O Papa da terra

Francisco recebendo a Pachamama

FratresInUnum.com – 23 de abril de 2020 – Em sua obra “The Jesuits” (1987), Malachi Martin, ex-jesuíta, resume a história recente da companhia de Jesus nos termos de uma guerra contra o papado. Diz ele:

“Todas as guerras se relacionam ao poder. Na guerra entre o papado e a Companhia, o poder flui ao longo das linhas de duas questões fundamentais e concretas. A primeira é a autoridade: quem está no comando da Igreja Católica no mundo inteiro? Quem estabelece a lei em que os católicos romanos devem acreditar e que tipos de princípios morais devem eles praticar? A segunda questão é o propósito: qual é o propósito da Igreja Católica romana neste mundo?”

Martin responde, em resumo, que as respostas católicas para estas questões são claras e conhecidas: a autoridade emana de Deus, através do papado; e o propósito da Igreja é salvar as almas, levando-as à eternidade.

A resposta dos jesuítas, ao contrário, é que a autoridade eclesiástica emana do povo, através de pequenas comunidades (as conhecidas CEBs) e o propósito da Igreja já não é a salvação as almas, mas a libertação de uma classe econômica, o proletariado.

Nove anos mais tarde (1996), Malachi Martin escreveu um romance, em sua maior parte baseado em fatos reais, no qual descreve a conspiração de eclesiásticos e de sociedades secretas para deformar a estrutura da Igreja Católica, reduzindo-a à completa subserviência a um governo global, totalmente desligada de toda a sua tradição anterior, tendo como último bastião de resistência um papa solitário, que precisa renunciar.

Por mais fértil que fosse, escapava à imaginação vivaz de Martin que um dia ocorreria a alguém a loucura de eleger um papa jesuíta, que viesse justamente a encerrar a guerra entre a Companhia e o papado, o qual usaria a própria autoridade suprema de romano pontífice como arma para promover a sua revolução socialista.

Escapava a Martin, também, que o socialismo se tornaria braço do poder meta-capitalista, transformando-se em revolução sexual e ecológica, destinada a criar em todos os povos da terra o desenraizamento do núcleo familiar e o acoplamento a uma estrutura global, baseada numa espécie de consciência planetária. A salvação transcendental das almas cederia lugar a uma ideia imanentista de salvação: agora, trata-se de salvar o planeta; a urgência ecológica se transformou num imperativo religioso totalmente inapelável.

Em meio à pandemia do coronavírus, o papa jesuíta não dá tréguas. Ontem, em sua audiência geral, feita na biblioteca apostólica, ele fez um discurso falando sobre “a terra”, “o cuidado com a terra” e chegou a afirmar que “nós pecamos contra a terra, contra o nosso próximo e, em definitiva, contra o Criador, o Pai bom que provê a cada um e quer que vivamos juntos em comunhão e prosperidade. E como a terra reage? Há um dito espanhol que é muito claro, sobre isto, e diz assim: ‘Deus perdoa sempre; nós, homens, perdoamos algumas vezes sim e outras vezes não; a terra não perdoa nunca’. A terra não perdoa: se nós deterioramos a terra, a resposta será muito feia”.

Um pouco antes, havia dito: “como a trágica pandemia de coronavírus nos está demonstrando, apenas juntos e cuidando dos mais fracos podemos vencer os desafios globais”.

Igrejas fechadas no mundo inteiro, padres sendo expulsos do altar pela polícia por celebrarem a missa para pouquíssimas pessoas, fieis privados dos sacramentos, e tudo isto com o completo apoio de um papa que, além de tudo, ainda tira proveito de toda a tragédia para continuar teimando com as suas fixações ideológicas e, com o dedo em riste, dizer a todo o mundo: “vejam, eu avisei! Precisa cuidar da casa comum senão a mãe terra vai castigar! Ela não perdoa, viu? E foi Deus que fez assim!” É intolerável!

Quem ainda não percebeu que a causa de todas as mazelas que estamos enfrentando é justamente este papa? Será preciso que venha ainda algo mais blasfemo, mais herético, mais apóstata, mais ultrajante à fé e à santidade da Igreja? Será preciso passar dez anos sem os sacramentos para os fieis perceberem que não dá mais para suportar tudo isto com um silêncio cúmplice? Será que já não basta a conivência bovina dos padres e dos bispos, muitos dos quais ainda se apresentam como tradicionalistas?

Francisco é o papa que está emprestando a Igreja para uma outra divindade, de uma outra religião: a deusa terra e a sua religião da terra!

23 Comentários to “O Papa da terra”

  1. Já são inacabáveis 7 anos de constrangimentos.

    Kyrie Eleison!

  2. O jesuíta Malachi Martin é um ponto fora da curva. Ele conhecia o conteúdo integral do III segredo de Fátima. Suas obras são imperdíveis. Indico a “A casa varrida pelos ventos”, cuja resenha segue abaixo:
    http://www.montfort.org.br:84/bra/cadernos/religiao/casa_varrida_ventos/

  3. Já está mais que comprovado que o papa Francisco é o papa da esquerdas, comunista-Maçonaria-NOM portanto, entrar em guerra com Cristo-Igreja católica é normal!
    A incompatibilidade entre ambas instituições é mais que patente, desde agora et in aeternum!
    Salve Maria, Mãe puríssima, se comparada a essa bucha de canhão Pachamamma!

  4. Realnente .. um horror…cada dia mais me convenço q o Papa Francisco nao governa a Igreja …
    Estanos largados…triste!

  5. Reparem como Francisco reproduz em suas atitudes o retrato do modernista traçado por São Pio X na Pascendi. O escritor modernista numa página se mostra católico e na seguinte já ensina o erro. Ora, Francisco numa semana parece piedoso e dá a benção com o Santíssimo; na outra, já faz uma declaração absurda. É a velha estratégia do jogo duplo dos modernistas. O seu modo típico de agir, já denunciado há mais de cem anos por S. Pio X.

  6. “Francisco é o papa que está emprestando a Igreja para uma outra divindade, de uma outra religião”…
    .
    .
    “Omnes dii gentium dæmonia” – todos os deuses dos pagãos são demônios.
    (Salmos 95, 5)

  7. Tenho um amigo que fez muito apostolado no passado. Diferentemente do que vi por quase toda a parte, ele não se ocupava querer dominar ninguém. Procurava apenas entender qual era a dificuldade pontual que surgia na conversa ou na convivência e tentava responder ao que se punha naquele preciso momento. Não se antecipava. Esperava a situação se configurar.

    E a graça divina operava de modo surpreendente, eficaz, de modo a ficar mais do que evidente, a verdade de que Deus quer para si gente de toda a condição e com qualquer estória de vida. Qualquer.

    Se o apostolado ia adiante, e quase sempre ia, ele dizia à pessoa: “estude”, “leia os documentos dos papas (até 1958)”; “leia os doutores”.

    Pauladas, raras vezes as dava. Evitava o confronto direto sempre que possível, pois achava que o xadrez do apostolado nao raro se joga com o próprio diabo.

    Ao longo dos anos, foi um seara fecunda. Ele perdia a conta de quantas crianças tinham nascido de matrimônios com 6, 8 ou mais filhos, todos educados na religião.

    Por que digo isso?

    Por um motivo muito simples. O blablabla ideológico e espúrio da igreja mofada representada por bergoglio e tutti quanti mais ou menos degradados na dourina não converte ninguém. Pois Deus lhes nega a graça de suas palavras serem eficazes. Eles não têm uma virtude atrativa, mas repulsiva. Falo da “pregação” e não da validade dos sacramentos, pois tem um ingênuos e desinformados crônicos por aí falando de “donatismo”.

    Por outras palavras, e voltando à raiz do problema, o relativismo teológico e a corrupção doutrinal oriunda do Vaticano II e das reformas feitas em nome desse evento desonroso e nefasto, impendem que os seus sequazes consigam manter a Igreja. Pois uma igreja que já não prega a realeza, o senhorio de Jesus Cristo ressuscitado nao presta para mais nada.

    É com imensa tristeza que vejo pessoas conhecidas, mas que nao vejo faz tempo, virarem “evanjegues”. Gente com instrução e representação social serem tragadas por essas contrafações de igreja. E mesmo essas “conversões” me pareciam totalmente improváveis.

    Se o clero estivesse em ordem, e não do jeito que está, rebolando atrás da pachamama muda, surda e prenha do anticristo, nós realmente estaríamos numa situação espetacular. Pois as multidões buscam e querem conhecer a Nosso Senhor Jesus Cristo, mas os burocratas do pachalixo esquerdopata, os Mummes plantadores de repolho que foram para o seminário para ter o que comer, não o permitem. Ficam o dia inteiro no espelho esfoliando a CUTs pra ver se as rugas da amargura e do fracasso desaparecem da cara feia, suja e odienta.

    • Um dia o pseudônimo PW disse algo que guardei in pectore para um comentário posterior:

      “Você por acaso não jogaria fora todo o pão se ao menos encontrasse uma parte dele embolorado?”

      De um outro post dos mesmos, recorrentes, salivantes iracíveis temas sobre o que até o momento parece tão desastroso papado que nem a cruz de São Marcelo resiste. Posso agora lhe responder pensando no post atual:

      “Não caríssimo, eu CORTARIA o pão naquilo que vejo evidentemente podre, um pedaço a mais por segurança, pois se o pedaço é grande, eu prefiro arriscar com um pequeno pedaço e deste manter o mínimo (basal) de alimento na minha casa”

      Nâo somos isolados neste sentido e nem a igreja é. Deve-se usar dos menos afetados com esta revolução e tentar sair deste buraco com o que temos. Papas vêm e vão, Deus assim o quis ou permite e sempre tira um bem de tudo…ou achamos que Deus abandonou a sua igreja em 1958 e vivemos um sedevacantismo herético e excomungado (jogar todo pão fora) ou achamos que ainda há uma sobra que permanece o Espírito Santo, inclusive, nas condições que nos encontramos. A promessa não se desfaz, a não ser que Cristo seja mentiroso (coisa que duvido que alguém aqui afirme ser).

      Realmente o editor disse agora algo que também havia notado naquele dia, sob um simulacro da 3a. visão de Fátima (da cruz de São Marcelo) o papa deu um tom no início do seu discurso, que depois amenizou com o mote “estamos recebendo um retorno da Terra pela nossas faltas com ela”. Como se a Terra fosse uma coisa muito imanente a Deus…é muito estranho isso…não diria que é a afirmação de uma 4a. pessoa na divindade trina (heréticamente aqui pensado) ou a imanência propriamente dita de Deus nas criaturas numa visão pra lá de gnóstica.

      Deus perdoa sempre, verdade, enquanto vivemos e dizemos “hoje” como diz São Paulo. Mas também é justiça sempre…e para converter, usa de tudo que o amor pode, pois Amor é, buscando o bem maior.

      Totvvs tvvs!

    • É evidente que a Igreja nao foi abandonada desde 1958. A doutrina brilha como o sol meridiano no genuíno Magistério dos papas anteriores a João XXXIII e a seus sucessores ecumenômanos, bajuladores dos evanjegues que os esnobam. Entretanto, pelo fato de não ser possível praticar o livre-exame do magistério, escolhendo, cada um a seu talante, o que presta e o que nao presta nos ensinamentos posteriores a Pio XII, então o que resta é não meter a mão na cumbuca dos Papas liberais, os quais, pública, espalhafatosa e escandalosamente se afastam da tradição dos nossos antepassados na fé.

      Não sou sedevacantista nem jamais fui. Mas a Igreja nunca proibiu ninguém de se inclinar por uma ou outra hipótese teológica discutida por grandes autores e ainda não definida pela Autoridade Suprema. Um herege público e formal mantém a jurisdição?

      Ao que tudo indica, o misterioso Bento XVI continua sendo o Vigário de Cristo e Sucessor de Pedro, cabeça visivel da Igreja, o Papa.

      E, por favor, nao seja masoquista nem muquirana. Jogue fora o pão de forma inteiro, se tiver uma fatia mofada. Nao arrisque. É mais barato que adoecer e cair no hospital cheio da covid-pachamânica. Os fungos podem causar infecção sistêmica…

    • “Ao que tudo indica, o misterioso Bento XVI continua sendo o Vigário de Cristo e Sucessor de Pedro, cabeça visivel da Igreja, o Papa.”

      Sr. PW (Paulo Wimer?)

      Não entendi… Na sua opinião, Bento XVI continua sendo Papa? Mas ele apresentou uma Renúncia dizendo que, a partir do dia tal e da hora tal, a Sé de Pedro estaria vacante, abrindo caminho para que se procedesse com um conclave. Ele saiu do ofício ou do exercício do ministério petrino, comunicando ele próprio sua saída. Esta é a informação que ele próprio passou para a “suposta” Igreja, cardeais e clero romano.

      Outra coisa, em sua opinião, todos os Papas, de João XXIII até Francisco, são hereges públicos ou notórios? Ou quais destes Papas são hereges e quais não o são, segundo seu entendimento?

      Att,

      Vitor José

  8. Salve Maria!
    Peste chinesa (virus chines) ou crise inflada, isto é a midia aterrorisando o povo,
    Seca com uma grande quebra na produção de alimentos.
    Caos economico.
    Francisco cultuando a pachamama.(com minuscula)
    E a grande maioria do clero fechou as Igrejas, deixando o povo sem a Missa e os sacramentos..

    Se isto, não é castigo o que que è?

    Sem contar a questão do aborto que pode ser legalizado

    Deus usa o demonio para castigar os homens.

  9. O PAPA FRANCISCO DAS ESQUERDAS-NOM SABIA DISSO que uns entes espirituais, heranças da Serpente do Éden, como o demonio Pachamamma era penas mais um deles, encarnado, nada mais, e se identificou com ele?
    Ou no Seminario dele não havia ensinamentos católicos, antisocialistas, apenas de cultuadores do diabolismo, com mestres vindos direto do inferno, USANDO A BIBLIA SOMENTE PARA CITAREM OS TRECHOS CONVENIENTES AOS ADEPTOS DA FÉ CATÓLICA VISANDO PERVERTEREM OS INCAUTOS OU DOUTRINAR OS DA MALIGNA IDEOLOGIA JESUÍTICA II, A DA VERSÃO SOCIALISTA?
    “Com seus deuses estranhos provocaram ciúmes em Deus, com seus ídolos abomináveis o deixaram irado. Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; a seres que não têm o poder de Deus, a deuses desconhecidos, divindades que surgiram recentemente, às quais jamais vossos antepassados prestaram adoração. Abandonaste a Rocha que te gerou; e te esqueceste do Deus que te deu a vida e te fez nascer” Det 16-32.
    Não! Quero enfatizar que o que os pagãos sacrificam é oferecido, isto sim, aos demônios e não a Deus. E não quero que tenhais qualquer comunhão com os demônios. 1 Cor 10,20.
    … por causa da malignidade que fizeram, para me provocar a ira, indo prestar culto, queimar incenso e servir a outros deuses que eles nunca conheceram; eles, vós e vossos pais. Jer 44,3
    Salvo engano, a Igreja Universal do reino sedizente de Deus, embora seja o de Zeus, em quase todos os países estão marcando dolosa e enganosamente seus ignorantes frequentadores com a marca da Besta, com uma certa “maquininha”!…
    As fachadas desses centros esotéricos ou vulgarmente conhecidos como terreiros de pais(mães)-de-santo, disfarçados pastores de igrejola$ evangélica$ possuem o mesmo formato estrutural de parecencias externas similares com os frontispicios das lojas maçônicas!

  10. Quantas loucuras escritas (falo também dos comentários da postagem). Francisco adorador da pachamama, têm certeza disso?

  11. Cada dia que passa se amontoam evidencias que o virus escapou de um laboratorio de armas biologias da china COMUNISTA e GENOCIDA ASSASSINA DE CRISTAOS que o Bergoglio e a cupula no vaticano tanto adora e ao qual por traicao entregou os catolicos chineses COMO OVELHAS PARA O MATADOURO. E agora vem com esse papo furado de que o virus é vinganca da mae terra. Quem ainda da ouvido as asneiras que Bergoglio repete dia e noite e que so servem ao DEMONIO ?

  12. A cada dia que passa, martela no meu coração o episódio do tapa na mulher chinesa.

    O que aquela desesperada mulher tinha a dizer ao Papa?
    Logo após, o vírus chinês chegou galopante na Itália. Seria um aviso?

  13. Os modernistas se tiveram a preocupação de se infiltrar logo nas ordems mais combativas

  14. É triste ver que não há reparação oficial por tantos atos diretos contra Deus, contra sua Santíssima Mãe, contra a Santa Igreja. Fazem procissões com o Santíssimo como se fosse um mero Sacramental, transmissões e transmissões, algumas até dignas como missas do Rito Tridentino, mas não chama pelo menos os cristãos a reparação. Em lembrarmos que mesmo nas Catacumbas, já perseguidos pelos pagãos, os cristãos viviam o espírito de penitência e oração pelos pecadores. Hoje temos mensagens, dramtizações, “correntes”, mas não se toca na mudança de vida, na correção do coração para Deus, Apenas se pedi que livre o mundo da doença, enquanto a doença maior continua se perpetuando. Enquanto não nos arrependermos dos nosso pecados, fazer reparação por nós e pelos outros, estaremos nos enganando. Pensar que muitas dessas almas que estão indo para eternidade, estão na inimizade com Deus, e que apenas estão estarão começando seu sofrimento eterno. Que falta faz os Santos Pregadores que não se entregando ao respeito humano, acusava os pecados dos homens e alertava do Inferno.
    Voltamos as indagação de Nosso Senhor, o que dará o home em troca de sua alma?

  15. Quero partilhar com a comunidade dos irmãos e das irmãs esse momento e essa momenta de profunda introjeção da realidade profética da dimensao da comunhão eclesial na busca da justiça mediante a escuta do clamor do povo que não aguenta mais ser oprimido pelas estruturas de excludente poder dentro da Igreja. Por isso quero partilhar, na dimensão do diálogo, o belo hino de louvor ao Vaticano II que acabei de achar por acaso:

  16. Quero partilhar com a comunidade dos irmãos e das irmãs esse momento e essa momenta de profunda introjeção da realidade profética da dimensao da comunhão eclesial na busca da justiça mediante a escuta do clamor do povo que não aguenta mais ser oprimido pelas estruturas excludentes de poder dentro da Igreja. Por isso quero partilhar, na dimensão do diálogo, o belo hino de louvor ao Vaticano II que acabei de achar por acaso:

  17. Somente NSJC pode dizer que Francisco não é o papa. Não cabe a nós, senão escorregamos no mesmo modernismo/conservadorismo/liberalismo que criticamos. Vamos nos reunir democraticamente e pedir o impeachment do papa?

  18. E o que exige que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do erro já não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja, tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos.

    Pasmem, embora homens de tal casta, que Nós os ponhamos no número dos inimigos da Igreja; não poderá porém, pasmar com razão quem quer que, postas de lado as intenções de que só Deus é juiz, se aplique a examinar as doutrinas e o modo de falar e de agir de que lançam eles mão. Não se afastará, portanto, da verdade quem os tiver como os mais perigosos inimigos da Igreja. Estes, em verdade, como dissemos, não já fora, mas dentro da Igreja, tramam seus perniciosos conselhos; e por isto, é por assim dizer nas próprias veias e entranhas dela que se acha o perigo, tanto mais ruinoso quanto mais intimamente eles a conhecem. Além de que, não sobre as ramagens e os brotos, mas sobre as mesmas raízes que são a Fé e suas fibras mais vitais, é que meneiam eles o machado.

    http://www.vatican.va/content/pius-x/pt/encyclicals/documents/hf_p-x_enc_19070908_pascendi-dominici-gregis.html