Posts tagged ‘Hermes Rodrigues Nery’

19 abril, 2018

“O que queremos é a coerência entre Palavra e Vida”.

Íntegra do pronunciamento feito pelo Prof. Hermes Rodrigues Nery a uma comissão de bispos, com a presença do Presidente da CNBB, Cardeal Dom Sérgio da Rocha, durante a 56ª Assembleia Geral dos Bispos:

Senhores Bispos e Cardeais,

Nós, CATÓLICOS, religiosos e leigos, pertencentes ao Movimento LEGISLAÇÃO E VIDA, vimos a presença de Vossas Excelências Reverendíssimas para solicitar que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), neste “Ano do Laicato”, dê atenção especial às graves denúncias que vêm sendo feitas sobre a instrumentalização política da Igreja para fins contrários à sã doutrina, e que exigem providências de esclarecimentos, o quanto antes. Estamos aqui representando muitos grupos de leigos católicos, também das redes sociais que nos procuraram, para vir pessoalmente expressar as inquietudes e apreensões de muitos católicos, e de diversas partes do País, que diante de tantos fatos expostos, de abusos cometidos, esperam dos bispos respostas claras sobre questões que precisam ser esclarecidas, para haver a coerência necessária entre Palavra e Vida, que todos nós, desejamos, enquanto fiéis católicos.

Dom Sérgio da Rocha e Hermes Rodrigues Nery.jpg

A cada dia cresce a indignação, a insatisfação, o mal-estar até, de muitos leigos, cada vez mais confusos com discursos ambíguos, atitudes incoerentes de muitos clérigos e agentes pastorais que ocupam postos de decisão na Igreja, especialmente pela falta de sintonia de tais discursos e atitudes com o Magistério da Igreja, e de modo mais preocupante, a instrumentalização política de pastorais e organismos eclesiais, para fins contrários aos princípios e valores da sã doutrina católica. Tudo isso vem se acumulando há décadas, mas chegando a um ponto de “perigo iminente” de fraturas no corpo da Igreja, com consequências danosas, já antes sinalizadas com a evasão dos fiéis. Os que ficaram resistem, com dificuldades crescentes, abandonados muitas vezes pelos pastores, que preferem o “politicamente correto”, ou os eufemismos de linguagem para disfarçar condutas que chocam cada vez mais os fiéis, especialmente os mais conscientes da verdadeira “missão profética da Igreja”. E aqui, recorrendo a Bento XVI: “Às vezes, abusa-se dessa expressão. Mas é verdade que a Igreja nunca deve, simplesmente, pactuar com o espírito do tempo. Tem de denunciar os vícios e os perigos de uma época; tem de interpelar a consciência dos poderosos, mas também dos intelectuais e daqueles que vivem, de coração estreito e confortavelmente, ignorando as necessidades da época etc. Todo bispo deve sentir-se “obrigado a cumprir essa missão”, pois são “flagrantes os déficits”: “desânimo da fé, diminuição das vocações, queda do nível moral, sobretudo entre as pessoas da Igreja, tendência crescente da violência e muitas outras questões”1. E ainda: “Lembro-me sempre das palavras da Bíblia e dos Padres da Igreja, que condenam, com grande severidade, os pastores que são como cães mudos e que, para evitar conflitos, deixam que o veneno se espalhe. A tranquilidade não é a primeira obrigação de um cidadão, e um bispo que estivesse interessado em não ter aborrecimentos e em camuflar, se possível, todos os conflitos, é para mim, uma ideia horrível”2.

Por isso, nós leigos, estamos aqui para dizer que as coisas não estão bem. Há muitos simulacros hoje dentro da Igreja. E a água está chegando à beira do balde. Temos o dever de fazer o alerta, e de exortar os bispos a não deixarem de dar a devida atenção àqueles que realmente tem compromisso e amor à Igreja. Por isso estamos aqui, para requerer dos bispos que aceitem tratar das questões espinhosas, para que tais espinhos não façam ferir ainda mais (e mais gravemente) o corpo da Igreja. Pois é certo, e os fatos comprovam com evidência, que nesse campo, a teologia da libertação (ou as “teologias da libertação”, pois há muitas faces dessa distorção) é hoje com mais força, um desses venenos, um câncer, um pus, dentro da Igreja, e se os bispos não tiverem a coragem de extirpar esse pus, os padecimentos serão ainda maiores. Os leigos sabem reconhecer o joio do trigo, senhores Bispos, e sabem que grassa mais joio do que trigo, e que não dá mais para dissimular o joio, e que as redes sociais não se calarão diante das incoerências e até das vilezas dos que se utilizam da Igreja para fins nada cristãos.

Durante muito tempo questionamos os motivos pelos quais tantos padres e bispos se silenciam diante do aparelhamento ideológico, deixando que paróquias e movimentos (Pastorais sociais, da juventude, etc.) fossem utilizados como espaços de propagação da teologia da libertação, que não havia sido minada, pelo contrário, era disseminada por outros meios (inculturação, ecumenismo, ecologismo e tudo mais), com padres e até bispos agindo como intelectuais orgânicos, gramscianos para difundir uma “outra Igreja” que não a católica. E o que vimos, ao longo de décadas, foram paróquias e movimentos se descaracterizarem, perderem a sua identidade católica, para servir a um projeto de poder que visa destruir a verdadeira fé. Os fatos mostram com evidência que a Igreja da América latina se comporta como braço social de partidos socialistas, há décadas. E o socialismo é condenado pela Igreja, desde o papa Pio IX. E mais: muitos clérigos abandonam os fiéis quando o socialismo irremediavelmente falha, com nos casos da Venezuela e de Cuba. Com o relativismo, o discurso de muitos foi ficando cada vez mais ambíguo, justificando assim uma subversão inimaginável.

Por isso, solicitamos aos bispos, que seja formado um Grupo de Trabalho ou uma Comissão de leigos e bispos, para o mapeamento dessa situação, o levantamento dessas questões que afligem os leigos e que levou, e que há anos o nosso Movimento vem denunciando e outros, por exemplo, o jovem Marco Rossi a denunciar, e outros que vem se manifestando para expressar a indignação de muitos, quanto aos abusos cometidos, como recentemente o youtuber Bernardo Kuster, em vários vídeos, expôs fatos graves, cuja realização do 14º intereclesial motivou tais denúncias e cujas respostas são aguardadas, com clareza.

“As perguntas do tipo [diz Kuster]: por que aqueles temas, aquela abordagem sobre gênero nas cartilhas da Via Sacra, que a CNBB fez, por exemplo, aquele apelo excessivo ao desarmamento que a CNBB fez nas cartilhas também da Via Sacra, que vai contra o Catecismo da Igreja Católica? Por que por exemplo, aquela nota que a ABONG emitiu e a CNBB não respondeu. A ABONG disse, no dia 26 de fevereiro, que ela mesmo administra os recursos da Campanha da Fraternidade, que ela recebe, e não a Plataforma, como disse a CNBB. A isso a CNBB também não respondeu, precisa dar explicações. Porque mandou dar dinheiro para uma organização favorável ao aborto, ao casamento homossexual, à liberação sexual, a reforma agrária, não do jeito correto, mas do jeito socialista? Ela precisa dar uma explicação sobre os repasses ao grupo Esquel, que é administrado pela ABONG, pelo MST, pela Cáritas, e a CNBB tem que responde também perguntas sobre a Cáritas. Por que a Cáritas tem como parceiro e apoiadores, empresas e organizações internacionais como a Fundação Ford, que notadamente trabalha contra a Igreja? Eles receberam milhares de dólares, nos últimos anos, e isso precisa sim de uma explicação. A CNBB precisa responder por exemplo, os repasses de 2013, que eu levantei em meus vídeos, que a CNBB passou dinheiro para sindicatos de trabalhadores. Por que isso CNBB? Isso não está respondido.” E ainda: “Os abusos litúrgicos cometidos no 14º Intereclesial, a excessiva e patente politização no 14º intereclesial, a isso a CNBB não respondeu. A completa omissão da CNBB, em relação à corrupção dos partidos como o PT, o PP, o PMDB, e os políticos que se dizem católicos envolvidos nisso, a CNBB também não se manifestou, o próprio documento da CONIC, da “Hospitalidade Eucarística”, que certamente coloca em dúvida a fé dos fiéis, causando confusão a respeito de sacrifício, a respeito da transubstanciação, a respeito da co-celebração, do ecumenismo, e ainda relacionado ao CONIC (Conselho Nacional das Igrejas Cristãs), aqueles dois milhões que não foram prestadas as contas, cujo tesoureiro da CONIC, é da CNBB. A CNBB precisa explicar aquela afronta ao sacerdócio católico, naquele evento da quadragésima romaria da terra, no Rio Grande do Sul, em que duas pastoras celebraram uma missa, com vários bispos, como já foi denunciado no Brasil inteiro. A isso a CNBB tem que responder.”

Senhores bispos!

Estas questões, na verdade, são apenas pontas de um iceberg, de uma problemática muito mais vasta e mais profunda, que as informações que estão disponíveis hoje (e que cada vez mais um número crescente de pessoas tem acesso) levam os fiéis católicos às angústias e aflições, pois as evidências são cada vez mais claras do quanto a Igreja, aparelhada ideologicamente, vem sendo instrumentalizada para fins políticos contrários à sã doutrina católica.

Isso tudo precisa de um basta.

O que queremos é a coerência entre Palavra e Vida, fidelidade ao Evangelho, ao Magistério, ao Catecismo. A evasão de fiéis e as baixas nas contribuições se acentuarão se novas e mais denúncias vierem à tona.

Por isso, requeremos que seja feita uma Comissão de leigos e bispos para o aprofundamento dessa situação, e que deem respostas concretas aos questionamentos feitos, e ainda, quanto aos recursos financeiros, para que haja inteira transparência da destinação de tais recursos, propomos inicialmente que haja um Portal da Transparência, para que os fiéis católicos tenham informações precisas da destinação e origem dos recursos financeiros da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, evitando assim o financiamento de OnGs e entidades que defendem princípios e valores contrários à fé católica.

Esperamos dos bispos respostas claras sobre as questões aqui colocadas, atendendo o nosso apelo pelo bem da Igreja que amamos, enquanto batizados, desejamos ser fiéis ao Evangelho, para o nosso bem e salvação.

Prof. Hermes Rodrigues Nery

Coordenador do Movimento Legislação e Vida

Notas:

1. Ratzinger, Joseph, O Sal da Terra, p. 67, Imago Editora, 1997, Rio de Janeiro.

2. Ibidem.

3. Kuster, Bernardo, Considerações sobre as Notas relacionadas à CNBB:https://www.youtube.com/watch?v=pezZ0WkxZIw

 

8 março, 2018

Urge que os leigos sejam ouvidos.

 
As denúncias feitas pelo site Paraclitus do desvio de finalidade na utilização de recursos doados pelos fiéis católicos à Campanha da Fraternidade (recursos estes repassados para entidades com atuação contrária á fé católica), repercutidas depois pelos vídeos de Bernardo Kuster, expuseram o mal-estar crescente entre os católicos (especialmente jovens) da postura de muitos bispos (nem todos, evidentemente) na omissão e na cumplicidade de males que grassam no seio da Igreja, e que os leigos não sabem o que fazer para conjugar Palavra e Vida, na missão evangelizadora, em nossos dias. 

O fato é que a água chegou à borda do balde, e se os bispos continuarem tíbios diante dessa situação, agravarão ainda mais os problemas. Urge que o tema seja debatido na próxima Assembleia da CNBB, e que os leigos enfim possam ser ouvidos, especialmente os que tem anos de vivência, na difícil caminhada da fé, dentro da Igreja. E que apesar de tantos dissabores e padecimentos, perseveram na fé católica.
 
Hermes Rodrigues Nery é Coordenador do Movimento Legislação e Vida
8 fevereiro, 2018

Bispos ignoram danos do Lulopetismo e da Teologia da Libertação no corpo da Igreja do Brasil.

Por Hermes Rodrigues Nery

FratresInUnum.com – 8 de fevereiro de 2018: Depois do escandaloso 14° Encontro Intereclesial de CEBs, ocorrido em Londrina, PR, com atos e cenas bizarras que chocaram a tantos católicos em diversas partes do País, o Arcebispo de Curitiba, Dom José Antonio Peruzzo, em pronunciamento gravado e divulgado nas redes sociais, adotou o tom “politicamente correto” para rechaçar as abundantes críticas (especialmente de leigos) ao evento escancaradamente ideologizado e partidarizado. As palavras de Dom Peruzzo, eivadas de retórica, não convenceram, ignorando o sentimento de milhares de católicos que já não sabem mais o que fazer para estancar o lulopetismo dentro das paróquias e movimentos, que através da nefasta teologia da libertação, vem ainda causando graves danos ao corpo da Igreja.

lula missaEm março de 2016, estive pessoalmente conversando com vários bispos (inclusive na Assembléia da CNBB), sobre o modo como setores progressistas instrumentalizam a Igreja para fins políticos contrários ao ensinamento da sã doutrina moral e social católica. Na ocasião, o Cardeal de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer foi enfático em dizer que a Igreja não toma posições partidárias (o mesmo tom adotado por Dom Peruzzo), também ignorando os efeitos danosos do lulopetismo nas paróquias e dioceses. Escrevi uma “Carta aos Bispos do Brasil”, fazendo um apelo “a cada membro do episcopado brasileiro, para que em cada Diocese haja uma posição clara e firme em relação aos graves danos que o Partido dos Trabalhadores (PT) causou à Igreja Católica e à nação brasileira nestas últimas décadas, especialmente nos últimos treze anos à frente do governo. Um partido que chegou aonde chegou com a conivência, a cumplicidade, a omissão (e até o favorecimento) de muitos bispos, seduzidos pela retórica do populismo e pela demagogia.” Dizendo ainda que “era preciso ter havido coragem para denunciar o PT como um partido revolucionário, de ideário socialista, aliado de governos comunistas e ditatoriais (especialmente Cuba), que emergiu com a bandeira da ética para chegar ao poder e depois dilapidar o estado brasileiro, aparelhando as instituições e implementando a agenda anti-vida e anti-família das fundações internacionais, a agenda abortista, etc. E tudo isso com a complacência do clero progressista da CNBB, e através de ONGs e pastorais atuando no seio da igreja, dos teólogos da libertação, e de toda sorte de infiltrados.”

Não somente a “Carta aos Bispos”, como o corpo-a-corpo feito com bispos durante a Assembléia da CNBB, daquele ano, foram totalmente ignorados, desprezados. Foi então que percebi que não adiantava denunciar o que ocorria de grave em tantas paróquias cúmplices da teologia da libertação e do lulopetismo. As denúncias eram feitas e ignoradas. Os apelos eram feitos e desprezados. Como, por exemplo, quando solicitamos providências a Dom Walmor de Oliveira em relação ao caso Van Balen, quando exigimos o cancelamento de palestra feita por abortista em uma faculdade católica, quando requeremos de Dom Manoel Carral Parrado providências para afastar o Padre Paulo Bezerra, etc.

Pareciam inúteis os esforços, os apelos, as denúncias, etc. O que recebíamos? Em vez de palavras de ânimo e apoio, na defesa da sã doutrina católica (o pastoreio firme na defesa da fé e da vida), eram o riso, o escárnio, o desprezo, pois que muitos bispos continuavam confortavelmente coniventes em ver espalhada a cizânia da teologia da libertação (sob diversas formas e aspectos), principalmente nos conselhos paroquiais e diocesanos.

Durante muito tempo questionamos os motivos pelos quais tantos padres e bispos se silenciavam diante do aparelhamento ideológico, deixando que paróquias e movimentos (Pastorais sociais, da juventude, etc.) fossem utilizados como espaços de propagação da teologia da libertação, que não havia sido minada, pelo contrário, era disseminada por outros meios (inculturação, ecumenismo, ecologismo e tudo mais), com padres e até bispos agindo como intelectuais orgânicos, gramscianos. E o que vimos, ao longo de décadas, foram paróquias e movimentos se descaracterizarem, perderem sua identidade católica, para servir a um projeto de poder que visa destruir a verdadeira fé. Com o relativismo, o discurso de muitos foi ficando cada vez mais ambíguo, justificando assim uma subversão inimaginável.

Mas, o mais grave nisso tudo, ainda não foi desvendado. Quem banca esse processo? O que pensar da Caritas, por exemplo, financiada pela Fundação Ford? Pois o lulopetismo  ainda se mantém, apesar de tudo o que a Operação Lava Jato expôs ao País, porque padres e bispos são beneficiados financeiramente. Uma Lava Jato em muitas paróquias e movimentos revelaria muita coisa. Certamente, muitos padres intelectuais orgânicos também terminariam seus dias na cadeia. O fato é: o que fazer diante de tudo isso? Como desaparelhar a Igreja, se bispos tomam à frente em defesa, muitas vezes, do indefensável. Enquanto tais setores da Igreja, no Brasil, estiverem reféns do lulopetismo e da teologia da libertação, o corpo da Igreja, no Brasil, estará padecendo tão grave enfermidade, a requerer remédios amargos, que os bispos procrastinam, para angústia dos católicos.

Hermes Rodrigues Nery é coordenador do Movimento Legislação e Vida

1 fevereiro, 2018

CEBs foram resgatadas por Jorge Mario Bergoglio, em 2007, no Documento de Aparecida.

Por Hermes Rodrigues Nery – FratresInUnum.com, 1º de fevereiro de 2018

A base de todo o pontificado de Francisco já estava contido no “Documento de Aparecida”, principalmente em pontos que haviam sido suprimidos ou minimizados pelas autoridades vaticanas na época.

20664531_1811522125539826_2595896516339669413_n

O então Cardeal Jorge Mario Bergoglio e o Papa Bento XVI, durante a V Conferência do CELAM, em Aparecida, em 2007.

Uma das tônicas de Jorge Mario Bergoglio, em várias de suas posições, ainda enquanto arcebispo de Buenos Aires (em contraponto ao pensamento de muitos prelados), é a de que “a realidade é mais importante do que a ideia,  pois esta não passa de uma interpretação daquela”1. E esse conceito ele quis imprimir no Documento de Aparecida, cuja publicação acabou sendo autorizada, por Bento XVI, em 29 de junho de 2007, depois de várias alterações feitas no texto original, mudanças estas suprimidas, mas depois retomadas por Bergoglio durante seu pontificado. Por exemplo: a revalorização das chamadas “Comunidades Eclesiais de Base”, tão defendidas pela teologia da libertação, resgatadas pelo Documento de Aparecida: “Queremos decididamente reafirmar e dar novo impulso à vida e missão profética e santificadora das CEBs”2. Elizabeta Piqué ressalta que por meio do documento final da V Conferência do CELAM, Bergoglio “conclama a uma missão continental permanente e ratifica a opção preferencial pelos pobres”3, documento este que “representará o programa de ação do pontificado de Francisco”4.

E também, dentre os muitos pontos rechaçados pelas autoridades vaticanas no Documento de Aparecida, emergidos depois por Francisco, houve uma melhor aceitação de aspectos do pensamento de Leonardo Boff, condenados por Joseph Ratzinger, em 1984. Como ressalta Mauro Lopes: “O moto das punições a Boff: seu livro Igreja, Carisma e Poder (1981) –não sem uma ponta de ironia amarga, as teses do livro foram assumidas e radicalizadas pelo Papa Francisco, mais de 30 anos depois.”5

Se no conclave de 2005, Bergoglio havia despontado como a principal força anti-Ratzinger (com seus 40 votos), um grupo cada vez maior de apoiadores progressistas continuou dando-lhe respaldo, para, aos poucos, alargar suas possibilidades em posições estratégicas no complexo tabuleiro político entre os cardeais.

Ainda no ano 2000, por ocasião do “Grande Jubileu”, um grupo de prelados progressistas latino-americanos,  “começam a insistir na possibilidade de fazer uma quinta conferência no CELAM”6, dentre eles Cláudio Hummes, Oscar Rodriguez Maradiaga e Jorge Mário Bergoglio, conversavam nesse sentido. Em fevereiro de 2001, os três se tornaram cardeais, no mesmo consistório. E também Walter Kasper e Karl Lehman.  “Foi o momento em que a Europa perdeu o seu lugar dominante no Colégio Cardinalício”7. Naquele consistório, tornou-se cardeal também o argentino Jorge María Mejía, que foi fundamental para fazer de Bergoglio, “um bispo em 1992 diante da oposição na época encabeçada pelo secretário de Estado, o Cardeal Angelo Sodano8. Fato curioso foi Mejía “teve um ataque cardíaco no dia em que Francisco foi eleito”, e “morreu em Roma em 2014, tendo vivido para ver uma mudança de era”.9

A “mudança de era”10, sem dúvida começou com a “turma de 2001”11. No primeiro Sínodo em que participaram, como cardeais, em maio daquele ano, “o centralismo vaticano e a decadência da cultura curial romana foram tópicos constantes de debate”12, como também no Sínodo de outubro. Jorge Mário Bergoglio começou então a ser notado pelos cardeais, quando o Edward Egan, arcebispo de Nova York teve de retornar aos Estados Unidos, em meio ainda à comoção do “11 de setembro” (com o ataque às torres gêmeas do World Trade Center), e Bergoglio foi quem o substituiu como relator-geral do Sínodo. Foi “o ponto de partida para a sua projeção internacional”13. A partir de então, foi designado para funções em diversos dicastérios vaticanos, dentre eles, a Pontifícia Comissão para a América Latina. Em 2005, seu nome despontou no conclave como o principal oponente de Joseph Ratzinger.  Mesmo assim, “há uma campanha política em andamento”14 contra Bergoglio. Cardeais como Angelo Sodano e tantos outros mais conservadores ficaram preocupados com o resultado do conclave de 2005, e muitos procuravam levar informações ao Vaticano sobre o passado de Bergoglio na Argentina, no intuito de evitar que ele angariasse mais apoio entre os cardeais.

O fato é que “a oposição contra Bergoglio se manteve até o conclave que o tornou o primeiro Papa latino-americano”15.  Havia uma outra visão de Igreja, que há muitas décadas vinha procurando se impor, de baixo para cima, dos subterrâneos da Igreja, das periferias do mundo, e que Bergoglio representava o anseio, especialmente nos tempos pós Concílio Vaticano II. Para Victor Manuel Fernandez, um dos mais próximos auxiliares de Bergoglio na V Conferência do CELAM, o que havia era um “outro ideal de Igreja, poderosa, triunfante, juíza do mundo”16 que já não podia mais se aceitar. Nesse sentido, desde a V Conferência do CELAM, Bento XVI (que muitos entendiam estar associado a este “outro ideal de Igreja”17, referido por Fernández, já não conseguia mais encontrar eco no próprio clero, cada vez mais progressista, mesmo suas homilias e pronunciamentos encontrarem acolhida entre os leigos do mundo todo, especialmente entre os jovens. Mas com o Documento de Aparecida, os bispos e cardeais começaram a difundir nas paróquias e dioceses, o modelo de Igreja apresentado por Bergoglio na V Conferência do CELAM.

Trecho do livro “Um Raio na Basílica”, Parte II, “Com Plena Liberdade”, de Hermes Rodrigues Nery, ainda sendo elaborado.

Hermes Rodrigues Nery é Coordenador do Movimento Legislação e Vida.

NOTAS:

  1. BRIGHENTI, Agenor, “Documento de Aparecida: o texto original , o texto oficial e o Papa Francisco” [https://periodicos.pucpr.br/index.php/pistispraxis/article/viewFile/1318/1258]
  2. (Documento de Aparecida, nº 179)
  3. PIQUÉ, Elizabeta, Papa Francisco, Vida e Revolução, p. 127, Editora Leya, 2014, São Paulo.
  4. LOPES, Mauro, João Paulo II: os anos de terror na Igreja, Instituto Humanitas Unisinos, 24 de junho de 2017 [http://www.ihu.unisinos.br/eventos/565135-cardeal-de-bergoglio-marca-o-inicio-da-era-francisco
  5. PIQUÉ, Elizabeta, Papa Francisco, Vida e Revolução, p. 127, Editora Leya, 2014, São Paulo.
  6. Ibidem.
  7. LOPES, Mauro, João Paulo II: os anos de terror na Igreja, Instituto Humanitas Unisinos, 24 de junho de 2017 [http://www.ihu.unisinos.br/eventos/565135-cardeal-de-bergoglio-marca-o-inicio-da-era-francisco]
  8. Ibidem.
  9. Ibidem
  10. Ibidem
  11. Ibidem
  12. Ibidem
  13. PIQUÉ, Elizabeta, Papa Francisco, Vida e Revolução, p. 121, Editora Leya, 2014, São Paulo.
  14. Ib. p. 122.
  15.  Ib. p. 125.
  16.  Ibidem.
  17.  Ibidem.
9 novembro, 2017

A “perspectiva protestante” das “teologias da libertação”, como “parte da teologia moderna”.

Por Hermes Rodrigues Nery – FratresInUnum.com, 9 de novembro de 2017

Tanto na Mensagem de Natal à Cúria romana (2005), quanto à exposição que fez ao clero romano (em 14 de fevereiro de 2013), Bento XVI permaneceu convicto de que as incompreensões do Concílio Vaticano II se deram pelo modo como os mass media estimularam e se simpatizaram por “uma hermenêutica da descontinuidade e da ruptura”1, causando confusão, “e também de uma parte da teologia moderna”2.

17800371_1639497879408919_2763369757210487848_n (1).jpg

Talvez esteja aqui, nessa colocação, o que aproxima e o que distancia Joseph Ratzinger do grupo que elegeu Jorge Mário Bergoglio, em 2013. Isso porque certos tradicionalistas dizem que tanto Ratzinger, quanto Bergoglio estão em sintonia com a mesma visão modernista de Igreja, a diferença está apenas no grau, sendo que Bergoglio mostrou-se disposto, desde o início a pisar no acelerador, por uma revolução sem precedentes, como um novo João XXIII.

Mas Bento XVI há muito havia colocado a mão no breque, aí talvez começou a se distinguir. Na sua exposição ao clero romano, Bento XVI associou a “hermenêutica da descontinuidade e da ruptura”3 estimulada pelos mass media e também por “uma parte da teologia moderna”4.

read more »

21 julho, 2017

Bento XVI rompe novamente o silêncio e retoma a imagem da barca em meio a tempestade.

Por Hermes Rodrigues Nery

FratresInUnum.com, 21 de julho de 2017 – Três acontecimentos recentes nos levaram a refletir novamente sobre o impacto da renúncia de Bento XVI, sua catequese e seu testemunho nos tempos convulsivos da atualidade. O primeiro foi o fato de que a página no Facebook dedicada ao secretário pessoal de Bento XVI, Dom Georg Ganswein, página que afirma ser por ele chancelada, não ter postado fotos da visita de Francisco a Bento XVI, por ocasião da comemoração do seu 90º aniversário, em abril. O segundo, dois meses depois: o encontro de Francisco e Bento XVI, que ocorreria de novo, amplamente divulgado (com fotos e vídeos), onde Bento XVI – muito frágil – afirmara aos cinco novos cardeais que o visitavam: “Sigamos com a Cruz, porém, ao fim, é o Senhor quem vence”. Enquanto alguns se indagavam sobre o significado daquela afirmação, naquele contexto, então ocorreu o terceiro fato que fez Bento XVI voltar a sair do silêncio, pouco mais de quinze dias depois: a morte do Cardeal alemão Joachim Meisner (um dos autores do Dubia), que fezBento XVI enviar uma mensagem especial para ser lida por Ganswein, nas exéquias de Meisner, onde destacou: “O Senhor não abandona a sua Igreja, mesmo se, às vezes, a barca esteja quase repleta a ponto de soçobrar.”

read more »

26 junho, 2017

Conselho de Cardeais, coordenado por Maradiaga, propõe a descentralização da Igreja.

Por Hermes Rodrigues Nery

FratresInUnum.com, 26 de junho de 2017 – Em março de 2005, um sorridente Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga, numa entrevista de televisão,1 dizia estar confiante de que um sopro do Espírito Santo “no momento oportuno”2, traria novamente uma abertura de janela, a exemplo do que ocorreu em 1958, com João XXIII, do mesmo modo, pois ele estava convicto de que haveria uma surpresa para a Igreja, no momento oportuno. Um papa latino-americano seria essa surpresa que Maradiaga (como também Leonardo Boff e tantos outros) tanto ansiavam?

el-cardenal-oscar-maradiaga

Cardeal Maradiaga

O fato é que Jorge Mário Bergoglio teve 40 votos, pouco mais de um mês depois daquela entrevista. E no conclave de 2013 recebeu “mais votos do que Ratzinger, em 2005. Ao fim são 88; só trinta cardeais não votaram nele”.3 Na mesma entrevista, Maradiaga se diz um entusiasta defensor da integração latino-americana, não somente econômica, mas política4, e tanto Maradiaga (o candidato a papa, preferido de Leonardo Boff, como ele mesmo expressou no programa de televisão, no dia da renúncia de Bento XVI5), quanto Bergoglio (eleito papa em 2013) eram defensores da integração latino-americana, do bloco regional conhecido por “Pátria Grande”, ideologicamente alinhado com o internacionalismo de esquerda.

Vendo entrevistas de Maradiaga e de Bergoglio no youtube5 (antes do conclave de 2013), percebe-se que o candidato a papa preferido por Boff, tem muito mais envergadura intelectual e desenvoltura de comunicação, e não se compreende por que Bergoglio acabou sendo escolhido pelas forças progressistas dentro da Igreja. Mesmo assim Maradiaga foi chamado a coordenar o grupo de cardeais comprometidos em realizar a reforma da cúria romana. Como presidente da Cáritas Internacional e membro do Religions for Peace, por que Maradiaga não conseguira força política suficiente para obter os votos necessários no conclave? Maradiaga não apoiara Zelaya, no golpe de 2009, em Honduras. Mas Bergoglio também não estava tão à esquerda no período da ditadura militar argentina, apesar dos jesuítas terem dado a guinada à esquerda depois da gestão de Pedro Arrupe. Mesmo Bergoglio não ter sido um explícito defensor da teologia da libertação, seu pensamento e ações enquanto atuou na Argentina, estavam em sintonia com a teologia do povo. Juan Carlos Scannone reconhece a influência da teologia do povo em Bergoglio, como uma das “quatro correntes da teologia da libertação”7, mas que – para ele –  “de forma alguma, teve algo a ver com a marxista”8, como a vertente defendida por Boff.   Mas Bergoglio e Maradiaga estiveram muito mais unidos depois do Habemus Papam de 2013, para que a agenda política do internacionalismo de esquerda e do globalismo das fundações internacionais e da ONU, se alargasse cada vez mais, causando, em vários momentos, perplexidade entre muitos católicos.

Um dos pontos fundamentais que unem Maradiaga a Boff, é o projeto de descentralização do governo da Igreja, defendido por Boff em artigo publicado um dia depois do Habemus Papam de 2013, dizendo que o papa Francisco, “com uma nova visão das coisas, a partir de baixo, poderá reformar a Cúria, descentralizar a administração e conferir um rosto novo e crível à Igreja.”9 Maradiaga foi nomeado por Bergoglio como chefe do Conselho de Cardeais, coordenando assim a chamada reforma da cúria romana; que, na verdade, seria a execução de uma profunda reforma da Igreja.

“Papa Francisco irá descentralizar o governo da Igreja, diz Leonardo Boff”10, foi a manchete do The Christian Post, uma semana após o início do seu pontificado. “Ele dará peso decisório ao Sínodo dos Bispos (cada três anos) e não apenas peso consultivo, criando mais autonomia às igrejas continentais e nacionais em nome da colegialidade”11, destacou Boff. E ainda, na mesma reportagem, acrescentou: “Como o papa Francisco enfatiza muito o tema dos pobres e da necessidade da justiça social e não da filantropia vai, obviamente, reforçar as novas democracias de cunho popular e que fazem políticas sociais voltadas para os pobres, como no Brasil, no Uruguai, na Venezuela e um pouco em todos os países onde se está consolidando este tipo novo de democracia”12.

A descentralização do governo da Igreja, portanto, faz parte dessa estratégia de “reforçar as novas democracias de cunho popular”13, também dentro dos organismos e estruturas da Igreja, instrumentalizando-a para fins políticos, muitas vezes, contrários aos princípios e valores da doutrina social da Igreja. Não apenas Boff como ideólogo dessa subversão, mas também Maradiaga como executor de tão esperada revolução na Igreja, com um papa latino-americano na condução desse processo revolucionário, fazem da descentralização uma meta prioritária, para se chegar a uma Igreja dirigida por conselhos populares. Por isso Bergoglio curvou-se ao povo, pedindo-lhe a benção, quando apareceu pela primeira vez na loggia da Basílica de São Pedro, em 13 de março de 2013.

O conceito da descentralização emergiu, desde o início, como prioridade a ser alcançada no pontificado de Francisco, como se fosse a missão principal, a partir do qual todas as demais ações revolucionárias virão posteriormente. Sem a descentralização, o processo revolucionário estaria comprometido, daí a sua relevância. Por isso, Bergoglio incluiu – todas as vezes que pode – o conceito da descentralização, nos documentos e pronunciamentos-chaves de seu pontificado: na exortação apostólica Evangelii Gaudium, na exortação apostólica pós-sinodal (após o controverso Sínodo da Família de 2014-2015) e na decisão da XXª reunião do Conselho de Cardeais, em junho de 2017, etc.

Tratei desse assunto com o então presidente da CNBB, Dom Raymundo Damasceno, amigo do papa Francisco e um dos presidentes do Sínodo da Família, em uma entrevista concedida em Aparecida (SP)14.  Na ocasião, perguntei a ele: “…a Evangelii Gaudium que o sr. citou agora há pouco, traz uma questão, que é a discussão sobre a reforma da cúria romana, que traz em uma de suas partes o aceno à possibilidade de dar autoridade doutrinal para as conferências episcopais. Como o sr. vê este processo da reforma da cúria romana, como presidente de uma conferência episcopal?”15 Ao que ele respondeu:É uma questão que também não foi discutida, que está acenada na Evangelii Gaudium mas que não foi discutida, nem aprofundada.”16 E acrescentei: “’A partir da sua experiência, o que sr. tem a dizer sobre isso?’ Ao que ele afirmou: ‘Creio que muitas atribuições poderiam ser dadas às Conferências Episcopais, sem necessidade de  recorrer à Santa Sé, para tomar determinadas decisões de âmbito nacional. Situações que, realmente, não são de grande importância, que poderiam ser resolvidas  pelas Conferências Episcopais. Há muitas questões para as quais devemos recorrer à Santa Sé, e eu creio que muitas poderiam ser atribuições próprias da Conferência porque é algo do conhecimento delas, da esfera delas e que não entram em questões doutrinárias propriamente. São questões muitas vezes administrativas, que poderiam ser resolvidas pelas Conferências Episcopais.’”17 Dom Damasceno, portanto, estava inteiramente alinhado à proposta da descentralização, comungando as mesmas ideias, nesse sentido, com as de Leonardo Boff e Oscar Andrés Rodriguez Maradiaga.

A descentralização do governo da Igreja trouxe preocupações entre os católicos, especialmente ao final do Sínodo da Família. Ainda em Roma, em outubro de 2015, escrevi sobre estas apreensões, em meu artigo “Uma questão de método”18, destacando: “As fichas agora foram colocadas em seu desejo de ‘descentralização’, que havia sido acenado na exortação apostólica Evangelii Gaudium, mas afirmado com veemência no pronunciamento de 17 de outubro, como que determinando o tom e a saída política que parece pretender oferecer aos impasses que não pôde resolver durante os dois Sínodos (tanto do ano passado, quanto deste ano). Então, a solução seria mesmo política, bem ao gosto do estilo descrito por Piqué, delegando tão graves decisões, num primeiro nível, às igrejas particulares e, num segundo nível, de modo especial, às conferências episcopais. (…)  ‘Com a descentralização, estará desferindo assim um duro golpe à instituição do papado, com consequências bastante imprevisíveis. É isso o que tememos, pois não sabemos até que ponto ele está ou não disposto, e em que proporções. Ele próprio disse sentir a necessidade disso.’”19

No dia seguinte ao Habemus Papam de 2013, Leonardo Boff  escrevia em seu blog pessoal, com entusiasmo, sobre a revolução que Bergoglio seria capaz de fazer, especialmente a descentralização do governo da Igreja, altamente estratégica: a descentralização, vindo “de baixo”20.

Quando o Conselho de Cardeais coordenado por Maradiaga propôs, em junho de 2017, “transferir algumas competências da Cúria Romana para os bispos locais ou para as conferências dos bispos”21, sinalizou assim a disposição efetiva de Jorge Mário Bergoglio pela descentralização do governo da Igreja.

Além de chefe do Conselho de Cardeais, Maradiaga também ocupa duas posições-chaves, comprometidas com a revolução bergogliana na Igreja: como presidente da Cáritas Internacional e membro do Religions for Peace. Em 31 de outubro de 2016, a Cáritas Internacional firmou uma carta de intenções para trabalhar em conjunto com o Serviço Mundial da Federação Luterana, no evento ecumênico de Malmö, na Suécia, documento este assinado na presença do papa Francisco. “Já havíamos  nos encontrado, mas não de forma planejada. Desta vez, montamos uma estratégia com um mesmo testemunho cristão”22, afirmou Michel Roy, Secretário-Geral da Cáritas Internacional. Sobre esta estratégia, tanto Maradiaga quanto Boff estão não apenas sintonizados, mas cada um em sua frente de ação, mobilizados para intensificar o processo de descatolização da Igreja, acentuando cada vez mais a sua protestantização.

Hermes Rodrigues Nery é coordenador do Movimento Legislação e Vida.

Notas:

  1.   Entrevista al Cardenal Rodríguez Maradiaga, 02/03/2005, Canal Sur Televisión: https://www.youtube.com/watch?v=84C7wVrjHvg, aos 05:00).
  2. Ibidem.
  3. Englisch, Andreas, Francisco, o Papa dos Humildes, p. 19, Universo dos Livros, 2013, São Paulo – SP.
  4. Entrevista al Cardenal Rodríguez Maradiaga, 02/03/2005, Canal Sur Televisión: https://www.youtube.com/watch?v=84C7wVrjHvg, aos 11:10).
  5. Leonardo Boff comenta renúncia de Bento XVI – Repórter Brasil (noite), 11 de fevereiro de 2013: https://www.youtube.com/watch?v=QAJVh1vnYek&hd=1
  6. Entrevista al Cardenal Rodríguez Maradiaga, 02/03/2005, Canal Sur Televisión: https://www.youtube.com/watch?v=84C7wVrjHvg; Cardinal Óscar Rodríguez Maradiaga – Witness:  https://www.youtube.com/watch?v=qOoRp7meNPk; Cardinal Oscar Rodriguez (Spanish): https://www.youtube.com/watch?v=hfI0Hv-q2r4; Cardinal Oscar Rodriguez (English):  https://www.youtube.com/watch?v=LWLtY2tKxSM; Con el papa Francisco entra aire fresco en el Vaticano: este vídeo no te dejarán indiferente: https://www.youtube.com/watch?v=9oE0X-XcT5M&index=8&list=RDbGqQX_SqgGs; Entrevista exclusiva del Cardenal Bergoglio, hoy Papa Francisco, con EWTN:  https://www.youtube.com/watch?v=NZ1ZczyyKwM; Jorge Bergoglio, Papa Francisco declara ante la justicia argentina por secuestro sacerdotes: https://www.youtube.com/watch?v=u8EoFlIbDPw
  7. Pittaro, Esteban, Aleteia, “A ‘Teologia do Povo’ no Papa Francisco, 29 de janeiro de 2014: https://pt.aleteia.org/2014/01/29/a-teologia-do-povo-no-papa-francisco/
  8. Ibidem.
  9. Boff, Leonardo, “O Papa Francisco, chamado a restaurar a Igreja”, site pessoal, 14 de março de 2013: https://leonardoboff.wordpress.com/2013/03/14/o-papa-francisco-chamado-a-restaurar-a-igreja/
  10.   Gigliotti, Amanda, Papa Francisco irá descentralizar o governo da igreja, diz Leonardo Boff, The Christian Post, 20 de março de 2013: http://portugues.christianpost.com/news/papa-francisco-ira-descentralizar-o-governo-da-igreja-diz-leonardo-boff-15269/
  11.  Ibidem.
  12.  Ibidem.
  13.  Ibidem.
  14.  Igreja e Sociedade segundo Dom Damasceno, Fratres in Unum, 4 de março de 2015: https://fratresinunum.com/2015/03/06/igreja-e-sociedade-atual-segundo-dom-damasceno/
  15.  Ibidem.
  16.  Ibidem.
  17.  Ibidem.
  18.  Nery, Hermes Rodrigues, Uma Questão de Método, Fratres in Unum, 26 de outubro de 2015.
  19.  Ibidem.
  20.  Boff, Leonardo, “O Papa Francisco, chamado a restaurar a Igreja”, site pessoal, 14 de março de 2013: https://leonardoboff.wordpress.com/2013/03/14/o-papa-francisco-chamado-a-restaurar-a-igreja/
  21.  Cardeais propõem descentralização de alguns aspectos do governo da Igreja, Canção Nova, com Agência Ecclesia, 14 de junho de 2017, https://noticias.cancaonova.com/especiais/pontificado/francisco/cardeais-propoe-descentralizacao-de-alguns-aspectos-governo-da-igreja/
  22.   Caritas Internacional: em conjunto com os luteranos, Radio Vaticano, Rádio Vaticano, 4 de novembro de 2016:http://br.radiovaticana.va/news/2016/11/04/caritas_internacional_em_conjunto_com_os_luteranos/1270083
12 junho, 2017

Decisão de Donald Trump sobre acordo do clima de Paris é a pior derrota política de Jorge Mario Bergoglio.

Por Por Hermes Rodrigues Nery

A retirada dos Estados Unidos do Acordo do Clima de Paris, em 1º de junho de 2017, foi a pior derrota política do papa Francisco, mostrando assim o equívoco de suas posições políticas, assumidas escancaradamente desde que assumiu o pontificado, em março de 2013, para perplexidade de muitos católicos, especialmente os que se empenham com seriedade em viver a sã doutrina católica.

trumpA agenda política abraçada por Jorge Mario Bergoglio, em muitos aspectos, está sintonizada com a mesma agenda do internacionalismo de esquerda e do globalismo defendido pela ONU e fundações internacionais que trabalham por uma reengenharia social de mutação cultural, que instrumentaliza as religiões para os fins de um poder global.

Ecumenismo e ecologismo fazem parte da estratégia de ressignificar religiões, visando uma nova cultura (um mosaico cultural), convergida em premissas não cristãs, especialmente não católicas, como já recomendava, em 1974, o Relatório Kissinger (salientado por Juan Cláudio Sanahuja), estabelecendo “como política global que os padrões culturais dos povos, entre os quais se incluem as crenças religiosas, que tornam inviáveis as políticas de controle de natalidade, devem ser alterados”1. Por isso, tem chocado aos católicos a presença de intelectuais e ideólogos dessa reengenharia social em eventos no Vaticano, promovidos especialmente pela Pontifícia Academia das Ciências, que recebeu e deu espaço para palestrar Jeffrey Sachs (ambientalista radical que defendeu em 2008 a legalização do aborto como meio econômico eficaz para eliminar bebês indesejados), Paul Erlich (autor do livro “A Bomba Demográfica”, também defensor do aborto como meio de controle populacional), entre outros. O fato é que Bergoglio não apenas tem dialogado com conhecidos inimigos da fé católica, acolhido-os no Vaticano, favorecido (algumas vezes de modo sutil e sofisticado, outras mais abertamente) a agenda política que contradiz, em muitos aspectos, a doutrina moral e social da Igreja. Mas Bergoglio abraçou tal agenda, para euforia de Ban-Ki-moon.

A tônica política de Bergoglio (evidenciada por suas decisões, à esquerda, confirmando o que ele dissera ao Pe. Antonio Spadaro: “nunca fui de direita”2), explicita cada vez mais equívocos incontáveis, para o agrado de toda a esquerda internacional, que o aplaude, pois sabe que as consequências de tais decisões, a médio prazo, agravarão danos dentro da Igreja, que os líderes de esquerda até então não haviam conseguido chegar em tão grande profundidade.

E por tais decisões virem de cima para baixo, dificilmente haverá quem se oponha, porque os que se infiltraram por dentro da instituição, souberam aparelhar de tal modo organismos internos da Igreja, para justamente neutralizar toda e qualquer resistência. Disso não só tenho experiência vivida, mas tenho sofrido a perseguição implacável daqueles que há muito quiseram liquidar a minha liderança como leigo católico dentro da Igreja, por justamente não compactuar com a maldade não apenas dos inimigos declarados, mas principalmente dos dissimulados. Isso porque os que se oporem à agenda implantada sofrerão toda espécie de sanções e retaliações, tendo em vista também o aparato tecnológico de controle, nesse sentido.

Os reengenheiros sociais apreciam laboratórios culturais e sociais, e sabem do estrago que estão fazendo. Que a Igreja depois resolva os problemas criados pelos equívocos políticos de Bergoglio. Os inimigos da Igreja sabem que a agenda abraçada por Bergoglio (exposta, por exemplo, na encíclica Laudato Si) trarão, num futuro próximo (talvez em outro pontificado) problemas agudos para a própria Igreja (por causa dos gravíssimos danos causados), mas eles não estão nem um pouco preocupados com isso.

Bergoglio reconheceu a cinco jovens católicos belgas, numa entrevista à agência I. Media, dizendo: “Eu já errei, e ainda erro!”3, declarando com ênfase: “Eu não diria que aprendi com todos os meus erros. Alguns não, porque eu sou teimoso”. E por teimosia insiste em seus erros políticos, sem se dar conta das consequências de tais erros, para o que virá depois de seu pontificado.

Hermes Rodrigues Nery é Coordenador do Movimento Legislação e Vida

  1. SANAHUJA, Juan Cláudio, Poder Global e Religião Universal, p. 29, Editora Ecclesiae, Campinas, SP, 2012.
  2. SPADARO, Pe. Antonio, Íntegra da Entrevista de Francisco à “Civiltà Cattolica”: https://fratresinunum.com/2013/09/19/integra-da-entrevista-de-francisco-a-civilta-cattolica/
  3. REUTERS, Papa Francisco admite: “Eu já errei e ainda erro” – Entrevista a cinco jovens católicos foi transmitida por site: https://oglobo.globo.com/mundo/papa-francisco-admite-eu-ja-errei-ainda-erro-12089981
8 maio, 2017

A espiritualidade da Virgem Maria na defesa da vida – a mensagem de Fátima, cem anos depois.

Por Hermes Rodrigues Nery| FratresInUnum.com

Pronunciamento durante evento de comemorações do 1º centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima, no Hotel San Marco, em Brasília, em 29 de abril de 2017

Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado!

“Quem sabe bem rezar, sabe também viver bem”1

Caríssimos amigos,

Com alegria retorno à Brasília, para um encontro muito especial, a convite do casal Dr. Antonio Augusto e D. Rita de Sá Freire [autora de um belíssimo livro “Tradição, Fé e Lealdade – Histórias para Damas e Cavaleiros do Amanhã”” (Petrus Editora), ao qual agradeço desde já, a oportunidade de estar com vocês nesse momento de oração, e de reflexão, em que nós, católicos, celebramos o primeiro centenário da aparição de Nossa Senhora, aos três pastorinhos, em Fátima.

No próximo dia 13 de maio, serão canonizados Francisco e Jacinta Marto, as crianças que, junto à Irmã Lúcia, viram , em pureza de olhar, de coração e de alma, o esplendor de Nossa Senhora, cuja mensagem deixada a eles, tem se tornado cada vez mais atual, e que podemos resumir na ênfase dada ao que mais precisamos, nos dias de hoje: “Penitência, Penitência, Penitência’. ‘Volta-nos ao pensamento o início do Evangelho: « Pænitemini et credite evangelio’ (Mc 1, 15). Perceber os sinais do tempo significa compreender a urgência da penitência, da conversão, da fé. Tal é a resposta justa a uma época histórica caracterizada por grandes perigos”2

read more »

7 dezembro, 2016

Quem defenderá o indefeso?

Pronunciamento do Prof. Hermes Rodrigues Nery, Presidente da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, na audiência pública realizada em 06 de dezembro de 2016, na Câmara dos Deputados, na Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, para debater os aspectos relacionados à microcefalia e o surto de zika no Brasil, e as políticas públicas relacionadas ao tema.

* * *  

A vida só adquire um sentido verdadeiramente humano quando vivida com amor. E é isso que precisa estar refletido em nossas legislações.1

Excelentíssimo Sr. Deputado Federal Diego Garcia (PHS-PR), demais deputados Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), Eros Biondini, e Rosinha da Adefal (PTdoB-AL), e demais presentes.

Caríssimos amigos,

Retornamos a essa Casa Legislativa às vésperas da votação da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5581), no Supremo Tribunal Federal, cuja relatora é a presidente do STF, ministra Carmem Lúcia. Requeremos a participação da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, como Amicus Curiae, ao que encaminhamos à ministra minucioso o estudo elaborado pela Associação Médica dos Católicos de Brasília, assinado pelo Dr. Stéfano Borges Pedroso, Defensor Público do Distrito Federal; cuja parte que diz respeito aos danos que o aborto provoca à saúde da mulher, quero trazer aqui nessa audiência pública, brevemente, alguns pontos que considero relevantes para reforçar a necessidade que temos hoje em defender a saúde da mulher ( vítima da falsa solução do aborto que lhe oferecem), e também a defesa do nascituro, penalizado com a morte, com assassinato cruel, de uma vida humana inocente e indefesa, privando-o do direito à vida, e causando assim, o horror da matança dos inocentes, patrocinado pelo Estado, quando o Estado existe para ser defensor da vida e da família, defensor da primeira e principal instituição humana, defensor da vida em sua fase mais fragilizada, defensor e promotor daquele que mais precisa de acolhida, de amparo, de suporte, de valorização efetiva.

Mas o que estamos vendo é o Estado brasileiro sendo instrumentalizado por forças impondo uma agenda de organismos internacionais (imbuídos de ideologias inumanas, com a mesma lógica que moveu o faraó egípcio e também Herodes, ao ordenarem a matança das criancinhas) para se voltar contra o que temos de mais precioso: o dom da vida.   “Na raiz de qualquer violência contra o próximo, há uma cedência à ‘ lógica’ do maligno, isto é, daquele que ‘foi assassino desde o princípio’ (Jo 8, 44)’. 2

Esta conjura contra a vida, avança cada vez mais, nas expressões de violências e atentados contra a vida [“Tudo quanto se opõe à vida, como seja toda a espécie de homicídio, genocídio, aborto, eutanásia e suicídio voluntário; tudo o que viola a integridade da pessoa humana” (…)  Todas estas coisas e outras semelhantes são infamantes; ao mesmo tempo que corrompem a civilização humana, desonram mais aqueles que assim procedem, do que os que padecem injustamente; e ofendem gravemente a honra devida ao Criador”.3  Com isso, “espezinhada no direito fundamental à vida, é hoje uma grande multidão de seres humanos débeis e indefesos, como o são, em particular, as crianças ainda não nascidas.”4

E que direito humano é esse que que é direito da mulher torturar e matar um ser humano inocente e indefeso dentro de seu próprio ventre, o direito de eliminá-lo com substâncias salinas, succioná-lo, quebrar-lhe os ossos e privá-lo do direito de nascer e ser acolhido como pessoa humana? É pois uma perversão de direito humano, que se volta contra o ser humano. E muitos profissionais que deveriam ser os primeiros a recusar veementemente tal prática, a recorrer à objeção de consciência diante disso,  muitas vezes estão hoje sendo coniventes com essa lógica de morte. Nesse contexto vemos ainda que “a própria medicina que, por vocação, se orienta para a defesa e cuidado da vida humana, em alguns dos seus sectores vai-se prestando em escala cada vez maior a realizar tais atos contra a pe ssoa, e, deste modo, deforma o seu rosto, contradiz-se a si mesma e humilha a dignidade de quantos a exercem.”5

Quando os defensores do aborto falam do aborto como questão de saúde pública, quero ressaltar que por sermos defensores da saúde da mulher é que queremos evitar os danos á saúde da mulher causados pelo aborto provocado.

No estudo elaborado pela Associação dos Médicos Católicos de Brasília6, destaca os argumentos contraditórios, inconstitucionais e eticamente inaceitáveis da ADI, cumulada com ADPF, requerida pela Associação Nacional dos Defensores Públicos (ANADEP), que pleiteia ao STF a descriminalização do aborto “quando feito por gestantes infectadas pelo vírus Zica”, nos “casos de síndrome congênita causada pelo vírus de Zika”8, salientando “o objeto e objetivo abortista encapsulado e emaranhado na ADI c/c ADPF”9. Buscando ainda “criar mais uma hipótese, sem limitação séria ademais, de aborto juridicamente permitido em nosso ordenamento”10. A tese da ANADEP “padece de graves inconsistências l&o acute;gicas, ancorando-se em meras suposições ou em interpretações enviesadas de achados científicos”11, chegando inclusive “a conclusões e avança pedidos frontalmente repelidos pela sociedade brasileira e absolutamente contrários  ao nosso sistema jurídico, constitucional e legal”12. E mais: “A ANADEP parece não ter considerado a abertura de perigoso precedente no ordenamento jurídico pátrio: a possibilidade de se autorizar aborto quando houver a confirmação ou a mera suspeita de gestação de feto com deficiência13”. E ainda ressalta no pleito da ANADEP, “a defesa da introdução de novos meios anticoncepcionais para corroborar a atual política fracassada que tenta assegurar o direito ao planejamento familiar e, o mais grave, a defesa do aborto em qualquer situa&ccedi l;ão de infecção materna por zikavirose, apoiado ou não em exames comprobatórios da infecção materna, constatado ou não a existência real de risco para o feto, verificado ou não a presença de anomalias fetais.  Quanto a esse último tópico, percebe-se uma linha de argumentação que perpassa toda a inicial com o propósito de chegar a uma decisão jurídica favorável à ‘interrupção da gravidez’, ou seja, ao aborto, em linguagem direta. A extensão dessa pretensão (…) vai além da eugenia, alcançando potencialmente milhares de crianças sem nenhuma evidência de anomalias e sem risco de desenvolver anomalia”14

Conforme os próprios dados do Ministério da Saúde, dentre os notificados e os que realmente foram confirmados para microcefalia, confirmações muito reduzidas em relação aos notificados, e muitos ainda sob investigação. O fato é que há muitas interrogações nesse campo, muitas imprecisões, e muita instrumentalização da situação vulnerável de mulheres fragilizadas, para justificar pretextos que trazem a elas sofrimentos e danos muito maiores. O estudo da AMCB destaca tais questionamentos, que aqui apresentamos alguns deles.

Os defensores do aborto se favorecem das imprecisões , das generalizações, da falta de conhecimento sobre o assunto, para influir os tomadores de decisão, com a mentira, o sensacionalismo, os eufemismos e ambiguidades da linguagem.

Na questão objeto dessa audiência pública, cabe afirmar, de modo retumbante:

Não é verdade que em todas as situações haja “relação causal entre o vírus  e a síndrome congênita”15.

Não é verdade que todos  os “acometidos pela epidemia da zivka”16 sejam também afetados pela microcefalia: “dos 9,514 casos notificados, apenas 20% aproximadamente  foram confirmados. Isso mostra o quanto podem as imprecisões , os critérios até agora  disponíveis e, pois, o quanto pode ser inadequado impor uma dúvida e cobrar de uma mãe ou de uma família a decisão pela eliminação do filho no ventre”17.

Não é verdade que todos os “conceptos evoluem para a síndrome congênita de zika”: “estudo retrospectivo do surto na Polinésia Francesa (casos infectados por cepa semelhante à encontrada no Brasil), estimou, por modelos matemáticos, que o risco possivelmente situa-se em 1% quando a infecção ocorre no primeiro trimestre da gravidez”18.

Não é verdade que todos os conceptos, cujas mães foram acometidas pela zikavirose nasçam com microcefalia. Muitas crianças nascem sem problemas, mesmo quando a mãe comprovadamente  sofre a infecção por ziokavirose na gravidez. Portanto, a associação entre a gravidez e a síndrome congênita de zika não pode ser vista como uma fatalidade”19.

Não é verdade que oferecer à mulher a falsa solução do aborto, significa estarem preocupadas com a sua saúde. Isso é absurdamente inverídico. É mentira dizer que se quer o bem das mulheres, induzindo-as ao aborto. Um estudo6 que analisou 36 artigos científicos, destacou “que 13 artigos mostraram um risco evidente de pelo menos 1 dos transtornos mentais (os mais citados foram a depressão, transtornos de ansiedade, incluindo síndrome de stress pós-traumático e abuso de drogas), relatados no grupo de mulheres que provocou aborto em relação às mulheres que tiveram parto”20. Ou ainda, analisando 22 estudos sobre aborto e saúde mental, Coleman “encontrou que as mulheres que se submeteram ao aborto, apresentaram aumento de 81% de risco de problemas em saúde me ntal e, que aproximadamente, 10% da incidência de problemas em saúde mental, demonstrou-se atribuível ao aborto”.21E mais: “um estudo recente do Colégio Americano de Pediatras alerta para os efeitos adversos de um aborto induzido, independente de motivação para sua realização. Em relação à saúde mental, a publicação cita estudos na Califórnia e na Finlândia, que demonstraram  que a taxa de suicídios em mulheres nos anos subsequentes a realização de um aborto, foi de 2,5 a 7 vezes mais alta do que nas mulheres que tiveram parto”.22

Não é verdade que todas as mulheres em situações de vulnerabilidade (pobreza, doenças, etc.) queiram abortar. Muito pelo contrário: a grande maioria delas querem ser mães, não abrem mão da maternidade, mesmo nas circunstâncias mais difíceis. O que elas querem é apoio para que elas assumam a maternidade e – de modo algum – matem os seus filhos. Ainda no referido estudo, “as gestantes inquiridas, se elas consideraram o aborto como opção, se em algum momento da gestação consideraram a hipótese de abortar, inclusive perguntando-se por qual método para se checar a confiabilidade da resposta”, “em relação aos resultados: 1057 gestantes completaram a entrevista, das quais 755 (73%) delas não consideraram abortar, 142 (142 (14%) consideraram a hipótes e de abortar e 140 (14%) tentaram o abortamento.”23

Diante de tantos estudos, pesquisas, estatísticas, etc., com a evidência dos fatos, podemos indagar: como o aborto poderia ser a “melhor solução” para a mulher? Se os estudos comprovam , por exemplo, o maior número de mulheres com “casos de depressão pós-parto se comparado com o grupo de mulheres que não consideraram a hipótese de abortar”24. Como o aborto poderia ser a “melhor solução” – como propõe a ANADEP – se os “seus efeitos e danos psicológicos tendem a ser mais severos do ponto de vista psíquico, se comprado com o pleno desenvolvimento da gestação.”25

Diante dessa lógica de morte, dessa avalanche de ações e decisões contra a vida, nos indagamos clamorosamente: quem defenderá o indefeso (a criança concebida, vítima de tão cruenta violência) e também as mulheres indefesas, vítimas da desinformação, da pobreza e da maldade daqueles que lucram com o aborto, que nada estão preocupados com a saúde da mulher?

Exortamos, apelamos clementemente que a ministra relatora da ADI 5581, Presidente do Supremo Tribunal Federal – não decida contra a vida indefesa da criança inocente no ventre materno, e das mulheres também indefesas.

“Um silêncio de morte sobre o início da vida”26

Já tinha dito isso, no começo do ano27 que, o governo brasileiro e as Ongs financiadas por fundações internacionais que promovem o aborto se mobilizaram para repetir o que ocorreu, em 2012, quando o STF despenalizou o aborto em casos de anencefalia, com a ADPF-54. Na época, durante a votação da referida ADPF-54, já se dizia: “Está aberta a porta para a legalização do aborto, no Brasil”28, via judiciária, de modo sutil e sofisticado, gradual, e por etapas. E é o que estamos vendo hoje, com os fatos confirmando essa realidade. E tal estratégia – como vimos na ADI 5581, cuja requerente é a ADANEP, visa alargar a agenda abortista no País e disseminar ainda mais a mentalidade contraceptiva, com as sutilezas já conhecidas, induzindo a população a aceitar o ab orto nesses casos, preparando assim as condições para que lá na frente o aborto seja reconhecido inclusive como direito humano, como querem as Fundações internacionais, como a Fundação Rockefeller, a Fundação Ford, a Fundação MacArthur e outras. Vejam que Prof.ª Flávia Piovesan, que é hoje a Secretária Nacional dos Direitos Humanos, está ligada a esses organismos e defende o aborto como direito humano.29

Ontem, o STF autorizou matar os bebês anencéfalos, hoje, poderão fazer o mesmo com os casos de microcefalia, amanhã, serão outras categorias. São, portanto, precedentes perigosos, a favorecer um totalitarismo que vitimará os mais fragilizados da sociedade, como o Papa São João Paulo II denunciou em sua memorável encíclica Evangelium Vitae. Como ainda afirmou o Dr. Paulo Silveira Martins Leão Júnior, presidente da união dos Juristas Católicos do Rio de Janeiro, aqui presente, “a dignidade da pessoa humana há de decorrer, necessariamente, da própria natureza do ser humano e não de circunstâncias acessórias, adjetivas, como, por exemplo, saúde e tempo de existência, pois do contrário, cairíamos em fórmulas e critérios arbitrá rios e aleatórios, conforme as conveniências do momento, condicionando e aviltando a dignidade humana, e desrespeitando os termos claros dos princípios e preceitos constitucionais”.30

Quis o constituinte incluir como cláusula pétrea, no art.5º, a inviolabilidade da vida humana, mas há aí uma omissão, ao não explicitar o desde quando, deve se garantir a inviolabilidade da vida humana, e por causa dessa omissão, o então ministro Carlos Ayres Brito, em seu voto de 5 de março de 2008, ao justificar o uso de embriões humanos fecundados para fins de pesquisa científica, abriu-se lá o primeiro precedente, a porta aberta para a legalização do aborto, por etapas. Ele não reconheceu o embrião humano fecundado como pessoa, com justificativa ancorada no positivismo jurídico de Hans Kelsen, que via as questões do direito como problemas de técnica social, e não moral. Daí a brecha para decisões imbuídas por “uma ideologia que, no fundo, r eduz tudo o que existe a um comportamento de poder.”31 [e é claro que o poder do mais forte sobre o mais fragilizado], uma “ideologia que destrói a humanidade”.32

Em seu relatório33, ele recorreu ao subterfúgio do argumento jurídico, alegando que a Constituição brasileira faz “um silêncio de morte sobre o início da vida”34. E diante daquela omissão, só consideraria a proteção constitucional dos direitos da pessoa, depois do nascimento, conforme a tese da chamada teoria natalista. Desse modo, não assegurou o direito a vida ao nascituro. A vida passou a valer em parte, e não mais por inteiro.

O guardião da Constituição Federal, foi categórico: ”Há duas distinções, dois instantes: o insubstituível início de vida e o momento constitutivo da pessoa”35, que ele não associou no mesmo instante. Passou a existir então uma brecha a não dar proteção jurídica a esse interregno [da fecundação ao nascimento], que deixou de contar, após as deliberações do STF, nesse campo, da garantia constitucional de proteção da vida, pois, segundo Ayres Brito, naquele assombroso voto,  “a nossa Magna Carta não diz quando começa a vida humana”36.

Em seu relatório, o Ministro Carlos Ayres Brito explicitou a tensão de dois posicionamentos divergentes acerca do conceito de pessoa humana: “a configuração de duas nítidas correntes de opinião”37, duas teorias que se entrechocam: a natalista e a concepcionista. E a teoria natalista é o que está prevalecendo nos votos dos ministros do STF, favoráveis ao alargamento da despenalização do aborto. E a partir de então, vidas humanas [antes protegidas pela CF e pelo Código Civil], mas por ingerência indevida do STF, passaram a ser ceifadas na sua gênese, no nascedouro, com um crime de lógica justificado pela retórica jurídica.

Na primeira posição, o nascituro é apenas parte das entranhas da mãe, e somente quando nasce com vida é que é reconhecido como pessoa. A segunda, não parcializa a dignidade, pois desde a concepção “inicia o ciclo vital de um ‘novo sujeito humano’”38 Tal conflito de posições emblematiza o agudo impasse bioético da atualidade, de dimensão salomônica, e em âmbito mais profundo, também adâmica. Um nó górdio que requer solução, mas não com atos intempestivos. Requer a solução legislativa adequada, como quis a voz originária do constituinte, reconhecendo a proteção da vida humana, desde a concepção. E é a essa mesma voz que devemos nos reportar, pois o Judiciário é poder consti tuído e não poder constituinte.

Sres. Deputados, o STF fez a agenda abortista avançar, com seu explícito ativismo judicial, sem que viesse, daqui do Congresso, a reação devida, à altura daquela afronta a esta casa Legislativa, sem que , até o momento, nenhuma medida eficaz foi capaz deter o ativismo judicial seja por um PDC, por exemplo, amparado no art. 43, inciso XI, que garante ao legislativo se proteger de tal ingerência por parte do STF. Ou ainda a aprovação do PL 4754/2016, que “tipifica crime de responsabilidade dos Ministros do Supremo Tribunal Federal a usurpação de competência do Poder Legislativo ou do Poder Executivo.”39 E outras iniciativas também que o povo brasileiro espera vir desta Casa, também não avançaram com devia: a aprovação do Estatuto do nascituro, a própria do CPI do aborto, et c. Por isso requeremos insistentemente aos parlamentares (tanto da Câmara quanto do Senado) para que priorizem a PEC pela Vida, para que não haja mais essa omissão constitucional, que faz o STF avançar mais a agenda abortista.

Nesse sentido, conclamamos cada parlamentar dessa casa Legislativa, fazendo o apelo para deter o ativismo judicial do STF, deter a agenda abortista (agenda antivida, antifamília e anticristã), para a provar a PEC pela Vida, pelo bem de todos.

Muito obrigado!

Link para o vídeo no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=hWJl3UkMny0&feature=youtu.be

Notas:

  1. Pronunciamento após a aprovação da primeira lei orgânica pró-vida do Brasil, 2010 [  http://stoa.usp.br/pedrohqb/weblog/69355.html]
  2. S. João Paulo II, Evangelium Vitae, 8 [ http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25031995_evangelium-vitae.html]
  3. Ib. 3
  4. Ib. 5
  5. Ib. ___________
  6. Petição Amicus Curiae na ADI 5581, Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, parecer elaborado pela Associação Médica dos Católicos de Brasília, Stéfano Borges Pedroso [   https://onedrive.live.com/view.aspx?resid=365932A40A4EE26F!1235&ithint=file%2cdocx&app=Word&authkey=!AIe3sG0yVOHN_Ms ]
  7. Ibidem.
  8. Ibidem.
  9. Ibidem.
  10. Ibidem.
  11. Ibidem.
  12. Ibidem.
  13. Ibidem.
  14. Ibidem.
  15. Ibidem.
  16. Ibidem.
  17. Ibidem.
  18. Ibidem.
  19. Ibidem.
  20. Ibidem.
  21. Ibidem.
  22. Ibidem.
  23. Ibidem.
  24. Ibidem.
  25. Ibidem.
  26. Monografia de Pós-Graduação em Bioética, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), em curso promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Pontifícia Academia para a Vida, 28 de janeiro de 2011. [ https://pt.scribd.com/doc/48165479/Monografia-Um-Silencio-de-Morte-sobre-o-Inicio-da-Vida-Hermes-Rodrigues-Nery
  27. Há ou não há um lobby para ampliar a legalização do aborto com o pretexto do Zika Vírus?, entrevista à ACIDigital, em 1º de fevereiro de 2016 [http://www.acidigital.com/noticias/ha-ou-nao-ha-um-lobby-para-ampliar-a-legalizacao-do-aborto-com-o-pretexto-do-zika-virus-55369/]
  28. Ibidem.  [http://www.vilhenasilva.com.br/noticia/o-debate-sobre-o-aborto-e-necessario-/]
  29. Defensora do aborto é escolhida para Direitos Humanos e gera reação de pró-vidas, ACIDigital, 20 de maio de 2016 [http://www.acidigital.com/noticias/defensora-do-aborto-e-escolhida-para-direitos-humanos-e-gera-reacao-de-pro-vidas-46642/]
  30. Há ou não há um lobby para ampliar a legalização do aborto com o pretexto do Zika Vírus?, entrevista à ACIDigital, em 1º de fevereiro de 2016 [http://www.acidigital.com/noticias/ha-ou-nao-ha-um-lobby-para-ampliar-a-legalizacao-do-aborto-com-o-pretexto-do-zika-virus-55369/]
  31. RATZINGER, Joseph, O Sal da Terra – O Cristianismo e a Igreja Católica no Limiar do Terceiro Milênio – Um Diálogo com Peter Seewald , Ed. Imago, 1997, Pág. 133.
  32. Ibidem.
  33. Relatório e voto do ministro Carlos Ayres Brito da Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADIN3510 [http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/adi3510relator.pdf]
  34. Ibidem.
  35. Ibidem.
  36. Ibidem.
  37. Ibidem.
  38. Ibidem
  39. Projeto de Lei 4754/2016, Câmara dos Deputados [http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2079700].