Posts tagged ‘Dom Erwin Kräutler’

26 abril, 2016

Padres casados. O eixo Alemanha-Brasil.

Publicamos a seguir nossa tradução de matéria de janeiro deste ano, do sempre bem informado vaticanista Andrea Tornielli, no momento em que FratresInUnum.com recebe confirmação segura de que Francisco pretende mesmo tratar do tema do celibato sacerdotal no próximo Sínodo dos Bispos.

Estamos em condições de afirmar que o assunto foi pauta de reunião privativa dos bispos na Assembléia da CNBB de 2015, sendo capitaneado por Dom Cláudio Hummes. Então, o arcebispo emérito pediu que os bispos do Brasil fizessem uma “proposta concreta” a Francisco sobre o tema. A recém-eleita presidência da CNBB não demonstrou nenhum empenho especial pela causa, por conta divisão do episcopado brasileiro a respeito. 

* * *

Padres casados. O eixo Alemanha-Brasil.

Por Sandro Magister, 12 de janeiro de 2016 | Tradução: FratresInUnum.com: No relato de um teólogo alemão e de um bispo brasileiro, o projeto de Francisco visando permitir exceções locais para a norma do celibato clerical. A começar pela  Amazônia.

jpg_1351207Uma troca de cartas, uma entrevista e uma inovação que já se tornou lei vem confirmar a vontade do Papa Francisco de estender na Igreja Católica a presença de um clero casado, como já foi mencionado no seguinte artigo do site http://www.chiesa:

> Il prossimo sinodo è già in cantiere. Sui preti sposati (9.12.2015)

A troca de cartas ocorreu por iniciativa de um teólogo alemão proeminente, Wunibald Müller, de 65 anos que, em dezembro de 2013, escreveu uma carta aberta ao papa, amplamente divulgada pelo site oficial da Conferência Episcopal da Alemanha sob o título “Papa Francisco, abra a porta”,  pedindo-lhe que elimine a obrigatoriedade do celibato para os padres.

Müller não é um qualquer. Ele é psicólogo e escritor prolífico. Fundou e dirige a “Recollectio-Haus” junto à abadia beneditina de Münsterschwarzach, na diocese de Würzburg, a qual se encarrega de cuidar de sacerdotes e religiosos em crise existencial,  e que é financiada por outras sete dioceses (Augsburg, Freiburg, Limburg, Mainz, Mónaco -Frisinga, Paderborn, Rottenburg-Stuttgart). Além disso, a  Recollectio-Haus conta com a consultoria do conselheiro espiritual beneditino, Anselm Grün, muito lido não só na Alemanha, mas no mundo inteiro.

A orientação de Müller está bem representada pelos títulos de suas teses de mestrado e doutorado: “O sacerdote como guia espiritual de pessoas homossexuais” e “A homossexualidade, um desafio para a teologia e o cuidado das almas”.

Não tendo recebido qualquer resposta à sua primeira carta, em abril de 2014, Müller voltou à carga com uma segunda carta a Jorge Mario Bergoglio. E quase dois meses depois o papa finalmente respondeu.

Em 25 de novembro, a “Katholische Nachrichten-Agentur”, a agência de notícias dos bispos alemães, deu a notícia da correspondência e dos sinais de “abertura” vindos do papa. Em 4 de janeiro, o “Süddeutsche Zeitung” entrevistou Müller pedindo informações mais detalhadas:

P. – Você escreveu uma carta ao Papa Francisco?

R. – Eu pedi um relaxamento do celibato. Deve haver tanto padres casados como padres celibatários, tanto os homossexuais como heterossexuais.

P. – E a resposta?

R. – Francisco agradeceu-me pelas minhas reflexões, o que me deixa muito feliz. Ele me disse que as minhas propostas não podem ser implementadas para a Igreja universal, mas penso que não exclui soluções a nível regional. Ao bispo brasileiro Erwin Kräutler, Francisco já pediu para que ele investigue se em sua diocese existem homens casados de experiência comprovada, que possam ser ordenados sacerdotes. O papa procura espaços por onde começar a mudar algo que depois poderá, então, desenvolver a sua própria dinâmica.

Erwin Kräutler (foto), bispo austríaco que renunciou à imensa Prelazia amazônica do Xingu por motivos de idade, mas ainda muito ativo como secretário da Comissão Episcopal para a Amazônia, é precisamente o bispo do Brasil que alguns dias antes do Natal teve com o Papa Francisco um enésimo colóquio, que diz respeito precisamente à possível implementação de um clero casado nos territórios dramaticamente desprovidos de um clero celibatário.

A conversa entre ele e o papa saiu como notícia na Rádio Vaticano, no dia 22 de Dezembro:

P. – O que o papa disse sobre as comunidades privadas de um padre para celebrar a Eucaristia?

R. – Ele me disse que temos que fazer propostas concretas. Mesmo propostas imprudentes, ousadas. Ele me disse que temos que ter a coragem de falar. Ele não vai tomar a iniciativa sozinho, mas só depois de ouvir as pessoas. Ele quer que se crie um consenso e que se comece em uma região qualquer com as experiências finalizadas para que as pessoas possam celebrar a Eucaristia. Se lermos a exortação de João Paulo II “Dies Domini”,  ela diz claramente que não existe uma comunidade cristã se não se reúne em torno do altar. Pela vontade de Deus, então, temos que abrir o caminho para que isso aconteça. Sobre como será esse caminho, no Brasil já tem uma comissão trabalhando nesse sentido.

P. – Então, o que podemos esperar neste ponto a partir do pontificado de Francisco?

R. – Uma reviravolta. Aliás, já estamos numa reviravolta. Na verdade, já chegamos a um ponto de não retorno. Eu acredito que o próximo papa, ou o que virá depois dele, não poderá mais voltar atrás em relação ao que está fazendo Francisco hoje.

Em uma entrevista precedente, no dia 12 de Julho, 2015, à revista italiana “Credere”, Kräutler já havia confirmado que “o Papa pediu à Comissão da Amazônia uma proposta concreta desde abril passado” e, desde então, “estamos avaliando alguns caminhos a fim de que todas as comunidades tenham a oportunidade de participar da Eucaristia mais de três vezes por ano “.

Entre esses “caminhos” está precisamente a ordenação de homens casados, para compensar o fato – disse Kräutler – de que “para 800 comunidades temos apenas 30 sacerdotes, e a região é de fato muito extensa.”

Deve ser dito, todavia, que a falta de vocações ao sacerdócio no Brasil pode também ser devida ao mau exemplo que uma boa parte do clero daquele país dá, se for verdade o retrato traçado há algum tempo por uma revista Católica influente e insuspeita como “Il Regno”:

“Os fiéis são forçados a se reunir na igreja para celebrar uma espécie de missa sem padre nas cidades onde não faltam sacerdotes. Aos domingos, eles poderiam muito bem se distribuir em diferentes igrejas, mas, ao invés, preferem concelebrar juntos e deixar os fiéis à mercê de fiéis fanáticos e sem noção, isso quando os fanáticos e sem noção não são os próprios celebrantes, que muitas vezes modificam os textos litúrgicos segundo sua conveniência, porque nem sequer são capazes de compreendê-los, ou que convertem o canto do Sanctus em um ritmo dançante, que não mencionam o Papa, o Bispo e nem a memória dos mortos. Padres tão preguiçosos que, normalmente às segundas-feiras, fazem como os barbeiros na Itália, descansam e não celebram a missa nem nas catedrais. Eles também não visitam os doentes, não levam o viático e nem celebram funerais. E nem sempre podem citar em sua justificativa a escassez de sacerdotes “.

Outro fator, que também não é secundário, é o fato de que além da marcha de aproximação à ordenação de “viri probati” na Igreja latina, há também a autorização dada aos padres casados das Igrejas Católicas de rito Oriental para atuar mesmo fora dos seus territórios de origem. Isio é, não só no Oriente Médio e Leste Europeu, como em todos os lugares.

A autorização foi dada pelo Papa Francisco, através da Congregação Vaticana para as Igrejas Orientais, presidida pelo cardeal argentino Leonardo Sandri,  em 14 de junho de 2014. Ele cancelou um século e meio de proibições intransigentes.

De fato, nas Américas e na Europa Ocidental especialmente, a hierarquia Católica Latina sempre sustentou que a presença de padres casados de rito oriental em seus territórios, e que ali chegaram como imigrantes, causavam “Gravissimum scandalum” para os fiéis.

Papa Francisco, ao invés, consentiu tal presença em condições específicas. E citou em seu favor a Constituição Apostólica “Anglicanorum coetibus” de 2009, com a qual Bento XVI admitiu a presença de padres casados ex-anglicanos nas regiões onde ainda valia a proibição de padres casados de rito oriental.

Uma última nota. A ordenação de homens casados ao sacerdócio, “em casos especiais e para as necessidades pastorais”, já foi levada em consideração em um Sínodo, o de 1971, dedicado ao  “Sacerdócio Ministerial e Justiça no Mundo”.

A hipótese foi posta à votação em concorrência com outra, que defendia o celibato para todo o clero latino, sem exceção.

E venceu a segunda,  por 107 votos contra 87.

Desde então, passaram-se 45 anos e, aparentemente, o Papa Francisco acredita que os tempos amadureceram para reconsiderar a questão e abrir uma porta para os clérigos casados, a partir de algumas áreas da América Latina, particularmente aquelas mais afetadas pela escassez de sacerdotes.

Sem drama. Porque isso – diz ele – “é uma questão de disciplina, não de fé.”

24 dezembro, 2015

Mais um.

Dom Erwin ganha Prêmio Nobel Alternativo. Pois além de desagradar os católicos, também não tem capacidade de ganhar o prêmio oficial dos que promovem o "culto do homem".

E as figuras mais tenebrosas do episcopado brasileiro continuam se aposentado.

A vez agora é de Dom Erwin Krautler, queridinho da CNBB e das esquerdas, e cujo histórico de proezas o leitor pode conhecer aqui.

Adeus!

fogos-de-artificio-de-todas-as-cores

19 maio, 2014

Rezar pelas Vocações? “Eu não participo dessas coisas”.

Por Katholisches.info | Tradução: Fratres in Unum.com – (Viena) Na opinião do bispo missionário austríaco de tendência esquerdista, Dom Erwin Kräutler, rezar pelas vocações ao sacerdócio é como águas passadas. Esse teria sido o “conceito” de Bento XVI.

Dom Erwin Krautler.

Dom Erwin Krautler.

Em entrevista ao diário de notícias Die Presse, Kräutler insiste em soluções “regionais à questão do celibato”. O Papa Francisco, que recebeu Kräutler no último dia 4 de abril, no Vaticano, teria se mostrado “muito aberto” para essas soluções. O Papa deseja “propostas” para a questão do celibato.

Kräutler teria proposto ao Papa “desvincular celibato e Eucaristia”. O “problema” seria a celebração eucarística depender de um padre celibatário: “Eu não participo dessas coisas”, disse Kräutler ao diário de notícias.

Embora Kräutler não saiba se o Papa Francisco irá implementar as suas soluções, ele ficou muito satisfeito, porque “até agora esse processo nunca foi permitido. Bento XVI havia dito que rezássemos pelas vocações sacerdotais. Este Papa é diferente. Ele quer colocar um processo em movimento”. Sob Francisco as portas estariam se abrindo, disse o bispo missionário austríaco e progressista de longa data.

12 abril, 2014

Ainda o encontro de Francisco com Dom Erwin Kräutler. O caso dos ‘viri probati’.

A matéria abaixo dá mais detalhes sobre o diálogo divulgado, em primeira mão, pelo Fratres no último domingo.

Papa Francisco: homens casados podem ser ordenados sacerdotes se os bispos estiverem de acordo

Por Secretum Meum Mihi | Tradução: Fratres in Unum.com – Um novo tema ressurgiu a partir da audiência de Dom Erwin Kräutler com o Papa Francisco (além de sua referida colaboração na encíclica sobre a ecologia). Trata-se dos viri probati, tema esse que acreditávamos que já estivesse arquivado.

Tradução feita a partir da tradução do Secretum Meum Mihi da parte principal de um artigo publicado no The Tablet, de 10 de abril de 2014.

Papa Francisco: homens casados podem ser ordenados sacerdotes se os bispos estiverem de acordo

10 de abril de 2014 por Christa Pongratz-Lippitt – Um bispo que se reuniu com o Papa Francisco em uma rara audiência privada, no dia 4 de abril, disse em uma entrevista que os dois discutiram o tema da ordenação de homens casados “provados” — viri probati — de uma maneira séria e positiva.

Dom Erwin Kräutler, bispo de Xingu, na selva tropical do Brasil, conversou com o Papa a respeito da próxima encíclica de Francisco sobre o meio ambiente e o tratamento dos povos indígenas, porém, a desesperadora escassez de sacerdotes na grande diocese do bispo veio à tona na conversa. De acordo com uma entrevista que o bispo, nascido na Áustria, deu ao diário Salzburger Nachrichten, no dia 5 de abril, o Papa estava com a mente aberta a respeito de encontrar soluções para o problema, dizendo que as conferências episcopais poderiam ter um papel decisivo.

“Disse-lhe que, como bispo da maior diocese do Brasil, com 800 comunidades eclesiais e 700.000 fiéis, só tinha 27 sacerdotes, o que significa que nossas comunidades só podem celebrar a Eucaristia, no máximo, duas ou três vezes ao ano”, disse o bispo Kräutler. “O Papa explicou que não podia tomar tudo nas mãos pessoalmente estando em Roma. Nós, os bispos locais, que estamos mais familiarizados com as necessidades de nossos fiéis, devemos ser corajudos, ou seja, ‘valentes’ em espanhol, e dar sugestões concretas”, explicou. Um bispo não deveria atuar sozinho, disse o Papa a Kräutler. Ele deu a entender que “as conferências episcopais regionais e nacionais deveriam dar um jeito de encontrar um consenso sobre a reforma e logo deveríamos levar a Roma nossas sugestões para reforma”, disse Kräutler.

Ao ser indagado se ele havia perguntado na audiência sobre a ordenação de homens casados, o bispo Kräutler respondeu: “O assunto da ordenação de viri probati, ou seja, dos homens casados provados que poderiam ser ordenados ao sacerdócio, surgiu quando estávamos falando da difícil situação de nossas comunidades. O mesmo Papa me falou de uma diocese no México, em que cada comunidade tinha um diácono, porém, muitas não tinham nenhum sacerdote. Havia 300 diáconos ali que, naturalmente, não podiam celebrar a Eucaristia. A questão era como as coisas poderiam continuar nessa tal situação”.

“Cabia aos bispos apresentar sugestões, disse novamente o Papa”.

Então, perguntaram a Dom Kräutler se agora dependia das conferências episcopais no que tange às reformas da Igreja prosseguirem ou não. Ele respondeu que “Sim”, “Depois da minha conversa pessoal com o Papa, estou absolutamente convencido disso”.

[…]

A referência a “uma diocese no México” é precisamente a diocese mexicana de San Cristobal das Casas, onde falta tudo, menos diáconos [Nota do Fratres: Bento XVI mesmo chegou a proibir oficialmente a ordenação de mais diáconos naquela diocese, pois via-se claramente que o propósito era promover o diaconato permanente em detrimento das vocações sacerdotais]

O artigo também faz referência a uma entrevista no Salzburger Nachrichten de 5 de abril de 2014. Porém, na realidade, ele é de 8 de abril de 2014, página 9 (ver imagem acima, clique para ampliar; cópia do artigo aqui).

* * *

[Atualização – 12/04/14 às 12:37] Nota do Fratres: Dom Erwin poderia pedir umas dicas à FSSPX sobre como manter uma taxa de crescimento de sacerdotes nos últimos anos. Achamos que seu método seja um tanto ineficiente, não é Dom Erwin? Talvez seja realmente uma daquelas mazelas trazidas do Velho Mundo por Brancos Viciados

1_numberpriests_2013

7 abril, 2014

Francisco convida Ervin Kräutler, bispo do Xingu, como colaborador na elaboração da encíclica sobre ecologia.

Ufanismo austríaco-branco-viciado: o “Prêmio Nobel Série B” sai de audiência com Francisco fanfarreando – “Vou ajudar a escrever uma encíclica”. 

IHU – Erwin Kräutler, bispo de origem austríaca, missionário no Brasil, foi chamado pelo Papa Francisco para ajudá-lo na redação da próxima encíclica sobre os pobres e o cuidado do ambiente, como ele mesmo informou na entrevista concedida ao Orff Journal. A notícia foi divulgada pela agência KathPress.

A informação é de Maria Teresa Pontara Pederiva, publicada por Vatican Insider, 06-04-2014. A tradução é da IHU On-Line.

Kräutler, nascido em Hohenems (Vorarlberg), em 1939, primogênito de seis irmãos, pertence à Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue. Depois dos estudos de filosofia e teologia em Salzburg, em 1965 partiu como missionário na Amazônia e em 1980 foi nomeado bispo na maior diocese, em extensão geográfica, do Brasil: a diocese de Altamira-Xingu, tornando-se bispo auxiliar do seu tio Eurico, e, um ano depois, o seu sucessor.

De 1983 a 1991, Kräutler foi presidente do Conselho Indigenista Missionário – CIMI, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB. Em 2006, quando D. Gianfranco Masserdotti, presidente em exercício morreu num acidente, Kräutler foi reconduzido à presidência do CIMI.

Em 1997 foi um dos quinze delegados eleitos para participar do Sínodo para a América e naquela ocasião foi o porta-voz do povo brasileiro cujo território estava sendo brutalmente saqueado.

Sempre na primeira linha na defesa das populações locais ameaçadas pelo desmatamento ao longo dos rios da Amazônia, o bispo austríaco recebeu, em 2010, o Prêmio Nobel alternativo “pelo seu compromisso a favor dos direitos humanos das populações indígenas e pela sua luta pela conservação da floresta pluvial na Amazônia”.

Muitas vezes ameaçado de morte (em 1987 sobreviveu a um atentado onde foi morto o seu motorista), continuou a se posicionar ao lado das populações na defesa da dignidade humana e do ambiente da Amazônia.

A relação pobres-ambiente, muito cara a Papa Francisco desde o início do seu pontificado, para o bispo Kräutler é algo que está presente na sua ação cotidiana com a mais genuína Teologia da Libertação: a sua luta é contra a pobreza para que seja garantido a cada pessoa um trabalho e um salário justo acompanhado da promoção do reconhecimento dos direitos fundamentais, como a saúde e a defesa do território.

Kräutler, que no próximo mês de julho completa 75 anos, provavelmente apresentou ao papa Francisco, na audiência da última sexta-feira, 5-04-2014, a sua demissão. Os temas da audiência foram, segundo Orf, os direitos dos povos indígenas, as ameaças a que são submetidos os povos indígenas com a construção das grandes barragens, os impactos e as consequências da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte e algumas propostas para enfrentar a falta de padres numa diocese que tem a extensão geográfica equivalente à Alemanha. Kräutler informou que o Papa esperava dele “propostas corajosas e audazes”.

Sobre a encíclica, se de um lado a nomeação de Kräutler (em alemão se fala de “Mitautor”, isto é, co-autor, mas na realidade tratar-se-á de uma colaboração estreita) faz pensar na articulação que o Papa Bergoglio  reconhece entre o cuidado da criação e a promoção da justiça (são os pobres que sofrem as mais dramáticas consequências), como o Papa lembrou na recente entrevista aos jovens flamengos, por outro lado, trata-se de um sinal que a redação da encíclica está em curso, ou, pelo menos, em fase de estudos.

13 dezembro, 2012

“O que nós queremos fazer é ajudar e prevenir os índios a não caírem no mundo do branco, que é um mundo viciado”.

Palavras de um branco austríaco — de um mundo viciadíssimo, portanto — em entrevista concedida à Rádio 9 de Julho, da Arquidiocese de São Paulo, e retransmitida pela Canção Nova. Curiosamente, este senhor, que goza de enorme prestígio na CNBB e sempre tem participação de destaque em suas assembléias, trata de absolutamente tudo: desenvolvimento econômico, PAC, usina de Belo Monte, violência contra os índios, Constituição Federal, menos de religião — ainda bem, pois quando ele se aventura por essas bandas

Rádio 9 de JulhoDom Erwin, volta e meia, nos deparamos com a violência contra os índios. Por que esta má vontade contra eles?

Dom Erwin Kräutler.

Dom Erwin Kräutler.

Dom Erwin Kräutler – Eu também me pergunto isso sempre. É uma má vontade que já atravessa séculos, sempre aquela rejeição, porque no fundo, no fundo, se quer chegar onde os índios estão e não se admite que eles tenham direito a suas terras ancestrais. E muitas dessas terras contêm riquezas naturais e a ganância faz desrespeitar os direitos adquiridos há séculos pelos povos indígenas.

[…]

Rádio 9 de JulhoQual tem sido o trabalho da Igreja hoje, uma vez que ela sempre esteve presente na luta dos povos indígenas?

Dom Erwin – A primeira coisa a dizer é que a Igreja, a CNBB tem seu braço indigenista que é o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), que está atuando em todo o Brasil com duas finalidades. A primeira é a nossa presença nas próprias aldeias. E a segunda é a conscientização, a sensibilização do povo brasileiro a respeito dos direitos dos povos indígenas. A Igreja continua enfrentando o governo que é omisso e negligente em relação aos povos indígenas. É uma das poucas entidades que realmente enfrentam o governo. Ela exige, em nome da própria Constituição Federal, um tratamento diferenciado para esses povos. De fato, a Igreja continua nessa luta.

Rádio 9 de JulhoOutras Igrejas cristãs também se somam à Igreja Católica nessa luta?

Dom Erwin – Aqui eu diferencio. As Igrejas tradicionais, como a luterana, rezam conosco pela mesma cartilha. Infelizmente, porém, existem outras denominações cristãs que andam pelas aldeias e não têm essa visão. Veem em primeiro lugar a conversão desses povos para a sua maneira de viver o Cristianismo, o que implica, muitas vezes, na destruição da própria cultura e da identidade de um povo. Logicamente, nesse ponto, as Igrejas Católica e Luterana têm uma visão diferente. Nós respeitamos a sua cultura. É claro que cada pessoa tem o direito de se tornar cristã. A decisão é de cada indígena. Mas ele não deve se tornar cristão renunciando sua própria identidade indígena. E isso nas Igrejas Pentecostais é um pouco diferente. Elas veem em primeiro lugar a conversão do indígena para sua comunidade com tudo o que isso implica.

[…]

Rádio 9 de Julho Como ajudar os índios que vêm para a cidade, se eles tornam sem teto e caem no mundo das drogas ou se somam aos moradores em situação de rua?

Dom Erwin – Eu quero esclarecer que o índio aldeiado está na liberdade e é outro índio. O índio desaldeiado corre todos esses riscos. Temos que nos perguntar por que esses índios chegaram a essa situação, a esse tipo de vida. Por anos, o índio não foi aceito como pessoa humana, foi tratado como um pária da sociedade. O que nós queremos fazer é ajudar e prevenir os índios a não caírem no mundo do branco, que é um mundo viciado.

29 julho, 2012

Dom Erwin Kräutler apoia iniciativa dos párocos austríacos.

Cathcon | Tradução: Fratres in Unum.com – Os objetivos da Iniciativa dos Párocos [ndr: também conhecido como “apelo à desobediência”] , da pregação por leigos à ordenação de homens casados, interessa à toda a Igreja Universal. Assim afirma um nativo da Áustria, Dom Erwin Krâutler, que em sua diocese brasileira, na região da amazônia, tem 30 padres para 900 paróquias.

A preocupação central da Iniciativa da Párocos Austríacos não está restrita à Europa, mas diz respeito à toda a Igreja, afirmou Dom Kräutler. “Sou bispo há 31 anos da maior área no Brasil. Em todos os textos, grandes e pequenos, está escrito: a Eucaristia é o centro e o mistério mais profundo de nossa fé. Disso eu também tenho certeza. E aí nós negamos a Eucaristia a algumas pessoas. Esse é o ponto”.

“Precisamos sentir o pulso da Igreja universal”

A fim de chegar a soluções, Kräutler sugere uma consulta global aos bispos. “Mas isso deveria ser feito sob a condições de que o respectivo bispo local consulte os conselhos diocesanos. Ele pode dizer: como bispo, eu tenho essa opinião, meus padres são daquela opinião e os religiosos tomam essa direção. E os leigos estão plenamente atentos a esses acontecimentos. Isso seria sentir o pulso da Igreja mundial — do Japão ao Alasca, descendo para  Tierra del Fuego — , em todo lugar”, afirma Kräutler.

“A vida eclesial corre risco de acabar”

Outra coisa que é clara para Dom Erwin Kräuler, com 30 padres para 900 vilarejos: ou os batizados e crismados organizam sua prória vida eclesial, ou ela corre o risco de acabar, cedo ou tarde.

2 outubro, 2010

Um humanista ralé adora ganhar prêmios, mesmo os de segunda categoria.

Dom Erwin Kräutler ganha Prêmio Nobel Alternativo. Pois além de desagradar os católicos, também não tem capacidade de ganhar o prêmio oficial dos que promovem o "culto do homem".

Dom Erwin Kräutler se diz feliz por ganhar Prêmio Nobel Alternativo. Pois além de desagradar os católicos, também não tem capacidade de ganhar o prêmio oficial dos que promovem o "culto do homem".