Confusão dos diabos.

Por FratresInUnum.com, 14 de janeiro de 2020 – Daqui a cem anos, os historiadores encherão volumes e volumes na tentativa descrever o esdrúxulo capítulo da história da Igreja que estamos vivendo. Os nossos bisnetos ficarão perplexos em como fomos tão enganados. De fato, a renúncia de Bento XVI e o pontificado sucessivo, com seus impasses e tensões, com suas maquinações estranhas, com seus fluxos e refluxos, são uma realidade que superou as ficções mais misteriosas, os suspenses mais intrincados…

Qual é o mistério que está por trás de tanta história mal contada?

Qual o trunfo capaz de coagir um Papa (emérito) a ir e vir,  a dizer e desdizer? Afinal, o que nos escondem?

O livro bombástico de Ratzinger-Sarah causou um estrondo sem precedentes no Vaticano e, como consequência, os progressistas estão estrebuchando até agora, em ataques de chilique a cada segundo mais histéricos. Enquanto Bergoglio faz silêncio, os bergoglianos gritam a valer. Vamos reconstruir os fatos:

À notícia da publicação do livro, o establishment Vaticano não apenas confirmou a veracidade do fato, mas corroborou a tese do livro, isentando Francisco de qualquer tentativa de flexibilização da disciplina do celibato e blindando-o completamente como um defensor intransigente de que os padres não venham a ganhar uma sogra.

Enquanto isso, progressistas do mundo inteiro lançavam a narrativa de que Bento XVI está praticamente caduco e que a movimentação era uma tentativa de contra-golpe do entourage ratzingeriano. Os ataques ao papa alemão começaram multiplicar-se de maneira alucinante.

Literalmente, os inimigos começaram a atirar pra todos os lados: disseram que Ratzinger censurou tantos teólogos por serem contra o Papa João Paulo II e agora estava ele contra o papa; que ele está inconsciente a maior parte do tempo e que isso só poderia, portanto, ser uma manipulação; que o próprio Ratzinger fora um dia defensor da ordenação dos viri probati

Hoje, o secretário pessoal de Bento XVI, o arcebispo Georg Gänswein, veio surpreendentemente a público dizer que o papa alemão não sabia da co-autoria do livro e que, portanto, solicitou a retirada de seu nome da capa, da introdução e da conclusão da obra. Porém, surpreendentemente, os editores acabam de vir à cena dizer que quem deu o Placet à publicação foi o próprio Gänswein!

Alem disso, hoje, porém, o Cardeal Sarah divulgou as cartas assinadas por Bento XVI que comprovam a sua ciência do fato, bem como publicou uma declaração em que conta detalhes e datas de suas conversas com ele.

Em suma, Sarah comprovou que Bento XVI era ciente do fato e deixou Gänswein numa situação praticamente insustentável, mas que é confortável para o único que tem autoridade para exigi-la e que se beneficiou disso: Jorge Mário Bergoglio.

Por que Bento XVI capitulou? Que elementos de chantagem poderiam ter sido usados contra ele a ponto de obrigá-lo a voltar atrás numa decisão pública? Seriam estes os mesmos motivos que o fizeram renunciar “ao exercício ativo do ministério petrino”? São conjecturas permitidas a qualquer pessoa inteligente, que conecta causa e efeito de maneira racional. O que nos escondem?

O livro de Ratzinger-Sarah não era uma obra de insurreição contra a autoridade de Francisco e nem sequer estava escrito em tônica indignada… Eram apenas conselhos ponderados de dois homens de Igreja. Mas…

A autoridade de Francisco está tão abalada que este ato modesto e eloquente foi suficiente para sacudir as bases do seu pontificado. Daí a revolta! Francisco não se sustenta mais, seu papado está chagado de morte e ele é muito consciente de sua autoridade moral e intelectual nula diante da gigante influência do seu predecessor. Isto é um fato!

Não deixa de ser intrigante, porém, que Gänswein trate como um mal-entendido aquilo que Sarah comprova como tendo sido muito bem entendido e, ademais, como a sua “única versão dos fatos”.

Desde a renúncia de Bento XVI e da eleição de Francisco, os fiéis são tratados como retardados e tudo sempre é explicado como um grande “mal entendido”. A tática retórica já passou dos limites e, mais uma vez, os fiéis católicos sabem que estão sozinhos na resistência contra a revolução bergogliana, embora tenhamos de confessar a admirável firmeza do Cardeal Sarah, que não desertou, apesar de todas as pressões.

O episódio entrará nas crônicas oficiais vaticanas só como um equívoco, um desacerto, uma imprecisão. Passarão os anos e talvez não estejamos mais aqui quando os verdadeiros bastidores deste imbroglio forem devidamente esclarecidos. Os historiadores do futuro ficarão com muita pena de nós, ou talvez pensem que sejamos apenas uns defuntos imbecis, e se admirarão de que tenhamos podido conviver com tamanha obscuridade, com esta insuportável confusão dos diabos.

27 Comentários to “Confusão dos diabos.”

  1. Que coisa diabolica !
    Sugeira pura !
    Santo Deus ! Venha em socorro de sua Igreja …

  2. Jorge Ganso já vinha fazendo jogo duplo. Agora já sabemos que de que é capaz para manter-se no poder.

  3. “O Diabo se infiltrará até mesmo na Igreja de tal um modo que haverá cardeais contra cardeais, e bispos contra bispos. Serão desprezados os padres que me veneram e terão opositores em todos os lugares. Haverá vandalismo nas Igrejas e altares. A Igreja estará cercada de asseclas do demônio que conduzirá muitos padres a lhe consagrar a alma e abandonar o serviço do Senhor”.

    O terrível aviso de Nossa Senhora de Akita (Japão) – 1973

    • Estimado em Cristo, Sr Marcelino Pachuczki;
      Se analisarmos o que ocorre com a Igreja, desde o malfadado Concílio Vaticano II, veremos a concretização das Profecias Bíblicas e das Aparições Marianas.
      Tanto se transformou a Igreja que hoje seria irreconhecível para meus velhos Professores dos tempos de Seminário, quem dirá para os Santos, como S. Pio X.
      É o triunfo do Modernismo, da dessacralização e agora, da confusão.
      A tibieza de Ratzinger teve como preço o desgoverno de Bergoglio!
      Bastava pulso e humildade para assumir a ruptura causada pelo Concílio.
      Tenho 78 anos de idade e 53 de Sacerdócio. Espero que o Bom Deus me conceda a Graça de ver a Igreja restaurada, ainda que me pareça – a cada “desabamento” doutrinal/litúrgico/moral/hierárquico – mais difícil…
      Sou perseverante e tenho confiança noutra Profecia da Santíssima Virgem:
      “““Por fim o Meu Imaculado Coração triunfará!”
      E, para arrematar, a certeza e confirmação no livro do Gênesis:
      IPSA CONTERET”
      Ela esmagará
      Que o Bom Deus tenha piedade de nós!

    • Reverendíssimo Pe. José Antônio. Desde que sai da Matrix, por assim dizer, ja li diversos livros sobre o mal-fadado CVII, sobre o modernismo, liberalismo, maçonaria…
      Impressionei-me com as profecias marianas que sempre nos foram apresentadas como algo vago, mas que agora as vejo como algo muito concreto.
      Embora a propaganda que ouvi nestes anos todos sempre descrevia o CVII como algo maravilhoso, nunca vi as tais maravilhas, portanto, surpreendeu-me descobrir que a igreja era gloriosa e viva antes do concilio.
      Eu nasci em 1971, não cheguei conhecer a missa tridentina antes dos 45 anos, mas fui batizado ainda com o rito tradicional.
      Em todos estes anos eu vi o novus ordoe degenerar para RCC e agora para sacrilégios descarados.
      Eu vi as igrejas esvaziarem e as seitas crescerem enquanto padres se tornavam cabos eleitorais do PT.
      Encontrar um padre esclarecido e coisa rara hoje em dia, a maioria fica furiosa se descobre que não concordamos com o CVII!

  4. Cada vez mais claro que Bento XVI foi forcado a renunciar pelo mesmo grupo que moveu mundos para eleger bergoglio …

  5. Tudo leva crer que o tal “secretario pessoal” de Bento XVI esta mais para carcereiro pessoal de Bento XVI. Que coisa terrivel, um Papa forcado a renunciar e praticamente vivendo em carcere privado…

  6. Muita saia e pouca batina: Guensvai Guensvém acende uma pra Deus outra pro chifrudo.

    Nao dá pra acreditar que um nome vá parar na capa de um livro por acaso. Se o nome de Bento XVI está lá, entao ou ele autorizou ou Guensfoi.

    Toda essa trapalhada causa danos
    à Santa Sé. Quando ela deixar de ser personalidade jurídica Internacional, as hienas e is chacais vão se apoderar de tudo.

    • Sr. PW, essa fala do senhor me deu até tontura. Perder a personalidade de direito internacional? Nunca pensei nisso. Será que até isso nós vamos ver??? Pobres dos nossos filhos e netos…. mas não vamos perder a esperança. “Por fim, o meu Imaculado coração triunfará “.

  7. Eu não sei o que é pior: essa permissividade de Francisco quanto sacerdócio, ou essa igreja (?) de DOIS Papas de Bento XVI (?)…

    • Não seria a primeira vez.
      Veja esta a coisa, todavia, com outros olhos: um papa e um chefe de estado.
      Agora dê nome aos bois.

  8. Pela reação deles está na cara que realmente iriam tentar aprovar a autorização para os sacerdotes casarem.

    • Por favor, não vamos confundir mais ainda. Estão falando em homens casados serem padres e não em padres se casarem. São coisas muito diferentes!

  9. Há décadas que se vive na Igreja esse discurso do “deixa disso”, “Não critica”, “Guardemos o silêncio pois nossa missão é rezar”, etc. E vindo daqueles que tem a missão de falar a verdade em cima dos telhados!
    As mídias sociais tiveram esse duplo efeito: por um lado escancararam a confusão ideológica dos homens da Igreja e por outra ajudaram a propagandear o erro, as vezes sem necessidade. O barulho do mal aumenta com isso, pois o bem é silencioso. De outra sorte, também não dá para enganar tanto tempo e o número enorme de fieis do mundo todo que com a internet entraram em contato com o magistério pré-conciliar, documentos, obras santas, bons livros, etc, etc etc…têm formado uma geração de pessoas esclarecidas e isso ameaça o clero progressista.

  10. Eu vejo em alguma paróquias que visito, que temos um punhado de padres bons, mas eles padecem do mesmo problema deste episódio do Gänswein, ou seja falta de firmeza, de coragem para defender a verdade. São muito tímidos, não se posicionam para juntar forças quando um fiel com boa base dos preceitos surge para ajudar no ensinamento catequético, não defendem publicamente assuntos polêmicos por exemplo Humanae Vitae em grupos de noivos.
    Por outro lado, como é fácil defender o errado, como vemos engajamento, organização e ativismo nas paróquias e vozes fortes destes que defendem a destruição da Igreja. Estes sim possuem coragem e ao mínimo de reação, invocam com alegria a autoridade do Papa Francisco, como se ele lhes atribuísse o poder divino para fazer isso.
    Enfim, estamos como leigos tentando ajudar, mas o castigo é também sagaz para levantar as almas dos padres e bispos que sabem o correto mas estão em estado letárgico, covarde, para tomar coragem e reacender a fé, primeiro neles e depois nos demais.

  11. vê-se cada vez mais a ação de Satanás nesses assuntos.
    Rezemos.

  12. Não parece crível que um homem já tão velho como Bento XVI tenha medo de uma ameaça de morte (os muito velhos não têm mais nada a perder nesse ponto). Portanto, a ameaça que faz Bento recuar só pode ser a de revelarem, com provas, alguma coisa de seu passado que o envergonhe muito. Diante dos últimos acontecimentos, acredito que não é mais juízo temerário o suspeitar seriamente que Bento XVI seja réu de algum pecado especialmente desonroso, em seu passado, e que seus inimigos usem das provas que possuem acerca disso para constrangê-lo a se submeter.

    • bem visto concordo! algo escabroso no passado dele.

    • Ó noiteescura, essa é um insinuação realmente horrível que, além de não ser digna é difamadora e, como tal imprópria de um ser humano, quanto mais de um cristão.
      Veja o que diz aqui O Cardeal Viganò no Lifesitenews:
      https://www.lifesitenews.com/news/abp-vigano-denounces-benedicts-secretary-for-abusive-and-systematic-control-of-pope-emeritus
      É muito fácil controlar um idoso, doente.
      Digo isto porque segui, relativamente, “de perto”, o trabalho do Cardeal Ratzinger, ao longo de muito anos, enquanto Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Ele nunca teve medo de “caras feias”. O ódio que lhe é dirigido pelos seus “mais próximos”, é sinal evidente de que ele, de facto zelou pela ortodoxia.
      Ninguém melhor do que ele para conhecer as hienas do CVII. O problema é que ficou velhinho e aí, tudo foi facilitado para os opositores.
      Quando renunciou, também pensaram tudo isso que você insinua. Mas pergunte, o que faríamos, cada um de nós se todas as contas bancárias fossem congeladas e se “ninguém mais pudesse vender ou comprar”. Sim, isso aconteceu. Depois da sua renúncia tudo voltou à “normalidade”.
      Bento XVI não está preocupado com ele e sim com a Igreja. Penso que tem optado pelo mal menor.
      Se é correcta, ou não, a sua (dele) decisão aí já é outra questão… Nem quero entrar no mérito da questão.
      Agora está nas mãos de pessoas de todo o tipo: umas íntegras, outras nem tanto, como acontece em todo o lado.

    • A! Havia esquecido deste pormenor: Numa mera eventualidade, (pouco provável), de você ter razão,?! só o simples facto de fazerem “chantagem” com ele, seria motivo suficiente para concluirmos que “os outros” não teriam qualquer crédito, perante os fiéis.
      Manter um Papa acorrentado, por um hipotético pecado seria algo tão diabólico que ninguém mais teria vontade de pertencer a uma “seita”, assim Acho esse cenário horrível demais…

  13. Rubens, realmente são situações temporalmente diferentes – homens casados serem padres e padres solteiros poderem casar.
    Partindo então deste primeiro ponto segue a lógica bergogliana a qual fará o jogo depois: se homens casados podem ser padres, porque padres solteiros não poderiam se casar?
    Então, não se pode responder esta pergunta sem responder: se A=B porque B não pode ser igual a A?
    Pois bem, B nada mais é, em ambos os casos, senão padre ordenado, pois não existe padre que não seja ordenado.
    A partir do momento que foi ordenado, padre é padre pouco importa se solteiro ou casado.
    Se o vizinho é padre e casado, porque eu solteiro, padre, também não poderia ser casado?
    Uma vez resolvida a questão, virá a segunda: por que mulheres não podem ser padres?
    E depois desta, uma terceira, uma quarta, uma quinta etc. etc. etc. A imaginação é livre.
    Resta a questão que nos preocupa mais ainda e que talvez não seja a última: por que não podemos seguir o Islã?
    Em resumo: a coisa acaba se tornando pornográfica.

    • Aqui no Nordeste em uma paróquia do interior um padre, segundo me relataram, no tempo do famigerado sínodo, falará que o Papa iria aprovar o casamento de padres. E que ele não iria casar porque não tinha mais idade. Ou seja, a confusão é generalizada, para não dizer diabólica.
      Doce e Imaculado Coração de Maria, sede nosso refúgio e proteção.

    • Se quizer saber como sera a igreja catolica de amanha (segundo o desejo dos progressistas) basta olhar para a igreja anglicana de hoje …

    • Felix, partindo da “lógica bergogliana”, concordo contigo e com o Maxwell. … infelizmente!

  14. Deus tenha misericórdia da sua Igreja, que essa provação não se prolongue mais. Temos um papa que só gera confusão, até onde isso irá?

    • Se Deus Todo Poderoso permite que isso tudo aconteça, com certeza tem desígnios grandiosos para aqueles que permanecerem fiéis à Santa Doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo. Fé, Confiança e Perseverança! Que Nossa Senhora nos dê discernimento e as graças necessárias para sermos fiéis até o último suspiro.