“Nós nos gloriamos nas tribulações”. Como viver a fé quando o culto público é proibido.

“Nós nos gloriamos nas tribulações” (Rom. 5:3) 

Por  Dom Athanasius Schneider , 19 de março de 2020 | Tradução: Hélio Dias Viana – FratresInUnum.com: Milhões de católicos no chamado mundo livre ocidental – nas próximas semanas ou até meses, especialmente durante a Semana Santa e a Páscoa, ponto culminante de todo o ano litúrgico – serão privados de quaisquer atos públicos de culto, devido à reação civil e eclesiástica ao surto do coronavírus (COVID-19). O mais doloroso e angustiante para eles é a privação da Santa Missa e da Sagrada Comunhão sacramental.

A atual atmosfera de um pânico quase planetário é continuamente alimentada pelo “dogma” universalmente proclamado da nova pandemia de coronavírus. As medidas de segurança drásticas e desproporcionais, com a negação dos direitos humanos fundamentais de liberdade de movimento, liberdade de reunião e liberdade de opinião, aparecem quase globalmente, orquestradas segundo um plano preciso. Assim, toda a humanidade se torna uma espécie de prisioneira de uma “ditadura sanitária” mundial que, por sua vez, também se revela como uma ditadura política.

Um efeito colateral importante dessa nova “ditadura sanitária” que está se disseminando por todo o mundo é a crescente e intransigente proibição de todas as formas de culto público. A partir de 16 de março de 2020, o governo alemão proibiu todas as formas de reuniões religiosas públicas para todos os credos. Uma medida tão drástica como essa teria sido inimaginável mesmo durante o Terceiro Reich.

Antes de tais medidas serem tomadas na Alemanha, uma proibição de qualquer culto público foi ordenada pelo governo italiano e aplicada em Roma, coração do catolicismo e do cristianismo, bem como em toda a Itália. A presente situação de proibição do culto público em Roma coloca a Igreja de volta ao tempo de análoga proibição feita pelos imperadores romanos pagãos nos primeiros séculos.

Clérigos que ousarem celebrar a Santa Missa na presença dos fiéis, nas atuais circunstâncias poderão ser punidos ou presos. A “ditadura sanitária” mundial criou uma situação que respira o ar das catacumbas, de uma Igreja perseguida, de uma Igreja subterrânea, especialmente em Roma.

O Papa Francisco – que no dia 15 de março caminhou com passos solitários e trêmulos pelas ruas desertas de Roma, em sua peregrinação desde o ícone da “Salus Populi Romani”, na igreja de Santa Maria Maggiore, até a Cruz Milagrosa na igreja de San Marcello – transmitiu uma imagem apocalíptica. Era uma reminiscência da seguinte descrição da terceira parte do Segredo de Fátima, feita pela Irmã Lúcia em sua “Quarta Memória”, em 1944: “O Santo Padre atravessou uma grande cidade meio em ruínas, e meio trêmulo com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena”.

Como os católicos devem reagir e se comportar em tal situação? Devemos aceitá-la como oriunda das mãos da Divina Providência, como uma provação, a qual nos trará um benefício espiritual maior do que se não a tivéssemos experimentado. Pode-se entender essa situação como uma intervenção divina na atual crise sem precedentes da Igreja. Deus se utiliza agora do mundo impiedoso da “ditadura sanitária” para purificar a Igreja, para despertar os responsáveis ​​na Igreja – em primeiro lugar o Papa e o Episcopado – da ilusão de um belo mundo moderno, da tentação de flertar com o mundo, da imersão nas coisas temporais e terrenas. Os poderes deste mundo agora separaram à força os fiéis de seus pastores, que são obrigados por seus governos a celebrar a liturgia sem o povo.

Essa intervenção divina purificadora tem o poder de mostrar a todos nós o que é verdadeiramente essencial na Igreja: o Sacrifício Eucarístico de Cristo com seu Corpo e Sangue, e a salvação eterna de almas imortais. Possam aqueles que se viram inesperada e subitamente privados do que é central na Igreja, começar a ver e apreciar mais profundamente o seu valor.

Apesar da dolorosa situação de se virem privados da Santa Missa e da Santa Comunhão, os católicos não devem ceder à frustração ou à melancolia. Eles devem aceitar essa provação como uma ocasião de graças abundantes, que a Providência Divina preparou para eles. Muitos católicos têm agora, de alguma forma, a ocasião de experimentar a situação das catacumbas, da Igreja subterrânea. É de se esperar que tal situação produza novos frutos espirituais de santidade e de confessores da fé.

Essa situação força as famílias católicas a viver literalmente o significado de uma igreja doméstica. Na impossibilidade de assistir à Santa Missa, mesmo aos domingos, os pais católicos deveriam reunir suas famílias em suas casas, onde poderiam assistir a uma Santa Missa transmitida pela televisão ou pela Internet, ou, se isso não for possível, dedicar uma hora santa de orações para santificar o Dia do Senhor e se unir espiritualmente às Missas Sagradas celebradas por padres a portas fechadas, em suas próprias cidades ou nas proximidades. Tal hora santa dominical de uma igreja doméstica poderia ser realizada, por exemplo, da seguinte maneira:

Recitação do Rosário, leitura do Evangelho dominical, Ato de Contrição, ato de Comunhão Espiritual, Ladainha, oração por todos os que sofrem e morrem, por todos os que são perseguidos, oração pelo Papa e pelos sacerdotes, oração pelo fim da atual epidemia física e espiritual. A família católica deveria também rezar as estações da Via Sacra às sextas-feiras da Quaresma. Além disso, aos domingos, os pais poderiam reunir seus filhos à tarde ou à noite para ler para eles as Vidas dos Santos, especialmente as histórias extraídas dos tempos de perseguição à Igreja. Tive o privilégio de ter vivido tal experiência na minha infância, e isso me deu o fundamento da fé católica por toda a minha vida.

Os católicos que estão privados de – por um curto período de semanas ou de meses, ainda não se sabe bem – assistir à Santa Missa e receber sacramentalmente a Comunhão, poderiam pensar naqueles tempos de perseguição, quando por anos a fio os fiéis não podiam assistir à Santa Missa nem receber outros sacramentos, como foi o caso, por exemplo, durante a perseguição comunista em muitos lugares do império soviético.

Que as seguintes palavras de Deus fortaleçam todos os católicos que atualmente sofrem por serem privados da Santa Missa e da Sagrada Comunhão:

 “Não vos perturbeis no fogo da provação, como se vos acontecesse alguma coisa extraordinária. Pelo contrário, alegrai-vos em ser participantes dos sofrimentos de Cristo, para que possais vos alegrar e exultar no dia em que for manifestada sua glória.” (1 Pedro 4: 12–13)

 “O Pai das misericórdias e Deus de toda a consolação, que nos consola em todas as nossas aflições, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma atribulação com a mesma consolação com que somos consolados por Deus.” (2 Cor. 1: 3-4)

“Para que a provação da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, ainda que provada pelo fogo, redunde em louvor, honra e glória na revelação de Jesus Cristo” (1 Pedro 1: 6–7) .

No tempo de uma cruel perseguição à Igreja, São Cipriano de Cartago (+258) deu os seguintes ensinamentos edificantes sobre o valor da paciência:

 “É a paciência que fortalece firmemente os fundamentos da nossa fé. É ela que eleva ao alto o aumento da nossa esperança. É ela que direciona nossas ações para que possamos nos apegar ao caminho de Cristo enquanto andamos pela sua paciência. Quão grande é o Senhor Jesus e quão grande é sua paciência, para que Aquele que é adorado no Céu ainda não seja vingado na Terra! Amados irmãos, consideremos sua paciência em nossas perseguições e sofrimentos; demos uma obediência cheia de expectativa ao seu advento.” (De Patientia, 20; 24)

Queremos rezar com toda confiança na Mãe da Igreja, invocando o poder intercessor de seu Imaculado Coração, para que a atual situação de privação da Santa Missa redunde em abundantes frutos espirituais para uma verdadeira renovação da Igreja, após décadas da noite de perseguição aos verdadeiros católicos, clérigos e fiéis, que ocorreu dentro da Igreja. Ouçamos as seguintes e inspiradoras palavras de São Cipriano:

 “Se se reconhece a causa do desastre, logo se encontra um remédio para a ferida. O Senhor desejou que sua família fosse provada; e porque uma longa paz corrompeu a disciplina que nos foi divinamente entregue, a repreensão celestial despertou nossa fé, que estava cedendo, e eu quase disse, em letargo: apesar de merecermos mais por nossos pecados, o misericordiosíssimo Senhor de tal maneira moderou tudo, que aquilo que aconteceu parece ter sido mais uma provação do que uma perseguição.” (De lapsis, 5)

Queira Deus que esta breve prova de privação do culto público e da Santa Missa sirva para instilar no coração do Papa e dos bispos um novo zelo apostólico pelos tesouros espirituais perenes que lhes foram divinamente confiados, isto é: o zelo pela glória e honra de Deus; pela unicidade de Jesus Cristo e de seu sacrifício redentor; pela centralidade da Eucaristia e seu modo sagrado e sublime de celebração; pela maior glória do Corpo Eucarístico de Cristo; pela salvação das almas imortais; por um clero casto e apostólico. Ouçamos estas encorajadoras palavras de São Cipriano:

“Louvores sejam dados a Deus, cujos benefícios e dons devem ser celebrados com ações de graças, embora nossa voz não tenha cessado de agradecer nem em tempos de perseguição. Pois nenhum inimigo tem o suficiente poder para nos impedir, a nós que amamos o Senhor de todo o coração, vida e força, de declarar com glória suas bênçãos e louvores sempre e em toda parte. Chegou o dia sinceramente desejado pelas orações de todos; e após as trevas terríveis e perniciosas de uma longa noite, brilhou o mundo, irradiado pela luz do Senhor.” (De lapsis, 1)

19 de março de 2020

+ Athanasius Schneider, Bispo auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria em Astana, Cazaquistão.

23 Comentários to ““Nós nos gloriamos nas tribulações”. Como viver a fé quando o culto público é proibido.”

  1. Finalmente, uma orientação piedosa e um raciocínio lúcido sobre este vírus chinês. Que tenhamos sábios e corajosos pastores para nos dizer o que está acontecendo. A aludida mensagem de Fátima termina com o papa assassinado. São Pe. Pio de Pietrelcina e Santa Teresinha nos guie nesses dias e que se consume o triunfo do Imaculado Coração de Maria. Salve Maria Santíssima!

  2. De todo o mal tiramos uma lição. Espero que aqueles se sentem-se donos das paróquias e capelas agora entendam qua a Santa Missa só existe pelo magistério que o sacerdote carrega; que acabe esse papo de sacerdócio comum dos leigos e essa palhaçada toda que coloca os leigos em pé de igualdade com os filhos prediletos de Nossa Senhora e verdadeiros servos de Deus. Ou será apenas coincidência que os Sacerdotes celebrarem as Missas sem os fiéis, logo após esse balde de água fria na ordenação de homens casados… Deus sabe!!!

  3. Exa. Rvma. Dom Athanasius Schnneider, sou-lhe grato por suas palavras consoladoras. Deus o abençoe. Recomendo a todos que façamos a leitura piedosa da Encíclia ‘Fulgens Corona’ (A Refulgente Coroa), do Papa Pio XII na indicação do ano santo mariano de1954.

  4. Esse bispo precisa ter urgentemente assessoramento de alguém da área de saúde. Pronunciamento totalmente descabido e irresponsável de quem não está levando a sério as mortes pela epidemia. Por ser idoso, está no grupo de risco e nem pensa em si mesmo e na falta que supostamente fará a muitos.
    Não se preocupa com o contágio dos fiéis em missas e eventos, só interessa para ele o academicismo teológico, não os fiéis em perigo de contágio.
    Que passem pelo perigo de contágio e morte, desde que venham às missas, tudo bem …
    Ele, por acaso, vai pagar de seu bolso o tratamento dos doentes, vai pagar pensão aos dependentes dos mortos, de todos os fiéis que forem à sua missa e pegarem corona vírus por isso? Vai assinar um documento garantindo pagamentos aos fiéis contaminados? Ou vai dar garantia que todos eles estão, milagrosamente, imunes ao corona vírus ao participar de sua missa?
    Mexe no bolso dele que vai mudar de opinião.
    Lamentável.

    • Não seja exagerado e abdique-se de ser papagaio de pirata, repetindo o que ouve sem pensar antes.

    • O senhor não sabe do que está falando!
      O senhor não sabe o que está falando!
      O senhor não sabe de quem está falando!
      Era melhor ter ficado calado!
      Sr. Luis Martins!

    • Quem se importa demais com os vivos, despreza por muito os mortos.
      Como Nosso Senhor revelou, Ele é o deus dos vivos, mas diferente do seu “deus” de açúcar, Ele é aquele de Jacó, que estava morto, e de todos os outros santos, todos igualmente mortos, muitos deles pela pestilência.
      A importância demasiada aos vivos fez de Caim um pecador, a importância demasiada aos mortos nos deu Set, o amado como retorno de Abel.
      E nessa vida que tanto desprezo, quero apenas a morte, pois eu não aguento mais viver longe de Nossa Senhora. Quem é que não vê quão bom é Deus, que pelos vivos que valem tão pouco, nos dá os mortos que valem tão muito.

  5. Estamos assistindo a tudo que a esquerda mundial mais desejava: o mundo parando e o mundo parado.
    A ONU está satisfeita, malgrado a OMS faça o seu discurso técnico e aparentemente isento.
    Claro, afinal ela, a OMS, serve para quê?
    Para a ONU, sem abdicar do velho discurso paranoico do aquecimento global, temporariamente posto de lado apenas, seu papel é tentar assumir a postura de mandante da humanidade e controladora de seus passos.
    A China Comunista, depois do vexame da indiferença e da culpa, seguida das matanças e desaparecimentos de médicos e cientistas, balbucia mentiras com indignação cínica, na esperança de enganar o resto do mundo o qual, para ela, não passa de um bando de frouxos e bobocas.
    Aqui no Brasil, o criminoso condenado faz o seu papel de meliante solto pelos seus áulicos no STF e, por conseguinte, lambe as botas dos ditadores criminosos chineses pedindo perdão pela indignação dos brasileiros com o estado de coisas criado pelo estado comunista, na esperança de obter futuramente lucros políticos e financeiros com a sua subserviência.
    O papa, encastelado nos muros do VaticONU é uma incógnita de derivada parcial. Bico calado para não perturbar o seu acordo com a China Comunista, afinal o papado de Pequim é quem manda agora na Igreja da China.
    Só nos resta, enfim, a paciência pregada por São Cipriano de Cartago e os louvores de D. Schneider, pois como reza São Bento: em tudo seja o Senhor glorificado.

  6. “(…) As drásticas e desproporcionadas medidas de segurança com a negação dos direitos humanos fundamentais da liberdade de movimento, liberdade de reunião e liberdade de opinião aparecem quase globalmente orquestradas segundo um plano preciso.”
    Mas tem razão de ser… esse vírus é altamente contagioso!

    • Os governos civis e as dioceses estão evitando as aglomerações dos vivos porque as aglomerações dos mortos já abundam os cemitérios e crematórios. Sim, são medidas drásticas e o cerceamento do ir e vir tem por motivação uma razão maior: a necessidade se salvaguardar a vida das pessoas. Se a.preocupacao teológica e litúrgica expressada no texto tem a sua lógica, também reconhecemos que o distanciamento social se faz, neste momento, necessário. É um mundo diferente do que esperávamos viver em 2020 e qualquer pronunciamento deve ser pensado para não se mostrar superficial ou radical. Como critério, ter o mesmo sentimento de Cristo (Fil 2,5). Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

    • Abre o olho, dona Helga!

  7. Nossa Senhora de Akita permaneceu silente por quase quatro décadas, suportando todas as monstruosidades e blasfêmias públicas promovidas pelo clero, cujas obras e ideias medíocres, nulas e venenosas estão ai para serem racionalmente avaliadas por qualquer indivíduo, mesmo desprovido de fé sobrenatural (tão baixo se desceu).

    Nossa Senhora de Akita, entretanto, resolveu manifestar-se precisamente no dia em que comecou o pestilento Sínodo da Pachamama.
    ELA pediu penitência.

    No rol da mistificação desorientada e desorientadora, certamente não faltará alguma confusa figura conservadora a la Vaticano II e a la Eugenio Sales a fazer atribuições proféticas a situações comesinhas.

    Pois, se Bergoglio está trôpego é pelo fato de seu óbvio sobrepeso por mercê do self-service do flat padresco “Santa Marta” em que ele se esconde por temor de alguma intriga renascentista nos Palácios Apostólicos, aos quais, aliás, nao tem mesmo direito. Nao é virtude pauperista. É esperteza de jesuíta malaco.

    Por outro lado, a obstinação no erro, a defesa ideológica do erro, sobretudo em matéria de fé, realmente conduz à cegueira, mesmo na avaliação de situações pedretres e banais. Por isso é tao difícil que um obstinado diga coisa com coisa.

    Se fosse mais jovem, Bergoglio levaria o foicefixo num braço e a Pachamama no outro e os depositaria sobre o mesmo altar em que pôs uma bola de futebol. Tais são os seus deuses e a cegueira dos que o aplaudem e mimam.

  8. Os bispos e sacerdotes que se aliaram ou não combateram as esquerdas-TL devem estar atordoados pois aqui os comunistas subiram ao poder, graças a esses, e foi por os apoiar, fato reconhecível até pelo proprio Lula!
    Será que estamos nos últimos tempos? A nossa alma está em maior perigo de se perder para sempre nestes tempos do que nos séculos passados? São as palavras de São Paulo a Timóteo para o nosso tempo:
    … Haverá um tempo em que não suportarão a sã doutrina, mas de acordo com seus próprios desejos, ajustarão mestres para si, tendo comichão nos ouvidos, e darão as costas à verdade, voltando-se às fábulas. II Tm. 4,3-4.e isso citado cabe perfeitamente em nosso contexto relativista atual!
    Sobre os últimos tempos e responder a estas perguntas Nossa Senhora veio à montanha de La Salette e advertiu-nos:
    “No ano de 1864, Lúcifer, juntamente com um grande número de demônios, será solto do inferno. Eles vão pôr fim à fé pouco a pouco, mesmo naqueles que se dedicam a Deus. Eles irão cegá-los de tal maneira que, a menos que recebam uma graça especial, essas pessoas irão assumir o espírito desses anjos do inferno; várias instituições religiosas perderão toda a fé e perderão muitas almas.
    Livros maus serão abundantes na terra e os espíritos das trevas espalharão por toda parte um relaxamento universal em tudo que concerne ao serviço de Deus. Os chefes, os líderes do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência, e o demônio obscureceu sua inteligência. Eles tornaram-se estrelas errantes que o velho demônio arrastará com sua cauda para fazê-los perecer.
    Sim, os sacerdotes estão pedindo por vingança, e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e pessoas consagradas a Deus, que por sua infidelidade e suas vidas perversas estão crucificando o meu Filho de novo!” N Senhora de La Salette,19/09/1846.
    Os escandalos da pedofilia, por ex, abalaram muitas dezenas ou centenas de milhões de católicos que jamais creriam que esses que os dirigiam eram pertencentes a essa laia, a essa gentalha que pareceria de ser de maçonistas infiltrados na Igreja católica!

  9. Cadê o Papa?
    21/03/2020 às 13:27

    Cadê você, Francisco?
    O mundo passando por uma hecatombe, nunca visto nem registrado na história da humanidade, e não se vê a figura de Francisco.
    Onde anda você?
    Por que não chama os fiéis para correntes de orações?
    Por que não usa as redes sociais para falar com a gente?
    Por que não lidera ou indica caminhos para alívio espiritual?
    Da cabeceira da sua cama, pode chegar em milésimos de segundo ao mundo inteiro.
    Por que não abre as igrejas, mosteiros, conventos e hospitais para assistir aos doentes, à população de rua, aos pobres?
    Porque esse é o carisma dos católicos!
    Cadê você, Bergolio? Está escondido?
    Sentimos a sua falta!
    Lamentamos a falta do pai, do líder espiritual, da referência religiosa!
    Cadê você?
    No início do cristianismo, nas guerras cruzadas, nas ofensivas napoleônicas, na segunda guerra mundial e na guerra fria, a humanidade teve a presença firme dos Papas.
    Agora, cadê você? Cadê você? Você sumiu!
    Que papo é esse, meu caro Papa?
    Na história da Igreja Católica nunca vivemos tempos como os que estamos passando.
    No mundo. Nunca tivemos um Papa tão ausente, tão omisso e tão distante do seu rebanho. Nunca!
    Os encontros com Lula, Maduro, Castro e outros, viralizaram em segundos por decisão sua.
    O seu último comunicado, Santidade, é de 2 semanas atrás.
    Esse é um Papa ausente que pousa de bom samaritano, que usa o nome de Francisco – o amigo dos pobres em vão!
    Que tristeza, Bergoglio!
    Luiz Carlos Nemetz
    Advogado.Vice-presidente e Chefe da Unidade de Representação em Santa Catarina na empresa Câmara Brasil-Rússia de Comércio, Indústria e Turismo e Sócio na empresa Nemetz & Kuhnen Advocacia @LCNemetz
    O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

  10. “Filhinhos, esta é a última hora.
    Ouvistes dizer que o Anticristo virá.
    Com efeito, muitos anticristos já apareceram.
    Por isso, sabemos que chegou a última hora” (1ª João 2, 18-21)

    Ainda há santos pastores na minha Igreja. Deus seja louvado pela existência de Athanasius Schneider (Cazaquistão). Penso que no futuro apenas a Igreja Oriental conservará o Dogma da Eucaristia. Francisco é o bispo de branco do III Segredo de Fátima.
    O mundo está às portas da Nova Ordem Mundial-NOW: Estado totalitário, Igrejas fechadas, pânico desnecessário em massa criado pela Mídia e pelo Vírus de laboratório chinês (cuja taxa de mortalidade situa-se em 8% idosos e 0,4% jovens saudáveis), liberdade de Locomoção cerceada, QUARENTENA COMPUSLÓRIA, comércio fechado (Carnaval liberado. Política de Nero: Pão e Circo), racionamento de alimentos, liberdade vigiada (“emergência sanitária”), abolição de Direitos (comércio, viagens, salários…), destruição da classe média, desemprego em massa, Estádios de futebol transformados em hospitais de campanha (eufemismo para Campos de Concentração). A Direita e a Esquerda são as duas faces da mesma moeda: estão a serviço da futura Ordem Mundial.
    A agenda da ONU (com a sua cultura da morte) avançou com a disseminação deste Coronavírus. O mundo jamais será o mesmo. Pior: a própria Elite Mundial avisou antecipadamente sobre este cenário apocalíptico (confira no calendário da revista The Economist – 2019), assim como a liturgia católica do último dia do ano: 31-dez-2019 (1 Jo 2, 18-21) e a aparição extraordinária à freira japonesa Agnes Katsuko Sasagawa (Nossa Senhora de Akita, Japão), cujo anjo transmitiu a seguinte mensagem do Céu, no dia 6 de outubro de 2019, por volta das 3h30:
    – “É bom que diga a todos: cubram-se de cinzas e rezem o rosário penitente todos os dias. E você tem de se tornar uma menina e oferecer sacrifícios todos os dias”.
    O inferno está em festa e o Céu em luto!
    Bem-vindo à Nova Ordem Mundial.

  11. Se a decisão vem de grandes instâncias ou de pequenas localidades… Se somos orientados a ficar em casa… Se somos consolados por Dom Athanasius… OK. Bendito seja Deus pelo momento de prova que passamos!

    O que me assusta é ver os grupinhos de amigos do padre sendo plenamente atendidos durante o tempo em que somos privados da Santa Comunhão!

    Os mais próximos dos sacerdotes, com a desculpa de “ah mas alguém tem de filmar”, recebem o sacerdote no seio de suas famílias e – pasmem – continuam comungando! Famílias inteiras (e sabemos que as famílias no meio tradicional não são pequenas) e círculos de amizade não sentirão a dor da falta da Santa Missa que eu estou sentindo por seu “privilégio panelístico” tradicional.

    E se vamos para a questão da Missa Nova a coisa piora. Pipocam transmissões onde temos coral, leitor de primeira leitura, leitor de segunda leitura, cantor do salmo (!!!), leitor da oração dos fiéis, diáconos e suas senhoras, e a bem aventurada Pascom! Todos participando da Santa Missa e comungando normalmente.

    Numa transmissão da Missa privada em Aparecida, num take geral vimos grande número de ministros extraordinários da Comunhão (!!!!!!!!!!!).

    Eles estão errados. Não mesmo. Se fosse um deles lá estaria.
    A questão é: qual o critério? Como ser parte disso?

    Ou a Missa é privada ou não é. Bem vejo o Pe. Anderson Batista transmitindo com dificuldade lá da Espanha sozinho a Missa. Ele aciona a câmera, ele a desliga. Isso é uma Missa privada! Outro exemplo são os Padres Gian Paulo Ruzzi (Embu das Artes) e Fernando Rodrigues Caldeira (Pirapó) que bem fazem o cuidado de seus fiéis na solidão da casa.

    Cobrem de seus padres para que a assistência espiritual dos fiéis seja feita muito além do clubinho deles.
    Triste, triste, triste!

    • Caro Dominique, entendo a sua indignação, espero que seja somente por não poder receber Nosso Senhor e não seja inveja da graça fraterna.
      Devemos ponderar em alguns pontos, diversos padres, sejam tradicionalistas ou não, têm pouca ou nenhuma noção de tecnologia e não saberiam “se virar” para transmitir uma Santa Missa, catequese, formação ou o que quer que seja.
      Sejamos francos, alguns mal sabem operar seus smartphones, porque estavam dedicando as suas vidas no que interessa, celebrar Missas, atender confissões e as outras demais funções de um Sacerdote Católico.
      Agora pense, um sacerdote impedido de rezar Missas públicas deve simplesmente cruzar os braços e não se fazer chegar aos seus fieis por não saber transmitir sua Missa na internet?
      O Padre que não sabe lidar com essas tecnologias deve sim recorrer a pessoas de sua confiança que o saibam, assim pode proporcionar o mínimo de alívio espiritual aos fieis que estão necessitados nesses dias terríveis que estamos vivendo.
      Mais uma vez, devemos nos policiar.
      A tristeza é por não receber Nosso Senhor na Santa Comunhão ou é ressentimento e inveja da Graça fraterna?
      https://padrepauloricardo.org/episodios/o-chamado-de-deus-e-a-inveja-da-graca-fraterna
      https://padrepauloricardo.org/episodios/a-inveja-da-graca-fraterna

  12. Caro Ferretti,

    Estou persuadido de que dom Atanásio é homem bom e honesto, embora sustente certas posições das quais dissinto peremptoriamente.

    Então, nao querendo parecer irreverente para com um dos poucos bispos que procura manter algo da ortodoxia em meio à defecção coletiva do episcopado, peço-lhe a gentil atenção de retirar o primeiro comentário que fiz, ontem.

    Muito obrigado.
    Salve Maria.

    P.S.: se julgar oportuno, esteja à vontade para publicar a presente mensagem.

  13. O Pontifical Romano prevê a “Reconciliação” de templos que foram usados para usos profanos, o que infelizmente assolam diversas igrejas, sobre tudo templos de grande importância para nós católicos. O fadonho sínodo da Amazônia promovem a profanação da Basílica de São Pedro, e até agora não houve alguma “purificação do lugar santo”. Se bem que a igreja de Assism também profanada em 1986 com “deuses pagãos” também não foi purificada. Nesse caso, um terremoto cuidou de “purificar” parte da templo. Tantos templos profanados com desfiles, encontros “ecumênicos”, encenações profanas, politicagem, etc. Isso quando não servem de “esconderijo para práticas levianas de clérigos” Talvez essa provação sirva pra “evitar maiores cacrilégios” dos templos, deviados do seu fim que seria dar glória a Deus. Como os templos físico, materiais, são reflexos dos templos de nossas almas, o corpo humano, que está sendo usando para afrontar a autoridade de Deus. Estamos abusando muito, ou deixando abusar muito, da misericórida de Deus. Devemo pedir misericórdia e perdão pelos nossos pecados, pois isso sem é uma “pandêmia” que nenhum álcool gel pode limpar. Meditemos as palavras de Nosso Senhor:” O que adianta ao homem ganhar o mundo todo, se vier perder sua alma?”

  14. Triste ver que muitos padres tradicionais e conservadores fecharam as Igrejas para Missas públicas, se curvando ao poder civil. Concluo que o poder civil tem total autoridade para regular atividades próprias da Igreja. Ou que esses padres não acreditam muito no poder sobrenatural que tem em transformar pão e o vinho no Corpo de Cristo.

  15. Caro Dominique, você tem toda razão! realmente é muito triste…

  16. É um absurdo vermos o estado ateu/laico, que diz defender à liberdade religiosa, proibindo Bispos e Padres de celebrarem à Santa Missa em suas dioceses e paróquias. Isso me lembra o que os revolucionários deístas e ateus fizeram na revolução francesa.
    Enfim, os ateus comunistas da China devem estar muito felizes vendo que o vírus que eles criaram está fazendo com celebrações religiosas sejam proibidas pelo mundo.