Archive for ‘Atualidades’

30 novembro, 2016

Audiência com Dom Manuel Parrado Carral, bispo de São Miguel Paulista – trágico retrato da letargia (ou cumplicidade?) episcopal.

Por Daniel Gerreiro Cavalcante da Silva

Especial para FratresInUnum.com

Este é um relato de minha autoria, Daniel Guerreiro Cavalcante da Silva, a respeito da audiência com o bispo da Diocese de São Miguel Paulista, Dom Manuel Parrado Carral, para tratar dos posicionamentos, pronunciamentos e atitudes escandalosas que envolvem, principalmente, o padre Paulo Sérgio Bezerra, da paróquia de Nossa Senhora do Carmo. Faço uma breve narrativa de minhas impressões do encontro e, em caso de possíveis “escândalos” ou “radicalismos” que aqueles espíritos imbuídos de bom mocismo e do politicamente correto possam encontrar, esclarecer-se diretamente com a minha pessoa, sem envolver nenhum destes citados. Como o bispo não permitira o registro em áudio, nem em vídeo, narrarei os fatos através da memória e de aproximações em determinadas ocasiões, acima de tudo, buscando a maior fidelidade possível. Peço a Deus, a Nossa Senhora e a todos os Santos, para que nenhuma injustiça ou distorção se cometa neste relato.

carrado

Pela primeira vez, no dia dezessete do mês de novembro do ano de dois mil e dezesseis do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo (17/11/2016), foi realizado um encontro com o bispo Dom Manuel da Diocese de São Miguel Paulista, para tratar das inúmeras denúncias, divulgadas, principalmente, através das mídias sociais, blogs e grupos católicos, sobre o caso dos sacerdotes-militantes de movimentos LGBT, causas socialistas-marxistas, envolvendo o padre Paulo Sérgio Bezerra e inúmeros outros militantes da esquerda. Inicialmente prevista para ocorrer às 15:00, a audiência iniciara por volta das 15:30, graças a alguns imprevistos no transporte público da cidade de São Paulo.

Compareceram o Prof. Hermes Rodrigues Nery, Coordenador do Movimento Legislação e Vida, Adriano Neiva, o próprio bispo e eu. Após uma breve apresentação a respeito de quem éramos e qual era nosso objetivo ali – ou seja, representar os inúmeros católicos perplexos com os abusos e heresias propagadas naquela Diocese e, através de uma petição, pedir o afastamento dos sacerdotes envolvidos -, Dom Manuel deixou claro que em hipótese alguma, substituiria ou afastaria o padre Paulo Sérgio Bezerra daquela paróquia ou que, publicaria um posicionamento ou nota de repúdio ao que acontecera. Segundo o bispo, o padre fora advertido e uma ocorrência fora enviada à Nunciatura. Nada mais.

Logo no início desta audiência, nosso colega Adriano Neiva fez a seguinte declaração, ao descrever o que vem acontecendo, não só nesta referida Diocese, mas em inúmeras outras: “Estamos aqui, para representar, todos os católicos que estão indignados com a corrupção – ou distorção, se não me falha a memória – da Sagrada Liturgia”. Mal havia terminado a frase, Dom Manuel respondera, em tom de reprovação: “Vamos tomar cuidado com esses termos!”. Ora, pergunto-me o que seria isto então, se não, realmente, uma corrupção e distorção da Liturgia? Padres que modificam folhetos da Santa Missa exaltando o homossexualismo, recriando orações, na justificava de combater as ofensivas “homofóbicas” dos congressistas conservadores e da sociedade “velhaca”. Leigos abençoando um Sacerdote. Rituais umbandistas dentro de igrejas. Abortistas, socialistas e Drag Queens subindo ao púlpito para tratar de questões condenadas pela própria Igreja [1]. O que seria isto então, Dom Manuel? O cumprimento exato da Liturgia?   

Durante dez minutos, Dom Manuel narrou a situação de sua Diocese, como quem pede por compreensão, contextualizando a situação, abordando a história de sua fundação, sendo uma Diocese fragmentada, em 1989, da atual Arquidiocese de São Paulo, em uma das regiões mais caóticas, pobres e “explosivas” da década de 1980-1990 na metrópole. Para Dom Manuel Carral, a Diocese de São Miguel Paulista é carente de uma identidade que, se encontra ainda em processo de formação. Além disso, ressaltou a longa atuação dos antigos seminaristas e sacerdotes, adeptos da Teologia da Libertação, “defensores das minorias” e de causas sociais que atuam na região há muito tempo. O Padre Paulo Sérgio Bezerra, por exemplo, é sacerdote há trinta e  cinco anos, tendo atuado trinta e quatro anos na mesma Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, segundo o que consta em suas declarações dadas à uma reportagem do Terra Notícias [2], ou seja, atua nesta referida paróquia desde 1982.

A impressão que tive ao longo desta audiência foi a de certa isenção e, talvez, de justificação, se assim podemos dizer. Dom Manuel Carral disse ter trabalhado muitos anos com Dom Cláudio Hummes, a quem ele muito admira. Apesar de concordar que se tratava de um “absurdo”, referindo-se ao caso do Drag Queen realizar a homilia e levantar o Cálice com o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo durante a consagração, chamando a atitude do Padre Paulo Sérgio Bezerra de “extrema” ou “radical”, Dom Manuel não pareceu constranger-se com o fato de Marilena Chauí ter recebido uma homenagem dos jovens em plena Santa Missa, comungado com as próprias mãos e por ser, assumidamente, militante socialista, abortista e defensora de ideologias anticristãs ou, por acaso, esta última não dissera que, os defensores da família não passam de “bestas”? [3] Pelo contrário, Dom Manuel procurou logo encerrar este questionamento através de uma simples resposta: “Não há problema algum com a presença de Marilena Chauí, ademais, ela é católica praticante e frequenta a Missa dominical em seu bairro, o Jardins”. Pergunto-me de onde viera esta informação. Seria da própria Marilena Chauí ao tentar convencer o bispo de sua “catolicidade” e de sua recentíssima conversão, anunciada somente ao Reverendíssimo bispo? Ou seria através de uma informação fornecida pelo próprio Padre Paulo Sérgio Bezerra que, segundo afirmações em um vídeo documentado do YouTube, fora convocado a dar explicações sobre a presença de determinados líderes de esquerda, como Guilherme Boulos do MTST, Chico Alencar do PSOL e a própria Chauí? [4]

Apesar de ter permanecido em silêncio durante quase toda a audiência, enquanto o Prof. Hermes Rodrigues Nery, Adriano Neiva e o bispo abordavam estas questões, cheguei a uma conclusão: não é verdade quando Dom Manuel afirma a respeito da “falta de identidade desta Diocese”, mesmo sendo relativamente nova se comparada a outras. Pelo contrário, este mesmo afirmara que, talvez, São Miguel Paulista fosse uma das dioceses mais difíceis de se trabalhar em todo o país. Ora, não seria isto uma identidade? Ademais, em que consiste esta dificuldade? Na profunda ideologização dos sacerdotes que deveriam ser os pastores da Igreja, mas que tratam da Missa e das paróquias como um palco e instrumento de propaganda socialista, frankfurtiana, gramsciana e de outras inúmeras doutrinas anárquicas e anticristãs? A má formação dos católicos que, induzidos ao erro e ao persistirem no pecado, apenas aprofundam e propagam este, como se não tratasse de um pecado? Ou seria a própria pobreza da região em si? Por fim, creio que, nenhum destes questionamentos – ou afirmações, se preferirem -, se sustentam. Em primeiro lugar, parece que há sim uma identidade na Diocese, pois, muitos têm o conhecimento de que se trata de um dos maiores redutos da Teologia da Libertação, se não do Brasil, pelo menos em São Paulo. Não seria isto uma identidade, criada pelos sacerdotes da Diocese e propagada ao longo de todos esses anos?

Bastam alguns minutos de reflexão para desmantelar estas hipóteses. Partiremos por partes:

1) Se o problema consiste nas ideologias anticristãs, condenadas pela Igreja, como o comunismo, o feminismo, o gayzismo, o abortismo e o relativismo, não bastaria um pronunciamento e censura do bispo para que os problemas cessassem? Por ora, Dom Manuel não parece disposto a agir desta forma. Após questionarmos os posicionamentos do padre Paulo Sérgio Bezerra, o bispo dissera que, apesar da “radicalização nestes últimos anos, o padre tem seus méritos”. Após recitar seu “belíssimo” currículo, como se suas boas ações justificassem as doutrinas anticristãs que este vem propagado, o padre Bezerra, segundo o bispo, teria sido responsável pelo auxílio e assistência das comunidades carentes em Itaquera, pela compra de um terreno para os mais necessitados, além dos mais de trinta anos de atuação na região, fato que resultou em uma espécie de enraizamento paroquial. Tirá-lo de lá, nas palavras de Dom Carral, não resolveria em nada o problema, pois, além de possíveis descontentamentos, dos paroquianos e da comunidade, da carência de outros sacerdotes para a reposição, a situação persistiria para onde quer que o padre Bezerra fosse transferido.

Sendo assim, podemos concluir o seguinte: Dom Manuel não pode controlar um padre dentro de sua própria Diocese. Seria como se o bispo estivesse refém do pároco de Nossa Senhora do Carmo, uma vez que este último, não teme ser punido pelo Sumo Pontífice, quanto mais por seu bispo responsável. Duvidam disto? Basta reler o que o próprio padre Bezerra dissera em uma entrevista publicada no Estadão, no Globo e na Folha: “São poucos os padres com coragem de tocar nesses assuntos. Sempre fui assim, mas, com esse papa, sinto mais tranquilidade de que não serei punido.” [5]

Leram bem? O padre Paulo Sérgio Bezerra disse com todas as palavras que, “SEMPRE FOI ASSIM”, contrariando o que Dom Manuel dissera sobre sua “radicalização nestes últimos anos” e que, sente tranquilidade de que NÃO SERÁ PUNIDO. Mais uma vez afirmo, se este sacerdote não teme ser punido pelo Papa, por que temeria ser punido por seu bispo que, nem ao menos o repreende publicamente, uma vez que estas “radicalizações recentes” têm ocorrido desde 2008. Sim, foram inúmeras as denúncias divulgadas por blogs e páginas católicas, destacando-se o Fratres in Unum.

2) Jamais questionamos as ações caridosas do padre Paulo Sérgio Bezerra, mas, enumerar seus méritos, não justifica a destruição e deturpação da Fé Católica que este tem causado. Se a evasão de católicos é crescente, principalmente na Zona Leste de São Paulo e se os que permanecem são mal formados, de quem seria a culpa, então? Das igrejas protestantes pentecostais? Ou dos próprios padres que, descumprem seus papéis de pastores da Igreja e que já não mais falam dos Milagres, da Vida dos Santos e alteram o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, acrescentando um teor marxista, materialista, repleto de referências à “justiça social”? O Padre Paulo Sérgio Bezerra jamais abrirá mão de seus posicionamentos, ele não teme nada.

3) Creio que a suposta “pobreza” da região não justifique a propagação da Teologia da Libertação nesta Diocese. Se fosse assim, as regiões mais pobres do Brasil e do mundo, seriam as mais infectadas. Partindo deste princípio, o Vale do Ribeira, região mais pobre do Estado de São Paulo, seria o exportador de “padres” marxistas e, o Maranhão, considerado o mais pobre dos estados da federação, já estaria em condições cismáticas. Não tenho medo de afirmar que a culpa é dos próprios padres e bispos que permitiram a propagação desta ideologia anticristã pelo Brasil afora. Segundo Dom Manuel, são cinco o número de padres que comungam dos mesmos ideais do padre Bezerra em sua Diocese, porém, Eduardo Brasileiro, um dos militantes da causa gayzista de São Miguel Paulista, afirmou que, já são em número de QUINZE, as paróquias da Diocese que partilham destes ideais. [6]

Além disso, o bispo Dom Manuel afirmou que vivíamos em uma “época de extremos”. De um lado, tínhamos estas posturas “demasiado ideológicas” e de outro, posturas “ultraconservadoras”, como se ambas fossem equiparáveis. E querem saber que o bispo chamava de “ultraconservadorismo”? O uso de véus nas igrejas e aqueles que utilizavam correntes e cadeias em seus braços, como escravos de Nossa Senhora. Pois é, escrever um manifesto “apologético-teológico” em defesa do homossexualismo, como aquele que o padre Bezerra escrevera, intitulado “catolicismo e homoafetividade” [7],  é equivalente ao uso de véus durante a Santa Missa. Defender o socialismo, o homossexualismo e sexo livre é mesma coisa que considerar-se escravo de Nossa Senhora. “Ultraconservadores” e os “defensores de minorias” são ambos extremistas para Dom Manuel.  

O Prof. Hermes Nery requereu de Dom Manuel Carral um posicionamento, o afastamento do padre, uma nota, uma atitude firme em relação a isto. O bispo respondera dizendo que as coisas estão muito difíceis na atualidade, que espera logo se aposentar e dissera que muitos padres não querem nem mesmo tornarem-se bispos diante desta realidade. O Prof. Hermes Nery respondeu dizendo que sempre a Igreja Católica, ao longo da história, foi firme no combate às heresias e na defesa da Sã Doutrina, vicejou com grande força e esplendor. Ao que Dom Carral disse: “A Igreja não tem mais força no mundo”. O Prof. Hermes Nery respondera, com ênfase: “Mas Cristo tem força, sim. Ele venceu o mundo”. O bispo então repetiu, afirmando: “Sim, é verdade. Cristo tem força.”

Ao final da audiência, após afirmar inúmeras vezes que as redes sociais estavam tornando a vida das pessoas “um inferno”, Dom Manuel disse-nos que se reproduzíssemos a carta que lhe encaminhamos, na Internet, estaríamos “colocando lenha na fogueira” e “difamando a Igreja”. O bispo afirmou inúmeras vezes que não temia ser punido pelo Santo Padre, pois dedicara toda a sua vida fielmente a Igreja e que estava de “consciência limpa”. Apesar de afirmar que não temia as redes sociais e a Internet, estou longe de crer nisto. Pelo contrário, acho que, publicar a carta e este relato é um dever de todos aqueles que amam a Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

O que o Reverendíssimo bispo Dom Manuel Parrado Carral fará para pôr fim a estas heresias? Permanecerá em silêncio, justificará e exaltará as ações caridosas dos sacerdotes do marxismo? Ou condenará publicamente estes abusos e distorções da Verdadeira Fé?

Que Nosso Senhor Jesus Cristo e Nossa Senhora tenham misericórdia de nós.

FONTES:

[1] – http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/folheto-de-igreja-catolica-pede-enfrentamento-ofensiva-homofobica-16540048

[2] – https://noticias.terra.com.br/brasil/padre-de-itaquera-ataca-ofensiva-homofobica-e-uma-velhacaria,7c4ca9c116c02a979d05ff8f05105ea3nsk0RCRD.html

[3] – http://jovempan.uol.com.br/programas/radioatividade/marilena-chaui-afirma-que-quem-defende-familia-e-uma-besta.html

[4] – https://www.youtube.com/watch?v=aGyA4fWtfHU

[5] – http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,igreja-tem-prece-contra-ofensiva-homofobica-,1712942

[6] – https://www.youtube.com/watch?v=R6YoMBg22jA&t=37s

[7] – https://teologialibertacao.wordpress.com/2015/04/13/catolicismo-e-homoafetividade-ensaio-de-aspiracoes-intuitivas-parte-i/

https://teologialibertacao.wordpress.com/2015/04/16/catolicismo-e-homoafetividade-parte-ii/

28 novembro, 2016

Católicos pedem a Bispo afastamento de Padre da Diocese de São Miguel Paulista.

Íntegra da carta entregue pessoalmente a Dom Manuel Parrado Carral, bispo diocesano de São Miguel Paulista, SP.

São Paulo, 16 de novembro de 2016

Reverendíssimo Sr.
Dom Manuel Parrado Carral
DD. Bispo da Diocese de São Miguel Paulista

Nós, fiéis católicos, estamos perplexos com as atividades, pronunciamentos e posicionamentos escandalosos que ocorreram na Diocese de São Miguel Paulista, mais precisamente, nas paróquias de Santa Ana que, ao final da Santa Missa (Itaquera), permitiu-se que um Drag Queen subisse ao altar em nome da “comemoração ao dia internacional da Drag Queen”; em Nossa Senhora do Carmo. Tal ato foi promovido e incentivado pelo próprio pároco, o padre Paulo Sérgio Bezerra, no Santuário Nossa Senhora da Paz, e também pelo padre Dimas Martins Carvalho.

carrado

Fiéis se reúnem com bispo de São Miguel Paulista, SP.

A seguir, destacaremos alguns dos fatos promovidos pelos sacerdotes que violam o Magistério da Santa Igreja e a Santa Fé Católica:

1) Ritual pagão-umbandista durante a Santa Missa, promovido pelos padres Paulo Sérgio Bezerra e Dimas Martins Carvalho [1].

2) Promoção do gayzismo e incentivo à militância LGBT aos fiéis da paróquia Nossa Senhora do Carmo. O padre Paulo Sérgio Bezerra permitira que os jovens levassem cartazes “anti-homofóbicos” para a Santa Missa; permitira ainda que um Drag Queen assumido distribua o Corpo de Cristo, e que realize a homilia, tudo ao som de Paula e Bebeto. Chama os defensores da família e os congressistas conservadores de “homofóbicos, retrógrados, velhacos e reacionários”; utiliza os jovens como massa de manobra para a promoção de sua agenda gay; modificou um folheto da Santa Missa com mensagens pró-gayzismo e com ataques diretos aos defensores da Santa Igreja e da Sã Doutrina – apar entemente, o panfleto fora desenvolvido por outro sacerdote da mesma diocese, o jesuíta Luís Lima –, portanto, utilizou a Santa Missa para promover diversas ideologias anti-cristãs, como o comunismo, a ideologia de gênero e a militância gay [2].

3) O referido pároco é adepto da Teologia da Libertação, do comunismo e do PT. Convocara o deputado Chico Alencar (PSOL), Guilherme Boulos (líder do MTST) e a filósofa assumidamente atéia, abortista e petista, Marilena Chauí, para palestrarem durante a Santa Missa, discursou em meio à uma multidão no movimento “Fora Temer” e “Contra o Golpe” em São Paulo [3].

4) Além da própria promoção do “dia internacional da Drag Queen”, os administradores da página oficial da Paróquia Sant’Ana de Itaquera, postaram a seguinte mensagem: “Em comemoração ao Dia Internacional da Drag Queen, nossa Paróquia recebeu nossa grande paroquiana Dindry Buck em celebração do novenário de nossa Padroeira. Foi um momento de muita alegria para nossos paroquianos que amam e respeitam o trabalho que Dindry Buck faz em nossa Paróquia. Dindry falou sobre a importância de lembrar esse dia e a sua missão de levar a alegria para o mundo” [4].

5) O padre Paulo Sérgio Bezerra permitiu que, Marilena Chauí, inimiga assumida da Igreja, da família e da Fé, comungasse com as próprias mãos e recebesse uma homenagem ideológica em plena Missa [5].

6) O padre Paulo Sérgio Bezerra tem conhecimento de suas atitudes, das induções ao erro e da violação à Tradição da Santa Igreja Católica, porém, não teme ser punido pelas autoridades eclesiásticas e nem mesmo, pelo próprio Papa: “Sempre fui assim, mas, com esse papa, sinto mais tranquilidade de que não serei punido” [6].

Não restam dúvidas de que este padre está a serviço da corrosão da Sã Doutrina Católica, da Santa Igreja. Além de induzir seus fiéis ao erro, propagar falsas doutrinas que contradizem a Sã Doutrina Católica e não temer represálias da hierarquia da Igreja Católica Apostólica Romana.

Nós, fiéis católicos, pedimos encarecidamente que Vossa Revendíssima autoridade episcopal, Bispo da Diocese de São Miguel Paulista, Dom Manuel Parrado Carral, que afaste os párocos e lideranças envolvidas nestas profanações da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Gratos pela fidelidade à sua missão como pastor da Igreja, no zelo da sã doutrina católica.

Daniel Guerreiro Cavalcante 

Prof. Hermes Rodrigues Nery

Coordenador do Movimento Legislação e Vida

Adriano Neiva

Fontes:

21 novembro, 2016

Misericordia et Misera: nova Carta Apostólica de Francisco.

Íntegra no site do Vaticano da Carta Apostólica para o encerramento do Ano da Misericórdia.

Sobre a FSSPX, dispõe o Papa Francisco:

No Ano do Jubileu, aos fiéis que por variados motivos frequentam as igrejas oficiadas pelos sacerdotes da Fraternidade de São Pio X, tinha-lhes concedido receber válida e licitamente a absolvição sacramental dos seus pecados.[16] Para o bem pastoral destes fiéis e confiando na boa vontade dos seus sacerdotes para que se possa recuperar, com a ajuda de Deus, a plena comunhão na Igreja Católica, estabeleço por minha própria decisão de estender esta faculdade para além do período jubilar, até novas disposições sobre o assunto, a fim de que a ninguém falte jamais o sinal sacramental da reconciliação através do perdão da Igreja.

A seguir, matéria da agência Ecclesia, da Conferência Episcopal de Portugal:

Igreja/Aborto: Papa decide alargar faculdade de absolvição a todos os sacerdotes

Decisão tomada no Jubileu da Misericórdia ganha agora caráter definitivo

Cidade do Vaticano, 21 nov 2016 (Ecclesia) – O Papa Francisco anunciou hoje a decisão de alargar definitivamente a faculdade de absolvição de quem praticou o aborto a todos os sacerdotes, mantendo assim a prática do Ano Jubilar da Misericórdia que se concluiu este domingo.

“Para que nenhum obstáculo exista entre o pedido de reconciliação e o perdão de Deus, concedo a partir de agora a todos os sacerdotes, em virtude do seu ministério, a faculdade de absolver a todas as pessoas que incorreram no pecado do aborto”, escreve, no número 12 da carta apostólica ‘Misericórdia e Mísera’, divulgada esta manhã pelo Vaticano.

Francisco precisa que aquilo que concedera a todos os padres, de forma limitada ao período jubilar, fica agora “alargado no tempo, não obstante qualquer disposição em contrário”.

“Quero reiterar com todas as minhas forças que o aborto é um grave pecado, porque põe fim a uma vida inocente; mas, com igual força, posso e devo afirmar que não existe algum pecado que a misericórdia de Deus não possa alcançar e destruir, quando encontra um coração arrependido que pede para se reconciliar com o Pai”, explica.

O Papa espera que os sacerdotes católicos sejam “guia, apoio e conforto no acompanhamento dos penitentes neste caminho de especial reconciliação”.

A prática do aborto implica, segundo o Direito Canónico, a excomunhão ‘latae sententiae’ (automática), exigindo até agora a confissão ao bispo (ou os padres a quem o bispo desse essa faculdade) para a remissão da pena.

Francisco decidiu ainda manter o serviço dos “Missionários da Misericórdia”, mais de mil sacerdotes de vários países, incluindo Portugal, que foram enviados no ano santo extraordinário (dezembro 2015-novembro 2016) para promover o perdão dos pecados.

“Desejo que permaneça ainda, até novas ordens, como sinal concreto de que a graça do Jubileu continua a ser viva e eficaz nas várias partes do mundo”, adianta o Papa.

A carta anuncia também que os fiéis que assim o desejarem podem continuar a confessar-se nas igrejas oficiadas pelos sacerdotes da Fraternidade de São Pio X, um gesto explicado com o desejo de restabelecer “a plena comunhão na Igreja Católica”.

O pontífice argentino pede a todos os padres que se preparem com “grande cuidado” para o ministério da Confissão, acolhendo cada pessoa com misericórdia e comunicando o amor de Deus.

“Isto requer, sobretudo por parte do sacerdote, um discernimento espiritual atento, profundo e clarividente, para que toda a pessoa sem exceção, em qualquer situação que viva, possa sentir-se concretamente acolhida por Deus”, escreve.

Francisco deseja uma redescoberta do “ministério da reconciliação”, particularmente valorizada em iniciativas como as ‘24 horas para o Senhor’, na Quaresma.

“Que a ninguém sinceramente arrependido seja impedido de aceder ao amor do Pai que espera o seu regresso e, ao mesmo tempo, a todos seja oferecida a possibilidade de experimentar a força libertadora do perdão”, apela.

A nova carta apostólica propõe ainda iniciativas para a valorização da Bíblia na vida dos católicos, sugerindo às comunidades que escolham um domingo do ano litúrgico para “renovar o compromisso em prol da difusão, conhecimento e aprofundamento da Sagrada Escritura”.

‘Misericordia et misera’ foi assinada publicamente este domingo, na Praça de São Pedro, após o final da Missa que encerrou o Jubileu da Misericórdia, 29.º Ano Santo na história da Igreja Católica.

Tags: ,
10 novembro, 2016

O pensamento de Boff sobre Lutero, e a práxis de Francisco.

Por Hermes Rodrigues Nery | FratresInUnum.com

Se o capítulo XI, da Segunda Parte do livro “E a Igreja se fez Povo” (1986), intitulado “São Francisco, patrono da opção pelos pobres”, de Leonardo Boff, já é bastante problemático, pois apresenta, trinta anos atrás, todo o programa que Bergoglio coloca hoje em execução, avidamente, o capítulo seguinte (“A significação de Lutero para a libertação dos oprimidos”), é mais terrível ainda. Nele, antecipa-se o que Francisco hoje cumpre à risca, na prática. E o ecumenismo solenemente celebrado em Lund, na Suécia, tende a esquecer tudo o que Lutero fez de danoso à Igreja. Para Boff, Lutero “apresenta-se como uma das maiores testemunhas do espírito evangélico”. Boff acredita piamente nisso, não se conforma com o que para ele é uma injustiça, a Igreja não ter compreendido Lutero, assim até hoje nunca se conformou de ter sido “injustiçado” pelo alemão Joseph Ratzinger. Boff nunca o perdoou por isso, nem dom Paulo Evaristo Arns, que esteve junto de Boff acompanhando-o quando foi a Roma para ser repreendido e depois punido por Ratzinger. Boff nunca perdoou Ratzinger (hoje recolhido no Mater Ecclesiae), enquanto Arns comemorou recentemente seus longevos 95 anos, com um boné do MST na cabeça. Tanto Boff quanto Arns, satisfeitos por verem os movimentos populares (de esquerda) sendo recebidos amigavelmente por Francisco, no Vaticano. Tudo fez parte de um plano bem urdido, meticuloso, de se chegar ao Vaticano, e ocupar os altos postos eclesiásticos, para que o programa apresentado por Boff, em 1986, naquele seu famoso e controverso livro, pudesse ser executado.

Para Boff, a inspiração de Lutero (a quem ele sempre admirou e até se identifica, algumas vezes), “em termos religiosos, mostrava-se ‘fé viva’ em contraposição ‘a “fé morta’ do Catolicismo, religião de tradições e exterioridades”. É assim que o pensamento de Boff se torna hoje, em certos aspectos, a ação de Francisco. Boff mesmo reconhece naquele capítulo, “o papel subversivo” do protestantismo, papel esse fomentado por muitos anos pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que hoje se favorece com o ecumenismo de Francisco, quando a Cáritas e a Federação Luterana Mundial se juntam para projetos sociais, com financiamento da Fundação Ford.

Boff defendia, naquela época, “uma encarnação da Igreja e do Protestantismo no mundo dos pobres, para ajudar em uma transformação profunda e global, uma verdadeira “libertação dos oprimidos”. E ainda destaca:

“Rubem Alves distingue a função ideológica que o protestantismo ocupou diante do liberalismo e sua permanente função utópica como memória da forças libertadora do Evangelho. Nessa perspectiva, ‘católicos e protestantes estão se descobrindo como um só corpo, em função de uma esperança da América Latina nova’”.

E completa:

“Na verdade, existe uma frente libertadora prostestante de grande significação no processo global da prática libertadora e da reflexão que se constrói a partir dessa prática. Cabe agora perguntar em que medida Lutero pode colaborar nessa missão”.

E explica que:

“A Reforma do século XVI teve o duplo caráter de revolução social e revolução religiosa. As classes populares não se sublevaram só contra a corrupção do dogma e os abusos do clero. Também se levantaram contra a miséria e a injustiça. (…) Ante o campo específico (religioso) dentro do qual se movia, Lutero efetuou um grandioso processo libertador. Será ele para sempre uma referência obrigatória para todos os que buscam a liberdade e sabem lutar e sofrer por ela”. Por isso Lutero insurgiu-se tanto contra o que ele chamava de “tirania do papa”, rebelde que era (que “se sublevou, em nome do Evangelho, contra a prepotência do poder sacro”; e por isso Francisco recusou as insígnias papais, quando eleito, apresentou no balcão da Basílica de São Pedro, curvando-se para o povo, e dize ndo: “começamos hoje um novo caminho”.  

É de 1975 o primeiro artigo de Leonardo Boff escrito como precursor do que será, mais tarde, o programa de Francisco: “A não-modernidade de São Francisco. A atualidade do modo de ser de S. Francisco face ao problema ecológico”. O pensamento e a práxis de Francisco ecoam as palavras de Boff:

“Para nós, que vivemos na América Latina, o Evangelho necessita ser vivido de forma libertadora, a fé como produtora de um compromisso com os mais necessitados a partir da experiência da misericórdia primeira de Deus e da renovação espiritual como uma mística que uma fé e política e construa a comunidade a partir de baixo, dos mais humildes”.

O fato é que Boff acredita piamente nisso. E Francisco, a seu modo, também. Ambos estão convencidos disso. Enquanto o primeiro é ideólogo, o segundo é executor, alçado ao mais alto posto da Igreja, para cumprir esse programa libertador. E com esse ímpeto, exortou os jovens na Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, com o apelo: “Sejam revolucionários!”

 

7 novembro, 2016

A injustificada remoção do bispo de Albenga.

Por Emmanuel Babieri, Corrispondenza Romana, 7 de setembro de 2016 | Tradução: FratresInUnum.com:  No dia 1º de Setembro de 2016, a Sala de Imprensa do Vaticano anunciou que “o Santo Padre aceitou a renúncia ao governo pastoral da diocese de Albenga-Imperia (Itália), apresentado por S.E. Mons. Mario Oliveri. Ele será sucedido por S.E. Mons. Guglielmo Borghetti, até agora coadjutor da mesma diocese”.

mons-mario-oliveri-327x278O jornal Corriere della Sera do mesmo dia, ao anunciar sua renúncia, escreveu que Mons. Guglielmo Borghetti, “homem de confiança do Pontífice, em maio passado já havia “esvaziado” o seminário da Ligúria, onde eram acolhidos os candidatos ao sacerdócio descartados de outras dioceses: as regras estabelecidas por Ratzinger, de fato, deixam claro que não pode ser ordenado um sacerdote que tem tendências homossexuais”. Infelizmente, é evidente que não há um só seminário italiano que não tenha algum sacerdote com tendência homossexual em seus quadros, mesmo porque a ordem do dia nos círculos eclesiásticos é que a homossexualidade, ao contrário de pedofilia, não é uma culpa grave. Assim, a situação da diocese de Albenga certamente não é pior do que a das demais dioceses também muito importantes. Por que então selecionar apenas esse bispo?

Além disso, no anúncio feito pelo Boletim da Santa Sé se lê o fatídico cânon 401 § 2 acerca da renúncia de um bispo diocesano, quando ele entrega a sua demissão antes da idade de setenta e cinco anos, caso que diz respeito a Monsenhor Oliveri. Na mensagem de despedida que o bispo apresentou à sua diocese, Monsenhor Oliveri diz demitir-se para atender a um pedido feito pelo Papa e cita uma passagem de uma carta dirigida a ele pelo Cardeal Marc Ouellet, Prefeito da Congregação para os Bispos, onde ele é convidado – porque agora já bispo emérito – “a  contribuir com suas palavras e com os seus gestos, evidentemente inspirados por Deus, pela caridade cristã e pela sabedoria pastoral, a acalmar os ânimos, para a manutenção da paz nos corações dos sacerdotes e fiéis desta comunidade diocesana”.

Os motivos graves que obrigaram o Papa a forçar a saída de  Dom Oliveri da liderança de sua diocese não são enunciados pela Santa Sé (não é mencionado sequer o cânon do C.I.C. sobre matéria grave, como acontece com todos os casos em questão). Um bispo, cujos gestos são inspirados pela “sabedoria pastoral” certamente não é convidado a demitir-se por conduta imprópria.

O motivo para a demissão de Dom Oliveri deve ser procurado em outro lugar. Sua verdadeira culpa não é a que o Corriere della Sera lhe atribui: a falta de severidade com a conduta moral do seu clero, mas sim o que o mesmo jornal, em outra passagem, sugere: ser “fiéil a Bento XVI na possibilidade de celebrar a Missa no rito antigo (algo que ele gostava de fazer, pessoalmente, ao contrário do Papa Emérito)”.

A razão de fundo para a remoção de Dom Oliveri pode ser identificada no fato de que o bispo de Albenga sempre inspirou seu ministério e seu trabalho numa visão de plena continuidade com o ensinamento perene da Igreja. Por ocasião de seu 25º aniversário de Episcopado, apareceu o primeiro livro contendo suas obras, Fides et pax (Cantagalli, Siena 2016), onde se pode encontrar um resumo de seu ensino, de modo dissonante do que agora é o corrente.

A voz de um bispo segundo a qual “a nossa missão é de natureza sobrenatural e tende essencialmente ao Reino do Céu, à vida com Deus, bem consciente, iluminada pela Palavra de Cristo que o seu reino ‘não é deste mundo’, ‘não é daqui'”(Homilia de ingresso na Diocese em 25 de novembro de 1990), soava bem diferente da de muitos prelados, hoje só comprometidos em abrir as igrejas aos imigrantes, ignorando completamente o seu bem espiritual. Dom Oliveri destacou-se também pela generosa hospitalidade para com um outro tipo de imigrante: os seminaristas e sacerdotes perseguidos pelos seus bispos pelo o amor que tinham pela Tradição da Igreja. Muitos deles agora se sentem órfãos. E ainda mais uma vez, órfãos de uma autêntica figura episcopal que Papa Francisco fez calar a voz.

31 outubro, 2016

Papa: expurgo sem precedentes na Congregação para o Culto Divino. Um torpedo contra o Cardeal Sarah e outros.

Por Marco Tosatti | Tradução: FratresInUnum.com: Um verdadeiro e próprio expurgo na Congregação para o Culto Divino e um torpedo contra o Prefeito da Congregação, o cardeal Robert Sarah (foto).

Cardeal Sarah

Cardeal Sarah

Que além de ser um crítico, como muitos cardeais africanos, das interpretações liberais de Amoris Laetitia sobre a Eucaristia aos divorciados novamente casados, há alguns meses se permitiu sugerir que a missa seja celebrada voltada para o Oriente: “É muito importante que voltemos, o mais rapidamente possível para uma direção comum, sacerdotes e fiéis voltados para a mesma direção, para o Oriente, ou pelo menos para a abside, para o Senhor que vem”.  E acrescentou: “Peço-vos para aplicar esta prática onde quer que seja possível”, disse ele, como se pode ler aqui.

Agora, este tema – Missa voltada para o povo ou para Deus – é um tema explosivo desde os tempos do pós-Concílio. Ligado às batalhas litúrgicas como querelas dos tempos antigos que não acabam nunca. E passam de pai para filho (eclesiásticos, por assim dizer). Começando pelo Arcebispo Annibale Bugnini, o autor da reforma da missa, muito avançada segundo quem a havia encomendado, ou seja, Paulo VI, que finalmente o enviou como núncio ao Irã e certamente não como uma promoção.

O Papa Bento XVI, muito sensível à liturgia e de como se deve orar, corrigiu o que parecia ser uma tendência dominante e “politicamente correta”, restaurando a dignidade e formas de celebração da Missa que por centenas de anos alimentaram a fé e a piedade cristã.

Imediatamente após sua declaração, o Cardeal Sarah foi corrigido pelo Arcebispo Vincent Nichols, golfinho e protegido do Cardeal Murphy O’Connor, um dos conselheiros discretos do governo sombra do Papa Francisco. Nichols escreveu aos padres intimando-os a continuar a celebrar verso o povo.

Não ficou claro se o pontífice, como declarou o Cardeal Sarah, havia dado a sua aprovação ao convite para celebrar ad orientem ou não. Outro dos muitos momentos de ambiguidade deste governo. Mas o expurgo de ontem não deixa dúvidas.

Na prática, todos os membros existentes da Congregação para o Culto Divino, ou seja, os membros da congregação, foram substituídos por outros. Desaparecem George Pell e Malcolm Ranjith, Angelo Bagnasco e Marc Ouellet (prefeito dos Bispos), além do Arcebispo de Milão, Angelo Scola e o Cardeal Raymond Leo Burke, ex-prefeito da Assinatura Apostólica, uma das primeiras vítimas decapitadas sem nenhuma razão aparente pelo novo Pontífice, logo após sua eleição.

Entre os novos escolhidos estão o secretário de Estado Parolin, o Prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Stella, que muitos no Vaticano consideram como a verdadeira eminência parda por trás do Pontífice, e o Cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, que ficou famoso depois que foi filmado enquanto participava de uma dança para o “Pacha Mama”, em San Marco Sierras, na Argentina.

E depois há nomes que têm o sabor claro de uma revanche contra Bento XVI: um deles, o Arcebispo de Wellington, Monsenhor Dew, que ganhou destaque no Sínodo sobre a família por seu pedido para alterar a posição da Igreja que define os atos homossexuais como “intrinsecamente desordenados”. Mas, acima de tudo há o Arcebispo Piero Marini, o braço direito de Annibale Bugnini, que foi substituído por Mons. Guido Marini como Chefe de Cerimônias do Papa Ratzinger. E também: o Arcebispo Aurelio Sorrentino, que por dois anos foi o secretário da Congregação para o Culto Divino. Na época havia uma conversa sobre sua remoção e sua nomeação para Assis por causa de seu desacordo com a visão litúrgica de Bento XVI [nota do Fratres: em 2005, no Sínodo sobre a Eucaristia, quando circulavam fortes rumores sobre a liberação da Missa Tradicional, Sorrentino, então secretário da Congregação para o Culto Divino, divulgou uma nota aos participantes, dizendo que a Missa de São Pio V havia sido ab-rogada e, por isso, não podia ser celebrada livremente. A divulgação do panfleto causou sua remoção, sendo substituído pelo combativo Malcom Ranjith].

Com este expurgo extraordinário (remoção e substituição desta magnitude são uma exceção absoluta na prática do governo romano), o Cardeal Sarah parece ter ficado muito isolado, e não aparecem vozes que possam ser liturgicamente discordantes do politicamente correto dominante na liturgia. Depois de ter rido dos liturgistas com o primaz Welby, o Papa decidiu também fazer alguém chorar.

25 outubro, 2016

Padre Lodi divulga nota sobre condenação por STJ.

Por Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz – Nosso Bispo Diocesano, Dom João Wilk, estando com a saúde fragilizada, pediu-me que emitisse uma nota à imprensa acerca da minha condenação por danos morais que sofri pela 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, por ter impetrado um habeas corpus em favor de Geovana Gomes Leneu, uma criança deficiente, portadora da síndrome de “body stalk”, condenada ao aborto por uma sentença de um juiz da 1ª vara criminal de Goiânia.

Impetrei o habeas corpus em 11 de outubro de 2005, sem muita esperança de obter êxito, até mesmo porque quando se tem notícia de autorizações para abortamentos eugênicos, muitas vezes eles já ocorreram. Não me permitiram fotocopiar aos autos do processo, de modo que tive que escrever a peça do habeas corpus a mão, em uma folha avulsa. A suspeita de fracasso foi confirmada por uma notícia (que depois decobri ser falsa) publicada pelo jornal O Popular no dia 15 de outubro de 2005):

“O desembargador Aluísio Ataídes de Sousa, em decisão de gabinete, suspendeu ontem alvará judicial que autorizou aborto de feto com síndrome de Body Stalk, em gestante de 19 anos. A decisão, entretanto, perdeu objeto, pois o procedimento já foi realizado

sem2bt25c325adtulo-truecolor-01

Na verdade, a liminar chegou a tempo de salvar Geovana da morte. Ela estava para ser abortada no dia 14 de outubro de 2005, quando chegou ao hospital a decisão liminar do Desembargador Aluízo Ataíde de Souza sustando o aborto e cassando a sentença que o autorizara.

Os pais da criança voltaram a Morrinhos, sua cidade, sem que eu nada soubesse sobre o ocorrido, sempre acreditando na veracidade da notícia do Jornal O Popular.

Esse equívoco foi lamentável. Se eu soubesse que Geovana havia sobrevivido e que seus pais estavam em Morrinhos, sem dúvida eu teria ido visitá-los, acompanhá-los durante a gestação, oferecer-lhes assistência durante o parto (como fizemos com tantas outras gestantes) e, em se tratando de uma criança com risco de morte iminente, batizá-la logo após o nascimento. E se ela falecesse, para mim seria uma honra fazer suas cerimônias fúnebres acompanhando a família até o cemitério.

Quando eu soube de tudo, Geovana já havia nascido em 22 de outubro de 2015, vivido 1h45 e morrido sem que ninguém se lembrasse de batizá-la. De qualquer forma, ela recebeu um nome e foi sepultada, destino bem melhor que o de ser jogada fora e misturada ao lixo hospitalar.

Meu Bispo aprova minha atitude e lamenta a condenação do Superior Tribunal de Justiça. Qualquer cidadão pode e deve defender uma vida ameaçada de morte, usando para isso os meios legais e processuais a seu dispor, entre eles o habeas corpus. A condenação do impetrante de um habeas corpus por danos morais é teratológica, pois, se o Tribunal ou Desembargador concedeu a ordem, não foi por “obediência” ao cidadão, mas por verificar que, naquele caso, o juiz estava de fato agindo com ilegalidade e abuso de poder. Por que não processar por “danos morais” o Desembargador que expediu a liminar?

O pedido indenizatório, negado em primeiro e segundo grau, foi agora surpreendentemente acolhido no STJ. Em outra época, porém, essa Corte já se notabilizou pela defesa das crianças deficientes por nascer, ao cassar por unanimidade, uma decisão do TJRJ que autorizara um aborto de um bebê anencéfalo (HC 32152). A relatora do histórico acórdão foi a Ministra Laurita Vaz, que hoje preside o Superior Tribunal de Justiça.

Anápolis, 25 de outubro de 2016.

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz

Presidente do Pró-Vida de Anápolis

25 outubro, 2016

Sobre a condenação iníqua do Pe. Lodi.

Sobre a perversa condenação do valoroso combatente Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz.

O FratresInUnum.com gostaria de pedir encarecidamente que cada leitor faça uma doação, por menor que seja, ao Pro-Vida Anápolis, entidade mantida pelo pe. Lodi, a fim de alcançar o montante de R$ 60.000,00 [segundo o leitor Pedro Barreto, o valor atualizado pode chegar a mais de R$ 265 mil!] para pagamento da iníquia indenização.

Seja caridoso para com esse bom sacerdote que tanto bem faz ao nosso país, à Santa Igreja e aos indefesos nascituros.

* * *

Doações em dinheiro podem ser feitas “on line” através do PagSeguro, clicando aqui.

Ou através de depósito/transferência para a conta bancária:

Ag 0324-7 Conta Corrente 7070-X Banco do Brasil

Titular PRÓ-VIDA DE ANÁPOLIS

CNPJ 01.813.315/0001-10

Envie uma mensagem informando sua doação para fins de lançamento contábil: escritorioprovida@terra.com.br

* * *

Por Éverth Oliveira – OS PAIS DESCOBRIRAM que o filho era portador de uma síndrome rara, a qual, com certa probabilidade, inviabilizaria sua vida fora do útero materno. A família, então, pediu à Justiça (custa-me escrever essa palavra com maiúsculas em tais circunstâncias) que autorizasse o abortamento da criança. Aval concedido. E atenção, porque a lógica é aterrorizante: “A criança provavelmente vai morrer. Para que coisa tão terrível e cruel não aconteça, no entanto, façamos melhor: MATEMO-LA PRIMEIRO”. Lá estava, então, a criança, à beira da morte — morte prestes a ser provocada por um médico, com a anuência de seus pais e do Estado brasileiro.

Mas esse não é o fim da história porque, providencialmente, apareceu um cidadão — trajando, por acaso, uma batina preta — que conseguiu, graças a um instrumento chamado “habeas corpus”, impedir o assassinato do bebê em perigo. A lógica é a do bom senso, a da Constituição: todos têm… DIREITO À VIDA. Transtornos para os pais? Sim, pois a mãe tinha iniciado a dilatação para o procedimento abortivo; teve que voltar para casa; oito dias depois, talvez pelos próprios remédios que tinha ingerido, o bebê nasceu; logo depois, morreu. O filho, porém, apesar de todos os percalços, pelo menos não foi morto; faleceu naturalmente, em decorrência não de um assassinato, mas de um processo por que passam todos os seres humanos. Atenção mais uma vez, no entanto, porque não acabou. Os pais voltaram à Justiça. E para quê? Ora, para quê mais, não é, senão para pedir a condenação do “intrometido” do padre? Sim, porque… não é absurdo? O juiz já tinha autorizado o assassinato, os médicos estavam prontos para matar, a mulher pronta para ter o aborto… Como é que pode vir uma pessoa — quanto mais um padre — impedir que o Estado ou as famílias matem seus membros “inferiores” em paz? Onde está o tal “Estado laico”, não é? E os “direitos” da mulher, cadê? Esse, meus senhores, é em resumo o chilique das redes.

As minhas perguntas, no entanto, são poucas e bem simples: o que aconteceria se o bebê em questão, se o menino deficiente, que não iria sobreviver, enfim sobrevivesse? Como seria se ele estivesse vivo agora? Que atitude tomariam esses pais, face a essa nova situação? Pediriam indenização por danos morais também? E os ministros do Superior Tribunal de Justiça, por sua vez, que diriam? Condenariam o padre por ter salvo a vida da criança? Desculpem-me, meus senhores, mas ISSO NÃO É QUESTÃO DE RELIGIÃO. Que tal, se saíssemos por aí matando todas as pessoas que tivéssemos certeza que iriam morrer daqui 10 anos, 12 meses, 1 semana ou 1 dia…? Você, sendo católico, espírita, evangélico, ateu, budista ou o raio que o parta, que me diria? Que é legítimo, que “tá tranquilo, tá favorável”? Os homens definitivamente ENLOUQUECERAM. E agora, ainda por cima, querem que todo o mundo fique louco junto com eles.

21 outubro, 2016

Um Nobel da Paz infame.

Nobel da Paz dado a Juan Manuel Santos tenta prestigiar um acordo controverso, que os setores progressistas da Igreja apoiam, mas não conta o apoio da população colombiana.

Por Hermes Rodrigues Nery | FratresInUnum.com: Na sexta-feira, 7 de outubro de 2016, o Comitê Nobel da Noruega concedeu o Prêmio Nobel da Paz ao presidente colombiano Juan Manuel Santos, pelo seu acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), acordo este rechaçado pela população colombiana em plebiscito ocorrido dias antes, em 2 de outubro, mas apoiado pelo papa Francisco, “que teve um ‘papel significativo’ no acordo de paz.”1 No mesmo dia, um segundo raio caiu sobre a Basílica de São Pedro, do mesmo modo ao que outro raio havia caído no mesmo local, no dia da renúncia do papa Bento XVI.

juan-manuel-santosA Igreja Católica na Colômbia festejou o acordo de paz assinado em 27 de setembro, e parabenizou Santos. O Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Parolin, esteve presente na cerimônia de assinatura do acordo de paz, como também o núncio apostólico, Dom Ettore Balestrero, e o Presidente da Conferência Episcopal da Colômbia, Dom Luis Augusto Castro de Tunja. Com o acordo, as FARC obtiveram muitos benefícios, dentre eles, a anistia dos crimes cometidos por tantos guerrilheiros e a transição para a vida política legal, favorecendo-os para avançar o projeto de poder do Foro de São Paulo na América Latina.

O acordo foi estrategicamente importante para os objetivos do Foro de São Paulo, no afã de consolidar o projeto de poder da Pátria Grande socialista, a tão sonhada integração latino-americana desejada por Fidel Castro, e os governantes e intelectuais de esquerda. O acordo de paz foi forjado pelos irmãos Castro, em Cuba, pronto para ser executado desde fevereiro de 2012, com anuência de Santos, e todas as forças do internacionalismo de esquerda. No dia 23 de agosto daquele ano o governo colombiano afirmou que faria de tudo para obter o acordo de paz com as FARC.

Dez anos antes, o sentimento do episcopado colombiano em relação às FARC não era o mesmo. Já não se ouviam mais vozes corajosas como a do arcebispo Isaías Duarte Cancinona, assassinado em Cali, em 2002, dentre tantos outros clérigos mortos pelo guerrilheiros das FARC.  Duarte “criticou o então presidente, Andrés Pastrana, por suas tentativas de dialogar com as FARC, alegando que negociar com a principal guerrilha do país era absurdo já que a organização se recusava a cessar fogo durante as conversações.”2 É certo que muitos queriam por termo às guerrilhas e chegar a um acordo de paz (inclusive a Igreja), mas não um acordo de paz forjado pelos cubanos (também em sintonia de Juan Manuel Santos e Hugo Chavez) e fosse condescendente com os guerrilheiros, o ferecendo inclusive vantagens que o favorecessem a não apenas se manterem com poder, mas ampliá-lo. Mas dez anos depois do assassinato de Duarte, o episcopado colombiano parece ter capitulado ao acordo de paz imposto pelos irmãos Castro e o Foro de São Paulo, como lembrou Graça Salgueiro3, o art. 32 da “Declaração de Caracas”, da Resolução Final do XVIII Encontro do Foro de São Paulo:

“El Foro de Sao Paulo expresa su apoyo al proceso de paz en Colombia, donde sigue vigente la lucha por una solución política al conflicto armado, la paz con justicia social y por un nuevo modelo económico y social que garantice los derechos humanos y la protección de la naturaleza, y decide conformar una comisión representativa de los movimientos y partidos políticos del Foro de Sao Paulo, que de común acuerdo con los partidos y movimientos colombianos, visite al país y proponga una agenda de estudio, de contactos y apoyo para los propósitos unitarios.”4

E também ressaltou Graça Salgueiro que:

“…com a aprovação da lei “Marco Legal para a Paz”, conhecida como ‘lei da impunidade’, os terroristas das FARC não têm mais com o que se preocupar em sua sanha assassina, que tem o total apoio do FSP. Não custa lembrar que em 2008 o próprio Lula advogou para que as FARC viessem a se tornar um partido político legalizado, e essa lei vem para provar isto. Segundo um documento elaborado pela Universidade Sergio Arboleda, as FARC voltaram a dominar 50 novos municípios de onde já haviam sido expulsas pela Força Pública em anos anteriores (no governo de Uribe), sendo 155 localidades afetadas pela violência terrorista. Hoje, o Cauca já é conh ecido como o “novo Caguán”, onde comunidades inteiras estão sendo expulsas pelas FARC, que participaram legalmente do último encontro do FSP e falavam cinicamente de “propostas de paz.”5

E ainda em 2012, explicou que:

“É imperioso se observar que são as FARC quem estão determinando TUDO acerca desse “acordo de paz” que será feito em Cuba, tendo como “garantidores” a Venezuela de Chávez e os Castro, de que tudo o que for acordado será rigorosamente cumprido”. [http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13363-farc-os-novos-qdonosq-da-colombia.html  O fato é que o acordo, efusivamente aprovado pela Igreja Católica na Colômbia, e rechaçado pelo povo colombiano, favorece os que cometeram crimes no passado recente e não foram punidos, e cria condições políticas para um projeto de poder contrário aos princípios e valores cristãos, como salientou Salgueiro, em 2012:  “Só quem está aprovando são aqueles que se beneficiarão com a impunidade, ou seja, as FARC e seus seguidores como os tais ‘Colombianos pela Paz’, ONG criada pela porta-voz das FARC ‘Teodora de Bolívar’, os políticos ‘ex’ terroristas, os ‘padres’ comunistas e a Justiça a serviço dos terroristas de todos os matizes.”6

E finalmente, quando ainda começavam as negociações do acordo de paz, já se sabia que Santos fez tudo o que fez também pelo afã do Nobel da Paz: “É estarrecedor o que Santos está tramando contra seu próprio povo, apenas para satisfazer sua vaidade pessoal desmedida e doentia de reeleição ou Prêmio Nobel da Paz, sem levar em consideração que deu às FARC um status de Estado dentro do próprio Estado Colombiano, uma vez que as reconhece como um ‘interlocutor’ legítimo com o qual se possa negociar. Isto é crime de lesa-pátria e é como traidor que ele será lembrado pela história!”7

Diante de tudo isso, o presidente da Conferência Episcopal Colombiana afirmou estar “muito feliz”8 com o Nobel da Paz, “como estão felizes todos os colombianos”. O que não é verdade, porque o povo colombiano rechaçou o acordo de paz no plebiscito de 2 de outubro.

Hermes Rodrigues Nery é Coordenador do Movimento Legislação e Vida. 

Notas: 

  1. http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2016/08/31/papa-francisco-elogia-acordo-de-paz-com-as-farc-na-colombia.htm
  2. https://dialogo-americas.com/pt/articles/lider-das-farc-condenado-pelo-assassinato-de-arcebispo
  3. http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13237-santos-as-farc-e-o-foro-de-sao-paulo.html
  4. http://forodesaopaulo.org/xviii-encuentro-del-foro-de-sao-paulo-declaracion-de-caracas/
  5. http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13237-santos-as-farc-e-o-foro-de-sao-paulo.html
  6. http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/13377-as-farc-ja-mandam-na-colombia.html
  7. Ibidem.
  8. http://www.agencia.ecclesia.pt/noticias/internacional/nobel-da-paz-igreja-catolica-na-colombia-felicita-presidente-do-pais-pela-distincao/
  9. Ibibem.

 

11 outubro, 2016

Da invasão migratória à guerra civil.

Por Roberto de Mattei, Corrispondenza Romana, 05-10-2016 | Tradução: FratresInUnum.comAté os mais relutantes começam agora a abrir os olhos. Existe um plano organizado para desestabilizar a Europa por meio da invasão migratória. Este projeto vem de longe. No fim dos anos noventa, no livro 1900 a 2000. Dois sonhos se sucedem: a construção, a destruição (Fiducia, Roma 1990), descrevi-o através das palavras de alguns de seus “apóstolos”, como o escritor Umberto Eco e o cardeal Carlo Maria Martini.

Eco escrevia: “Hoje na Europa não estamos diante de um fenômeno de imigração. Encontramo-nos diante de um fenômeno migratório (…) e, como todas as grandes migrações, terá como resultado final uma reorganização étnica da terra de destino, uma mudança inexorável dos costumes, uma incontenível hibridação que mudará estatisticamente a cor da pele, do cabelo, dos olhos das pessoas”. O cardeal Martini, por sua vez, julgava necessária “uma escolha profética” para se compreender que “o processo migratório em curso, do Sul cada vez mais pobre para o Norte cada vez mais rico, é uma grande oportunidade ética e civil para uma renovação, para inverter a rota da decadência do consumismo em curso na Europa Ocidental”.

Nessa perspectiva de “destruição criativa”, comentou ele, “não seriam os imigrantes que deveriam integrar-se na na civilização europeia, mas seria ao contrário, a Europa que deveria desintegrar-se e regenerar-se graças à influência das etnias que a ocupam (… ) É o sonho de uma desordem criativa, de um choque semelhante àquele que deu nova vida ao Ocidente na época das invasões bárbaras, para gerar a sociedade multicultural do futuro”.

O plano era – e continua sendo – de destruir os Estados nacionais e suas raízes cristãs, não para construir um super-Estado, mas para criar um não-Estado, um horrível vácuo, no qual tudo aquilo que ainda tem a aparência de verdade, de bom, de justo, seja tragado no abismo do caos. A pós-modernidade é esta: não um projeto de “construção”, como tinha sido o pseudo-civilização nascida do Humanismo e do Iluminismo, e que resultou na totalitarismo do século XX, mas uma utopia nova e diferente: a da desconstrução e tribalização da Europa. O fim do processo revolucionário que durante muitos séculos atacou a nossa civilização é o niilismo; o “nada estruturado”, segundo uma feliz expressão de Mons. Jean-Joseph Gaume (1802-1879).

Os anos se passaram e a utopia do caos se transformou no pesadelo que estamos vivendo. O projeto de desintegração da Europa descrito por Alberto Carosa e Guido Vignelli em seu documentado estudo A  invasão silenciosa. O “imigracionismo”: benefício ou conspiração? (Roma 2002) tornou-se um fenômeno de época. Quem denunciava esse projeto era chamado de “profeta de desgraça”. Hoje ouvimos dizer que se trata de um processo incontenível, que deve ser “governado”, mas não pode ser freado. O mesmo foi dito do comunismo nos anos setenta e oitenta do século passado, até que veio a queda do Muro de Berlim, para mostrar que nada é irreversível na História, exceto, talvez, a cegueira dos “idiotas úteis”. Entre esses idiotas úteis devem certamente ser contados os prefeitos de Nova York, Paris e Londres, respectivamente Bill de Blasio, Anne Hidalgo e Sadiq Khan, que em 20 de setembro, por ocasião da Assembleia Geral das Nações Unidas, em uma carta ao The New York Times intitulada Our immigrants, our strenght (Nossos imigrantes, nossa força), lançaram um apelo “para se tomarem medidas visando garantir assistência e abrigo seguro aos refugiados que fogem dos conflitos e aos migrantes em fuga da miséria”.

As centenas de milhares de imigrantes que chegam em nossas costas não fogem nem do conflito, nem da miséria. São jovens com ótima saúde, aparência bem cuidada, sem sinal de lesão ou desnutrição, como acontece com aqueles que vêm de zonas de guerra ou de fome. O coordenador antiterrorismo da União Europeia, Gilles de Kerchove, falando em 26 de setembro no Parlamento Europeu, denunciou a infiltração maciça do ISIS entre esses imigrantes. Pior ainda do que se entre eles os terroristas fossem apenas uma pequena minoria, todos os imigrantes ilegais que desembarcam na Europa são portadores de uma cultura antitética à cristã e ocidental. Eles não querem integrar-se na Europa, mas dominá-la, se não com armas, através do ventre de suas mulheres e das nossas. Onde esses grupos de jovens muçulmanos do sexo masculino se estabelecem, as mulheres europeias engravidam, formam-se novas famílias “mistas” submetidas à lei do Alcorão que exigem do Estado mesquitas e subvenção econômica. Isso é feito com o apoio dos prefeitos, das prefeituras e das paróquias católicas.

A reação da população é inevitável, e em países com alta taxa de imigração,  como a França e a Alemanha, está se tornando explosiva. “Estamos à beira de uma guerra civil”, disse Patrick Calvar, chefe da DGSI, a Direção-Geral da Segurança Interna francesa, diante de uma comissão parlamentar (Le Figaro, 22 de junho de 2016). O governo alemão, por sua vez, elaborou um “plano de defesa civil” de 69 páginas, no qual se convida a população a fazer estoque de comida e de água, e “preparar-se adequadamente para um evento que poderá ameaçar a nossa existência” (Reuters, 21 de agosto de 2016).

Quem são os responsáveis por essa situação? Devemos olhar para eles em diversos níveis. Há naturalmente a classe dirigente pós-comunista e de Maio de 1968, que assumiu as rédeas da política europeia; há intelectuais que elaboraram teorias deformadas no campo da física, da biologia, da sociologia, da política; há certos lobbies, a maçonaria, os potentados financeiros, que agem ora na escuridão, ora em plena luz do dia. E é conhecido, por exemplo, o papel do financista George Soros e de sua fundação internacional Open Society. Após um ataque de hackers, mais de 2.500 e-mails foram roubados do servidor do magnata americano-húngaro e publicados na internet, através do portal DC Leaks. A correspondência privada substraída a Soros revela o seu financiamento de atividades subversivas em todos os campos, da agenda LGBT aos movimentos pró-imigração. Com base nesses documentos, Elizabeth Yore, em uma série de artigos em The Remnant, mostrou o apoio de Soros, direto e indireto, também ao Papa Bergoglio e a alguns de seus colaboradores mais próximos, como o cardeal Oscar Andres Rodríguez Maradiaga e o arcebispo Marcelo Sánchez Sorondo.

Entre George Soros e o Papa Francisco aparece uma convergência estratégica objetiva. A política do acolhimento, apresentada como a “religião das pontes”, em oposição à “religião dos muros”, tornou-se o lema do pontificado de Francisco, a ponto de alguém se perguntar se a sua eleição não foi favorecida com o objetivo de oferecer aos arquitetos da invasão migratória o “endosso” moral de que necessitam. O certo é que hoje a confusão na Igreja e na sociedade avançam lado a lado. O caos político prepara a guerra civil, o caos religioso abre caminho aos cismas, que são uma espécie de guerra civil religiosa.

O Espírito Santo, cujas inspirações os cardeais nem sempre seguem no conclave, não deixa entretanto de agir e hoje alimenta o sensus fidei daqueles que se opõem aos projetos de demolição da Igreja e da sociedade. A Divina Providência não os abandonará.