Posts tagged ‘Cardeal Paolo Romeo’

2 março, 2013

Para bispo, cardeal italiano se disse convicto de complô para matar Papa.

Blog do Camarotti – Apesar de negado publicamente, o próprio cardeal de Palermo, Paolo Romeo, chegou a relatar para alguns bispos próximos de que estava convencido da existência de um complô para matar Bento XVI. O Blog apurou que esse relato chegou a ser feito pessoalmente pelo purpurado italiano para um influente bispo da América Latina.

Há um ano, o jornal italiano Il Fatto Quotidiano revelou que haveria um complô para matar o Papa  e que o sucessor seria o cardeal de Milão, Angelo Scola. Segundo a reportagem, a revelação teria sido feita pelo cardeal de Palermo numa conversa reservada, durante visita à China.

O relato dessa conversa teria sido entregue ao Papa num documento confidencial escrito em alemão pelo cardeal colombiano Dario Castrillón Hoyos. Prefeito emérito da Congregação do Clero, o colombiano é um grande amigo do Papa.

“O Papa não foi assassinado. Mas renunciou ao cargo e agora Scola aparece como favorito. Isso tem sido comentado no Vaticano”, ressaltou ao Blog um importante prelado brasileiro, preocupado com o clima de beligerância na Cúria Romana.

Quando a notícia foi publicada, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi disse que a informação estava “tão fora da realidade e tão pouco séria” que não podia ser levada em consideração. “Parece incrível e não quero nem comentar”, acrescentou Lombardi, na ocasião.

Já o cardeal de Palermo, Paolo Romeo, negou as informações e disse que não havia qualquer fundamento na reportagem. Romeo admitiu ter ido à China, mas disse que foi “uma viagem particular” e “de curta duração, limitada só à cidade de Pequim”.

13 fevereiro, 2012

Complô no Vaticano: Bertone enfurecido pelo enésimo vazamento de informação, cardeais contrangidos. E para alguns o conclave já começou.

Por Ignazio Ingrao, Panorama.it | Tradução: Fratres in Unum.com

Romeo, Castrillon e Scola.

Romeo, Castrillón e Scola.

O Cardeal Tarcisio Bertone está furioso com o enésimo vazamento de informações e documentos dos Sagrados Palácios. Em 28 de janeiro passado, na reunião de chefes de dicastérios, na presença do Papa, o Secretário de Estado havia recomendado aos bispos e cardeais que mantivessem a máxima reserva sobre os documentos que circulam na Cúria e que controlassem os seus próprios colaboradores. O memorando reservado que o Cardeal Dario Castrillón Hoyos fez chegar ao Papa no mês de janeiro, conforme relatado pelo Il Fatto Quotidiano, circulou por dias nos Sagrados Palácios. Assim como era conhecido o caso da viagem do Cardeal Paolo Romeo à China. Uma coisa é certa: não foi o Cardeal Castrillón, que também conhece bem o alemão, quem redigiu a nota, mas ela lhe foi passada já escrita por círculos da Igreja alemã com que o cardeal colombiano tem contato. Questionado por Panorama, Castrillón não quis revelar a identidade de quem lhe passou o texto. Quanto ao Cardeal Romeo, há muito embaraço na Cúria de Palermo. O ex-núncio [da Itália], arcebispo na capital da Sicília há cinco anos, viajou para a China como afirmou o documento, mas não tinha nenhum mandato da parte da Santa Sé. É difícil imaginar que um diplomata experiente como Romeo tenha se permitido lançar declarações como as que constam do documento entregue ao Vaticano. Pelo contrário, pesa nesta questão a antiga inimizade entre Romeo e Castrillón. O arcebispo de Palermo, de fato, nunca escondeu sua desconfiança em relação aos tradicionalistas, dos quais, por sua vez, Castrillón é muito próximo. Por ocasião da visita do Papa a Palermo em 2010, Romeo fez a Digos [ndr: departamento da polícia italiana de combate a subversões e terrorismo] retirar uma faixa de católicos tradicionalistas dirigida ao Papa. De sua parte, o Cardeal Castrillón foi colocado um pouco de lado após o caso Williamson, o bispo lefebvriano negacionista ao qual, por sua sugestão, o Papa levantou a excomunhão. É provável, então, que quem fabricou a nota do complô decidiu aproveitar a discórdia entre Romeo e Castrillón e tenha contado com a vontade do cardeal colombiano de voltar às “graças” do Papa levando a ele tal documento. No Vaticano, não dão qualquer peso à ameaça da trama anunciada no texto. Mas para alguns, evidentemente, as manobras em vista do conclave já começaram. E o arcebispo de Milão, Angelo Scola, já é considerado um concorrente “formidável” para o sólio de Pedro.

10 fevereiro, 2012

Complô contra o Papa? O documento na íntegra e alguns comentários.

Apresentamos a tradução do documento escrito originalmente em alemão e encaminhado ao Papa pelo Cardeal Dario Castrillon Hoyos:

Viagem a Pequim:

Em novembro de 2011, o Cardeal Romeo [arcebispo de Palarmo] chegou, com um visto de turista, a Pequim, onde, de fato, não se encontrou com nenhuma personalidade da Igreja Católica na China, mas com executivos italianos, que vivem ou, antes, trabalham, em Pequim, e alguns interlocutores chineses. Em Pequim, o Cardeal Romeo declarou ter sido enviado pessoalmente pelo Papa Bento XVI para realizar, ou melhor, para verificar, as conversações lançadas pelo Cardeal Dario Castrillon Hoyos na China, em março de 2010. Ele também afirmou ser o interlocutor designado pelo Papa para se encarregar, doravante, dos assuntos entre China e o Vaticano.

Em uma conversa confidencial, o Cardeal Romeo informou a seus interlocutores na China de ter tomado conta, durante sua atuação no serviço diplomático da Santa Sé na representação pontifícia nas Filipinas, de contatos com a RKK [Igreja Católica Romana, uma abreviação do original alemão] clandestina, e de ser, devido a esta sua experiência, o interlocutor apropriado para tomar conta das questões entre a China e o Vaticano. Ele também declarou ter sido, entre 1990 e 1999, Núncio Apostólico na Colômbia e ter colaborado, precisamente naquele período, com o Cardeal Castrillon. O Cardeal Romeo surpreendeu seus interlocutores em Pequim ao informá-los que ele – Romeo – formava, junto com Santo Padre – Papa Bento XVI – e o Cardeal Scola, uma troika [ndr: os três grandes líderes da Igreja]. Para os assuntos mais importantes, portanto, o Santo Padre consultaria Romeo e Scola.

O Cardeal Romeo foi informado pelo lado chinês do seguinte: muitos Cardeais visitaram a China, mas a visita mais relevante nas relações entre China e Vaticano foi a do Cardeal Dario Castrillon Hoyos, em março de 2010.

STRETTAMENTE CONFIDENZIALE 30.12.2011

Secretário de Estado Cardeal Tarcisio Bertone:

O Cardeal Romeo criticou duramente o Papa Bento XVI por se preocupar principalmente com a liturgia, negligenciando “assuntos atuais”, confiados pelo Papa Bento XVI ao Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de Estado da Igreja Católica Romana. O relacionamento entre o Papa Bento XVI e seu Secretário de Estado, Cardeal Tarcisio Bertone, seria muito hostil. Em uma atmosfera de confidencialidade, o Cardeal Romeo mencionou que o Papa Bento XVI literalmente odiava Tarcisio Bertone e o substituiria de bom grado por outro Cardeal. Romeo acrescentou, no entanto, que não havia outro candidato apropriado para ocupar esta posição e que, por isso, o Secretário de Estado, Cardeal Tarcisio Bertone, continuaria a ocupar esta função.

Também o relacionamento entre o Secretário de Estado e o Cardeal Scola era desfavorável e turbulento.

Sucessão do Papa Bento XVI:

O Santo Padre estava cuidando secretamente de sua sucessão e havia já escolhido o Cardeal Scola como um candidato adequado, por ser mais próximo de sua personalidade. Lenta mas seguramente, ele estava, assim, preparando-o e moldando-o para ocupar a posição de Papa.

Por iniciativa do Santo Padre – assim disse Romeo –, o Cardeal Scola foi transferido de Veneza para Milão, a fim de preparar de lá, mais tranquilamente, o seu Papado. O Cardeal Romeo continuou a surpreender os seus interlocutores na China ao alimentá-los com rumores.

Confidencialmente, como se soubesse em detalhes, o Cardeal Romeo anunciou que o Santo Padre teria apenas 12 meses de vida. Durante suas conversas na China, ele profetizou a morte do Papa Bento XVI dentro dos próximos 12 meses. As declarações do Cardeal vazaram de uma pessoa provavelmente informada de um sério plano criminoso, com tal certeza e firmeza, que seus interlocutores na China pensaram, espantados, que havia planos de um ataque contra o Santo Padre. O Cardeal Romeo pareceu seguro de si e não podia imaginar que as declarações feitas nesta rodada de conversas secretas poderiam ser repassadas por terceiros ao Vaticano.

Também seguro de si, Romeo profetizou que agora já seria certo, embora ainda secreto, que o sucessor do Papa Bento XVI seria, em todo caso, um candidato de origem italiana. Como descrito anteriormente, o Cardeal Romeo enfatizou que após a morte de Bento XVI, o Cardeal Scola seria eleito Papa. Também Scola teria inimigos importantes no Vaticano.

Fonte: Rorate-Caeli | Original: Il Fatto Quotidiano

* * *

Segundo Andrea Tornielli, o documento, tal como apresentado acima, é autêntico e foi recebido pela Secretaria de Estado, onde, após uma primeira leitura e algumas risadas, não recebeu nenhuma consideração, embora tenha sido repassado ao Santo Padre. Ainda, o Papa recebeu o Cardeal Dario Castrillón Hoyos em audiência privada no último dia 13 de janeiro, na qual seguramente o assunto foi abordado.

O Cardeal Romeo realmente não tem apreço nenhum pelo trabalho de Bento XVI relacionado à liturgia. Basta recordar que Sua Eminência chamou a polícia para retirar as faixas dos jovens tradicionalistas que queriam agradecer o Papa pelo motu proprio Summorum Pontificum, quando de sua visita a Palermo.

Como afirma Francesco Colafemmina, o documento traduzido por Il Fatto Quotidiano afirma que Romeo “anunciou que o Santo Padre teria apenas 12 meses de vida”.  A história de um “complô” para assinar o Papa é uma inferência do redator do documento: ao dizer que o Papa tem apenas 12 meses de vida, ou Romeo é um profeta, ou sabe que o Papa está doente, ou…

Fontes confiáveis nos informam que há, recentemente, uma maior preocupação com a segurança do Papa: domingo passado, na Praça São Pedro, foram colocadas entradas de segurança para o Angelus, coisa nunca acontecida.

No entanto, a própria saúde do Santo Padre não é das melhores, algo absolutamente razoável a um homem que completará 85 anos e carrega sobre suas costas os maiores pesos da humanidade.  Há informações de que, privadamente, o Papa anda com o auxílio de uma bengala, devido a seus problemas de artrose e a constantes desequilíbrios que teriam causado  a queda, entre outras, na qual fraturou o pulso direito.

Enfim, o documento causou frenesi desde a noite passada e apareceu hoje nos maiores jornais da Itália. Padre Lombardi o qualificou de “loucura”. Saber se realmente há um complô contra o Papa, ou se o Cardeal Romeo apenas supôs sua morte devido a seu estado de saúde, é, para nós, pobres mortais, algo impossível.