Vaticano abre as portas para Fundação Rockefeller.

Por Hermes Rodrigues Nery

Depois de abrir as portas para vários agentes e organismos globalistas, especialmente a ONU, a Pontifícia Academia das Ciências (PAC) acolheu oficialmente pela primeira vez na história do Vaticano a Fundação Rockefeller, em uma parceria para um evento ocorrido entre 11 e 12 de novembro de 2019, nas dependências da PAC, para tratar do tema “Perda de Alimentos e Redução de Resíduos”.

Roy Steiner 3

Roy Steiner vice-presidente sênior da Food Initiative da Fundação Rockefeller e diretor de desenvolvimento internacional da Fundação Bill & Melinda Gates, durante palestra feito na Pontifícia Academia das Ciências.

O representante da Fundação Rockefeller, Roy Steiner fez uso da palavra na 18ª sessão. Roy Steiner é vice-presidente sênior da Food Initiative da Fundação Rockefeller, comprometido em viabilizar a chamada “revolução verde” sustentável na África. Steiner também ocupou por quase uma década posições-chaves na Fundação Bill & Melinda Gates.

Faz parte da segunda “revolução verde”, a expansão das culturas geneticamente modificadas (GM), que Bill Gates vem há anos investindo, como também o Banco de Sementes construído no Polo Ártico (o Svalbard Global Seed Vault), que a Fundação Gates ajudou a financiar, em parceria com o governo norueguês e outros. “As culturas GM serão uma parte ‘essencial ‘ do aumento da produção na África, diz Calestous Juma, professor de Desenvolvimento Internacional da Universidade de Harvard e diretor do Projeto Inovação Agrícola na África, financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates. ‘A médio e longo prazo, a engenharia genética se tornará inevitável’, diz ele”.

O tema de debate na Pontifícia Academia das Ciências “perda de alimentos e redução de resíduos” mais uma vez funciona como eufemismo, ou embalagem bonita, para ocultar ações para um projeto de poder global. Sabemos também que a filantropia destas grandes fundações (exigência legal para isenção de impostos) foi responsável, em muitos casos, para liquidar pequenos e médios produtores rurais.

O neomalthusianismo e o alarmismo do ambientalismo global justificam as ações da Fundação Gates e da Fundação Rockefeller, para o projeto de poder global, mutação cultural e reengenharia social que vem trabalhando há décadas. O controle da produção e distribuição de alimentos (com a justificativa de combater a pobreza e a fome no mundo) é parte também da conhecida estratégia de tais fundações, por um maior e efetivo controle populacional. Controle este – como sabemos – que inclui o aborto como meio. Por isso, o estranhamento e a perplexidade dos católicos, com a presença de Roy Steiner palestrando na Pontifícia Academia das Ciências. O Chanceler da referida Academia, Marcelo Sánchez Sorondo parece mesmo não se importar em escancarar as portas do Vaticano para os inimigos da Igreja, nem temer pelas conseqüências do “pacto faustiano” feito com aqueles que há muito tempo planejam e executam sombrias perspectivas para a humanidade, engendrando uma cultura global transhumana. Para quem conhece o histórico destas fundações, fica chocado como o Vaticano simplesmente parece ter capitulado, no atual pontificado, àquelas forças que até pouco tempo a Igreja Católica foi um dos maiores obstáculos, em que estas forças não conseguiam transpor. Mas agora, os tempos mudaram: Jeffrey Sachs, Ban Ki-moon, Paul Ehrlich, Roy Steiner e tantos outros transitam alegremente pelos corredores do Vaticano, trabalhando intensamente para acelerar a agenda 2030, que, em muitos aspectos, prepara um admirável mundo novo anticristão e desumano. Cardeais recebem com tapete vermelho esses senhores endinheirados, encantados com os elogios que eles fazem da Laudato Si. Endinheirados estes que não tem compromisso nenhum com a fé católica, pelo contrário, agem para corroê-la por dentro da instituição, em que os cardeais deveriam ser os primeiros guardiães da sã doutrina. Mas o que interessa aos endinheirados das fundações internacionais, é debilitar a fé católica, favorecendo uma agenda de controle mundial, com um novo paradigma ético e cultural, de relativismo moral, para fazer expandir o projeto de um paraíso artificial feito de frankensteins vegetais e humanos.

Hermes Rodrigues Nery é Coordenador do Movimento Legislação e Vida. Email: prof.hermesnery@gmail.com

4 Comentários to “Vaticano abre as portas para Fundação Rockefeller.”

  1. Nunca é demais lembrar que agora o que temos em Roma é o VaticONU.
    Só não entendo por que razão sua sede de Nova York até hoje não foi transferida para esta cidade, coisa que aliás seria apreciada enormemente pelos comunistas.

  2. Para quem abriu as portas para a idolatria da Pachamama, a Fundação Rockfeller, a Fundação Bill & Melina Gates et caterva não passam de fichinha.

  3. Espantado com quê?
    Eles vieram pra ficar.
    Chegaram em outubro de 1958.

  4. Estou passando uns dias em Rondônia, na zona rural, dentro da Amazônia legal. Aqui todo mundo quer trabalhar, seja na agropecuária, seja no comércio, seja na indústria. Creio que na África aconteça o mesmo. O que é necessário para acabar com a fome é cristianismo e liberdade de empreender. Toda essa história ecologicamente correta contra a fome no mundo cai por terra apenas obsrrvando esses lugares. Tanto ricos quanto pobres querem trabalhar. Querem produzir e querem também preservar a natureza e a produtividade. Pra resolver tudo o que dizem querer resolver é simples: evangelização e liberdade. É triste ver o Vaticano envolvido nessa trama diabólica que visa dominar o mundo e solapar a Igreja. Mas as portas do inferno não prevalecerão, amém.