Cardeal Pell absolvido.

G1 – A Alta Corte da Austrália aceitou o recurso da defesa do cardeal George Pell, acusado de abuso sexual de menores. Por unanimidade, os sete juízes do mais alto tribunal australiano decidiram nesta terça-feira (7) (horário local) absolver de todas as acusações o religioso, ex-chefe das finanças do Vaticano.

Com a decisão, o cardeal Pell deverá ser solto. Segundo a agência Reuters, os juízes entenderam que poderiam aplicar o benefício da dúvida em favor do clérigo.

Pell, antigo número 3 da hierarquia do Vaticano, foi condenado a 6 anos de prisão no ano passado. Ele é acusado de abusar de dois garotos na década de 1990 em Melbourne. As vítimas participavam do coral da Catedral St. Patrick, em Melbourne, sul da Austrália.

O cardeal foi prefeito da secretaria de Assuntos Econômicos e o eclesiástico de maior graduação já acusado de abuso sexual. Ele foi arcebispo de Melbourne entre 1996 e 2001 e depois se tornou arcebispo de Sydney até 2014, quando foi para o Vaticano, convocado pelo Papa Francisco para administrar as finanças da Igreja Católica.

3 Comentários to “Cardeal Pell absolvido.”

  1. Os perseguidos serão exaltados.

  2. Isso serve de parâmetro, sobretudo em uma época em que tantos bandidos se utilizam desse tipo de denúncia rasa para perpetrar perseguição religiosa.

  3. É triste a desonestidade da imprensa nessas ocasiões. Quando o Cardeal Pell foi condenado nas instâncias inferiores, telejornais do mundo inteiro anunciavam, com um tom regozijante, a suposta culpa de um eclesiástico do alto escalão da Igreja Católica. Agora, o mesmo Cardeal foi absolvido da esdrúxula acusação, por unanimidade, e não vi sequer dez segundos nos telejornais brasileiros sobre o tema. Há tão somente essa notinha do G1, cuja controladora, a infame Rede Globo, noticia diuturnamente supostos abusos por parte de agentes da lei (policiais, juízes, promotores, carcereiros) mas neste caso de repercussão mundial emite apenas uma notinha mequetrefe, e, absurdamente, insiste em chamar de “vítima” o mentiroso algoz do Cardeal Pell.

    O “garantismo” penal vale apenas para o assaltante “vítima da sociedade”, o traficante “dono do morro” e o político “alma mais honesta deste país”.