Cardeal Müller: “Estamos experimentando uma conversão ao mundo, não a Deus”.

Por Catholic World Report, 26 de junho de 2018 | Tradução: FratresInUnum.com – O Cardeal Gerhard Müller é o ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e antigo bispo de Regensburg, Alemanha. Um renomado professor de teologia, é presidente tanto da Pontifícia Comissão Bíblica como da Comissão Teológica Internacional. Ele é também autor de diversos livros, incluindo The Hope of the FamilyPriesthood and Diaconate [“A esperança da Família, Sacerdócio e Diaconato], and The Cardinal Müller Report: An Exclusive Interview on the State of the Church [O relatório do Cardeal Müller: uma entrevista exclusiva sobre o estado da Igreja].

el-cardenal-gerhard-muller
Cardeal Gerhard Müller.

Dom Müller recentemente respondeu a algumas questões de Catholic Word Report sobre a situação na Alemanha, tensões sobre a proposta de recebimento da Sagrada Comunhão por certos protestantes, contínuos conflitos sobre o ensinamento da Igreja a respeito da proibição de mulheres serem ordenadas ao sacerdócio, e homossexualidade.

CWR: Desde 2014, tem havido, dentro da Igreja, uma contínua onda de conflitos e tensões que envolvem muitos bispos da Alemanha. Qual o contexto desse fenômeno? Qual a fonte desses diversos conflitos sobre eclesiologia, Sagrada Comunhão e assuntos relacionados?

Cardeal Gerhard Müller: Um grupo de bispos alemães, com seu presidente [i.e., da Conferência Episcopal] na dianteira, se vêem como lançadores de tendências na Igreja Católica em direção à modernidade. Eles consideram a secularização e a descristianização da Europa como um desenvolvimento irreversível. Por essa razão, a Nova Evangelização — programa de João Paulo II e Bento XVI — é, na visão deles, uma batalha contra o curso objetivo da história, se assemelhando à batalha de Dom Quixote contra os moinhos de vento. Portanto, todas as doutrinas da fé que se opõem ao “mainstream”, ao consenso social, devem ser reformadas.

Uma consequência disso é a demanda para a Sagrada Comunhão mesmo a pessoas sem a Fé Católica e também por aqueles Católicos que não estão em estado de graça santificante. Também estão na agenda: benção para casais homossexuais, intercomunhão com protestantes, relativização da indissolubilidade do sacramento do matrimônio, introdução dos viri probati e abolição do celibato sacerdotal; aprovação de relações sexuais antes e fora do casamento. Essas são as metas, e para alcançá-las eles estão dispostos a aceitar até a divisão da conferência episcopal.

Os fiéis que levam a doutrina Católica a sério são rotulados como conservadores e empurrados para fora da Igreja, expostos a campanha difamatória da mídia liberal e anti-católica.

Os muitos bispos, a revelação da verdade e da profissão da Fé Católica é só mais uma variável no jogo de poder político intra-eclesial. Alguns deles citam acordos individuais com o Papa Francisco e pensam que suas declarações em entrevistas com jornalistas e figuras públicas distantes de serem católicos oferecem uma justificativa mesmo para “diluir” verdades de Fé definidas, infalíveis (=dogmas). Tudo isso dito, estamos lidando com um patente processo de protestantização.

O ecumenismo, pelo contrário, tem sua meta na plena unidade de todos os cristãos, que já está sacramentalmente realizada na Igreja Católica. O mundanismo do episcopado e do clero no século 16 foi a causa da divisão da cristandade, que é diametralmente oposta à vontade de Cristo, fundador da Igreja una, santa, católica e apostólica. A doença daquela era é agora supostamente o remédio com o qual a divisão deve ser superada. A ignorância da Fé Católica naquela época era catastrófica, especialmente entre bispos e papas, que dedicavam-se mais à política e ao poder do que em testemunhar a verdade de Cristo.

Hoje, para muitos, ser aceito pela mídia é mais importante que a verdade, pela qual devemos também sofrer. Pedro e Paulo sofreram o martírio por Cristo em Roma, centro do poder naquela época. Eles não eram celebrados pelos grandes desse mundo como heróis, mas zombados como Cristo na cruz. Não devemos nunca nos esquecer a dimensão martirológica do ministério Petrino e do múnus episcopal.

CWR: Por que, especificamente, alguns bispos alemães desejam permitir o acesso à Sagrada Comunhão a protestantes em uma base regular ou comum?

Cardeal Müller: Nenhum bispo tem autoridade de administrar a Sagrada Comunhão a cristãos que não estão em plena comunhão com a Igreja Católica. Somente em situações de perigo de morte um protestante pode pedir a absolvição sacramental e a Sagrada Comunhão como viaticum, se ele compartilha de toda a Fé Católica e, assim, ingressa em plena comunhão com a Igreja Católica, embora ele não tenha ainda declarado sua conversão oficialmente.

Infelizmente, mesmo bispos, atualmente, não conhecem mais a Fé Católica na unidade da comunhão sacramental e eclesial, e justificam sua infidelidade à Fé Católica com, supostamente, uma preocupação pastoral ou com explicações teológica que, entretanto, contradizem os princípios da Fé Católica. Toda doutrina e praxis devem ser fundamentadas na Sagrada Escritura e na Tradição Apostólica, e não devem contradizer os pronunciamentos anteriores do Magistério da Igreja. Este é o caso da permissão para cristãos não católicos receberam a Comunhão durante a Santa Missa — exceto na situação emergencial descrita acima.

CWR: Como o senhor avalia, primeiramente, o estado da Fé Católica na Alemanha e, depois, na Europa como um todo? Pensa que a Europa pode ou irá recobrar o sentido de sua identidade cristã anterior?

Cardeal Müller: Há muitas pessoas que vivem sua fé, amam a Cristo e sua Igreja, e colocam toda sua esperança em Deus, na vida e na morte. Mas, entre eles, há muitos que se sentem abandonados e traídos por seus pastores. Ser popular perante a opinião pública é, atualmente, critério para supostamente ser um bom bispo ou padre. Estamos experimentando uma conversão ao mundo, não a Deus, contrariamente à afirmação do Apóstolo Paulo: “Por acaso eu procuro o favor dos homens, ou de Deus? Estou tentando agradar aos homens? Se ainda estivesse agradando aos homens, não deveria ser servo de Deus” (Gal 1:10).

Precisamos de padres e bispo cheios do zelo pela casa de Deus, dedicados inteiramente à salvação dos seres humanos na peregrinação de Fé para a nossa casa eterna. Não há nenhum futuro para um “Cristianismo light”. Precisamos de cristãos com espírito missionário.

CWR: A Congregação para a Doutrina da Fé recentemente reiterou o ensino perene da Igreja de que mulheres não podem ser ordenadas ao sacerdócio. Por que o senhor pensa que este ensinamento, que já foi repetido diversas vezes nos anos recentes, continua a ser contestado por muitos na Igreja?

Cardeal Müller: Infelizmente, atualmente a Congregação para a Doutrina da Fé não é particularmente estimada, e seu significado para o primado Petrino não é reconhecido. O Secretariado de Estado e os serviços diplomáticos da Santa Sé são muito importantes para a relação da Igreja com diversos Estados, porém, a Congregação para a Doutrina da Fé é mais importante para a relação da Igreja com sua Cabeça, da qual toda graça procede.

A Fé é necessária à salvação; a diplomacia papal podem fazer muito bem ao mundo. Mas a proclamação da Fé e da doutrina não devem ser subordinados às demandas e condições dos atores do poder terreno. A Fé sobrenatural não depende de poderes terrenos. Na Fé, é absolutamente claro que o Sacramento da Ordem, nos três graus (bispo, padre e diácono) só podem ser recebidos validamente por um homem católico batizado, porque somente ele podem simbolizar e sacramentalmente representar Cristo como Esposo da Igreja. Se o ministério sacerdotal é compreendido como uma posição de poder, então essa doutrina da exclusividade das Sagradas Ordens a católicos de sexo masculino é uma forma de discriminação contra as mulheres.

Mas essa perspectiva de poder e prestígio social é falsa. Apenas se virmos todas as doutrinas da Fé e dos sacramentos com olhos teológicos, e não em termos de poder, a doutrina da Fé sobre os pré-requisitos naturais para o sacramento da Sagrada Ordem e do matrimônio serão também evidentes a nós. Apenas um homem pode simbolizar Cristo enquanto Esposo da Igreja. Apenas um homem e uma mulher podem simbolicamente representar a relação de Cristo e da Igreja.

CWR: O senhor, recentemente, apresentou a edição italiana do livro de Daniel Mattson, Why I Don’t Call Myself Gay [Porque eu não me chamo gay]. O que o impressionou no livro e em sua abordagem? Como ele se distingue de algumas abordagens “pro-gay” e posturas adotadas por alguns Católicos? O que pode ser feito para explicar, em termos positivos, o ensinamento da Igreja sobre sexualidade, casamento e assuntos relacionados?

Cardeal Müller: O livro de Daniel Mattson foi escrito a partir de uma perspectiva pessoal. Ele é fundamentado em uma profunda reflexão intelectual sobre a sexualidade e o matrimônio, que o faz diferente de qualquer forma de ideologia. Portanto, ele ajuda a pessoas com atração para o mesmo sexo a reconhecer sua dignidade e a seguir um benéfico caminho no desenvolvimento de sua personalidade, e a não se deixarem ser usados como peças nos jogo de poder de ideólogos. Um ser humano é uma unidade interior de princípios espirituais e materiais, e, consequentemente, uma pessoa e um sujeito livremente atuante de uma natureza que é espiritual, corpórea e social.

O homem é criado para uma mulher e a mulher para um homem. A meta da comunhão matrimonial não é o poder de um sobre o outro, mas, antes, a unidade em um amor que se doa, no qual ambos crescem e juntos alcançam o objetivo em Deus. A ideologia sexual que reduz o ser humano ao prazer é, de fato, hostil à sexualidade, pois nega que a meta do sexo e do eros é agape. Um ser humano não pode se permitir ser degradado ao status de um animal mais desenvolvido. Ele é chamado a amar. Somente se amo o outro por si mesmo eu chego a mim mesmo; só assim sou liberado da prisão de meu egoísmo primitivo. Não se pode ser realizado às custas dos outros.

A lógica do Evangelho é revolucionária em um mundo de consumismo e narcisismo. Pois somente o grão de trigo que cai no chão e morre não permanece sozinho, mas produz muitos frutos. “Quem amar sua vida a perderá, e quem odiar sua vida neste mundo a guardará pra a vida eterna” (Jo 12:25).

Cardeal Müller sobre o encontro acerca da intercomunhão: É preciso “mais clareza e coragem”.

O ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé vê a declaração sobre o encontro acerca da Sagrada Comunhão para cônjuges Protestantes como “muito pobre”, e conclama bispos e cardeis a “levantarem suas vozes”. 

Por Edward Pentin, National Catholic Register, 4 de maio de 2018 | Tradução: FratresInUnum.com: O crucial encontro de ontem foi mais curto do que se esperava, durando pouco mais de duas horas, mas o resultado não agradou a nenhuma das partes que participaram e terá consequências a longo alcance para a Igreja, informaram fontes ligadas às discussões.

O Cardeal Reinhard Marx, presidente da conferência episcopal, chegou ao encontro de 3 de maio no Santo Ofício às 16 horas, juntamente com dois bispos aliados e o jesuíta Padre Hans Langendörfer, secretário da conferência dos bispos alemães, esperando confiantemente poder influenciar os procedimentos em seu favor.

Convocado para o encontro no Vaticano pelo papa, no mês passado, o cardeal arcebispo e Munique esperava ter o apoio papal, e, assim, persuadir dois bispos opositores e os oficiais do Vaticano a apoiar uma proposta pastoral altamente contenciosa dos bispos alemães que permite a cônjuges protestantes receberem a Sagrada Comunhão em alguns casos.

O assim chamado “subsídio pastoral”, que os bispos alemães esmagadoramente votaram em favor no último mês de fevereiro, propunha que um cônjuge protestante poderia receber a Eucaristia após ter feito um “sério exame” de consciência com um padre ou outra pessoa de responsabilidade pastoral, “afirmar a fé da Igreja Católica”, desejando pôr fim “a uma séria angústica espiritual”, com o “anseio de satisfazer um desejo pela Eucaristia”.

Seus proponentes afirmaram que ele ajudaria a resolver o sofrimento de alguns cônjuges protestantes impossibilitados de receber a Sagrada Comunhão com seus respectivos esposo ou esposa católicos. Os críticos chamaram-na de um “truque retórico” que erroneamente busca redefinir os sacramentos como meios de aliviar as angústias mentais e satisfazer necessidades espirituais.

As críticas aumentaram quando sete bispos alemães escreveram ao Vaticano, em 22 de março, para protestar contra a medida, argumentando que a proposta “não está correta” quando aborda a “fé e a unidade da Igreja, que não estão sujeitas a voto”, e pedindo que quatro pontos fossem esclarecidos.

Dos sete, dois deles, Cardeal Rainer Woelki, de Colônia, e Dom Rudolf Voderholzer, de  Regensburg, chegaram para o encontro do dia 3 esperançosos que, dadas as falhas, que muitos consideravam sérias, do documento — às quais se opôs Bento XVI, segundo fontes confiáveis — a proposta seria descartada pelo Papa, ou completamente revisada.

Prefeito carteiro. 

Mas, para a surpresa de muitos, nada disso aconteceu. Após ambos os lados exporem sua visão, Dom Luis Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, retransmitiu aos participantes que o Papa Francisco apreciava o “comprometimento ecumênico dos bispos alemães e pedia-lhes, em espírito de comunhão eclesial, se possível, um posicionamento unânime”.

Comentando o caso ao Register no dia 4 de maio, o Cardeal Gerhard Müller, prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé, expressou sua decisão com o resultado, afirmando que a declaração era “muito pobre” e continha “nenhuma resposta à questão central, essencial”. Não é possível, enfatizou ele, estar em “comunhão sacramental sem comunhão eclesial”.

Para o bem da Igreja, afirmou, um “expressão clara da Fé Católica” é necessária, com o Papa “expressando a Fé”, especialmente no “pilar de nossa Fé, a Eucaristia”. Espera-se que Papa e a Congregação para a Doutrina da Fé, prosseguiu ele, “deem uma orientação muito clara”, não através de “opiniões pessoais, mas segundo a Fé revelada.”

Uma fonte próxima aos dos bispos contrários à proposta afirmou ao Register, em 4 de maio, que a “resposta oficiais é de que não há resposta”. O Santo Padre, disse ele, “falhou em cumprir seu dever como Papa a respeito de uma questão de dogma, que seu posto deve decidir”.

O Papa se “recusou” a tomar uma posição, ele enfatizou, “e a Congregação para a Doutrina da Fé foi feita de correio, não para a afirmar a Fé, mas para anunciar essa informação”. Os dicastérios, disse, “são inúteis” se todas as decisões forem deixadas a cargo das conferências episcopais. Ele reconheceu que o termo “unanimidade” não é definido adequadamente neste contexto, mas espera que o Cardeal Marx de alguma forma reduza o número de bispos contrários à proposta a fim de obter a necessária unanimidade para prosseguir adiante.

“Nosso papel agora é apoiar os sete bispos, apoiar nossos padres na argumentação”, declarou a fonte. “Será uma longa luta e pelos próximos seis meses nos dedicaremos a isso”.

Mas também o Cardeal Marx e a conferência de bispos alemães se disseram desapontados. O encontro foi realizado na Congregação para a Doutrina da Fé, indicando que o Vaticano vê o caso como uma matéria doutrinal, e não simplesmente pastoral, como tentou argumentar o Cardeal Marx (ele insistiu, em fevereiro, que se tratava de um “subsídio pastoral”, sem pretender “mudar qualquer doutrina”.

De maneira mais significativa, os apoiadores da proposta fracassaram em obter o endosso entusiasta do Papa. Pelo contrário, coerente com seu desejo expresso na primeira exortação apostólica Evangelii Gaudium, Francisco prossegue com seus esforços para descentralizar o governo da Igreja, dando mais “autoridade doutrinal” às conferências episcopais. Ele está, portanto, devolvendo a bola para o campo dos bispos alemães.

“De certo modo, isso equivale a uma recusa [da proposta]”, declarou o analista da Igreja alemã Mathias von Gersdorff. “Soa como algo assim: o senhor [Cardeal Marx] criou um grande problema. Cabe a você resolvê-lo. E, se não conseguir unanimidade, então o problema está resolvido”.

A batalha perdida de Marx

Durante o encontro, foi também desapontador para o partido do Cardeal Marx a oposição do Cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. O Cardeal suíço, que não teve ciência da proposta antes ou depois de sua votação, demonstrou-se simpático à preocupação dos sete bispos.

A desilusão por parte da conferência de bispos alemães também ficou evidente quando, após o encontro, o seu porta-voz, Matthis Kopp, declarou que não daria nenhuma conferência de imprensa, nem declarações ou entrevistas. “Foi uma batalha perdida, embora não tenha sido uma guerra perdida”, afirmou a fonte próxima às tratativas. “Kopp não quer falar sobre a batalha perdida”.

Mas os sete bispos e seus aliados têm as maiores preocupações. Embora creiam que o encontro poderia ter sido “muito pior”, segundo a mesma fonte, e a proposta não tenha sido publicada como um subsídio, como pretendia a conferência dos bispos alemães, eles vêem tudo como “revolução eclesiológica”.

“O verdadeiro problema não é o assunto em si, mas a recusa do Papa de desempenhar sua obrigação como Pedro, e isso pode ter graves consequências”, disse a fonte. “Pedro não é mais a rocha que era, pelo contrário, o pastor está dizendo às ovelhas: ‘vá e se vire para encontrar algo para comer'”.

Ele previu um processo similar sendo adotado para introduzir tais novidades como um clero casado, e que o deslocamento geral em direção à descentralização da doutrina fará a Igreja parece mais a Comunhão Anglicana.

Cardeal Müller, referindo-se à Lumen Gentium, recordou que as conferências episcopais possuem uma “importância secundária” em relação ao Papa, e que não é possível a elas votarem de maneira unânime sobre uma matéria de doutrina que contradiz “elementos básicos” da Igreja. “Devemos resistir a isso”, disse, advertindo que se o princípio da identidade Católica, que consiste tanto na comunhão sacramental como na eclesial, for destruído, “então a Igreja Católica está destruída”. A Igreja, insistiu, “não é um ator político”.

“Espero que mais bispos levantem suas vozes e façam o seu dever”, disse o Cardeal Müller. “Todo cardeal tem o dever de explicar, defender, promover a Fé Católica, não segundo os seus sentimentos pessoais, ou as variações da opinião pública, mas lendo e conhecendo o Evangelho, a Bíblia, as Sagradas Escrituras, os padres da Igreja. E também os Concílios, estudando os grandes teólogos do passado, podendo explicar e defender a Fé Católica, não com argumentos sofísticos para agradar a todos os lados, para ser querido por todos”.

Prosseguindo, o Cardeal Müller previu, com dor, que o assunto “continuará sem a clara necessidade de uma declaração sobre a Fé Católica”.

Ele afirmou que os bispos devem “continuar explicando a Fé” e que esperava que a Congregação para a Doutrina da Fé cumprirá o seu papel, não só como mediadores de diferentes grupos, mas tomando a dianteira quanto ao magistério do Papa”.

“Mais clareza e coragem devem ser encorajadas”, disse.

Dom Víctor “Tucho” Manuel Fernández, inspirador de Amoris Laetitia, lança um ataque contra os cardeais Müller e Sarah.

Por Jeanne Smits[1], Réinformation TV, 17 de janeiro de 2018. Tradução: André Sampaio | FratresInUnum.com[2] Muito próximo do soberano pontífice, Dom Víctor Manuel Fernández publicou, há poucos dias [em 14/01/2018, n.d.t.], um artigo no jornal argentino La Nacion[3], com o fim de denunciar a atitude dos cardeais Sarah e Müller, que agem, segundo ele, como se Francisco não fosse papa. Reitor da Pontifícia Universidade Católica Argentina, arcebispo ad personam por graça do papa reinante, autor de um livro intitulado Cura-me com tua boca: a arte de beijar[4], chamado familiarmente de “Tucho”, Fernández influenciou de maneira altamente significativa a elaboração de Amoris laetitia[5], como demonstra a correspondência entre escritos seus do passado e os trechos mais controversos da exortação apostólica[6] [arcebispo ad personam: título honorífico pessoal, não implicativo de jurisdição de uma arquidiocese]. Ele se encontra 100% alinhado com as novidades do papa Francisco. Ao atacar dois cardeais que são conhecidos por suas visões tradicionais, mas que nunca tacharam de inaceitáveis os ensinamentos em causa – nem mesmo por meio dos dubia[7] [cujos signatários foram outros cardeais] –, o prelado argentino deixa entrever uma escalada na obra de desestabilização.

Víctor Manuel Fernández com o então cardeal Bergoglio
Víctor Manuel Fernández com o então cardeal Bergoglio.

Um verdadeiro ataque contra os dois cardeais

O artigo leva este título: “As errôneas interpretações da mensagem do papa”. “Tucho” Fernández escreve: “Muitas vezes se supõe que todos os que exercem alguma tarefa em instituições católicas estejam executando ordens do papa toda vez que se pronunciam. Contudo, isso sequer ocorre com os cardeais do Vaticano, visto que seguem pensando e falando como desejam, como se Francisco não fosse papa”. Acusação gravíssima, posta nesses termos.

São especificamente citados os cardeais Gerhard Müller[8], prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé, organismo do qual ele foi demitido sem deferências pelo papa, e Robert Sarah[9], ainda prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, mas cercado de pessoas que tomam decisões que destoam das suas diretrizes. Müller deveria ter sido demitido antes, sugere o arcebispo Fernández: “Acaso não nos perguntamos, muitas vezes, por que não era afastado o cardeal Müller, que não ocultava uma linha de pensamento bastante diferente [da do papa] e inclusive o criticava? E olhemos para o cardeal Sarah, que segue propondo que se volte a celebrar a missa de costas para o povo”.

O inspirador de Amoris laetitia teria afastado bem antes o cardeal Müller

Curiosamente, o artigo, em seu conjunto, parece constituir uma defesa do direito de toda pessoa a falar livremente e do entendimento de que um dirigente católico, em algumas de suas ações, não se vincula necessariamente ao papa. Assim, explica Fernández, o arcebispo Sánchez Sorondo[10] – outro argentino próximo de Francisco – age sozinho e sem requerer a permissão de ninguém quando convida figuras controversas – favoráveis a certas formas de eutanásia, ao aborto, ao controle da população – para reuniões da Pontifícia Academia das Ciências, da qual é chanceler, no Vaticano…

“Hoje, com Francisco, a Igreja usufrui de uma liberdade de expressão sem precedentes, e, para poder-se opinar, não é necessário estar pensando o que diria o papa. Agora, muitos católicos podem, irresponsavelmente, tratar Francisco como herege ou cismático, sem que lhes chegue sequer um pedido de esclarecimento da parte do Vaticano. Poucos anos atrás, receberíamos sanções graves por muito menos”, escreve Fernández.

Que arte de inverter os papéis, e de modo incoerente, além do mais! Como se pode justificar a ideia de que o papa, que efetivamente se mostrou “grato” ao cardeal Müller, deveria tê-lo afastado antes, se a liberdade é, nesse campo, a regra? Como se ousa dizer que aqueles que se preocupam com a integridade da doutrina católica gozam de uma (culpável?) indulgência da parte do pontífice, enquanto se revelam abundantes os casos de demissão, destituição, aposentadoria desses “perturbadores da ordem”, isso sem falar nas mostras de irritação extremada que familiares da Casa Santa Marta atribuem a Francisco?

Todo mundo fala livremente, mas acabamos por nos indagar, e com certo gracejo, se “Tucho” não estaria um tanto se pronunciando sob ordens.

[1] http://reinformation.tv/mgr-victor-manuel-fernandez-attaque-cardinal-muller-amoris-laetitia-smits-79347-2/

[2] https://fratresinunum.com/

[3] http://www.lanacion.com.ar/2100513-las-erroneas-interpretaciones-del-mensaje-del-papa

[4] https://fratresinunum.com/2015/01/12/arcebispo-reitor-e-beijoqueiro/

[5] http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20160319_amoris-laetitia.html

[6] https://fratresinunum.com/2016/05/25/amoris-laetitia-tem-um-escritor-fantasma-chama-se-victor-manuel-fernandez/

[7] https://fratresinunum.com/2016/11/14/bombastico-cardeais-divulgam-carta-e-questionamentos-sobre-amoris-laetitia-que-francisco-se-negou-a-responder/

[8] https://fratresinunum.com/tag/dom-gerhard-ludwig-muller/

[9] https://fratresinunum.com/tag/cardeal-robert-sarah/

[10] https://infovaticana.com/2017/08/08/sanchez-sorondo-arzobispo-amigo-los-poderosos-antinatalistas-jamas-celebra-misa-reza-breviario/

O Cardeal Müller acusa o Papa Francisco de não basear sua autoridade magisterial numa teologia “competente”.

Incomoda ao cardeal que o papa pense que “a religião e a política são uma coisa só”. O Cardeal denuncia que o Papa se preocupa mais por “questões de diplomacia e poder do que pelas questões da fé”. A fé cristã deveria estar no centro e o Papa deveria ser simplesmente um “servo da salvação”

Por Cameron Doody, Religión Digital, 14 de setembro de 2017 | Tradução: FratresInUnum.com“Vós não tendes nem ideia do que estais dizendo!” O Cardeal Gerhard Müller fez eco das palavras com as quais São Roberto Belarmino uma vez lançou em rosto do Papa Clemente VIII sua falta de competência teológica, para uma vez mais apontar o Papa Francisco, acusando-o de não basear sua “autoridade magisterial” numa teologia sólida.

Segundo relatam tanto o Tagespost como o Mannheimer Morgen, o ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé participou na semana passada num colóquio em Mannheim para apresentar seu novo livro Der Papst. Sendgung und Auftrag (“O Papa. Missão e Mandato”).

muller
No colóquio em que Müller proferiu críticas a Francisco, participava também o Arcebispo Dom Georg Ganswein, Prefeito da Casa Pontifícia e secretário pessoal de Bento XVI.

Müller aproveitou suas intervenções para queixar-se uma vez mais das diferenças que manteve com o Papa, o que desencadeou sua destituição como cabeça do Santo Ofício, no final do mês de junho.

A essência das novas críticas do purpurado alemão é que Francisco, nos quatro anos de Pontificado, desvalorizou o papel da Doutrina da Fé na vida da Igreja, até o ponto — dolorosíssimo para Müller – de que seu Prefeito já não goza mais de nenhum prestígio.

Ao invés da Congregação [para a Doutrina da Fé], é a Secretaria de Estado do Vaticano a instituição que agora é considerada a mais importante na Igreja”, criticou Müller sobre a política do Papa Bergoglio.

“Questões de diplomacia e de poder agora têm prioridade”, afirmou, lamentando-se de que esta é uma mudança “radical”, mas “equivocada… e que deve ser corrigida. ” “A fé cristã é que deveria estar no centro, em seu lugar, e o Papa deveria ser simplesmente um “servo da salvação”.

Para jogar sal na ferida, Müller lançou-se contra a recente viagem que o Cardeal Pietro Parolin, atual Secretário de Estado, fez à Rússia. Ainda que o Papa, segundo Parolin, tenha se mostrado “contente” com os “resultados positivos” que a viagem deu em si, Müller quis distanciar-se dos dois, criticando a “ótica desafortunada” com a qual muitos interpretaram a visita, “porque aqui não se pode cair na armadilha de pensar que a religião e a política são uma coisa só.”

Segundo Müller, a associação da religião e da política “nunca prosperou quando a missão da Igreja se centralizava (e se concentra) no poder”.

E além disso, o ex-prefeito da Doutrina da Fé quis lançar mais um aviso ao atual Bispo de Roma, recordando-lhe que “o centro do Papado não é o Papa em si mesmo, mas a fé cristã”, com o qual Francisco deve levar em conta a necessidade — sentida pelos “cardeais dos Dubia” sobre o conteúdo de Amoris Laetitia — de “uma preparação teológica mais clara dos documentos [oficiais].

Cardeal Müller desmente boatos e afirma que o Papa não o tratou mal.

Roma, 12 Jul. 17 / 05:00 pm (ACI).- O Cardeal Gerhard Ludwig Müller negou energicamente os boatos da imprensa que afirmam que o Papa Francisco lhe fez cinco perguntas antes de informar que não iria renovar o seu mandato como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Citando uma fonte alemã anônima, que por sua vez afirmou ter recebido a informação de outra pessoa, o site católico de notícias “One Peter Five” e o vaticanista italiano Marco Tosatti informaram que o Papa Francisco, ao se reunir com o Cardeal Müller no dia 30 de junho, fez cinco perguntas sobre alguns temas como a introdução de um diaconato feminino até a abolição do celibato, sua posição sobre “Amoris Laetitia”, sua posição sobre a decisão do Papa de demitir três membros do dicastério e a ordenação sacerdotal de mulheres.

De acordo com essas informações, depois de escutar as respostas do Cardeal alemão, Francisco lhe informou que o seu mandato havia terminado e saiu da sala, deixando para trás um paciente Müller que esperava do Santo Padre um sinal de gratidão, até que, envergonhado, o Arcebispo George Gänswein, Prefeito da Casa Pontifícia, disse ao Cardeal que a reunião havia terminado.

Entretanto, o Cardeal Müller assinalou ao veterano vaticanista Guido Horst que nenhuma dessas afirmações é verdadeira. Guido Horst, em um artigo de opinião publicado no site CNA Deucth – agência em alemão do Grupo ACI–, descreveu pessoalmente o encontro que teve com o purpurado alemão em Roma na manhã do dia 11 de julho.

O jornalista, correspondente do jornal “Tagespost”, mostrou ao Cardeal uma cópia dessas informações: o próprio Müller, de 69 anos, não havia visto a reportagem na internet.

O Cardeal ficou “perplexo ao ler esta descrição do seu encontro com o Papa”, escreveu Horst. “Isso é mentira”, disse-lhe o Cardeal Müller. De fato, indicou o Purpurado, todo o encontro ocorreu de maneira muito diferente e as afirmações da “fonte alemã anônima” são completamente falsas.

Os comentários do Cardeal coincidem com um breve e-mail enviado ontem pelo Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Greg Burke, ao site “One Peter Five” e a Marco Tosatti. Neste e-mail, Burke afirma que “a reconstrução (do encontro) é totalmente falsa” e solicita que a matéria seja atualizada.

Fonte: Antes de demitir o Cardeal Müller, o Papa fez cinco perguntas pontuais.

Por Maike Hickson, One Peter Five, em 10 de julho de 2017 | Tradução: FratresInUnum.com –  Depois que o Cardeal Gerhard Müller, ex-Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, revelou que havia conversado ao telefone com o finado Cardeal Joachim Meisner sobre sua recente demissão e que essa conversa acontecera na véspera do súbito falecimento de Meisner, na manhã de 5 de julho, várias fontes bem informadas na Europa com quem mantenho contato usaram todas a mesma expressão, ou seja, eles especularam que talvez o Cardeal Meisner “tenha morrido de tristeza”. À luz das seguintes revelações sobre o conteúdo do encontro entre o Papa Francisco e o Cardeal Müller, em 30 de junho, podemos estar ainda mais propensos a acreditar que isso tenha acontecido – ao menos, como uma possibilidade moral.

As informações a seguir procedem do relato de uma fonte alemã confiável, que falou ao OnePeterFive sob a condição de anonimato. Ele cita uma testemunha ocular que almoçou recentemente com o Cardeal Müller em Mainz, na Alemanha. Durante a refeição, o Cardeal Müller teria divulgado na presença dessa testemunha ocular certas informações sobre seu último encontro com o Papa, durante o qual ele foi informado de que seu mandato como Prefeito da CDF não seria renovado.

De acordo com esse relato, o Cardeal Müller foi convocado pelo Palácio Apostólico em 30 de junho, e assim ele foi para lá com seus arquivos de trabalho, supondo que essa reunião seria uma reunião de trabalho habitual. Contudo, o Papa lhe disse que tinha apenas cinco perguntas a fazer:

  • Você é contra ou a favor de um diaconato feminino? “Sou contra”, respondeu o cardeal Müller.
  • Você é contra ou a favor da revogação do celibato? “É claro que sou contra”, respondeu o cardeal.
  • Você é contra ou a favor do sacerdócio feminino? “Definitivamente sou contra essa ideia”, respondeu o Cardeal Müller.
  • Você está disposto a defender a Amoris Laetitia? “Tanto quanto seja possível para mim”, respondeu o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé: “ainda existem ambiguidades”.
  • Você está disposto a retirar sua reclamação a respeito da demissão de três de seus próprios funcionários? O Cardeal Müller respondeu: “Santo Padre, estes homens eram bons e sem culpa, dos quais sinto falta agora, e não foi correto demiti-los passando por cima de mim, pouco antes do Natal, de modo que tiveram que esvaziar seus escritórios até o dia 28 de dezembro. Sinto falta deles agora”.

Então, o papa respondeu: “Bom, Cardeal Müller, eu só queria lhe informar que não prorrogarei o seu mandato [ou seja, após o dia 2 de julho] como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.”

Sem dizer adeus ou dar uma explicação, o papa saiu da sala. A princípio, o Cardeal Müller pensou que o papa saiu para buscar um sinal de gratidão e, assim, ficou esperando pacientemente. Mas, não havia tal presente, nem mesmo um gesto de gratidão pelo seu serviço. O Prefeito da Casa Pontifícia, Arcebispo Georg Gänswein, teve que lhe explicar que a reunião havia terminado, e que era hora de partir.

No momento em que escrevemos este texto, não conseguimos obter confirmação desses eventos por parte do Cardeal Müller, nem de seu secretário, a quem nos dirigimos para comentar. Igualmente, pedimos um comentário de Greg Burke no Gabinte de Imprensa do Vaticano, mas, na ocasião não recebemos resposta alguma.

Se esse relato for verídico – e, dadas às fontes, temos poucos motivos para duvidar disso – podemos imaginar por que o Cardeal Meisner teria ficado angustiado depois de tomar conhecimento dessa reunião nas horas precedentes à sua morte. Será que estas cinco perguntas com suas respostas do tipo sim ou não, se de fato foram feitas ao Cardeal Müller, constituem uma espécie de dubia reversa? Será que as respostas do Cardeal, na medida em que estavam em consonância com o pensamento católico ortodoxo, foram o motivo para que ele não fosse convidado a permanecer no cargo de Prefeito da CDF? Três das cinco perguntas (diaconato feminino, celibato sacerdotal e promoção da Amoris Laetitia) foram amplamente discutidas como parte da agenda de “reforma” do papa. (A esse respeito vale a pena mencionar que o Arcebispo Luis Francisco Ladaria Ferrer, SJ, aprovado como substituto de Müller como Prefeito da CDF, foi nomeado no ano passado como Presidente da Comissão para o estudo do diaconato feminino). Mas será que o sacerdócio feminino realmente deveria ser analisado em relação ao diaconato feminino, mesmo que o Papa Francisco já tenha afirmado pessoalmente o entendimento de que o Papa João Paulo II decidiu definitivamente contra essa possibilidade? E quanto à última suposta pergunta – a respeito da demissão pelo papa de três sacerdotes da CDF no ano passado? Se essa pergunta fosse feita, seria apenas uma prova de obediência inquestionável? Lembre-se de que a resposta atribuída ao papa, quando indagado pelo Cardeal Müller sobre a demissão desses três sacerdotes, foi simplesmente dizer: “Eu sou o papa, não preciso dar razões para nenhuma das minhas decisões. Decidi que eles têm que sair e eles precisam sair”.

Em uma entrevista ao jornal alemão Passauer Neue Press, Müller revelou informações adicionais que parecem corroborar a forma abrupta descrita acima do seu encontro final com o papa: Segundo o Cardeal Müller, o Papa Francisco disse que “comunicou sua decisão” de não renovar seu mandato “em um minuto” no último dia de trabalho de seu mandato de cinco anos e não apresentou qualquer razão para isso.

“Não posso aceitar esse estilo [sic]”, disse Müller. “A doutrina social da Igreja deve ser aplicada” no relacionamento com os funcionários, acrescentou.

Conforme documentado em nosso próprio relato sobre a saída do Cardeal Müller, ele sofreu uma série de indignidades durante seu mandato como Prefeito da CDF sob o presente pontificado. No entanto, Müller esforçou-se desde o anúncio de sua saída para dar a aparência pública de que sua relação com o papa não estava desgastada. “Não houve diferenças entre mim e o papa Francisco”, disse Müller a um jornal alemão local durante a mesma visita a Mainz, quando ele alegou ter revelado ao seu companheiro de jantar o contexto de seu encontro final com o papa. Não está inteiramente claro se Müller está expressando uma falta de conflito entre si e o papa como sinal de solidariedade, ou para enfatizar a inesperada decisão do Papa de não renovar seu mandato. Seja qual for o caso, ele procurou minimizar publicamente o significado de sua demissão.

Há pouco sobre a demissão de Müller de um dos gabinetes eclesiásticos mais proeminentes da Igreja Católica que não seja incomum. Enquanto o respeitado vaticanista, Marco Tosatti, observou em seu importante ensaio First Things, de 7 de julho, que a saída de Müller do cargo aos 69 anos – muito antes da idade de aposentadoria obrigatória – foi “um gesto inédito na História recente da Igreja”. Nas últimas seis décadas. Tosatti observou que: “Os prefeitos da congregação mais importante da Igreja (chamada “La Suprema”) se aposentaram por motivos de idade ou de saúde, ou foram convocados, no caso de Joseph Ratzinger, para se tornar papa.” Nenhum deles durante esse período sofreu a indignidade de simplesmente ser demitido sem cerimônias.

Um caso relatado por Tosatti a partir de suas próprias conversas com amigos do cardeal alemão dá credibilidade especial à imagem emergente que o Papa Francisco há muito tempo tratou o prefeito emérito com desprezo:

Parece que Müller experimentou a vida sob Bergoglio como uma espécie de Calvário. Isso, apesar das declarações de Müller – ele foi um bom soldado até o fim, e ainda mais.

O primeiro passo do Calvário de Müller foi um episódio desconcertante ocorrido em meados de 2013. O cardeal estava celebrando Missa para um grupo de estudantes e intelectuais alemães na igreja anexa ao palácio da congregação. Seu secretário foi até ele no altar: “O papa quer falar com o senhor.” “Você lhe disse que estou celebrando missa?”, indagou Müller. “Sim”, disse o secretário, “mas ele diz que não se importa, ele quer falar com o senhor assim mesmo”. O cardeal foi até a sacristia. O papa, muito mal-humorado, deu-lhe algumas ordens e um dossiê sobre um dos seus amigos, um cardeal. (Este é um assunto muito delicado. Tenho buscado uma explicação deste incidente de canais oficiais. Até que venha a explicação, se algum dia vier, não posso dar mais detalhes.) Obviamente, Mūller ficou surpreso.

Como Marco Tosatti, buscamos, mas nunca podemos fornecer uma explicação sobre o incidente das cinco perguntas dos canais oficiais. Só podemos dizer que nossas fontes não são dadas a especulação ociosa. Eles estão confiantes de que os eventos aconteceram conforme descrito.

Por enquanto, basta observar que, nas atuais circunstâncias, mesmo os céticos teriam dificuldade em descartar um relato desse incidente. As histórias que saem do Vaticano ficam mais incríveis a cada dia – e mesmo a pior delas parece não merecer comentários – ou, o que é mais importante, correção – aos olhos das autoridades da Igreja.

Steve Skojec contribuiu para esta história.

Ladaria, novo Prefeito para a Doutrina da Fé.

ladaria

Por Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé, 1º de julho de 2017 | Tradução: FratresInUnum.com – O Santo Padre, o Papa Francisco, agradeceu ao Eminentíssimo Senhor Cardeal Gerhard Ludig Müller na ocasião da conclusão de seu mandato quinquenal como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e como Presidente da Pontifícia Comissão “Ecclesia Dei”, da Pontifícia Comissão Bíblica e da Comissão Teológica Internacional, e chamou a sucedê-lo nos mesmos encargos Sua Excelência Reverendíssima Dom Luis Francisco Ladaria Ferrer, SJ, Arcebispo titular de Tibia, até então Secretário da Congregação para a Doutrina da Fé.

 

* * *

Nota do Fratres: Nenhum encargo foi confiado ao Cardeal Müller, ao menos por ora. O próprio formato da comunicação no Bollettino é insólito, tratando a transição como uma simples “mudança de turno”, diferentemente da praxe de se anunciar já o posto que o demissionário passará a ocupar.

Há alguns meses, cogitava-se que Müller, para simplesmente sair de Roma, receberia alguma diocese relevante na Alemanha. Agora, fala-se somente em assumir a Ordem do Santo Sepulcro. Teria ele o mesmo destino de Burke, isto é, o ostracismo?

Uma observação sobre o jesuíta Ladaria: ele foi nomeado, em fevereiro do ano passado, pelo próprio Papa Francisco, para encabeçar a comissão de estudo sobre o papel da mulher na Igreja e a possibilidade de um diaconato feminino…

Adiós, amigo.

Por FratresInUnum.com – Segundo Corrispondenza Romana, o Papa Francisco teria demitido hoje o Cardeal Gerhard Ludwig Müller, até então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, ao término de seu mandato de 5 anos — para chefia de dicastérios, tal mandato é apenas “pro forma”, pois são quase sempre renovados.

el-cardenal-gerhard-muller

Müller se destacou recentemente por criticar os “intérpretes” mais heterodoxos de Amoris Laetitia, sempre buscando apresentar uma leitura do documento à luz do magistério precedente.

O mínimo pudor que o Papa Francisco tinha em relação aos “remanescentes” mais próximos de Bento XVI parece, definitivamente, ser coisa do passado.

 

 

 

 

Cardeal Müller: O Papa não é o messias, mas o vigário de Cristo.

VATICANO, 07 Jun. 17 / 05:30 pm (ACI).- O Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Gerhard Müller, recordou aos fiéis que o Santo Padre não é o messias, mas o vigário de Cristo; portanto exortou a não cair em certo papismo.

Durante a apresentação do seu livro “Indagine sulla Speranza”, o Cardeal alemão expressou que ficou “impressionado que alguns grandes inimigos de João Paulo II e de Bento XVI, que minaram o fundamento da teologia em outros períodos, atualmente se converteram em uma forma de papismo que me causa um pouco de temor”.

“Voltamos às discussões do Concílio Vaticano I, com a ideia de que quase todas as palavras do Papa são infalíveis”, advertiu. “Mas o Papa não é o Messias, é o Vigário de Jesus Cristo, o servo de Jesus Cristo”, assinalou.

Segundo informou ACI Stampa – agência em italiano do Grupo ACI –, o Purpurado advertiu que “os meios de comunicação veem o Papa como um personagem, mas o Papa Francisco recorda sempre o dever de confirmar na fé”.

“Nos primeiros dias do seu pontificado o Papa Francisco, enquanto era aplaudido na praça disse: aplaudam Jesus, não me aplaudam. E esta é a perspectiva do papado”, afirmou.

O Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé disse que “não é bom que a gente, lendo qualquer coisa sobre o Papa Francisco, chegue até o bispo ou o pároco dizendo: ‘o Papa disse…’; porque o pastor da paróquia é o pároco e o bispo na diocese, em comunhão visível com o Papa”.

“Não se deve concentrar tudo sobre o Papa, porque o bispo, o pároco são os pastores do rebanho. Não se deve cair em certo papismo. Os verdadeiros amigos do Papa não são aduladores, mas aqueles que colaboram com ele e com os bispos para sustentar a fé. É verdade que os meios de comunicação mudaram muito as coisas, mas o importante é viver concretamente a Igreja particular em união com o Papa”, assinalou.

Podem as recentes declarações do Cardeal Müller encerrar os debates a respeito da Amoris Laetitia?

Por Mathias von Gersdorff

A crítica do Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé aos quatro Cardeais que se dirigiram ao Papa Francisco com perguntas sobre a Exortação Apostólica Amoris Laetitia levou muitos a perguntarem se não estaria assim terminada a discussão a respeito do documento papal sobre a família.

Foi o que escreveu, por exemplo, Guido Horst, jornalista do Tagespost, em 9 de janeiro de 2017: “Também o debate público sobre as dubia, as dúvidas dos quatro cardeais, está terminado. Nos círculos de especialistas ele poderá continuar,  porém não serve mais como elemento de motivação.”

O tempo mostrará se essa predição está correta, ou não. Contudo, dúvidas a seu respeito são pertinentes. Por duas razoes:

Primeiro: Entrementes, algumas dioceses – e até muitas conferências episcopais – estão autorizando a comunhão para divorciados recasados, em casos individuais. Isso deveria dar-se, pelo menos teoricamente, após uma verificação cuidadosa e de um caminho penitencial. Abstraindo-se de que os bispos que assim agem estão produzindo fatos que somente poderão ser justificados através de grandes distorções na interpretação da Amoris Laetitia, essas medidas estão muito aquém daquilo que o campo dos progressistas almeja.

Antes dos dois Sínodos realizados nos outonos de 2014 e 2015, estava claro que o progressismo visava a uma total demolição da moral sexual católica. O inicio dessa demolição se daria com a admissão dos divorciados recasados, porém pretendia-se muito mais: a aceitação das parcerias homossexuais, a indiferença moral face aos preservativos, a aceitação das uniões irregulares etc.

Quanto aos divorciados recasados, eles deveriam, em via de regra, ser autorizados a receber a Comunhão, e não apenas caso por caso e depois de uma verificação acurada.

Assim, não é de admirar que as primeiras vozes críticas se façam ouvir e lamentem, a partir de seu ponto de vista, o esquálido resultado dos Sínodos. Por exemplo, a do alemão Joachim Frank, presidente da Associação de Publicitários Católicos da Alemanha (GKPD).

Segundo: A moral sexual católica é um edifício, por assim dizer, moldado de uma peça única. Dele não se podem retirar pedras sem que a construção desmorone.

Uma interpretação liberal da Amoris Laetitia conduzirá assim, forçosamente, a uma situação que deixa a moral sexual católica parecer contraditória. Por exemplo, por que os divorciados recasados estão autorizados a receber a comunhão e os que vivem em uniões livres não?  Esses últimos não estão sequer em estado de adultério.

Os progressistas e a mídia que lhes é simpática vão cuidar para que as exceções (restritivas) aos divorciados recasados sejam cada vez mais ampliadas. Mais cedo ou mais tarde serão admitidos à comunhão não somente eles, mas também outras pessoas que não seguem a moral sexual ensinada pela Igreja.

Isso levará a um imenso número de comunhões sacrílegas e ao esvaziamento da moral sexual católica.

A admissão dos divorciados recasados afeta, ademais, três sacramentos: o do matrimônio, o da penitência (confissão) e o da eucaristia. A compreensão de cada um desses três sacramentos proíbe a comunhão para pessoas que vivem em estado de pecado grave (como é o adultério).

Em resumo: se com base na Amoris Laetitia tiver início um processo de dissolução da moral sexual católica, a Igreja estará ameaçada em seus fundamentos e a Fé católica correrá grave risco.

Não é de admitir que os fiéis católicos aceitem isso pura e simplesmente.

As dúbia dos Cardeais Burke, Brandmüller, Meisner e Cafarra sobre a Amoris Laetitia são no fundo uma tentativa de afastar em seu nascedouro o perigo acima descrito, percebido possivelmente apenas por poucos. Mas, cedo ou tarde, será preciso que surja uma forte reação contra este processo de desagregação da moral sexual católica, pois do contrário a existência da Igreja Católica estaria em perigo. (Tradução do original alemão por Renato Murta de Vasconcelos).

%d blogueiros gostam disto: