens de madeira dos ídolos satânicos

É com imensa dor e profundo amor pela Cátedra de Pedro que suplicamos a Deus Todo-Poderoso que poupe os membros culpados da Sua Igreja sobre a terra da punição que merecem pelos seus terríveis pecados.

Pedimos respeitosamente ao Papa Francisco que se arrependa publicamente e sem ambiguidades destes pecados e de todas as ofensas que cometeu contra Deus e a verdadeira religião, e que faça reparação por estas ofensas.

Pedimos respeitosamente a todos os bispos da Igreja Católica que ofereçam ao Papa Francisco uma correcção fraterna por estes escândalos, e que advirtam os seus rebanhos de que, de acordo com o ensinamento divinamente revelado da fé católica, eles arriscam a condenação eterna se seguirem o seu exemplo nas ofensas contra o Primeiro Mandamento.

9 de Novembro de 2019

In Festo Dedicationis Basilicae Lateranensis
“Terribilis est locus iste: hic domus Dei est et porta cæli; et vocabitur aula Dei” 

 

Assinam:

Dr Gerard J.M. van den Aardweg, The Netherlands

Dr Robert Adams, medical physician in Emergency & Family Medicine

Donna F. Bethell, J.D.

Tom Bethell, senior editor of The American Spectator and book author

Dr Biagio Buonomo, PhD in Ancient Christianity History and former culture columnist (1990-2013) for L’Osservatore Romano

François Billot de Lochner, President of Liberté politique, France

Rev. Deacon Andrew Carter B.Sc. (Hons.) ARCS DipPFS Leader, Marriage & Family Life Commission, Diocese of Portsmouth, England

Mr. Robert Cassidy, STL

Dr Michael Cawley, PhD, Psychologist, Former University Instructor, Pennsylvania, USA

Dr Erick Chastain, PhD, Postdoctoral Research Associate, Department of Psychiatry, University of Wisconsin-Madison

Fr Linus F Clovis

Lynn Colgan Cohen, M.A., O.F.S.

Dr Colin H. Jory, MA, PhD, Historian, Canberra, Australia

Rev Edward B. Connolly, Pastor Emeritus, St. Joseph Parish St. Vincent de Paul Parish, Girardville PA

Prof. Roberto de Mattei, Former Professor of the History of Christianity, European University of Rome, former Vice President of the National Research Council (CNR)

José Florencio Domínguez, philologist and translator

Deacon Nick Donnelly, MA Catholic Pastoral & Educational Studies (Spiritual Formation), England

Fr Thomas Edward Dorn, pastor of Holy Redeemer Parish in New Bremen OH in the Archdiocese of Cincinnati

Fr Stefan Dreher FSSP, Stuttgart, Germany

Dr Michael B. Ewbank, PhD in Philosophy, Loras College, retired, USA

Fr Jerome Fasano, Pastor, St John the Baptist Church, Front Royal, Virginia, USA

Dr James Fennessy, MA, MSW, JD, LCSW, Matawan, New Jersey, USA

Christopher A. Ferrara, J.D., Founding President of the American Catholic Lawyers’ Association

Fr Jay Finelli, Tiverton, RI, USA

Prof. Michele Gaslini, Professor of Public Law, University of Udine, Italy

Dr Linda M. Gourash, M.D.

Dr Maria Guarini STB, Pontificia Università Seraphicum, Rome; editor of the website Chiesa e postconcilio

Fr Brian W. Harrison, OS, STD, associate professor of theology of the Pontifical Catholic University of Puerto Rico (retired), Scholar-in-Residence, Oblates of Wisdom Study Center, St. Louis, Missouri, USA

Sarah Henderson DCHS MA (RE & Catechetics) BA (Mus)

Prof. Robert Hickson PhD, Retired Professor of Literature and of Strategic-Cultural Studies

Dr Maike Hickson PhD, Writer and Journalist

Prof., Dr.rer.pol., Dr.rer.nat. Rudolf Hilfer, Professor of Theoretical Physics at Universität Stuttgart

Fr John Hunwicke, Former Senior Research Fellow, Pusey House, Oxford

Fr Edward J. Kelty, OS, JCD, Defensor Vinculi, SRNC rota romana 2001-19, Former Judicial Vicar,  Archdiocese of Ferrara, Judge, Archdiocese of Ferrara

Dr Ivo Kerže, prof. phil.

Dr Thomas Klibengajtis, former Assistant Professor of Catholic Systematic Theology, Institute of Catholic Theology, Technical University Dresden, Germany

Dr Peter A. Kwasniewski, PhD, USA

Dr John Lamont, DPhil (Oxon.)

Dr Dorotea Lancellotti, catechist, co-founder of the website: https://cooperatores-veritatis.org/

Dr Ester Ledda, consecrated laywoman, co-founder of the website https://cooperatores-veritatis.org/

Fr Patrick Magee, FLHF a Franciscan of Our Lady of the Holy Family, canonical hermit in the Diocese of Fall River, Massachusetts

Dr Carlo Manetti, jurist and lecturer, Italy

Dr Christopher Manion, PhD, KM, Humanae Vitae Coalition, Front Royal, Virginia, USA

Antonio Marcantonio, MA

Michael J. Matt, Editor, The Remnant, USA

Jean-Pierre Maugendre, general delegate, Renaissance catholique, France

Msgr John F. McCarthy, JCD, STD, retired professor of moral theology, Pontifical Lateran University

Prof. Brian M. McCall, Orpha and Maurice Merrill Professor in Law, Editor-in-Chief Catholic Family News

Patricia McKeever, B.Ed. M.Th., Editor, Catholic Truth, Scotland

Mary Angela McMenamin, MA in Biblical Theology from John Paul the Great Catholic University

Fr Cor Mennen, lecturer canon law at the diocesan Seminary of ‘s-Hertogenbosch and member of the cathedral chapter

Rev Michael Menner, Pastor

Dr Stéphane Mercier, Ph.D., S.T.B., former research fellow and lecturer at the University of Louvain

Dr Claude E Newbury, M.B. B.Ch., D.T.M & H., D.P.H., D.O.H., M.F.G.P., D.C.H., D.A., M. Prax Med.

Prof. Giorgio Nicolini, writer, Director of “Tele Maria”

Fr John O’Neill, STB, Dip TST, Priest of the Diocese of Parramatta, member of Australian Society of Authors

Fr Guy Pagès, Archdiocese of Paris, France

Prof. Paolo Pasqualucci, Professor of Philosophy (retired), University of Perugia, Italy

Fr Dean P. Perri, Diocese of Providence, Our Lady of Loreto Church

Dr Brian Charles Phillips, MD

Dr Mary Elizabeth Phillips, MD

Dr Robert Phillips, Professor (emeritus) Philosophy: Oxford University, Wesleyan University, University of Connecticut

Prof. Claudio Pierantoni, Professor of Medieval Philosophy, University of Chile; former Professor of Church History and Patrology at the Pontifical Catholic University of Chile

Prof. Enrico Maria Radaelli, Professor of Aesthetic Philosophy and Director of the Department of  Aesthetic Philosophy of the International Science and Commonsense Association (ISCA), Rome, Italy

Dr Carlo Regazzoni, Philosopher of Culture, Therwill, Switzerland

Prof. John Rist, Professor emeritus of Classics and Philosophy, University of Toronto

Dr Ivan M. Rodriguez, PhD

Fr Luis Eduardo Rodrìguez Rodríguez, Pastor, Diocesan Catholic Priest, Caracas, Venezuela.

John F. Salza, Esq.

Fr Timothy Sauppé, S.T.L., pastor of St. Mary’s (Westville, IL.) and St. Isaac Jogues (Georgetown, IL.)

Fr John Saward, Priest of the Archdiocese of Birmingham, England

Prof. Dr Josef Seifert, Director of the Dietrich von Hildebrand Institute of Philosophy, at the Gustav Siewerth Akademie, Bierbronnen, Germany

Mary Shivanandan, Author and consultant

Dr Cristina Siccardi, Church Historian and author

Dr Anna M. Silvas, senior research adjunct, University of New England NSW Australia.

Jeanne Smits, journalist, writer, France

Dr Stephen Sniegoski, PhD, historian and book author

Dr Zlatko Šram, PhD, Croatian Center for Applied Social Research

Henry Sire, Church historian and book author, England

Robert J. Siscoe, author

Abbé Guillaume de Tanoüarn, Doctor of Literature

Rev Glen Tattersall, Parish Priest, Parish of St. John Henry Newman, Australia

Prof. Giovanni Turco, associate professor of Philosophy of Public Law, University of Udine, Italy

Fr Frank Unterhalt, Pastor, Archdiocese of Paderborn, Germany

José Antonio Ureta, author

Adrie A.M. van der Hoeven, MSc, physicist

Dr Gerd J. Weisensee, Msc, Switzerland

John-Henry Westen, MA, Co-Founder and Editor-in-Chief LifeSiteNews.com

Dr Elizabeth C. Wilhelmsen, Ph.D. in Hispanic Literature, University of Nebraska-Lincoln, retired

Willy Wimmer, Secretary of State, Ministry of Defense, (ret.), Germany

Prof. em. Dr Hubert Windisch, priest and theologian, Germany

Mo Woltering, MTS, Headmaster, Holy Family Academy, Manassas, Virginia, USA

Miguel Ángel Yáñez, editor of Adelante la Fe

List of Signatories

Archbishop Carlo Maria Viganò

Prof. Dr. Heinz Sproll – University of Augsburg

Edgardo J. Cruz Ramos, President Una Voce Puerto Rico

Rev. Fr. Felice Prosperi

Prof.Growuo Guys PhD

Rev. Nicholas Fleming STL

Drs. N.A.L. van der Sluis pr., Pastoorparochie Maria, Moeder van de Kerk Bisdom ‘s-Hertogenbosch

Rev. Fr Alfredo Maria Morselli

Marco Paganelli, Journalist and writer

Deacon Eugene G. McGuirk, B.A, M.A., M.B.A.

Dr. Lee Fratantuono, AB, AM, PhD

Rev. Fr. Paolo D’Angona, Diocese of Roermond, Netherlands

12th November 2019

Bishop Robert Mutsaerts, auxiliary bishop of ‘s-Hertogenbosch, Netherlands

Marco Tosatti, Stilum Curiae

Enza Pasquali

Don Michiele Chimienti

Rev. Patrick Fenton

Fr Peter Klos

Paul King, Esq.Fr. Palblo Ormazabal Albistur

Prof. Dr. Felix Fulders

Fr Richard McNally ss.cc

Sac. Bernardo M. Trelle

Dr. Quintilio Paolozzi Ph.D.

Dr. Stefano Gizzi, Comm. S.Gregorio Magno

Fr Bernward Van der Linden FSSP

Mag, Philipp Erdinc, MA

De Christian Behrendt

Rev. Peter John Dang

Leo Kronberger, MD, MSC

José Narciso Barbosa Soares

Joao Luiz da Costa Carvalho Vidigal

Fr Iouis Guardiola

Fr Roberto J.Perez, O. Carm.

Fr Jason Charron

Rev. Fr Edwin Wagner FSO

Fr Fabian Adindu

Fr Frank Watts

Fr David M. Chiantella

Fr Daniel Becker

Fr Fidelis Moscinski

Fr John Boughton

Fr Kenneth Bolin

Fr Matthew DeGance, SDB

Fr Vince Huber

Fr Arnis Suleimanovs

Fr James Mawdsley

Fr John Osman, M.A., S.T.L.

Fr Scott Lemaster, M.A., M.Div.

Fr Mark Desser

Fr Vincenzo Fiore

Fr Michael Magiera

Fr John Fongemie, FSSP

Fr Alex Anderson

Fr Pablo Ormazabal Albistur

Fr Brian Geary

Fr James Gordon

Fr David Kemna

Fr Steven Scherrer, MM, Th. D Scherrer

Fr Andrew Szymakowski, JCL

Fr Terence Mary Naughtin, OFM Conv

Christine de Marcellus Vollmer

Mag. Wolfram Schrems

Tammy Layton, ASA,BA, MA

Prof. Mag. Manfred Weindl

Dr Piotr Wolochowicz Ph.D. in Pastoral Theologie

Fr Grzegorz Asniadoch IBP

Grzegorz Korwin-Szymanowski, Journalist

Maristela Neves de Mesquita Rodiriguez Santos

Fr. Albert P. Marcello, III, JCL, defensor vinculi, Diocese of Providence

Dr Michael Sirilla

Fr Jason Vidrine

Dr John Jay Conlon

Matt Gaspers, Managing Editor, Catholic Family News

Dr Taylor R.Marshall

David Moss St. Louis, Missouri, U.S.A

Mag. César Félix Sánchez Martínez, professor of Philosophy of Nature and History of Modern and Contemporary Philosophy

13th November 2019

Fr Tullio Rotondo, doctor of Sacred Theology and Jurisprudence

Philippe Pichot Bravard, Maître de conférences HDR, écrivain

Dr. James P. Lucier, PhD, former Staff Director, U.S. Senate Foreign Relations Committee

Fr Aleksandrs Stepanovs

Fr Andrew Benton

Fr Tim Meares

Fr Vaughn Treco

Fr Edmund Castronovo

Fr Pat Scanlan Cloyne, diocesan priest

Br Johannes Elisa of the Cross OCDS ter Veer

14th November 2019

Fr Luis Marja de la SS. Trinidad y de la Santa Cruz

Fr Kazimierz Stefek, Parish Priest

William Melichar, OCDS, JD, MA

Mirella Sacilotto Sharkey, Ph. D.

Fr Peter Masik

Pichot Bravard Philippe

23 Comentários to “Protesto contra os actos sacrílegos do Papa Francisco.”

  1. Favor acrescentar à lista de signatários:
    15th November 2019
    Dr. Felix Pereira dos Santos Neto, chemical engineer, retired, Brazil

  2. Se o Papa e demais participantes cometeram idolatria, o pecado contra o Primeiro Mandamento é pessoal, e é deles. O Papa negou que os atos foram realizados com intenções idolátricas.

    Com relação à Profanação, deve-se ponderar que os Sacerdotes responsáveis por uma igreja têm legítimo poder de fechá-la provisoriamente para realização de atos não litúrgicos ou não religiosos.

    Os tradicionais exames de consciência trazem como Pecado a assistência pelos fiéis católicos de cultos protestantes, sessões espíritas, consultas a feiticeiros, cartomantes, necromantes, benzedores, rezadores etc. O mesmo se aplica para os atos de profanação, como aqueles que geralmente ocorrem nas Missas Novas, em ambientes católicos.

    Obviamente, isto não proíbe que em determinadas circunstâncias com autorização do diretor espiritual determinadas pessoas possam assistir a tais práticas. A proibição é geral, mas existe permissão relativa.

    No caso concreto, entendo que o Papa está a dialogar com pagãos não católicos ou recém cristianizados, o que permite um diálogo ou relação diferenciada do que se realiza em comunidades de cristianização mais antiga. Trata-se de métodos missionários e tentativas de aproximação física.

    Por outro lado, é condenável o arrombamento de igrejas, por qualquer motivo que seja.

    Quando se faz uma acusação pública dessas, é porque os signatários independentemente de quaisquer tendências têm certeza da acusação que fazem.

    Na minha opinião, talvez Profanação tenha ocorrido, se a igreja não fora anteriormente fechada para os atos, o que inclui a retirada do Santíssimo.

    Porém Idolatria ainda não é possível dizer com precisão, ainda mais considerando que a intenção idolátrica fora publicamente negada pelo Vaticano.

    Outra coisa é que condenar o Sínodo da Amazônia com finalidade de favorecer determinadas tendências ou preferências políticas é absolutamente alheio à missão, finalidade, competência e autoridade da Igreja.

    Entendo que a cristianização de qualquer povo é gradual, como sempre foi, inclusive dos bárbaros da Europa Medieval.

    • “O Papa negou que os atos foram realizados com intenções idolátricas.”
      Os atos são idolátricos porém as intenções são individuais, subjetivas e julgadas apenas por Deus, pois, como disse este mesmo papa: “…quem sou eu para julgar”.
      Em resumo: ele não se considera capaz de julgar as intenções dos praticantes de homossexualismo, porém julga as intenções dos praticantes da idolatria.
      A incoerência e as contradições fazem parte de Bergoglio.

    • A Idolatria consiste em colocar qualquer coisa no lugar de Deus. A Basílica de São Pedro é o novo Templo de Deus, o Vaticano é a nova Cidade Santa. Colocar essas coisas na casa de Deus é sim um grande sinal idolátrico, é colocar a abominação no lugar santo. Por favor, converta-se ao Catolicismo e pare de fazer defesas nem que sejam veladas a este ato idolátrico e abominável!

  3. Na minha modesta opinião o papa deve renunciar ou ser declarado antipapa, pelas seguintes razões:
    1. O Vaticano, sede do papado e do Bispo de Roma foi profanado na presença do papa e com a sua autorização.
    2. Desta forma, criou-se ou está criada uma igreja profana e idólatra intra muri Vaticanae.
    3. Sua permanência neste estado é permitida pelo papa em profanação vitalícia.
    Espero que este protesto assinado produza o resultado acima proposto.

    • O problema é: Quem vai declará-lo como antipapa?
      Na minha modesta opinião isto só pode ser feito por um colégio de cardeais ou então por um sucessor apostólico de Francisco.

  4. Imagino que satanás, que é bom teólogo, tenha apreciado deveras a venenosa facúndia de melismas, floreios e barroco retorcimento…

    “Dom Arêias é meu pastor, nenhuma contradição me faltará”

  5. Favor acrescentar a lista de signatários : RICARDO CESAR ALMEIDA AGUIAR, Governo Agent, Brazil

  6. Por isso o sedevacantismo se populariza tanto, pois é preciso esforço mental, do código de direito canônico, da história da Igreja, etc para explicar a Igreja pós CV II.

    Eu creio na Igreja, una, Santa, Católica, Apostólica e por ser uma instituição Divina, no tempo certo, teremos a resposta insofismável, ortodoxa, Católica! Hoje, tateamos no escuro, conjecturando como explicar.

  7. Estou solidário com os signatários desta lista. Por isso acrescentar o meu nome à mesma. Todos os
    católicos, o deviam fazer, para defesa da Verdadeira Igreja que Jesus Cristo fundou: Desta forma a atual Bispo de Roma , está a criar uma Igreja profana e idólatra, com este caminhar brevemente teremos anticristo a governar A Santa Igreja, e extinguir-se a Santas missas, por missas negras, e abolição de alguns SACRAMENTOS

  8. Alguém já percebeu a pressa que os progressistas estão mostrando? Estão pisando na tábua com os dois pés.
    E alguém já notou que nós, que nos importamos com a verdade e a tradição somos minoria? Grande parte parece não perceber ou nem se importar com o que está acontecendo. Muitos inclusive aplaudem inclusive!

  9. Boa noite!

    Prezado Félix Pereira,

    A idolatria para ser tal depende muito mais das intenções subjetivas que dos atos propriamente ou das circunstâncias. Assim pois, quem pratica determinados atos, com sinceridade ou simulação, não comete idolatria.

    As pessoas fazem juramento diante da bandeira. Batem continência e prestam juramentos de fidelidade e uma série de ritos classificados como cívicos. Cantam o hino nacional voltados para a bandeira.

    Os católicos fazem culto de dulia aos santos, e são por outros acusados de idolatria.

    Insisto: a denúncia de idolatria depende muito mais das intenções do sujeito do que de atos.

    Não é porque fulano disse ou acha que você seja idólatra que você é de fato um idólatra.

    Por que os atos de Francisco seriam idolátricos em si mesmos? Ele prestou à pachamama o que se presta somente a Deus?

    Encerro por aqui…

    E para esclarecer outrem, não sou leigo de Dom Rifan nem da instituição dele.

    Att,

  10. A foto diz tudo, ao invez da barca de pedro, temos a barca de francisco. A barca de pedro tem como cabeca o Cristo e seu destino e o ceu. A barca de francisco tem como “cabeca” um idolo e ninguem sabe ao certo pra onde se dirige mas se ve que ao ceu nao e. Como Deus deu livre arbitrio aos homens cada um faca sua escolha de qual destino quer e de qual barca prefere. So depois nao diga que foi enganado pois Francisco e seu grupo tem sido bem transparentes em quem eles realmente sao e a quem trabalham.

  11. “As palavras voam, o exemplo arrasta.”
    As imagens, ainda mais com o avanço tecnógico de hoje, expressam sem dúvida alguma o que aconteceu nesse público culto a idolatria. De fato não nos cabe julgar, mas sem dúvida como Cristãos não podemos ficar quietos e fingir que não aconteceu tais atos. Uma coisa é pecado pessoal, reservado que não expõe outras pessoas ao escândalo. Agora, permitir, participar e não condenar, quem tem não diga autoridade, mas responsabilidade em “apascentar o rebanho que vos foi confiado”; é sem dúvida de uma falta de caridade tremenda. Basta vermos quantas pessoas já não se encomodam mais de participar de cultos pagãos, idólatras e até viverem em pleno desacordo com a lei de Deus, se desculpando nas atitudes tristes e covardes de padres, bispos e até do papa. Tapar o Sol com a peneira, acender uma vela para Deus e outra para o Diabo é totalmente impossível. Rezemos pela conversão dos pecadores, Deus Nosso Senhor sabe muito bem quem são, e ofereçamos orações e sacrifícios pessoais pelas ofensas e sacrilégios que ocorream no solo onde tantos martires derraram seus sangue por Amor ao Verdadeiro Deus.

  12. Apenas deveriam realçar que Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI participaram de atos iguais ou até piores do que estes acima mencionados.

    • Prezado Sandro Pontes
      “Piores” duvido muito! Pois nunca antes fora visto, um ídolo pagão, em “procissão” aos ombros de Bispos. Nem fora visto alguma prostração de padres e freiras, em roda de um “deus” pagão, junto com pagãos, a “céu aberto”. Muito menos veneração de ídolos, na Basílica de S. Pedro, em roda, de costas viradas para o Altar e o Santíssimo…
      A prostração é adoração. Não sei como será possível desmentir este facto. O Papa estava lá. Ele não é nenhum palhaço, pelo menos que eu saiba?! Ele tem poder jurídico sobre todos os presentes. Pediu perdão aos adoradores de Pachammamas, mas não aos católicos escandalizados…
      Queria referir, a todos os comentaristas que o MAL está feito. De nada lhes adianta tentar “tapar o sol com a peneira” ou “atirar areia para os olhos”. Porque essa atitude ofende a inteligência de qualquer cristão, minimamente instruído!
      É faltar com a verdade dos factos…Nós podemos julgar acções exteriores…só não podemos julgar intenções. Acredito que a intenção do Papa não seria “idolátrica”. Contudo, também sei que Pilatos “lavou as Mãos” e deu no deu…

  13. Recordando que a imagem da Pachamama não tem significado religioso:
    [Falso índio cocalero do Foro de São Paulo destruiu as instituições espanholas e criou micro nações com “leis indígenas” esfacelando a Bolívia na ideia de que tudo que é europeu tem que ser derrubado. (…)
    Criado por brancos a partir de 6 anos de idade, se voltou contra eles. (…)
    Micro nações indígenas é ideia importada de ONGs e da CNBB no Brasil. É o que a CNBB pretende para a Amazônia. (…)
    O falso índio foi entronizado na presidência por uma cerimônia pagã QUE ELE MESMO NÃO ENTENDIA e disse sobre o bastão: O QUE FAÇO COM ISTO?]
    https://homemculto.com/2019/11/11/bolivia-primeiro-estado-indigena-revanchista-e-racista-anti-branco-falha-miseravelmente/

    • Maria, boa tarde. interesse-se sobre o primeiro Encontro de Assis promovido por João Paulo II, e verá que atos até piores do que estes que vemos agora fomos cometidos. Igualmente, temos ações semelhantes no que se refere a Paulo VI e Bento XVI, dito defensor da ortodoxia. Abraços.

  14. Sandro de Pontes, bom dia. À época do primeiro Encontro de Assis, aceitava a argumentação do ecumenismo sem compreender a implicação teológica dessa escolha pela Igreja. Vislumbrei a realidade da apostasia quando comecei a acessar sites conservadores na internet, mas até hoje conjecturo que esses papas desacreditam da validade espiritual maligna dessas manifestações e não precisam temer sua força acima da da verdadeira religião. Esses chefes da Igreja parecem ter sido levados de roldão pela necessidade de neutralizar situações de conflito no ajuntamento heterogêneo das populações que foram propositalmente formadas em toda parte no mundo moderno. Basta ver no microcosmo de nossas relações pessoais a adoção de um discurso igualando as religiões para evitar discussões e rompimentos. Sem essa providência, teríamos em relação à religião uma polarização pior que a que observamos na política atual, quando defendemos os valores cristãos frente, por exemplo, os valores maçônicos e das etnias afro/ indígenas, porque o novo senso comum anticatólico está muito disseminado. E o texto que citei sobre a figura marionete de Evo Morales me fez ver um teatro étnico e religioso a serviço de interesses acima de igrejas e etnias. As manifestações orquestradas em diversos países da América Latina fazem crer que esse teatro é parte de um plano maior há décadas se desenrolando em etapas à nossa frente, e que despreza a validade de qualquer ortodoxia religiosa. Para uma barreira a essa avalanche relativista, só apoiando um governante patriota como tivemos a graça de eleger. Isso faz toda a diferença em relação à atitude débil dos presidentes socialistas do Chile e Colômbia frente à agressão revolucionária do Grupo de Puebla. Neste caso, religião e política estão interligadas no enfrentamento do perigo. Grata pela sugestão.

  15. Se os sacerdotes responsáveis por uma igreja têm legítimo poder de fechá-la provisoriamente para realização de atos não litúrgicos e não religiosos, as “missas afro” se enquadrariam discretamente nessa categoria? Lembrando que um bispo explicou que os africanos dançam quando querem homenagear alguém (o mesmo deve valer para o respeitoso vocativo “meu rei” que os baianos costumam simpaticamente endereçar ao interlocutor). Já as brancas que dançam na mesma cerimônia não têm aval para isso no caso de uma verdadeira celebração litúrgica, porque a dança não faz parte do acervo cultural ocidental para essa finalidade.

    • Prezada Maria,

      Acho importante sua colocação. Mas está nas regras dos comentários que toda polêmica desnecessária será prontamente banida, e eu encerrei meus comentários neste post. Assim, fico na dúvida se convém te responder ou deixar seu importante conteúdo para comentarmos em outra oportunidade.

      Indago ao moderador do Fratres se posso ou convém te responder. Se ele ficar em silêncio, mantenho o meu “encerro por aqui”.

      Att,

      vitorjosefaria@yahoo.com.br

      Meu blog é:

      tradicionalismoecatolicismo.blogspot.com