Por uma interpretação de Traditionis Custodes à luz da misericórdia de Francisco.

Consternados com a rigidez com que nossos pastores, com seu clericalismo fechado à diversidade, têm aplicado as disposições misericordiosas do Papa Francisco acerca do rito tradicional, apresentamos a tradução deste artigo esclarecedor. Hagan lío!

De Traditionis Custodes a Responsa ad Dubia

Notas sobre a hermenêutica da legislação do Santo Padre Francisco

Por Padre Federico, Infocatólica, 21 de dezembro de 2021 | Tradução: FratresInUnum.com

Introdução

Sua Santidade Francisco publicou Motu Proprio Traditionis Custodes (TC) e, em 18/12/21, aprovou a Responsa ad dubia (RAD) sobre o referido documento.

Alguns consideram que os Responsa são como uma resposta ao Rito Romano, mas nestas linhas mostraremos que não é, esclarecendo desde o início que submetemos a nossa interpretação ao julgamento da Autoridade Hierárquica e assinalando ab initio que a nossa a escrita pretende apenas servir de subsídio destinado a fornecer elementos de aprofundamento dos critérios hermenêuticos que devem servir para ler as diversas normas promulgadas pelo Santo Padre Francisco segundo as orientações que se dignou dar à Igreja. Nem é preciso dizer que agradeceremos qualquer contribuição que nos ajude a melhorar ou corrigir qualquer ponto defeituoso que nosso estudo possa ter.

Embora muitos possam ser tentados a ler estes textos (TC e RAD) de forma fundamentalista, é essencial, se quisermos ser coerentes com as declarações do Santo Padre Francisco, evitar interpretar e / ou aplicar rigidamente Traditionis Custodes e os Responsa Ad Dubia .

Com efeito, esses documentos devem ser entendidos levando-se em conta a maneira específica como Francisco nos pede que interpretemos e vivamos a lei. Francisco é o legislador que emitiu os ditos documentos, logo devemos fazer uma exegese da forma como o próprio Papa nos pediu que o fizéssemos, isto é, com liberdade, com discernimento, priorizando a caridade e sobretudo, sem rigidez, pois, segundo para ele, “a rigidez não é um dom de Deus” [1] .

Na verdade, o Santo Padre ressalta que é necessário:

cuidado especial para compreender, consolar, integrar, evitando impor [às almas necessitadas] uma série de normas [sejam litúrgicas , canônicas ou disciplinares] como se fossem uma rocha, alcançando assim o efeito de fazê-las sentir-se julgadas e abandonadas justamente por aquela Mãe que é chamada a levar-lhes a misericórdia de Deus [2] .

De fato, hoje muitas almas (leigos e sacerdotes) se sentem abandonadas pela Igreja ante a publicação de  Traditionis Custodes e da Resposta.

1) A chave exegético-aplicativa: o discernimento

Agora, a chave principal para interpretar e aplicar TC e RAD é o discernimento, que no final não pode ser feito da frieza de uma escrivaninha clerical (romana, episcopal ou paroquial) – já que “o clericalismo é uma perversão” [3] – mas sim pesa sobre o povo de Deus em interação com o pastor que está entre as suas ovelhas, pronto a dar a vida por elas (cf. Jo. X 11).

Na verdade, conforme solicitado por Amoris Laetitia nº305,

o direito natural [e muito mais o direito disciplinar, canônico ou litúrgico] não deve ser apresentado como um conjunto já constituído de regras que se impõem a priori ao sujeito moral, mas sim como uma fonte de inspiração objetiva para seu processo, eminentemente pessoal, tomando uma decisão,

o que implica que Traditionis Custodes e os Responsa não passam de uma mera fonte de inspiração para um “processo de tomada de decisão eminentemente pessoal” [4] . Além disso, será necessário ter em mente que, como diz o Papa Francisco, “a atitude de tentar resolver tudo aplicando regulamentos gerais” [5] é errada e que “também não é útil tentar impor regras pela força de autoridade ” [6] .

Com efeito, segundo o Papa Francisco, os pastores «com cheiro a ovelha» [7] não podem ser frios aplicadores de regras, mas devem fazer um constante [8] «discernimento evangélico [que é] é o olhar do discípulo missionário, que é “alimentado pela luz e com a força do Espírito Santo”[9], logo a chave essencial para a aplicação da TC, RAD e outras normas emanadas do Papa Francisco é o discernimento que o pastor faz junto com suas ovelhas, cujo “cheiro” carrega consigo.

Contra esta atitude de permanente discernimento evangélico – que exige uma conversão permanente, está, segundo o Papa Francisco, a tentação do rigorismo, que, segundo os padres sinodais, vem do Diabo e procura substituir o discernimento dos espíritos [10] .

No caso da TC e da RAD, a atitude rigorosa (e, portanto, diabólica) seria aplicar essas normas “de cima” sem deixar ao pastor e às suas ovelhas a possibilidade de fazer um discernimento comunitário, caso a caso, de forma análoga ao que o Papa Francisco pede o discernimento de certos casos de moral matrimonial, para os quais dá “um novo impulso a um discernimento pessoal e pastoral responsável dos casos particulares” [11] , sabendo que “as consequências ou efeitos de uma norma não devem ser necessariamente sempre o mesmo” [12].

Com efeito, afirma o Santo Padre em Amoris Laetitia nº300 que «se se levar em conta a inumerável variedade de situações específicas, (…) é compreensível que não se deva esperar (…) nas novas regras gerais do tipo canônico aplicável a todos os casos”, nem se pode esperar que TC ou RAD possam ser aplicáveis ​​a todos os casos.

Portanto, assim como “um pastor não pode se contentar apenas em aplicar as leis morais a quem vive em situações “irregulares”, como se fossem “pedras atiradas na vida das pessoas” [13], também os bispos não podem se sentir satisfeitos apenas aplicando as leis morais aos padres e leigos que vivem em situações litúrgicas ou rituais “irregulares”, como se desde então fossem pedras atiradas sobre a vida das pessoas , seguindo de forma análoga Amoris Laetitia nº305, já que o lançamento de normas – como se fossem pedras – (sejam as de TC, as da RAD, as do Código Canônico…) sobre as comunidades tradicionais «é o caso dos corações fechados, que tendem a esconder-se mesmo por trás dos ensinamentos da Igreja “para sentar-se na cadeira de Moisés e julgar, às vezes com superioridade e superficialidade, casos difíceis e famílias feridas” [14] .

De fato, após TC e RAD muitas famílias se magoam, pois, por exemplo, se sentem discriminadas ao escolher o tipo de rito que desejam para que seus filhos sejam batizados, se confessem ou sejam  confirmados, podendo resultar em casos difíceis como cinco irmãos que são confirmados com o rito tradicional mais solene e o sexto que, além de sempre ter que usar as roupas usadas que seus irmãos mais velhos lhe deram, agora deve ser confirmado em um rito diverso que parece menos bonito.

Pretender, portanto, aplicar as normas gerais de TC e da RAD sem considerar caso a casoé o caso de corações fechados, que tendem a se esconder até atrás dos ensinamentos da Igreja para sentar na cadeira de Moisés e julgar, para às vezes com superioridade e superficialidade, casos difíceis e famílias feridas” [15] .

De fato, diz o Papa, “significa parar apenas para considerar se as ações de uma pessoa atendem ou não a uma lei ou norma geral ” [16] . Afirma ainda que “embora haja necessidade de princípios gerais, quanto mais se enfrentam as coisas particulares, mais indeterminação há” [17] ; que “as normas gerais (…) não podem abranger absolutamente todas as situações particulares” [18] ; “Aquilo que faz parte de um discernimento prático em uma situação particular não pode ser elevado à categoria de norma” [19], pois “isso não só daria lugar a uma casuística insuportável, mas colocaria em risco os valores que são preciso conservar com cuidado especial » [20]; que «o discernimento deve ajudar a encontrar os caminhos possíveis para responder a Deus e crescer no meio dos limites » [21] ; que “por acreditar que tudo é preto ou branco, às vezes bloqueamos o caminho da graça e do crescimento, e desencorajamos os caminhos da santificação que dão glória a Deus” [22] ; que “um pequeno passo, no meio de grandes limites humanos, pode agradar a Deus mais do que a vida exteriormente correta de quem passa os dias sem grandes dificuldades” [23] e que “a caridade fraterna é a primeira lei dos cristãos (cf. Jo 15.12; Ga 5.14) » [24] .

Se o discernimento deve ser cada vez mais descentralizado, como quer o Papa Francisco – que afirma que “percebe a necessidade de avançar em uma saudável“ descentralização” [25] -, se acreditarmos que – como pede o Papa – “cada cristão e cada comunidade discernirá o caminho que o Senhor lhes pede” [26] , se levarmos a sério a exortação papal de nos dirigirmos “a cada Igreja particular para entrar em decidido processo de discernimento” [27] , se aspiramos a realizar “com os irmãos (…) um discernimento pastoral sábio e realista” [28] , neste discernimento o papel dos leigos é fundamental, pois o Papa Francisco afirma que “Deus dota todos os fiéis com um instinto de fé – o sensus fidei – que os ajuda a discernir o que realmente vem de Deus ” [29] , o que implica que os leigos interessados ​​em participar da missa tradicional devem ser envolvidos no discernimento de como interpretar e aplicar TC e RAD.

Com efeito, assim como «não é conveniente ao Papa substituir os episcopados locais no discernimento de todos os problemas que surgem nos seus territórios» [30] , também não é conveniente que os bispos substituam os padres – que estão entre as ovelhas – no discernimento de todos os problemas que surgem em seus territórios, especialmente quando trabalham para curar feridas nas periferias – geográficas ou existenciais.

Esta descentralização do discernimento deve ser aguçada tanto quanto possível neste período do Sínodo sobre a Sinodalidade, uma vez que o Sínodo dos Bispos, convocado pelo Papa, exige que “coloquemos em prática processos de escuta, diálogo e discernimento comunitário, em que todos e cada um pode participar e contribuir » [31] ; diz-nos que «[o Povo de Deus] também participa na função profética de Cristo» (LG, n. 12)« [32] ; diz-nos que «no estilo sinodal, as decisões são tomadas por discernimento, com base num consenso nascido da obediência comum ao Espírito» [33] .

A chave, então, é o discernimento e o que mais se opõe ao discernimento é a rigidez, que se manifesta na vontade de aplicar à risca as normas gerais de TC e da RAD .

Esta rigidez é absolutamente condenada pelo Papa Francisco, que afirmou: “A rigidez do hipócrita não tem nada a ver com a lei do Senhor, mas com algo escondido, uma vida dupla “que nos faz escravos e faz esquecermos que estar ao lado de Deus significa viver “liberdade, mansidão, bondade, perdão” [34] ; « A palavra ‘hipócrita’, Jesus repete muitas vezes aos rígidos, aos que têm uma atitude de rigidez no cumprimento da lei, que não têm a liberdade dos filhos: sentem que a lei deve ser feita assim e são escravos da lei ” [35] ; “A lei não foi feita para nos tornar escravos, mas para nos tornar livres, para nos tornar filhos”[36] ; “[Hipócrita] é uma palavra que Jesus costuma repetir para as pessoas rígidas, porque por trás da rigidez há outra coisa, sempre” [37] ; Embora “pareçam bons, porque obedecem à lei , atrás há algo que não os torna bons: ou são maus, hipócritas ou doentes ” [38] ; o filho mais velho “era rígido, andava rigidamente na lei” [39] ; “Não é fácil andar na lei do Senhor sem cair na rigidez” [40] ; «[Rezemos] pelos nossos irmãos e irmãs que acreditam que andar na lei do Senhor é tornar-se um povo rígido [41] ; «Outra coisa que impede o progresso no conhecimento de Jesus, na pertença a Jesus, é a rigidez : rigidez do coração. Também a rigidez na interpretação da Lei. Jesus censura os fariseus, doutores da Lei, por esta rigidez (cf. Mt 23,1-36) que não é fidelidade: a fidelidade é sempre um dom a Deus; a rigidez é uma segurança para mim » [42] ; Rigidez. Isso nos afasta da sabedoria de Jesus, da sabedoria de Jesus; tira sua liberdade. E muitos pastores fazem essa rigidez crescer no coração dos fiéis; e esta rigidez não nos faz entrar pela porta de Jesus (cf. Jn 10,7): é mais importante observar a lei tal como está escrita, ou como a interpreto, do que a liberdade de seguir em frente a Jesus » [43]; «O apóstolo Paulo mostra aos primeiros cristãos da Galácia o perigo de abandonar o caminho que começaram a percorrer acolhendo o Evangelho. Na verdade, o risco é cair no formalismo, que é uma das tentações que nos leva à hipocrisia (…) Em suma, a tentativa de Paulo é colocar os cristãos em um beco sem saída para que percebam o que está em jogo e não sejam encantado com a voz das sereias que querem levá-lo a uma religiosidade baseada unicamente na observância escrupulosa de preceitos(…) O amor de Cristo crucificado e ressuscitado permanece no centro de nossa vida cotidiana como fonte de salvação, ou nos contentamos com alguma formalidade religiosa para ter a consciência limpa? (…) Também hoje alguns chegam a insistir continuamente: “Não, a santidade está nestes preceitos, nestas coisas, tens que fazer isto e isto, e propõem-nos uma religiosidade rígida, a rigidez que exige afasta de nós aquela liberdade no Espírito que nos dá a redenção de Cristo. Fique atento diante da rigidez que eles propõem: fique atento. Porque por trás de toda rigidez existe algo de feio, não existe o Espírito Santo. E, por isso, esta Carta nos ajudará a não dar ouvidos a essas propostas ligeiramente fundamentalistas que nos fazem retroceder na vida espiritual e nos ajudará a avançar na vocação pascal de Jesus” [44] ; «Antes da pregação do Evangelho que nos torna livres, nos faz felizes, estão os rígidos. Sempre com rigidez: tem que fazer isso, tem que fazer aquilo… A rigidez é típica dessa gente. Seguir o ensinamento do apóstolo Paulo na Carta aos Gálatas nos fará bem para compreender que caminho seguir. Aquele indicada pelo Apóstolo é o caminho libertador e sempre novo de Jesus » [45]; «O apóstolo explicita dizendo que quando se está “sob a lei”, se está “vigiado” ou “fechado”, em uma espécie de prisão preventiva. (…) como ensina a experiência comum, o preceito acaba estimulando a transgressão […] E o que fazemos com os Mandamentos? Devemos cumpri-los, mas como uma ajuda ao encontro com Jesus Cristo » [46] .

2 – Critérios de discernimento

Deixamos claro que o discernimento é a pedra de toque para a exegese e aplicação de TC e RAD, mas quais são os critérios a usar neste discernimento? São muitos, mas os principais, por serem algo esquemáticos, podem ser classificados em três grupos: a) critérios de caridade; b) critério de sinodalidade; c) critério de realidade.

2.1- Critérios de caridade

2.1.1 – Do caráter absoluto da caridade, da relatividade normativa e da cultura do encontro.

2.1.1.1 – Primado da caridade sobre outras normas

A principal chave para as regras é a caridade. A caridade é o único absoluto quando se trata de interpretar ou aplicar as normas eclesiásticas, como se depreende de Evangelii Gaudium nº179:

O que estes textos expressam é a prioridade absoluta do «sair de si ao irmão» como um dos dois mandamentos principais que fundam todas as normas morais e como o sinal mais claro para discernir sobre o caminho do crescimento espiritual em resposta ao dom absolutamente livre de Deus.

O Santo Padre repete este conceito com outras palavras em sua conversa com seu amigo Eugenio Scalfari: “Ágape, o amor de cada um de nós para com todos os outros, do mais próximo ao mais distante, é justamente o único caminho que Jesus indicou-nos a encontrar o caminho da salvação e das Bem-aventuranças » [47] .

Com efeito, todos nós somos chamados a “buscar a felicidade dos outros como o seu bom Pai a busca” [48] , portanto, se a celebração do antigo rito faz feliz algum próximo, o pastor não poderia privá-lo, mantendo-se rigidamente este ou aquele padrão .

Ao lado da caridade (em suas diferentes facetas ou aspectos, por exemplo, ternura, caridade pastoral, misericórdia, …), todas as outras normas são relativas e tanto que o Santo Padre nos pede para fazer a « revolução da ternura » [49] ; nos ensina que « guardar [por exemplo, a tradição] exige a bondade, pede para ser vivida com ternura ” [50] e recorda-nos que” não devemos ter medo do bem, da ternura ” [51] .

Ao lado da “revolução da ternura”, todas as normas são relativas e secundárias e negar isso seria um ato de rigidez, que é uma doença [52] .

Este primado absoluto da caridade para interpretar e aplicar as normas gerais torna-se ainda mais agudo quando o pároco deve fazer o discernimento no contexto da Igreja em Saída, o cuidado dos necessitados, o acompanhamento dos grupos marginalizados ou periféricos, o que, em particular, implica que o pároco não poderá ignorar o clamor dos grupos atingidos pela missa tradicional se se sentirem marginalizados ou necessitados, especialmente quando esses grupos vivem nas periferias – sejam geográficas ou existenciais – visto que « o critério-chave de autenticidade que indicaram [os demais apóstolos a São Paulo] é de que não deveria esquecer os pobres (cf. Ga 2,10) » [53] – o que inclui os«novas formas de pobreza » [54], como a solidão ou o abandono [55] , inclusive das pessoas que se sentem abandonadas ou sozinhas porque não podem rezar como são chamadas a rezar.

2.1.2.- Relatividade das normas

Mas, para o Papa Francisco, essa relatividade das normas é ainda mais radical. Com efeito, afirmou que o próprio Decálogo – isto é, os Dez Mandamentos – é, no fundo, relativo, como expressou numa audiência geral: «Eu desprezo os Mandamentos? Não. Eu os cumpro, mas não como absolutos » [56] .

Que fique claro, então, qual é a vontade do Papa Francisco quando se trata de legislar ou dar indicações: se nem mesmo os Dez Mandamentos são absolutos, as normas humanas da Igreja serão ainda menos absolutas e muito menos o que ele diz será absoluto, um Motu Proprio e menos ainda o que os Responsa dizem a alguns Dubia respondidos por um [ainda não] Cardeal Prefeito.

Na mesma linha, o Papa aponta que os preceitos humanos devem ser moderadamente exigidos:

Santo Tomás de Aquino sublinhou que os preceitos dados por Cristo e pelos Apóstolos ao Povo de Deus «são muito poucos» (I-II, q. 107, art. 4.). Citando Santo Agostinho, advertiu que os preceitos acrescentados pela Igreja posteriormente deveriam ser exigidos com moderação “para não tornar a vida dos fiéis pesada” e converter a nossa religião em escravidão , quando “a misericórdia de Deus quis que fôssemos livres” (Ibidem.). Este aviso, feito há vários séculos, é extremamente atual. Deve ser um dos critérios a ter em conta quando se pensa uma reforma da Igreja e da sua pregação que realmente permita chegar a todos [57] .

O que foi dito nos pede que a aplicação de TC e da RAD não seja tão exigente a ponto de tornar pesada a vida dos fiéis . Em outras palavras: se a aplicação deste ou daquele preceito de TC ou da RAD em um caso particular torna pesada a vida deste ou daquele fiel, estas regras gerais não devem ser aplicadas .

2.1.3.- Da cultura do encontro e da construção de pontes

Para o Santo Padre, a cultura do encontro é a única forma de conseguir o progresso social: “a única forma de progredir na vida dos povos é a cultura do encontro ”, o que implica que “o outro sempre tem algo a me dar quando sabemos abordá-lo com uma atitude aberta e disponível, sem preconceitos ” [58] , o que então implica que os bispos devem abordar seus próximos que celebram (ou participam) no rito tradicional com uma atitude aberta e disponível , sem preconceito  e «opiniões prévias gratuitas» [59] , o que, segundo o Papa, é fundamental porque, diz-nos, «hoje, ou estamos empenhados no diálogo, ou estamos empenhados na cultura do encontro, ou todos nós perdemos , todos nós perdemos. É aqui que vai o caminho fecundo »[60] . Portanto, a exclusão das comunidades tradicionais é um sério ataque à fertilidade que nos fará perder e impedir o progresso social .

Se o Papa promove a cultura do encontro entre os membros de todas as religiões -como de fato o faz- , com tanto mais razão é necessário promover a cultura do encontro entre os membros devotos do Rito Moderno e os que amam o Rito Tradicional, sem excluir ou limitar uns ou outros, apostando mais “na cultura do encontro ” [61] .

Portanto, o paradigma da cultura do encontro é outro fator que os pastores e os leigos devem ter ao discernir a aplicação de TC e da RAD: se estes documentos não favorecem a cultura do encontro , privando alguns do Rito que eles preferem ou se as afeições pelo Novo Rito cultivam preconceitos contra os outros, então seria necessário parar de aplicar TC e RAD em certos casos. Será preciso ver caso a caso.

Na mesma linha da cultura do encontro, o Santo Padre insiste na importância de construir pontes, em vez de muros, como lemos nesta passagem:

Lembro-me de quando era criança que se ouvia nas famílias católicas, na minha família: “Não, não podemos ir para a casa deles, porque não são casados ​​pela Igreja, são socialistas, são ateus, hein!” Foi como uma exclusão. Agora – graças a Deus – não, isso não é mais dito, é? Não se diz! Isso existia como defesa da fé, mas com paredes. O Senhor, por sua vez, fez pontes [62] .

Este conceito de pontes deve ser aplicado ao discernir a aplicação de TC e RAD, ou seja, bispos e padres devem evitar expressões como “não, não podemos permitir essa forma ritual, porque não estão relacionadas ao Vaticano II, à nova missa . Ah! Isso seria uma exclusão. É como uma defesa do novo rito e do concílio, mas com paredes, mas “o Senhor, por sua vez, fez pontes ” [63] .

Falando da cultura do encontro , o Papa destacou o seguinte:

Sei que entre vocês existem pessoas de diferentes religiões, ofícios, ideias, culturas, países, continentes. Hoje estão praticando aqui a cultura do encontro, tão diferente da xenofobia, da discriminação e da intolerância que tantas vezes vemos. Entre os excluídos se dá esse encontro de culturas onde o conjunto não cancela a particularidade, o conjunto não cancela a particularidade. É por isso que gosto da imagem do poliedro, uma figura geométrica com muitas faces diferentes . O poliedro reflete a confluência de todas as parcialidades que nele preservam sua originalidade. Nada se dissolve, nada se destrói, nada se domina, tudo se integra , tudo se integra [64] .

Podemos parafrasear isso ao discernir a aplicação de TC e RAD:

Sei que entre vocês existem pessoas de diferentes ritos e pontos de vista sobre o Vaticano II e a Reforma Litúrgica. Hoje estão praticando aqui a cultura do encontro, tão diferente da discriminação e da intolerância que tantas vezes vemos. Entre os excluídos se dá esse encontro de ritos em que o conjunto não cancela a particularidade, o conjunto não cancela a particularidade. É por isso que gosto da imagem do poliedro, uma figura geométrica com muitas faces diferentes. O poliedro reflete a confluência de todas as parcialidades que nele preservam sua originalidade. Nada se dissolve, nada se destrói, nada se domina, tudo se integra, tudo se integra.

Esta promoção de encontros, pontes e poliedros que o Santo Padre nos pede deve levar-nos a integrar plenamente as várias visões sobre o Vaticano II e os Ritos na vida da Igreja, sem discriminação nem intolerância .

2.2.- Primazia de consciência

2.2.1.- Liberdade de consciência

Caso pareça (segundo Francisco, não se pode ter certeza absoluta) que a caridade e a ternura movem a aplicação das normas da TC e da RAD, então a consciência do sacerdote e dos fiéis será afetada pela aplicação daquelas regras. Vamos ver qual é o papel da consciência seguindo os textos do Papa Francisco.

Em primeiro lugar, “a consciência é livre ” [65] .

Em segundo lugar, a Igreja não pode apoderar-se das consciências do povo, pois esta é uma atitude farisaica que a torna estéril, como se lê na homilia papal de 12-20-14: “quando a Igreja (…) assumir o controle das consciências dos o povo”, quando vai” pelo caminho dos fariseus, dos saduceus, pelo caminho da hipocrisia, a Igreja é estéril ” [66] .

Terceiro, para o Papa, a bondade ou maldade de uma pessoa é exercida não pela obediência às normas clericais gerais, mas pela obediência à sua consciência. Ele diz:

Há pecado, também para quem não tem fé, quando vai contra a consciência. Ouvir e obedecer significa, na verdade, decidir o que é percebido como bom ou mau. E nesta decisão a bondade ou a maldade de nossas ações são colocadas em jogo [67] .

Portanto, se um sacerdote vê em consciência que não deve seguir este ou aquele ponto do TC ou da RAD, não deve segui-los e ninguém pode julgá-lo, pois se o Santo Padre, sendo o próprio Vigário de Cristo, não se considera com autoridade para julgar um homossexual – apesar de São Paulo dizer que eles serão condenados se consentirem na sodomia (cf. 1 Cor 6,9) – [68] , que são os outros bispos para julgar um sacerdote que interpreta e aplica TC e RAD deste ou daquele modo particular?

2.2.2.- Condenação de condenações

Esta atitude sacerdotal contribui para um mundo melhor, como fica claro neste texto papal: “cada um tem a sua ideia do Bem e do Mal e deve escolher seguir o Bem e combater o Mal como os concebe. Isso bastaria para melhorar o mundo » [69] .

O Santo Padre vai tão longe nesta linha que chega a dizer que Jesus ” nunca condena ” [70] e “a sociedade deve imitá-lo”, portanto, nenhum bispo pode condenar um sacerdote que continua a celebrar o Rito Antigo ou tem opiniões críticas sobre o Vaticano II, visto que, de acordo com o Papa Francisco, Jesus nunca condena .

2.2.3.- Liberdade religiosa e liberdade ritual

Na verdade, para o Papa Francisco, a liberdade religiosa de todos deve ser respeitada, como emerge deste texto:

Esta experiência deve nos levar a promover a liberdade religiosa para todos, para todos! Todo homem e toda mulher deve ser livre em sua própria confissão religiosa, seja ela qual for . Por quê? Porque aquele homem e aquela mulher são filhos de Deus [71] .

Agora, se é necessário promover a liberdade religiosa e permitir que todos confessem a religião de sua preferência, então, ainda mais, devemos permitir que cada católico interprete o Vaticano II como achar adequado e dê sua palavra sobre a Nova Missa. E a Antiga. O que nos permite fazer esta paráfrase do texto papal citado:

Essa experiência deve nos levar a promover a liberdade ritual para todos , todos! Mesmo para aqueles que celebram o antigo rito. Cada homem e cada mulher deve ser livre em seu próprio rito, seja ele qual for. Por quê? Porque aquele homem e aquela mulher são filhos de Deus.

Além disso, o Santo Padre exige que a liberdade religiosa seja respeitada, que inclui a liberdade “de manifestar publicamente a própria fé” [72] e, a seguir, promove “um pluralismo saudável que respeite verdadeiramente os diferentes e os valorize como tais”, que implica a condenação da “pretensão de reduzi-los [a certas manifestações religiosas, v.gr. este ou aquele rito] ao silêncio e às trevas da consciência de cada um, ou à marginalidade “já que isto” trataria em última instância de uma nova forma de discriminação e autoritarismo “.

Portanto, qualquer tentativa de condenar o Rito Antigo à marginalidade é uma forma de discriminação e autoritarismo condenada pelo Papa Francisco .

2.2.4.- Liberdade ritual e autoridade dos pais

Por outro lado , Amoris Laetitia nº 84 defende “o papel indelegável dos pais, que têm o direito de poder escolher livremente o tipo de educação – acessível e de qualidade – que querem dar aos seus filhos segundo as suas convicções“, o que implica que deveriam ser autorizados a escolher uma educação com a liturgia tradicional e contrária ao Vaticano II.

2.3.- Relatividade gnoseológica

Em todo caso, por mais que se acredite que as normas TC e RAD devam ser aplicadas neste ou naquele sentido num caso concreto, segundo Francisco, não existe uma forma única de compreender as coisas, mas sim as percepções da realidade e, portanto, as normas são relativas segundo qual é a maneira de ver as coisas de cada um.

Na verdade, o Santo Padre admitiu que ele

Não falaria, nem mesmo por quem acredita, de verdade “absoluta” (…) Portanto, a verdade é uma relação! Na verdade, todos nós apreendemos a verdade e a exprimimos por nós mesmos: da nossa história e cultura, da situação em que vivemos, etc. [73] .

Portanto, se assumirmos a gnoseologia do Papa Francisco, o que dizem TC e RAD? Ninguém pode dizer com certeza absoluta, mas as afirmações feitas a esse respeito devem levar em conta “nossa história e cultura, a partir da situação em que vivemos, etc”.

Além disso, se «cada um lê [Deus] à sua maneira» [74] – como diz o Santo Padre-, então , ainda mais, cada sacerdote lerá TC e RAD à sua maneira, visto que os dogmas sobre Deus são mais importantes e autorizados do que uma Resposta a onze questões disciplinares. Portanto, cada sacerdote deve saber que TC e RAD são documentos que cada um pode ler à sua maneira.

3.- Critério de sinodalidade

O segundo critério que deve ser usado para interpretar e aplicar TC e RAD é o da sinodalidade, que implica que os padres devem envolver as ovelhas no discernimento da aplicação das diretrizes de TC e RAD.

Sinodalidade é antes de tudo ouvir e seguir o Espírito Santo e isso implica “abandonar o confortável critério pastoral de “sempre se fez assim” [75] e, portanto, implica o dever de aceitar o pedido papal de “ser ousado e criativo nesta tarefa de repensar os objetivos evangelizadores, estruturas, estilos e métodos das próprias comunidades “e viver a “exortação a todos para que apliquem com generosidade e coragem as orientações deste documento, sem proibições nem temores” [76] . Portanto, o espírito sinodal implicará abandonar o confortável critério pastoral que, por exemplo, diz que “décadas atrás, a liturgia sempre foi feita assim” e repensar os métodos sem proibições ou temores de seguir o Espírito Santo que poderiam eventualmente nos inspirar a usar este ou aquele rito .

Talvez alguns batizados, seguindo o corpus de pronunciamentos do Papa Francisco e os interpretando com certa liberdade, possam acreditar que ao interpretar e aplicar TC-RAD estas outras linhas devam ser levadas em conta: a) o propósito deliberado de fazer confusão; b) o caráter “revolucionário” da fé; c) a condenação do proselitismo; d) a condenação do clericalismo. Vejamos essas linhas, da mão do Santo Padre.

3.1.- O propósito deliberado de fazer confusão

O Santo Padre exorta os jovens a “fazerem confusão” [hagan lío], mas este pedido papal de alguma forma se estende a todos os batizados, pois ele agradeceu a certas pessoas que o ajudaram a continuar fazendo bagunça. Portanto, Sua Santidade Francisco convida todos os cristãos a criarem problemas. Vamos ler suas exortações.

– «Gostaria de dizer uma coisa: o que espero com a Jornada da Juventude? Espero confusão. Que vai haver uma bagunça aqui, vai haver. Que aqui no Rio vai ter problema, vai ter. Mas quero problemas nas dioceses » [77] .

– ” Ajude-me a continuar criando confusão ” [78] .

Especifiquemos que ” bagunça “, segundo o dicionário da Real Academia Espanhola, é uma palavra coloquial que significa confusão, confusão, tumulto, briga – isto é, barulho, tumulto, briga – e desordem . Há até um último significado da palavra que mostra o caráter mais perturbador da relação e é a coabitação, ou seja, o concubinato.

3.2.- O caráter “revolucionário” da fé

O Santo Padre não só nos convoca à sinodalidade, mas também a ser revolucionários, pois considera que a fé católica é em si mesma “revolucionária”. Vamos ver.

– «Queridos amigos, a fé é revolucionária e hoje vos pergunto: estais dispostos, estais dispostos a entrar nesta vaga da revolução da fé? Só entrando na sua jovem vida ela terá sentido e, portanto, será fecunda” [79] .

– ” Um cristão, se não é revolucionário, neste momento, não é cristão!” [80] .

– « Não gosto de jovem que não protesta (…). Um jovem está essencialmente insatisfeito e isso é muito bom ” [81] .

– “Nós, cristãos, temos algo muito bom, um guia de ação, um programa, poderíamos dizer, revolucionário” [82] .

– “Nossa fé é revolucionária” [83] .

– «A nossa fé é sempre revolucionária – este é o nosso grito mais profundo e constante » [84] .

Portanto, acatar essas advertências papais poderia levar muitos católicos a operar uma espécie de “revolução” contra Traditionis Custodes e Responsa Ad Dubia , sem , em suas consciências, isso implicar uma falta de obediência ao Papa, mas, ao invés, eles verão isso como um ato de profunda fidelidade ao Papa e de grande seguimento da doutrina por ele ensinada, ou seja, de que a fé é revolucionária .

Se alguém considera revolucionário que essas pessoas se proponham a criar uma espécie de revolução contra os ditos documentos pontifícios, tal impressão seria apenas uma confirmação da máxima papal, que nos lembra um refrão juvenil: “Estaremos criando problemas / Continuaremos criando problemas. “

De fato, o Padre Barthe já pediu resistência a Traditionis Custodes, como pode ser visto em uma de suas entrevistas [85] . Ele poderia ser visto como alguém que vive o caráter revolucionário da fé? Seria preciso discerni-lo, mas o certo é que ele está bagunçando e é o que o Sumo Pontífice nos pede .

Alguns podem dizer que a fé não é revolucionária, mas que hoje, nestes tempos de apostasia, é contra-revolucionária, mas não acreditamos que o Santo Padre se oponha à opinião daqueles que acrescentam o prefixo “contra” visto que somos em tempos de sinodalidade.

Seja o que for, S.S. Francisco referiu que não gosta de jovens que não protestam [86] e que é muito bom que os jovens estejam insatisfeitos e que o estejam essencialmente [87] . Ora, visto que seria uma contradição hipócrita isentar de sua declaração aqueles jovens que protestam contra ele ou excluir os jovens que são padres, então deve-se concluir que Sua Santidade gostaria de ver jovens padres que protestassem contra Traditionis Custodes e as Responsa Ad Dubia .

O fato de estarem se formando grupos de protesto que pedem tratamento igual entre os seguidores do Vaticano II e seus oponentes e entre os seguidores da Nova Missa e os da Antiga não ameaça a paz, pois, como diz o Papa Francisco,

A paz social não pode ser entendida como irenismo ou como mera ausência de violência conquistada pela imposição de um setor sobre os outros. Seria também uma falsa paz que serve de pretexto para justificar uma organização (…), para que quem goze dos maiores benefícios [i.e., o direito de ter o rito de sua escolha] pode sustentar seu estilo de vida [litúrgico] sem problemas, enquanto outros [que fizeram outras escolhas rituais] sobrevivem da melhor maneira que podem. As exigências [litúrgicas] (…) não podem ser sufocadas sob o pretexto de construir um consenso de mesa ou uma paz fugaz para uma minoria feliz. A dignidade da pessoa humana e o bem comum estão acima da tranquilidade de alguns que não querem renunciar aos seus privilégios. Quando esses valores são afetados, uma voz profética é necessária [88] .

Em suma, o Santo Padre convoca aqueles que se sentem discriminados (seja no campo social, litúrgico ou qualquer outro) a ter uma voz profética que lute contra os titulares de privilégios, como o privilégio de que gozam os adeptos da Nova Missa que podem desfrutar em qualquer lugar sem qualquer restrição, enquanto outros estão sujeitos a terríveis restrições a ponto de proibi-los de receber o Espírito Santo -em confirmação- com o rito de seus avós.

3.3.- A condenação do proselitismo

Uma das condenações mais repetidas do Santo Padre é a do proselitismo, que inclui o proselitismo litúrgico, para o qual todas as tentativas de convencer ou forçar os partidários do rito tradicional a aderir à Reforma Litúrgica ou a aceitar plenamente o Concílio Vaticano II.

O Santo Padre afirma que «o proselitismo é sempre violento por natureza, mesmo quando oculto ou realizado com luvas» [89] , que «o proselitismo é uma tolice solene, não faz sentido» [90] , que «não é cristão fazer fazer proselitismo ” [91] e que“ a Igreja não cresce pelo proselitismo, mas pela atração ” [92] .

O Papa Francisco até disse o seguinte: “Vou convencer outra pessoa a se tornar católica? Não não não! Você vai encontrá-lo, ele é seu irmão! É o bastante! E tu vais ajudá-lo, Jesus faz o resto, o Espírito Santo faz ” [93] .

Se quisermos ser coerentes com estas declarações papais, no que diz respeito ao TC e à RAD, será necessário aplicar o seguinte: «Vou convencer outra pessoa a tornar-se Vaticano Secundista ou Novus-Ordista? Não não não! Você vai encontrá-lo, ele é seu irmão! É o bastante! E você vai ajudá-lo, Jesus faz o resto, o Espírito Santo faz .

Portanto, nenhum bispo pode fazer proselitismo de seus padres tentando convencê-los a abraçar o Vaticano II ou a Nova Missa, já que o Papa Francisco condena o proselitismo . Se o Papa Francisco nos proíbe de tentar converter um herege à religião católica, ainda mais é proibido a um bispo tentar converter um padre refratário ao Vaticano II. Você não será capaz de fazer proselitismo.

É verdade que muitos católicos praticantes estão cansados ​​do Vaticano II e da Nova Missa e acreditam que ambos os projetos falharam. Pode-se ser a favor ou contra esses irmãos, mas o Papa Francisco não quer que esses confrades sejam proselitizados, mas que se sintam atraídos por eles.

Pensamos que uma boa maneira de atraí-los será mostrá-los, se isso for possível (do contrário, não), com atos, sem palavras, os transbordantes frutos visíveis do Vaticano II e da Nova Missa e compará-los com os frutos da Igreja Pré-conciliar. Caso isso ainda não seja possível, então é melhor esperar cem ou duzentos anos (porque às vezes em alguns lugares os frutos dos Concílios precisam talvez de séculos para serem vistos) e então eles podem tentar atrair (não fazer proselitismo) para aquelas pessoas que não acreditam que o Vaticano II e a Nova Missa são tão bons quanto os outros pensam.

O Papa Francisco é muito claro ao proibir toda “interferência espiritual na vida pessoal”:

A religião tem o direito de expressar suas próprias opiniões a serviço das pessoas, mas Deus na criação nos libertou: a interferência espiritual na vida pessoal não é possível . (…) Você sempre tem que levar a pessoa em consideração. E aqui entramos no mistério do ser humano. Nesta vida Deus acompanha as pessoas e é nosso dever acompanhá-las de acordo com a sua condição. Devemos acompanhar com misericórdia [94] .

Portanto, embora os Papas tenham o direito de expressar suas próprias opiniões a serviço do povo – por meio dos atos do Vaticano II ou de documentos como Traditionis Custodes , “Deus na criação nos tornou livres: não é possível interferir espiritual no pessoal vida ” [95] , portanto,” devemos acompanhar com misericórdia ” [96] todos aqueles que não compartilham dessas opiniões ou gostos papais, o que implica que a opinião que fulano ou beltrano tem sobre o Vaticano II não pode ser uma razão válida para construirmos paredes que o excluam, como faria, por exemplo, quem pune o padre por celebrar uma confirmação em sua forma antiga apenas porque ele o faz não tem a mesma opinião que este ou aquele Papa sobre este ou aquele conselho ou rito. Recordemos o princípio do Papa Francisco: “A ingerência espiritual na vida pessoal não é possível” [97]

Francisco afirma que «acolhendo cada um, como ele é, com gentileza e sem proselitismo, as vossas comunidades mostram que querem ser uma Igreja de portas abertas, sempre« à saída » [98] , o que nos deve mover no momento certo para aplicar TC e RAD:

Acolhendo cada um dos irmãos que não suportam o Vaticano II e a Missa Nova, como é, com gentileza e sem proselitismo, suas comunidades mostram que querem ser uma Igreja de portas abertas – mesmo no Rito Tradicional , sempre “no saída. ”Para todas as periferias, mesmo as periferias das almas que não concordam com o Vaticano II ou a Missa Reformada.

3.4.- A condenação do clericalismo

3.4.1.- O clericalismo como perversão

O Santo Padre condenou reiteradamente o clericalismo, como se vê, por exemplo, no discurso que proferiu ao Colégio Mexicano: “Não nos clericalizar. Não se esqueça que o clericalismo é uma perversão ” [99] .

Ora, se tivermos em conta que o clericalismo, segundo a RAE, é o “marcante afeto e submissão ao clero e as suas diretrizes” e a “excessiva intervenção do clero na vida da Igreja, o que impede o exercício dos direitos de outros membros dela “, então o discernimento evangélico, em certos casos, levará o pastor a omitir a aplicação literal do TC e da RAD quando os leigos pedirem para participar do Rito Tradicional, caso contrário correriam o risco de cair naquele “perversão” chamada clericalismo que se configura por sujeitar fortemente a Congregação às normas gerais estabelecidas pelo alto clero, o que nos lembra outra declaração do Santo Padre e que um não deve “controlar o outro, seguir seus passos com cuidado, para impedi-los de fugir de nossas vidas. armas ” [100] , como seria o caso do bispo que está controlando cada passo de seu clero para que cumpram com tudo isso ou aquele ponto dos decretos disciplinares.

2.4.2.- Princípio da igualdade litúrgica

Além disso, segundo o Papa Francisco, “somos todos iguais”, o que implica que ele não é mais importante do que o último dos leigos, como lemos nesta sua declaração:

Ninguém é mais importante na Igreja; somos todos iguais aos olhos de Deus. Alguns de vocês podem dizer: “Ei, Sr. Papa, você não é igual a nós.” Sim: sou como um de vocês, somos todos iguais, somos irmãos! [101] .

O que foi dito tem consequências, uma das quais poderia ser a de que bastaria a qualquer leigo pedir a Missa tradicional para que ninguém a pudesse recusar, uma vez que “somos todos iguais ”; o Papa não é mais que os outros e, portanto, um documento vaticano (seja TC ou RAD) não tem mais autoridade do que pensa um leigo sobre o assunto. Se negarmos isso, então, devemos concluir que não somos todos iguais e que o Papa tem mais autoridade, mas não é isso que o Papa disse e enfatizou, ou seja, “somos todos iguais”.

Sua Santidade ratificou esta ideia ao falar com uma criança:

[Criança da Fábrica da Paz] Papa, na sua opinião, seremos todos iguais um dia?

[Francisco] Esta pergunta pode ser respondida de duas formas: somos todos iguais – todos nós! – mas não nos reconhecem esta verdade, não nos reconhecem esta igualdade, e por isso alguns são mais – digamos a palavra, mas entre aspas – “Feliz” do que outros. Mas isso não é um direito! Todos nós temos os mesmos direitos! Quando você não vê isso, essa sociedade é injusta. Ele não vive de acordo com a justiça [102] .

Vamos parafrasear isto:

Somos todos iguais – todos nós! -, mas não nos reconhecem esta verdade, não nos reconhecem esta igualdade, e por isso uns são mais “felizes” do que outros porque podem celebrar o rito que preferem. Mas isso não é um direito! Todos nós temos os mesmos direitos! Quando isso não é visto, a Igreja é injusta . Ele não vive de acordo com a justiça.

2.4.3.- Viva e deixe viver

Além disso, o primeiro conselho que o Papa Francisco deu para ser feliz é “viva e deixe viver”:

Vivi e deixei viver: “aqui os romanos têm um ditado e poderíamos tomar como um fio para puxar a fórmula que diz:“ Vá em frente e deixe o povo ir ”. Viva e deixe viver, é o primeiro passo para a paz e a felicidade [103] .

Este ditado papal aplicado a Traditionis Custodes seria assim:

Viva o rito que preferir e deixe que os outros vivam o rito que quiserem. Prossiga com seu rito e sua opinião sobre o Vaticano II e deixe que o povo prossiga com o seu rito e sua opinião sobre este ou aquele concílio.

4.- Critério de realidade

4.1.- Primazia da realidade sobre a ideia

O Santo Padre afirma que existe um primado da realidade sobre a ideia:

Também existe uma tensão bipolar entre ideia e realidade . A realidade é simplesmente que a ideia foi elaborada. Deve-se estabelecer um diálogo constante entre os dois, evitando que a ideia acabe se separando da realidade. É perigoso viver no reino da palavra única, da imagem, do sofisma. Portanto, um terceiro princípio deve ser postulado: a realidade é superior à ideia . Isso significa evitar várias formas de ocultar a realidade: purismos angélicos, totalitarismos do relativo, nominalismos declaracionistas, projetos mais formais do que reais, fundamentalismos a-históricos, eticismos sem bondade, intelectualismos sem sabedoria [104] .

O trecho citado implica que ao aplicar TC-RAD pode haver casos em que se configura uma tensão entre a ideia (inclusive as palavras) de TC-RAD e a realidade a tal ponto que a ideia fica completamente separada da realidade. Em tais casos, a aplicação literal dos princípios gerais de TC e RAD poderia levar a um purismo litúrgico-normativo angelical, ao totalitarismo do relativo (isto é, ao totalitarismo de normas rituais meramente humanas), a nominalismos declarativos em projetos litúrgico-disciplinares mais formais do que reais, fundamentalismos disciplinares e / ou rituais a-históricos, ética sem bondade ou preconceitos litúrgicos sem sabedoria.

3.2.- Preferência de acidentes em relação ao fechamento

Na mesma linha, o Santo Padre nos alerta contra a rigidez, como se vê na Evangelii Gaudium nº45:

Ele nunca se fecha, nunca se refugia em suas seguranças, nunca opta pela rigidez autodefensiva. Ele sabe que deve crescer na compreensão do Evangelho e no discernimento dos caminhos do Espírito , e então não renuncia ao bem possível, mesmo correndo o risco de se sujar com a lama do caminho [105] .

Esta passagem é muito importante ao interpretar e aplicar TC e RADs. Com efeito, os pastores não devem se prender ou se retirar para as salvaguardas que uma aplicação geral de TC e RAD lhes dá, visto que isso seria uma rigidez autodefensiva .

Devem saber que em certos casos é desumano ou pouco terno fingir uma aplicação literal destes documentos e que , neste caso, então, devem contentar-se com o bem possível e correr o risco de se sujarem de lama, isto é , de ser sancionado por algum burocrata por não ter cumprido este ou aquele ponto daqueles documentos, mas sabendo que esta eventual sanção seria inválida ipso facto visto que viria de uma rigidez autodefensiva, que, segundo o Santo Padre , é uma coisa ruim.

De fato, o Papa Francisco exorta-nos a preferir os acidentes ao fechamento: «Digo-vos: prefiro mil vezes uma Igreja danificada, que sofreu um acidente, do que uma Igreja enferma por estar fechada». Isto é importante para o discernimento na aplicação de TC e RAD: deve-se preferir mil vezes um “acidente” causado pela celebração da Missa com o Rito Antigo (seria um “acidente” no que diz respeito ao cumprimento deste ou daquele ritual disciplinar normativo) que uma Igreja adoece fechando-se neste ou naquilo, por exemplo, no Rito Novo ou no culto do Vaticano II [106] .

Com efeito, não só devemos preferir os mil acidentes à paralisia, mas o Papa Francisco condenou a vontade de tudo controlar e exige que nos deixemos guiar pelo Espírito Santo [107] .

4.3.- Uma inconsciência saudável

Sua Santidade admitiu que ele próprio está meio inconsciente , como confessou ao Movimento Católico Internacional de Schoenstatt: «um pouco por personalidade, diria que estou meio inconsciente, certo? Então, a inconsciência às vezes leva à imprudência » [108] .

Ele também disse em uma entrevista jornalística: “[Deus] me dá uma boa dose de inconsciência” [109] .

Chegou mesmo a se considerar alguém que às vezes age de forma imprudente e alguém falível que não quer muito corrigir seus erros, pois “prefere [e] andar como [é]” [110] .

Ao interpretar TC e RAD, então devemos saber que se trata de regras feitas por alguém “meio inconsciente” que não quer muito corrigir seus erros e que às vezes age de forma imprudente. São orientações que devemos ter em mente, pois nos incentivam a buscar uma dose saudável de inconsciência e imprudência.

3.4.- A pastoral da Casa Aberta do Pai

Se seguirmos o Papa Francisco, o critério de realidade implica considerar que a Igreja é a casa aberta do Pai e, portanto, deve estar com as portas abertas para acolher a todos, sem se opor a tal preferência litúrgica ou opinião sobre este ou aquele concílio. Vamos ver o que diz o Papa:

A Igreja é chamada a ser sempre casa aberta do Pai. (…) Se alguém quiser seguir um movimento do Espírito e se aproximar em busca de Deus, não encontrará a frieza das portas fechadas (…) Muitas vezes nos comportamos como controladores da graça e não como facilitadores . Mas a Igreja não é uma alfândega, é a casa do pai onde há lugar para cada um com a vida às costas [111] .

Vamos fazer uma paráfrase:

A Igreja é chamada a ser sempre casa aberta do Pai. Se alguém quiser seguir um movimento do Espírito para participar da missa que seus avós rezaram e se aproximar em busca de Deus, e encontrar a frieza das portas fechadas que dizem “não, esse rito é proibido”, essa pessoa ficará escandalizada. Freqüentemente, nos comportamos como controladores da graça e não como facilitadores. Mas a Igreja não é uma alfândega, é a casa do pai onde há um lugar para cada um com a sua vida, os seus ritos e as suas opiniões a reboque.

4- Objeção e resposta: linhas vermelhas para exegese

Alguém poderia talvez nos opor que a indicação dos critérios acima mencionados para a aplicação do TC e da RAD é uma forma sutil de promover a desobediência, ao que respondemos que não é o caso e que o Santo Padre nos pede que renunciemos à casuística e à segurança. [112] .

No entanto, acreditamos que existem algumas linhas vermelhas que não podem ser superadas ao interpretar e aplicar TC e RAD. Vamos ver.

– A situação dos padres tradicionalistas que querem construir seitas “católicas” nunca pode ser favorecida jogando tijolos em todos aqueles que não são como eles.

– Não deve ser permitida a proliferação de grupos tradicionalistas que consideram inválida a nova Missa celebrada de acordo com as rubricas.

– O nascimento de grupos tradicionalistas que não têm como motivo a glória de Deus, mas fins humanos disfarçados como o esplendor de um rito brilhante, não deve ser patrocinado.

Poderíamos acrescentar muitos outros itens, mas não o faremos para não cair na casuística condenada pelo Santo Padre, embora devamos reconhecer que é problemático colocar linhas vermelhas e o Papa nos pede para aplicar a eclesiologia do poliedro , que ele explica nestes termos:

O Espírito Santo não constrói uniformidade. Que forma podemos encontrar? Vamos pensar no poliedro: o poliedro é uma unidade, mas com todas as partes diferentes; cada um tem sua peculiaridade, seu carisma. Isso é unidade na diversidade [113] .

Vamos aplicar isso à interpretação e aplicação de TC e RAD:

O Espírito Santo não constrói uniformidade litúrgica. Que forma podemos encontrar? Vamos pensar no poliedro: o poliedro é uma unidade, mas com todas as partes diferentes; cada um tem sua peculiaridade (…). Esta é a unidade na diversidade litúrgica.

Conclusão: lealdade filial

Concluamos destacando que TC e RAD não podem ser aplicados de forma rígida, mas sim que será necessário um discernimento constante, sem temer a possibilidade de errar, já que o Santo Padre disse isso a alguns religiosos protestantes:

Eles vão errar, vão bagunçar, isso acontece! Talvez você até receba uma carta da Congregação para a Doutrina da Fé dizendo que falaram isso ou aquilo … Mas não se preocupe. Explique o que você tem que explicar, mas continue … Abra portas, faça algo onde a vida clama. Prefiro uma Igreja que comete um erro ao fazer algo do que uma que adoece por estar presa [114] .

Vamos parafrasear esta diretriz papal:

Eles vão errar, vão bagunçar, isso acontece! Talvez você até receba uma carta da Congregação para o Culto Divino dizendo que você rezou isso ou aquilo … Mas não se preocupe. Explique o que você tem que explicar, mas continue … Abra portas, faça algo onde a vida clama. Prefiro uma Igreja que comete um erro ao fazer algo do que uma que adoece por estar presa .

Em suma, se queremos ser coerentes com os textos de S.S. Francisco e evitar a rigidez autodefensiva – que é claramente condenada pelo Santo Padre, Traditionis Custodes e Responsa Ad Dubia devem ser interpretados e aplicados segundo um criterioso discernimento, que deve ter como principais critérios a caridade (na chave da ternura e da misericórdia); respeito escrupuloso pela consciência de cada sacerdote e de cada leigo; a sinodalidade e a permissão -e promoção- da bagunça a ponto de manifestar o desacordo público com certas normas humanas que vão contra a própria consciência subjetiva; a rejeição do clericalismo e o critério da realidade, o que nos leva a considerar cada caso como um todo único e irrepetível, não necessariamente classificado dentro dos limites de uma norma geral humana e abstrata.

Concluamos estas notas implorando à Santíssima Virgem que nos conceda a graça da maior docilidade aos movimentos do Espírito Santo – preferindo a Sua Vontade a qualquer segurança normativa humana – e a perfeita fidelidade a Pedro para viver sempre ” cum Petrus et sub Petrus “, sabendo que” só o Espírito Santo é capaz de (…) tornar o coração (…) dócil à liberdade do amor ” [115] .

Cada um descubra que o Espírito Santo «age em cada evangelizador que se deixa possuir e guiar» [116] , quaisquer que sejam as normas gerais deste ou daquele documento clerical.

Só assim construiremos uma Igreja sinodal , expansiva , aberta a todos e adaptada ao mundo de hoje.

Fontes

Sínodo dos Bispos, Sínodo 2021-2023. Por uma Igreja Sinodal. Comunhão-Participação-Missão. Documento preparatório.

Francisco SS, Amoris Laetitia.

SS Francisco, Audiencia, 26-6-13.

SS Francisco, Audiencia, 23-6-21.

SS Francisco, Audiencia, 18-8-21.

SS Francisco, Audiencia, 1-9-21.

SS Francisco, Audiência com o Movimento Católico Internacional de Schoenstatt ,.

Francisco SS, Carta a Eugenio Scalfari, 4-9-13.

SS Francisco, Coletiva de imprensa durante o vôo de volta do Rio de Janeiro a Roma, 28 de julho de 2013.

SS Francisco, Diálogo com a diretoria da CLAR, 6 de junho de 2013.

SS Francisco, Discurso à comunidade do Pontifício Colégio Mexicano, 3-29-21.

SS Francisco, Discurso aos capitulares da Ordem dos Irmãos da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, 21-9-19.

SS Francisco, Discurso aos funcionários do Dicastério para a Comunicação, 23 de setembro de 2019.

Sua Santidade Francisco, Discurso aos bispos da Conferência Episcopal Regional do Norte da África – CERNA, 2 de março de 2015.

Sua Santidade Francisco, Discurso aos participantes da Assembleia Diocesana de Roma, 17 de junho de 2013.

SS Francisco, Discurso aos reclusos e funcionários do Centro Penitenciário e suas famílias em Cassano All’Ionio, 6-21-14.

SS Francisco, Discurso no Encontro Mundial de Movimentos Populares, 28 de outubro de 2014.

Sua Santidade Francisco, Discurso no Primeiro Encontro Mundial dos Movimentos Populares, Roma, 28 de outubro de 2014

SS Francisco, Discurso no II Encontro Mundial de Movimentos Populares, Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, 9 de julho de 2015

Sua Santidade Francisco, Discurso na vigília de Pentecostes com os movimentos eclesiais, 18 de maio de 2013.

SS Francis, Discurso na visita privada ao pastor evangélico Giovanni Traettino em Caserta, 28 de julho de 2014.

Francisco SS, Encontro com jovens argentinos no Rio de Janeiro, 25/07-13.

SS Francisco, Encontro com a classe dominante do Brasil, 27 de julho de 2013.

Francisco SS, Encontro com as filhas do seu primeiro patrão, o Zenit, 11-7-15.

SS Francisco, Encontro com crianças e jovens de escolas italianas participantes na manifestação organizada pela Fábrica da Paz, 11 de maio de 2015.

SS Francisco, Entrevista com La Nación, 7 de dezembro de 2014.

SS Francisco, Entrevista com O Globo, 29 de julho de 2013

SS Francisco, Entrevista com o jornalista Pablo Calvo, 27 de julho de 2014.

SS Francisco, Entrevista com Antonio Spadaro, 19 de agosto de 2013

SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 1 de outubro de 2013.

SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 29 de dezembro de 2013.

SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 13-7-14.

SS Francisco, Evangelii Gaudium.

SS Francisco, livro-entrevista por Gianni Valente (https://www.vaticannews.va/es/papa/news/2019-11/papa-mision-sin-jesus-no-podemos-hacer-nada-libro-gianni- valente.html).

HH Francis, Homilia da Missa Crismal, 2-4-15.

SS Francis, Homilia da Missa pela Imposição do Pálio e entrega do anel do pescador no início solene do ministério petrino do Bispo de Roma, 3-19-13.

SS Francisco, Homilia no Parque do Bicentenário, Quito, 7 de julho de 2015.

SS Francisco, Homilia no Passeio Marítimo de Copacabana, Rio de Janeiro, 25 de julho de 2013

SS Francisco, Homilia, 8 de maio de 2013.

SS Francisco, Homilia, Santa Marta, 12-20-14.

SS Francisco, Homilia em Santa Marta, 9 de janeiro de 2015

SS Francisco, Homilia, 24/10/2016.

SS Francisco, Homilia 5-5-20.

HH Francis, Vigília de Pentecostes com movimentos eclesiais, 18 de maio de 2013.

https://rorate-caeli.blogspot.com/2021/12/father-claude-barthe-we-must-resist.html


[1] SS Francisco, “Nunca escravos da lei”, Homilia, 24-11-16.

[2] SS Francisco, Amoris Laetitia , 49.

[3] SS Francisco, Discurso à comunidade do Pontifício Colégio Mexicano, 3-29-21.

[4] SS Francisco, Amoris Laetitia , 305.

[5] SS Francisco, Amoris Laetitia , 2

[6] SS Francisco, Amoris Laetitia , 35.

[7] SS Francisco, Homilia da Missa Crismal, 2-4-15.

[8] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 43.

[9] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 50.

[10] Cf. Sínodo dos Bispos, Sínodo 2021-2023. Por uma Igreja Sinodal. Comunhão-Participação-Missão. Documento preparatório , 21: «Além disso, há um outro ator“ que se acrescenta ”, o antagonista, que introduz em cena a separação diabólica dos outros três. Diante da perspectiva desconcertante da cruz, há discípulos que se afastam e pessoas que mudam de humor. A insidiosidade que divide – e portanto contrasta um caminho comum – manifesta-se indiferentemente nas formas do rigor religioso, da insinuação moral que se apresenta mais exigente do que a de Jesus, e da sedução de uma sabedoria política mundana que afirma ser mais eficaz do que o discernimento de espíritos. Para evitar os enganos do ‘quarto ator’, uma conversão contínua é necessária. ‘

[11] SS Francisco, Amoris Laetitia , 300.

[12] SS Francisco, Amoris Laetitia , 300.

[13] SS Francisco, Amoris Laetitia , 305.

[14] SS Francisco, Amoris Laetitia , 305.

[15] SS Francisco, Amoris Laetitia , 305.

[16] SS Francisco, Amoris Laetitia , 304.

[17] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[18] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[19] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[20] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[21] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[22] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[23] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[24] SS Francisco, Amoris Laetitia, 304.

[25] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 16.

[26] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 20.

[27] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 30.

[28] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 33.

[29] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 119.

[30] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 116.

[31] Sínodo dos Bispos, Sínodo 2021-2023. Por uma Igreja Sinodal. Comunhão-Participação-Missão. Documento preparatório , 9.

[32] Sínodo dos Bispos, Sínodo 2021-2023. Por uma Igreja Sinodal. Comunhão-Participação-Missão. Documento preparatório , 14.

[33] Sínodo dos Bispos, Sínodo 2021-2023. Por uma Igreja Sinodal. Comunhão-Participação-Missão. Documento preparatório , 30.IX.

[34] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[35] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[36] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[37] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[38] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[39] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[40] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[41] SS Francisco, Homilia, 10-24-16.

[42] SS Francisco, Homilia 5-5-20.

[43] SS Francisco, Homilia 5-5-20. Todos os destaques são nossos.

[44] SS Francisco, Audiencia, 1-9-21.

[45] SS Francisco, Audiencia, 23-6-21.

[46] SS Francisco, Audiencia, 18-8-21.

[47] SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 1 de outubro de 2013.

[48] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 92.

[49] «Hoje é necessária uma revolução de ternura» (SS Francisco, Discurso aos capitulares da ordem dos irmãos da bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, 21/09/19).

[50] SS Francisco, Homilia, Imposição do pálio e entrega do anel do pescador no início solene do ministério petrino do Bispo de Roma, 3-19-13.

[51] [51] SS Francisco, Homilia, Imposição do pálio e entrega do anel do pescador no início solene do ministério petrino do Bispo de Roma, 3-19-13.

[52] O Santo Padre denuncia o que denomina “a doença da rigidez” (SS Francisco, “Jamais escravos da lei”, Homilia, 24-10-16): “não deve parecer bom mascarar” a doença “De rigidez” “.

[53] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 195.

[54] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 210.

[55] Cf. SS Francisco, Evangelii Gaudium , 210.

[56] SS Francisco, Audiência Geral, 18-8-21.

[57] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 43.

[58] SS Francisco, Reunião com a classe dominante do Brasil, 27 de julho de 2013.

[59] Francisco SS, Reunião com a classe dominante do Brasil, 27 de julho de 2013.

[60] SS Francisco, Reunião com a classe dominante do Brasil, 27 de julho de 2013.

[61] Francisco SS, Reunião com a classe dominante do Brasil, 27 de julho de 2013.

[62] SS Francisco, Homilia, 8 de maio de 2013.

[63] SS Francisco, Homilia, 8 de maio de 2013.

[64] SS Francisco, Discurso no Encontro Mundial de Movimentos Populares, 28 de outubro de 2014.

[65] SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 7-13-14.

[66] SS Francisco, Homilia , Santa Marthae, 12-20-14.

[67] SS Francisco, Carta a Eugenio Scalfari, 4-9-13.

[68] “Quem sou eu para julgar um homem gay ?” (SS Francisco, coletiva de imprensa durante o vôo de volta do Rio de Janeiro a Roma, 28 de julho de 2013).

[69] SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 1-10-13.

[70] SS Francisco, Discurso aos reclusos e funcionários do Centro Penitenciário e suas famílias em Cassano All’Ionio, 6-21-14.

[71] SS Francisco, Discurso na vigília de Pentecostes com os movimentos eclesiais, 18 de maio de 2013.

[72] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 255.

[73] Francisco SS, Carta a Scalfari, 4-9-13.

[74] SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 29 de dezembro de 2013.

[75] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 33.

[76] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 33.

[77] SS Francisco, Encontro com jovens argentinos no Rio de Janeiro, 7-25-13.

[78] SS Francisco, Encontro com as filhas do seu primeiro patrão, Zenit, 7-11-15.

[79] SS Francisco, Homilia no Passeio Marítimo de Copacabana, Rio de Janeiro, 25 de julho de 2013

[80] SS Francis, Discurso aos participantes da Assembleia Diocesana de Roma, 17 de junho de 2013.

[81] SS Francisco, Entrevista com O Globo, 29 de julho de 2013

[82] SS Francisco, Discurso no Primeiro Encontro Mundial de Movimentos Populares, Roma, 28 de outubro de 2014

[83] SS Francisco, Discurso no II Encontro Mundial de Movimentos Populares, Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, 9 de julho de 2015

[84] SS Francisco, Homilia no Parque do Bicentenário, Quito, 7 de julho de 2015.

[85] https://rorate-caeli.blogspot.com/2021/12/father-claude-barthe-we-must-resist.html

[86] SS Francisco, Entrevista com O Globo, 29 de julho de 2013.

[87] SS Francisco, Entrevista com O Globo, 29 de julho de 2013.

[88] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 218.

[89] SS Francisco, livro-entrevista por Gianni Valente (https://www.vaticannews.va/es/papa/news/2019-11/papa-mision-sin-jesus-no-podemos-hacer-nada-libro -gianni-valente.html).

[90] SS Francisco, Entrevista com Eugenio Scalfari, 1 de outubro de 2013) (https://www.revistaecclesia.com/la-entrevista-al-papa-francisco-en-la-reppublica-realizada-por-eugenio- scalfari -em-15-frases /).

[91] SS Francisco, Discurso aos funcionários do Dicastério para a Comunicação, 23 de setembro de 2019.

[92] SS Francisco, Discurso aos funcionários do Dicastério para a Comunicação, 23 de setembro de 2019.

[93] https://www.rionegro.com.ar/el-video-del-mensaje-del-papa-francisco-a-los-fieles-EORN_1225313/

[94] SS Francisco, Entrevista com Antonio Spadaro, 19 de agosto de 2013

[95] SS Francisco, Entrevista com Antonio Spadaro, 19 de agosto de 2013

[96] SS Francisco, Entrevista com Antonio Spadaro, 19 de agosto de 2013

[97] SS Francisco, Entrevista com Antonio Spadaro, 19 de agosto de 2013

[98] SS Francis, Discurso aos bispos da Conferência Episcopal Regional do Norte da África – CERNA, 2 de março de 2015.

[99] SS Francisco, Discurso à comunidade do Pontifício Colégio Mexicano, 3-29-21.

[100] SS Francisco, Amoris Laetitia , 115.

[101] SS Francisco, Audiência Geral, 26 de junho de 2013.

[102] SS Francisco, Encontro com crianças e jovens das escolas italianas que participam na manifestação organizada pela Fábrica da Paz, 11 de maio de 2015.

[103] SS Francisco, Entrevista com o jornalista Pablo Calvo, 27 de julho de 2014.

[104] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 231.

[105] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 45.

[106] SS Francis, Vigília de Pentecostes com movimentos eclesiais, 18 de maio de 2013.

[107] Cf. SS Francisco, Evangelii Gaudium , 280: não há maior liberdade do que deixar-se levar pelo Espírito, deixar de calcular e controlar tudo, e permitir que Ele nos ilumine, guie, guie , e nos leve aonde Ele quiser. Ele sabe bem o que é necessário em cada época e em cada momento. Isso se chama ser misteriosamente fecundo!

[108] SS Francisco, Audiência com o Movimento Católico Internacional de Schoenstatt, 25/10/14.

[109] SS Francisco, Entrevista com La Nación, 7 de dezembro de 2014.

[110] «Sempre guardei o que fiz em Buenos Aires. Com os erros, lá fora, isso pode supor. Mas prefiro andar como sou »(SS Francisco, Entrevista ao La Nación, 7 de dezembro de 2014).

[111] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 47.

[112] Cf. SS Francisco, Evangelii Gaudium , 45.

[113] SS Francis, Discurso na visita privada ao pastor evangélico Giovanni Traettino em Caserta, 28 de julho de 2014.

[114] SS Francisco, Diálogo com a liderança da CLAR, 6 de junho de 2013.

[115] SS Francisco, Homilia em Santa Marta, 9 de janeiro de 2015

[116] SS Francisco, Evangelii Gaudium , 152.

21 Comentários to “Por uma interpretação de Traditionis Custodes à luz da misericórdia de Francisco.”

  1. Ridículo, isso é tentar salvar Francisco dele mesmo.

    • ironia

      substantivo feminino
      1.
      RETÓRICA (ORATÓRIA)
      figura por meio da qual se diz o contrário do que se quer dar a entender; uso de palavra ou frase de sentido diverso ou oposto ao que deveria ser empr., para definir ou denominar algo [A ironia ressalta do contexto.].

  2. G E N I A L.

    É ao mesmo ironia e irrefutável.

  3. Nessas hora a gente percebe que, para os socialistas e simpatizantes, vale a seguinte norma: aos inimigos os rigores da lei, aos amigos os favores da lei,

  4. O Papa Francisco é de esquerda (claro que ele provavelmente não irá afirmar isso explicitamente) e usa o poder recebido para promover a ideologia que ele considera certa. Simples assim. Que tal aceitar a realidade e assumir as consequências? A intenção do legislador é, explicitamente, eliminar o Rito Tradicional da Missa e dos demais atos litúrgicos, mesmo com práticas maquiavélicas (o que faz com que ele não se apresente como um maquiavélico; talvez nem se veja assim). Então, caiamos na realidade. A intenção do Santo Padre é o resultado de sua ideologia, não a consequência da lógica de seus textos. Isso nos leva à consciência do atual e já tão prolongado estado de necessidade, que justifica plenamente buscarmos os Sacramentos fora do contexto oficial, sem escrúpulos de não estamos “em comunhão”. Rezemos por nós mesmos e pela mudança de mentalidade das autoridades eclesiásticas.

    • Eu não posso afirmar que ele seja maçom porque não tenho como provar, mas tenho quase certeza. A religião que ele prega é maçônica.
      E a maçônaria é a raiz dos movimentos de esquerda e revolucionários. Acho que devemos dar um passo além.

    • Excelente ponderação. O papa apenas e tão somente quer colocar a agenda comunista na ordem do dia na Igreja. Cabe a cada católico seguir sua consciência e sua base religiosa para ver se comunga com isso ou se segue, ainda que sozinho e com seu terço na mão, caminho diferente.

  5. Excelente estudo e de fina e aguda ironia. Desarma Francisco com suas próprias palavras. Nada como derrotar um inimigo usando suas próprias armas.

  6. Magistral! Nem os católicos pós conciliares citam tanto o Papa Francisco! Perfeito modo de responder a qualquer ataque!

  7. Ótimo kkk. Seria bom enviar isso ao bispo de Curitiba. Como comentaram acima: aos amigos, tudo; aos inimigos, os rigores da lei.

  8. Genial, muito bem fundamentado! É exatamente isso!
    Parabéns!

    • Parece que o texto é bem explicito na confusão dos conceitos do papa. Se há algum fundamento no longo texto é justamente o de realçar a completa falta de rumo do papa em questões dogmáticas.

      O fundamento é justamente a falta de fundamento se bem compreendi o extenso texto.

  9. Com o perdão da palavra, mas não tem muito o que interpretar não. A intenção da Curia Romana é clara, morte a missa tridentina e seus sacerdotes e fiéis. Cada dia tá mais claro que a luz do sol. O resto ese iludir. E olhe que já fiu chamado de legalista por insistir até o último instante na comunhão com estes homens. Mas não dá mais, não tem como se sujeitar a quem deseja na verdade sua extinção. Seria suicídio.

  10. O Rei está Nu!

    Um tapa na cara desses mentirosos “continuístas”.

  11. Sobre o magisterio de 2000 anos até ao V II:
    Assim, portanto, que a ninguém absolutamente seja permitido infringir ou, por temerária audácia, se opor à presente disposição de nossa permissão, estatuto, ordenação, mandato, preceito, concessão, indulto, declaração, vontade, decreto e proibição.

    Se alguém, contudo, tiver a audácia de atentar contra estas disposições, saiba que incorrerá na indignação de Deus Todo-poderoso e de seus bemaventurados Apóstolos Pedro e Paulo.

    Dado em Roma perto de São Pedro, no ano da Encarnação do Senhor mil quinhentos e setenta, no dia 14 de Julho, quinto de Nosso Pontificado – Pio Papa V.

    No ano de 1570, indict. 13, no dia 19 de Julho, 5º ano do Pontificado do nosso Santo Padre em Cristo Pio V, Papa pela Providência divina, as cartas anexas foram publicadas e afixadas nas portas da Basílica do Príncipe dos Apóstolos e da Chancelaria Apostólica e de igual maneira à extremidade do Campo Flora como de costume, por nós Jean Roger e Philibert Cappuis, camareiros, Scipico de Ottaviani, Primeiro Camareiro.

    Para citar este texto:
    “Bula Quo Primum Tempore”
    MONTFORT Associação Cultural
    http://www.montfort.org.br/bra/documentos/decretos/quoprimum/
    Online, 30/1

  12. Gosto de ler. Tenho afeição por textos fundamentados, bem escritos. Este, longuíssimo e cheio de apontamentos e referências, confesso que me atrapalhou, tantas referências e apontamentos.

    Tive que me valer da conclusão. E concluí que não existe nada de concreto no documento papal: “Concluamos destacando que TC e RAD não podem ser aplicados de forma rígida, mas sim que será necessário um discernimento constante, sem temer a possibilidade de errar, já que o Santo Padre disse isso a alguns religiosos protestantes”.

    Nada rígido, nada fixado, tudo ao léu, tudo predisposto à confusão, à generalidade, ao acaso, como sói acontecer nestes confusos tempos modernos. Confusão que começa pelo Concílio Vaticano II, não dogmático, tão somente “pastoral”, até nossos dias e dias dos documentos franciscanos, até porque um é causa e os outros, efeitos.

  13. Muito longo o texto, mas as vezes se torna necessario.

  14. Essa foi a maior análise epistemológica do pensamento argentino que já vi na vida.

  15. A Verdade é clara, objetiva e cristalina. O erro é que vive escamoteando e cheio de contradições. Não importa se Francisco é comunista, maçom, de esquerda, ou qualquer outro rótulo. “Pelo fruto conhecereis a árvore” e os frutos podres desse tempo fedem enxofre a quilômetros de distância.
    Que Deus tenha misericórdia de nós. Kyrie Eleison.

  16. Vejam o apontamento desse Bispo.

    O Papa está enfrentando críticas abertas do colégio episcopal…
    Aqui em Portugal estamos sob vigilância.

    Mons. Antônio Souto Salazar

%d blogueiros gostam disto: