Posts tagged ‘Academia Pontifícia para a Vida’

31 março, 2012

Vaticano cancela congresso sobre células-tronco.

Pesquisadores de células-tronco embrionárias questionam o súbito cancelamento do encontro anual.

IHU – A reportagem é de Ewen Callaway, publicada no sítio da revista Nature, 26-03-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O Vaticano cancelou abruptamente um controverso congresso sobre células-tronco que estava programado para contar com a participação do papa em abril.

O Terceiro Congresso Internacional sobre Pesquisa Responsável com Células-Tronco, agendado para os dias 25 a 28 de abril, iria se concentrar sobre aplicações clínicas de células-tronco adultas e reprogramadas. Mas um grande número de conferencistas convidados, incluindo Alan Trounson, presidente do Instituto de Medicina Regenerativa da Califórnia, de San Francisco, e o conferencista principal, George Daley, cientista de células-tronco do Hospital Infantil de Boston, em Massachusetts, estão envolvidos em pesquisas com células-tronco embrionárias humanas, o que a Igreja Católica considera antiético. Os dois congressos anteriores também incluíram cientistas que trabalhavam com essas células, sem gerar muita polêmica.

Continue lendo…

8 março, 2010

Fisichella poderá ser removido, sem ser promovido.

‹‹ Em seu blog, Settimo Cielo, Sandro Magister antecipa a transferência do arcebispo Dom Rino Fisichella, presidente da Pontifícia Academia para a Vida, para a Arquidiocese de Siena-Colle di Val d’Elsa-Montalcino. […] Parece que o Papa atendeu aos pedidos dos acadêmicos. Se a informação de Magister vier a se confirmar, Fisichella será em breve transferido para a terra de Santa Catarina. Segundo informa o mesmo vaticanista, Dom Fisichella sonhava com a sé cardinalícia de Turim, e por isto chegou a rejeitar a Arquidiocese de Modena-Nonantola, de 470 mil habitantes. Terá agora de se contentar com a bem menos populosa arquidiocese toscana, de apenas 180 mil habitantes, e dar adeus ao barrete cardinalício. A única coisa que Magister não disse é o que a Santa Sé fará com o atual arcebispo de Siena, Antonio Buoncristiani, de apenas 66 anos. ›› Leia íntegra da notícia no ótimo Oblatvs.

18 fevereiro, 2010

Declaração sobre a Presidência da Academia Pontifícia para a Vida.

Declaração sobre a Presidência da Academia Pontifícia para a Vida

Após a Assembléia da Academia de 11-13 de fevereiro de 2010, Cidade do Vaticano.

A contestação da posição do Arcebispo Rino Fisichella como Presidente da Academia Pontifícia para a Vida, que diversos comentaristas previram, não ocorreu na Assembléia da Academia da última semana. Por quê? Essencialmente, por conta de uma decisão política feita por vários daqueles que eram signatários de uma carta de 2 de abril de 2009 ao Arcebispo Fisichella e de uma carta posterior ao Cardeal Levada, de 1º de maio de 2009, procurando a correção da impressão seriamente enganosa com relação ao ensinamento da Igreja sobre o aborto direto criada pelo artigo do Arcebispo Fisichella em L’Osservatore Romano de 15 de março de 2009. As razões para tal decisão política foram duas: (a) uma contestação aberta a Fisichella na Assembléia teria dividido a Academia, não necessariamente porque os acadêmicos concordassem com seu comportamento, mas porque muitos teriam considerado inapropriado tratar alguém nomeado pelo Papa, e que também é um Arcebispo, dessa maneira. Ademais, um desafio aberto por Acadêmicos leigos correria o risco de levar a Cúria a cerrar fileiras em torno de Fisichella, por conta da cultura clerical daquela corporação e apesar da falta de apoio a ele em muitos escalões. (b) Há informações confiáveis de que Fisichella é amplamente visto na Cúria como um Presidente inapropriado da PAV [Pontifícia Academia para a Vida] e há uma esperança razoável de que o Santo Padre reconhecerá a necessidade de dar-lhe uma ocupação melhor adaptada às suas habilidades.

A ausência de uma contestação aberta a Fisichela criou a desafortunada impressão de que os Acadêmicos apóiam sua Presidência, resignadamente ou não. Esta é uma impressão que ele está evidentemente interessado em propagar. Nada poderia estar mais distante da verdade, e uma das principais razões de sua falsidade é o precipitado discurso pronunciado por ele na abertura da Assembléia. Ele não mostrou a mínima ciência dos efeitos gravemente danosos de seu artigo no L’Osservatore Romano de 15 de março de 2009 e de sua própria responsabilidade por aqueles efeitos. Os esforços respeitosos dos Acadêmicos em procurar uma correção sua do artigo (que no momento ele rejeitou) foram por ele descritos como ataques pessoais a sua pessoa motivados por “rancor”; nenhum dos signatários tinha a menor razão para nutrir tais sentimentos por ele. Ele afirmou que a seu tempo o “Esclarecimento” publicado em 11 de julho de 2009 pela Congregação para a Doutrina da Fé o inocentou. Noutras palavras, não retratou nada do que disse em seu artigo. Fisichella está plausivelmente apto a fazer esta afirmação de ter sido inocentado por conta do primeiro parágrafo infeliz do “Esclarecimento” que diz:

“Recentemente, diversas cartas foram enviadas à Santa Sé, algumas delas de figuras proeminentes na vida política e eclesial, explicando a confusão que foi criada em vários países, especialmente na América Latina, após a manipulação e exploração de um artigo de Sua Excelência, o Arcebispo Rino Fisichella, Presidente da Pontifícia Academia para a Vida, sobre o triste caso da “garota brasileira” [ênfase acrescentada].

O que geralmente não é conhecido é que estes não são os dizeres originais do parágrafo de abertura que se pretendia publicar no L’Osservatore Romano. Fisichella conseguiu vistas do texto antes de sua publicação e pediu que o parágrafo original fosse mudado tal como se lê na versão publicada. Dessa maneira ele pôde repudiar, com a autoridade aparente da Congregação para a Doutrina da Fé, toda responsabilidade pelo impacto danoso de seu artigo na defesa de vidas humanas inocentes antes de seu nascimento. A responsabilidade por esse dano pertence inteiramente ao modo com que outros “manipularam e exploraram” seu artigo! Mas não satisfeito em repudiar a responsabilidade pelo dano que seu artigo causou, Fisichella em seu discurso à Academia em 11 de fevereiro afirmou que a justificação se estendia ao conteúdo de seu artigo. Esta afirmação é certamente grave porque a implicação clara dos dizeres do artigo é que há situações difíceis nas quais os médios gozam de um escopo para o exercício autônomo de consciência ao decidir sobre realizar ou não um aborto direto. Pareceria, então, que o “Esclarecimento” da CDF fracassou em esclarecer a mente do Arcebispo Rino Fisichela, e, se este for o caso, ele levanta uma difícil questão sobre o quão geralmente eficaz foi o “Esclarecimento” em dissipar a falsa compreensão do ensinamento da Igreja sobre o aborto direto conduzida pelo artigo de 15 de março de 2009.

Longe de criar a unidade e a genuína harmonia na Academia, o discurso do Arcebispo Fisichella em 11 de fevereiro teve por efeito confirmar nas mentes de muitos Acadêmicos a impressão de que nós estamos sendo conduzidos por um clérigo que não compreende o que envolve o respeito absoluto pela vida humana. É um estado absurdo das coisas na Academia Pontifícia para a Vida, mas que pode ser corrigido apenas por aqueles que são responsáveis pela sua nomeação como Presidente.

Professor Luke Gormally, Membro Ordinário da Academia; antigo Diretor (1981 – 2000), The Linacre Centre for Healthcare Ethics, London, UK.

Sra. Christine de Marcellus de Vollmer, Membro Ordinário da Academia; presidente Alliance for the Family. Venezuela.

Monsenhor Michel Schooyans, Membro Ordinário da Academia; Professor Emérito da Universidade de Louvain, Bélgica.

Dra. Maria Smereczynska, Membro Correspondente da Academia; Polônia.

Dr. Thomas Ward, Membro Correspondente da Academia; Presidente da National Association of Catholic Families; Clínico geral aposentado, UK.

16 de fevereiro de 2010.

Fonte: Life Site News – destaques do original