Posts tagged ‘Islã’

21 setembro, 2016

Quando Bergoglio filo-islâmico atacava Ratzinger.

Por Fausto Carioti, Libero Quotidiano, 22 de agosto de 2014 | Tradução: FratresInUnum.com: Uma história de oito anos atrás, ocorrida em Buenos Aires, que ajuda a compreender a posição assumida pelo Papa Francisco sobre o Isis, o “Estado islâmico”, que iniciou uma caçada implacável aos cristãos. Evitando como sempre nomear o Islã e os fanáticos islâmicos, Jorge Mario Bergoglio pediu para “parar o agressor injusto”, mas não “com bombardeios” ou “fazendo a guerra”. Uma escolha que não parece deixar salvação para as vítimas e que é julgada como estéril por muitos: os crentes (incluindo, nestas colunas, Antonio Socci) e os não crentes (como no caso de Massimo Cacciari).

Na verdade, esta intervenção está perfeitamente em linha com as ideias que Bergoglio expressou por muitos anos: sempre pronto para o apaziguamento, para a acomodação aos que, já como papa, recentemente, chamou de “nossos irmãos muçulmanos”. O incidente mais clamoroso remonta precisamente a 2006, imediatamente após o discurso proferido por Joseph Ratzinger, no auditório da Universidade de Regensburg, em 12 de setembro. Naquela ocasião, o papa alemão havia citado uma frase do imperador bizantino Manuel II: “Mostre-me apenas o que Maomé trouxe de novo, e você encontrará somente coisas más e desumanas, como sua ordem de difundir pela espada a fé que ele pregava”. Palavras que, como então Ratzinger explicou, serviam para “evidenciar a relação essencial entre fé e razão”, e que não implicavam em uma idêntica condenação do Islã pelo papa. Mas essa sutileza acadêmica e teológica não foi bem acolhida pelo mundo islâmico, que se jogou em peso contra Ratzinger, o qual também foi ameaçado de morte.

Mas no ataque contra o pontífice estavam, sobretudo, as acusações que lhes lançaram alguns expoentes da Igreja. Entre estes, o então arcebispo de Buenos Aires. O futuro papa evitou falar em primeira pessoa. Quem interveio foi Padre Guillermo Marcó, porta-voz de Bergoglio. Em declarações à edição argentina da revista Newsweek, ele usou de tons duríssimos: ele disse que a declaração de Ratzinger tinha sido muito “infeliz”. E ainda: “As palavras do Papa não me representam, eu nunca teria feito essa citação”. Concluindo: “Se o Papa não reconhece os valores do Islã e tudo permanece assim, em vinte segundos teremos destruído tudo o que foi construído em vinte anos”.

Marcó era quem falava, mas todos sabiam que essas palavras representavam o pensamento do seu superior. Assim, enquanto o papa Bento XVI defendia seu caso perante o mundo islâmico, uma das vozes mais influentes da Igreja latino-americana, de fato, se posicionava do lado dos muçulmanos. Palavras “inéditas”, aquelas do porta-voz de Bergoglio, tanto que dentro dos muros leoninos “por um longo tempo não se falava de outra coisa”, disse um monsenhor ao Clarín, um dos principais jornais argentinos. Ao se ver diante do escândalo, o padre Marcó afirmou ter dito aquelas coisas não como secretário de imprensa de Bergoglio, mas como presidente do Instituto para o Diálogo Interreligoso, outra posição que ocupava. Uma justificativa nada convincente, tanto que partiu de Roma a pressão sobre o arcebispo para que ele o desmentisse. “Como é possível que seu porta-voz faça declarações semelhantes e Bergoglio não se sinta obrigado a negá-lo e removê-lo imediatamente?”, perguntou ao Clarín uma fonte do Vaticano. O padre, no entanto, permaneceu em seus postos. Foi substituído alguns meses mais tarde, quando quem pediu sua cabeça e por outras razões, foi o ministro do Interior da Argentina, obviamente considerado mais importante do que Bento XVI.

Enquanto isso, o Vaticano havia tirado um dos homens de Bergoglio, o jesuíta Joaquín Piña, do cargo de arcebispo de Puerto Iguazú: Piña tinha divulgado na imprensa opiniões semelhantes às de Marco. O jornal britânico The Telegraph, reconstruindo a história, diz que de Roma alertaram a Bergoglio que ele também seria removido se continuasse a deslegitimar Ratzinger. E Bergoglio reagiu cancelando a viagem que o levaria ao sínodo convocado pelo Papa. O assunto não terminou aí. No dia 22 de fevereiro de 2011, o Núncio Apostólico na Argentina, Dom Adriano Bernardini, lá mesmo em Buenos Aires, fez um sermão de fogo contra os inimigos de Ratzinger. O Santo Padre, disse ele, é vítima de  uma “perseguição”, foi “abandonado por aqueles que se opõem à verdade, mas acima de tudo por alguns sacerdotes e religiosos, não só pelos bispos”. Muitos dos que ele se referia estavam lá, na igreja, bem na frente dele. Bernardini, agora é núncio na Itália e não está listado entre as simpatias do Papa Bergoglio.

15 julho, 2016

O epílogo do entreguismo.

Por José Carlos Sepúlveda – 14 de Julho: a data simbólica do início da Revolução Francesa, a tomada da Bastilha! Um evento cheio de mistificações revolucionárias, que deu origem ao processo que destruiria o Trono e o Altar, sob a lâmina implacável da guilhotina… tudo em nome da Liberdade e da Fraternidade.

nice

227 anos depois, a França das liberdades sofre mais um atentado devastador. Enquanto muitos comemoravam, com fogos de artifício, a tomada da Bastilha, o assassino, o terrorista islâmico veio covardemente espalhar o caos e a morte.

Mas, a França e o Ocidente, dirigido por líderes cúmplices, alimentado por uma mídia “multicultural” e embalado, infelizmente, por tantas vozes eclesiásticas mornas, acha que só o entreguismo festivo, por meio de “silêncios prudentes” e de “concessões oportunas”, vencerá este, como outros inimigos.

É preciso, isto sim, que, nas hostes dos homens que têm Fé, ressurja o espírito da cavalaria em seus melhores aspectos, o idealismo excelso, a coragem leonina, o menosprezo dos pequenos cálculos de oportunidade.

Tags:
13 junho, 2016

Papa expressa “horror e condenação” pelos tiroteios em Orlando.

Por Crux | Tradução: FratresInUnum.com: Na sequência do ataque a uma boate gay em Orlando, descrito como o pior incidente terrorista nos Estados Unidos desde 9/11, o Papa Francisco manifestou “horror e condenação” pela violência.

O incidente, que ocorreu na noite de sábado, segundo relatos, deixou 50 pessoas mortas e pelo menos mais 53 feridos. O atirador, Omar Mateen, foi morto a tiros pela polícia de Orlando.

O porta-voz do Vaticano, o padre jesuíta Federico Lombardi, divulgou um comunicado domingo, em resposta ao tiroteio.

“O terrível massacre que teve lugar em Orlando, com o seu terrivelmente elevado número de vítimas inocentes, provocou no Papa Francisco, e em todos nós, os mais profundos sentimentos de horror e condenação, de dor e tumulto diante desta nova manifestação de loucura homicida e ódio sem sentido “, disse.

“O Papa Francisco se une às famílias das vítimas e todos os feridos na oração e na compaixão”, diz o comunicado. “Participando no seu sofrimento indescritível confia-os ao Senhor para que eles possam encontrar conforto.”

“Todos nós esperamos que sejam encontradas, o mais rapidamente possível, maneiras para identificar e contrastar as causas dessa violência terrível e absurda que perturba profundamente o desejo de paz do povo americano e de toda a humanidade”, disse a declaração.

Um funcionário do F.B.I. disse que é possível que haja uma dimensão terrorista para os disparos.

“Nós temos indícios de que esse indivíduo pode ter inclinações a isso, a uma ideologia em particular”, disse o agente Ronald Hopper em uma entrevista coletiva. “Mas, agora não podemos dizer definitivamente, então, estamos avaliando todas as possibilidades envolvidas.”

O deputado Adam B. Schiff, um democrata da Califórnia, que é membro do Comitê de Inteligência da Câmara, emitiu uma declaração dizendo que policiais lhe revelaram que o atirador tinha jurado fidelidade ao Estado Islâmico.

Tags:
7 dezembro, 2015

Não se chora pelos mortos da França cantando a “Marselhesa”.

Por Mauro Faverzani – Corrispondenza Romana | Tradução: Dominus Est – Os 129 mortos e mais de 300 feridos em Paris não derramaram sangue pela “Marselhesa”. Não tem nada a ver: é um canto fora de sintonia desde o início. E, se é símbolo de alguma coisa, é daquela Revolução e de seu período subsequente definido, não por acaso, por “Terror”, que não foi muito diferente do horror causado pelo ISIS. Invocar essas notas não tem cabimento.

Assim como descabido, mais enjoativo foi ouvir o presidente francês Hollande definir o incidente como um ataque aos “valores da República”. Quais valores? Esses 129 mortos e mais de 300 feridos não derramaram seu sangue por aquele ambiente sufocante e opressivo do secularismo jacobino, imposto a um país considerado filho pródigo do cristianismo.

De resto, o que se espera de uma terra onde há não só um encontro anual dos muçulmanos da França, mas também nas prateleiras de supermercados é possível encontrar livros que glorificam o uso de armas “para garantir a supremacia de Alá”, bem como a conquista da Europa, como Os 40 Hadith, texto que prevê a morte para os “apóstatas” (ou seja, para os muçulmanos que se convertem a qualquer outra religião), ou como O Caminho do Muçulmano, que prega uma Jihad explicitamente “ofensiva”e “pena de morte”para os “hereges “?

O que se espera de um país onde 50% da carne bovina, 40% de frango e 95% de cordeiro são abatidas pelo método halal, ou seja, “conforme” a sharia, a lei islâmica, como relatado pelo livro Bon Appetit!, escrito pela jornalista Anne de Loisy e lançado em fevereiro? O que se espera de uma terra que permite formar partidos políticos e concorrer às eleições para que venham ditar leis em terra alheia, promovendo a imposição do véu, o estabelecimento de feriados islâmicos, a língua árabe e a revisão livros didáticos em escolas francesas, como no caso do UDMF, ou União dos Democratas Muçulmanos na França, e do PEJ, ou Partido da Igualdade e Justiça? O que se espera de um país cujos presidiários não islâmicos são forçados, sob a ameaça daqueles muçulmanos, a observarem o Ramadã, apoiado pelo silêncio aterrorizado da policia penitenciária, como relatado em julho do ano passado pelo semanário Minute? Quem semeia ventos, abdicando do seu dever de governar uma Nação e deixando islamizá-la de fato, sem interferência e sem punição, já não pode reclamar por colher tempestade.

Quem tem boa memória certamente recordará de um vídeo postado em março passado nas redes sociais e na Internet, produzido pela Alhayat Media Center, a empresa responsável pela propaganda jihadista. As palavras da canção apresentada eram claras…claríssimas. Ele diziam: “Temos que derrotar a França, devemos humilhá-la! Queremos ver o sofrimento e a morte de milhares. A batalha começou. A vingança será terrível. Nossos soldados estão raivosos. O seu fim será horrível. O Islã prevalecerá, ele responderá com a espada. Quem se opor, nunca mais conhecerá a paz. Viemos para dominar e os nossos inimigos perecerão. Vamos eliminá-los e deixaremos seus corpos apodrecerem.”

Assim, talvez, tais palavras pareceram um simples spot e foram recebidas com uma certa indiferença. Estavam no ataque a Charlie Hebdo, e acreditava-se que a França, a custo de seu sangue, já tivesse pago. E não foi assim. As ameaças, os terroristas islâmicos, nunca são lançados por acaso. Em uma entrevista que será publicada na próxima edição da revista mensal Radici Cristiane, em dezembro, (antes nas casas dos assinantes), a antropóloga Ida Magli é muito clara: não pense que o Ocidente jamais verá desencadear o inferno, o “dia J” da jihad, por uma razão simples: porque “o Ocidente está se matando sozinho,” graças à ação de governantes que, depois de ter jurado lealdade a seu país, mas agindo contra seus interesses, “são perjúrios empregados para nos matar. “

Ouve-se também, nos dias atuais, falar-se de um Islã “moderado”, esquecendo-se, como o presidente turco Recep Tayyip Erdogan – considerado, não por acaso e apesar de tudo, para muitos no Ocidente, um líder realmente “moderado” – declarou abertamente, durante uma entrevista em agosto de 2007 a Kanal D Tv: “A expressão ‘Islã moderado’ é torpe e ofensiva. Não existe Islã moderado. Islã é Islã. “

Então, não é cantando a Marselhesa ou invocando “valores” não-existentes do laicismo jacobino do Estado que se chora realmente pelos mortos. Nós também derramamos lágrimas. Mas, elas são inúteis, até que se abram os olhos. Enquanto isto, como disse o Padre Guy Pagès, especialista sobre o Islã, não devemos considerar o “Islã como uma religião qualquer” porque, fazendo isso, “escancaramos as nossa portas à guerra da conquista que Allá prescreve aos muçulmanos: “E combatei-os até terminar a perseguição e prevalecer a religião de Alá” (Alcorão, 2,193). Caso contrário, não adianta chorar.

Tags:
28 setembro, 2015

“Depois de Palmira, querem o Louvre”.

Fala Boulad, o jesuíta que soa o alarme ao Ocidente moribundo. O abandono dos cristãos testemunha a crise moral e espiritual do Ocidente.

Padre Henri Boulad, sj. Padre Henri Boulad, sj.De Giulio Meotti, 25 de setembro de 2015, Il Foglio | Tradução: FratresInUnum.com –  Roma. A cada cinco minutos, um cristão no mundo é morto por causa de sua fé. É o que revela um relatório da ONG Christian Freedom International: são duzentos milhões, os cristãos perseguidos. “A Europa tem sangue em suas próprias mãos pelo que ocorre com os cristãos no Oriente Médio”, disse ao jornal Foglio Henri Boulad, padre e teólogo egípcio, ex-reitor do Colégio dos Jesuítas do Cairo, autor de trinta livros traduzidos em todo o mundo. “E o abandono dos cristãos testemunha a crise moral e espiritual que levou o Ocidente a vender seus princípios e valores”.

O epicentro da perseguição aos cristãos hoje são Iraque e Síria, onde, segundo a ONG Christian Freedom International, o Estado Islâmico está transformando as igrejas em centros de tortura. Há mais cristãos martirizados nos séculos XX e XXI do que nos dezenove séculos precedentes.

O avô de Henri Boulad escapou de um massacre em Damasco no ano de 1860, onde dezenas de milhares de cristãos foram massacrados em uma semana. Nascido em Alexandria em 1931, de origem sírio-italiana, padre Boulad concluiu seus estudos de teologia no Líbano, de filosofia na França, de psicologia nos Estados Unidos. Superior dos jesuítas em Alexandria e vice-presidente da Caritas Internacional, Boulad é também conhecido como “o profeta do otimismo”. “A Europa e o Ocidente que se calam sobre as perseguições aos cristãos são cristófobos”, disse ainda Boulad ao Foglio. O Departamento de Estado americano é relutante em emitir vistos aos cristãos enquanto minoria sob ataque. Faith McDonnel, do Institute on Religion & Democracy, denuncia que a postura da diplomacia americana é motivada no fato de não se querer reconhecer a perseguição operada contra os cristãos enquanto tal. Na Inglaterra ocorre o mesmo, tanto que Lord Carey, ex-arcebispo de Canterbury, subscreveu um apelo ao governo Cameron pedindo que “acolhesse os refugiados cristãos e lhes concedesse prioridade como requerentes de asilo”, recordando que “os cristãos iraquianos e sírios têm sido massacrados, torturados e reduzidos à escravidão”. Na França se pôde ouvir o especialista na Síria da Universidade de Tours, Frédéric Pichon, que denunciou no último 11 de setembro na Rádio Courtoisie: “Existem ordens precisas da parte do governo para ignorar o problema dos cristãos do oriente”:

Palmira, cidade histórica semita no centro da Síria, foi tomada e destruída pelo Estado Islâmico.

Palmira, cidade histórica semita no centro da Síria, alvo do Estado Islâmico.

“É a traição da própria Europa”, nos diz Boulad. “Vinte anos atrás, eu escrevi um artigo intitulado ‘Europa, cuidado para não perder tua alma!’. Hoje, [tal perda] é quase completa. O Ocidente perdeu aquilo que lhe permitiu ser o veículo de cultura, civilidade, humanismo, valores espirituais. Aquilo que fez do Ocidente o farol do mundo, que produziu o Renascimento e a Declaração Universal dos Direitos Humanos, Michelangelo, Pascal e Beethoven, está lentamente morrendo diante dos nossos olhos”.

Como explicar a cegueira europeia sobre o islã? “A Europa não faz ideia de que coisa seja o islã e mesmo a Igreja Católica está totalmente inconsciente. Os muçulmanos moderados são uma legião, mas o islã moderado não existe. É um desejo piedoso, uma utopia sob a forma de wishful thinking. Trata-se de uma projeção daquilo que queríamos que fosse o islã e que poderia ter sido se todas as tentativas de reforma não tivessem sido sistematicamente bloqueadas desde o século IX. Tenho um relacionamento de amizade com os muçulmanos. Nas nossas escolas católicas, temos cinquenta por cento de alunos muçulmanos. Nas nossas clínicas, a maior parte dos pacientes é muçulmana. É o islã que é problemático. A grande maioria dos muçulmanos rejeita o islã radical, mas no fim são os extremistas que têm a última palavra e o seu argumento decisivo não é o diálogo, é a lâmina ou a pistola. O islã está destruindo Palmira, mas deseja também o Louvre. Toda a nossa civilização está a ser posta em jogo com a islamização da Europa”.

Henri Boulad, na sua crítica, inclui também a Igreja Católica. “O Papa Francisco em uma mensagem depois do massacre dos cristãos disse que a verdadeira interpretação do islã não prevê a violência, quando ao invés disso é o próprio Corão que prescreve a violência contra os infiéis. Há um complô de politicamente correto atualmente no Ocidente. Esconde-se a verdade, sobretudo através dos meios de comunicação que filtram as informações. A Europa corre o risco de se tornar uma civilização islâmica. O risco é enorme. O Ocidente é estúpido e vende a própria alma ao diabo. Mas é um bumerangue. E penso que já seja muito tarde. O verme está no fruto. Um dia, este magnífico edifício da Civilização Ocidental tombará sozinho”.

25 setembro, 2015

Bispo húngaro: “Isto é, na verdade, uma invasão muçulmana da Europa”.

O Papa Francisco está errado em pedir ajuda para o mar de refugiados; isto é, na verdade, uma invasão muçulmana da Europa, diz bispo húngaro.

Por Christian Today | Tradução: FratresInUnum.com – Papa Francisco, o chefe da Igreja Católica Romana, recebeu na segunda-feira uma refutação extraordinária do principal líder católico do sul da Hungria, Dom Laszlo Kiss-Rigo, que afirmou estar o pontífice errado em dizer que os católicos têm o dever moral de ajudar as centenas de milhares de refugiados do Oriente Médio, que fluem para a Europa.

Eles não são refugiados. Isto é uma invasão“, disse Kiss-Rigo. “Eles chegam aqui com gritos de ‘Allahu Akbar’. Eles querem nos conquistar.”

A Europa está sendo tomada por infiéis que se apresentam como refugiados e que constituem uma ameaça séria para os “valores cristãos universais” do continente, disse ele.

O bispo não está sozinho em suas dúvidas e medos sobre a onda de estrangeiros de língua árabe que cruzam as fronteiras europeias. O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, também vê o fluxo de imigrantes como uma ameaça à Europa predominantemente cristã.

Correndo o risco de atrair para si um desprezo em escala global, Orban tomou medidas para tentar deter o êxodo de refugiados na sua maioria provenientes da Síria. Ele restringiu o fluxo deles, chegando a colocar alguns na prisão.

Concordo plenamente com o primeiro-ministro,” disse Kiss-Rigo disse em uma entrevista ao Washington Post na segunda-feira.

O bispo disse que muitos dos ditos refugiados não merecem ajuda porque eles “têm dinheiro.”

Eles deixam lixo ao longo do seu caminho e recusam a comida que se lhes oferecem pela ajuda humanitária, disse Kiss-Rigo, que atua há nove anos como bispo no sul da Hungria, uma região onde vivem cerca de 800.000 católicos.

A maioria deles se comporta de uma maneira que é muito arrogante e cínica“, disse ele.

Kiss-Rigo disse que o Papa Francisco está muito mal informado sobre o que realmente acontece. Ele “não conhece a situação“, afirmou.

Anteriormente, o papa falou para peregrinos e turistas na Praça São Pedro, apelando a paróquias, conventos e mosteiros em toda a Europa para que sejam “próximos” dos refugiados.

Diante da tragédia de dezenas de milhares de refugiados, que fogem da morte pela guerra e pela fome, e que caminham rumo a uma esperança de vida, o Evangelho chama-nos a sermos próximos para os mais pequeninos e abandonados, dando-lhes esperança concreta“, disse o Papa Francisco.

Não é o suficiente dizer ‘Tenham coragem, perseverem‘”, acrescentou.

O Papa citou o exemplo da Beata Teresa de Calcutá, que nasceu na Albânia, na Europa, mas foi para a Índia para cuidar dos mais pobres entre os pobres.

Que cada paróquia, cada comunidade religiosa, cada mosteiro, cada santuário na Europa possa acolher uma família, começando com a minha diocese de Roma“, disse Francisco.

Ele acrescentou que duas paróquias no Vaticano também abrigarão duas famílias de refugiados. Um porta-voz do Vaticano, padre Ciro Benedettini, disse que o Vaticano está agora decidindo quais as famílias de refugiados que serão hospedadas.

Tags: ,
21 setembro, 2015

É assim que Inglaterra e França discriminam os cristãos no acolhimento aos refugiados.

O alarme do Arcebispo da Cantuária: “Apenas os refugiados dos acampamentos da ONU? Mas ali os islamitas expulsam os cristãos”. Na França, por sua vez, há “exigências específicas”.

Por Tempi | Tradução: Gercione Lima – FratresInUnum.com: Inglaterra e França se comprometeram a acolher, respectivamente, 20 mil e 24 mil imigrantes, mas as regras estabelecidas por ambos os governos discriminam os cristãos, que é o grupo de pessoas que mais necessita de acolhimento.

“CRISTÃOS SÃO DEIXADOS POR ÚLTIMO”. O alarme foi soado na Inglaterra pelo ex-arcebispo da Cantuária, Lord Carey, que escreveu no Telegraph: “Quem entre nós pede há meses compaixão pelas vítimas da Síria, vive uma grande frustração, porque a comunidade cristã, mais uma vez, é abandonada e deixada por último”. O primeiro-ministro David Cameron, de fato, anunciou que acolherá somente aqueles que já se encontram em um acampamento de refugiados das Nações Unidas.

DISCRIMINAÇÃO. “Mas, assim – continua o antigo primaz anglicano -, Cameron inadvertidamente discrimina as comunidades cristãs, que são as mais afetadas por esses carniceiros desumanos que se autodenominam Estado islâmico. Você não vai encontrar nenhum cristão em campos da ONU, porque eles são atacados e feitos alvos dos muçulmanos que os expulsam desses campos. Por isso, eles procuram refúgio em casas particulares e nas igrejas”.  Ao invés de discriminar os cristãos, “a Inglaterra deveria considerá-los uma prioridade, porque eles são o grupo mais vulnerável. Além disso, nós somos uma nação de origem cristã e os cristãos sírios não teriam problemas para se adaptar. Alguns não vão gostar do que eu vou dizer, mas nos últimos anos a imigração muçulmana em massa para a Europa tem sido excessiva e levou ao surgimento de guetos onde eles vivem à  margem da sociedade”.

APELO DOS ANGLICANOS: Após a publicação deste artigo, o atual arcebispo da Cantuária, Justin Welby, falou pessoalmente do problema durante uma reunião privada com o primeiro-ministro britânico. Ele repetiu as palavras pronunciadas segunda-feira diante da Câmara dos Lordes: “Nos campos de refugiados da ONU, a radicalização e a intimidação são generalizadas. Assim, a população cristã foi forçada a fugir desses campos. Qual é a política do governo para alcançar os refugiados que não estão nos campos?”.

EXIGÊNCIAS PRECISAS. O problema da discriminação contra os cristãos no acolhimento de refugiados não acontece apenas na Grã-Bretanha, mas também na França. O especialista em Síria da Universidade de Tours, Frederic Pichon, declarou em 11 de setembro na Rádio Courtoisie: “Esta tarde, eu falei com um alto funcionário da República que trabalha no acolhimento de refugiados e ele me disse que eu poderia divulgar essa informação. Então, eu aproveito esta oportunidade para fazê-lo: há exigências específicas da parte do governo para ignorar o problema dos cristãos no Oriente”.

INÚTIL PEDIR VISTO. Em primeiro lugar, de acordo com as informações de Pichon, o motivo pelo qual “os cristãos iraquianos e sírios esperam até oito meses por um visto na sede da Embaixada da França no Líbano” é porque “o dossier sobre cada um deles é examinado por uma empresa privada de propriedade de um muçulmano sunita”. Ele continua: “É um alto funcionário, um prefeito que me revelou que ele mesmo aconselhou os cristãos a não buscar os vistos, mas tentar atravessar através da Turquia”, e depois buscar as vias ilegais percorridas por todos os outros imigrantes ilegais, “se eles quiserem arriscar a ter uma chance”.

CONTRA O REGIME. Mas o que seriam essas “exigências precisas” por parte do governo? “Segundo o que me revelou o funcionário do governo francês, o conceito é o seguinte: ‘Sírios podem ser acolhidos, mas sob a condição de que eles não sejam favoráveis ao regime [Assad]'”. Subentendido: se você é alauíta ou cristão, você é considerado pró-regime, e assim o seu visto “nunca chegará”.

TRADUTORES ÁRABES. Este não é o único problema. Falando no mesmo programa de rádio, Marc Fromager, chefe da “Aide à l’Eglise en détresse” (Ajuda à Igreja que Sofre) revelou: “Não é de hoje que eu recebo denúncias desse tipo aqui na França”. Por exemplo, os cristãos egípcios que fogem do seu país, porque são ameaçados. O caso deles está sendo tratado com a ajuda de tradutores de árabe que são quase todos muçulmanos de origem norte-Africana. Estranhamente, quase nunca acontece destes cristãos serem reconhecidos como tendo direito a asilo político e assim são rejeitados. Ao invés disso, os muçulmanos são bem-vindos com muita facilidade. Seria necessário tradutores neutros sob o plano religioso e que façam seu trabalho com isenção, porque era evidente que os cristãos egípcios se encontravam em perigo físico”.

Tags:
9 setembro, 2015

Igreja dos mártires, Igreja do sangue.

“O nome da nossa igreja é Igreja dos mártires, Igreja do sangue. Antes de 2003, no Iraque, havia mais de 2 milhões de cristãos, hoje somos pouco mais de 200.000. Eu não estou aqui para incentivar o ódio contra o Islã, estou aqui para representar o meu povo e eu lhes digo que se há alguém aqui que ainda pensa que o ISIS não representa o Islã, está muito enganado: o ISIS é o Islã 100 por cento.

Menino iraquiano cristão que fugiu com a família da vila de Hamdania- província de Mosul.

Menino iraquiano cristão que fugiu com a família da vila de Hamdania- província de Mosul.

Nasci entre muçulmanos, tenho mais amigos entre muçulmanos do que cristãos, mas não posso deixar de dizer o mesmo que Papa Francisco: o que está ocorrendo não é apenas um conflito, existe um genocídio em curso […] Os cristãos no Oriente Médio sofrem tudo isso. Quando eu estava acorrentado [na prisão], minha corrente tinha 10 anéis e um grande bloqueio: eu usei-a como um rosário, rezando uma Ave Maria para cada anel e o Pai Nosso para o bloqueio. Eu não estou com medo, eu não sou um herói, e eu não estou reclamando do que me aconteceu. Nós carregamos a cruz e seguimos a cruz de Jesus. Eu sei que a última palavra será nossa, porque Jesus nos salvou. Estou aqui para dizer a vocês: sejam a nossa voz, falem e despertem. O câncer está às vossas portas e vos destruirá. Os cristãos no Oriente Médio, no Iraque, são o único grupo que viu de perto a face do mal: o islã.

Orem pelo meu povo, ajudem o meu povo, salvem meu povo. Por que deixar as ovelhas jogadas em meio aos lobos? Eu sou apenas um sacerdote, em breve, provavelmente, irão me matar e nos destruirão. Mas nós pertencemos a Jesus, Jesus é a nossa terra prometida. Mas, vocês, porém, devem agir, obrigado”.

Palavras de Padre Douglas Al Bazi, pároco de Erbil (Kurdistão iraquiano), no Meeting de Rimini [Congresso do movimento Comunhão e Libertação na Itália], no mês passado, ao falar da situação dramática dos cristãos perseguidos no Oriente Médio.

O sacerdote, há um ano, viu chegar em sua paróquia mais de 120.000 cristãos em fuga do Estado islâmico, não mede palavras ao descrever o seu calvário e o de seu povo. O pastor de Erbil também contou a sua história, sobre a sua igreja bombardeada por terroristas, o sequestro que ele sofreu nas mãos de extremistas muçulmanos com torturas que se prolongaram por nove dias, enquanto seus algozes ouviam na televisão as leituras do Corão. 

Tradução: Gercione Lima | FratresInUnum.com

Tags:
6 setembro, 2015

Foto da semana.

siria

Aylan Kurdi, um pequeno sírio de apenas 3 anos, é encontrado morto em uma praia na Turquia (a quem vigário de Aleppo acusa de cumplicidade). Ele e sua família fugiam da perseguição do Estado Islâmico e esperavam, após passar pela Grécia, chegar ao Canadá.

“Não abandoneis ao abutre a vida de vossa pomba, não esqueçais para sempre a vida de vossos pobres. Olhai para a vossa aliança, porque todos os recantos da terra são antros de violência. Que os oprimidos não voltem confundidos, que o pobre e o indigente possam louvar o vosso nome. Levantai-vos, ó Deus, defendei a vossa causa”. (Sl 73, 19-22).

* * *

Reze e comungue hoje pelos perseguidos na Síria, berço do cristianismo. Ainda, ajude alguma entidade que envie fundos para a região, como a Ajuda a Igreja que Sofre ou o Pontifício Instituto das Missões Exteriores (se algum leitor souber de outras formas ou iniciativas para ajudar os perseguidos, avise-nos na caixa de comentários).

 * * *

Se os ditos “progressistas” de esquerda ocidentais clamam por uma abertura indiscriminada das fronteiras da Europa, eles se calam vergonhosamente sobre a causa do êxodo: a diabólica perseguição islâmica. É preciso pôr fim imediatamente ao que chamam de extremismo ou fundamentalismo islâmico, mas que é a face mais conhecida e frequente em toda a história dessa religião que nunca foi de paz. É preciso dar nome aos bois: quem mata, quem persegue, quem comete as maiores barbáries é o islã!

Tags:
12 agosto, 2015

Síria. O vigário católico de Aleppo acusa a Turquia e o Ocidente: são cúmplices do ISIS.

Por Coordinamento Nazionale per la pace in Siria | Tradução: FratresInUnum.com – O vigário católico de Aleppo, monsenhor Georges Abou Khazen acusa a Turquia e as grandes potências de terem criado o Estado Islâmico (ISIS), de continuar a treinar-lhe os militantes e de comprar dos terroristas tanto petróleo quanto achados arqueológicos saqueados na Síria. “A gente teme que os turcos queiram combater os curdos com o pretexto do ISIS”, explica ainda, comentando as operações militares que a Turquia está realizando contra o ISIS na Síria e contra os curdos do PKK [ndt: PKK é o Partido dos Trabalhadores do Curdistão – Partiya Karkerên Kurdistanê] no Iraque.

“Se é um pretexto da Turquia para criar uma zona independente da Síria – afirma – então se torna um pouco perigoso. Se é um pretexto para combater os curdos e aumentar a confusão e a violência, então não é um sinal positivo. Sabemos bem que a Turquia permitiu ao ISIS entrar em seu território, armar-se e obter seu treinamento.”

“O ISIS – prossegue – é um instrumento nas mãos das grandes potências, por elas foi criado, armado e sustentado. Em vez de combatê-lo em terra, compram o seu petróleo e os achados arqueológicos roubados nessas terras”.

“Sabemos bem quem está comprando essas coisas do ISIS – complementa Mons. Khazen –, não se deve dar armas aos homens do ISIS e não deviam treiná-los. Nos países limítrofes da Síria, entre os quais se inclui a Turquia, há verdadeiros e próprios campos de treinamento”.

“Os homens do ISIS – acrescenta o vigário de Aleppo – tomaram as zonas onde há petróleo, começaram a vendê-lo a 10 dólares o barril e agora a 30 dólares. E quem está comprando petróleo e achados arqueológicos? Certamente não são os somalis e aqueles da Mauritânia”.

Mons. Khazen também ressalta que “com o ISIS, não traficam somente as companhias ocidentais. E quem perde a vida é essa pobre gente. Nós temos na Síria 23 grupos étnico-religiosos diferentes que constituíam um belo mosaico. E agora em que estão se transformando? E nos falam dos direitos humanos”.