A Carta de Hummes sobre o Sínodo da Pachamamma e a novela do livro Ratzinger-Sarah.

Por FratresInUnum.com, 15 de janeiro de 2020 – Já está tudo pronto. Em cerca de um mês, entre fins de janeiro e começos de fevereiro, Francisco promulgará a Exortação apostólica sobre o Sínodo da Amazônia. Vazou a carta secreta de Dom Cláudio Hummes aos bispos participantes do Sínodo! Por esta, ele não esperava.

Sala Paulo VI, audiência geral de hoje: Papa Francisco e Dom Gaiswein.

Mas, afinal de contas, será que isto tem algo a ver com a novela do livro de Sarah-Ratzinger? A resposta parece ser bastante evidente, sobretudo se tivermos ciência das últimas informações relativas ao fato.

Antonio Socci, em seu perfil oficial, relatou uma versão vasada dos últimos acontecimentos. Segundo o jornalista, o livro teria explodido no Vaticano como uma bomba atômica. Papa Bergoglio, furioso, teria chamado pessoalmente o secretário de Bento XVI e Chefe da Casa Pontifícia, Dom Gänswein, com ordens de que o nome de Bento XVI fosse retirado do livro. O que pretendia, ao que parece, o papa argentino era uma desmentida total por parte de Ratzinger, a sua retirada completa da obra. Mas não foi o que aconteceu.

Ratzinger teve de enfrentar um dilema: faltar com a verdade (o que as provas apresentadas por Sarah impossibilitaram por completo), prejudicar o cardeal africano e obedecer a ordem do ditador para salvar o seu secretário, ou manter a versão íntegra dos fatos, com prejuízo de todos. Bento, então, adotou uma solução “salomônica”: doravante, o livro aparecerá “com a colaboração de Bento XVI”, ao invés de numa co-autoria — se as editoras aceitarem, pois a própria Ignatius Press, responsável pela tradução inglesa, teria se negado a alterar a capa, alegando ter recebido autorização (se tácita ou expressa, não sabemos) do próprio Gänswein! Que novela!

Consequentemente, aquilo que a corte Bergogliana tem apresentado é rigorosamente mentira: Bento XVI não retirou sua assinatura do livro. Ademais, Gänswein exagerou em seu “esclarecimento” e foi frontalmente contraposto pelo corajoso Cardeal Sarah, que não arredou o pé: poderia ter se suicidado publicamente em nome de uma suposta obediência — que seria subserviência aduladora, isso sim — ao Papa, mas foi digno.

A carta de Dom Claudio integralmente vazada mostra que a iminência da promulgação da próxima Exortação Apostólica pode ter sido o motivo principal da preocupação exasperada de Ratzinger-Sarah. A propósito, no Summit sobre a pedofilia no clero, Bento fez a mesma coisa: um texto dando o seu diagnóstico, à margem daquilo que foi dito na cúpula de representantes das Conferências Episcopais. Todavia, naquela ocasião, ele submetera sua versão à Secretaria de Estado e ao próprio Papa Francisco. Desta vez, porém, não submeteu… Por quê?

A carta de Dom Claudio mostra que a coisa é muito mais grave e que estão absolutamente conscientes do impacto que o documento causará contra eles mesmos: é toda uma preparação secreta, coletivas de imprensa a serem preparadas pelos bispos com a presença de índios, toda um mise-en-scène para causar a impressão de unidade e comunhão, um teatro calculado para paralisar a resistência católica diante de um atentado contra a sua religião.

O que está por vir na Exortação Apostólica que moveu Ratzinger-Sarah a uma cartada tão arriscada?

Precisamos nos preparar para a Exortação Apostólica e reavivar a nossa rejeição completa a tudo que significou este sínodo, o Sínodo da Pachamama.

Toda a operação midiática em torno do livro de Ratzinger-Sarah não passa de uma cortina de fumaça instrumentalizada em favor da secreta preparação para o engano do povo católico em relação ao Sínodo.

O que fazer? Precisamos alertar o maior número de pessoas sobre a iminente publicação de um documento que pretende ser o projeto piloto da invenção de um novo catolicismo: tribalista, ecologista, com um novo clero casado, com novos ministérios para as mulheres, com uma nova liturgia, enfim, uma nova religião fundada pelo papa argentino e sua corte. Não é possível ficar dormindo diante de tão absoluto perigo. É hora de reagir!

Converse com as pessoas que você puder, alerte sua família e seus amigos, a apostasia está adiantada demais. “Os filhos das trevas são mais espertos que os filhos da luz”, eles trabalham no segredo e na escuridão. Precisamos gritar com toda a nossa voz. Não! Desta vez eles não conseguirão nos enganar!

16 Comentários to “A Carta de Hummes sobre o Sínodo da Pachamamma e a novela do livro Ratzinger-Sarah.”

  1. “Segundo o jornalista, o livro teria explodido no Vaticano como uma bomba atômica. Papa Bergoglio, furioso,…”
    Como disse anteriormente, terá ele dado um murro na mesa?

    • Felix, não sei se terá dado um murro na mesa?!
      Mas se realmente “o livro explodiu como uma bomba” é sinal claro que poderá ou poderia vir por aí uma bomba, de proporções altamente destruidoras, incluída no Kit da Exortação Apostólica. Que Deus proteja a nossa preciosa Fé. E proteja também o nosso querido Bento XVI.

  2. Conversar com as pessoas ? Alerta-las?
    Os tradicionais já sabem o que esta acontecendo. E quanto a massa de católicos anônimos, mornos, medianos que frequentam as missas novus ordoe aos domingos, que dançam ao som das musicas medíocres dos padres estrelos.
    Bem, lamento informar que, pelo menos entre aqueles que conheço, não vão se importar, vão aceitar qualquer maluquice que venha. Afinal, que muitos se dizem católicos mas tem mentalidade protestante, e ate mesmo frequentam seitas e igrejas católicas simultaneamente.
    E fale algo a elas? Nos taxam de fanáticos, malucos e um monte de outros palavrões.
    Creio que estamos vendo o cumprimento das profecias marianas, algumas das quais dizem que o catolicismo sera guardado em alguns lugares isolados, em poucas famílias!

    • Exato, Marcelino. Sinto a mesma dificuldade. Ano passado, consegui me “forçar” numa paróquia para dar catecismo de adultos e uma série de palestras sobre a eucaristia, o sacrifício da missa e uma leitura do evangelho através da ótica dos milagres e dos sermões de Jesus. Trabalhei bastante e com muito amor e dedicação para preparar os materiais e apresentar a todos.
      Resultado ao longo do ano : sou taxado de muito rígido por ensinar a tradição, de ensinar os pecados mortais, céu inferno e purgatório, de explicar o porquê de comunhão na boca, o pecado de receber a comunhão indignamente, especialmente os de 2a união ou divorciados em fornicação em outros relacionamentos, etc. Já presenciei seminaristas ensinando TL e briguei com eles, denunciei e ninguém fez nada e passaram batido.
      Agora que eu ensino o correto, os demais catequistas vem falar com o padre para que eu me adeque ao “querigma”, falam em paralelo aos meus catequizandos (porque eu ouvi deles) para não me levar tão a sério porque eu exagero e que a mentalidade atual não é mais assim, que tanto a humanidade e a igreja evoluíram. E culmina com o padre me procurar para conversar e para “não desanimar” as pessoas… Vejo muita dificuldade das pessoas se desarmarem para esquecer um pouco este mundanismo e refletir mais sobre a Igreja como a contraposição. Muita gente realmente fechada e beeem agressiva e não sei nem por que vão participar de catequese ou de cursos na Igreja… Por outro lado padres, bispos e papa que só atrapalham o trabalho de catequese.
      Enfim, não vou desistir porque se conseguir atrair uma alma, já é um triunfo gigantesco. O que me conforta é a passagem de João 6 de Jesus em Cafarnaum, onde a maioria o abandonou também falando que ele era lunático. É a regra.

    • Na verdade a primeira revolucao comecou com o concilio vaticano II. Naquela epoca todos eram infinitamente mais tradicionais que agora e 99.9% aceitaram tudo sem grandes problemas exceto basicamento 2 bispos que montaram uma pequena resistencia. Agora infelizmente nao me parece que sera muito melhor, apesar que devido a internet que nao havia na epoca do vaticano II alguns poucos estao acordando … Como diz Sao Paulo quem esta em pe que se cuide pra nao cair …

    • Dissestes tudo Marcelino. Chegamos a um ponto que, ao que parece, somente uma intervenção divina poderá solucionar o problema e acabar de vez com essa confusão toda.

  3. Irmãos, claramente um cisma bate a nossa porta e infelizmente seremos forçados a responder ao ‘quo vadis?’ De coração apertado e falando francamente, temo pelos dias que virão.
    Miserere nobis!

  4. Faz muitos que tentei opor-me a essas “reformas conciliares”. Aqueles que, como eu, fizeram isso, sabem quanto custa ser fiel ao Bom Deus.
    Opor-se a esta situação tem um preço: a perseguição e o desprezo. E, para muitos, é demasiado alto…
    Ademais, por experiência própria, não sei se irão concordar com nosso “grito de alerta”…. Quase ninguém se preocupa, ainda mais com o papa, bispos e, especialmente, os meios de comunicação apoiando as “mudanças”…
    Aqueles que o fizerem, serão denominadora: retrógrado, tradicionalista… e, pasmem: “infiel” e, pior, “herege”!
    É doloroso perder tantas almas para as seitas!
    Perder nossos templos…
    Mas, nunca podemos perder nossa Fé!
    A devoção profunda aos Corações Sacratíssimos de Jesus e Maria nos deixam repletos de força!
    Tenhamos consciência de que sozinhos não conseguiremos nada.
    Apenas confiemos em Deus e nos unamos em Orações e neste trabalho de mostrar os erros e esclarecer que esta é uma nova religião, impostora!
    Ainda espero ver a “restauração da Igreja”, mas, cada vez mais percebo que apenas o Bom Deus poderá nos salvar dessa apostasia!
    Somente com a Fé que conseguiremos resistir!
    Que o Bom Deus tenha misericórdia de nós!
    Imaculado e Doloroso Coração de Maria, rogai por nós!

  5. É mesmo muito triste isto tudo, mas infelizmente os meus familiares possuem como que uma “vacina” que os previne até mesmo contra as notícias e o simples conhecimento de fatos que colocam em cheque a sua vida cômoda e sem sacrifícios. Sempre rezo para que Nosso Senhor os desperte da letargia, da covardia, da cegueira, da escravidão de suas naturezas e do jugo dos mercenários, mas sempre mais eu percebo que a conversão, ou o sair do estado de cegueira, ou a libertação de toda espécie de jugo, é muito mais um trabalho da graça de Deus do que das nossas mãos humanas. Parece-me que tudo isto que falamos, falamos apenas para nós! Nossa convicção está formadíssima, e conhecer essas tragédias e saber julgá-las à luz da verdade só nos reforça e confirma o que já sabemos…. mas no fim das contas toca a muito poucos, porque misteriosamente o estado de dureza dos corações das pessoas anda quase invencível. Talvez por causa dos pecados dos homens, não sei.
    Só sei que estamos sim vendo a barca pegar fogo, que e que esforços feitos pelo Fratres in Unum, bem como por tantos outros canais de notícias (Infovaticana, Antônio Socci, Lifesite etc) para despertar as pessoas é movido pela caridade e bem das almas, (e que Deus os recompense muito nesta vida, consolando-os um pouco em tantas batalhas, e na próxima, premiando-os com o céu), mas cada vez mais me parece que a vasta maioria dos homens só vai reconhecer diante do supremo juiz aquilo que não quer reconhecer agora nesta vida.
    Que Deus tenha misericórdia de nós e dos nossos contemporâneos.

  6. As palavras proféticas de Dom Marcel Lefèbvre cada vez mais atuas neste catastrófico pontificado de Francisco: “Roma perdeu a Fé meus caros amigos! Roma está em apostasia”!

  7. Sr.chave,

    Muito bom e bem resumido sua análise. Parabéns!

  8. Tenho a impressão de que essa exortação será o ponto de partida para a formalização de um novo Cisma do Ocidente (apenas a formalização, pois na verdade esse cisma já existe desde a eleição de Bergoglio).
    Ao menos Deus teve misericórdia de nós e manteve Bento vivo até esse momento.
    Mas agora eu temo pela vida dele.

  9. É lamentável, mas nao muda muita coisa para os católicos. Continuaremos a ter acesso aos sacramentos conforme a Igreja sempre o fez, isto é, antes de um tal Paulo 6 impor, dentre outras, a sua liturgia calvinista.
    Quanto aos demais adictos da impostura conciliar, eles ingressam no “plano especial” da Providência consistente em salvar alguns fora do rol visivel da Igreja católica.
    No fundo, para os católicos, é uma questão de Google: achar onde está o clero católico, mantendo a disciplina dos sacramentos, e juntar-se a ele e secundá-lo em tudo e de todas as maneiras.
    Agora, se Mummes adentrará na Arquibasilica Patriarcal de Sao Pedro revestido de onça, de galinha pedrês ou de pomba-gira, fumando cachimbo e grunhindo como uma velha frustrada e ensandecida, exibindo, assim, à estupidez universal, de quantas feras imundas está ela possessa, pra mim isso tanto faz. O mesmo se diga se alguem quiser se metamorfosear numa espécie de Evita Peron rediviva, alegria financeira dos garotos do Trastevere.
    Pois os templos de nada valem sem a verdadeira fé. Quando muito podemos venerar a piedade de nossos antepassados. De minha parte, prefiro professar a fé numa garagem a estar num palácio profanado pelos ídolos buchudos e peitudos da gentilidade.
    Logo veremos Dom Magnus Thronus acorrer à catedral do Rio de Janeiro para impor suas obesas mãos na cabeça da primeira diaconisa nesta cidade-favela que é o alien parido das entranhas de Paolo Rodari.
    Pois assim caminha a humanidade e os réprobos em meio dela.
    Cantemos Vitória. Eles não prevalecerão. Cabe-nos resistir-lhes. É o que fazemos.
    Google pra elas.
    Tchau queridas. Pouco axé pra vcs!

  10. A anti-igreja já está em ação desde o Concílio Vaticano II. Não entendo porque os senhores que já conhecem isso fingem estar surpresos, pois qual é o pior objetivamente falando? Um demônio ser colocado por um papa acima de Nosso Senhor Jesus Cristo em um encontro em Assis ou aprovar que pessoas casadas possam ser ordenadas padres, etc?
    O que é pior diametralmente? Muitos de vocês, mesmo com as melhores das intenções, estão sendo enganados e se comprazem no erro.

    • Verdade, e o que poucos levam em conta é que Karol Wojtyla e Joseph Ratzinger também faziam parte da minoria progressista que sequestrou o Concílio Vaticano II.
      Karol Wojtyla defendeu o antropocentrismo em detrimento do teocentrismo, alguém lembra por acaso das citações dele a Cristo? Eu não lembro, mas lembro de que em seus discursos e escritos e escritos falava muito na “…dignidade da pessoa humana…”.
      Estão escandalizados com a pachamama? E como ficam os encontros de Assis? Beijos no alcorão? Flores no túmulo de Lutero e Gandhi? Buda sobre o Sacrário? A marca dos adoradores de Shiva na testa?
      Joseph Ratzinger falou em um “…concílio da mídia…” que teria sequestrado o concílio real, que segundo ele, ainda não foi aplicado. Mas não falou que ele fez parte dessa mídia, junto com seus amigos do Reno.
      Joseph Ratzinger foi colaborador da revista Concíliun, publicada pelos progressistas e que substituiu a Summa Theologica nas bibliotecas dos padres após o CV2.
      Enquanto foi Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé fez de tudo para ocultar o Segredo de Fátima, tendo como testemunho disso o Pe Ingo Dollinger. Também Bento XVI promoveu encontros ecumênicos escandalosos.
      Pessoalmente, pelo que já vi, a principal diferença entre Francisco I e seus quatro antecessores é a pressa. Tirando Paulo VI, que também foi apressado, os outros davam dois passos a frente, depois um atrás para em seguida dar dois passos a frente.
      Lembrando agora as palavras de um dos conhecedores do Segredo de Fátima.

      “…No Terceiro Segredo é predito, entre outras coisas, que a grande apostasia na Igreja
      começará pelo cimo…”

      Cardeal Ciappi

      Essa é a situação agora!

  11. “(…) a apostasia está adiantada demais.”

    Exato! Ela já vai há mais de 50 anos, oficialmente!