Posts tagged ‘Dom Vilson Dias de Oliveira’

19 maio, 2019

Foto da semana.

Limeira, São Paulo – O contínuo protesto dos fiéis foi ouvido e o Papa Francisco aceitou a renúncia de Dom Vilson Dias de Oliveira, então bispo diocesano, do governo da diocese do interior paulista. Dom Vilson era conhecido por suas posições progressistas e por sua perseguição à Missa Tradicional.

3 agosto, 2015

Padre Rodrigo Maria fala.

Em resposta a leitora de Fratres in Unum.com, Padre Rodrigo Maria esclarece sua situação canônica, bem como sua posição junto às obras religiosas Arca de Maria e Opus Cordis Mariae.

Padre Rodrigo Maria

Padre Rodrigo Maria

Caríssima Maria, não costumo responder a comentários na internet, mas acredito que é oportuno responder às perguntas que você fez a fim de esclarecer também a outras pessoas que possam ter as mesmas dúvidas. Desde já agradeço a oportunidade.

“O Padre Rodrigo pode não ser o superior, mas tudo nessa Fraternidade tem a característica dele”

R- Fui fundador da Fraternidade Arca de Maria, comunidade à qual pertenceu boa parte daqueles que hoje compõe a OPUS CORDIS MARIAE. Alguns deles, que são hoje dirigentes da nova Fraternidade, estiveram comigo por mais de 10 anos, sendo formados por mim. Portanto, é natural que reflitam a formação que receberam, mas não apenas isso: a OPUS CORDIS MARIAE foi fundada pelos irmãos e irmãs que hoje estão à frente da mesma, com a devida orientação e apoio da autoridade eclesiástica, a fim de viverem o carisma que me foi inspirado, da maneira como foi inspirado e aprovado pela Igreja. O bispo que orientou toda fundação da OPUS CORDIS MARIAE (Dom Rogelio Livieres) discerniu que o carisma que aqueles irmãos e irmãs haviam abraçado era autêntico e justificava a fundação de uma nova fraternidade com o propósito de vivê-lo, o que realmente foi feito após Dom Livieres consultar Roma (Congregação dos Religiosos) e obter o voto favorável para a dita fundação. Sendo assim, é muito natural que se encontrem neles muitos elementos da formação que eles receberam. São jovens bons que amam a Igreja e querem ser santos. Refletem Maria a quem são consagrados e de quem são Apóstolos.

“Por que ele teve que sair da Arca?”

R- Eu não tive que sair, mas sim fui afastado. O pretexto dado para o meu afastamento foi que minha presença na Fraternidade atrapalhava a Visita Apostólica que estava sendo realizada. Foi determinado pela Congregação dos Religiosos que eu não poderia ter contato com os membros até o fim da visita, a qual terminou em novembro de 2014. Nenhuma outra razão foi alegada para o meu afastamento, embora de modo oficioso autoridades e colaboradores(as) das mesmas, disseminaram, de maneira leviana, as mais pérfidas acusações a meu respeito… Mas, para se compreender o que realmente aconteceu é preciso compreender a atual situação da Igreja que possui hoje em seu quadro dirigente muitos senhores que têm por programa combater e neutralizar todas as pessoas e movimentos que são considerados conservadores e que, de certo modo, representam um ”modelo de Igreja” que eles querem ver sepultado. Todos os que não se adequam ao relativismo revolucionário reinante e ousam pregar a imutável doutrina católica estão debaixo de perseguição.

Não possuo nenhum vínculo jurídico com a OPUS CORDIS MARIAE. Os ajudei enquanto estive no Paraguai, mas saí daí já fazem quatro meses e onde vivo não há casas dessa comunidade, assim como não vive aí nenhum de seus religiosos.

Quem quiser saber a história dessa nova Fraternidade deve se dirigir diretamente a eles, pois poderão falar por eles mesmos.

”Porque foi suspenso? Qual foi o engano?”

R- Como bem disse um bispo amigo: “O nome disso é perseguição”… fui acusado de desobediência e sofri um ”processo” administrativo por conta dessa acusação. O processo foi feito por um Vigário Geral, que aproveitou-se da ocasião de confusão em Ciudad del Este e quis, como se diz: ”jogar para a galera”, lançando-me na fogueira em um momento em que muitos queriam (e querem) minha cabeça (infelizmente, a Igreja está cheia desse tipo de gente sórdida que se presta a esse tipo de serviço sujo com os olhos em alguma vantagem pessoal ou promoção)… o tal ”processo” durou duas horas. O afã em querer prejudicar e de dar satisfação aos perseguidores foi tão grande que fez com que o promotor do “processo”, ancorado no poder que possuía naquele momento, perdesse todo senso de justiça e também do ridículo, de modo que o ”processo” foi todo viciado e completamente fora das normas do Direto Canônico. A saber:

A- Fui avisado do “processo” apenas um dia antes de comparecer em juízo;

B- O mesmo Vigário Geral que foi o acusador no “processo” foi também o fiscal e o juiz do mesmo “processo”;

C- O “processo” durou exatamente duas horas;

D- Não foram apresentadas provas conclusivas de NADA;

E- Não me foi dado o direito de constituir defesa;

F- Não me foi dada a oportunidade de falar com o bispo (como manda o Direito Canônico), com quem tive sempre ótimo relacionamento, para esclarecer o que se estava chamando de desobediência, pois todas as coisas das quais fui acusado de fazer em “desobediência” na verdade eu possuía a autorização do bispo para fazê-las…mas… não tinha passado pelo Vigário Geral…;

G- A sentença fulminante que foi dada expressa toda a fúria persecutória daquele que moveu o “processo”: mesmo sendo um “processo” ADMINISTRATIVO, aplicou-se indevidamente, uma das mais duras penas de um processo PENAL: a proibição de celebrar pública ou privadamente, na diocese ou fora dela qualquer sacramento ou sacramental…;

O então Vigário Geral, que fez esse ”processo” infame, me acusou de desobediência por eu ter ido três vezes ao Brasil (sendo duas para completar um tratamento dentário e uma para visitar meu pai que estava gravemente enfermo), por estar fazendo os Hangouts na internet (pois segundo ele, era apostolado fora da diocese, uma vez que pessoas de fora da diocese o assistiam!…), por dar assistência ou falar com ex-membros da Arca de Maria, entres outras coisas do mesmo porte…o que é necessário se saber é que: TODAS essas minhas ações foram permitidas pelo meu bispo, o que torna falsa e caluniosa a acusação de desobediência… é evidente que esclareci tudo isso durante as duas horas que durou o processo, mas não foram aceitas minhas alegações…prevalecendo o desejo de destruição a minha pessoa por parte do detrator, o que levou a aplicação da pena sem que se fossem apresentadas provas e sem que houvesse o direito a defesa, passando-se assim por cima de todas as prerrogativas do Direito.

O tal Vigário Geral chegou a tal grau de sordidez que acusou-me de ter inventado uma doença para meu pai a fim de “dar voltas por aí”… foi necessário que eu trouxesse os documentos do hospital e do médico que assistiu meu pai durante o período que ele esteve na U.T.I…

Aconteceu que no próprio decreto de punição me era dado o prazo de 10 dias para recorrer, o que assistido por excelente advogado canônico, foi feito em tempo hábil. Embora houvesse tentado muito, não consegui ter acesso direto ao bispo. Quem conseguiu protocolar minha defesa e entregar cópia da mesma ao bispo que estava saindo de viagem para Roma foi o anterior Vigário Geral, muito próximo do bispo e superior de comunidade daquele que era então o Vigário Geral. Quando o bispo (Dom Rogelio Livieres) se inteirou do que realmente estava acontecendo, procurou corrigir o erro e restabelecer a justiça. Ocorreu, porém, que, em Roma, o bispo foi deposto e quando voltou não tinha mais autoridade para fazê-lo, embora tenha realmente tentado. Entretanto, Dom Livieres, mesmo deposto, escreveu ao bispo que o sucedeu no governo da diocese pedindo ao mesmo que aceitasse o meu recurso e corrigisse aquela situação. De fato, um mês depois, o decreto de suspensão foi revogado por outro decreto que me restituía parcialmente o uso de ordens, sendo que o restante foi sendo dado aos poucos, até que pude ministrar todos os sacramentos, mas permanecendo a restrição de, fora da diocese de Ciudad del Este, fazê-lo apenas privadamente. Aconteceu que, em janeiro de 2015, apresentei o pedido formal para deixar a diocese de Ciudad del Este, o que me foi concedido de forma escrita em abril desde ano. Tendo sido acordado que o bispo que me acolhesse me daria uso pleno de ordens, o que de fato aconteceu, sendo essa minha situação atual. Talvez seja útil dizer que possuo a documentação escrita do que acima está afirmado.

“Por que falar mal do bispo? Por que não obedecer?”

As perguntas acima estão mal formuladas, pois já contêm acusações antes de buscar os devidos esclarecimentos. Em se tratando do bispo de Limeira, o que se viu foi a reação de algumas pessoas que conhecendo de perto a realidade, responderam às falsas, graves e caluniosas acusações que o mesmo fez a meu respeito assim como a toda uma Fraternidade, no caso a OPUS CORDIS MARIAE.

Possuir um cargo na Igreja não é salvo conduto para caluniar e difamar ninguém, antes a nobreza da função impõe a necessidade de uma muito maior vigilância e prudência nas atitudes. Jamais deve ser tida como atitude de humildade o calar-se diante de injustiças gritantes, ainda que vinda do alto, de nossas autoridades que deveriam ser mais coerentes e empenhadas de dar exemplo da caridade e amor ao próximo que tanto apregoam.

O que vossa excelência fez foi verdadeiramente grave e deve sim ser corrigido e reparado.

Quanto à obediência, sou eu que agora pergunto: em que o bispo foi desobedecido?… As acusações que o mesmo fez foram totalmente gratuitas, não encontrando nenhum respaldo na realidade. Me informei diretamente com os que foram acusados e eles afirmaram que nenhum irmão jamais celebrou ou tentou celebrar naquela diocese, que não receberam bens, nem mesmo proposta de doação de nenhuma pessoa ou família ali, que não foram a Descalvado-SP e não têm ou tiveram nenhuma vocação dali… de onde o sr. bispo retirou essas informações? Gostaríamos também de saber… e o que é muito mais grave: afirmar que essa Fraternidade não tem comunhão com a Igreja (sic!), quando a mesma nasceu orientada e aprovada por um bispo da Igreja e possui aprovação canônica de seus seus estatutos, modo de vida e mesmo das orações…essa atitude foi realmente muito leviana, pois a afirmação é falsa e portanto caluniosa, especialmente por ser ele um bispo da santa Igreja.

As pessoas e instituições têm o direito ao bom nome, e cabe a quem acusa provar tudo quanto diz, sob a pena de justamente ser classificado como leviano, difamador e caluniador.

E para os pretensos ”humildes” ou ”incondicionalmente obedientes” que pensam agradar a Deus apoiando o erro de uma pessoa pelo simples fato de ser uma autoridade, respondo com Pio XII: “A verdade é uma barreira que nem mesmo a ‘caridade’ pode transpor” . Realmente, é preciso muito mais humildade para suportar a perseguição e a execração do que para se submeter ao capricho de algumas autoridades a fim de salvar a própria pele.

Devemos amar as pessoas e não os erros que elas cometem.

Desejo de todo coração que a normalidade se restabeleça e que nossas autoridades compreendam que o respeito e obediência que lhe devemos não implicam em concordar ou apoiar seus erros e mazelas. Não apenas os fiéis, mas também os padres e bispos devem obedecer ao Evangelho e à Santa Igreja.

O perdão cabe a todos os que se arrependem. Que celebremos nossa unidade, na Verdade e Caridade de Cristo.

Pe. Rodrigo Maria, escravo inútil da Santíssima Virgem

3 agosto, 2015

Superior da “Opus Cordis Mariae” responde a bispo de Limeira.

BRASÍLIA, 01 DE AGOSTO DE 2015.

A V. EX.MA REV.MA, DOM VILSON DIAS DE OLIVEIRA, BISPO DIOCESANO DE LIMEIRA, SP.

Estando passando breves dias na casa de meus pais em Brasília, chegou a meu conhecimento um comunicado que vossa excelência teria feito a vosso clero e ao povo de vossa diocese prevenido-os contra nossa fraternidade, a OPUS CORDIS MARIAE, bem como desqualificando o reverendíssimo Pe. Rodrigo Maria. A bem da verdade e da justiça venho esclarecer a vossa excelência e quem se interessar o quanto se segue:

01- A Fraternidade OPUS CORDIS MARIAE é uma Associação Privada de Fiéis. Tendo nascido na Igreja, com a devida orientação e aprovação do bispo diocesano de Ciudad del Este;

02- Os Estatutos, modo de vida e orações foram aprovados formalmente em 25 de Março de 2015 pelo ordinário do Vicariato Apostólico de Mitú, Colômbia, onde a OPUS CORDIS MARIAE possui duas casas de missão nas quais residem os superiores Gerais das comunidades masculina e feminina;

03- A fundação da OPUS CORDIS MARIAE foi feita por um grupo de irmãos e irmãs com a orientação do bispo diocesano;

04- O rev. Pe. Rodrigo Maria não é fundador nem co-fundador da OPUS CORDIS MARIAE, não possui nenhum vínculo jurídico com a mesma e reside em uma diocese onde não está presente nenhuma casa e nenhum membro de nossa fraternidade;

05- NUNCA , POR NENHUM MOMENTO, estivemos separados da Santa Igreja ou em desobediência com a mesma;

06- Nossos irmãos sacerdotes foram ordenados na Colômbia e aí devidamente incardinados, possuindo pleno uso de ordens e em nada sendo impedidos;

07- NÃO somos ”tradicionalistas”, embora tenhamos grande apreço e zelo pela tradição, pois somos católicos. Celebramos a Santa Missa tanto na forma ordinária como na forma extraordinária do rito latino. Aceitamos o Concílio Vaticano II e estamos debaixo da autoridade de nosso bispo que possui perfeita comunhão com o Santo Padre o Papa;

08- EM NENHUM MOMENTO nossos irmãos celebraram ou tentaram celebrar na diocese de Limeira;

09- NENHUMA pessoa ou família residente em vossa diocese doou bens móveis ou imóveis à nossa Fraternidade e NUNCA tivemos a intenção ou pretensão de atuar ou nos estabelecer em vossa diocese;

Permita-nos manifestar a nossa estranheza e triste surpresa ao recebermos um comunicado de tal teor, vindo de uma autoridade tão eminente. Como foi demostrado o vosso comunicado não corresponde em nada à realidade dos fatos e poderá acabar sendo utilizado como um perigoso instrumento para caluniar e difamar, razão pela qual peço a vossa excelência que da mesma forma que tornou público esse comunicado equivocado a nosso respeito, envie também esse esclarecimento a tantos quantos receberam o primeiro.

Desejando que a normalidade se restabeleça da melhor forma e que possamos celebrar em verdade a Santíssima Eucaristia unidos na mesma fé católica, nos despedimos.

Nos corações de Jesus e Maria,

Ir. Bernardo do Coração Eucarístico de Jesus
Superior Geral da OPUS CORDIS MARIAE

* * *

A seguir, vídeos que apresentam a Opus Cordis Mariae:

1 agosto, 2015

Leiga defende ‘Opus Cordis Mariae’ contra de bispo de Limeira, SP.

Acolhemos abaixo pedido de publicação, deixando nosso espaço aberto a Sua Excelência Dom Vilson para prestar esclarecimentos.

Clique para ampliar.

Clique para ampliar.

Nos deparamos nesta última sexta feira, 31 de julho, com um fato emblemático que ilustra perfeita e tristemente a ação demolidora contra pessoas, valores e movimentos considerados conservadores.

O bispo de Limeira emitiu um comunicado advertindo o seu clero e fiéis contra a jovem Fraternidade OPUS CORDIS MARIAE a quem ele acusa de estarem separados da Igreja, além de atribuir à mesma Fraternidade a intenção de construir e atuar em sua diocese sem seu consentimento. Ataca também gratuitamente o rev. Pe. Rodrigo Maria.Ocorre esclarecer, a quem se interessar pela verdade, que a OPUS CORDIS MARIAE é uma fraternidade iniciada no Paraguay com o apoio e orientação do então bispo diocesano Dom Rogélio Livieres. Formada por jovens de diferentes nacionalidades, contou desde seu início com a aprovação da Igreja. Em 25 de março de 2015 obteve também a aprovação de seus estatutos por parte de Dom Medardo, bispo colombiano que se tornou o responsável canônico pela Fraternidade, ordenando e incardinando seus primeiros sacerdotes, dessa nova obra que já contra com mais de 90 membros entre religiosos e religiosas, presentes em 5 dioceses de 3 diferentes países.

Por que Dom Vilson, bispo de Limeira se deu ao trabalho de esparramar calúnias afirmado que esta Fraternidade não tem comunhão com a Igreja? Qual é o interesse em destruir a imagem desta jovem e promissora Fraternidade, repleta de jovens que amam a Santa Igreja e que tudo deixaram para servi-la? Qual a intenção de disseminar calúnias a respeito do rev. Pe. Rodrigo Maria?

O que é que certo é que, tanto o reverendo sacerdote, quanto os membros da OPUS CORDIS MARIAE são católicos, em plena comunhão com a Santa Igreja, que não apenas possuem uma fé católica, mas não têm medo de anunciá-la, razão pela qual encontram oposição naqueles que não aceitam a doutrina católica de maneira integral.

Dom Vilson assim como muitos outros bispos e sacerdotes possuem o discurso fácil de amor ao próximo, de acolhimento, de aceitação das diferenças, etc., mas demostram total incoerência ao caluniar, difamar, ridicularizar e destruir moralmente seus irmãos. Sem dúvida que nós leigos devemos ter todo respeito e reverência à autoridade constituída, mas isso não exime a autoridade constituída de respeitar os leigos e demais religiosos!

É o caso de perguntar a vossa excelência: Como é possível alguém que tem atitude como a vossa subir o altar para celebrar a SS Eucaristia, sinal máximo da comunhão com Deus e o próximo?

Ao invés de vermos bispos abusando de sua autoridade para combaterem a piedade e perseguirem aos que se esforçam por serem realmente católicos, gostaríamos de vê-los usando sua autoridade para acabar com os inúmeros ABUSOS LITÚRGICOS que pululam em nossas comunidades. Quereríamos vê-los REMOVENDO A MAÇONARIA E OS MAÇONS QUE OCUPAM CARGOS e dominam as catequeses em muitas de nossas paróquias. Desejamos muitíssimo sim, que essa autoridade fosse usada para instruir os católicos e sacerdotes para que não continuassem a apoiar e votar em partidos comunistas, abortistas e gaysistas como o PT.

Por que não alertam o povo católico contra os falsos profetas das seitas protestantes que exploram o povo pobre, contra o espiritismo que afasta da verdadeira fé, contra os padres verdadeiramente hereges como Leonardo Boff e CIA?

Esperamos que vossa Excelência tenha hombridade suficiente para reconhecer o seu erro e se retratar publicamente, uma vez que público foi seu ato de calúnia e difamação, conforme comprova a imagem em anexo da carta escrito pelo senhor.

É necessário que nós católicos reajamos contra esse tipo de perseguição e compreendamos que o respeito e obediência a legítima autoridade não implicam em omissão da verdade e cumplicidade com a injustiça. Nossa omissão e covardia diante de fatos como esses é que tornam os revolucionários sempre mais ousados no combate à piedade dos fieis e na perseguição aos bons sacerdotes e movimentos que ainda são referência e apoio a muitos de nós.

IGREJA MILITANTE, DENUNCIE!!!

COBRE RESPEITO E COERÊNCIA AO BISPO DE LIMEIRA!!

Enviem mensagens para o seguinte endereço:

curia@diocesedelimeira.org.br

Ou telefone para:

– (19) 3441-5329.

A Aliança da Santa Cruz agradece a todos os irmãos que se unirem a nós, em caridade, pela defesa da justiça e da moral cristã.

Adriana Araujo. 
Diretora de Comunicação/Aliança da Santa Cruz- Brasil.

16 maio, 2009

Profético! Presbítero e Comunidades Eclesiais de Base manifestam seu apoio ao bispo da Linz brasileira – Limeira.

Diocese de Limeira

Resposta de um Presbítero

Acho interessantes as reivindicações de se celebrar missas no rito Tridentino ou de Pio V e dizer que esta é a missa de sempre.  Creio ser esta terminologia imprópria do ponto de vista histórico e mesmo teológico.

Isto deriva do fato de que dizer “missa de sempre” desconsidera a experiência dos cristãos do período antigo da Igreja, ou das primeiras comunidades cristãs. O rito consistia simplesmente no essencial da “fração do pão” ou Santa Missa, ou seja, a liturgia da palavra e a liturgia eucarística. Isto o sabemos por vias historiográficas e pelas sagradas escrituras, que nos descrevem o florescer do cristianismo em meio as perseguições do Império Romano.

O Concílio Vaticano II teve a preocupação de tornar a Igreja mais próxima desta experiência pura e genuinamente cristã, derivada das comunidades apostólicas. Uma igreja regida pela palavra de deus e cuja celebração eucarística, despojada de todo ritualismo e pompas (como eram as celebrações e preceitos tradicionais judaicos rechaçados por Jesus). Deveria a missa salvaguardar o essencial (palavra e partilha do pão e vinho consagrados e transubstanciados no corpo e sangue de nosso Senhor).

O excesso de ritualismos, que acabava tirando a atenção da essência (que dá o ser a uma realidade) deveria dar lugar a uma liturgia mais envolvente, participativa e ligada à vida do povo.

Esta é apenas minha opinião, levando em consideração aspectos históricos e teológicos católicos.

Que Deus os abençoe.

Pe. Marcos Radaélli
Presbítero da Diocese de Limeira

Manifesto de Apoio ao Revmo Sr. Bispo Diocesano Dom Vilson Dias Oliveira

A coordenação das CEB’s (Comunidades Eclesiais de Base), da Diocese de Limeira, em razão de algumas ofensas à postura evangélica do nosso pastor diocesano, vem a público manifestar apoio à sua conduta profética.

No alvorecer desde ano, um grupo de pessoas nostálgicas denominadas “Católicos de Limeira”, iniciaram a mal-fadada campanha para retrocedermos ao século XVI. Os nobres senhores e senhoras empenham suas energias a fim de convencer a Diocese da “importância” de voltar a celebrar a Santa Missa em latim, conforme o Concílio de Trento, de 1550.

Os motivadores desta campanha, entretanto, demonstrando pouca habilidade em interpretar o documento Summorum Pontificum, do santo Padre o Papa, se utilizaram de expedientes questionáveis moral e eticamente, chegando às raias de ofensas desferidas à pessoa de nosso Bispo Diocesano.

As CEB’s, fiel aos ensinamentos do Cristo e assumindo sua missão profética contemporânea quer colaborar nesta reflexão. Embora respeitemos o direito de expressão e organização dos aludidos cidadãos e cidadãs, estamos convencidos que a Santa Missa deve continuar sendo celebrada no idioma de cada comunidade. E mais: ao contrário do que defendem os referidos cidadãos, a catequese de nossa santa igreja evoluiu consideravelmente ao incluir elementos culturais dos nossos irmãos indígenas e afro-descendentes.

Embora a Missa celebrada em latim resgate a tradição tridentina, objetivo maior dos seus defensores, certamente seu ritual distanciará nossos irmãos da compreensão do amor salvífico do Pai e de nosso compromisso com seu reino. É na Santa Missa que nos encontramos para, ao redor do altar, celebrarmos o amor de Deus por nós. No ritual, oferecemos a Deus o fruto do trabalho humano, para em seguida, consagrado no corpo de cristo, partilharmos o pão/corpo de cristo. Esta aí a catequese máxima: Se partilharmos anteciparemos o Reino de Deus. É necessário que esta mensagem seja assimilada pelos nossos irmãos, caso aspiremos de fato o Reino de Deus entre nós. Agora, para que possamos compreender a mensagem é necessário que ela nos seja clara, perfeitamente audível e compreensível para o nosso irmão mais simples que não pode sequer freqüentar uma escola, que dirá conhecer outro idioma.

Cabe ao profeta a missão de evangelizar. Para evangelizar é necessária uma comunicação eficiente, a exemplo de Paulo, o arauto do Evangelho. Agora, somente haverá comunicação eficiente quando nos despirmos de uma pseudo-erudição extemporânea, para falar a língua que todos possamos compreender.

Ainda nesta toada, entendemos que a igreja está correta ao aproximar-se de nossos irmãos de outras culturas. Ao acolhermos estes nossos irmãos, saboreamos as riquezas típicas de suas histórias, tornando-nos seres mais lapidados, como o vaso nas mãos do oleiro.

Fica, portanto, nosso apoio à Diocese de Limeira, na pessoa de Dom Vilson Dias de Oliveira. Continuemos com o compromisso de permitir com que a experiência do Cristo esteja, a cada dia, mais próxima de todos nós.

Comunidades Eclesiais de Base
Diocese de Limeira

6 maio, 2009

Curtas da semana.

Causadores de escândalo.

D. Nicola Bux.“A razão de ser do episcopado está em ser um com a Cabeça do colégio, o Santo Padre. Um bispo que desobedece – como um sacerdote que desobedecesse ao bispo – é como um membro desarticulado do corpo e causa escândalo aos fiéis (…). Por que os bispos têm medo de voltar atrás? A reforma litúrgica não queria também restaurar o antigo? Que coisa é mais venerável que a Missa de São Gregório? Não deveríamos imitar o escriba evangélico que tira do tesouro coisas antigas e novas? Temos incentivado museus diocesanos para admirar as belezas que antes estavam nas igrejas e concertos para escutar a música sagrada que antes se executava nos ritos. Aos museus e concertos só vão os apaixonados, enquanto que à liturgia vão todos. Faz sentido privar o povo do que lhe pertence, favorecendo quase uma Igreja de elite? Antes, bispos e clero, olhemos o grande movimento de jovens que se criou em torno da Missa gregoriana; em contínuo crescimento – basta ver na internet – estão os jovens e não os nostálgicos”. Palavras do Padre Nicola Bux, consultor da Congregação para Doutrina da Fé e liturgista.

Scandalum nostrum quotidianum da nobis hodie: Dom Luís Soares Vieira e a admissão de homossexuais ao sacramento da ordem.

Dom Luiz Soares Vieira(Zero Hora) O vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), bispo dom Luís Soares Vieira (arcebispo de Manaus), disse ontem no encerramento da 47ª Assembléia-geral da entidade, em Indaiatuba (SP), que homossexuais podem ser padres desde que sejam celibatários. “Eles (homossexuais) são pessoas. Têm essa constituição e devem ser tratados como gente, com respeito. Agora, o que se exige do heterossexual para ser padre, se exige também do homossexual. Se ele for entrar no celibato, tem de viver a castidade”, disse.

Scandalum nostrum quotidianum da nobis hodie: Dom Vilson e a ordenação de mulheres.

Dom Vilson“Agora, você vai dizer: ‘amanhã pode acontecer (a instituição da ordenação de mulheres)?’. Pode ser, você tem que respeitar a caminhada da Igreja, o tempo. Por enquanto, a Igreja diz que não, por enquanto não posso levantar uma bandeira e dizer ‘faça isso’. Eles olham a experiência do passado para olhar essa questão. Diria o seguinte: na América Latina, a mulher hoje participa muito mais, tem maior presença da Igreja, é mais engajada, mais participante. Ela não é só maior em número, ela tem maior participação nos ministérios da igreja”. Declarações de Dom Vilson Dias de Oliveira ao Jornal de Limeira, edição de 02 de dezembro de 2007.

Notre Dame é aqui!

“[E]m Belo Horizonte, a PUC Minas, através de sua Pró-reitoria de Extensão, está promovendo o curso ‘Direito à Diferença‘ a ser realizado em sábados, nos meses de abril e maio. Um dos objetivos do curso, voltado principalmente para professores de ensino fundamental e médio é o de “Fornecer subsídios teóricos para a elaboração de métodos e técnicas de intervenção voltadas para o reconhecimento do direito à diversidade e diferença”. Um dos módulos do curso trata do assunto “Representações sobre gênero e orientação sexual: ‘Mitos’ e ‘Verdade. É claro que o curso tem como objetivo promover a ideologia gayzista, servindo de fachada para o pleno exercício, em uma universidade católica, do ativismo homossexual. (…)  Isso está acontecendo em uma instituição universitária católica, que deveria estar promovendo os valores do evangelho, mas contribui para a realização da agenda dos movimentos ativistas homossexuais”. Do site Jornada Cristã.

Diác. Raffray, Pe. Carusi e Diác. BeaugrandOrdenação sacerdotal no Instituto do Bom Pastor.

Os diáconos Hugues Beaugrand e Matthieu Raffray serão ordenados sacerdotes no próximo 4 de julho, na basílica de Sainte Anne d’Auray (Bretanha), por Sua Excelência Reverendíssima Dom Joseph Madec.

Teoria e prática.

(Kreuz.net) Vaticano. É importante viver a comunhão da Fé “com Pedro e sob Pedro”, esclareceu o arcebispo liberal de Viena, Cardeal Christoph Schönborn, segundo informação da ‘Radio Vaticano’ perante cerca de 900 peregrinos por ocasião da peregrinação diocesana de Viena à Roma. No início de fevereiro, o mesmo cardeal sabotou a nomeação desejada pelo Papa Bento XVI de um novo bispo auxiliar de Linz.

Homens de confiança de João Paulo II atravancando sua beatificação?

Segundo Ignazio Ingrao, o Cardeal Angelo Sodano, secretário de Estado no reinado de João Paulo II, teria se recusado a colaborar com a Congregação para a Causa dos Santos nas investigações sobre a vida de João Paulo II; do mesmo modo, o secretário particular de João Paulo II, hoje Cardeal Stanisław Dziwisz, não teria permitido o acesso à totalidade dos documentos que levou embora para Cracóvia.

De volta a seu antigo lar, Arcebispo Burke celebrará a Santa Missa Tradicional.

No dia 19 de setembro, na comemoração do 90º aniversário das Irmãs Carmelitas do Divino Coração de Jesus a serviço da arquidiocese de Saint Louis, seu ex-arcebispo, o Arcebispo Raymond Burke, celebrará uma Santa Missa Pontifical — missal de 1962 — votiva a São José.

¡Dios no se muere! A consagração do Equador ao Sagrado Coração de Jesus e seus efeitos.

Antonio Arreguii EpiscopusA grande surpresa desta semana vem de Dom Antonio Arregui, arcebispo de Guayaquil e presidente da Conferência Episcopal do Equador, e suas palavras acerca da Missa de São Pio V. Ressaltando o ambiente mais sacro e o antigo uso do missal tridentino, o arcebispo diz que nele “se enfatiza a verdade central (…), o sacrifício de Jesus convertido em pão e vinho. [Neste rito o sacerdote] é um verdadeiro alter Christus e na consagração o Pão de transforma no Corpo de Cristo e o Vinho em seu sangue”. Mais informações e o texto completo de Dom Antonio Arregui aqui. Guayaquil conta com a celebração da Santa Missa diariamente.  No século XIX, D. Gabriel García Moreno, presidente católico do Equador assassinado a mando da maçonaria, consagrou a República ao Sagrado Coração de Jesus. A seus algozes disse D. Gabriel: “Eu morro, mas Deus não morre”.

Exigem clareza do Papa: judeus não teriam que abraçar a Fé em Cristo.

(Catholic Culture) Representantes das comunidades cristãs, judaicas e muçulmanas em Israel se encontraram para discutir suas esperanças para a próxima visita do Papa Bento. [XVI]. The Jerusalem Post noticiou que a “Dra. Deborah Weissman, presidente do Conselho de Coordenação Inter-religiosa, disse esperar que a ‘ambivalência’ de Bento sobre assuntos teológicos envolvendo os judeus seja esclarecida. O Papa ainda não deixou absolutamente claro que os judeus não precisam abraçar a crença de que Jesus foi o Messias para serem redimidos, disse”.

A Cruz, escândalo para os judeus, loucura para os pagãos. E também para os bispos da Áustria.

Também Jerusalem Post, em sua edição de 17 de março, informa que o rabino do Kotel (Muro das Lamentações) Shmuel Rabinovitch, se referindo à próxima visita do Papa Bento XVI à Terra Santa, declarou que “não era adequado se aproximar do Kotel com símbolos religiosos, incluindo uma cruz”. Ele considera que “as cruzes são um símbolo que ferem os sentimentos dos judeus”. Por isso, em novembro de 2007, Rabinovitch exigiu que um grupo de bispos austríacos conduzidos pelo Cardeal Christoph Schönborn retirasse suas cruzes peitorais antes de adentrarem ao recinto. Evidentemente os senhores bispos aceitaram a exigência. Entretanto, com o Papa as autoridades já garantiram que não haverá coação.

Imagem do Senhor da Saúde retorna ao altar principal da Catedral.

O Senhor da Saúde.(Creer en Mexico) Depois de mais de três séculos sem ser exposta à veneração pública, a imagem do Senhor da Saúde foi colocada no altar principal da Catedral Metropolitana para pedir peça erradicação da onda de gripe suína. A estatueta foi levada em procissão pelas ruas que circundam o recinto religioso acompanhada pelo ressoar de sinos do templo e por uma centena de paroquianos (…) O presbítero da Catedral, Cuauhtémoc Islas, que encabeçou a procissão, precedida de um ato litúrgico, disse que o Cristo permanecerá no Altar do Perdão até que se supere o alerta médica. (…) A última vez que a imagem do Senhor da Saúde, que se encontrava na igreja da Santíssima Trindade, foi colocada no Altar principal foi em 1691, quando uma epidemia de varíola castigou a cidade e dias depois começou a cessar “como por milagre”. Desde então, esta efígie, entalhada em madeira, é conhecida como o Senhor da Saúde (el Señor de la Salud), atualmente venerada por médicos e enfermos.