Posts tagged ‘Cardeal Dario Castrillon Hoyos’

2 março, 2013

Para bispo, cardeal italiano se disse convicto de complô para matar Papa.

Blog do Camarotti – Apesar de negado publicamente, o próprio cardeal de Palermo, Paolo Romeo, chegou a relatar para alguns bispos próximos de que estava convencido da existência de um complô para matar Bento XVI. O Blog apurou que esse relato chegou a ser feito pessoalmente pelo purpurado italiano para um influente bispo da América Latina.

Há um ano, o jornal italiano Il Fatto Quotidiano revelou que haveria um complô para matar o Papa  e que o sucessor seria o cardeal de Milão, Angelo Scola. Segundo a reportagem, a revelação teria sido feita pelo cardeal de Palermo numa conversa reservada, durante visita à China.

O relato dessa conversa teria sido entregue ao Papa num documento confidencial escrito em alemão pelo cardeal colombiano Dario Castrillón Hoyos. Prefeito emérito da Congregação do Clero, o colombiano é um grande amigo do Papa.

“O Papa não foi assassinado. Mas renunciou ao cargo e agora Scola aparece como favorito. Isso tem sido comentado no Vaticano”, ressaltou ao Blog um importante prelado brasileiro, preocupado com o clima de beligerância na Cúria Romana.

Quando a notícia foi publicada, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi disse que a informação estava “tão fora da realidade e tão pouco séria” que não podia ser levada em consideração. “Parece incrível e não quero nem comentar”, acrescentou Lombardi, na ocasião.

Já o cardeal de Palermo, Paolo Romeo, negou as informações e disse que não havia qualquer fundamento na reportagem. Romeo admitiu ter ido à China, mas disse que foi “uma viagem particular” e “de curta duração, limitada só à cidade de Pequim”.

Anúncios
13 fevereiro, 2012

Complô no Vaticano: Bertone enfurecido pelo enésimo vazamento de informação, cardeais contrangidos. E para alguns o conclave já começou.

Por Ignazio Ingrao, Panorama.it | Tradução: Fratres in Unum.com

Romeo, Castrillon e Scola.

Romeo, Castrillón e Scola.

O Cardeal Tarcisio Bertone está furioso com o enésimo vazamento de informações e documentos dos Sagrados Palácios. Em 28 de janeiro passado, na reunião de chefes de dicastérios, na presença do Papa, o Secretário de Estado havia recomendado aos bispos e cardeais que mantivessem a máxima reserva sobre os documentos que circulam na Cúria e que controlassem os seus próprios colaboradores. O memorando reservado que o Cardeal Dario Castrillón Hoyos fez chegar ao Papa no mês de janeiro, conforme relatado pelo Il Fatto Quotidiano, circulou por dias nos Sagrados Palácios. Assim como era conhecido o caso da viagem do Cardeal Paolo Romeo à China. Uma coisa é certa: não foi o Cardeal Castrillón, que também conhece bem o alemão, quem redigiu a nota, mas ela lhe foi passada já escrita por círculos da Igreja alemã com que o cardeal colombiano tem contato. Questionado por Panorama, Castrillón não quis revelar a identidade de quem lhe passou o texto. Quanto ao Cardeal Romeo, há muito embaraço na Cúria de Palermo. O ex-núncio [da Itália], arcebispo na capital da Sicília há cinco anos, viajou para a China como afirmou o documento, mas não tinha nenhum mandato da parte da Santa Sé. É difícil imaginar que um diplomata experiente como Romeo tenha se permitido lançar declarações como as que constam do documento entregue ao Vaticano. Pelo contrário, pesa nesta questão a antiga inimizade entre Romeo e Castrillón. O arcebispo de Palermo, de fato, nunca escondeu sua desconfiança em relação aos tradicionalistas, dos quais, por sua vez, Castrillón é muito próximo. Por ocasião da visita do Papa a Palermo em 2010, Romeo fez a Digos [ndr: departamento da polícia italiana de combate a subversões e terrorismo] retirar uma faixa de católicos tradicionalistas dirigida ao Papa. De sua parte, o Cardeal Castrillón foi colocado um pouco de lado após o caso Williamson, o bispo lefebvriano negacionista ao qual, por sua sugestão, o Papa levantou a excomunhão. É provável, então, que quem fabricou a nota do complô decidiu aproveitar a discórdia entre Romeo e Castrillón e tenha contado com a vontade do cardeal colombiano de voltar às “graças” do Papa levando a ele tal documento. No Vaticano, não dão qualquer peso à ameaça da trama anunciada no texto. Mas para alguns, evidentemente, as manobras em vista do conclave já começaram. E o arcebispo de Milão, Angelo Scola, já é considerado um concorrente “formidável” para o sólio de Pedro.

10 fevereiro, 2012

Complô contra o Papa? O documento na íntegra e alguns comentários.

Apresentamos a tradução do documento escrito originalmente em alemão e encaminhado ao Papa pelo Cardeal Dario Castrillon Hoyos:

Viagem a Pequim:

Em novembro de 2011, o Cardeal Romeo [arcebispo de Palarmo] chegou, com um visto de turista, a Pequim, onde, de fato, não se encontrou com nenhuma personalidade da Igreja Católica na China, mas com executivos italianos, que vivem ou, antes, trabalham, em Pequim, e alguns interlocutores chineses. Em Pequim, o Cardeal Romeo declarou ter sido enviado pessoalmente pelo Papa Bento XVI para realizar, ou melhor, para verificar, as conversações lançadas pelo Cardeal Dario Castrillon Hoyos na China, em março de 2010. Ele também afirmou ser o interlocutor designado pelo Papa para se encarregar, doravante, dos assuntos entre China e o Vaticano.

Em uma conversa confidencial, o Cardeal Romeo informou a seus interlocutores na China de ter tomado conta, durante sua atuação no serviço diplomático da Santa Sé na representação pontifícia nas Filipinas, de contatos com a RKK [Igreja Católica Romana, uma abreviação do original alemão] clandestina, e de ser, devido a esta sua experiência, o interlocutor apropriado para tomar conta das questões entre a China e o Vaticano. Ele também declarou ter sido, entre 1990 e 1999, Núncio Apostólico na Colômbia e ter colaborado, precisamente naquele período, com o Cardeal Castrillon. O Cardeal Romeo surpreendeu seus interlocutores em Pequim ao informá-los que ele – Romeo – formava, junto com Santo Padre – Papa Bento XVI – e o Cardeal Scola, uma troika [ndr: os três grandes líderes da Igreja]. Para os assuntos mais importantes, portanto, o Santo Padre consultaria Romeo e Scola.

O Cardeal Romeo foi informado pelo lado chinês do seguinte: muitos Cardeais visitaram a China, mas a visita mais relevante nas relações entre China e Vaticano foi a do Cardeal Dario Castrillon Hoyos, em março de 2010.

STRETTAMENTE CONFIDENZIALE 30.12.2011

Secretário de Estado Cardeal Tarcisio Bertone:

O Cardeal Romeo criticou duramente o Papa Bento XVI por se preocupar principalmente com a liturgia, negligenciando “assuntos atuais”, confiados pelo Papa Bento XVI ao Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de Estado da Igreja Católica Romana. O relacionamento entre o Papa Bento XVI e seu Secretário de Estado, Cardeal Tarcisio Bertone, seria muito hostil. Em uma atmosfera de confidencialidade, o Cardeal Romeo mencionou que o Papa Bento XVI literalmente odiava Tarcisio Bertone e o substituiria de bom grado por outro Cardeal. Romeo acrescentou, no entanto, que não havia outro candidato apropriado para ocupar esta posição e que, por isso, o Secretário de Estado, Cardeal Tarcisio Bertone, continuaria a ocupar esta função.

Também o relacionamento entre o Secretário de Estado e o Cardeal Scola era desfavorável e turbulento.

Sucessão do Papa Bento XVI:

O Santo Padre estava cuidando secretamente de sua sucessão e havia já escolhido o Cardeal Scola como um candidato adequado, por ser mais próximo de sua personalidade. Lenta mas seguramente, ele estava, assim, preparando-o e moldando-o para ocupar a posição de Papa.

Por iniciativa do Santo Padre – assim disse Romeo –, o Cardeal Scola foi transferido de Veneza para Milão, a fim de preparar de lá, mais tranquilamente, o seu Papado. O Cardeal Romeo continuou a surpreender os seus interlocutores na China ao alimentá-los com rumores.

Confidencialmente, como se soubesse em detalhes, o Cardeal Romeo anunciou que o Santo Padre teria apenas 12 meses de vida. Durante suas conversas na China, ele profetizou a morte do Papa Bento XVI dentro dos próximos 12 meses. As declarações do Cardeal vazaram de uma pessoa provavelmente informada de um sério plano criminoso, com tal certeza e firmeza, que seus interlocutores na China pensaram, espantados, que havia planos de um ataque contra o Santo Padre. O Cardeal Romeo pareceu seguro de si e não podia imaginar que as declarações feitas nesta rodada de conversas secretas poderiam ser repassadas por terceiros ao Vaticano.

Também seguro de si, Romeo profetizou que agora já seria certo, embora ainda secreto, que o sucessor do Papa Bento XVI seria, em todo caso, um candidato de origem italiana. Como descrito anteriormente, o Cardeal Romeo enfatizou que após a morte de Bento XVI, o Cardeal Scola seria eleito Papa. Também Scola teria inimigos importantes no Vaticano.

Fonte: Rorate-Caeli | Original: Il Fatto Quotidiano

* * *

Segundo Andrea Tornielli, o documento, tal como apresentado acima, é autêntico e foi recebido pela Secretaria de Estado, onde, após uma primeira leitura e algumas risadas, não recebeu nenhuma consideração, embora tenha sido repassado ao Santo Padre. Ainda, o Papa recebeu o Cardeal Dario Castrillón Hoyos em audiência privada no último dia 13 de janeiro, na qual seguramente o assunto foi abordado.

O Cardeal Romeo realmente não tem apreço nenhum pelo trabalho de Bento XVI relacionado à liturgia. Basta recordar que Sua Eminência chamou a polícia para retirar as faixas dos jovens tradicionalistas que queriam agradecer o Papa pelo motu proprio Summorum Pontificum, quando de sua visita a Palermo.

Como afirma Francesco Colafemmina, o documento traduzido por Il Fatto Quotidiano afirma que Romeo “anunciou que o Santo Padre teria apenas 12 meses de vida”.  A história de um “complô” para assinar o Papa é uma inferência do redator do documento: ao dizer que o Papa tem apenas 12 meses de vida, ou Romeo é um profeta, ou sabe que o Papa está doente, ou…

Fontes confiáveis nos informam que há, recentemente, uma maior preocupação com a segurança do Papa: domingo passado, na Praça São Pedro, foram colocadas entradas de segurança para o Angelus, coisa nunca acontecida.

No entanto, a própria saúde do Santo Padre não é das melhores, algo absolutamente razoável a um homem que completará 85 anos e carrega sobre suas costas os maiores pesos da humanidade.  Há informações de que, privadamente, o Papa anda com o auxílio de uma bengala, devido a seus problemas de artrose e a constantes desequilíbrios que teriam causado  a queda, entre outras, na qual fraturou o pulso direito.

Enfim, o documento causou frenesi desde a noite passada e apareceu hoje nos maiores jornais da Itália. Padre Lombardi o qualificou de “loucura”. Saber se realmente há um complô contra o Papa, ou se o Cardeal Romeo apenas supôs sua morte devido a seu estado de saúde, é, para nós, pobres mortais, algo impossível.

10 fevereiro, 2012

Jornal italiano fala sobre complô para matar o papa Bento XVI.

EFE – O cardeal colombiano Dario Castrillón Hoyos entregou ao papa Bento XVI um documento no qual informava sobre a existência de um complô para matá-lo dentro de 12 meses, afirma nesta sexta-feira o jornal italiano Il Fatto Quotidiano.

O jornal, especializado em jornalismo político e de investigação, informa que Castrillón entregou à Secretaria de Estado do Vaticano um documento para Bento XVI, escrito em alemão, no qual informava sobre o que disse o cardeal e arcebispo de Palermo, Paolo Romeo, durante algumas conversas na China em novembro.

“Vaticano, tramas e venenos. O papa morrerá dentro de 12 meses”, escreve a capa do jornal, que nas páginas internas publica uma parte do documento e a tradução ao italiano de toda a mensagem. Este texto, que é considerado “estritamente confidencial”, cita declarações “de uma pessoa bem informada” sobre as conversas mantidas durante uma viagem do cardeal Romeo à China em novembro.

“Seguro de si mesmo, como se soubesse com precisão, o cardeal Romeo anunciou que ao Santo Padre restam apenas 12 meses de vida”, diz a tradução do documento. Durante estas conversas, Romeo assegurou que Bento XVI estava também preparando sua sucessão e que tinha indicado o nome do cardeal e arcebispo de Milão, Angelo Scola.

“O cardeal Romeo se sentia seguro e não podia imaginar que estas conversas realizadas nas reuniões secretas fossem depois informadas por terceiras pessoas ao Vaticano”, continua a mensagem. Castrillón se inteirou destas conversas e decidiu escrever ao papa no dia 30 de dezembro do ano passado e Bento XVI recebeu a mensagem alguns dias depois, acrescenta a publicação.

O porta-voz do escritório de imprensa do Vaticano, o jesuíta Federico Lombardi, perguntado pelo jornal afirmou que a informação estava “tão fora da realidade e tão pouco séria que não podia ser levada em consideração”. “Parece incrível e não quero nem comentar”, acrescentou Lombardi, de acordo com o jornal.

9 dezembro, 2011

Diante do pejo e resistência de clérigos, jovens e leigos mostram-se favoráveis à liturgia tradicional.

Carta 24 de  Paix Liturgique

Desta vez, não somos nós que o dizemos, mas sim distintos prelados romanos e a Federação Internacional “Una Voce”: para grande desespero de um certo clero de antanho, são os jovens e os leigos que, empenhando-se na aplicação do Motu Proprio Summorum Pontificum, mais testemunham a sua fidelidade ao Papa e a sua concordância com os seus pontos de vista litúrgicos.

Foi assim que, no passado dia 7 de Outubro, por ocasião da apresentação dum livro italiano sobre as oposições ao Motu Proprio, Mons. Bux — ver as nossas cartas em francês 210, 211 e 258 —, sublinhou fortemente o papel de motor desempenhado pelos leigos e pelos jovens para a boa recepção do magistério de Bento XVI em matéria litúrgica. Os Cardeais Farina e Castrillón Hoyos, que então estavam presentes, apoiaram sem hesitação as posições deste amigo do Santo Padre.

Continue lendo…

28 junho, 2011

Ordenações no IBP.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Agradecemos ao seminarista Luis Carlos de Lima o envio das fotos das ordenações diaconais (Sergiusz Orzeszko, Polônia; Giorgio Lenzi, Itália; Yvain Cartier, França; e o brasileiro Daniel Pinheiro) e sacerdotal (Pe. Rémy Balthazard, França) conferidas por Sua Eminência Reverendíssima Dom Dario Cardeal Castrillon Hoyos no último sábado, na Igreja de Saint-Eloi, em Bordeaux, sede do Instituto do Bom Pastor.

18 maio, 2010

João Paulo II e Marcial Maciel. A ação de Bento XVI.

Sob circunstâncias normais, o domínio do Papa Bento XVI da literatura alemã pode não parecer uma forma óbvia de preparação para o papado. Neste momento, porém, parece ser assim, porque Bento XVI e seus admiradores enfrentam uma escolha tirada diretamente do Fausto de Goethe: a fim de salvar a reputação de Bento XVI na crise dos abusos sexuais, eles são obrigados a rever a atuação de João Paulo II.

A análise é de John L. Allen Jr., publicada no sítio National Catholic Reporter, 12-05-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Não está claro se a crítica crescente do histórico de João Paulo II será suficiente para retardar sua beatificação, mas pode muito bem dar novas cores ao legado do Papa diante dos olhos da história.

read more »

23 abril, 2010

Cardeal Castrillón Hoyos: “a maçonaria está engajada e se une a outros inimigos da Igreja”.

Não me arrependerei jamais. Mantenho a minha posição, pois é a postura tradicional da Igreja […] em alguns destes casos a maçonaria está engajada e se une a outros inimigos da Igreja […] É uma pena que haja idiotas úteis no seio destes que se prestam a tal perseguição”.

Palavras do Cardeal Darío Castrillón Hoyos à rádio colombiana RCN

* * *

“A Igreja é uma sociedade perfeita, gozando, portanto, das três funções de qualquer sociedade perfeita (a capacidade de legislar, a capacidade de aplicar suas leis e a capacidade de julgar segundo o seu próprio direito). Por conseguinte, o direito canônico sempre reivindicou um privilégio dos clérigos de depender da justiça canônica e não da justiça temporal. Na situação atual das relações entre  a Igreja e os Estados, este privilégio quase não é  mais aplicado. Isso significa simplesmente que, para evitar um mal maior ou favorecer um bem (como as relações harmoniosas com o Estado), a Igreja deixou de reivindicar este direito. Mas isso não impede, absolutamente, que esta isenção permaneça a regra.  É isso que o Cardeal Castrillon Hoyos escreveu a Monsenhor Pican”.

Palavras de Vini Ganimara, editor do blog Osservatore Vaticano, citado na matéria de Golias contra o Cardeal Castrillón

20 abril, 2010

Golias vs Cardeal Castrillón. O Cardeal responde: “O Papa autorizou a carta”.

A carta publicada pelo Golias (que não é exclusiva deste meio, mas que havia sido publicada anteriormente pela própria Congregação para o Clero), na qual o Cardeal Darío Castrillón, na qualidade de Prefeito da Congregação para o Clero, felicita um bispo por não denunciar um sacerdote pederasta às autoridades civis, foi muito divulgada.

O que não foi muito difundido foi a explicação dada a respeito pelo Cardeal Castrillón. Segue uma matéria da imprensa secular sobre a explicação dada por Castrillón.

La Verdad de Murcia, Abr-17-2010.

Clique para ampliar.

Clique para ampliar.

O Cardeal Darío Castrillón, que em 2001 felicitou via carta o bispo Pierre Pican por não denunciar um sacerdote que finalmente foi condenado a 18 anos de cárcere por pedofilia, aproveitou a conferência que deu ontem em Murcia para explicar os motivos da felicitação e revelar, de passagem, que este “reconhecimento” do máximo responsável pelos sacerdotes em todo o mundo contou com o visto de aprovação de João Paulo II.  « Felicito-o por não ter denunciado um sacerdote à administração civil. O senhor fez bem e me alegro por ter um companheiro no episcopado que, aos olhos da história e de todos os bispos do mundo, teria preferido o cárcere do que denunciar um filho seu sacerdote », afirmava a carta que Castrillón, de 81 anos, remeteu a Pierre Pican, condenado a três meses de cárcere por cumplicidade.

Poucos minutos depois de começar sua intervenção, centrada nas chaves do sacerdócio durante o pontificado de Karol Wojtyla, Castrillón assegurou que o bispo « não o denunciou — o padre pedófilo Rene Bissey — porque havia recebido a confidência ». Desta maneira, o cardeal se referia a que Pierre Pican havia atuado em virtude do segredo de confissão, que proíbe ao confessor « revelar o penitente, por palavra ou por qualquer outro modo, e por nenhum motivo », segundo consta no cânon 983 do Código de Direito Canônico.

Mas Darío Castrillón quis se aprofundar em suas explicações perante os assistentes e disse que « depois de consultar o Papa e mostrá-la, escrevi uma carta ao bispo, felicitando-o como modelo de um pai que não entrega seus filhos ». Todos os assistentes, alguns com mais energia que outros, aplaudiram em uníssono as palavras do “chefe” dos sacerdotes. Desde o arcebispo de Zaragoza, Manuel Ureña, ao Cardeal Antonio Cañizares, presidente do congresso mundial que se celebra no mosteiro de Los Jerónimos, sede da Universidade Católica de Murcia. O prelado, depois de vários segundos de aplauso, terminou o inciso de sua conferência dizendo com autoridade cardinalícia que, ademais, « o Santo Padre me autorizou que enviasse esta carta a todos os bispos do mundo e a colocamos na internet ».

Depois de sua intervenção, e apesar do Vaticano assegurar que a postura do cardeal sobre como reagir a um caso de pederastia que afete um sacerdote não representa a linha oficial da Igreja perante o problema, Darío Castrillón se sentiu acolhido. Primeiro, por uma dezena de irmãs guadalupanas que o cercaram sorridentes para tirar uma foto junto a ele. Depois, pelos bispos, arcebispos e cardeais presentes no templo, que lhe dispensaram calorosos abraços e até algum outro mimo.

12 junho, 2009

Notas: entrevista de D. Fellay ao seminário St. Thomas Aquinas.

Apresentamos algumas notas tomadas da entrevista concedida por Dom Bernard Fellay, superior geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, ao seminário americano da mesma em 5 de abril, Domingo de Ramos, deste ano. Não se trata de uma transcrição ipsis litteris, mas de anotações que buscam resumir o que há de mais importante nas quase duas horas de entrevista. Caso nossos amigos encontrem algo relevante que não tenha sido relatado abaixo, poderá nos informar na caixa de comentários.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Primeira parte da entrevista aqui.

É fato, Dom Williamson não atua mais como bispo na FSSPX. O “silenciamento” de Williamson é conseqüência de suas palavras “altamente imprudentes” que infringem leis em vários países de Europa. Segundo Dom Fellay, em fevereiro um homem foi sentenciado a 6 anos de prisão por dizer o mesmo que Dom Williamson. Com a União Européia, a possibilidade de Dom Williamson ser preso na Alemanha, mesmo estando na Inglaterra, é “muito grande”. As afirmações não trouxeram apenas limitações para dom Williamson, mas também problemas civis para a Fraternidade , que chegou a perder centros de missas e capelas, cujos locadores se recusaram a continuar tendo a FSSPX em suas dependências. Também outros projetos de expansão da Fraternidade foram perdidos. Conforme Dom Fellay, a FSSPX é uma organização da Igreja Católica e trabalha pelos propósitos da Igreja, que é a salvação das almas através da pregação da Revelação. Adentrar em matérias históricas não faz parte deste objetivo.

Pressão sobre Bento XVI: Dom Fellay crê que a entrevista feita em novembro foi usada exatamente no momento do levantamento das excomunhões para pôr pressão sobre o Papa, “tentando bloqueá-lo em seus esforços para fazer alguma restauração na Igreja e ir na direção correta”.

Questionado se Dom Williamson poderá servir a FSSPX de maneira ativa novamente, respondeu: “É uma questão difícil”. Se ele permanecer em sua posição, é difícil pensar que poderá realizar ordenações ou coisas importantes, pois a má fama de Dom Williamson se espalhará facilmente e atingirá a Fraternidade. “Posso dizer que o único modo que aparece agora, ao menos que essas circunstâncias mudem, seria que Dom Williamson se retratasse”.

“Mesma necessidade, mesma solução”: Sobre consagrar novos bispos numa nova “operação sobrevivência”, afirma que se as mesmas circunstâncias e necessidades se realizassem novamente e não existissem outras possibilidades, sim. Mas não crê que estas circunstâncias estejam já presentes.

Aos que crêem que qualquer contato com Roma constitui um compromisso e um perigo para a conservação da Fé Católica, Dom Fellay responde que o propósito em se manter relações deve ser a unidade na única Igreja Católica, que tem as promessas de que as portas do inferno não prevalecerão contra ela, e à qual devemos pertencer para ser salvos. Também sabemos que na Igreja há problemas e que eles sempre existiram em toda sua história. Comparando a crise da Igreja com um câncer, Dom Fellay diz que se deve combater o câncer, mas não a pessoa que dele padece. Temos que sustentar que a Igreja é um corpo visível. Quando se diz “igreja moderna”, “igreja conciliar”, “igreja oficial”, se faz uma simplificação que estritamente não é correta. As conversações não são fáceis e sem perigos, mas quando se espera que a Igreja melhore é necessário ajudar. A FSSPX conseguiu grandes feitos de Roma sem sequer uma concessão.

Ainda o caso Williamson: Dom Fellay diz que Roma teria inicialmente acolhido o pedido de desculpas de Dom Williamson, mas com o passar dos dias a pressão teria aumentado muito. Para aliviar a pressão sobre o Papa, Roma teria diminuído a importância da FSSPX e feito uma exigência até então nunca realizada com tal vigor: a plena aceitação do Concílio Vaticano II. Dom Fellay considera tal postura autoritária e muito estranha, que teria se dado para tranqüilizar os progressistas. Muitas conferências episcopais temem perder o que conquistaram desde o Concílio. Também considera muito estranho que se peça a aceitação da “Shoah”, quando a Igreja só deve exigir a fé católica. Não sabe como as coisas continuarão, já que a Fraternidade não esperava tudo isso, mas considera que essas ações sejam sinais para que ajam com muita prudência.

Na cúria: há aqueles muito favoráveis à verdadeira restauração da Igreja, têm um real entendimento da crise, mas são poucos. Contudo, as coisas estão muito melhores que há dez anos.

Devemos esperar que a situação se reverta. No Concílio, inicialmente, os liberais não eram maioria e manobraram para tomar a liderança. As pequenas coisas que vemos atualmente talvez sejam o começo de uma reviravolta que Dom Fellay espera que seja similar àquela. O progressismo está morrendo e não tem futuro, enquanto há força nos tradicionalistas. Cristo é a cabeça da Igreja e o Espírito Santo sua alma; Deus pode permitir que a Igreja sofra, mas também que seja curada, do modo que Ele quiser, quando quiser, aconteça o que acontecer. Deus pode permitir que da situação difícil venha a “ressurreição” da Igreja para provar ainda mais sua divindade.

Coragem e Fé: Não há dúvida que o levantamento do decreto das excomunhões foi um ato corajoso do Papa. Mas alguns questionam: ele tem Fé? Dom Fellay está certo que ele quer ter a Fé, mas alguns de seus livros de quando era jovem são “verdadeiramente embaraçosos, preocupantes”. O modo filosófico com que expressa sua fé pode inquietar algumas pessoas. É necessário fazer distinções, pois há heresias diretas onde se perde a fé ao pronunciá-las, pois heresia é contradizer um dogma, o que não é o caso. Dom Fellay crê que se alguém perguntar ao Papa se ele crê em determinado dogma, receberia a resposta católica, embora em determinados livros se tenha teses embaraçosas.

Discussões doutrinárias: Sua Excelência crê que começarão logo, pois todos querem que comecem. Não há elementos concretos. Não sabe onde serão realizadas e prefere textos em vez de conversas. A idéia é apresentar os problemas que a FSSPX tem com relação ao Concílio e esperar esclarecimentos.

Princípios que guiarão a FSSPX : a Fé e a Tradição. João Paulo II e hoje Bento XVI defendem uma ligação entre o Concílio e a Tradição.  Mesmo não havendo consenso sobre a palavra Tradição, Dom Fellay pensa ser uma boa direção. Direção esta que a FSSPX sempre seguiu. Afinal, o que seria mais importante: o Concílio ou o que a Igreja disse até agora? É claro que a Igreja não pode começar no Vaticano II; se é assim, há uma “nova Igreja” e os que a defendem não são católicos. Na Igreja não há nada novo, mas apenas crescimento homogêneo (precisões ou novos termos para eliminar erros, por exemplo, o uso do termo “transubstanciação”).  Portanto, deve-se considerar o concílio à luz da Tradição, isto é, seguindo o critério da Tradição. É absolutamente necessário que a luz da Tradição ilumine a Igreja hoje. Não se pode excluir que, por se estar tratando com filosofia moderna, é possível se ter um final não esperado. Neste caso a FSSPX continuaria seu caminho, colocando tudo nas mãos de Deus.

Novos padres podem se aproximar da FSSPX por causa do levantamento das excomunhões. A FSSPX reordenará estes padres sob condição?  A idéia de que toda ordenação no Novus Ordo seria inválida é errada. A posição correta é a mesma com relação à nova missa. “Em si mesma, estritamente falando, se todas as condições requeridas pela natureza dos sacramentos são respeitadas, temos que contar com a validade, embora experimentemos que certo número dos sacramentos são distribuídos  invalidamente por falta de um dos elementos”. São bispos que têm um conceito errôneo do que é ser padre. Em casos onde as dúvidas eram muito sérias, e considerando que a Igreja requer que se tenha certeza neste aspecto, realiza-se a reordenação sob condição. Dos que não há dúvidas, não há porque reordenar.

– Dom Fellay ouviu em Roma que se pretende impor o latim no cânon da nova missa.

O estado de necessidade ainda existe, pois a missa não é o único problema. É necessário ter uma visão ampla da situação da igreja. De jure há missa, mas na prática não. O Papa na carta aos bispos diz a fé corre o risco de desaparecer (“No nosso tempo em que a fé, em vastas zonas da terra, corre o perigo de apagar-se como uma chama que já não recebe alimento”) . Isso prova o estado de necessidade.

Para se evitar posições extremas (se referindo aos que não querem contato algum com Roma) basta rezar pelo Papa, que tem o trabalho mais difícil da terra.

Maior desafio a ser ultrapassado na Igreja: sair da crise sem provocar uma maior. Colocar o trem nos trilhos quando há muita resistência. O risco de se despedaçar é enorme. Deve-se ir em direção à restauração sem sofrer maiores danos do que os atuais. É como ter um grande trem ou navio e uma grande curva.  Não se impõe a um trem em alta velocidade uma curva acentuada.

Sítios sedevecantistas americanos:  Dom Fellay não vê grandes diferenças entre internet, televisão, rádio e imprensa em geral. São meios que darão frutos conforme seu bom ou mau uso.  Os fiéis que colocam sua confiança em pseudo doutores sem autoridade nem missão na Igreja correm sério risco de pecar. Alguns sites citam palavras de Mons. Lefebvre ao cardeal Ratzinger onde ele diz, em suma, que mesmo se Roma desse a ele tudo que fosse necessário, não poderiam trabalhar juntos por Roma não aceitar a doutrina de Cristo Rei. Dom Lefebvre relatou este diálogo que se deu no verão de 1987 numa conferência aos seminaristas. Depois disso, Dom Lefebvre ainda diria numa carta entre julho-agosto de 1987 aos futuros bispos que Roma estava ocupada por ‘anticristos’.  Todavia, estes sites nunca citam que após estes acontecimentos Dom Lefebvre pediu uma visitação canônica de Roma, cujas discussões aconteceram em abril de 1988. Tais citações devem ser analisadas, portanto, em seu contexto. É prática atual analisar as coisas sem suas circunstâncias. É questão de honestidade intelectual procurar compreender o que quis dizer o autor da frase. Tivemos um tempo difícil com Roma e hoje o problema persiste. Dissemos ao Cardeal Castrillón o mesmo que Lefebvre disse em 1987: “Se nos querem, devem respeitar nossa identidade. Não vai dar certo se nos pedir para mudar nossa identidade”. Nosso Senhor é Senhor, e todos os poderes Lhe devem ser dados no céu e na terra. “Definitivamente não vamos mudar isso”.

– Por conta das manifestações de Dom Williamson a FSSPX chegou a perder centros de missas e capelas, cujos locadores se recusaram a continuar tendo a FSSPX em suas dependências. A FSSPX é uma organização da Igreja Católica e trabalha pelos propósitos da Igreja, que é a salvação das almas através da pregação da Revelação. Adentrar em matérias históricas não faz parte deste objetivo.

– Dom Fellay crê que a entrevista feita em novembro foi usada exatamente no momento do levantamento das excomunhões para pôr pressão sobre o Papa, “tentando bloqueá-lo seus esforços para fazer alguma restauração na Igreja e ir na direção correta”.

– Questionado se Dom Williamson poderá servir a FSSPX de maneira ativa novamente, respondeu: “É uma questão difícil”. Se ele permanecer em sua posição, é difícil pensar que poderá realizar ordenações ou coisas importantes, pois a má fama de Dom Williamson se espalhará facilmente e atingirá a Fraternidade. “Posso dizer que o único modo que aparece agora, ao menos que essas circunstâncias mudem, seria que Dom Williamson se retratasse”.

– “Mesma necessidade, mesma solução”: Sobre consagrar novos bispos numa nova “operação sobrevivência”: se as mesmas circunstâncias e necessidades se realizassem novamente e não existissem outras possibilidades, sim. Mas não crê que estas circunstâncias estejam já presentes.

– Aos que crêem que qualquer contato com Roma constitui um compromisso e um perigo para a conservação da Fé Católica, Dom Fellay responde que o propósito em se manter relações deve ser a unidade na única Igreja Católica, que tem as promessas de que as portas do inferno não prevalecerão contra ela, e à qual devemos pertencer para sermos salvos. Também sabemos que na Igreja há problemas e que eles sempre existiram em toda sua história. Comparando a crise da Igreja com um câncer, Dom Fellay diz que se deve combater o câncer, mas não a pessoa que dele padece. Temos que sustentar que a Igreja é um corpo visível. Quando se diz “igreja moderna”, “igreja conciliar”, “igreja oficial”, se faz uma simplificação que estritamente não é correta. As conversações não são fáceis e sem perigos, mas quando se espera que a Igreja melhore é necessário ajudar. A FSSPX conseguiu grandes feitos de Roma sem sequer uma concessão.

– Dom Fellay diz que Roma teria inicialmente acolhido o pedido de desculpas de Dom Williamson, mas que com o passar dos dias a pressão aumentou muito. Para aliviar a pressão sobre o Papa, Roma teria diminuído a importância da FSSPX e feito uma exigência até então nunca realizada com tal vigor: a plena aceitação do Concílio Vaticano II. Dom Fellay considera tal postura autoritária e muito estranha, que teria se dado para tranqüilizar os progressistas. Muitas conferências de bispos temem perder o que conquistaram desde o Concílio. Também considera muito estranho que se peça a aceitação da “Shoah”, quando a Igreja só deve exigir a fé católica. Não sabe como as coisas continuarão, já que a Fraternidade não esperava tudo isso, mas considera que essas ações sejam sinais para que ajam com muita prudência.

– Na cúria: há aqueles muito favoráveis à verdadeira restauração da Igreja, têm um real entendimento da crise, mas são poucos. Contudo, as coisas estão muito melhores que há dez anos.
– Devemos esperar que a situação se reverta. No Concílio, inicialmente, os liberais não eram maioria e manobraram para tomar a liderança. As pequenas coisas que vemos atualmente talvez sejam o começo de uma reviravolta que Dom Fellay espera que seja similar. O progressismo está morrendo e não tem futuro, enquanto há força nos tradicionalistas. Cristo é a cabeça da Igreja e o Espírito Santo sua alma; Deus pode permitir que a Igreja sofra, mas também que seja curada, do modo que Ele quiser, quando quiser, aconteça o que acontecer. Deus pode permitir que da situação difícil venha a “ressurreição” da Igreja para provar ainda mais sua divindade.
– Não há dúvida que o levantamento do decreto das excomunhões foi um ato corajoso do Papa. Mas alguns questionam: ele tem Fé? Dom Fellay está certo que ele quer ter a Fé, mas alguns de seus livros de quando era jovem são “verdadeiramente embaraçosos, preocupantes”. O modo filosófico com que expressa sua fé pode inquietar algumas pessoas. É necessário fazer distinções, pois há heresias diretas onde se perde a fé ao pronunciá-las, pois heresia é contradizer um dogma, o que não é o caso. Dom Fellay crê que se alguém perguntar ao Papa se ele crê em determinado dogma, receberia a resposta católica, embora em determinados livros se tenha teses embaraçosas.
– Discussões doutrinárias: Sua Excelência crê que começarão logo, pois todos querem que comecem. Não há elementos concretos. Não sabe onde serão realizadas e prefere textos em vez de conversas. A idéia é apresentar os problemas que a FSSPX tem com relação ao Concílio e esperar esclarecimentos.
– Princípios que guiarão a FSSPX : a Fé e a Tradição. João Paulo II e hoje Bento XVI defendem uma ligação entre o Concílio e a Tradição.  Mesmo não havendo consenso sobre a palavra Tradição, Dom Fellay pensa ser uma boa direção. Direção esta que a FSSPX sempre seguiu. Afinal, o que seria mais importante: o Concílio ou o que a Igreja disse até agora? É claro que a Igreja não pode começar no Vaticano II; se é assim, há uma “nova Igreja” e os que a defendem não são católicos. Na Igreja não há nada novo, mas apenas crescimento homogêneo (precisões ou novos termos para eliminar erros, por exemplo, o uso do termo “transubstanciação”).  Portanto, deve-se considerar o concílio à luz da Tradição, isto é, seguindo o critério da Tradição. É absolutamente necessário que a luz da Tradição ilumine a igreja hoje. Não se pode excluir que, por se estar tratando com filosofia moderna, é possível se ter um final não esperado. Neste caso a FSSPX continuaria seu caminho, colocando tudo nas mãos de Deus.
– Novos padres podem se aproximar da FSSPX por causa do levantamento das excomunhões. A FSSPX reordenará estes padres sob condição?  A idéia de que toda ordenação no Novus Ordo seria inválida é errada. A posição correta é a mesma com relação à nova missa. “Em si mesma, estritamente falando, se todas as condições requeridas pela natureza dos sacramentos são respeitadas, temos que contar com a validade, embora experimentemos que certo número dos sacramentos são distribuídos  invalidamente por falta de um dos elementos”. São bispos que têm um conceito errôneo do que é ser padre. Em casos onde as dúvidas eram muito sérias, e considerando que a Igreja requer que se tenha certeza neste aspecto, realiza-se a reordenação sob condição. Dos que não há dúvidas, não há porque reordenar.
– Dom Fellay ouviu em Roma que se pretende impor o latim no cânon da nova missa.
– O estado de necessidade ainda existe, pois a missa não é o único problema. É necessário ter uma visão ampla da situação da igreja. De jure há missa, mas na prática não. O Papa na carta aos bispos diz a fé corre o risco de desaparecer (“No nosso tempo em que a fé, em vastas zonas da terra, corre o perigo de apagar-se como uma chama que já não recebe alimento”) . Isso prova o estado de necessidade.
– Para se evitar posições extremas (se referindo aos que não querem contato algum com Roma) basta rezar pelo Papa, que tem o trabalho mais difícil da terra.
– Maior desafio a ser ultrapassado na Igreja: sair da crise sem provocar uma maior. Colocar o trem nos trilhos quando há muita resistência. O risco de se despedaçar é enorme. Deve-se ir em direção à restauração sem sofrer maiores danos do que os atuais. É como ter um grande trem ou navio e uma grande curva.  Não se impõe a um trem em alta velocidade uma curva acentuada.
– Sítios sedevecantistas americanos:  Dom Fellay não vê grandes diferenças entre internet, televisão, rádio e imprensa em geral. São meios que darão frutos conforme seu bom ou mau uso.  Os fiéis que colocam sua confiança em pseudo doutores sem autoridade nem missão na Igreja correm sério risco de pecar. Alguns sites citam palavras de Mons. Lefebvre ao cardeal Ratzinger onde ele diz, em suma, que mesmo se Roma desse a ele tudo que fosse necessário, não poderiam trabalhar juntos por Roma não aceitar a doutrina de Cristo Rei. Dom Lefebvre relatou este diálogo que se deu no verão de 1987 numa conferência aos seminaristas. Depois disso, Dom Lefebvre ainda diria numa carta entre julho-agosto de 1987 aos futuros bispos que Roma estava ocupada por ‘anticristos’.  Todavia, estes sites nunca citam que após estes acontecimentos Dom Lefebvre pediu uma visitação canônica de Roma, cujas discussões aconteceram em abril de 1988. Tais citações devem ser analisadas, portanto, em seu contexto. É prática atual analisar as coisas sem suas circunstâncias. É questão de honestidade intelectual procurar compreender o que quis dizer o autor da frase. Tivemos um tempo difícil com Roma e hoje o problema persiste. Dissemos ao Cardeal Castrillón o mesmo que Lefebvre disse em 1987: “Se nos querem, devem respeitar nossa identidade. Não vai dar certo se nos pedir para mudar nossa identidade”. Nosso Senhor é Senhor, e todos os poderes Lhe devem ser dados no céu e na terra. “Definitivamente não vamos mudar isso”.