Archive for ‘FSSPX’

25 março, 2021

“Somos todos filhinhos Dele”.

Aos 30 anos da morte de Dom Marcel Lefebvre, como nossa singela homenagem, reapresentamos a nossos leitores um post publicado por nós há exatos dez anos: os últimos instantes deste heróico arcebispo, a quem a Igreja tanto deve neste sombrio momento em que vivemos.

Obrigado, Monsenhor!

* * *

Tempo da paixão

Tomando conhecimento da morte de sua irmã mais velha, Jeanne, Dom Lefebvre decidiu não ir ao seu funeral [ndr: por conta de seus problemas de saúde]: “Rezo todo dia para que eu possa morrer antes de perder minha consciência. Prefiro partir, pois se caísse em contradição, diriam: ‘Aí está; ele disse que errou!’ E eles tirariam vantagem disso”.Muitas vezes o Arcebispo mencionava a morte suave de sua irmã mais velha, chamada de volta à casa por Deus quando acabara de ir tirar um cochilo; ele gostaria de ter falecido assim, embora com a Extrema Unção. Mas Deus pediria ao padre e bispo Marcel Lefebvre que tomasse parte em Seus sofrimentos redentores.

Em 7 de março de 1991, festa de Santo Tomás de Aquino, o Arcebispo deu a seus amigos e benfeitores de Valais a tradicional conferência. Cheio de fé e eloqüência, concluiu com estas palavras: “Nós as teremos!”. E no dia seguinte, às 11 da manhã, celebrou o que seria sua última Missa na terra. Mas tamanhas eram sua dor de estomago e fadiga que realmente pensou que não poderia terminá-la. Apesar disso, partiu de carro para Paris, a fim de assistir ao encontro dos fundadores religiosos nos “Círculos da Tradição”:  “É algo muito importante”, disse, “e está dentro do meu coração”.

Hospitalização, operação

Ele sequer passou de Bourg-en-Bresse; por volta das 4 da manhã, acordou seu motorista, Rémy Bourgeat: “Não estou bem”, disse, “vamos voltar para a Suíça”. E a seu pedido, ingressou no hospital em emergência na manhã de 9 de março. O direitor do hospital em Martigny, Sr. Jo Grenon, era um amigo de Ecône. O Arcebispo foi acolhido na ala operatória no quarto 213. Atrás das montanhas que cercam a cidade estava Forclaz, e França, e não muito distante o Grande Passo de São Bernardo, Itália, e Roma.

O Arcebispo estava confiante, mas sofria: “É como um fogo queimando meu estômago e subindo até meu peito”.

Padre Simoulin deu-lhe a Sagrada Comunhão, que receberia até a sua operação: Ele o agradeceu: “Fiz o senhor perder as vésperas… mas o senhor fez uma obra de caridade. Trouxe para mim o melhor Médico. Nenhum deles pode me dar mais do que o senhor deu”.

Admirava o Crucifixo, que fora trazido para o altar temporário em seu quarto: “Ele ajuda a suportar os sofrimentos”.

Analgésicos ajudavam a diminuir seus sofrimentos e era alimentado intravenosamente. Brincava, dizendo às enfermeiras: “Vocês fizeram um bom negócio comigo: estou pagando integralmente e vocês sequer estão me alimentando!”

Além do mais, era muito paciente e os médicos tiveram que repreendê-lo para que falasse sobre suas dores. As enfermeiras acharam-no muito gentil e excepcionalmente discreto: nunca usara o sino para pedir atenção. Não queria incomodar os outros. Estava um pouco preocupado com as conseqüências de uma cirurgia, mas ao mesmo tempo resignado e confiante. Disse por diversas vezes: “Terminei meu trabalho e não posso fazer mais. Não me resta senão rezar e sofrer”.

Na segunda-feira, 11 de março, sentiu um calafrio subindo suas pernas e pediu a Extrema-Unção, que recebeu com grande recolhimento e simplicidade, mantendo seus olhos fechados e respondendo ao sacerdote de maneira muito clara. Em seguida, pediu a benção apostólica in articulo mortis (na hora da morte) e então abriu seus olhos tranquilos, sorriu, agradeceu ao sacerdote e acrescentou: “Quanto às orações pelos moribundos, podemos esperar um pouco mais”.

Melhorara um pouco, mas ainda não havia começado a rezar novamente seu breviário. “Então rezo algumas orações simples. Não sirvo para mais nada. Nada mal”.

Ele já havia passado por numerosos exames quando na quinta-feira, 14 de março, os médicos decidiram dar-lhe uma refeição que apreciasse e que lhe desse alguma resistência. Mas ele não a comeu, a fim de que pudesse receber a Sagrada Comunhão… o Padre estava com pressa. Na mesmo dia, um dos médicos disse ao Padre Denis Puga: “Padre, devo lhe dizer algo. Passei o dia com o Arcebispo por causa dos exames. Ele é um homem extraordinário, e sinceramente é um prazer estar com ele. Que bondade! É possível ver a bondade divina em sua face. O senhor realmente é privilegiado por estar tão próximo dele. As pessoas não percebem quando o vêem nos jornais. Pedi ao Arcebispo que rezasse por mim”.

Esse médico não era católico. Na sexta-feira, 15 de março, Dom Lefebvre foi levado a Monthey para ser examinado por um tomógrafo. Voltou ao hospital onde seus padres o encontraram com certa dificuldade por causa do intravenoso, que estava lhe causando inchaço:

“Suas veias estão muito difíceis”, disse-lhe o Padre Simoulin.

“Não, muito pelo contrário, parece que elas estão bem e miúdas. Que tal… para um bispo de ferro!”

No sábado, dia 16, Sitientes, as ordenações ao subdiaconato ocorreram em Ecône. “Estava unido em oração com a ordenação”, disse o Arcebispo ao Padre Puga.

“É a primeira ordenação, e ela não teria ocorrido se o senhor não nos tivesse dado bispos”.

“Sim, de fato aquele ano de 1988 foi uma grande graça, uma benção do Senhor, uma verdadeiro milagre. Esta é a primeira vez que fiquei seriamente doente em que também fiquei perfeitamente em paz. Devo admitir… desculpe… mas antes, quando eu ficava doente, estava sempre preocupado pelo fato da Fraternidade ainda precisar de mim e de que ninguém poderia fazer o meu trabalho. Agora estou em paz, tudo está pronto e caminhando bem”.

No domingo, dia 17, Domingo da Paixão, após receber a Sagrada Comunhão, ele explicou que seria operado nos próximos dias e advertia: “Que o Senhor me leve, se quiser”.

Assim, a cirurgia ocorreu na segunda-feira da Semana da Paixão: “Quando o médico me pediu para contar até dez enquanto eu adormecia, fiz um grande sinal da Cruz… e então… não havia mais nada. Depois acordei e perguntei: “Então a cirurgia não está indo adiante?”

“Mas Sr. Lefebvre [sic], já acabou”, responderam.

Este foi o relato que o Arcebispo fez de sua cirurgia. O cirurgião removeu um grande tumor, do tamanho de mais ou menos três toranjas. Aconteceu de ser canceroso, mas nada foi dito ao paciente. Estava exausto pela cirurgia, mas sorriu por detrás de sua máscara de oxigênio e do tubo estomacal. Na noite da quarta-feira, ficou ansioso; seus membros estavam terrivelmente inchados e tinha dores nas costas e de cabeça. Disse: “É o fim, tenho uma terrível dor de cabeça. O bom Deus deve vir e me levar. Quero realmente morrer com um pouco dos meus padres ao meu redor para rezarem a oração pelos agonizantes. Eles não podem me negar isso”.

Pensava que seus padres estavam sendo impedidos de vê-lo e a chegada de Padre Puga, na manhã da quinta-feira, o acalmou. Ficou novamente otimista e muito mais alegre. No Sábado da Semana da Paixão, Dom Lefebvre falou sobre os procedimentos humilhantes e dolorosos que tivera de sofrer, e disse que o menor dos esforços o exauria. Suas mãos estavam inchadas.

“Estamos no tempo da Paixão”, disse o Padre Simoulin.

O Arcebispo fechou seus olhos e repetiu: “Sim, é a paixão!”. Ele não podia receber a Comunhão: “Sinto falta… preciso dela… ela me dá força”, disse tristemente.

Na noite do mesmo dia, Padre Puga o contou sobre algumas observações do Cardeal Gagnon na 30 Giorni, no sentido de que não encontrara nenhum erro doutrinal em Ecône. O Arcebispo encolheu os ombros: “Um dia a verdade virá. Não sei quando, mas o bom Deus o sabe. Mas virá”.

Morte dolorosa

Ao final, o Arcebispo não tinha a menor dúvida de que fizera a coisa certa. Como veremos, seu fim foi, assim como sua vida, centrado e fortalecido por uma fé que era simples, discreta e modesta. Parece não ter havido mensagens espirituais ou novissima verba – “últimas palavras”. Fez algumas poucas observações que eram aparentemente comuns ou “mesmo travessas, embora não maliciosas”, cuja importância apenas seriam visíveis posteriormente, especialmente com relação àqueles que pouco ou nada conheciam Dom Lefebvre e que não poderiam imaginar como ele morreu, já que não viram como ele viveu.

No Domingo, 24 de março, o primeiro dia da Semana Santa, as condições do paciente repentinamente pioraram. Na sexta-feira, pediu por seu relógio e aparelho auditivo (prova de que estava se sentindo melhor) e no sábado pensaram em transferi-lo de volta para seu quarto no dia seguinte. Mas no domingo, a esperança deu lugar à preocupação: o Arcebispo tinha uma temperatura muito alta e o cardiologista decidiu mantê-lo na unidade de tratamento intensivo. Estava agitado e sentia dores, e falava incessantemente, mas por conta da máscara de oxigênio havia dificuldade para compreendê-lo. Todavia, Jo Grenon decifrou: “Somos todos filhinhos Dele”. Quando Grenon o deixou, o Arcebispo sorriu e estendeu sua mão para dizer adeus.

Quando o Padre Simoulin disse a ele que seu irmão Michel Lefebvre viera, sorriu o máximo que pôde e a alegria brilhou em sua face. Por volta das 7 da noite, o reitor de Ecône retornou ao hospital, mas assim que entrou na unidade de tratamento intensivo, ouviu o assustador som do forte gemido que podia ser ouvido acima dos barulhos vindos do equipamento ao lado; ele aumentava ainda mais por causa da máscara de oxigênio. O Arcebispo estava absolutamente exausto e não podia falar, mas compreendia tudo que o padre lhe disse: “Excelência, o retiro que o senhor estaria pregando para nós… está sendo pregado de uma maneira que não prevíamos!”. O Arcebispo sorriu. “Alguns dos fiéis de Valais, incluindo os motoristas [ndr: amigos pessoais de Dom Lefebvre], estão seguindo o retiro conosco”. E o Arcebispo sorriu novamente.

Então o padre notou o Crucifixo do cubículo e fez uma observação, enaltecendo o hospital e seu bom diretor, que colocava todo paciente sob o olhar do Redentor. Muito lentamente o Arcebispo moveu sua cabeça à esquerda, para olhar na direção em que o Padre apontara, e então suavemente fechou os olhos.

Um sorriso… um olhar para o Crucificado… estas foram as últimas palavras de Dom Lefebvre. Um sorriso… para dizer obrigado, para acalmar, para encorajar os outros a terem a mesma serenidade, um sorriso de caridade e atenção aos outros, no esquecimento de si mesmo. Um olhar em direção ao Crucifixo, o último gesto consciente que seus filhos viram-no fazer: o olhar adorador do contemplativo e do sacerdote.

Por volta das 11:30 da noite, o hospital ligou para Ecône: Dom Lefebvre acabara de sofrer uma parada cardíaca e estava em processo de ressuscitação. Os Padres Simoulin e Laroche encontraram o Arcebispo respirando com grande dificuldade: seus olhos estavam fixos e vidrados. Fora-lhe administrada uma massagem cardíaca e devia ter sofrido uma embolia pulmonar.

Enquanto o Padre Laroche retornava ao seminário para acordar a comunidade e levá-la para rezar na capela, Padre Simoulin permanecia com o Arcebispo, que dolorosamente tentava respirar; era como a agonia do Crucificado. Com o passar do tempo, seu rosto ficava mais revestido de dor enquanto as medições nos monitores diminuíam pouco a pouco.

Por volta das 2:30 da madrugada, seu declínio se acelerou e sua respiração diminuiu, ao passo em que a dor ainda traçava uma marca em sua fronte. Pouco a pouco tudo se acalmava. Em torno das 3:15 da madrugada, o padre disse à enfermeira: “Sua alma está apenas esperando por uma coisa: deixar seu corpo que sofre e estar com Deus”;

“Acho que a alma está deixando agora”, disse a enfermeira, saindo depois.

Padre Simoulin começou então as orações pelos agonizantes. “Exatamente no momento em que eu terminara”, disse, “era por volta das 3:20 da manhã, e o Superior Geral, Padre Schmidberger, entrou na unidade de tratamento intensivo. O monitor do pulso caiu até ‘00’, mas ainda se podia ouvir a respiração: era o Arcebispo ou a máquina? Ofereci o ritual ao Padre Schmidberger, que recomeçou as orações in expiratione”.

Alguns últimos surtos de dor relampejaram do rosto do Arcebispo e então, por volta das 3:25 da madrugada, os sofrimentos cessaram completamente e ele retornara à paz novamente. O Superior Geral então fechou os olhos do amado pai.

Era uma segunda-feira da Semana Santa, 25 de março, festa da Anunciação da Santíssima Virgem Maria, o dia em que o Céu sorriu para a Terra e quando a esperança renasceu nas almas: o dia da Encarnação do Filho de Deus e da ordenação sacerdotal de Jesus Cristo como Sumo Sacerdote. Neste dia, a alma de Marcel Lefebvre foi julgada…

Em Lille, quinze anos antes, ele disse: “Quando eu estiver diante de meu Juiz, não quero ouvi-lo dizer a mim: ‘Vós também, vós deixastes a Igreja ser destruída’”.

Então, naquele 25 de março de 1991, quando Deus o perguntou o que fizera com a graça de seu sacerdócio e episcopado, o que, de fato, poderia ele ter respondido, esse velho soldado da Fé, esse bispo que restaurou o sacerdócio Católico?

“Senhor, vede, eu transmiti tudo o que podia ter transmitido: a Fé Católica, o sacerdócio Católico e também o episcopado Católico; Vós me destes tudo isso e tudo isso transmiti para que a Igreja pudesse continuar”.

"Transmiti o que recebi".

“Transmiti o que recebi”.

“Vosso grande Apóstolo disse, ‘Tradidi quod et accepi’ e como ele eu quis dizer: ‘Tradidi quod et accepi’, transmiti o que recebi. Tudo que recebi, transmiti”.

Ninguém tem maior amor

Os restos mortais do fiel lutador foram solenemente trazidos de volta para Ecône. Em vestes pontificais, ficaram velados na capela de Notre Dame des Champs. A multidão formou fila por toda a semana; até o Núncio e Dom Schwery, bispo de Sion, vieram e abençoaram o corpo daquele que o Papa declarou excomungado. O corpo foi assistido dia e noite, da segunda  [dia 25 de março] até a terça-feira da Páscoa [2 de abril]. O Arcebispo recebeu uma benção final na manhã de 2 de abril, e então o caixão foi fechado. Uma placa foi afixada sobre o mesmo, ornado com as armas do Arcebispo e as palavras que ele pediu que se gravasse: Tradidi quod et accepi.

Lentamente o Arcebispo foi carregado sobre os ombros de seus padres e passou pela multidão de vinte mil fiéis que se reuniram para o funeral. Foi levado pelo campo de Ecône no qual ele muitas vezes transmitiu a graça do sacerdócio. Então chegou à “basílica-tenda”, no fundo do campo, onde ocorreriam a Missa e as Absolvições Pontificais. O clima estava frio e nublado; o sol apenas brilhava no lado oposto do vale. De repente, no meio da cerimônia, ele lançou suas luzes na imensa multidão de amigos da Fraternidade São Pio X. O calor se espalhou. Então, quando o corpo foi levado de volta pelo campo, debaixo do céu azul, a seu lugar de descanso em Ecône, vinte mil almas sentiram em seus corações que ali a vida estava passando e continuando. Este também era o sentimento nos corações de seus filhos no sacerdócio, cada um deles segurando uma pequena vela acesa na ofuscante luz refletida nas rochas atrás de Ecône. A Tradição estava viva.

No livro de condolências, um dos “soldados católicos” que seguiu a Tradição da Igreja graças a Dom Lefebvre, escreveu estas breves linhas: “Obrigado por intervir, por salvar o sacerdócio, por ter sido o nosso porta-bandeira, por ter se oferecido em holocausto para salvar o seu povo”.

Sim, ele amou a Igreja com todo o seu coração até os próprios limites do amor: in finem dilexit. Não teria ele mostrado o maior amor possível? Ele amou mais do que muitos, esse homem que até o último instante “acreditou na caridade que Deus tem por nós”.

Marcel Lefebvre, The Biography – Dom Bernard Tissier de Mallerais, 608-614, Angelus Press, 2004 – Tradução: Fratres in Unum.com

12 julho, 2018

Como a imprensa católica ‘mainstream’ recebeu a eleição do novo superior da FSSPX.

Assim o representante maior da imprensa católica alinhada ao establishment (isto é, que se inclina ao vento do momento; conservador com Ratzinger, progressista com Francisco), Andrea Tornielli, interpreta a eleição de Padre Davide Pagliarani como novo superior da FSSPX:

A nomeação de Pagliarini [sic] é surpreendente porque até hoje nunca tinha emergido como uma figura proeminente e também porque o percentual de italianos na Sociedade de São Pio X é muito baixa. Próximo de De Gallareta, foi provavelmente escolhido graças ao apoio deste último. E se for confirmada a designação do próprio De Gallareta como assistente [ndr: o que já aconteceu], o vínculo e a dependência serão ainda mais fortes e mais evidentes.

generalrat

Os novos superiores eleitos pelo capítulo geral da FSSPX – da esquerda para a direita: Dom Alfonso de Galarreta, primeiro assistente; Padre Davide Pagliarani, superior geral; Padre Christian Bouchacourt, segundo assistente.

De Gallareta nos últimos anos, desde que começou o longo e árduo caminho do diálogo com a Santa Sé, sempre representou uma linha mais intransigente, menos propensa ao acordo com Roma. Será preciso aguardar as declarações oficiais para verificar qual será a atitude da nova liderança lefebvriana, mas já se pode supor um resfriamento dos contatos para chegar a resolver a posição irregular dos bispos e dos padres da Fraternidade.

A possível eleição como assistente de Dom Bouchacourt, figura mais conhecida e em evidência, inclusive representaria um sinal: ele também não deve ser incluído na corrente mais aberta ao diálogo da Fraternidade, embora em 2017 tenha reagido de maneira muito dura nos confrontos de alguns padres lefebvrianos na França, que se recusavam a aceitar a decisão de Francisco de regularizar – para o bem dos fiéis tradicionalistas – os casamentos celebrados pelos padres da Fraternidade. Bouchacourt conhece bastante bem o Papa Bergoglio, por ter sido por muito tempo superior na Argentina e por ter tido várias conversas com o então cardeal arcebispo de Buenos Aires.

Em uma entrevista, há sete anos, Dom Pagliarini dizia: “A situação canônica em que atualmente se encontra a fraternidade é consequência da sua resistência aos erros que infestam a Igreja; portanto, a possibilidade da Fraternidade de chegar a uma situação canônica regular não depende de nós, mas da aceitação por parte da hierarquia da contribuição que a Tradição pode fornecer para a restauração da Igreja. Se não chegar a nenhuma regularização canônica, simplesmente significa que a hierarquia ainda não está suficientemente convencida da necessidade e da urgência dessa contribuição. Neste caso, será preciso aguardar mais alguns anos, esperando um aumento de tal consciência, o que poderia ser co-extensivo e paralelo à aceleração do processo de autodestruição da Igreja”.

Era 2011, o Papa era Bento XVI, que havia retirado a excomunhão e permitido a missa pré-conciliar duas condições prévias para o diálogo, insistentemente solicitadas pelos lefebvrianos. Apesar disso, desde então, os encontros continuaram sem chegar (ainda) a nenhum resultado.

 

Tags:
11 julho, 2018

Padre Davide Pagliarani, novo Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X.

pagliaraniO italiano padre Davide Pagliarani, de 47 anos, foi eleito hoje o novo Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, por um mandato de 12 anos. Padre Pagliarani substitui Dom Bernard Fellay, superior desde 1994.

Vale a pena a leitura dos posts dos arquivos do Fratres em que o novo superior é mencionado.

6 julho, 2018

Fraternidade São Pio X, há 30 anos da ruptura com Roma. Entrevista com Bernard Fellay.

IHU – No dia 29 de junho, completaram-se 30 anos desde que a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, fundada em 1970 pelo arcebispo Marcel Lefebvre, separou-se de Roma.

A reportagem é de Regina Einig, publicada em Tagespost e republicada em Settimana News, 01-07-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

0760d-mgr_fellay_itv_1_bisDe acordo com os dados fornecidos pela própria fraternidade (em 1º de janeiro de 2018), hoje ela está assim constituída:

– 1 casa generalícia;
– 6 seminários;
– 6 casas de formação;
– 14 distritos;
– 4 casas autônomas;
– 167 priorados;
– 772 igrejas, capelas e centros de missa;
– 2 institutos universitários;
– mais de 100 escolas;
– 7 casas de repouso;
– 4 (-1) bispos;
– 637 sacerdotes;
– 204 seminaristas;
– 56 pré-seminaristas;
– 123 frades;
– 195 freiras;
– 79 oblatos;
– 4 carmelitas;
– 19 irmãs missionárias no Quênia.

Fraternidade está presente em 37 países e atende a 35 outros, desempenhando seu apostolado, no total, em 72 países ao redor do mundo. Inúmeras ordens de rito latino e de rito oriental estão conectadas a ela.

Desde 1994, quem está à frente da Fraternidade é Dom Bernard Fellay, que espera poder chegar a uma reconciliação com Roma. Mas com quais condições?

Sobre essa questão e sobre os fatos dos 30 anos de separação, o jornal semanal católico alemão Tagespost, na quinta-feira passada, 28 de junho, publicou a seguinte entrevista.

Eis a entrevista.

Excelência Dom Fellay, como o senhor entendeu, há 30 anos, a consagração episcopal? Para o senhor, foi uma separação definitiva por parte da Fraternidade São Pio X em relação a Roma, ou uma etapa intermediária do conflito em vista de uma reconciliação?

Se tivesse se tratado de uma separação de Roma, eu não estaria aqui hoje. O arcebispo (Lefebvre) não teria me consagrado por essa razão, e eu também a teria rejeitado. De fato, não se tratava de uma separação da Igreja, mas sim de um afastamento do espírito moderno, dos frutos do Concílio. Agora, também há outros que admitem que se tratou de algo que se desenvolveu de maneira equivocada. Muitas considerações e muitos aspectos que combatemos no passado e que combatemos hoje também são confirmados por outros atualmente. Nunca dissemos que o Concílio afirmou diretamente heresias. Mas sim que foi removido o muro de defesa contra o erro, e, desse modo, permitiu-se que ele entrasse. Os fiéis precisam de proteção. Nisso consiste a luta constante da Igreja para defender a fé.

Mas nem todos aqueles que criticam o “Concílio das mídias”, incluindo o Papa Emérito Bento XVI, pensam em um conflito até a excomunhão. Por que vocês não fortaleceram as fileiras daqueles que são fiéis à tradição na Igreja e combatem pela verdade em união com Roma?

Isso se deveu em parte à história da França. A partir da Revolução Francesa, uma boa parte dos católicos franceses combate contra o erro do liberalismo. Por isso, aqui, os acontecimentos, durante e após o Concílio, foram percebidos de maneira muito mais sensível e atenta do que na Alemanha. Não se tratava de erros evidentes, mas sim de tendências, de abertura de portas e janelas. As reformas que se seguiram demonstraram isso mais claramente do que o próprio Concílio. O problema se condensou sobre a nova missa. Em Roma, disse-se ao arcebispo Lefebvre aut aut: “Se o senhor celebrar a nova missa, está tudo bem”. Os nossos argumentos contra a nova missa não importavam nada. Enquanto isso, o missal de Paulo VI foi composto com a colaboração de teólogos protestantes. Se somos forçados a celebrar essa missa, então realmente surge um problema. E nós fomos levados a fazer isso.

A recusa de vocês em relação à nova missa reforçou no senhor e também no arcebispo Lefebvre a convicção de que a separação de Roma é vontade de Deus?

Insisto em dizer: nós nunca nos separamos da Igreja.

Mas o fato da excomunhão fala por si só. Por que o Papa Bento XVI teria que removê-la?

No direito católico de 1917, a consagração episcopal sem mandato do papa não é considerada um cisma, mas apenas um abuso de poder e sem excomunhão. Toda a história da Igreja tem outra visão do problema da consagração episcopal sem mandato do papa. Isso é muito importante.

Por que é tão importante? Em 1988, já estava em vigor o novo código da Igreja – e o Código de Direito Canônico de 1917 também obriga o bispo à fidelidade à Santa Sé.

Estávamos em um estado de necessidade, porque Roma havia nomeado um bispo para nós. No encontro entre o cardeal Ratzinger e o arcebispo Lefebvre, em 5 de maio de 1988, havia-se falado da data da consagração. O arcebispo Lefebvre e o cardeal Ratzinger não conseguiram chegar a um acordo. O arcebispo Lefebvre tinha uma proposta. Tenho certeza de que se, na época, o cardeal Ratzinger tivesse confirmado o dia 15 de agosto como data, sem mudar o candidato, o arcebispo teria aceitado. Mas a data permaneceu em aberto. Quando o arcebispo perguntou ao cardeal: “Por que não no fim do ano?”, ele recebeu esta resposta: “Não sei, não posso dizer”. O arcebispo pensou que estavam brincando com ele. Certamente, foi um ponto de desconfiança. E a desconfiança permaneceu até hoje como uma palavra-chave da nossa história. Nós trabalhamos para superá-la, e então sempre surge algo – é realmente cansativo.

(Nota da redação do Tagespost: o papa emérito informou a redação do Tagespost que não se lembra mais dos detalhes, mas que tem certeza de que os problemas pessoais desempenharam apenas um papel secundário. João Paulo IItinha consentido claramente com uma consagração episcopal. Mas, acrescentou o então cardeal Ratzinger, definir uma data não era tarefa sua. Ao término do colóquio, o arcebispo Lefebvre tinha assinado o protocolo que – se tivesse permanecido no “sim” – teria significado o acordo. Um colaborador da Congregação para a Doutrina da Fé, no dia seguinte, como combinado, tinha ido ao encontro de Lefebvre em Albano para retirar o documento. Para o pânico de todos, Lefebvredeclarou que não havia dormido toda a noite e que tinha chegado à conclusão de que queriam se usar do acordo para destruir a sua obra.)

Por que o cardeal Ratzinger, grande especialista e defensor da Tradição católica e amigo da missa tradicional, não conseguiu tranquilizar a desconfiança do arcebispo?

Ele não entendeu como eram profundas as razões do arcebispo e a desorientação dos fiéis e dos padres. Muitos não aguentavam mais escândalos e desconfortos pós-conciliares, e também o modo em que a nova missa era celebrada. Se o cardeal Ratzinger tivesse nos compreendido, ele não teria agido isso. E acho que ele se arrependeu. Por isso, como papa, tentou reparar os danos com o motu proprio e remover a excomunhão. Somos-lhe realmente gratos pelas suas tentativas de reconciliação.

Mas o cardeal Ratzinger, como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, também teve que ter em mente as reações dos outros fiéis. Por exemplo, irritava que os membros da Fraternidade São Pio X contradissessem pontos tão importantes quanto o problema da validade da missa. Muitos de seus membros pensam que, ao participar da nova missa, considerada por eles como “herética”, não cumprem a obrigação dominical.

Eu nego isso decisivamente. Nós já falamos da invalidez de muitas missas. Mas dizer que todas as missas são inválidas não corresponde à linha da Fraternidade. É algo que nunca dissemos. Na discussão com Roma, sempre enfatizamos que reconhecemos a validade da nova missa, se for celebrada de acordo com os livros e a intenção de fazer aquilo que a Igreja tem o mandato de cumprir. A esse respeito, é preciso distinguir entre válido e bom.

Onde está a diferença na sua opinião?

nova missa tem lacunas e esconde perigos. Naturalmente, nem toda nova missaconstitui diretamente um escândalo, mas a celebração repetida da nova missa leva a uma fé fraca e até à sua perda. Vemos como todos os dias são cada vez menos os padres que ainda acreditam na presença real. Na velha missa, a liturgia alimenta a fé. Vamos à rocha, somos fortalecidos nessa fé. Algumas ações nos levam ainda mais à fé, por exemplo, a fé na presença real, no sacrifício – somente ajoelhando-nos, através do silêncio, a atitude do padre. Na nova missa, a pessoa precisa levar a fé consigo, ela não a recebe diretamente do rito. O rito é insípido.

Mas, mesmo antes da reforma litúrgica, havia padres com uma fé fraca, modernistas e heréticos. Aqueles a quem o senhor chama de Padres conciliares liberais cresceram todos com a velha missa e foram consagrados de acordo com o velho rito. O senhor acha que as conversões que ocorrem hoje, mesmo através da nova missa – pense nos Nightfevers –, são um autoengano?

Não, não digo isso. Digo apenas isto: se você recebe o presidente de um Estado, na escolha entre um trompete de prata e um de latão, pega o de latão? Seria uma ofensa: uma coisa que não se faz. E as melhores novas missas também são como um trompete de latão em comparação com a velha liturgia. Pelo bom Deus, é preciso escolher o melhor.

Recentemente, o senhor disse em um sermão: “Como vocês podem ousar celebrar uma missa tão pobre, tão vazia e insípida? Não se honra a Deus desse modo”. Mas a nova missa para os católicos é ainda hoje o tesouro mais precioso das suas vidas, e ainda hoje a Igreja gera mártires e santos. Por que o senhor não ressalta isso na pregação?

Concordo que, na discussão teológica, é preciso distinguir. Mas, em um sermão, não se pode apresentar tudo de forma tão teológica. Também é preciso um pouco de retórica para sacudir um pouco os ânimos e para abrir os olhos das pessoas.

O Papa Francisco quer estender a mão à Fraternidade Sacerdotal para uma reconciliação. O senhor ainda pensa em um acordo ou este kairós é uma oportunidade perdida?

Eu sou otimista. Mas não posso antecipar a hora de Deus. Se o Espírito Santo é capaz de influenciar o atual pontífice, então ele também fará o mesmo com o próximo. Foi o que efetivamente aconteceu. Também com o Papa Francisco. Quando ele foi eleito, pensei: agora chegará a excomunhão. Em vez disso, um caso contrário foi o cardeal Müller, que queria que a excomunhão chegasse, mas o Papa Francisco recusou. Ele me disse pessoalmente: “Não quero condená-lo”. A reconciliação chegará. A nossa Mãe Igreja está atualmente dilacerada de maneira incrível. Os conservadores nos querem e também disseram isso à Congregação para a Doutrina da Fé. Os bispos alemães, ao contrário, não nos querem de modo algum. Roma deve levar em conta todos esses elementos – podemos entender isso. Se nós fôssemos assim, simplesmente, haveria uma guerra na Igreja. Existe o medo de que possamos triunfar. O Papa Francisco disse aos jornalistas: “Cuidarei para que não haja nenhum triunfo”.

Mas as tensões e os medos também existem entre os membros da Fraternidade São Pio X. Na França, muitos padres e leigos se separaram da Fraternidade, porque as negociações com o Vaticano já suscitaram desconfiança. Como os irmãos de São Pio X poderiam aceitar uma reconciliação com Roma?

Isso dependerá do que Roma quiser de nós. Sigamos em frente assim e demo-nos garantias – então ninguém irá embora. A desconfiança está no medo de ter que acolher o novo. Se nos pedirem para percorrer estradas novas, então ninguém vai nos seguir.

O que lhe dá tanta certeza de que todos poderão lhes seguir? Bastou o anúncio dos diálogos para despertar uma forte inquietação e para provocar saídas significativas. Que conclusão poderia tranquilizar os seus membros? Mesmo depois de um acordo, a desconfiança não desapareceria.

É verdade. Existe uma atitude amigável, existe benevolência. Há anos, trabalhamos com Roma para restabelecer a confiança. E fizemos grandes progressos, apesar de todas as reações. Se chegarmos a um acordo razoável com condições normais, serão muito poucos os que irão embora. Eu não temo uma nova cisão na tradição, se for encontrada a solução justa com Roma. Nós devemos questionar certos pontos do Concílio. Os nossos interlocutores em Roma nos disseram: os pontos principais – liberdade de consciênciaecumenismonova missa – são problemas em aberto. Trata-se de um progresso incrível. Até agora se dizia: vocês devem obedecer. Agora, os colaboradores da Cúria dizem: vocês deveriam abrir um seminário em Roma, uma universidade para a defesa da tradição. Não é mais tudo preto e branco.

Como deveria ser uma solução razoável?

Uma prelazia pessoal.

Se a forma jurídica já foi encontrada e os diálogos com Roma correram bem, por que razão faltou o passo decisivo até agora?

No ano passado, o arcebispo Pozzo nos disse que a Congregação para a Doutrina da Fé havia aprovado o texto que deveríamos assinar. Devíamos estar de acordo com uma prelazia pessoal. Um mês e meio depois, o cardeal Müller decidiu rever o texto e pedir uma aceitação mais clara do Concílio e da legitimidade da santa missa. Primeiro, tinham aberto canais de discussão para nós. Depois, foram fechados. O que realmente se quer de nós? Aqui o diabo está no meio. É uma luta espiritual.

Pessoalmente, o senhor tem confiança no Papa Francisco?

Temos uma relação muito boa. Quando lhe informamos que nos encontramos em Roma, a sua porta está aberta. Ele sempre nos ajuda através de pequenos passos. Por exemplo, ele nos disse: “Tenho problemas quando faço algo de bom para vocês. Eu ajudo protestantes e anglicanos – por que não posso ajudar católicos?”. Existem vários que querem impedir o acordo. Nós somos um fator de perturbação na Igreja. E o papa se encontra no meio disso.

27 agosto, 2017

Foto da semana.

Fátima, 20 de agosto de 2017: Cerca de 10 mil peregrinos de todo o mundo se reúnem em torno dos 3 bispos e cerca de 300 padres da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, juntamente com centenas de religiosos para uma peregrinação por ocasião do centenário das aparições de Nossa Senhora.

Na oportunidade, os bispos da Fraternidade realizaram um ato de consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria (tradução de FratresInUnum.com):

“Prostrados aos pés de vosso trono de graça, ó Rainha do Santíssimo Rosário, desejamos atender, na medida de nossas forças, aos pedidos que fizestes quando, há cem anos, viestes a esta terra para se mostrar a nós.

Os abomináveis pecados do mundo, as perseguições contra a Igreja de Jesus Cristo, e, o que é pior, a apostasia das nações e das almas cristãs, e o esquecimento por tantos de vossa maternidade de graça dilacera o vosso Coração Doloroso e Imaculado, tão unido em sua compaixão com os sofrimentos do Sagrado Coração de Vosso Divino Filho.

A fim de reparar tantos crimes, pedistes que se estabelecesse no mundo a devoção reparadora ao vosso Imaculado Coração; e para deter os açoites de Deus, convertestes-vos na mensageira do Altíssimo para pedir ao Vigário de Jesus Cristo, juntamente com todos os bispos do mundo, a consagração da Rússia ao vosso Imaculado Coração. Desgraçadamente, continuam sem atender a vosso pedido.

E por isso que, antecipando-nos ao feliz dia em que o Sumo Pontífice finalmente ouça aos pedidos de vosso Divino Filho, e sem nos atribuirmos uma autoridade que não nos corresponde, mas com uma humilde súplica a vosso Imaculado Coração, como bispos católicos cheios de preocupação pelo destino da Igreja universal, e em união com todos os bispos, sacerdotes e leigos fiéis, decidimos responder, da melhor maneira que podemos, aos pedidos do céu.

Dignai-vos, portanto, ó Mãe de Deus, aceitar o ato solene de reparação que apresentamos ao vosso Coração Imaculado por todas as ofensas com que, juntamente com o Sagrado Coração de Jesus, é afligido pelos pecadores e homens ímpios.

Em segundo lugar, na medida de nossas possibilidades, damos, entregamos e consagramos a Rússia ao vosso Coração Imaculado: rogamo-vos, em vossa misericórdia maternal, que tomeis a esta nação sob a vossa poderão proteção, e que façais dela vosso domínio onde reinareis como Soberana. Fazei desta terra de perseguição uma terra predileta e bendita.

Suplicamo-vos que submetais esta nação tão inteiramente a vós, que se converta em um novo reino de Nosso Senhor Jesus Cristo, em um novo legado para o seu doce cetro. E que, convertida de seu antigo cisma, regresse à unidade do único rebanho do Pastor Eterno, e assim se submeta ao Vigário de vosso Divino Filho, para que se converta em apóstolo ardente do reinado social de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre todas as nações da terra.

Também suplicamo-vos, ó Mãe de Misericórdia, que por este prodigioso milagre de vossa onipotência suplicante, que manifesteis ao mundo a verdade de vossa mediação universal da graça.

E, por fim, dignai-vos, ó Rainha da Paz, dar ao mundo a paz que ele não pode dar, paz de armas e de almas, a paz de Cristo no Reino de Cristo e o Reino de Cristo através do reino de vosso Coração Imaculado, ó Maria. Amém.

Tags: ,
19 agosto, 2017

FSSPX peregrina neste fim de semana a Fátima: “Pedir aos Corações de Jesus e Maria socorro para a Igreja Católica em nosso tempo”.

Matéria do jornal português Diário de Notícias.FSSPX Fátima

Tags: ,
16 março, 2016

Superior da FSSPX visita túmulo de Dom Antonio de Castro Mayer.

 

1 março, 2016

Ecône e o Vaticano. Legalizar o desacordo.

Por Pe. João Batista de A. Prado Ferraz Costa

Tendo em vista os rumores e alguns comentários de autoridades eclesiásticas a propósito de um iminente reconhecimento canônico da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, desejaria expressar minha opinião sobre um assunto de interesse geral.

Em primeiro lugar, repito o que tenho dito em vários ocasiões. Visto que a Fraternidade São Pio X teve seu estatuto canônico supresso de uma forma arbitrária, ao arrepio do devido processo legal, nos idos de 1976, sem que se desse aos interessados nenhum direito de defesa  contra a medida atrabiliária, cabe, hoje, na verdade, uma perfeita restauração do direito violado. Se, por exemplo, eu fosse injustamente privado da minha cidadania e de todos os direitos dela decorrentes, não aceitaria nenhum ato de “misericórdia”, de reconciliação, de anistia ou coisa que o valha, mas a pura e simples reparação da injustiça cometida contra mim e o restabelecimento do meu direito acrescido de devida indenização. Se é procedente falar de misericórdia no caso, esta vem da parte do ofendido que perdoa ao agressor. É o caso da Fraternidade São Pio X.

Quanto às declarações de um conhecido prelado da cúria romana sobre o estado atual das relações entre a Fraternidade e o Vaticano, parece-me oportuno assinalar que hoje soam absurdas, sobretudo após a declaração conjunta (ou acordo?) do bispo de Roma e do patriarca de Moscou, assinada recentemente, sob as bênçãos dos irmãos Castro e do presidente Putin, as exigências de ordem doutrinária à Fraternidade São Pio X, quando o papa declarou que a Igreja Greco-Ucrâniana não deve expandir-se trazendo para o seio da Igreja Católica os cristãos nascidos ou caídos no cisma ortodoxo.

O referido prelado da Comissão Ecclesia Adficta deveria seguir o exemplo do Santo Padre e dizer que as comunidades dependentes da dita comissão não podem fazer proselitismo tentando atrair os fiéis da Fraternidade. Deveria também obedecer ao papa que já várias vezes declarou que discussões teológicas não chegam a lugar nenhum e que o importante é ter prazer na convivência fraterna. O Vaticano vai festejar o 5º centenário da falsa reforma do heresiarca Martinho Lutero e agora vem um prelado falar em exigências doutrinárias para o reconhecimento da Fraternidade. Em que mundo estamos? Em que Igreja estamos?

Com efeito, os debates doutrinários entre os teólogos da Fraternidade parece que se tornaram discussões bizantinas. Não por culpa da Fraternidade que segue o método escolástico tradicional, mas por culpa da outra parte que, influenciada pelo pensamento moderno, especialmente o modernismo de matriz hegeliana, que tenta conciliar o inconciliável, encontrando uma mediação entre os opostos. Aqui vale a pena citar, ainda que correndo o risco de parecer pedante, o aut aut de Kierkegaard contra o et et. Ou se obedece a Satis cognitum de Leão XIII, a Mystici corporis de Pio XII, que estabelecem a eclesiologia tradicional ou se aceita o subsistit do Vaticano II. Não há aqui et et.

Concluo, pois, estas breves considerações dizendo que, salvo o caso de um debate desenvolvido conforme o método escolástico em que a verdade, quando não convence vence, as assembleias que reúnem facções opostas não são feitas para conciliar mas simplesmente para legalizar o desacordo. Isto será possível se a prática pastoral de Francisco I se aplicar às relações entre Ecône e o Vaticano.

Deus une, o diabo reúne.

Anápolis, 29 de fevereiro de 2016.

Tags:
28 fevereiro, 2016

Roma-FSSPX: Secretário da Ecclesia Dei fala do estado atual das relações.

Enquanto crescem os rumores de uma regularização canônica da FSSPX, que, dizem, seria reconhecida como católica de modo unilateral pelo Papa Francisco, o secretário da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei, Dom Guido Pozzo, concedeu, na última quinta-feira (25), uma entrevista à sessão italiana da agência Zenit. Traduzimos, a seguir, os trechos mais relevantes.

Por FratresInUnum.com

Católicos

Mons. Guido Pozzo - JP Sonnen, Orbis Catholicus.

Mons. Guido Pozzo – Foto: JP Sonnen, Orbis Catholicus.

“Segundo formulou o então Cardeal Bergoglio, de Buenos Aires, e confirmado pelo Papa Francisco à Pontifícia Comissão Ecclesia Dei, os membros da FSSPX são católicos a caminho da plena comunhão com a Santa Sé. Esta comunhão plena existirá quando houver um reconhecimento canônico da Fraternidade”.

Onde estamos. Ano da misericórdia.

“Estamos agora numa fase, creio eu, construtiva e capaz de alcançar a desejada reconciliação. O gesto do Papa de dar aos fiéis católicos a oportunidade de receber válida e licitamente o sacramento da Reconciliação e da Unção dos Enfermos dos bispos e padres da FSSPX durante o Ano Santo da Misericórdia é um sinal claro da vontade do Santo Padre de favorecer o caminho para o reconhecimento canônico completo e estável”.

“Neste contexto, o gesto apaziguador e magnânimo do Papa Francisco por ocasião do Ano da Misericórdia, sem dúvida, ajudou a esclarecer um pouco mais o estado das relações com a Fraternidade, mostrando que a Santa Sé deseja uma reaproximação e reconciliação que que devem também incluir um ordenamento canônico. Espero e desejo que o mesmo sentimento e a mesma determinação também seja compartilhada pela FSSPX”.

No essencial, unidade.

“O que parece essencial é encontrar uma convergência total do que é necessário para estar em plena comunhão com a Sé Apostólica, ou seja, a integridade do Credo Católico, o vínculo dos sacramentos e a aceitação do magistério supremo da Igreja. O Magistério, que não está acima da Palavra de Deus escrita e transmitida, mas a serve, é o interprete autêntico também dos textos precedentes, e compreende os [textos] do Concílio Vaticano II, à luz da Tradição viva, que se desenvolve na Igreja com o auxílio do Espírito Santo, não como uma novidade contrária (o que seria negar o dogma católico), mas com uma melhor compreensão do depósito da fé, sempre na “unidade o dogma, de sentido e compreensão” (in eodem scilicet dogmate, eodem sensu et eademque sententia, cf. Concile Vatican, Const. dogm. Dei Filius, 4). Eu creio que, sobre esses pontos, uma convergência com a FSSPX não é apenas possível, mas necessária”.

No não essencial, liberdade.

“Isso não tem qualquer efeito sobre a capacidade e a legitimidade de se debater e explorar outras questões específicas que já mencionei, que não dizem respeito às questões de fé, mas sim orientações pastorais e juízos prudenciais, não dogmáticos, em que também é possível ter diferentes pontos de vista. Portanto, não se trata de ignorar ou menosprezar as diferenças sobre certos aspectos da vida pastoral da Igreja, mas de se ter em mente que no Vaticano II há documentos doutrinais cuja intenção é reformular a verdade da fé já definida ou a verdade da doutrina católica (por exemplo, a Constituição Dogmática Dei Verbum, a Constituição Dogmática Lumen Gentium), e há documentos que têm a intenção de fornecer orientações ou diretrizes para a ação prática que são para a vida pastoral como uma aplicação da doutrina (a declaração Nostra Aetate, do Decreto Unitatis Redintegratio, a declaração Dignitatis Humanae).

A adesão aos ensinamentos do Magistério varia de acordo com o grau de autoridade e a categoria da própria verdade do Magistério. Não me parece que a FSSPX tenha negado as doutrinas da fé ou a verdade da doutrina católica ensinada pelo Magistério. As críticas emitidas concernem sobretudo as declarações ou as indicações relativas à renovação da pastoral nas relações ecumênicas com outras religiões, e certas questões prudenciais na relação da Igreja e da sociedade, da Igreja e do Estado.

Sobre a reforma litúrgica, limito-me a citar uma declaração que Dom Lefebvre escreveu ao Papa João Paulo II em uma carta datada de 8 de março de 1980: “Quanto à Missa do Novus Ordo, apesar de todas as reservas que devem ser feitas a este respeito, eu nunca disse que seria inválida ou herética”. Portanto, as reservas quanto ao rito do Novus Ordo, o que não devem, obviamente, ser subestimadas, não se referem nem à validade da celebração do sacramento, nem à retidão da fé católica. É preciso, então, continuar a discussão e o esclarecimento dessas reservas”.

21 dezembro, 2014

Foto da semana.

Por Chiesa et Post Concilio | Tradução: Gercione Lima – Fratres in Unum.com: Não nasceu do nada, mas foi uma iniciativa, com a colaboração do eurodeputado Mario Borghezio, que, em comemoração ao centenário de morte de São Pio X, em 2014, propôs que um bispo da Fraternidade Sacerdotal São Pio X abençoasse o Presépio junto ao Parlamento Europeu, em Bruxelas, que já vem sendo exibido há vários anos. Convite ao qual respondeu imediatamente Dom Fellay. Este particular eu soube através do Medias- Press [ver]. A bênção foi assistida por vários deputados do Parlamento Europeu: Franceses, Gregos, Ingleses, Portugueses e Italianos. O texto que se segue foi retirado do website do Distrito da FSSPX Italiana [aqui]:

No dia 09 de dezembro de 2014, por iniciativa do Civitas, um presépio foi montado no Parlamento Europeu, em Bruxelas; Dom Fellay, Superior Geral da Fraternidade São Pio X, quis ir pessoalmente lá para abençoá-lo na presença de alguns deputados, assistentes e funcionários parlamentares, bem como alguns convidados do exterior presente para a ocasião.

Alain Escada, presidente do Civitas, brevemente tomou a palavra para recordar que o Menino Jesus, o centro do presépio, é chamado a governar as nações e que todo poder vem de Deus. Citando São Pio X, recordou que: “A civilização não é algo a ser inventado: foi e é a civilização cristã, é “a cidade católica. Não se trata de outra coisa senão instaurá-la e re-instaurá-la sobre seus fundamentos naturais e divinos”.

Por sua vez, o Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X se dirigiu ao público presente dizendo: “É aí que tudo começou, no presépio. Assim, é natural que os líderes europeus rendam homenagem ao Deus que vem entre os homens para salvá-los, Ele que é o Rei dos Reis. Recordemos o que disse o Cardeal Pie (a Napoleão III): ‘Se não é chegado o tempo para Jesus Cristo reinar, então não é chegado o momento para os governos durarem'”.

____________________________
1. Civitas, movimento político francês, inspirado no Direito natural e na Doutrina Social da Igreja, que inclui leigos católicos comprometidos com o estabelecimento do Reinado Social de Cristo sobre as nações e os povos em geral, sobre a França e os franceses em particular.
Tags: