Argentina. Cai o número de católicos.

IHU – Segundo estudo recentemente publicado, o número de católicos na Argentina caiu mais de 13 pontos nos últimos 11 anos, enquanto o número de evangélicos e de “pessoas sem religião” aumentou.

Igreja Católica argentina não experimentou o “efeito Francisco” como alguns esperavam. A eleição do ex-arcebispo de Buenos Aires, em março de 2013, não conseguiu deter o declínio no número de fiéis na Argentina.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas de la República Argentina – CONICET, com uma amostra representativa de 2.421 pessoas, a proporção de católicos na população do país caiu de 76,5% em 2008 para 62,9% em 2019.

A reportagem é de Arnaud Bevilacqua, publicada por La Croix International, 26-11-2019. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Como em outros lugares, este declínio explica-se pelo efeito da secularização em um país que passou pela separação entre Igreja e Estado. Ao mesmo tempo, o número de participantes que informaram não ter religião subiu de 11,3% para 18,9%, com os evangélicos aumentando de 9 para 15,3%.

Os participantes do estudo responderam a uma pergunta direta sobre a eleição do papa argentino: 82% disseram que ela não teve impacto algum sobre a sua religiosidade e somente 8% disseram que ela fortaleceu as suas crenças religiosas.

Até mesmo o próprio papa acabou se tornando uma figura divisora no país: 27,4% dos respondentes o consideram um “líder mundial” a denunciar situações de injustiça no mundo, mas um número quase idêntico (27%) acredita que o religioso tem se envolvido demais na política e que isso tem atrapalhado a sua função espiritual.

Fratura geracional

O estudo, publicado em 19 de outubro, é a segunda parte de uma pesquisa nacional sobre crenças e atitudes religiosas na Argentina.

Desde a década de 1960, quando o censo nacional deixou de operar, a presente pesquisa serve como ponto de referência, focando-se na questão da afiliação religiosa. Em sua primeira edição, mais de 90% dos argentinos se declaravam católicos.

O estudo publicado este ano ilustra, sobretudo, uma grande ruptura geracional.

Entre os argentinos com idade de 65 anos ou mais, a proporção de católicos ainda é bastante alta (81,5%), mas é apenas 52,5% entre os jovens de 18 a 29 anos e 57,4% entre os adultos de 30 a 44 anos.

Por outro lado, a parcela dos “sem religião” aumentou quase 25% entre os jovens de 19 a 29 anos, em comparação com os menos de 8% entre os argentinos com 65 anos ou mais.

A distribuição é a mesma para os evangélicos: 20% entre os mais jovens, em comparação com 9,5% entre os mais velhos.

A pesquisa também revelou algumas disparidades regionais. Há uma maior presença dos que se identificam como “sem religião” na região de Buenos Aires, onde a parcela de católicos é uma das mais baixas no país (56,8%), número aproximado ao da Patagônia (51%).

De forma semelhante, as mulheres parecem mais religiosas: 65,3% declararam-se católicas e 16,9% declararam-se evangélicas, em comparação com os 14,5% das que disseram não ter religião.

Por outro lado, quase 1/4 dos homens (23,8%) definem-se como não tendo religião, em comparação com os 60% dos que se identificam como católicos e 13,6% entre os que se consideram evangélicos.

Tags:

10 Comentários to “Argentina. Cai o número de católicos.”

  1. Sob o nome “concilio Vaticano II” se oculta a maldição divina e a esterilidade. A Argentina, caríssima Argentina, verdadeiro horto de tomistas, pela qualidade e variedade de nomes, mui diferente, neste âmbito, do triste Brasil, afunda-se na podridão protestante e no ateísmo prático.
    Enquanto a depravação herética e cismática da dupla Roncalli Montini não for varrida dos ambientes católicos, só devemos esperar FRACASSO, VERGONHA e HUMILHAÇÃO.
    Os seus obstinados e ridículos defensores, dentre os quais avulta seu legítimo intérprete o antipapa malignoglio SJ, deviam suplicar as luzes do Espirito Santo ou simplesmente sair de cena para sempre com toda a sua parafernália pós-circense plumosa e buchuda.

  2. O que mais me chamou a atenção nesse artigo foi a questão da ruptura geracional, quer dizer, as gerações mais novas têm menos fé que as mais velhas. Seria isso consequência da secularização da sociedade, de um lado, e de outro, da perda das tradições da Igreja, com o Concílio Vaticano II ???!!!
    No mais, infelizmente, em todo mundo, em todos os países, vemos esse processo de esfriamento e perda da fé. Não é a toa que Nosso Senhor Jesus Cristo disse no Evangelho: “Mas o filho do homem, quando vier, será que achará fé sobre a terra?” (Lucas 18,8)

    • A secularização da sociedade é um tipo de fenômeno; a da Igreja é outro. Ambos, porém, guardam certo nexo interno de mútua influência sobretudo se temos em conta o dialogismo bufão e o entreguismo promovido desde 1958.
      A Igreja é o anti-mundo; o mundo é a anti-Igreja. Esta é a solução formulada pela tradição.

  3. E não há qualquer perspectiva de que essa tendência se inverta, a julgar pelo andar da carruagem vaticana. Ao revés, não tardará e a América do Sul até a metade desse século já não será mais católica de forma majoritária. Parabéns ao Concílio Vaticano II e aos propaladores do “espírito do Concílio” por esse enormíssimo feito. Sem sombra de dúvidas destruir a região mais católica do planeta é um trabalho para poucos.

  4. “Ao mesmo tempo, o número de participantes que informaram não ter religião subiu de 11,3% para 18,9%, com os evangélicos aumentando de 9 para 15,3%.” Ou seja, só que o que caiu mesmo foi o número de católicos, sendo que, destes católicos, boa parte deve ser ‘católico’ de estatística. Parabéns aos envolvidos.

  5. A Igreja Católica argentina experimentou sim o “efeito Francisco” que se chama heresia, apostasia e cisma.

  6. Parece ter sido um estudo sério, o que merece meus cumprimentos. Não trazem novidades, porém: a humanidade está cada vez mais voltada para o materialismo, o que ofusca sua consciência e capacidade de adesão à verdade revelada. Nas igrejas, a liturgia é celebrada com decoro e devoção, mas o coração das pessoas está aferrado demais à terra para depreendê-lo.

  7. O Brasil deve estar bem pior que isso.
    Em muitos lugares a referência de fé e religião no dia a dia, mesmo para os não religiosos, são os ditos evangélicos. Quando as pessoas falam em “igreja” já não se refetem mais ao catolicismo. Conheço bem o Rio de Janeiro, sua periferia e cidades do entorno. Parece uma cópia (mal feita e mais caótica) dos guetos afro e de imigrantes pobres e suburbanos das grandes cidades americanas que vemos em filmes, com suas igrejas pentecostais, modas, música pornográfica e violência.

  8. Ainda mais diante de uma estatística religiosa tão triste na Argentina, deixo meu testemunho: voltei à Santa Igreja Católica no pontificado de Francisco. Muito obrigado, S.S. Papa Francisco, legítimo Vigário de Jesus Cristo na Terra! Agradeço também o incentivo para que procurássemos a Carta Encíclica “Haurietis Acquas”, do Papa Pio XII, de saudosíssima memória! Belíssimo documento! Agradeço também suas Cartas Encíclicas “Lumen Fidei” e “Evangelii Gaudium”, que tanto nos instruem na fé e no apostolado hodierno. E agradeço imensamente ter me tornado Congregado Mariano, que é a eleição sem a qual não posso mais viver. Eu era a “centésima ovelha” que estava desgarrada, já caindo no precipício infeliz dos pecados da carne e do paganismo, mas Vós, ó Senhor, me resgatastes através do Padre Paulo Ricardo no pontificado do Papa Francisco. Que Nossa Senhora cumule ambos de muitas bênçãos, e lhes dêem sabedoria e coragem em seus ministério e pontificado. A indispensável Barca de São Pedro não irá a pique no mar borrascoso do mundo moderno. Salve Maria Imaculada!

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de Fratres in Unum.com. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s