Foto da semana.

Ex-capelão anglicano da rainha da Inglaterra se tornará católico neste domingo

LONDRES, 18 Dez. 19 / 04:00 pm (ACI).- O bispo anglicano e ex-capelão da rainha da Inglaterra, Gavin Ashenden, será recebido na Igreja Católica, em 22 de dezembro, quarto domingo do Advento.

Nesse dia, o Bispo de Shrewsbury (Reino Unido), Dom Mark Davies, conferirá na catedral local o sacramento da Crisma a Ashenden, cuja esposa se converteu ao catolicismo há dois anos na mesma diocese.

“Tendo chegado a acreditar que as afirmações e a expressão da fé católica são a mais profunda e potente expressão da crença apostólica e patrística e, ao aceitar o primado da tradição petrina, agradeço ao Bispo de Shrewsbury e à comunidade católica de sua diocese pela oportunidade de emendar 500 anos de história fraturada e me reconciliar com a Igreja que deu origem à minha tradição anterior”, disse Ashenden.

O ex-capelão da rainha da Inglaterra também agradeceu “pelo exemplo e pelas orações de São John Henry Newman”, canonizado em outubro deste ano no Vaticano, o qual “fez o melhor que pôde para ser um anglicano fiel e depois para renovar sua fé à mãe Igreja com o vigor e a integridade da tradição católica”.

“Agora, como naquela época, sua experiência influencia a nossa para mostrar que a Igreja da Inglaterra se inclina a criar raízes em uma cultura secularizada, em vez de criá-las na integridade e na visão dos valores bíblicos, apostólicos e patrísticos”, acrescentou Ashenden.

Gavin Ashenden cresceu em Londres e em Kent. Estudou direito na Bristol University. Formou-se para o sacerdócio na Igreja da Inglaterra (Anglicana) no Oak Hill College e foi ordenado em 1980.

Serviu como pároco durante 10 anos e ensinou por 23 anos Literatura e Psicologia da Religião na Universidade de Sussex. Também obteve um doutorado sobre a obra de Charles Williams, poeta, romancista e teólogo britânico. Foi membro do Sínodo da Igreja Anglicana por 20 anos e foi nomeado capelão da rainha em 2008.

Foi ordenado bispo na Christian Episcopal Church, uma comunidade anglicana, em 2013.

Em 2017, renunciou à Casa Real e às ordens recebidas na Igreja Anglicana depois de testemunhar a leitura de uma passagem do Corão Muçulmano em uma catedral episcopaliana (anglicana) na Escócia. “Isso não deveria acontecer na Santa Eucaristia e, particularmente, em uma cuja intenção é celebrar Cristo, a Palavra que se fez carne e veio ao mundo”, disse à BBC naquela ocasião.

No final do mesmo ano, Ashenden deixou a Igreja da Inglaterra “convencido de que a consagração das mulheres no episcopado representava a substituição dos padrões apostólicos e bíblicos da cultura pelos valores do marxismo cultural, para acomodar a Igreja da Inglaterra com a perspectiva secular e radical em relação ao gênero”.

Ashenden também criticou um bispo episcopaliano que pronunciou um sermão enquanto utilizava uma espécie de parque de diversões construído dentro da Catedral de Norwich. Isso, disse, “foi um erro” e a “catedral não é para isso”.

Gavin Ashenden também comentou que a oração do Terço e o estudo dos milagres eucarísticos o ajudaram em seu caminho para a Igreja Católica.

Dom Mark Davies disse sobre Ashenden: “Estou muito honrado de poder receber um bispo da tradição anglicana na plena comunhão da Igreja no mesmo ano da canonização de São John Henry Newman”, que também se converteu do anglicanismo.

“Sou consciente do testemunho que Gavin Ashenden deu no espaço público da fé histórica e dos valores sobre os quais se constrói a sociedade. Rezo para que seu testemunho continue e seja um incentivo para muitos”, acrescentou.

10 Comentários to “Foto da semana.”

  1. Quais motivos levaram ao ilustre bispo da Igreja Anglicana se converter ao catolicismo? Conferir:

    http://thyselfolord.blogspot.com/2019/12/ex-capelao-da-rainha-elizabeth-ii.html

  2. Pessoalmente tive oportunidade de conhecê-lo e assistir sua palestra num Retiro Internacional com vários exorcistas de diferentes nacionalidades em 2012, Rhodes, Grécia.Apreciei sua dedicação sincera e fervor espiritual, como uma alma realmente completamente arrebatada por Deus, buscando e ajudando a buscar a maior proximidade possível e a maior compreensão de Deus. Fiquei muito impressionada e tocada por sua sacerdotal presença e unção notória.Pensei que lhe faltava mas que seria a sequência lógica esta conversão. Infelizmente estamos neste tempo de tremenda tribulação e rezo que ele persevere santamente no Sacerdócio fiel e valente de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    • Assim como aconteceu com o Mons. Keith Newton, Ordinário para os fiéis convertidos do Anglicanismo na Inglaterra (Ondinariato de Nossa Senhora de Walsingham), o Sr. Gavin Ashenden, vai ser acolhido e crismado. Depois, caso queira e seja chamado para isso por Deus, deverá receber os ministérios de leitor e acólito e, mesmo se for casado, poderá receber os dois primeiros graus do Sacramento da Ordem (diaconato e presbiterado). Se, porém, for casado, não poderá ascender ao episcopado. Ao Mons. Newton, acima citado, apesar de possuir o título de Monsenhor (Protonotário Apostólico, se não me engano), e poder, por concessão pontifícia, portar as insígnias episcopais (mitra, báculo, anel, cruz peitoral, e vestes violáceas), não lhe foi concedido, por ser casado, o episcopado, mas somente a jurisdição, permanecendo apenas sacerdote.
      Assim, O Sr. Gavin poderá ser ordenado diácono e sacerdote, mas não bispo.

  3. Papa Francisco deve estar chateado com essa conversão…

  4. Salvo engano, a mim sempre pareceu que a rainha Elizabeth II alimentaria desejos de se livrar desta sua incômoda posição de chefe da Igreja Anglicana, legado de Henrique VIII e só não o faz para não criar suscetibilidades dentro da corte ou dentro do governo.

  5. Mas afinal, como ficou a situação dele após a conversão?
    A ordenação sacerdotal e episcopal foi válida? Ele exercerá o ministério ou viverá como leigo?

  6. Li em algum lugar que, para a “admissão” do Mr. Gavin Ashenden, valerá apenas a constatação de que ele tem sucessão apostólica. No entanto, como deixou claro Leão XIII na “Apostolicae curae” (hoje banida ou de difícil acesso no site do VaticOnu), a sucessão apostólica “material” não é o único critério.

    Para Mr. Gavin ter ministérios válidos, seria preciso que o RITO da tal “igreja episcopal” tivesse mantido a INTENÇÃO de ordenar presbíteros conforme a IGREJA entende ser uma ordenação sacerdotal. Não consta que a dita seita episcopal entenda a Eucaristia como próprio e verdadeiro Sacrifício conforme sempre creu e sustentou a IGREJA. Se não há sacrifício, obviamente não há necessidade de sacerdócio… Portanto, segundo o critério e a definição solene de Leão XIII, Mr Gavin não tem ministérios válidos, eem vista disso, tanto faz se ele tem ou não sucessão apostólica “material”.

    Por outro lado, em boa lógica, fica difícil saber o que é ser recebido em “plena comunhão”. Comunhão é como virgindade. Não há meio termo.

    De todo modo, essa pseudo-confusão doutrinal – “pseudo”, pois a doutrina da Igreja é clara – acerca das chamadas ordenações anglicanas foi turbinada, inicialmente, por Paulo Seis, conforme se vê no video abaixo, em que ele recebe o arcebispo-leigo (!) da Cantuária em São Paulo Extra Muros (1966), em presença leigos embevecidos, de religiosas esfuziantes e, naturalmente, do clero traíra ou simplesmente compelido a engolir as extravagâncias do Ex-Sostituto Montini, comedor de canapés, aflitíssimo cinéfilo e graduado em estudos supletivos de Teologia: Paulo 6, de fato, não cursou nenhuma teologia regularmente, mas fez um supletivo em casa.

    Abaixo, o show de leviandade doutrinal:

    É bom não esquecer “São” João Paulo 2 fez ainda pior, entregando teatralmente seu anel pontifício a outro arcebispo-leigo (!) usurpador da Cátedra de Santo Agostinho da Cantuária: pesquise, mas não se deprima. Resista varonilmente à impostura e às extravagâncias pontifícias ou não.

    Veritas Domini manet in aeternum.

  7. realmente a ler passagens do Corão em actos litúrgicos…