Posts tagged ‘Comunismo’

26 janeiro, 2019

Coluna do Padre Élcio: A cultura na utopia comunista.

Por Padre Élcio Murucci, 26 de janeiro de 2019 – FratresInUnum.com

O comunismo, como já tivemos oportunidade de mostrar, nega a existência de Deus. Mas, ele não nega a razão humana; e não só não a nega, mas exalta-a de tal maneira que a julga capaz de dominar o universo. Dizem que a razão humana é suficiente para sujeitar todo este mundo material e para levar a felicidade à humanidade.

Na verdade, a cultura intelectual do comunismo é inspirada, para não dizer copiada, da filosofia positivista de Augusto Conte. Este filósofo fazia consistir a filosofia num sistema de conhecimentos universais e científicos. Segundo ele, estes conhecimentos universais, respondem a todas as questões que preocupam aos homens atinente à sua existência. E os conhecimentos científicos só consideram válidas as respostas que podem ser provadas por experiência, segundo os métodos da ciência moderna. A cultura intelectual, portanto, para os comunistas é a da filosofia positivista de A. Conte.

Também a literatura e as artes, são capazes de interpretar o ideal científico desta filosofia. Para o comunismo, o verdadeiro valor do homem consiste em que é um trabalhador digno de formar uma classe operária. No término da evolução, o indivíduo será totalmente absorvido por sua classe. Deverá ser educado por ela desde a sua mais tenra infância. Sua felicidade será exatamente servir à classe operária, sem nenhum desejo de sequer pensar em ter alguma coisa como própria e nem pensar em liberdade pessoal.

No término desta evolução, também a mulher deverá ser igual ao homem; a organização social comunista procurará tornar a maternidade a mais leve possível. E isto justamente para que também a mulher possa realizar sua função essencial de operária. É desta concepção comunista que advém a lei do aborto. Segundo os comunistas, a mulher é dona de si e, assim sendo, só depende dela aceitar ou não o fruto de uma submissão ao homem, isto é, o resultado da concepção. Fazem questão de lutar contra o que Deus determinou na Bíblia: “Multiplicarei os teus trabalhos, disse Deus à mulher, e especialmente os teus partos. Darás à luz com dor os filhos, e estarás sob o poder do marido, e ele te dominará” (Gên. III, 16). Na verdade, caríssimos, toda a cultura comunista leva à destruição da família. Para os comunistas, o casamento indissolúvel vem do capitalismo. É o que ensinava Engels: “O casamento monogâmico e indissolúvel, nasceu da concentração de grandes riquezas nas mãos de um só homem, e do desejo de transmitir riquezas por herança aos filhos desse homem, excluindo os demais… Quando,  – continua Engels  –  já os meios de produção tiverem passado para a propriedade comum, a família individual deixa de ser a unidade econômica da sociedade. A guarda e a educação dos filhos se torna pública: a sociedade cuida igualmente de todos os filhos, legítimos ou naturais” (Livro, “A ORIGEM DA FAMÍLIA”).

Segundo o comunismo, ou mais especificamente, para Lenine, Marx e Engels, não há nada definitivo, absoluto e muito menos sagrado: tudo é uma sucessão ininterrupta de fenômenos, de modo que a situação presente deve conduzir-nos necessariamente a outro estado, ou seja, uma vida agrupada natural e espontânea, e nela, o indivíduo viverá inteiramente para a sociedade.

Verdadeiramente, os comunistas tentam transformar o homem em puro animal. Por exemplo: a própria união do homem e da mulher não é senão a manifestação inferior do “instinto sexual”, como nos animais. Para os comunistas, é inteiramente normal, satisfazer a esta necessidade como a de comer e beber. Daí o casamento tem de deixar de ser um contrato indissolúvel. Pregam a união livre. É claro que, filhos que são do demônio, pai da mentira, enquanto não puderem consegui-lo, até eles mesmos, por vezes, têm família, mas, em verdade, o escopo final seria o desaparecimento total da mesma. Querem grande natalidade, mas não como filhos em família, mas sim como filhotes de animais domados pelos donos comunistas. Os futuros cidadãos serão logo colocados em parques infantis para aprender sua vida social, passando logo às fábricas ou às explorações agrícolas socializadas, a não ser que suas disposições os encaminhem para os estudos superiores nos quais servirão à sua classe com o trabalho intelectual.

A “IDEOLOGIA DE GÊNERO” é uma invenção diabólica dos comunistas, invenção esta que transuda todo ódio contra as diferenças que Deus fez na natureza para que houvesse a complementação e a família. Como os comunistas não aceitam a existência de Deus, querem impingir a ideia de que é o homem que tudo decide, inclusive a sua sexualidade.

“Toda a educação, dizia Lenine, toda instrução e toda a formação da juventude contemporânea, se reduzem no ensinamento da moral comunista” (A Juventude Comunista, disc. do 3º Congr. P. Russo da Juventude comunista, 1920).  Mas em que consiste esta moral comunista? É tudo o que contribui para a realização das ideias comunistas. Em outras palavras: depende inteiramente do interesse do proletariado e das exigências da luta de classes. E esta moral no término de sua evolução, será, segundo os comunistas, uma coletividade sem hierarquia; só ela existirá nos sistemas econômicos. E sua missão única será a produção dos bens pelo trabalho coletivo. Eis a grande utopia dos comunistas: quando toda a humanidade for absorvida na classe operária, não haverá mais guerras sobre a terra porque não haverá diferenças de classes e condições sociais. Será a paz definitiva, será o altruísmo mundial, será, enfim, o paraíso na terra.

Caríssimos, os comunistas não só negam a existência de Deus mas consideram que um dos obstáculos essenciais para que haja progresso e paz, é a religião com sua crença em Deus. A religião é o “ópio do povo”; e esta sentença de Marx, disse Lenine: “constitui a pedra angular de toda concepção marxista em matéria de religião”… “é um aspecto da opressão espiritual que gravita sempre e por toda parte sobre as massas populares, agrupadas pelo trabalho perpétuo em favor dos outros, pela miséria e a solidão. A fé em uma vida melhor nasce com tanta necessidade da impotência das classes exploradas em luta contra os exploradores como a crença nas divindades, milagres, diabos…, nasce da impotência do selvagem em luta contra a natureza”… (A Vida Nova, 1905).

“A priori” poderíamos dizer que no comunismo tudo isto é pura utopia falaciosa, porque sem Deus não há ordem, progresso e paz, muito menos paraíso. E “a posteriori”, nos países em que já fora implantado o regime comunista, vemos sangue derramado, fomes e guerras. Contra fatos não há argumentos. Mas infelizmente, ainda há muitos que acreditam na mentira!

Tags:
30 janeiro, 2015

Eixo Francisco-Obama-Cuba, prestidigitação e confusão.

Por Armando F. Valladares * | Tradução: Gercione Lima – Fratres in Unum.com: Cuba, minha terra natal, acabou de completar 56 anos de martírio sob uma nefasta revolução comunista. Diante deste drama gigantesco e deste trágico aniversário, sobre a face da terra quase não se ouviu vozes de indignação por uma situação que clama ao céu. Muitos governos que anos após anos, rasgam suas vestes na ONU para condenar o chamado “embargo externo” dos Estados Unidos, enviaram mensagens de saudação aos tiranos castristas e nem sequer meia palavra disseram sobre o implacável “embargo interno” do regime contra 12 milhões de habitantes da ilha-prisão.

Estamos diante de um dos maiores exemplos de truque de publicidade de toda a História: um regime que durante décadas foi a ponta de lança de revoluções sangrentas na América Latina e na África, e que hoje continua tecendo cordões umbilicais ideológicos nas três Américas, de uma merecida imagem de agressor passou a ter a imagem mais mentirosa de vítima.

São inúmeros os casos de ajuda internacional ao regime cubano, que permitiram e permitem a sua sobrevivência. Depois do gigantesco respaldo financeiro da União Soviética até o seu colapso; da Venezuela Chavista até sua atual desintegração e do Brasil lulista-dilmista, agora com os cofres mais vazios, surge a partir da América o inesperado “eixo” Obama–Francisco. Um eixo político e espiritual sui generis que, independentemente das intenções dessas altas personalidades, passará a abastecer com rios de dinheiro e prestígio publicitário o aparelho repressivo do regime.

No dia 19 de dezembro, dois dias depois que em Roma, Washington e Havana foi anunciado simultaneamente o restabelecimento das relações diplomáticas entre o governo dos Estados Unidos e a ditadura cubana, uma embarcação da Guarda Costeira castrista, presumivelmente, em águas internacionais, começou a investir contra uma lancha na qual fugiam 32 pessoas, incluindo sete mulheres e duas crianças, até conseguir afundar a frágil embarcação. Esses cubanos simplesmente buscavam a liberdade e tentavam romper o ignominioso “embargo interno” que a tirania de Castro impõe aos seus habitantes.

ATAQUE À LANCHA DE REFUGIADOS POR CASTRISTAS.

Masiel González Castellano, uma sobrevivente, esposa de Leosbel Beoto Diaz, que morreu afogado, narrou  por telefone mais tarde: “Nós estávamos gritando, pedíamos auxílio, que nos ajudassem porque o barco estava afundando. Mas eles não faziam caso. O que faziam era partir pra cima da lancha. Algumas pessoas se jogavam na água e outros ficaram ali enquanto a lancha ia se afundando. Eles sabiam que haviam crianças e mesmo assim continuavam se jogando pra cima de nós. Pouco lhes importava”.

Foi uma ação brutal por parte de um regime que se sente com as costas largas, protegidos por poderosos aliados. O fato criminoso que tanto comprometia o regime de Fidel Castro, teria merecido um clamor global de repúdio, todavia passou quase despercebido pela imprensa internacional, pelos governos ocidentais, organizações de defesa de “direitos humanos” e, oh dor! por eclesiásticos que deveriam imitar o Bom Pastor, dispostos a dar a vida por suas ovelhas.

No dia 31 de dezembro em Havana, coincidindo com os 56 anos de revolução, desencadeou-se uma onda de repressão contra opositores que estavam tentando apenas se reunir na Praça da Revolução, ilustrando, como se não houvesse qualquer dúvida, quais são as reais disposições do regime.

Nos Estados Unidos, diversos especialistas têm demonstrado de maneira documentada como a aproximação quase incondicional do governo dos EUA favorece o regime cubano e prejudica a causa da liberdade na ilha, cujos habitantes ficarão muito mais à mercê dos tiranos; e criticaram duramente o Presidente Obama (cf. “Dissidentes cubanos acusam Obama de traição”, Marc A. Thiessen, Washington Post, 29 de dezembro de 2014. “Obama dá ao regime de Fidel Castro em Cuba um resgate desmerecido” Editorial em Espanhol e Inglês, Washington Post, 17 de Dezembro., 2014).

No entanto, poucos são os analistas que destacam o aspecto mais grave e trágico deste acordo: a responsabilidade que cabe ao seu artífice e mediador mais eminente, o Pontífice Francisco. No dia 17 de dezembro passado, no mesmo dia do anúncio do restabelecimento das relações diplomáticas, Francisco, juntamente com a reafirmação do seu papel como mediador, saudou a libertação de alguns “presos” sem sequer insinuar que em Cuba o regime comunista continua mantendo subjugados não apenas “alguns”, mas 12 milhões de cubanos. É extremamente doloroso dizer, mas a bota com que Castro continua a esmagar os meus irmãos da ilha, agora conta com um altíssimo aval.

É preciso recordar que do lado castrista, os “prisioneiros” eram, na verdade, espiões processados e condenados pela Justiça americana por cumplicidade no assassinato dos jovens da organização “Irmãos para o Resgate” e por planejarem transportar explosivos em Miami para realizar atos terroristas. Por tal motivo o líder dos “presos castristas” tinha duas penas de prisão perpétua.

PAPA FRANCISCO

Não é a primeira vez que Francisco, independentemente de suas intenções, adota atitudes que objetivamente favorecem às esquerdas continentais políticas e eclesiásticas. Por exemplo, foi realizado em Roma de 27 a 29 de outubro do ano passado, o Encontro Mundial dos Movimentos Populares Revolucionários que reuniu 100 líderes revolucionários mundiais, incluindo conhecidos agitadores profissionais latino-americanos, e que contou com a participação do próprio Francisco. É como se tivessem realizado uma espécie de “beatificação” publicitária , em vida, dessas figuras revolucionárias de inspiração marxista, beatos sui generis de uma “igreja de cabeça para baixo”, tudo ao contrário da doutrina social da Igreja, defendida por predecessores de Francisco (cf. “O Papa saúda e abençoa” L’Osservatore Romano, 28 de outubro de 2014; “Francisco, ‘beatificação’ publicitária dos revolucionários e ‘vendaval’ social”, Destaque Internacional, 02 de novembro de 2014).

Tive a oportunidade de comentar sobre outros eventos no mesmo sentido, como quando Francisco revogou a “suspensão a divinis” do sacerdote nicaraguense Miguel D’Escoto, da infame ordem Maryknoll, ex-chanceler sandinista e uma das figuras mais pró-castrista da teologia da libertação. O padre D’Escoto tinha sido disciplinado pelo Vaticano em 1984 por seu envolvimento na perseguição dos católicos nicaraguenses durante o primeiro governo sandinista da Nicarágua (cf. “Francisco, pró-castristas e confusão”, Armando Valladares, 6 de agosto de 2014).

Infelizmente, no que diz respeito a Cuba e à América Latina, esses dizeres, atos e gestos do Pontífice Francisco estão direta ou indiretamente favorecendo a opressão do povo cubano e a esquerdização do continente. Paira no ar a sensação de que, sob esses pontos, estaríamos na presença de um pontificado marcado pela confusão e até mesmo o caos, com consequências preocupantes para o futuro político, social e cristão das Américas.

Como Católico e ex preso político cubano que passou 22 anos nas prisões de Castro, e que viu sua fé fortalecida ao ouvir os gritos dos jovens católicos que morriam no “paredão de fuzilamento” gritando “Viva Cristo Rey, abaixo o comunismo” devo manifestar  as perplexidades, angústias e dramas interiores que suscitam os fatos descritos acima. Trata-se de uma situação das mais dolorosas que pode existir, porque dizem respeito aos vínculos com a Santa Sé. Não obstante, como já tive ocasião de manifestar, a fé dos católicos deve permanecer intacta e até mesmo fortalecida diante desses dilemas, porque em questões políticas e diplomáticas nem mesmo os papas são assistidos pela infalibilidade. E não há nenhuma obrigação para os católicos de aceitar essas palavras e ações, na medida em que diferem da linha tradicional adotada pela Igreja em relação ao comunismo.

* Armando Valladares, escritor, pintor e poeta. Passou 22 anos como prisioneiro político em Cuba e é o autor do best-seller “Contra toda esperança”, que narra o horror das prisões de Castro. Ele foi embaixador dos Estados Unidos diante da Comissão de Direitos Humanos da ONU sob as administrações Reagan e Bush. Ele recebeu a Medalha Presidencial do Cidadão e Prêmio Superior do Departamento de Estado. Ele tem escrito numerosos artigos sobre a colaboração eclesiástica com o comunismo cubano e sobre a “Ostpolitik” do Vaticano em relação a Cuba.

9 dezembro, 2013

Sic transit gloria mundi.

lenin

Ucranianos quebram estátua de Vladimir Lenin, em Kiev, Ucrânia, neste domingo (8). Cerca de 200 mil pessoas protestaram na cidade contra a aproximação do país com a Rússia e o afastamento da União Européia. Leia MAIS Efrem Lukatsky/AP

18 dezembro, 2012

O comunismo é o ópio do povo.

Arcebispo Fulton Sheen

Arcebispo Fulton Sheen

O Comunismo é o ópio do povo porque adormece os pobres prometendo-lhes algo que nunca lhes pode dar, ou seja, um paraíso terrestre. Mudando apenas uma palavra numa sentença de Lenine: “O Comunismo ensina aqueles que labutam toda a sua vida em pobreza a serem resignados e pacientes neste mundo, e consola-os pelo pensamento de um paraíso terrestre”.

Singular espécie de paraíso esse, que é inaugurado pelo morticínio, pelo exílio e pelo confisco; estranha espécie de paraíso esse, que espera estabelecer a fraternidade pregando a luta de classes, e estabelecer a paz praticando a violência. Estranha espécie de paraíso esse que tem de recorrer ao temor e à tirania para impedir que alguém “escape” dele.

Da obra Comunismo: o ópio do povo, do Venerável Arcebispo Fulton Sheen (créditos ao leitor José Tiago Fernandes Monteiro).

30 julho, 2012

Parlamento da Moldávia proíbe foice e martelo de comunistas.

“É nosso dever moral condenar os crimes do regime totalitário comunista”, disse Mihai Ghimpu, presidente do Partido Liberal.

EFE | Moscou – O Parlamento da Moldávia condenou nesta quinta-feira (12/07) os crimes do regime que governou o país na época em que o território fazia parte da União Soviética e proibiu o uso de símbolos do comunismo, ainda usados pelo principal partido da oposição.

Os dois projetos de lei foram aprovados por 56 deputados da situação, que apoiam a Aliança para a Integração Europeia (AIE), enquanto os comunistas, que somam 39 dos 101 parlamentares que compõem o Parlamento moldávio, abandonaram o plenário durante a votação.

“É nosso dever moral condenar os crimes do regime totalitário comunista. Desta maneira, honramos a memória de nossos familiares que sofreram com o regime”, disse Mihai Ghimpu, presidente do Partido Liberal, que faz parte da Aliança.

O Partido Comunista da Moldávia (PCM) é apoiado por quase metade da população moldávia. Nas últimas eleições legislativas, o partido conquistou 42 cadeiras, embora mais tarde três de seus deputados formaram o Grupo Socialista.

Com a nova lei, os comunistas deverão deixar de usar sua histórica identidade, a foice e o martelo, símbolos herdados do Partido Comunista da União Soviética.

“Proibiremos o uso da simbologia comunista, a foice e o martelo, no território da Moldávia”, disse Ghimpu.

O líder do PCM, Vladimir Voronin, lamentou os projetos de lei promovidos pela Aliança e disse que eles são “uma tentativa de tirar a oposição do âmbito constitucional”.

Voronin lembrou que “muitos cidadãos apreciam a simbologia comunista, sob a qual lutaram” na Segunda Guerra Mundial. “Ninguém tem direito a reescrever a história e menosprezá-la. Quem a menospreza depois sofre as consequências. A história tem o costume de se vingar. E essa vingança será muito dolorosa para alguns. Isto já não é Parlamento, é um hospital psiquiátrico”, manifestou Voronin.

O principal partido opositor da antiga república soviética recorrerá da decisão “porque contradiz a lei dos partidos, a Constituição e outras leis”, comentou o líder do PCM.

Tags:
26 março, 2012

“Meu pai, Fidel, não se converterá nunca. Se sente imortal”.

A filha de Castro: “Muitos compromissos; Ratzinger deveria ver os dissidentes”.

Por Paolo Mastrolilli, de Havana | Tradução: Fratres in Unum.com

Alina Fernández, filha de Fidel Castro.

Alina Fernández, filha de Fidel Castro.

« Não creio na conversão de meu pai, por um simples motivo: ele se considera imortal ». A estrondosa fuga de Cuba de Alina Fernández foi há vinte anos, mas a amargura e a desilusão permaneceram imutáveis na voz da filha de Fidel Castro. Alina nasceu em 1956, da relação que então o carismático revolucionário tinha com a bela Natalia Revuelta. Cresceu à sombra desta enorme figura até que, em 1993, escapou desfarçada com uma peruca e com os documentos falsos de uma turista espanhola. Primeiro para Madri, depois Miami, onde seu programa radiofônico “Simplesmente Alina” se tornou um dos pontos de referência para a comunidade dos exilados.

Senhora Fernández, o Papa vai a Cuba e é natural que haja rumores sobre a conversão de Fidel. Eles são críveis?

Há tempo também diziam o mesmo de mim, mas [os rumores] careciam de fundamento. Seria belo que meu pai, doente e de idade avançada, regressasse às raízes da fé na qual cresceu, quando estudava com os jesuítas. Isso devolveria a ele a humanidade que perdeu. Mas não o creio, porque acho que ele se considera imortal.

É um acerto a visita do Papa a Cuba?

Me vêm sentimentos contraditórios. Não há dúvida que meu pai e meu tio Raúl aproveitarão ao máximo esta visita, porque ir a um país significa lhe dar legitimidade. No entanto, para os fiéis, a presença do Papa é muito importante. Quando eu era pequena, ser católico em Cuba era um “handicap” ideológico: tinhas que esconder a tua fé, para que não te perseguissem. Agora já não é assim.

Esta visita pode acelerar a mudança no contexto político?

Não acredito. O povo comum tem menos expectativas do que na viagem que fez João Paulo II, por duas razões: a primeira é a personalidade diferente de Bento XVI, e a segunda é que já não acredita na possibilidade de que a visita de um líder religioso possa gerar uma mudança. Isso se deve, em parte, ao comportamento da Igreja Católica local, que, em certos casos, dá a impressão de renunciar a sua missão natural de defender os direitos humanos para poder negociar com o regime. Assim obteve vantagens para os fiéis, mas perderam o povo. Isto é, em Cuba não existe um Jerzy Popieluszko.

O Papa deveria se encontrar com os dissidentes?

Creio que sim. Não quero criticar à distância, mas acredito que seria importante. Dizem que não pode fazê-lo porque se trata de uma visita pastoral, e por isso o Papa não pode realizar gestos políticos, mas é um argumento contraditório que não se sustenta. Não deveria, como pastor, ver os fiéis que estão contra o regime?

Não houve reformas desde que seu tio chegou ao poder?

Raúl era a melhor pessoa da minha família, inclusive me dirigi a ele para que me ajudasse. Mas é um político pragmático e um ótimo administrador: faz apenas o que serve ao regime. É certo que permitiu o trabalho autônomo, em profissões como mecânico, encanador ou agricultor, mas são coisas pequenas para enfrentar uma crise econômica enorme. Em Cuba não há empresários.

Os cubanos esperam pelo Papa que, após passar pelo México, chega à ilha hoje.

Os cubanos esperam pelo Papa que, após passar pelo México, chega à ilha hoje.

Raúl e Fidel já são idosos: qual a estratégia deles?

Manter o poder. Nada além, nada de transição.

Quando foi a última vez que falou com o seu pai?

Há muitos anos, já nem me recordo quando. Fidel foi a tragédia de Cuba, e eu a sofri mais que muitos outros. Hoje falamos muito do fundamentalismo islâmico, mas também existiu o fundamentalismo comunista, e era feroz: se discutias, eras considerado, automaticamente, um inimigo e um traidor. Com maior razão se criticavas desde dentro da família Castro.

A senhora tentou voltar a Cuba?

Não.

Seu pai está velho e doente, não gostaria de falar com ele?

Não acredito que um dia volte a vê-lo.  Não há interesse, de nenhuma parte. Ele não quer me ver e eu não entendo por que teria de procurar por um homem com que não compartilho 90% do que já fez. Até o amor filial e paterno se desvanece se ninguém o alimenta.

9 junho, 2009

Curtas da semana.

Dom Fellay na Congregação para a Doutrina da Fé.

Dom Bernard Fellay(ReL) Na última sexta-feira voltou a circular em Roma os rumores sobre um possível acordo entre o Vaticano e a Fraternidade de São Pio X, fundada em 1970 pelo arcebispo francês Marcel Lefebvre (1905-1991). Tudo surgiu ao se saber da presença do superior da congregação, monsenhor Bernard Fellay, na Cidade Eterna, que na sexta-feira teria uma audiência na Congregação para a Doutrina da Fé.

Súplica ao Santo Padre: caminhar para além das afirmações retóricas.

Mons. Gherardini Brunero‹‹ Para o bem da Igreja – e mais especificamente para a atuação da “salus animarum” que é a primeira e “suprema lex” – depois de décadas de livre criatividade exegética, teológica, litúrgica, historiográfica e “pastoral” em nome do Concílio Ecumênico Vaticano II, parece-me urgente que se faça um pouco de clareza, respondendo oficialmente à pergunta sobre a continuidade do mesmo – não declamada, mas demonstrada – com os outros Concílios e sua fidelidade à Tradição desde sempre em vigor na Igreja. […] Parece, de fato, difícil, se não impossível, colocar as mãos na esperada hermenêutica da continuidade, a menos que se proceda a uma análise cuidadosa e científica de cada um dos documentos, deles conjutamente e de todos os seus argumentos, suas fontes imediatas e remotas, e se continua em vez de falar apenas repetindo o conteúdo ou apresentando-o como uma novidade absoluta. Esse pensamento há tempos nasceu em minha mente – que ouso ora apresentar à Sua Santidade – de uma grande e Livro de Mons. Gherardini possivelmente definitiva purificação sobre o último Concílio em todos os seus aspectos e conteúdo. Parece, de fato, lógico e adequado que todos os aspectos e conteúdos sejam estudados em si e em conjunto com todos os outros, com os olhos fixos em todas as fontes, e sob o ângulo específico do Magistério eclesiástico precedente, solene e ordinário. A partir desse amplo e irrepreensível trabalho científico, comparado com os resultados seguros da atenção crítica ao secular Magistério da Igreja, será então possível elaborar um argumento para uma avaliação segura e objetiva do Concílio Vaticano II […] Mas se a conclusão científica do exame levar à hermenêutica da continuidade como a única devida e possível, será portanto necessário provar – para além de toda afirmação retórica – que a continuidade é real, e tal se manifesta apenas na identidade dogmática de fundo. […] [Se] não resultar cientificamente provado, seria necessário dizê-lo com serenidade e franqueza, em resposta à exigência de clareza sentida e esperada por quase meio século. ›› Do recém lançado livro de Monsenhor Brunero Gherardini, Concilio Ecumenico Vaticano II. Un discorso da fare, editado pela Casa Mariana Editrice di Frigento, fundada e dirigida pelos Franciscanos da Imaculada, com prefácio de Dom Mario Oliveri, bispo de Albenga e Imperia, e apresentação de Dom Albert Malcom Ranjith, secretário da Congregação para o Culto Divino.

Acordo secreto.

(Rorate-Caeli) Giacomo Galeazzi faz a resenha da nova biografia de Paulo VI escrita por Andrea Tornielli para o La Stampa e menciona que aquilo que muitos consideravam uma teoria da conspiração era verdade: sem dúvida, houve um acordo secreto, conduzido pelo Cardinal Tisserand, entre a União Soviética e a Santa Sé (sob João XXIII) em 1962 – um acordo que Paulo VI também respeitou, conforme Galeazzi diz:  ‹‹ Em uma nota de 15 de novembro de 1965, Montini, de fato, menciona explicitamente que dentre “os compromissos do Concílio” existe também aquele “de não mencionar o comunismo (1962)”.  A indicação da data do final da frase escrita por Paulo VI refere-se ao acordo secreto, relacionado por Tisserand, entre Roma e Moscou ›› .  E isso explicaria porque o Concílio Vaticano Segundo, que discutiu todo tipo de questões, relevantes e irrelevantes da mesma forma, ignorou a ameaça mais desafiadora de seu tempo: o comunismo.

Desempregado.

Padre Fioraso(Messa in Latino) ‹‹ Uma visitação canônica enviada pela Santa Sé decidiu pela substituição do abade de Santa Croce in Gerusalemme, Padre Simon Fioraso. O vigário de Roma, o Cardeal Agostino Vallini, nomeará em breve um padre da diocese como pároco enquanto a comunidade dos cistercienses não tiver na capital forças suficientes para garantir a cura da paróquia anexa ao Mosteiro. Assim confirmou à Agi Monsenhor Marco Fibbi, diretor do departamento de comunicações Sociais da diocese de Roma ›› .  Conforme o blog Messa in Latino, os motivos para o afastamento do pároco são os abusos na liturgia e na condução da paróquia.

Uma a cada cinco é extraordinária.

(Kreuz.net) No ano de 1966 ocorreram aproximadamente 900 ingressos nos seminários franceses. Em 2007 foram menos de 150, conforme informou a organização francesa ‘Paix Liturgique’ em um comunicado de imprensa de 28 de maio. Atualmente, 756 seminaristas estudam na França. Ao final do Concílio Vaticano II eram mais de 4.500. ‘Paix Liturgique’ ressalta também que hoje em dia na França surge uma nova categoria de seminaristas – aquela dos seminários tradicionalistas. Atualmente, existem no país 160 seminaristas tradicionalistas. Assim, eles já perfazem um quinto da soma total dos candidatos ao sacerdócio. A essa altura, deve-se levar em consideração – diz a ‘Paix Liturgique’ – que a Missa será celebrada regularmente no Rito Antigo em pouco menos de uma a cada cem paróquias francesas* : “Assim, temos que reconhecer a influência “extraordinária” que o Rito Antigo exerce sobre as vocações”. Nesse ínterim, o bispo de Toulon, Mons. Dominique Marie Jean Rey (56), decretou que todos os seus seminaristas devem aprender a celebração do Rito Antigo. Mons. Rey é membro da comunidade carismática ‘Emmanuel’ fundada na França.  * Nota de Tradução: Segundo o Serviço de Informações do Vaticano (Departamento Central de Estatísticas), na França existem 16.553 paróquias para uma população de 61.350.000, dos quais 46.427.000 (75,5 por cento) são católicos.

Progressistas e neo-conservadores, está tudo em casa.

(Kreuz.net). O Professor de Teologia Dogmática de Regensburgo, Wolfgang Beinert (76), emérito em 1998, publicou um livro contra a Fraternidade São Pio X chamado “Der Vatikan und die Pius-Brüder: Anatomie einer Krise“ [O Vaticano e a Fraternidade São Pio X: Anatomia de uma crise]. A obra inclui contribuições de notórios neo-conservadores e liberais inimigos da Tradição católica, dentre eles o Professor de Teologia Dogmática de Tubinga já aposentado, Pe. Peter Hünermann, o Bispo Kurt Koch de Basel, Bispo Gerhard Ludwig Müller de Regensburgo ou o Diretor da “Agência Católica de Notícias” da Alemanha, Ludwig Ring-Eifel.

Fundo do poço.

(Kath) Na Suécia os nascituros podem ser abortados quando a mãe não concorda com o sexo da criança, conforme decisão do Serviço Nacional de Saúde em Estocolmo. Uma mãe com duas filhas de Eskilstuna (ao sul da Suécia) fez dois abortos porque não queria uma terceira filha. Ao ficar grávida novamente ela pediu aos médicos que lhe informassem o sexo da criança. Estes pediram conselho ao Serviço Público. Resposta: os abortos motivados por insatisfação com o sexo não deveriam ser negados. Caso contrário se violaria a legislação em vigor, que permite o aborto até a 18ª semana. Segundo informe do jornal sueco, no momento, existe um turismo de aborto entre a Noruega e a Suécia: o fato de que na Noruega o aborto somente é permitido até a décima segunda semana, assim que ficam sabendo o sexo da criança, as gestantes viajam cada vez mais para o país vizinho. Entre elas estariam especialmente mulheres de outras culturas. “Quando uma mulher já tem três ou quatro meninas e vem da Turquia a pressão é grande para ter um menino” cita um abortista no jornal.

Arquidiocese de Olinda pode levar Dom Fisichella ao Tribunal Eclesiástico.

(Oblatvs) A Arquidiocese de Olinda e Recife distribuiu entre oficiais da Cúria Romana um memorando detalhando as medidas tomadas pela mesma na defesa da menina de 9 anos vítima de estupro. O objetivo do memorando é chegar a uma solução “cristã e amigável” para o impasse criado pelo artigo do Presidente da Pontifícia Academia para a Vida publicado no L’Osservatore Romano. Segundo Monsenhor Ignácio Barreiro, é a coisa certa a ser feita antes de buscar a solução no tribunal. […] O memorando de seis páginas é assinado pelo advogado da arquidiocese pernambucana e foi distribuído para centenas de oficiais da cúria. Ele desmonta a versão apresentada pelo artigo de Dom Fisichella e que repercutiu no mundo inteiro, em razão do autor e do jornal.[…] Dom Cardoso Sobrinho disse recentemente que o L’Osservatore se recusa a publicar sua versão dos fatos. O jornal já havia cometido uma injustiça contra Dom José e agora comete a segunda. Diante dos poderosos bispos americanos a atitude do corajoso editor do jornal foi bem outra.

8 janeiro, 2009

O caso Mindszenty (III): O beijo de Judas.

Leia também os posts anteriores sobre O caso Mindszenty.

Mindszenty na sacada da embaixada dos EUA, em Budapeste.Em 1956 Stalin estava morto e Khrushchev estava fazendo alguns ruídos incomuns. Em outubro, os Húngaros levantaram-se em revolta. Mindszenty não tinha sinais do que estava acontecendo nas ruas; seus guardas disseram-lhe que a multidão fora da prisão estava gritando por seu sangue. Poucos dias depois ele foi solto e realmente uma multidão de locais o atacou. Mas em vez de rasgarem sua carne, agarravam o herói liberto para beijar suas roupas. Quando ele retornou a Budapeste, os Vermelhos depostos tremiam diante deste fantasma que não permaneceria enterrado, contudo, numa transmissão de rádio ele aconselhou contra a vingança. Os Soviéticos não eram tão clementes e tanques rugiam para esmagar este desagradável incidente. Homem marcado, Mindszenty procurou asilo na embaixada Americana como seu último recurso. Agora um longínquo segundo purgatório tinha começado. Pio [XII] ergueu sua voz repetidamente contra esse último exemplo do terror Soviético, mas o Ocidente, descuidado de sua própria retórica libertadora, estava surdo.

Quando The Prisioner [ndt: um filme a respeito do caso do Cardeal Mindszenty] foi lançado, a Igreja era ainda a implacável inimiga do comunismo. O frágil Pio [XII] permaneceu como um Colosso contra o totalitarismo tanto de direita como de esquerda. Quando Pio deixou esse mundo sobreveio um vazio moral no Vaticano que nunca foi preenchido. No começo da década de 60, tanto os governos do Ocidente como os Papas do Novus Ordo decidiram que o entendimento com os Comunistas era preferível às noções arcaicas de Pio e Mindszenty. João XXIII e seu sucessor Paulo VI deram boas vindas ao sopro de ar fresco na Igreja, e em seu aroma estava incluído a cooperação com os Vermelhos. A nova Ostpolitik, gerenciada pelo Secretário de Estado de Paulo VI, Agostino Casaroli, não tinha espaço para guerreiros Cristãos do tipo de Mindszenty. A posição do governo Húngaro foi fortalecida quando Casaroli entrou em negociações com o apavorante regime de Janos Kadar. Enquanto a Guerra Fria derretia, o gelo era colocado em Mindszenty. O governo Americano fez-se compreender que ele não era mais bem-vindo na embaixada. Pior ainda, Paulo [VI] mandou um funcionário para persuadir Mindszenty a partir, mas apenas após assinar um documento cheio de condições que favoreciam os Vermelhos e essencialmente culpava a si mesmo por suas provações. A confissão de que os Comunistas não poderiam torturá-lo estava lhe sendo forçada pelo Papa!

Mindszenty e Paulo VIRetirado de sua terra nativa contra sua vontade, Mindszensty celebrou Missa em Roma com Paulo [VI] em 23 de outubro de 1971. O Papa lhe disse, “Você é e permanece arcebispo de Esztergom e primaz da Hungria”. Era o beijo de Judas. Por dois anos Mindszenty viajou, um vivo testamento da verdade, um homem que foi torturado, humilhado, aprisionado e finalmente banido dos interesses da Igreja. No outono de 1973, enquanto se preparava para publicar suas Memoirs, revelando a história toda ao mundo, ele sofreu a traição final. Paulo [VI], temeroso de que a verdade arruinaria o novo espírito de coexistência com os Marxistas, “pediu” a Mindszenty que renunciasse a seu cargo. Quando Mindszenty recusou, Paulo [VI] declarou sua Sé vacante, dando aos Comunistas uma vitória esmagadora.

Se a história de Mindszenty é a do surgimento e queda da resistência do Ocidente ao comunismo, é também a crônica do auto-enfraquecimento do Catolicismo.

Excertos de Shooting the Cardinal, por Steve O’Brien – Ph.D. em história pelo Boston College e autor de Blackrobe in Blue: The Naval Chaplaincy of John O. Foley, S.J., 1942-46

5 janeiro, 2009

O caso Mindszenty (II): Você também confessaria.

Leia também: O caso Mindszenty (I): “Arranquem suas línguas”

Olhemos primeiro para o caso do Cardeal Mindszenty, acusado de enganar o povo Húngaro e colaborar com os inimigos, os Estados Unidos. Em sua exposição sobre o aprisionamento do Cardeal Mindszenty, Stephen K. Swift graficamente descreve três típicas fases no “processamento” psicológico de prisioneiros políticos. A primeira fase é dirigida a extorquir a confissão. A vítima é bombardeada com perguntas dia e noite. É inadequadamente e irregularmente alimentada. Não lhe é concedida quase nenhum descanso e permanece na câmara de interrogatório por horas sucessivamente enquanto seus inquisidores se revezam. Fome, exaustão, vistas embaçadas e doloridas sob lâmpadas fortíssimas, o prisioneiro torna-se pouco mais que um animal caçado.

  • “… quando o Cardeal estava de pé por sessenta e seis horas [relata Swift], ele fechou seus olhos e permaneceu calado. Nem mesmo respondeu as perguntas com negações. O coronel encarregado do turno bateu no ombro do Cardeal e lhe perguntou por que não respondia. O Cardeal respondeu: ‘Termine tudo. Mate-me! Estou pronto para morrer! ’ Disseram-lhe que nenhum mal lhe aconteceria; que poderia terminar tudo isso simplesmente respondendo a certas questões.
  • “… Pela manhã de Sábado ele dificilmente poderia ser reconhecido. Pediu por outra bebida e desta vez recusaram-lhe. Suas pernas e pés se incharam de tal maneira que lhe causavam intensa dor; caiu diversas vezes”

Cardeal Mindszenty

Aos horrores que as vítimas acusadas sofrem “de fora” devem ser acrescentados os horrores “de dentro”. Ele é perseguido pela instabilidade de sua própria mente, que não pode sempre produzir a mesma resposta a uma questão repetida. Como um ser humano com uma consciência, ele é perseguido por possíveis sentimentos de culpa escondidos, por mais piedoso que fosse, que minam sua compreensão racional de inocência. O pânico do que sofre lavagem cerebral é a total confusão que ele sofre sobre todos os conceitos. Suas avaliações e normas estão destruídas. Já não pode mais crer em nada objetivo exceto na lógica ditada e doutrinada daqueles que são mais poderosos que ele. O inimigo sabe que, muito além do exterior, a vida humana é feita de contradições interiores. Ele usa esse conhecimento para vencer e confundir aquele que sofre a lavagem. A contínua alternância entre os interrogadores torna ainda mais impossível crer num pensamento concatenado. Dificilmente a vítima se ajustou a um inquisidor quando ela tem que mudar seu foco de alerta para outro.

Ainda, esse conflito interno de normas e conceitos, essa contradição interna de ideologias e crenças é parte da doença filosófica de nossos tempos!

Como um ser social, o Cardeal é perseguido pela necessidade de bons relacionamentos humanos e companheirismo. A sugestão constantemente reiterada de suas culpas o empurra para a confissão. Como um indivíduo sofredor ele é chantageado por uma necessidade interna de ser deixado sozinho e despreocupado, mesmo que por poucos minutos. De dentro e de fora ele é inexoravelmente levado a assinar a confissão preparada por seus perseguidores. Por que ele deveria resistir ainda mais? Não há testemunhas visíveis para seu heroísmo. Ele não pode provar sua coragem moral e retidão após sua morte. O coração da estratégia da lavagem cerebral é retirar toda esperança, toda antecipação, toda crença no futuro. Ela destrói os próprios elementos que mantém a mente viva. A vítima está absolutamente sozinha.

Se a mente do prisioneiro se mostra muito resistente, narcóticos são dados para confundi-la: mescalina, maconha, morfina, barbiturato, álcool. Se seu corpo sofre um colapso antes de sua mente capitular, ele recebe estimulantes: benzedrina, cafeína, coramina, todos para ajudá-lo a preservar sua consciência até confessar. Muitos dos narcóticos e estimulantes que ultimamente ajudam a induzir a dependência mental e leva à confusão podem também criar uma amnésia, comumente um completo esquecimento da própria tortura. As técnicas de tortura conseguem o efeito desejado, mas a vítima esquece o que realmente aconteceu durante o interrogatório. Os clínicos que fazem trabalho terapêutico com derivados de anfetaminas que quando injetadas no sistema sanguíneo ajudam pacientes a se lembrarem de experiências há muito esquecidas, são familiares com a habilidade das drogas de trazer um tranqüilo esquecimento do período durante o qual o paciente era drogado e questionado.

Após, a vítima é treinada para aceitar sua própria confissão, tal como um animal é treinado a fazer pequenos truques. Falsas admissões são relidas, repetidas, marteladas em seu cérebro. Ele é forçado a reproduzir, de memória, várias e várias vezes as ofensas fantasiadas, detalhes fictícios que finalmente o convencem de sua criminalidade. No primeiro estágio ele é forçado à obediência mental por outros. No segundo ele entra num estágio de auto-hipnose, convencendo a si mesmo dos crimes fabricados. Conforme Swift: “As perguntas durante o interrogatório agora tratam com detalhes da ‘confissão’ do Cardeal. Primeiro, suas próprias afirmações são lidas para ele; então, afirmações de outro prisioneiros acusados de cumplicidade com ele; após, elaborações daquelas afirmações. Às vezes o Cardeal estava melancólico, outras enormemente perturbado e excitado. Mas ele respondia todas as perguntas de bom grado, repetia todas as afirmações uma, duas, até três vezes quando assim lhe era pedido”. (Lassio)

Na terceira e última fase do interrogatório e lavagem cerebral, o acusado, agora completamente condicionado e aceitando sua culpa imposta, é treinado a lançar falsos testemunhos contra si mesmo e outros. Ele não tem que se convencer mais através da auto-hipnose; ele apenas fala “a voz do seu senhor”. É preparado para um julgamento, completamente amaciado; torna-se cheio de remorsos e desejoso de ser sentenciado. É um bebê nas mãos de seus inquisidores, nutrido como um bebê e tranqüilizado por palavras como um bebê.

(The Rape of the Mind, The Psychology of Thought Control, Menticide, and Brainwashing. Joost A. M. Meerloo, M.D; The Techniques of Individual Submission; Chapter One – You too would confess)

31 dezembro, 2008

O caso Mindszenty (I): “Arranquem suas línguas”.

Link para o original.Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 1949 – Hungria

Agitado e cheio de maus pressentimentos, o Arcebispo Joseph Mindszenty apressou-se até o Vaticano há apenas três anos. Estava uma semana atrasado; o exército Vermelho havia atrasado seu visto.

No dia seguinte, o Papa Pio XII colocou o chapéu vermelho de cardeal na cabeça do nascido camponês Joseph Mindszenty e outros 31 prelados. Enquanto o fazia, o Papa pronunciava uma antiga formula: “Recebei… este chapéu vermelho, sinal da inigualável dignidade do cardinalato, pela qual é declarada que vós deveis mostrar-vos corajoso até a morte em derramar vosso sangue pela exaltação da bem-aventurada fé…”

Depois, de acordo com um relato dado por padres Americanos, o Papa disse a Mindszenty: “Você pode ser o primeiro a ver esta cor vermelho-sangue tornar-se sangue vermelho”.

Historicamente, é curioso encontrar menção ao martírio mantido no ritual da criação de um cardeal. A lista de mártires da Igreja contém grande quantidade de bispos, mas apenas um cardeal 1. Quando o cargo evoluiu (provavelmente no século V), os cardeais ficavam a cargo de importantes igrejas na própria cidade e em torno de Roma. Enquanto existisse o mal no mundo, existiria perigo, mesmo no centro da Cristandade. Os cardeais eram relembrados que deles, assim como daqueles que iam para junto dos infiéis, se esperava fidelidade até a morte.

Santo Stefano Rotodon, Roma.

Santo Stefano Rotondo, Roma.

A igreja em Roma da qual o Cardeal Mindszenty tornou-se titular era a do protomártir (cerca de 50 A.D.) Santo Stefano [Estevão] Rotondo al Monte Célio, do século V 2. Nas paredes de Santo Stefano estão 34 afrescos mostrando cenas do martírio Cristão – Santa Margareth, seus seios despedaçados com ganchos; o Bispo Artemius, esmagado entre grossas placas de pedra; Bispo Simeon, cortado aos pedaços com facas. Mas nem todos os martírios envolvem morte. Um afresco em Santo Stefano conta a perseguição dos cristãos do século IV pelo Rei Unericus, no norte da África. Diz a descrição: “Aqueles que falaram e levantaram suas mãos contra o Rei tiveram suas línguas e mãos cortadas fora”.

Joseph Mindszenty viveu por três anos com a ameaça do martírio contra si. Sabia disso e falava disso, e dizia que estava pronto para aceitá-lo. Ele até se preparou para a forma de martírio que o alcançaria na semana passada, o martírio inventado pelo Rei Unericus – o martírio da língua que não poderia claramente professar aquilo a que ele dedicou sua vida.

Os comunistas, que têm seus próprios mártires, bem entendem o ditado “sangue dos mártires, semente da Igreja”. Eles procuraram remover Mindszenty, que permanecia em seu caminho, mas acima de tudo procuraram afastá-lo de sua coroa do martírio. Desse modo, Mindszenty apareceu no tribunal “confessando” e “se retratando”.

Como os comunistas armaram isso ninguém no Ocidente sabe (até hoje ninguém sabe o segredo das confissões na “Grande Limpeza” de 1937 na Rússia). De algum modo eles quebraram Joseph Mindszenty, homem de coragem incendiante. De algum modo eles fizeram-no dizer coisas que ele havia negado com radical veemência, e com pleno conhecimento das conseqüências, até sua prisão 40 dias antes.

Desde que o Rei Unericus cortou línguas, os homens não diminuíram em maldade, mas aprenderam artes sutis e torturas mais refinadas que faca e ganchos. Ninguém pode provar que Mindszenty estava drogado ou açoitado. Tudo que pode ser dito com certeza é que toda a vida de Mindszenty provou que ele era um homem bravo e teimoso, um homem que em toda encruzilhada em sua vida orgulhosamente tomou o mais perigoso, o mais íngreme caminho; ter feito tal homem “arrepender-se” foi uma espécie de milagre do mal.

A casa do pai. Joseph Mindszenty vem de uma região de combatentes – o baixo Dunantul, na barragem ocidental do Danúbio, a trincheira onde por 150 anos os Húngaros lutaram contra invasores Turcos do leste. Nasceu (1892) na cidade de Csehimindszenty, filho de Janos Pehm. Os comunistas fazem muito do fato de os Pehmns serem de origem Alemã, apesar de terem vivido na Hungria por três séculos. Janos Pehm era um camponês. Também era prefeito da cidade, um homem destemido, devoto, que perpetuamente se rebelava contra os patrões da região e insignificantes poderosos. Diz um padre húngaro: “O Primaz é um grande homem, é verdade. Mas seu pai – ele era realmente um grande homem”.

Com suas duas irmãs, Joseph trabalhava o dia todo nos 20 acres de terra de seu pai, vivendo no casebre de seu pai que foi construído de tijolos secos ao sol. Quando foi para o seminário numa cidade vizinha, muitos de seus companheiros de classe o olhavam com desprezo como um filho de camponês. Era um intenso, sério e brilhante estudante.

O Doente & O Preso. Aos 23 anos, Joseph Pehm foi ordenado e voltou para Csehimindszenty, onde sua mãe orgulhosamente o viu celebrando sua primeira Missa. Em 1917 foi ensinar na pequena cidade de Zalaegerszeg, tornando-se mais tarde seu pároco. A paróquia por ele assumida estava em pobre estado. Ele criava quatro vacas e distribuía leite às crianças desnutridas. Consumiu muito tempo visitando os doentes e presos. Logo ele mesmo se tornaria preso. Quando Bela Kun estabeleceu seu reino Comunista de terror por quatro meses em 1919, Padre Pehm o atacou em um panfleto. Os Comunistas o conduziram pelas ruas da cidade “em desonra”, e então o aprisinoram na corte judicial da cidade.

Padre Pehm era um padre austero. O povo de Zalaegerszeg, como a maioria dos Húngaros, amava festas que bem duravam até o dia seguinte. Ele, indignado, determinou que não houvesse mais casamentos aos Sábados; queria todo seu rebanho pronto para a Missa de Domingo. Certa vez chamou um jovem capelão e disse: “Na última noite o observei andando junto à margem do rio com uma viúva. Primeiro, não penso ser correto que um jovem capelão ande sozinho em uma rua deserta à noite; segundo, não penso ser correto para ele andar com uma jovem viúva; e terceiro, se você fez essas coisas, você deve pedir sua transferência. Por favor o faça”

Chegaram a chamá-lo de “Papa de Zalaegerszeg”. Quando o Ministro da Fazenda, Janos Bud, começou a reduzir os gastos para a religião e trabalhos sociais, ele observou que a região de Zala seria melhor se deixada sozinha: “Aquele padre é um camarada duro para se entrar em confusão”.

1500 peças de roupas íntimas. A oposição de Mindszenty aos Nazistas o fez uma figura nacional. Ele tomou novamente o caminho mais penoso. Pregou contra o “novo paganismo” Nazista. Quando eles ocuparam a Hungria, muitos Húngaros descendentes de Alemães retiraram seus nomes húngaros e começaram a usar seus antigos nomes alemães novamente. O severo Padre Joseph Pehm fez o contrário. Renunciou ao nome alemão e tomou o Húngaro, derivado de sua cidade natal – Mindszenty.

Dez dias depois da tomada Alemã, Joseph Mindzenty tornou-se bispo de Veszprem. Em seu gracioso palácio rococó, Dom Mindszenty escondeu muitos judeus que estavam sendo perseguidos pelos nazistas. Na última semana, uma testemunha falou – mas não nas salas de julgamentos Comunistas. Ela era a senhora Janos Peter, uma judia Húngara que escapou do campo de concentração de Auschwitz. Agora vive em Viena. “Fui aconselhada a fugir para Veszprem”, relatou. “Coloquei-me sob a proteção do Bispo Mindszenty. Ele recebeu-me calorosamente e me escondeu no porão de seu palácio. Ao menos 25 pessoas estavam lá. Mindszenty nos trazia comida. Ele vinha até nós várias vezes ao dia e nos confortava com palavras apostólicas”.

Os Nazistas Húngaros finalmente prenderam Mindszenty. Todo Húngaro conhece a história de como ele caminhava até a prisão todo paramentado, abençoando o povo enquanto ia. Quando os Nazistas tomaram seu palácio, encontraram depósitos de roupas que ele coletou para os pobres. Sobre este fato os Vermelhos agora baseiam uma acusação de que Mindszenty foi preso por acumular 1500 peças de roupas íntimas. Por cinco meses, os Nazistas mantiveram Mindszenty na prisão de Sopron-Kohida.

Quando os Russos vieram, abriram as portas das prisões a todos os prisioneiros políticos. Mindszenty tomou uma carona de volta a Veszprem. Logo o Vaticano lhe daria uma nova sé, Esztergom, que carrega consigo a primazia sobre todas as outras do país.

Em três anos, Mindszenty ascenderia rapidamente de pároco a Princípe-Primaz. A Igreja sabia que estava entrando numa luta inevitável na Hungria. Mindszenty era inexperiente, com pouco conhecimento do mundo ou da diplomacia. Tinha, entretanto, duas características que devem tê-lo recomendado ao Vaticano: 1) um passado anti-nazista tão claro que os comunistas não poderiam manchar, e 2) uma extraordinária firmeza de caráter.

Mas nessa combinação de firmeza e inexperiência está o causador da tragédia.

Logo após tornar-se Primaz de Hungria, um amigo perguntou à mãe de Mindszenty se ela estava feliz pela ascensão de seu filho. A velha senhora disse: “Estive feliz muitas vezes por meu filho, e mais feliz ainda quando ele se preparava para o sacerdócio. Mas lamentei quando eles o levaram para Esztergom”.

“Eu sou a Igreja”. De muitas maneiras, o Príncipe-Primaz vivia como um pároco. Em seu enorme e sombrio palácio em Esztergom, ele usava apenas uma mesa de jantar e um quarto (nunca aquecido) onde recebia visitantes. Na mesa onde os predecessores de Mindszenty saboreavam excelentes cargas de gansos e faisões e ricos vinhos Húngaros, apenas uma refeição quente por dia era posta diante do Primaz. Nas sextas, comia apenas pão e água como um sacrifício pela libertação da Hungria do Comunismo.

Como em seus dias de vila, mantinha uma vaca que sua mãe havia lhe enviado. “Agora o Príncipe-Primaz tem leite”, disse certa vez, “isso é mais que suficiente”. Já que ele não tinha mais um jardineiro, trabalhava nos jardins do palácio, onde frangos agora ciscavam entre as verduras já meticulosamente aparadas. Um dia uma delegação veio a ele pedir uma contribuição para caridade: “Não tenho dinheiro aqui”, disse Mindszenty. “Levem o tapete”. A delegação surpresa saiu carregando um tapete oriental.

Incansavelmente inspecionou as paróquias em sua diocese. Seus olhos atentos nada deixavam passar. Certa vez ele confirmara um grupo de garotos e garotas da igreja da vila. Durante as cerimônias, deu uma olhada no telhado da igreja e repentinamente murmurou ao padre local: “Duas telhas estão faltando”.

Era profundamente fiel à sua mãe e escreveu um livro sobre maternidade. A visitava todo verão e trabalhava na velha fazenda em Csehimindszenty. No inverno, ela vinha ficar com ele. Mesmo no palácio do Cardeal, ela sempre vestia o tradicional véu preto de camponesa sobre a cabeça.

Ainda, a seu rebanho, Joseph Cardeal Mindszenty parecia como um prelado frio e distante. Um companheiro padre recorda suas visitas, como na ocasião de uma festa para as crianças pobres; o Cardeal se movia lentamente entre as criancinhas intimidadas, sorrindo friamente e entregando aqui e ali um contido tapinha em suas pequenas cabeças. Ele nunca se esqueceu para quê seu chapéu vermelho lhe fora dado.

Era ávido pelo martírio – até mesmo invejoso. Um dia, enquanto cavalgava por Budapeste seguido por vários outros padres, o carro que conduzia seu cortejo foi apedrejado por Comunistas. Mindszenty imediatamente parou seu próprio carro e furiosamente aproximou-se do agrupamento Vermelho: “Eu sou a Igreja!”, gritou o Cardeal Mindszenty: “Se vocês querem algo da Igreja, me apedrejem!”

O confronto entre Mindszenty e os Comunistas que governavam seu país não era daqueles que pudessem ser resolvidos ao “dar a César [o que é de César]”. Esse novo César era devorador de tudo. Em Estados que não tentam abocanhar profundamente as vidas pessoais de seus cidadãos, Estado e Igreja podem seguir seus caminhos em paz separados; o Estado Comunista é o instrumento de uma igreja – a igreja secular do Comunismo internacional. Ela ensina um sistema ético diretamente oposto ao de Mindszenty. Ativamente procura afastar de Deus quantos homens ela possa. Usa a plena força de seu poder político, seu sistema educacional e sua economia socializada para fazer seus convertidos e destruir seus rivais religiosos. Numa luta na qual Mindszenty se encontra não há linha lógica entre Igreja e Estado. Tudo isso era claro desde o que ocorreu na Rússia.

Por volta do fim da II Guerra Mundial, outros nove países 3 (sem contar as zonas Russas da Alemanha e Áustria) caíram nas garras do exército Vermelho. Essas terras continham 80 milhões de pessoas, das quais 42 milhões pertenciam a igrejas ligadas a Roma. A maioria dos outros habitantes pertencia à Igreja Ortodoxa Grega. Os Comunistas sabiam o que fazer com eles; na Rússia eles esmagaram a Igreja Ortodoxa, depois se utilizaram dos remanescentes. As igrejas Protestantes, em geral, permaneceram afastadas da batalha. 4

Na Romênia, 1.500.000 Católicos Romanos do rito Grego foram forçados à ingressar na Igreja Ortodoxa. O mesmo fato sobreveio a 3.500.000 Católicos Rutenos, agora cidadãos da U.R.S.S. Em países predominantemente Católicos, os Comunistas seguiram um caminho diferente; o passo intermediário em seu plano era instituir igrejas Católicas “nacionais”, separadas de Roma.

Há poucos meses, o Chefe Comunista da Hungria, Matyas Rakosi, teve uma entrevista com Istvan Barankovics, líder do Partido Católico Democrático do Povo. Ele assegurou a Barankovics que os Comunistas não tinham intenção de destruir a religião na Hungria. Perguntou como Barankovies se sentiria a respeito de “libertar a igreja Católica Húngara de Roma”. Disse Barankovics: “Uma religião baseada em linhas nacionais é sem significado. Você, que atacou Tito, deve apreciar isso.”

O negócio de viver. Os Húngaros Católicos tinham três caminhos abertos: colaborar com os Comunistas, despistar por um tempo ou lutar.

Poucos tomaram o primeiro caminho. Entre eles Padre Istvan Balogh, um padre gordo com apetite Rabelaisiano por comida e boa vida. Padre Balogh tinha variado seus deveres clericais com trabalhos como um publicar anúncios em cinemas e editor de jornais. Organizou o comércio de ovos e galinhas em torno de Szeged e gostava de ajudar nas festas de verão – na capacidade de tesoureiro. Padre Balogh tornou-se um membro do governo dominado por Comunistas. Dizia ele: “Tenhamos uma reconciliação para que todos possam dormir em paz em suas camas. Para o Cardeal Mindszenty, aceitar o martírio é uma coisa. Mas e os 6.000.000 de Católicos Húngaros para os quais o negócio é continuar vivendo?”

O segundo grupo, que queria retardar as coisas, era liderado por Laszlo Banass, que sucedeu Mindszenty como bispo de Veszprem, e Gyula Czapik, arcebispo de Eger. Sua política era desenvolvida por dois Jesuítas, Padre Joseph Janasi, um dos maiores intelectuais da Hungria, e Padre Kerkai, organizador de movimentos da juventude. Argumentavam que não importava o quão duramente os Católicos Húngaros se opusessem aos Comunistas, eles não tinham imediata perspectiva de resistência bem-sucedida. O jeito era fazer algumas concessões e esperar para ver o que aconteceria. Uma considerável parte do clero Católico e talvez a maioria do Corpo de Bispos tomaram essa postura. Ela estava de acordo com a política adotada por Adam Cardeal Sapieha na Polônia e pelo Arcebispo Joseph Beran, na Checoslováquia.

A terceira visão – total resistência intelectual – foi adotada pelo Príncipe-Primaz Mindszenty. O maior grupo do clero Católico e leigos o seguiram. Os Comunistas agora dizem que Mindszenty acreditava que uma guerra entre Estados Unidos e Rússia estava próxima. Há motivos, inteiramente alheios às afirmações Comunistas, para se crer que Mindszenty realmente mantinha essa posição. Se isso determinou sua postura, não é claro. Um homem de natureza lutadora poderia ter adotado uma postura de batalha acreditando ou não que a ajuda estava próxima.

Por qualquer razão, Mindszenty golpeou. Pouco antes das eleições de 1945 ele circulou uma carta pastoral na qual afirmava: “… Foi a tirania que trouxe a Europa a essa terrível guerra… Foi a tirania que pisoteou os mais sagrados direitos humanos… Foi a tirania que negou mesmo em teoria que os indivíduos têm direito de desenvolver suas habilidades, seus talentos, seus gostos… Mas não devemos ter o tipo de ‘democracia’ que substitui uma brutalidade, uma facção faminta pelo poder, por outra [ndt: no caso, o Nazismo pelo Comunismo] … Pedimos, irmãos, que pesem estas palavras antes de lançar seus votos… Não fiquem amedrontados pelas ameaças dos filhos do mal. Quanto menos oposição encontrar, mais forte crescerá a tirania…”

Um alaúde sem cordas. Depois disso, grandes multidões enchiam igrejas e praças públicas quando ele falava; milhares seguiam-no quando liderava a procissão na festa de Santo Estevão, Rei da Hungria, carregando a mão mumificada do Santo da capela de Santo Estevão em Budapeste até a igreja da coroação.

Mindszenty não combateu a reforma agrária dos Comunistas, o que custou à igreja Húngara quase nove décimos de seus pertences. Ele fez-se presente quando os Comunistas começaram suas manobras para nacionalizar as escolas da Hungria e fazê-las ferramentas da propaganda Comunista. A igreja dirigia e mantinha com seus próprios fundos mais de 60% de todas as escolas Húngaras.

Após perder a maior parte de suas receitas como resultado da reforma agrária, a Igreja tinha problemas para manter as escolas abertas. O governo solicitamente ofereceu pagar os professores Católicos, o que os fariam servidores do Estado Comunista. Mindszenty veementemente recusou. Então, sob direta ordem de Moscou, os Comunistas decidiram nacionalizar as escolas absolutamente. Quando o Parlamento Húngaro formalmente aprovou a lei de nacionalização, Mindszenty ordenou que os sinos das Igrejas por toda a Hungria fossem tocados como um sinal de dor e alarme.

Os Comunistas tentaram silenciar Mindszenty ao oferecê-lo condução segura para fora da Hungria. Ele recusou: “O lobo não tem mais segurança no estrangeiro do que um Cristão honesto no Estado Comunista Húngaro hoje”, disse a um visitante na época. “Em quatro meses devo provavelmente estar esperando minha vez na cela da forca. Mas eu nunca mudarei minhas atitudes ou voltarei atrás em qualquer dessas coisas que disse contra o governo Comunista. Deus ordenou meu destino e coloco-me em suas mãos”.

Disse: “Estamos sentados sobre as águas da Babilônia. Eles querem que aprendamos canções tão estrangeiras a nós como os sons de um alaúde sem cordas”.

Esse tipo de conversa alarmava muitos Católicos na Hungria. Em Roma, Monsenhores agitavam suaves mãos em agonia pela “falta de tato” do Príncipe-Primaz. Não era muito o que ele dizia, mas o modo como ele dizia.

Entretanto, Roma notou que a política conciliatória do Cardeal Sapieha e do Arcebispo Beran não estava sendo bem-sucedida ao frear o avanço Comunista contra a Igreja. O Papa Pio XII apoiou Mindszenty contra os moderados Húngaros.

Da Justiça & Caridade. Em novembro passado, os Comunistas começaram a aproximar-se de Mindszenty. Sua residência era vigiada noite e dia. Os Vermelhos tomaram uma fábrica próxima e a transformaram num dormitório para os 80 agentes secretos apontados para guardar o palácio do cardeal. Mindszenty sabia o que estava vindo. Escreveu: “Não acuso meus acusadores… Estou rezando por um mundo de justiça e caridade e também por aqueles que, nas palavras de meu Mestre, não sabem o que fazem”.

Ele pediu a sua mãe que ficasse com ele. Clérigos que os visitavam afirmavam que a mãe Mindszenty e seu filho estavam calmos e felizes. Padres diziam que quando os oficiais do governo vinham ver o Cardeal, ele orgulhosamente erguia suas mãos cada vez mais alto enquanto eles se inclinavam para beijar seu anel.

Mindszenty escreveu sua última carta pastoral. Em seu envelope, ele escreveu a agora famosa nota a seu clero, advertindo que qualquer “confissão” que possa aparecer algum dia com sua assinatura seria apenas resultado da “fragilidade humana”. Em outras cartas, alertou que ele poderia ser drogado e assim levado a confessar algo que não cometeu.

No dia seguinte ao Natal, a polícia Comunista chegou a Joseph Cardeal Mindszenty. Sua mãe lhe disse calmamente: “Filho, não tenha medo da morte, se necessário”.

Em todas as igrejas Húngaras (exceto as da diocese do Arcebispo Czapik) padres leram a carta pastoral de Mindszenty. Era também sua resposta àqueles que, como Czapik, queria o compromisso com os filhos do mal. “Depois de tomar tantas coisas, o mundo ainda pode nos roubar isso ou aquilo, mas não pode retirar nossa fé em Jesus Cristo”, dizia Mindszenty.

Esse era o Mindszenty que os Comunistas prenderam. Ninguém o pressionou para a sua oposição perigosa. Ele não se enganou pensando que estava seguro. Ele tomou, por conta de seu caráter que não se rende, o íngreme caminho para o martírio.

Livre de pressão? Cinco semanas depois, um outro Joseph Mindszenty sentou-se no tribunal 5 . Estava vestido de preto, como um padre comum. Antes do julgamento começar, o juiz presidente leu uma carta do acusado ao Ministro da Justiça.

mindszenty-no-tribunal1

Cardeal Mindszenty em seu julgamento.

“Quero amenizar a presente tensão”, Mindszenty teria escrito. “Eu voluntariamente admito que, em princípio, cometi os atos presentes na denúncia… Depois de 35 dias de constante meditação… eu considero que um acordo entre a Igreja e Estado seja necessário… Por isso, de bom grado declaro – livre de qualquer pressão, é claro – que desejo me retirar do exercício de minhas funções por um tempo…”

Na corte Mindszenty novamente e novamente declarou que lamentava o que fizera. Quando ele admitiu receber doações em dólar do estrangeiro e permitir seus subordinados vendê-los no mercado negro, disse: “Peço desculpas. Quero repor o dano feito ao Estado Húngaro”.

O juiz presidente perguntou: “Alguém o forçou a fazer esta confissão?” Mindszenty respondeu: “Não”. O juiz então mencionou a carta que Mindszenty escreveu antes de sua prisão, repudiando qualquer confissão que pudesse ser feita. Disse o Cardeal: “Quero afirmar que hoje vejo as coisas de outra maneira. Quero repetir – Eu lamento meu erro. Quero que a carta seja considerada nula e inválida.”

Os Comunistas publicaram o “Livro Amarelo”, contendo o que eles chamavam de confissão escrita de Mindszenty. Ele incluía passagens de ávidas auto-acusações quase infantis muito remanescentes do estilo dos tribunais de limpeza de Moscou, e sem nenhuma relação com o caráter de Joseph Mindszenty. Exemplos: “Eu organizei todas aquelas forças, em casa e fora, cujos interesses eram derrubar a república, suas instituições e realizações… Esperava a restauração da monarquia após a III Guerra Mundial… Eu mesmo queria coroar Otto [de Habsburg] porque isso me asseguraria todos aqueles privilégios que são garantidos a quem é o primeiro na nobreza…”

Se isso era tudo que os Comunistas tinha a oferecer, o mundo poderia estar certo que a consciência de Mindszenty foi atacada por drogas ou tortura. Mas os sucessores do Rei Unericus trabalharam mais habilmente do que isso. O Mindszenty que apareceu no tribunal não parecia ter sido drogado ou torturado. Confiáveis observadores Ocidentais que estavam presentes notaram (como as fotografias confirmaram) que ele parecia pálido e tenso. Entretanto, ele deu a impressao de um homem em posse de suas faculdades. Nenhuma droga conhecida à ciência Ocidental poderia dar conta destas repetidas “confissões”. Ninguém que conhecia qualquer coisa sobre Mindszenty poderia imaginar que a tortura poderia fazer este forte homem negar a si mesmo.

Os propagandistas Comunistas fizeram o máximo com a desistência do Cardeal. Transmissões dos procedimentos causaram grande impressão nos Húngaros, a maior parte dos quais grudados em seus rádios desde o começo do julgamento. Muitos, que antes acreditavam em sua inocência, agora mudaram de idéia quando ouviram a própria voz de Mindszenty.

“Rezei nesta manhã”. Uma vez, durante o julgamento, foi permitido a Mindszenty ver sua mãe. Com lágrimas dos olhos, ela lhe perguntou se eles haviam lhe tratado bem. “Não se preocupe, mãe”, disse ele, “tudo terminará bem”.

No último dia de seu testemunho, Mindszenty falou coerente e comoventemente, em voz lenta e firme:

“Tenho meio século sobre meus ombros, meio século de definitiva educação e princípios. Esta educação e estes princípios são postos na vida de um ser humano como os trilhos de uma linha de trem são ancorados na terra. Isso explica muitas coisas…”

“Permaneci por mais de 40 dias perante a polícia e o tribunal. Eles me perguntam e eu respondo. As perguntas e respostas não são apenas para aqueles que me questionam. Um homem também dá respostas à sua própria alma…”

“Se eu colidi com as leis do Estado, eu lamento. Estou certo que, enquanto permanecendo fiel aos princípios básicos, hoje faria certas coisas diferentemente na mesma situação. Nunca fui um inimigo do povo Húngaro. Não tenho disputas com os trabalhadores e com os camponeses aos quais eu e minha família pertencemos”.

“Rezei nesta manhã ao meu Senhor e pedi por paz. Não para amanhã, ou num futuro distante, mas para paz em nosso tempo”.

“Eu trouxe o amor de minha igreja a este tribunal, e peço este amor ao Estado Húngaro ao qual aqui mostro obediência. Também peço este amor a mim mesmo e possa o Senhor dar sabedoria à corte quando passarem a sentença…”

A corte retirou-se por dois dias. Então, pronunciou a sentença de Joseph Mindszenty: prisão perpétua.

Este julgamento seria lembrado e discutido por muitos anos. Uma lição estava presente e terrivelmente clara. Uma vez tendo os Comunistas estabelecido suas leis, nenhum homem, por mais forte que seja, pode estar certo de manter sua integridade. Mindszenty, olhando em direção ao martírio, citou São Paulo: “Para mim viver é Cristo e morrer é lucro”.

Eles não permitiram que Mindszenty morresse. Arrumaram um martírio mais amargo para ele.

——————————————————————————————————

1] João Fischer, bispo de Rochester, foi nomeado cardeal em maio de 1535, após Henrique VIII o aprisionar. Henrique proibiu a entrega do chapéu vermelho na Inglaterra, declarando que, pelo contrário, ele enviaria a cabeça de Fisher a Roma para o chapéu.  Depois de pouco tempo, Fisher foi decapitado.

2] Não confundir com Santo Estevão, Rei da Hungria (975-1038.)

3] Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia, Checoslováquia, Romênia, Iugoslávia, Bulgária, Albânia.

4] Isso pouco ajudou aos protestantes onde suas escolas foram nacionalizadas na Hungria. O bispo Luterano Lajos Ordass, que tentou se opor aos Comunistas, está na prisão sob a falsa acusação de contrabando. Ferenc Nagy, um líder Presbiteriano que como Premier tentou colaborar com os Comunistas, foi forçado a deixar o país.

5] No tribunal com Mindszenty estavam outros seis homens também acusados de particular na “consipiração”. Todos eles “confessaram”, incluindo o secretário do Cardeal, Andras Zachar, e o Príncipe Paul Eszterhazy, que fora o homem mais rico da Hungria.