Archive for ‘Igreja’

21 janeiro, 2018

Foto da semana.

São Paulo, Igreja do Sagrado Coração de Jesus, 13 de dezembro de 2017: Dom Mathias Tolentino Braga, OSB, abade do Mosteiro de São Bento de São Paulo, celebra solene Missa Pontifical por ocasião do aniversário de nascimento de Plínio Correa de Oliveira.

Tags:
19 janeiro, 2018

Coluna do Padre Élcio: “Fazei tudo o que meu Filho disser”.

Por Padre Élcio Murucci – FratresInUnum.com

Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo! Celebraram-se umas bodas em Caná de Galileia, e achava-se ali a Mãe de Jesus. E também Jesus foi convidado, com seus discípulos, para as bodas.

bodasLogo após o Batismo e os 40 dias de recolhimento, oração e penitência numa montanha perto de Jericó, depois de permitir ao demônio que O tentasse por três vezes, Jesus Cristo inicia sua vida pública que vai prolongar-se por três anos apenas. Já tinha em torno de si alguns discípulos, levados a Ele pelo testemunho de Seu Precursor, João Batista. Estando assim nos inícios de sua carreira evangélica, não havia feito ainda nenhum milagre para atestar sua missão. Jesus começa na pequena aldeia de Caná, perto de Nazaré, a série brilhante e ininterrupta de milagres que doravante encherá sua vida, e oferecerá ao mesmo tempo sólidos fundamentos à nossa fé e úteis instruções para nossos costumes.

Caríssimos, a fim de melhor acolher e compreender os ensinamentos destanarração evangélica, consideremos sucessivamente os diversos personagens desta cena de Caná.

Primeiramente consideremos os ESPOSOS. Sua conduta é inteiramente digna de elogio. Pois convidam a Jesus e Maria para seu casamento. Hoje, infelizmente são raríssimos os noivos que convidam Jesus e Maria para suas núpcias. Em se tratando de algo tão sério, tão importante do qual depende a sorte da vida inteira e até de gerações futuras, quantos são aqueles noivos que levam em conta os conselhos, os mandamentos e a doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo? O Divino Mestre santificou a virgindade ao abraçá-la Ele mesmo e nascendo de uma virgem. Santificou, outrossim, o matrimônio elevando-o à dignidade de sacramento, honrando-o com Sua presença e com o seu primeiro milagre, com o qual aliás, mostra o poder de intercessão de sua Mãe Santíssima, e confirma seus primeiros discípulos na fé. Com a presença de Jesus e Maria, tudo nestas bodas é inteiramente puro, calmo, digno e santo.

Nada de enfeites imodestos, nada de modas imorais, nada de palavras licenciosas, nada de gritos desordenados, nada de danças, nada de dissipação extravagante. Tudo transcorre com ordem, paz e caridade. Os convivas sabem que Jesus e Maria estão lá, vêem-Nos, ouvem sua voz e se edificam com Sua conversação. Mas nos casamentos em que Jesus e Maria são simplesmente banidos, reina, ao invés, o espírito pagão e assim, como aconteceu com os sete primeiros esposos de Sara, filha de Raguel, quem tem todo poder é o Asmodeu, inimigo das almas.

Consideremos agora, MARIA SANTÍSSIMA. O que nela aparece em primeiro lugar é sua bondade, bondade esta que brilha  com uma espontaneidade e um desvelo admiráveis. Sem que ninguém disso se advertisse, Maria percebe onde se encontra a necessidade e conseqüente vexame dos noivos. E sem que ninguém o peça, solícita, bondosa, compassiva, volta-se para seu Filho e Lhe diz ao ouvido estas palavras: “Não têm vinho”.

Jesus deixa claro que não é ainda chegada a hora de Ele começar a fazer milagres: “Mulher (em aramaico: ‘já mara’ que quer dizer SENHORA) que temos Eu e tu com isso? (Outra expressão tipicamente hebraica e que se encontra em várias passagens do Antigo Testamento). E assim poder-se-ia traduzir: “Senhora, que motivo nos leva a ti e a mim a falar deste assunto?’ E devemos levar em conta o gesto, o tom de voz e outras circunstâncias que a completavam, os quais desconhecemos, mas podemos supor. Aliás, pela ordem que Maria dá aos serventes logo em seguida, mostra que ela bem entendeu que seu Filho iria fazer o milagre. Quem melhor poderia penetrar no Coração de Jesus senão sua Mãe Santíssima?!. O fato é que não podemos concordar com aqueles protestantes que concluem que o próprio Jesus tratava Maria como uma mulher como as outras. Isto constitui inclusive uma grande ofensa ao próprio Jesus: sendo Deus não foi Ele que deu os dez mandamentos, inclusive o quarto? Infelizmente o desconhecimento da língua hebraica e aramaica da parte da maioria dos protestantes aumenta o perigo de falsas interpretações da Bíblia. Por outro lado as palavras de Jesus foram ditas com toda certeza para fazer sobressair o poder de intercessão de sua Mãe amabilíssima. No Templo depois de recordar os direitos do Pai celeste, Jesus obedece aos pais terrenos; aqui, depois de recusar atender ao apelo de Sua Mãe, antecipa sua hora e faz o milagre, transformando a água em vinho. A primeira vista parece haver uma contradição entre  o que o Menino Jesus disse à sua Mãe lá no Templo e o que realiza aqui. É óbvio que não pode haver contradição no falar e agir de Jesus. O fato é que Jesus, como Ele mesmo declarou alhures, nunca fazia sua própria vontade mas sim a de Seu Pai Eterno. Assim a explicação é que o Pai havia determinado deste toda eternidade que Jesus não deveria negar nada à sua Mãe Santíssima.

Disse sua Mãe aos servidores: Fazei tudo o que Ele (Jesus) vos disser. Maria Santíssima quer nos ajudar com seus pedidos e com seu crédito junto de seu Filho. Ela quer mesmo prevenir muitas vezes, nossos pedidos, mas com uma condição: que façamos tudo o que o Seu Filho mandar, isto é, que executemos Sua vontade. E o que Ele quer é que façamos tudo que depende de nós, que nos apliquemos à obra de nossa salvação o concurso de nossa fraqueza, que coloquemos  nas talhas de nossos corações, nestes corações de pedra (como os chama a S. Escritura) a água de nossas lágrimas, a água insípida da mortificação, do trabalho constante, do dever obscuro. E esta água transformar-se-á em vinho, e esta fraqueza será transformada em força, e nós mesmos, como os convivas de Caná, ficaremos admirados de encontrar em nós, em lugar de nossa miséria e de nossa covardia , uma fortaleza e uma generosidade das quais nunca nos julgaríamos capazes.

Além da bondade, vemos em Maria um poder extraordinário junto ao Coração de seu Filho. Ela pede um milagre de primeira ordem e para simplesmente livrar os esposos de Caná de um vexame. Pede sem ansiedade, sem inquietação, mesmo sem insistência, tão segura está do poder e do beneplácito de Seu Filho para com ela. Na verdade, Nossa Senhora não pede propriamente, apenas demonstra o desejo que tem em ver o seu Filho operar um milagre para livrar de um embaraço os neo-esposos de Caná.

Em Caná, além da bondade e poder, vemos brilhar em Maria a sua glória. Assim, não é pelo pedido de Maria que Jesus, escondido durante trinta anos na obscuridade de uma vida humilde e comum, se mostra enfim o que é, e manifesta este poder divino que estava até então tão cuidadosamente oculto n’Ele? Não é, pois, pelo prece de Maria que Ele começa as funções de seu ministério público; deste ministério que vai se tornar tão fecundo em ensinamentos e prodígios; que Ele estabelece sua missão, que Ele ganha a confiança de seus discípulos e os prende definitivamente à sua pessoa?

Agora, caríssimos, contemplemos JESUS! Aqui nas Bodas de Caná Jesus nos ensina uma coisa, a maior, a mais bela, a mais augusta que possamos aprender: é que Ele é Deus, Filho de Deus. Com efeito, tudo em seu semblante, em suas palavras, em sua conduta, atesta Deus todo poderoso e a própria sabedoria. Ele diz: “Minha hora não é ainda chegada”. Se faz o milagre é, como ficou explicado acima, é para obedecer a um decreto do Pai, isto é, que nada negasse à Sua Mãe. Fala com calma e dignidade: “Enchei de água estas talhas até às bordas e levai-a ao mestre-sala. Jesus queria que seus milagres provassem a sua missão divina e contribuíssem para a estabelecer aos olhos dos homens.

Para tanto Ele dá ao milagre de Caná todas as garantias e toda autenticidade de que é susceptível. Ele espera para que a necessidade seja bem constatada. Ele faz encher as talhas de água até às bordas, afim de que a água apareça aos olhares dos convivas; Ele ordena aos servidores que busquem a água e a levem ao mestre-sala. A este último, com efeito, é que pertence o direito de constatar oficialmente a qualidade do licor que o poder de Jesus tinha substituído à água das talhas, e atestar assim solenemente o milagre.

Caríssimos, o milagre de Caná figura o milagre mais retumbante e sobretudo mais cheio de amor que nos oferece a Eucaristia. Nela Jesus opera a mais maravilhosa mudança, pois transforma o pão e o vinho em seu Corpo e em seu Sangue, e isto sem que Ele visivelmente coloque a mão, mas pelo ministério de seus servidores e de seus padres.

Onipotente e eterno Deus, que governais igualmente o céu e a terra, com a vossa Providência, escutai, benigno, as súplicas de vosso povo, e concedei às famílias de  nossos tempos, a vossa paz; e que a indissolubilidade que estabelecestes para o sacramento do matrimônio não seja destruída pelos homens. Amém!

Tags:
18 janeiro, 2018

Um Papa para não ser levado a sério.

Por FratresInUnum.com

Segundo um relato de hoje do Pe. Antônio Spadaro:

“O Papa Francisco acaba de fazer, no avião, o casamento deste casal de assistentes de vôo! Uma felicidade! O casal falava com o Papa. Disseram que não tinham casado na Igreja. O Papa perguntou se queriam se casar imediatamente. Disseram que sim. A ata foi assinada num papel normal tamanho A4”.

Em Amoris Laetitia, Papa Francisco insiste na necessidade de um “catecumenato matrimonial”, em que o casal seja acompanhado profundamente pela comunidade num caminho de discernimento, para celebrar o matrimônio em total consonância com a sua própria comunidade eclesial (cf. nn. 205-2016).

Em outras palavras, num único ato, ele desmentiu seu próprio magistério e desautorizou todos os bispos e padres do mundo inteiro que requerem dos noivos uma preparação matrimonial mais aprofundada! De agora em diante, com que autoridade párocos e bispos exigirão preparação de noivos, processos matrimoniais, proclamas, celebrações exclusivamente em Igrejas e não em chácaras ou salões de festas?… Em um instante, sem acompanhar ou discernir nada de ninguém, Francisco assistiu a um matrimônio…

De fato, este não é um papa que se leve a sério! Isto não é pontificado, mas, sim, uma confusão, uma bagunça despropositada.

Sigamos o exemplo de Bergoglio e desprezemos o seu próprio “magistério”.

Tags:
18 janeiro, 2018

Hagan lío.

 

Apesar do recesso…

Tags:
9 janeiro, 2018

Blog em recesso.

Caros amigos, Salve Maria! O Fratres entra em um pequeno recesso e retorna no fim do mês de janeiro. Notícias importantes podem ser publicadas a qualquer momento, no entanto, a moderação dos comentários demorará mais que o habitual.

7 janeiro, 2018

Foto da semana.

Roma, Igreja Santissima Trinità dei Pellegrini, 6 de janeiro de 2018: Circundado pelo padre brasileiro Vilmar Pavesi e pelo superior para a América Latina do Instituto do Bom Pastor, padre Matthieu Raffray, o Cardeal Raymond Leo Burke celebrou a Santa Missa por ocasião da solenidade da Epifania.

6 janeiro, 2018

IMPORTANTE: Entrevista do Bispo Athanasius Schneider ao Rorate Caeli sobre “Profissão das Verdades Imutáveis”, comunhão para “divorciados e recasados”

Dom Athanasius Schneider – auImage result for athanasius schneider bishopxiliar de Astana, no Cazaquistão, e um dos três redatores originais da Profissão das Verdades Imutáveis dessa semana em resposta a Amoris Laetitia e da aprovação oficial do papa Francisco concedendo a Sagrada Comunhão a alguns católicos “divorciados e recasados”,  participou de uma entrevista ao Rorate Caeli após o lançamento do documento.

RORATE CAELI (RC): Sua Excelência esteve pessoalmente à frente da restauração da liturgia tradicional por muitos anos. Agora, Sua Excelência, o Arcebispo Peta e o Arcebispo Lenga se viram obrigados a vir a público em defesa do sacramento do matrimônio após a divulgação de Amoris Laetitia. Por que três de vocês decidiram que agora era o momento de responder?

BISPO ATHANASIUS SCHNEIDER (BAS): Após a publicação de Amoris Laetitia, vários bispos e conferências episcopais começaram a emitir normas “pastorais” sobre os chamados “divorciados e casados novamente”. É preciso que se diga que, para um Católico não existe divórcio porque o vínculo sacramental válido de um casamento ratificado e consumado é absolutamente indissolúvel e até mesmo o vínculo de um casamento natural é por si mesmo indissolúvel. Além do mais, para um católico, há apenas um casamento válido enquanto o cônjuge legítimo ainda está vivo. Portanto não se pode falar em “recasamento” nesse caso.

A expressão “divorciado e casado novamente” é consequentemente enganosa e enganadora. Uma vez que esta expressão é a mais comumente conhecida, preferimos usá-la apenas entre aspas com a anterior observação “assim chamada”. As mencionadas normas pastorais em relação aos assim chamados “divorciados e recasados”,  normas essas mascaradas de uma retórica que beira o sofisma – preveem, em última instância, a admissão do “divorciado e recasado” à Sagrada Comunhão sem o requisito da condição indispensável e divinamente estabelecida para que eles não possam violar seu vínculo sagrado através do vínculo sexual habitual com uma pessoa que não é o legítimo cônjuge. Um certo climax foi atingido nesse processo de reconhecimento implícito do divórcio dentro da vida da Igreja quando o Papa Francisco ordenou publicar na Acta Apostolicae Sedis, sua carta de aprovação de normas similares que foram emitidas pelos bispos da Região Pastoral de Buenos Aires .

Este ato foi seguido pela declaração de que essa aprovação pertenceria ao autêntico Magistério da Igreja. Em vista de tais normas pastorais que contradizem a Divina Revelação na sua absoluta condenação do divórcio e contradiz também o ensino e a prática sacramental do infalível Magistério Ordinário e Universal da Igreja, fomos forçados pela nossa consciência, como sucessores dos Apóstolos, a elevar nossa voz e reiterar a doutrina e a prática imutáveis da Igreja quanto à indissolubilidade do casamento sacramental.

 

RC: A conferência to Cazaquistão lançou oficialmente uma interpretação de Amoris Laetitia? Eles planejam fazê-lo, ou isso significa que a conferência acredita que Amoris Laetitia não pode ser entendida de forma ortodoxa ou que é de alguma forma compatível com o Catecismo, com a Escritura e a Tradição?

BAS: O texto da “Profissão das verdades” não é um documento da Conferência Episcopal do Cazaquistão, mas apenas dos Bispos que a assinaram. Nossa Conferência Episcopal considerou não ser necessário emitir normas pastorais como uma interpretação da AL. Embora em nossa sociedade, a praga do divórcio está amplamente disseminada como consequência de 70 anos de materialismo comunista e nós também temos em nossas paróquias casos dos assim chamados “divorciados e recasados”,  esses mesmos “divorciados e casados novamente” não ousariam pedir para serem admitidos à Sagrada Comunhão, uma vez que o conhecimento e a consciência do pecado estão, graças a Deus, muito profundamente arraigadas em suas almas, mesmo vivendo numa sociedade civil.

Em nosso país, as pessoas cometem pecados como em qualquer outro lugar, mas nosso povo ainda acredita que o pecado é pecado e, portanto, para esses pecadores há esperança de conversão e de misericórdia divina. Seria então para o nosso povo – e até mesmo para os assim chamados “divorciados recasados” entre eles – uma espécie de blasfêmia exigir o acesso à Sagrada Comunhão enquanto continuam a coabitar com uma pessoa que não é o seu cônjuge legítimo. Portanto, nossa Conferência Episcopal não viu a necessidade de emitir normas relevantes.

 

RC: Nós tivemos a famosa dubia enviada ao Papa e uma correção filial – feita principalmente por leigos – enviada também. Nenhuma das duas obtiveram uma resposta. No entanto, muitos sentem que Francisco já respondeu em certo sentido, quando endossou oficialmente a instrução aparentemente herética dos bispos de Buenos Aires aos divorciados recasados que ainda permanecem coabitando. Será que deveríamos esperar mais alguma coisa de Francisco sobre esse assunto?

BAS: as instruções dos bispos de Buenos Aires não expressam diretamente uma heresia. No entanto, eles permitem, em casos individuais, receber a Santa Comunhão, apesar desses casais não terem intenção de parar com as relações sexuais com seus parceiros não conjugais. Nesse caso, as instruções pastorais negam na prática e, portanto, indiretamente, a verdade divinamente revelada da indissolubilidade do casamento. A triste circunstância é que o Papa aprovou tais instruções. Desta forma, o Papa deu, na minha opinião, uma resposta direta ao primeiro ponto e indiretamente aos quatro outros pontos da dubia. Só podemos esperar através de nossos apelos, orações e sacrifícios, que o Papa Francisco possa responder de modo inequívoco aos cinco pontos da dúbia de acordo com ensino relevante do Magistério infalível ordinário e universal.

 

RC: A ameaça para os fiéis foi clara, não só desde que Amoris Laetitia foi promulgada, mas pelas discussões em si emanadas dos sínodos. É inquestionável a confusão que foi causada. Todavia, assim como a utilidade da Humanae Vitae foi minada devido ao longo tempo que levou para ser publicada, será que não é tarde demais para sanar o dano, especialmente quando o próprio Papa acaba de dar oficialmente a permissão para alguns divorciados recasados receberem a Sagrada Comunhão?

BAS: Nós precisamos ter em mente que a Igreja não está nas nossas mãos, mas nas poderosas mãos de Cristo e assim não podemos dizer que é tarde demais para corrigir os danos. Também podemos aplicar a seguinte afirmação de São Paulo à nossa situação dentro da Igreja: “Onde o pecado abundou, a graça abundou ainda mais” (Romanos 5:20). Deus de alguma forma permitiu a atual confusão doutrinal e moral na Igreja com o objetivo de que após essa crise, a verdade triunfará de forma ainda mais brilhante e a Igreja se tornará espiritualmente mais bonita, especialmente através dos casais, das famílias e Papas.

 

RC: Ouvimos até agora, por mais de um ano , que uma correção formal proveniente dos cardeais era iminente, mas nada aconteceu. O que o senhor acredita que a está impedindo ?

BAS: diante do atual, temporal e parcial eclipse da função do Magistério Pontifício no que diz respeito concretamente à defesa e a aplicação prática da indissolubilidade do casamento, os membros dos colégios episcopais e cardinalício devem assistir o Papa neste ofício magisterial, através da pública profissão das verdades imutáveis contidas no magistério público e universal – o que significa o que todos os Papas e o inteiro episcopado durante todos os tempos – ensinaram no tocante à  doutrina e a prática sacramental do casamento.

 

RC: Se uma correção formal é feita por vários cardeais e Francisco continua a aprovar oficialmente as conferências dos bispos dando a Sagrada Comunhão a alguns divorciados e recasados, então como ficamos?

BAS: Existe o seguinte princípio da doutrina católica tradicional desde os primeiros séculos: “prima sedes a nemine iudicatur”, ou seja, a primeira cátedra episcopal na Igreja (a cátedra do Papa) não pode ser julgada por ninguém. Quando os Bispos recordam respeitosamente ao Papa as imutáveis verdades e disciplina da igreja, eles não julgam a primeira cadeira da Igreja, em vez disso se comportam como irmãos e irmãos do Papa. A atitude dos bispos em relação ao Papa deve ser colegial, fraterna, não servil e sempre sobrenaturalmente respeitosa, como enfatizou o Concílio Vaticano II (especialmente nos documentos Lumen gentium e Christus Dominus). Uma pessoa pode continuar a professar a imutável fé e rezar ainda mais pelo Papa e então, apenas Deus pode intervir e Ele o fará inquestionavelmente .

 

RC: Para o católico típico, que vai para a Igreja mas que não segue as políticas da Igreja, como fazem os leitores de Rorate, os católicos casuais que ouvem o Sumo Pontífice dizendo inúmeras coisas confusas durante os últimos anos, coisas que parecem contrárias (esperamos) a tudo o que lhes foi ensinado a vida inteira, o que a sua excelência diria a eles? E como os Católicos sérios podem rebater sempre que são perguntados pelos modernistas se eles se acham “mais católicos do que o Papa”?

BAS: Primeiramente, esses fiéis devem continuar a ler e estudar o Catecismo imutável, e especialmente os grandes documentos doutrinários da Igreja. Tais documentos são tema aqui, por exemplo, os Decretos do Concílio de Trento sobre os sacramentos; as encíclicas Pascendi de Pio X.; Casti connubii de Pio XI; Humani generis de Pio XII; Humanae vitae de Paul VI; o Credo do povo de Deus de Paulo VI; a encíclica Veritatis esplendor de João Paulo II; e sua Exortação Apostólica Familiaris consortio. Esses documentos não refletem um significado pessoal e de curta duração de um Papa ou de um sínodo pastoral. Em vez disso, esses documentos refletem e reproduzem o infalível Magistério Ordinário e Universal da Igreja.

Em segundo lugar eles devem ter em mente que o Papa não é o criador da verdade, da fé e da disciplina sacramental da Igreja. O Papa e todo o Magistério “não está acima da Palavra de Deus, mas apenas a seu serviço, ensinando apenas o que lhe foi transmitido ” (Concílio Vaticano II, Dei Verbum, 10). O Primeiro Concílio do Vaticano ensinou que o carisma do ministério dos sucessores de Pedro “não significa que eles devam tornar conhecida uma nova doutrina, mas que com a assistência do Espírito Santo devem religiosamente guardar e fielmente transmitir a revelação ou o depósito da Fé transmitida pelos Apóstolos. “(Pastor aeternus, cap. 4).

Em terceiro lugar, o Papa não pode ser o ponto focal da fé na vida diária do fiel Católico. O ponto focal deve ser Cristo. Caso contrário, nos tornamos vítimas de um insano papa-centrismo ou uma espécie de papolatria, uma tradição que é alheia à Tradição dos Apóstolos, aos Padres e à grande tradição da Igreja. O chamado “ultramontanismo” dos séculos XIX e XX atingiu seu pico em nossos dias criando um papa-centrismo e popolatria insanos. Para mencionar apenas um exemplo: houve em Roma lá pelo final do século 19 um famoso monsenhor que levava diferentes grupos de peregrinos para audiências papais. Antes de deixá-los entrar para ver e ouvir o Papa ele lhes dizia: “Ouçam atentamente as palavras infalíveis que sairão da boca do Vigário de Cristo”.  Certamente esta é uma caricatura do ministério Petrino contrária à doutrina da Igreja. No entanto, mesmo em nossos dias, não poucos católicos, sacerdotes e bispos mostram substancialmente a mesma atitude caricatural em relação ao sagrado ministério do sucessor de Pedro.

A verdadeira atitude em relação ao Papa de acordo com a tradição católica deve ser sempre com moderação sã, com inteligência, com lógica, com senso comum, com o espírito de fé e, claro, com devoção sincera. No entanto, tem que haver uma síntese equilibrada de todas essas características. Esperamos que, após a crise atual, a Igreja atinja uma atitude mais equilibrada e sã em relação à pessoa do Papa e ao seu sagrado e indispensável ministério na Igreja.

5 janeiro, 2018

Coluna do Padre Élcio: Explicação do Evangelho do Primeiro Domingo depois da Epifania – Sagrada Família.

Lucas II, 42-52 (Para não me alongar demais, não transcrevo aqui o Evangelho).

Por Padre Élcio Murucci – FratresInUnum.com

“Tendo Jesus completado doze anos, subiu com seus pais a Jerusalém etc.: Todos os homens deviam apresentar-se no Templo, três vezes por ano, isto é, por ocasião da Páscoa, de Pentecostes e da festa dos Tabernáculos. As mulheres, ainda que não fossem obrigadas pela Lei, costumavam ir ao Templo por devoção, ao menos pela festa da Páscoa. Os filhos começavam a ser obrigados na idade dos doze anos, época em que se tornavam “filhos da Lei”.

Assim, tendo atingido os doze anos, Jesus, para nos dar exemplo de submissão às prescrições divinas, foi a Jerusalém com seus pais. Enquanto Deus, Jesus não estava obrigado, mas submete-se com humildade, para edificação nossa, à observância da lei. Seguindo a vontade de Deus Pai, Jesus ia tornar célebre para sempre esta primeira Páscoa histórica da sua vida. Ia erguer uma ponta do véu que nos ocultava a sua sabedoria infinita e a sua divindade; ia, outrossim, santificar sua Mãe e S. José por uma provação de três dias; e finalmente, com sua obediência inefável e a sua vida de trabalho, ia pôr os fundamentos da sociedade e das famílias cristãs.

Image result for holy family

Eis o que disse o Papa Leão XIII ao instituir a festa da Sagrada Família neste domingo (1º depois da Epifania): “Os pais de família têm em S. José um modelo admirável de vigilância e solicitude paterna; as mães podem admirar na Virgem Santíssima um exemplo insigne de amor, de respeito e de submissão; os filhos têm em Jesus, submisso a seus pais, um exemplo divino de obediência; os nobres aprenderão, olhando para esta família de sangue real, a moderação na prosperidade e a dignidade nas aflições; os ricos aprenderão a ter mais em conta as virtudes do que as riquezas; os operários e todos os que sofrem, devido à sua condição pobre, terão motivo e ocasião de alegrar-se pela sua sorte em vez de entristecer-se, porque têm de comum com a Sagrada Família as fadigas e os cuidados da vida cotidiana”.

Acabados os dias da festa, quando voltaram, ficou o Menino Jesus em Jerusalém, sem que seus pais o soubessem etc. Geralmente os habitantes de um mesmo lugar iam em caravana composta de dois grupos: um de homens e outro de mulheres e quando saíam do Templo, faziam-no por duas portas diferentes. Os meninos podiam ir em um ou em outro. Por isto pôde acontecer que, ao saírem de Jerusalém, não notassem que Jesus não estava no meio da caravana de Nazaré. Mas, fazemos a mesma pergunta que sua Mãe Santíssima Lhe fez: Por que é que Jesus agiu desta maneira? É óbvio, Jesus procede assim, não por desobediência, mas para cumprir a vontade de seu Pai e cuidar dos seus interesses. Deus resolvera manifestar desde então seu Filho aos sacerdotes e doutores da lei. Queria, outrossim, ensinar-nos a renunciar à carne e ao sangue, a pôr de lado a afeição dos pais, apesar das dores do sacrifício recíproco, desde que se trate de obedecer a Deus e de consagrar-se ao seu serviço.

Podemos também indagar o porquê da aflição de Maria Santíssima: afinal ela sabia que seu Filho era Deus, infinitamente sábio e todo poderoso. Todavia, esta ausência súbita e inesperada era para ela um mistério, cujo verdadeiro motivo não podia penetrar. Caríssimos, admiremos este secreto e maravilhoso proceder de Deus com Maria e José. Aflige-os, não para os punir, porque não são culpados de qualquer falta, mas porque os ama. Era como se lhes dissesse ainda com mais verdade do que o Arcanjo Rafael disse a Tobias: “Porque eras aceito a Deus, por isso foi necessário que a tribulação te provasse”.

Quantas vezes, miseráveis pecadores como somos, perdemos a Jesus por nossa culpa, pelo pecado; ou então, por vezes, em castigo de alguma negligência ou infidelidade às graças, Jesus retira-se ou esconde-se.

E quantos não sentem dor por isso e não procuram a Jesus. E por que não nos humilhamos profundamente, e não redobramos de devoção e de fervor para procurar a Jesus? Ó Maria Santíssima aumentai em mim a amor ao vosso divino Filho!

E aconteceu que, depois de três dias, encontraram-No no Templo, sentado entre os doutores, ouvindo-os e interrogando-os etc. Comumente os discípulos ficavam sentados em esteiras aos pés dos doutores que ficavam orgulhosamente em seus tronos. Mas, provavelmente, estupefatos e maravilhados da sabedoria e das respostas daquele menino, os doutores deram-Lhe a honra de se assentar no meio deles. Jesus, que é a fonte de toda a ciência, de toda a luz, assim nos ensina a humildade e a modéstia como diz S. Gregório: “O Menino Jesus é encontrado entre os doutores não ensinando”. Interrogava também aos doutores, parecendo querer instruir-se a si mesmo, e também para nos ensinar a consultar a Igreja. S. Lucas não diz qual foi o assunto ali tratado. Mas declarará a sua Mãe que deve empregar-se nos negócios de seu Pai. Certamente falava do Messias, da época da sua vinda já que os doutores não aproveitaram das consultas bíblicas e da solução transmitida por eles mesmos aos Reis Magos. Mostraram o verdadeiro caminho, mas eles mesmos não o seguiram. Agora Jesus mesmo antes de sua vida pública já quer mostrar-lhes que Ele é o Messias. Evidentemente, Jesus queria dispor os corações dos sacerdotes e dos doutores a desejarem e a receberem esse Messias cujo nascimento já sabiam e cuja sabedoria divina perceberam naquele Menino muito acima dos comuns dos homens.

Caríssimos, tenhamos cuidado em utilizar melhor as graças de Deus. Disse-Lhe sua Mãe: Filho, por que nos fizeste isto? Eis que teu pai e eu te procurávamos cheios de aflição”. José e Maria ficaram admirados porque Jesus ainda não havia manifestado assim em público sua sabedoria. Mas José não fala. Maria, porém, com a autoridade e ternura de mãe é que fala. Admiramos o respeito e a deferência de Maria para com seu santo Esposo, nomeando-o em primeiro lugar e dando-lhe o título de pai de Jesus e de chefe da família. Na verdade, José, externa e legalmente era considerado como pai de Jesus Cristo. A palavra da santíssima Mãe de Jesus não é de censura; é um grito do coração, todo cheio de confiança e de abandono, de humildade e de ternura; é uma espécie de queixa afetuosa sobre a longa ausência de Jesus, para exprimir a sua pena e a de José.

Respondeu-lhes Ele: Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas de meu Pai? É evidente que a resposta de Jesus não inclui censura, mas apenas admiração. Se Maria e José sabiam que Ele era o Messias, Filho de Deus, que veio ao mundo cumprir a vontade de seu Pai, era natural que O encontrassem no Templo, ocupado nas coisas referentes a Deus. Estas são as primeiras palavras de Jesus, conservadas nos evangelhos. Nelas manifesta diretamente sua divindade. Por elas dá a conhecer àqueles que O cercam no Templo, e a nós todos,o fim da sua missão sobre a terra, e ensina-nos que os interesses de Deus e o seu agrado devem estar acima de qualquer consideração humana. Algumas vezes Deus fala à alma dos filhos e os chama para si. Nesse caso os pais não devem opor-se à vocação celeste, nem têm o direito de fazê-lo.

E eles (Maria e José) não entenderam o que lhes disse: Porque, na verdade, ainda não sabiam que Jesus devia abandonar tudo, para cuidar unicamente da glória de seu Pai.

Desceu com eles e veio para Nazaré, e lhes era submisso. Sua Mãe conservava todas estas coisas em seu coração. Jesus crescia em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e diante dos homens: Sendo Deus, Jesus obedecia a seus pais. Que exemplo para os filhos!

Por sua vez, Sua Mãe conservava todas estas coisas no coração, para meditá-las, e pautar por elas todos os atos da sua vida. Jesus crescia em sabedoria e em graça: Como Deus, possuía todos os conhecimentos e a plenitude da graça. Crescendo, ia aos poucos manifestando estes dons, o que causava aos homens a impressão de desenvolvimento progressivo. Enquanto homem, Jesus Cristo foi adquirindo conhecimentos experimentais do mundo que o cercava e neste sentido houve verdadeiro crescimento.

JESUS, MARIA E JOSÉ, SALVAI AS FAMÍLIAS! Amém!

5 janeiro, 2018

A calmaria antes da tempestade. O que Bergoglio está preparando para os três Bispos da “Correção Oficial”.  

Por Fra Cristoforo, Anonimi della Croce | Tradução: FratresInUnum.com – Já era de se imaginar. Todo esse silêncio por parte da mídia do Vaticano (e aqueles intimamente ligados a eles) sobre o tema da Correção Oficial, não prometia nada de bom. Na verdade, Bergoglio prepara seu contra-ataque.

Minha fonte no Vaticano me revelou que na noite passada Bergoglio permaneceu em Santa Marta com vários “assessores de imprensa” do Vaticano e vários “conselheiros” para uma reunião sobre como lidar com essa nova e “inesperada” correção por parte dos bispos de Astana. A fonte me disse que o Pontífice estava furioso. Ele teria surtado porque não tolera qualquer oposição. Eles o ouviram gritar: “Eles vão se arrepender! Eles vão se arrepender amargamente! “. Obviamente que ele se referia aos valentes Bispos que “ousaram” contrariar o neo-evangelho da nova Igreja: Amoris Laetitia.

Minha fonte conseguiu pegar uma notícia interessante, que torno pública para que os três bispos e os demais que se juntem a eles possam preparar sua defesa. Também faremos de modo que este “rascunho” possa ser divulgado às todas as partes interessadas como fizemos com nosso link de suporte.

Em suma, Bergoglio e seus acólitos estão preparando um “programa de contra-ataque”. Traduzido significa: Bergoglio não enfrentará frontalmente os Bispos “Correccionistas”, mas já deu carta-branca aos seus “oficiais de imprensa” oficiais e não-oficiais para iniciar uma “campanha mediática” visando denigrir os oponentes. Como sabemos, a comunicação do Vaticano está agora nas mãos dos Jesuítas. Operação clássica de regime ditatorial sul-americano. Para Bergoglio, portanto, é muito simples agora simplesmente liberar jornalistas.

Esta “campanha denegritória” servirá (na opinião deles) para “desacreditar” aqueles Bispos, publicando talvez algo do seu passado (verdadeiro ou não verdadeiro) ou construindo uma “notícia” fabricada, para fazê-los perder sua credibilidade.

Em suma, um pouco “como foi feito e é feito em regimes comunistas quando você quer “eliminar”um dissidente.

Nos próximos dias, certamente esses “assessores de imprensa” começarão a publicar algo. Talvez até Bergoglio certamente não deixará de emitir uma ou outra piadinha.

Temos o dever de defender e proteger esses bispos heróicos.

Um regime reina no Vaticano. Sabemos que as ações de controle de Bergoglio tornaram-se quase “obsessivas”. Correio, telefones celulares sob controle, pequenos espiões espalhados pelos dicastérios … no Vaticano agora são a ordem do dia.

Considere que agora a Santa Sé estabeleceu um aplicativo que todos os sacerdotes do mundo podem baixar, onde todas as semanas já existe um sermão pronto para o domingo. Sermão preparado pelos delegados de Bergoglio. Com os temas de Bergoglio. Com as palavras de Bergoglio. Hoje, o download deste aplicativo é opcional. Em alguns meses, será calorosamente sugerido. Em um ano “será imposto”. Porque todos os sacerdotes serão obrigados a repetir, todos os domingos, apenas e exclusivamente as palavras do Líder Máximo.

2 janeiro, 2018

Importante: Dom Athanasius Schneider e bispos do Cazaquistão lançam ‘Profissão sobre verdades imutáveis a respeito do sacramento do Matrimônio”.

[Atualização – 02/01/2018 às 19:19] Corrispondenza Romana acaba de anunciar que dois bispos italianos, Dom Luigi Negri e Dom Carlo Maria Viganò aderiram à iniciativa dos bispos do Cazaquistão.

Três bispos declaram leitura de Amoris Laetitia feita pelo Papa como “estranha” à Fé Católica.

LifeSiteNews, Roma, 2 de janeiro de 2018 | Tradução: FratresInUnum.com — Três bispos se pronunciaram contra a interpretação feita pelo Papa Francisco de Amoris Laetitia que permite o acesso de alguns divorciados recasados à Sagrada Comunhão, afirmando que tal leitura está causando “confusão desenfreada”, é “estranha” à Fé Católica, e disseminará uma “epidemia do divórcio” na Igreja.

three_kazakhstan_bishops_810_500_55_s_c1

Dom Tomash Peta, Dom Jan Pawel Lenga e Dom Athanasius Schneider.

Dom Athanasius Schneider, bispo-auxiliar de Astana, Cazaquistão, Dom Tomash Peta, arcebispo metropolita de Astana, e Dom Jan Pawel Lenga de Karaganda, Cazaquistão, divulgaram uma Profissão de verdades imutáveis sobre o sacramento matrinonial em 31 de dezembro, como “um serviço de caridade na verdade” à Igreja de hoje e ao Papa.

Os bispos tomaram a decisão de realizar uma “pública e inequívoca profissão da verdade” a respeito do ensinamento da Igreja sobre a indissolubilidade do matrimônio, pois afirmam “não poderem permanecer em silêncio”.

Como bispos Católicos incumbidos de defender e promover a Fé Católica e a disciplina comum, afirmam ter uma “grave responsabilidade” e “dever perante os fiéis” que esperam deles “uma pública e inequívoca profissão da verdade e da imutável disciplina da Igreja acerca da indissolubilidade do matrimônio”.

Eles observam que após a publicação do documento do Papa Francisco sobre a família, Amoris Laetitia, diversos bispos e conferências episcopais divulgaram normas permitindo a alguns divorciados recasados civilmente, que não vivem em continência sexual, receber os sacramentos da Penitência e da Sagrada Comunhão. Eles enfatizam que essas várias autoridades hierárquicas (Alemanha, Malta e Buenos Aires, embora eles não as nominem) também receberam aprovação “até mesmo da suprema autoridade da Igreja”.

No mês passado, o Papa Francisco decidiu formalmente declarar a interpretação de Amoris Laetitia feita pelos bispos de Buenos Aires como “magistério autêntico”.

A disseminação dessas normas pastorais aprovadas eclesialmente “causaram uma considerável e sempre crescente confusão entre os fiéis e o clero” e são “meios de difusão da ‘epidemia do divórcio’ na Igreja”, escreveram os bispos do Cazaquistão.

“Nosso Senhor e Redentor Jesus Cristo solenemente reafirmou a vontade de Deus sobre a absoluta proibição do divórcio”, recordaram, e a Igreja sempre preservou e fielmente transmitiu tanto em sua doutrina como em sua disciplina sacramental “o ensinamento cristalino de Cristo” acerca da indissolubilidade do matrimônio”.

“Por conta da vital importância que a doutrina e a disciplina do matrimônio e da Eucaristia, a Igreja é obrigada a falar com a mesma voz. As normas pastorais a respeito da indissolubilidade do matrimônio não podem, portanto, ser contraditórias entre uma diocese e outra, entre um país e outro”.

“Desde os tempos dos Apóstolos”, explicam os bispos, “a Igreja observou este princípio, como testemunha Santo Irineu de Lion”:

“A Igreja, embora espalhada pelo mundo até os confins da terra, tendo recebido a Fé dos Apostólos e seus discípulos, preserva esta pregação e esta Fé com cuidado e, como Ela habita uma única casa, crê da mesma e idêntica maneira, como tendo uma só alma e um só coração, e prega a verdade da Fé, ensina-a e transmite-a em uma voz uníssona, como se tivesse uma só boca” (Adversus haereses, I, 10, 2).

Após, eles recordam a advertência do Papa João Paulo II de que a confusão semeada nas consciências dos fiéis por diferentes “opiniões e ensinamentos” enfraqueceria o “verdadeiro sentido de pecado, quase a ponto de eliminá-lo”.

O Papa João Paulo II erigiu a diocese de Santa Maria em Astana, Cazaquistão, em 1999, e a elevou à arquidiocese em 17 de maio de 2003, nomeando o bispo polonês Tomash Peta como seu arcebispo. No Sínodo Ordinário sobre a Família em 2015, Dom Peta, que participou como delegado do Cazaquistão, iniciou sua breve intervenção com as palavras do Beato Paulo VI pronunciadas em 1972: “Por alguma fresta, a fumaça de Satanás penetrou no templo de Deus”.

Ele, então, afirmou aos Padres Sinodais que estavam reunidos: “Estou convencido de que estas foram palavras proféticas de um santo Papa, o autor de Humanae Vitae, Durante o Sínodo do ano passado [2014], a ‘fumaça de Satanás’ estava tentando adentrar na aula Paulo VI [local em que ocorriam as sessões do Sínodo]”. O arcebispo acrescentou: “Infelizmente, pode-se ainda sentir o cheiro desta ‘fumaça infernal’ em alguns pontos do Instrumentum Laboris e também em algumas intervenções de certos padres sinodais neste ano”. [Leia a intervenção aqui.]

Na Profissão, Dom Athanasius Schneider, juntamente com os arcebispos Peta e Lenga, reiteram aos fiéis sete verdades imutáveis sobre o sacramento do matrinônio, e, “no espírito de São João Batista, São João Fisher, São Tomás Morus, da Beata Laura Vicuña e de numerosos confessores e mártires, conhecidos ou não, da indissolubilidade do matrimônio”, afirmam:

Não é licito (non licet) justificar, aprovar, legitimar, direta ou indiretamente, o divórcio e a relação sexual estável não conjugal, através da disciplina sacramental da admissão dos assim chamados ‘divorciados e recasados’ à Sagrada Comunhão, neste caso, uma disciplina estranha à toda a Tradição da Fé Católica e Apostólica.

Leia a íntegra da Profissão de verdades imutáveis sobre o matrimônio sacramental aqui.