Dom Odilo Scherer se une a FHC, Freixo, Dráuzio Varella e Felipe Neto pela “democracia”.

Todos unidos, apesar das diferenças. Diferenças?!

Personalidades assinam manifesto Estamos#Juntos a favor da democracia

Jovem Pan, 31 de maio de 2020 – Um grupo de mais de 1,6 mil personalidades brasileiras de diferentes setores da sociedade assinou neste sábado (30) um manifesto chamado “Estamos #Juntos”. O texto referendado por artistas, acadêmicos e lideranças políticas prega a defesa da “vida, liberdade e democracia” e pede que os governantes “exerçam com afinco e dignidade seu papel diante da devastadora crise sanitária, política e econômica que atravessa o País.

Entre os signatários estão representantes de diferentes lados do espectro político, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Também subscrevem o manifesto parlamentares como Marcelo Freixo (PSOL), Tábata Amaral (PDT) e Marcelo Calero (Cidadania). Outras personalidades incluem o apresentador de TV Luciano Huck, o médico Drauzio Varella, o arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, a atriz Fernanda Montenegro e o youtuber Felipe Neto.

“Como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum”, diz o texto. “Esquerda, centro e direita unidos para defender a lei, a ordem, a política, a ética, as famílias, o voto, a ciência, a verdade, o respeito e a valorização da diversidade, a liberdade de imprensa, a importância da arte, a preservação do meio ambiente e a responsabilidade na economia”.

Um dos organizadores do grupo, o escritor Antonio Prata explica que diferentes artistas se juntaram diante da sensação de estar em uma “tempestade em um bote furado”. Segundo ele, a pandemia do novo coronavírus e a deterioração na situação política do País motivaram a união entre pessoas que costumam ficar em lados opostos do debate público.

Prata cita uma fala de um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que afirmou que “não é mais uma opinião de se, mas de quando” haverá “momento de ruptura” como um dos fatores determinantes para motivar uma ação conjunta. “As pessoas vieram não por mérito nosso, mas por demérito do governo”, disse o escritor.

15 Comentários to “Dom Odilo Scherer se une a FHC, Freixo, Dráuzio Varella e Felipe Neto pela “democracia”.”

  1. Caros Fratres;

    Mas será o Benedito?
    Não era este eminente senhor que participou, juntamente com um daqueles “padres-televisivos” (cheios de fama mundana e vazios de espiritualidade e repletos de deformação teológica e doutrinal) em um evento televisivo com vários pa$tore$ evangélico$, as esposas do presidente e de um famoso, além do próprio presidente, elevando preces e elogios?
    Meu Deus!
    Quanto oportunismo!
    Quanta hipocrisia!
    Siga a ordem do Divino Salvador:
    “A César o que é de César, a Deus o que é de Deus!”
    Em um ambiente de polarização política, como o que vivemos, a Prudência mostra-se essencial.
    Afinal, os poderosos deste mundo se preocupam com poder e riquezas, enquanto aqueles que estão com Nosso Senhor se preocupam com a Salvação das Almas!
    Este senhor e seus sequazes vão pagar caro por sua falta de Prudência!
    Que o Bom Deus tenha misericórdia de nós!
    Imaculado e Doloroso Coração de Maria, rogai por nós!

  2. A Alemanha Oriental comunista no pós-guerra, dominada pelos soviéticos, tinha como nome algo que jamais foi. Chamava-se República Democrática da Alemanha.
    Jamais foi democrática assim como FHC, Freixo, Varella, Felipe etc.
    Todos são comunistas roxos e ateus, ateus convictos, inclusive Dom Scherer pois não pode ser crível que imiscua este com os demais e tenha, em seguida, alguma crença em Deus.
    Se V. se diz católico, acredita em Deus, não faça parte deste grupelho a menos que, é claro, queira ser visto realmente como um inocente útil.

  3. Cada vez mais as pessoas vão se sentindo mal à vontade dentro da própria pele e vendo os outros também na mesma situação. É um mundo que se vai desgastando, em que nada teria mais lógica. É um mundo que vai desaparecendo completamente.
    A morte do lumen rationis teria como consequência uma perturbação tão geral nas coisas onde não há mais o que arranjar ou o que resolver, tudo é loucura, caos, doidice. E isso na vida privada dos indivíduos como na vida pública. Então apareceria o demônio como solução. É a aparição do demônio com uma radicalidade impensada.
    Isso aponta para um determinado momento, uma determinada situação, em que o demônio se tornar visível, querer tomar contato com os homens e estabelecer o seu reino para fazer se adorar.
    O que penso, espero não me odeiam ou …

  4. Interessantíssimo… defesa da “vida”, então esse grupo é contra o aborto? Fica aí o questionamento…

  5. Eles esquecem que os primeiros a terem suas cabeças cortadas são eles mesmos… q deplorável!!!!

  6. Os católicos há três meses sem acesso aos sacramentos…
    A Semana Santa, evento central da nossa fé, foi simplesmente cancelada…
    Pessoas morrendo (seja de Covid ou outras doenças) sem um sacerdote que possa lhes dar o conforto final…
    O Estado interferindo abertamente no direito de culto dos cidadãos…

    E nosso eminente cardeal preocupado em assinar esse tipo de nota. Simplesmente lamentável…

  7. Eu acho muito interessante refletir sobre um fator político da Igreja no Brasil: sua participação durante o governo militar antes e depois do Concílio….

    Como sabemos, a Igreja foi uma grande força da mobilização que ajudou a culminar no chamado golpe de 64, o motivo ? Bem, o motivo era a defesa da moralidade, da ordem e da estabilidade, que naquele momento eram artigos de luxo por aqui e, para Igreja do período, era o principal a ser defendido ( não estou, com meu comentário, querendo levantar a bandeira a favor ou contra a ditadura, é apenas uma reflexão. Se foi boa ou nao, não é o ponto chave, afinal estamos falando da Igreja).

    Pois bem, o Governo Militar se inicia antes da conclusão do Concílio….. Apoiado, como dito no parágrafo anterior, pela Igreja.
    O Concílio acaba: uma onda modernista, infantilizada, começa a tomar conta da Igreja em todo o Mundo.
    No Brasil, a Igreja que, duas décadas antes era a favor, passou a ser contra e a lutar contra a “opressão”

    Como pode uma instituição que demora séculos para deliberar sobre a veracidade de algum fato, mudar de opinião em tão pouco tempo ? E nao só mudar de opinião, mas se tornar baluarte na luta contra uma coisa que, a tão pouco tempo, defendeu……

    Acredito que a postura da Igreja diante do Governo Militar seja um belo retrato da Instituição pré e pós conciliar…. Esta ocasião não deixa dúvida quanto a mudança da Igreja depois Concílio ( até mesmo para aqueles que dizem que não ouve ruptura).

    Se puderem, um dia, escrever sobre o assunto, seria muito interessante.

    • Ainda ecoa nas mentes de muitos a tal de “ditadura militar” confundida até hoje com o regime militar, mentes estas incapazes da mínima diferenciação.
      Nunca houve ditadura militar, pelo menos neste período em questão.
      Ou não sabem exatamente o que é um ditadura (e muitos não sabem realmente) pois são incapazes de avaliar a época Vargas de 1930-1945, ditadura absoluta sem qualquer tipo de eleição, ou são esquecidos do fato como conveniência de esquerda.
      Eleição de presidente da república por via indireta através de congresso eleito pelo povo, com eleições livres em todo o país para governadores e assembleias legislativas, não é uma característica de ditadura em parte alguma do mundo. Só mesmo em mentes pouco esclarecidas e palavreadas por receitas goebbelianas em que “uma mentira repetida várias vezes acaba como verdade”.
      Por outro lado, o papel da Igreja em 1964 só foi alterado pelos cardeais melancias (verdes por fora e vermelhos por dentro) dos quais dignos representantes deste pomar seriam Paulo Evaristo Arns e Hélder Câmara, dentre outros.
      A avacalhação e a apostasia seguiram, ato contínuo e aí permanecem para que roguemos a Fátima preces contritas para que O Seu Coração Imaculado restitua à Igreja a grandeza de Cristo.

  8. Não vejo quaisquer lados opostos: são todos esquerdistas, como sempre oportunistas que, quando no poder, fingem ser opostos para ludibriar a população e fazê-la crer que vive num debate democrático e, por outro lado, quando confrontados, rapidamente se unem, mostrando quem de verdade são. Lamentável é que um cardeal, um príncipe da Igreja, se deixe envolver por essa caterva de demônios, demonstrando-lhe tacitamente ou não o seu apoio, para escândalo de muitos católicos. Noutros tempos, teria recebido uma discreta chamada de atenção.

  9. Farinha do mesmo saco, saco com os mesmos gatos!

  10. “Lados Opostos” kkk essa foi boa. Alguém viu alguém aí de um lado diferente?

  11. Um movimento contra a imaginal ditadura do futuro em favor da material ditadura do presente; mas não é uma gracinha? Que coisinha mais bonitinha, hihihi! *u*

  12. Eu também não vi nessa lista onde está a direita, só vejo esquerda.

  13. Que vergonha, um Bispo se juntar à esses sanguessugas defensores do sistema que há décadas aniquila o Brasil e os brasileiros…

  14. Comunista se une a comunista.