Padre bolsonarista anuncia volta à Polônia e fala em “obediência ao bispo”.

Por Evandro Éboli, Veja – 17 de junho de 2020Há 18 anos no Brasil, o padre Pedro Stepien, de linha consevadora,  é conhecido por sua pregação contra o aborto, mesmo os previstos em lei, casos de anencefalia, risco de morte da gestante e estupro.

Até eleição de Jair Bolsonaro, circulava pelo Congresso Nacional em defesa da vida e da família, como costuma dizer. É dirigente do grupo Pró-Vida, formado por católicos.

Odeio o termo povos indígenas”. Uma blasfêmia em dois atos. Artigo ...

Padre Pedro consagrada Ministério da Cultura a Nossa Senhora.

O religioso se tornou nos últimos meses e semanas um fervoroso bolsonarista. É visto com frequência no cercadinho de apoiadores de Bolsonaro no Palácio do Alvorada, está sempre acompanhado de um grupo de católicos e conduz orações pelo presidente.

Não só por ele. Há duas semanas, Stepien esteve no gabinete de Abraham Weintraub, com seus fiéis seguidores, e fez uma oração pela permanência do ministro no cargo. Levou consigo a imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Num vídeo destinado a seu grupo religioso, o padre anunciou hoje seu retorno à Polônia. Ainda que por três vezes repetiu  que “eu tomei essa decisão”, fica no ar que essa é a verdade de fato. Setores da Igreja estava incomodado com essa proximidade de Stepien com Bolsonaro e suas aparições seguidas ao lado do presidente e de seus auxiliares.

Amigos próximos ao padre, dizem que ele vai embora a contragosto. Mas que retornará ao Brasil em um ou dois anos.

O padre afirma que conversou como bispo Waldemar Passini, da diocese de Luziânia, a qual Stepien é vinculado. E também com seu bispo polonês. E decidiram que seria bom ele passar uma temporada no seu país de origem.

“O senhor pode voltar para descansar um pouquinho. Eu tomei essa decisão. E quem sabe Deus vai me chamar para outra diocese. Deixo claro meu respeito, estima e obediência para cada bispo. Quero deixar o Brasil por um tempo”, disse Stepien. Procurado pelo Radar, o padre preferiu não esticar muito a conversa e nem a responder sobre as razões de ir embora.

“Não quero comentar nada, nada, nada. Isso é entre mim e Deus. Com o tempo ele vai agir”, disse Stepien.

16 Comentários to “Padre bolsonarista anuncia volta à Polônia e fala em “obediência ao bispo”.”

  1. Conheço Dom Waldemar e ele é contra tudo que vem da tradição, da verdadeira Igreja Católica, a Igreja do verdadeiro Papa, Bento XVI. Dom Waldemar é um dos Bispos bergoliano que querem uma igreja mais aberta, basta ver as mudanças que ele vem fazendo na sua diocese, um dos exemplos é o fim da cruz no altar, as devoções a Maria Santíssima, a comunhão na mão como única forma de receber Jesus Eucaristico, entre outros. Ele conseguiu tirar da sua diocese, ao seu pedido, todos os Padre da Tradição; Padre Pedro Stepien era um dos ultimos, ele (dom Waldemar) não quer esse tipo de sacerdote, ele quer a bandalheira o oba, oba. É uma pena que o inimigo tenha vencido mais uma vez, mas continuemos a rezar e pedir a Virgem Santíssima que abençoe o Padre Pedro e sua jornada, e abençoe os católicos verdadeiro da diocese de Luziânia/GO; Para quem não sabe a cidade de Luziânia é uma das cidade do entorno de Brasilia. Os Bispos que comandam as dioceses do Estado de Goiás, estão dando fim a tudo que a Igreja Católica Apostólica Romana criou em 2000 anos.

    • Sou católico e não preciso dizer tradicional, pois isso está incluído em ser católico. E conheço muito bem Dom Waldemar, ele não merece nenhum tipo de insulto, somente quem não o conhece tem a tendência de desmoraliza-lo. Tudo o que ele tem feito na Diocese de Luziânia foi em vistas a salvação das almas. E possui grande sabedoria. Em nenhum momento ele foi contrário ao trabalho do Pe. Pedro, pelo contrário, deu mais liberdade para que ele pudesse agir na defesa dos inocentes, e esse tem sido o trabalho dele. Acho até inconveniente a expressão bolsonarista para o padre, pois ele não é um ativista político, e sim um padre que exerce seu ministério, sendo incansável defensor da vida.

  2. “Levou consigo a imagem de Nossa Senhora de Fátima.”
    Setores da Igreja, leia-se CNBB et caterva, estão profundamente incomodados com Nossa Senhora de Fátima.
    A rigor, Nossa Senhora para estes senhores setorizados, é Alguém que lhes tira o sono todas as noites. Para esta gente, tudo que disser respeito a fatos, liturgias e tradições anteriores ao Concílio Vaticano II é algo que teria que ser varrido do mapa, com exceção, é claro, de Jesus Cristo.
    Desnecessário dizer que os protestantes tentaram fazer isto no século XVI.

  3. Infelizmente, o que temos visto é que a Igreja Católica tem sido usada para buscar apoio entre os fieis conservadores nos momentos de crise do governo. Um belo exemplo foi o dessa Consagração. Feita no ministério da educação, comandado por um judeu não praticante no cargo desde abril de 2019. Assessorado pelo tido católico Nadalin, no cargo desde janeiro de 2018. Então, fica o questionamento, por que subitamente, na semana em que surgiram os boatos de que o ministro seria demitido (sem comum acordo), essa Consagração foi feita? Por que não feita logo no início? Por que esperaram justamente quando a situação estava ruim para o ministro para fazerem essa Consagração? Após as ameaças do tal grupo 300 do Brasil à Dom Marcony na Curia Metropolitana de Brasília ontem, não me espantaria nada se amanhã outro ministério fosse Consagrado ou um ato fosse feito na frente da Catedral de Brasília, isso é quando o governo de Brasília permitir porque agora o governador fechou a Esplanada e só quem trabalha por lá tem acesso. Estejamos atentos.

    • A senhora está certa em muitas coisas, mas se for pra morrer na corda, prefiro a mais macia; que os governistas usem a Igreja como quiserem, a oposição já usa da maneira mais sórdida.
      Infelizmente esse é o mundo.

  4. É a igreja do Ano da Misericordia estendido, são as portas abertas da a igreja em saída, saída para a Polônia. O cheiro de ovelha só vale se for as dos cercados vermelhos!
    Ah~ os tempos da ☆ ALDEIA GLOBAL™ ☆ estão suspensos a divinis, agora é hora de retornar à Polônia, ora pois!

  5. Se me contassem, não teria dúvidas que foi a pedido do satanás do STF, muito por causa dos exorcismos lá feitos pelo padre polaco.

    • Prezado Lucas, o Pe. Pedro Stepien era exorcista?
      Me desculpe perguntar,mas eu conheço pouco a atividade missionária do Pe. Stepien no Brasil.
      Se ele era exorcista, o ministério de exorcista que ele exercia não poderia ter sido um fator a mais que contribuiu para sua volta à Polônia? Pois sabemos que a prática do exorcismo no Brasil é muito restringida por regras muito rígidas no Brasil, infelizmente!

  6. Brasília ou Goiânia já espera Dom Waldemar…

  7. Partido é parte, não o todo. Independentemente de bolsonarista ou petista, padre não pode se vincular a qualquer sigla política, portanto, bispo também. Expulsar o sacerdote foi um erro e dificilmente voltará para o Brasil. Desde o início do regime militar nossa igreja doméstica está dividida e não é agora que essa questão vai se resolver.

  8. Depois da consagração do Ministério da Educação a Nossa Senhora, a legião de demônios que o infesta recrudesceu ainda mais o seu ataque. Podem mandar o padre de volta para a sua terra – o Brasil tem padres de sobra mesmo, não é verdade, sr. Bispo? -, a consagração já foi feita, está produzindo seus efeitos para a glória de Deus e o triunfo do Imaculado Coração de Maria sobre todos os principados e as potestades infernais.
    Por outro lado, como outros já observaram aqui, é risível – para dizer o mínimo – a adjetivação de “bolsonarista” que o jornalista em questão lança sobre o padre. Ora, meu senhor, não sei se o senhor sabe ou tem condições de saber, o padre é apenas… padre católico. Nada mais e nada menos. Triste é o país em que ser católico, fiel à doutrina da Igreja, significa pertencer a um partido ou ligar-se a uma pessoa; mais triste ainda, porém, é o país em que não há pessoa pública alguma nem partido algum que permita a essa voz fazer-se ouvir, e máxime se é um país, como o nosso, cuja nacionalidade mesma está fundada na fé católica. Desta última situação saímos, a atual ainda não é a ideal, mas já se vislumbra uma luz; e tanto mais quanto mais ferozes se fazem os ataques.

  9. Bom dia ! Pelo que bem sei, o próprio padre Pedro sabe bem o perigo que corre. O padre Pedro (Pedrinho – popularmente e com carinho chamado por nós luzianienses) decidiu ir de volta para sua terra por conselhos de pessoas de dentro do próprio governo. O motivo é bem claro: a prisão (executada pela Polícia Federal a mando do STF) recente de pessoas do grupo chamado 300. O bispo dom Waldemar já havia o alertado sobre o seu envolvimento partidário e dos riscos que corria, como da última vez, com a ameaça de morte por parte de milicianos cariocas. Enfim, tudo indica que sendo investigado, pode ser preso e extraditado para seu país de origem. Não julguemos ! Afinal, somente quem está nesta diocese, nesta igreja particular de Luziânia, sabe os bastidores da evangelização nas terras de Santa Luzia.

    Obrigado.

  10. Caros fraternos, paz e bem!

    Venho a público manifestar a minha surpresa com a saída do padre Pedro Stepien do Brasil. Conheci o padre Pedro rezando um rosário em frente a sede da rede Globo em BH (em desagravo às ofensas levadas a cabo por essa emissora anticristã), pois resido em Belo Horizonte-MG.

    Ele é um sacerdote fora da curva. Íntegro, leal, firme, dinâmico, companheiro, profeta e evangelizador. Ele está ameaçado de morte por defender a VIDA (acolhia famílias expulsas do Rio por milicianos, Venezuelanos…). Ele participava ativamente de sessões do Congresso Nacional e no STF. Era odiado pelo pessoal da esquerda (PSOL, PT…).

    Mas fico fico feliz que retornará a Polônia, terra natal de S. João Paulo II e santa Faustina. Oxalá tivéssemos um presidente como o da Polônia, Andrzej Duda!
    Haverá um VÁCUO ESPIRITUAL na Diocese de Luziânia, quiça em Goiás e, por que não dizer no Brasil.
    Longa vida ao padre Pedro Stepien.
    Saudações cristãs a todos!
    Na festa de São Gregório Barbarigo,

    Renato Aguiar de Assis e família.

    Em tempo:
    Segue o CONTATO da Cúria de Luziânia
    Av. Claro Carneiro de Mendonça 199, Parque JK – Luziânia – GO
    (61) 3621-2022 ou (61) 3621-2725
    mitradiocesanaluziania@yahoo.com.br

  11. Esse Padre era um santo sacerdote. Mas essas transferência fazem parte do trabalho dos sacerdotes. Pelo que eu soube, o Bispo da Polônia tinha outra missão para ele lá na Polônia. Parece que lá na Polônia os comunistas estão ressuscitando e com muita força e o Bispo precisava de novos soldados. Isso é o que eu ouvi falar. Rezemos por ele.

    • Se for assim, a partida foi melhor, Nosso Senhor julgará as nações, e ele como padre é polonês tem de ajudar s dele, que sofram nós e que Deus ajude a Polônia. O Brasil ainda têm de fazer muita penitência para receber qualquer uma que seja!

  12. A CNBB, que se apresenta como A Igreja Católica ,é a responsável, se não a principal culpada da crise pela qual o Brasil está indo novamente para as algemas da esquerda. A perda do Padre Stepien é apenas uma mostra disto. Precisamos resgatar o Brasil da prisão CNBBista. A Igreja não precisa ser salva, ela é obra Divina; Mas o Brasil depende de nós.