Da Alemanha para o Brasil: Homossexualidade exaltada aos pés do Cristo Redentor.

FratresInUnum.com, 12 de maio de 2021 – Na noite de ontem, foi celebrada a Missa de 7º dia pela alma do ator e humorista Paulo Gustavo, vítima do COVID, que vivia maritalmente com outro homem, com o qual produziu dois filhos por via de inseminação artificial e barriga de aluguel, nos Estados Unidos.

Padre Jorjao

Padre Jorjão dá a Sagrada Comunhão para o companheiro de Paulo Gustavo.

A morte do artista provocou grande comoção em todo o Brasil, tanto pela idade do falecido (42 anos) quanto pela sua atuação cômica no cinema e na televisão. A caridade cristã nos leva a rezar por todos, vivos e defuntos, mas também nos faz ter aquele silêncio respeitoso diante daquilo que não se pode louvar, tal como uma vida dissonante dos princípios da moral cristã. Atualmente, muitos fieis perderam a capacidade de rezar em silêncio. A desorientação tomou conta de muitos e o sentimentalismo potencializado pela comoção coletiva faz com que se perca aquele bom senso católico…

Seria possível rezar uma Missa em sufrágio por essa alma? Sim! Obviamente. Mas, por que não o fazer discretamente, por pura fé, por desejo de confortar também a família? O que aconteceu, ao contrário, foi um espetáculo grotesco, em que o principal símbolo da fé cristã no Brasil, o Cristo Redentor, foi usado como palanque da causa homossexual e como ambiente para sacrilégios.

Pior: justamente neste momento de pandemia, em que os verdadeiros fieis estão morrendo sem sacramentos, em que se lhes sonega até um funeral cristão, em que a família não se pode unir para uma missa em sufrágio por sua alma, resolve-se fazer uma celebração à altura do Projac, com música secular e ostentação, com discursos que visavam naturalizar a homossexualidade e a reprodução artificial e também criticar o governo atual…

No final da missa, o companheiro do falecido fez-lhe uma homenagem dizendo que “o amor é transformador, e o nosso não só me evoluiu para sempre como alcançou milhares de famílias com o exemplo de tolerância, respeito e união. Que sorte a minha viver um amor tão lindo, verdadeiro e correspondido, mesmo que por pouco tempo. Tínhamos tantos planos para tantos anos, acho que é para além dessa nossa encarnação”.

Susana Garcia, amiga e diretora do Paulo Gustavo, fez uma homenagem: “essa dor não pode ser em vão, por isso nosso amigo querido, por você, em sua honra, seremos cada vez mais um imenso mar de força, determinação e coragem contra tudo que nega a vida. Você lutou contra o preconceito, contra o racismo, contra a homofobia! Você fazia esse país se curar através do riso”.

Além disso, a missa contou com outras performances: Regina Casé, que presidiu a cerimônia religiosa do “casamento” dos dois homossexuais, rezou a Ave Maria e a Salve Rainha com uma imagem de Nossa Senhora Aparecida nas mãos; a mãe do ator, Dea Lúcia, cantou “Fascinação”, de Elis Regina; o falecido também foi homenageado com a música “Pretty Hurts”, de Beyoncé, de quem ele era fã, interpretada por Mariah Nala.

Na homilia, tudo foi exaltação. Padre Jorjão, da Arquidiocese do Rio de Janeiro, falou que o juízo de Deus terá como matéria “o bem que nós fazemos” e disse que “foi isso que o Paulo Gustavo fez”. E ainda que ele teria feito mais uma nova obra de misericórdia, que não está na Escritura: “estive triste e me fizeste sorrir”. O Padre atacou aqueles que apontam o dedo e criticam, porque “Deus é compaixão e amor”, “Deus quer a nossa alegria”. Ele concluiu dizendo que “a certeza do céu transforma tudo isso na certeza do encontro”. Foi uma homilia de canonização!

Obviamente, não é de se esperar que um padre ataque o falecido por quem se reza, mas… não haveria um modo mais moderado de se exprimir, será que seria pedir demais esperar um pouco de discrição? Ali, lamentavelmente, deu-se um espetáculo de relativização.

Pior: a Sagrada Comunhão foi distribuída para todo mundo, inclusive para o companheiro do falecido, sem que houvesse nenhum aviso anterior de que somente poderiam comungar aqueles que estivessem preparados. O modo de distribuição foi pouco reverente, as pessoas tomavam a Eucaristia diretamente com os dedos.

A utilização do Cristo Redentor teve um significado muito simbólico. Como disse Fábio Porchat, “é um lugar mágico do Rio de Janeiro, no mundo, pra uma pessoa do tamanho disso aqui, né? Do que significa uma das maravilhas do mundo. O Paulo era uma potência e uma força, então nada mais pertinente do que estar do lado de uma figura com tanta força, como o Cristo”.

No final da celebração, a iluminação da imagem do Cristo Redentor foi apagada, em sinal de luto.

No último fim de semana, uma centena de Igrejas na Alemanha realizou bênção de duplas homossexuais. Foi um ato de rebeldia do clero progressista. No Brasil, os progressistas nem precisaram se adiantar: a anistia homossexual foi protagonizada por padres conservadores no Rio de Janeiro, num dos lugares mais sacros do Brasil, tudo ungido pelo sentimentalismo e pela comoção histérica.

Enquanto isso, muitos fieis são expulsos de suas paróquias porque o limite da lotação é ultrapassado ou porque eles não colocaram seus nomes em pré-cadastros. Essa inversão revolucionária não é acidental nem inocente: estamos diante de uma fria e calculada destruição da Igreja.

27 Comentários to “Da Alemanha para o Brasil: Homossexualidade exaltada aos pés do Cristo Redentor.”

  1. Na cidade e diocese que estou, isso já acontece a anos….A sagrada comunhão é para “todos e todas.”

  2. Foi o cúmulo do absurdo!
    Foi uma profanacao!
    Zombaram d Jesus !
    Vergonha ha arquidiocese, aceitar isso.
    Esse artigo veio para lavar q minha alma!
    Muita tristeza 😢 pelo ❤️ de Jesus !
    Reparar!

    • Não sou católico, mas gosto de acompanhar as notícias da Igreja. É extremamente bizarro o que está no mundo de hoje, principalmente dentro do Cristianismo como um todo. Li que um capelão da Igreja Anglicana (já muito liberal desde desde sempre) foi expulso por aconselhar jovens, em uma escola, a questionarem a ideologia ånål, a nova religião do mundo.

  3. Não foi missa.
    Foi um carnaval com a presença de padrecos.

    • Prezado

      Entendo sua indignação. Compartilho dela. Mas a sua observação está errada. Foi missa. Foi missa válida, rezada por um sacerdote validamente ordenado. O pão e o vinho ali presentes verdadeiramente se transformaram em verdadeiros Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. E houveram comunhões, ainda que sacrílegas: isso Deus julgará.

      Agora, é extremamente lamentável. Um dos maiores símbolos do nosso país e da nossa fé, e a nossa maior manifestação litúrgica sendo utilizados para avançar a agenda de defesa e difusão do pecado. Chamando o errado de certo e com as bençãos de parte do clero.

      Lamentar… orar… reparar… denunciar. Nossas tarefas. Que Deus nos dê forças para que possamos cumprí-las.

      Mas não podemos perder a Esperança: As portas do inferno jamais prevalecerão e por fim, o Imaculado Coração triunfará ! ! !

    • Prezado fsantosneto, parabéns! O seu comentário é excelente!

  4. Tempesta… Tempesta… haverá um julgamento, não vos esqueçais…

  5. O erros cometidos na Alemanha dia 10 de maio, já estão acontecendo pelo Brasil todo de forma velada e secreta. A avacalhação que fizeram aos pés do Cristo, já virou moda na Arquidiocese do Rio, entra bispo, sai cardeal e esse tipo de bagunça, assim como outras, não param de acontecer e assim vai ser, até que Jesus volte ou que o povo fiel grite por mudanças.
    Obs: rezemos em reparação por todos os sufrágios e sacrilégios cometidos aos pés do Cristo Redentor.

  6. Gostaria apenas de pontuar um erro grave que foi colocado no texto, e creio que por fidelidade ao Magistério da Igreja é importante a fraterna correção:

    Diz o texto: “Seria possível rezar uma Missa em sufrágio por essa alma? Sim! Obviamente.”

    A resposta correta é: Não.

    O Código de Direito Canônico (1917) é claro quanto a isso:

    1240 §1 : Estão privados da sepultura eclesiástica, a não ser que, antes da morte deram algum sinal de arrependimento:

    (livremente colocarei aqui o que se refere ao Sr. Paulo Gustavo):

    – Outros pecadores públicos manifestos.

    Pessoas que vivem e morrem em pecado ou em um ato grave de pecado (público)

    Acrescentando quanto às exéquias:

    4 – 1241: A quem tenha sido excluído da sepultura eclesiástica será negada da mesma forma qualquer Missa exequial, mesmo as de aniversário, como outros atos fúnebres públicos .

    • Vamos lembrar os padres que foram perseguidos por se negarem a rezar Missa por um ou mais pecadores públicos. Um deles foi o saudoso Monsenhor Silvio de Matos da Catedral da Sé em São Paulo. De fato a resposta correta é NÃO.

    • Poderia se celebrar missa privadamente por essa alma. O problema de celebrações públicas é que poderiam levar os fiéis ao escândalo.

      E convenhamos, levam mesmo.

  7. Apostasia da fé. Não há outra palavra para descrever isso.

    Paulo Gustavo era muito querido e de fato o Brasil fica mais triste com a morte de alguém que com talento fez tantos sorrirem. Muitos padres, Bispos e pastores, ao morrer, não farão falta nenhuma e não conseguem unir ninguém, enquanto ele conseguiu. E de fato, não cabe julgamento, pois “as prostitutas e cobradores de impostos vos precederão nos reinos dos céus”, diz nosso Senhor de muitos pecadores públicos.

    Porém o cristo nunca relativizou o pecado e pagou o preço da cruz por ele. Essa atitude triste do clero Brasileiro soma-se ao progressista clero Alemão e à tantos que querem destruir a fé e subvertê-la por dentro, ainda que às custas de esquecer que Deus é justo e perfeitissimo no seu julgamento.

  8. Tive ânsias de vômito ao ler esta matéria, deu-me um nó no estômago. Nojo, nojo, nojo. Lamentável, lamentável. Até quando isso irá acontecer, meu Deus? Até quando vão continuar a Te crucificar com tantos abusos, meu Pai?

  9. Que tristeza está a Igreja, meu Deus! Decepção total com o Padre Jorjão. Nunca pensei que ele pudesse fazer esse absurdo. Que Deus tenha piedade de nós

  10. Total decepção com o Padre Jorjão. Espetáculo absurdo para a Igreja

  11. Como é mesmo o nome desse ator?
    Que Deus o tenha em bom lugar.

    O Eugênio Sales não ia servir de capelão ao Roberto Marinho celebrando a santa-ceia fruto da terra e do trabalho do homem nas instalações de O Globo? Esqueceram?

    Que fazia Roberto Marinho? Oferecia novelas, filmes e Globelezas a fim de conduzir o povo à reflexão e à virtude…. Passou a vida inteira fazendo isso.

    Nada de novo.

  12. O ocorrido no Corcovado escancara o fulcro da questão entre a diferença entre a vertente progressista e vertente tradicional: O pecado.
    A partir do momento que o Progressismo adotou a posição de se adaptar ao mundo ele trouxe para si o que mundo mais tem: O pecado.
    Dentro deste contexto, enquanto mais e mais se atenua o degradê da passagem do que havia de tradicional na Igreja para a vanguarda católica, morrendo aqueles que queriam uma mudança mais moderada, mais a igreja vanguardista se vê na contingência de aceitar o pecado porque o mundo o aceita livremente. É uma dinâmica que os progressistas não podem escapar, e a dinâmica acaba produzindo a decisão de extinção do pecado. Não por menos o painel do Cardeal Vicenzo Paglia é uma homenagem ao pecado. Não por menos o Padre Ticão fazia a Missa da Maconha. É preciso deixar claro que o pecado não existe. Neste contexto, qual é o problema de se fazer a missa louvando o casamento gay do Paulo Gustavo se o pecado não existe? Se amanhã o mundo achar bonito o filho casar com a mãe a Igreja terá que aceitar porque ela se filiou ao mundo, e a noção do pecado foi extinta em prol do “processo civilizatório”.
    Eis a dinâmica de quem se filiou ao mundo.
    No entanto os partidários do mundo não estão com Jesus Cristo, estando em divórcio com o Evangelho, não porque eu queira, mas porque Ele mesmo proclamou que este mundo não é dEle, justamente porque assoberbado de pecados. E segundo Ele mesmo disse quem não está com Ele está contra Ele.

  13. Não se está aqui para condenar o ator Gustavo Lima, todavia, como católicos tradicionais da Igreja de 2000 anos, não nos orientamos por nós e nem segundo nossos humanos condicionamentos e julgamentos, sempre favoráveis àqueles que nos foram caros nessa vida de viandantes a caminho do Céu, e não de prazeres etéreos desse mundo, atual e ostensivamente sob o maligno, baqueado e agrilhoado para a malignidade. preferencialmente anti Deus e às suas ordens, contidas nos 10 Mandamentos e nos da Igreja católica – senão publicamente desafiando-O! Vejamos:
    “Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem os que se entregam a práticas homossexuais de qualquer espécie, nem ladrões, nem avarentos, nem viciados em álcool ou outras drogas, nem caluniadores, nem estelionatários herdarão o Reino de Deus”. 1 Cor 6-9 …
    “Fora os cães, os envenenadores, os impudicos, os homicidas, os idólatras e todos aqueles que amam e praticam a mentira!” Ap 22,15.
    A situação do falecido era de escândalo público e perversor de muitos que imitam artistas, infelizmente, no presente, influenciam demasiado muitos mal formados e desinformados, pagos o cooptados pelas esquerdas-maçonaria visando desviá-los da fé e dos deveres cristãos e, como nos alertou a Irmã Lúcia, o embate final evolveria a família e tudo com que ela se correlacionaria – ei-lo à vista de todos!
    Enquanto isso, o Magisterium silenciou-se por há décadas indeterminadamente devido a esse mundo dissoluto ostensivamente menosprezá-lo, restando apenas como última taboa de salvação a devoção ao Imaculado Coração de Maria – apesar a situação prosseguir-se ipsis litteris para pior que a anterior, cada vez mais devastadora, perversora, libertina e obscena e favorável à aparição do hediondo anticristo!
    Que Deus lhe tenha dado a graça de conversão nos momentos finais da existência!

  14. Errata: Paulo Gustavo
    Acréscimo: a S Comunhão concedida irregularmente ao companheiro sodomita dele foi uma profanação do SS Sacramento!
    “Não lanceis aos cães as coisas santas, não atireis aos porcos as vossas pérolas, para que não as calquem com os seus pés, e, voltando-se contra vós, vos despedacem”. Mt 7,6

  15. Já vi de perto esse sujeito, Jorge, e mais de uma vez. Imenso o perfil espalhafatoso. Seu comichão pouco varonil de querer aparecer full time o faz especialmente patético. Não cabe dentro de si. Inquieto. Pervasivo. Invasivo. Quer brilhar mesmo que seja como fogo fátuo. Pior: é só isso. É apenas medíocre, forçado e inane como os demais. É uma espécie de Roberto Carlos teológico – melodia barata, rimas comuns, breguice e mau gosto – como toda a geração formada sob a batuta de aço do Eugênio Sales (%50 off).

    Bem atendendo ao fundo da questão, o show fúnebre que a matéria notícia é apenas mais uma demonstração do clientelismo clerical. Nos tempos de kakogênio, cousa de todo impensável. Agora tudo mudou! Soem a fanfarra da parada…Mas se aparecer um Bento 17, o que não creio, os atabaques, a pachasuja e a purpurina vão sumir rapidão da sacristia dp Jordão. Voltam as rendas, o latinório macarrônico, o sorriso lânguido e o incensório. O clero tem sido isso. Só isso.

    Quem não lembra da fase tridentina do Mummes?

    Não se iludam. O problema dessa gente é de base.

    Ou como nos ensinaram os portugueses: “pau que cresce torto”…

  16. Não merecia missa de sétima dia, porque não era católico. A missa em sufrágio é somente para os fiéis!
    Afora o fato de que era um pecador público e que zombava da santa religião. Se tivéssemos a noticia de que se converteu no leito de morte, aí tudo bem. Mas se não, deve-se confiar essa alma ao juízo divino, que retribui a cada um segundo as suas obras…

  17. O que mais me assusta nisso tudo é justamente o final do texto. Parece que pode tudo menos o católico cumprir os preceitos de sua fé. Outro dia desses, depois de meses de restrições ao acesso a Santa Missa, conseguimos enfim participar da celebração: eu, minha esposa e nosso filho de 3 anos. Fomos repreendidos pela “pastoral da acolhida” dizendo que crianças da idade de meu filho não podem participar da Missa neste momento por ordem do Arcebispo, e que caso houvesse alguma reclamação sobre nossa presença, teriam que pedir para que nos retirássemos da Igreja. Evidentemente não iria sair, nem debaixo de chutes e pontapés! a Igreja é minha casa e dela ninguém pode me tirar, mas fica o espanto. A sensação de que não somos mais bem vindos na casa de Deus. Parece que somos um estorvo, que queremos ser beatos demais assistindo a missa presencialmente, do pq não fazermos igual os outros fieis e assistirmos a missa transmitida pela tv ou internet. Enfim… Minha esposa ficou com medo de ser expulsa, mal conseguia se concentrar na missa e eu fiquei com a cara fechada esperando que alguém fosse falar mais alguma coisa. Por sorte conseguimos assistir a toda Santa Missa sem maiores problemas.

  18. Não tenho dúvidas que Paulo Gustavo foi um ator que tinha o dom de fazer as pessoas rirem e a sua morte precoce é triste. Mesmo que o ator fosse católico (ainda que não praticante), fica um questionamento: teria sido feito todo esse espetáculo se ele não fosse famoso e rico?
    Nessa pandemia muitos leigos que participavam ativamente de suas paróquias se foram. Ministros extraordinários da Sagrada Comunhão que ajudaram em tantas missas, senhoras do Apostolado que não perdiam uma 1ª Sexta-feira do mês, membros dos Vicentinos que passaram horas distribuindo cestas básicas aos mais pobres… poderiam dar dezenas de exemplos. Quantos deles morreram sem poder ter um conforto dos sacramentos? Quantos deles não tiveram sequer uma missa de 7º dia pois seus bispos e padres trancaram as igrejas e mandaram os fiéis “assistir pela internet”, isso mesmo quando uma autoridade judiciária permitiu a reabertura dos templos e as missas presenciais? Será que aquela senhorinha da Legião de Maria que morreu após uns 50 anos de serviço em sua paróquia teria uma missa no Cristo Redentor também?
    Fica o questionamento para a reflexão.

    PS: Paulo Gustavo chegou a dizer publicamente que comprou (!) óvulos de uma mulher, e estes foram fecundados com os espermatozoides dele e do marido, e colocados em outras duas mulheres diferentes – barrigas de aluguel (é possível encontrar facilmente essa entrevista na internet). O que será que o senhor Jorjão pensa sobre isso? Será que o nobre clérigo acha que usar o corpo de três mulheres diferentes praticamente como objeto é algo normal? Ele teve aulas de bioética em seu cursinho de Teologia à distância?

  19. Estamos atravessando tempos muito difíceis!!!!!
    Intensifiquemos nossas orações e súplicas!!!!

  20. Vê, os frutos da defenestrada teologia jesuíta e da reforma conservadora ligoriana: eucaristia como remédio para a alma!
    Não, não é um prêmio imerecido, isso é errado, condenados são os jansenistas!

    Colhemos os louros, a platagem foi longa, ainda vem mais joio pela frente—falta de respeito com Nosso Senhor Eucarístico não é novidade dos novos tempos, o diferencial talvez seja o propósito propagandístico.

  21. BANALIZAÇÃO DA EUCARISTIA. APOSTASIA. DISCÍPULO DE JUDAS ISCARIOTES, o traidor!

    Tomo como minhas as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, numa justa correção fraterna, xingaria tais “religiosos” com 16 adjetivos, tais como:

    – “hipócritas” (7 vezes),
    – “filhos do inferno” (1 vez),
    – “guias cegos” (2 vezes),
    – “tolos e cegos” (3 vezes),
    – “sepulcros caiados” (1 vez),
    “serpentes” (1 vez) e
    “raça de víboras”
    Fonte: (Mateus 23).

    Moral: Como Cristo era isento de pecado, podemos concluir que xingar como tal não é um pecado. Visto que tudo o que Cristo fez foi justo e virtuoso, podemos deduzir que xingar corretamente é uma virtude.

    Durma-se com um barulho desses!

    Novo Cisma está próximo.