Posts tagged ‘Padre Federico Lombardi’

29 abril, 2014

Lombardi sobre a santidade de Roncalli e Wojtyla: negá-la significaria…

No final da tarde de terça-feira, dia 22 de abril, o Padre Federico Lombardi se reuniu com jornalistas na sala reservada à imprensa internacional. – A dupla canonização do domingo dia 27 de abril recorda a importância do Concílio Vaticano II como um período fundamental para o caminho da Igreja dos nossos dias –Negar a santidade de João XXIII e João Paulo II, significaria acreditar que eles estão no inferno, o que é algo realmente muito difícil depois das investigações acuradíssimas feitas pela Igreja. 

Por Giuseppe Rusconi – Rossoporpora.org, 22 de abril de 2014| Tradução: Fratres in Unum.com –  Quando o Padre Lombardi vem à sala de Imprensa Internacional é sempre uma festa, visto que os jornalistas credenciados geralmente não economizam nas perguntas de todo tipo a respeito do assunto em discussão (confiram artigo “Imprensa Internacional: Padre Lombardi sobre Papa Francisco” do dia 25 de abril de 2013 nesse site,  título  “Papa Francesco”). E o Diretor de imprensa do Vaticano tenta sempre responder com honestidade, amabilidade, dentro dos limites do que se sabe, muitas vezes, salpicando tudo com uma pitada de humor que nunca é demais.

federico-lombardi-300x350Desta vez, novamente ao falar sobre a próxima canonização do Papa João XXIII e João Paulo II, deu as respostas que melhor esclarecem o evento. Basicamente, quando ele apontou o motivo do evento explicou: “porque nós estamos no cinquentenário do Concílio Vaticano II” e, portanto, há uma razão precisa para render culto universal ao Papa Roncalli que deu início ao Concílio e ao Papa Wojtyla que dele participou, buscando, em seguida, já como Papa,  inspirar-se no mesmo e aplicá-lo à toda Igreja. Em suma “é preciso fazer com que a Igreja que continua sua jornada, volte a se inspirar no Concílio” pois há “uma intenção de relançar o Concílio como um elemento fundamental na vida da Igreja.”

Padre Lombardi  evocou também as as etapas usuais dos processos de canonização : “no nosso caso , é verdade que – sob a decisão legítima do Papa Francisco, assim como foi requerido pela Postulação e pela Diocese de Bergamo – João XXIII foi dispensado da exigência de um segundo milagre (normalmente necessário para passar do estágio de beatificação à canonização). E também é verdade que – por uma decisão legítima de Bento XVI — João Paulo II também foi dispensado dos cinco anos necessários após a morte para se dar início ao processo e além do mais o Papa polonês foi privilegiado com um processo rápido no estilo “fast track”. Todavia — observou o Pe. Lombardi –- a investigação foi feita de forma acurada e aprofundada: só os tempos é que foram reduzidos”. Quando uma pessoa, inclusive um Papa, é declarada como santo, não é que se queira entender com isso que ela viveu uma vida perfeita. O porta-voz do Vaticano sublinhou ainda: isso significa que tal pessoa viveu de maneira extraordinária (ou seja, muito além do ordinário) as virtudes cristãs. Mas, por exemplo, num Pontificado longo como o do Papa Wojtyla, é evidente que pode haver também momentos em que a avaliação pode ser diferenciada. De resto, no tocante à canonização dos Papas, as opiniões são diferentes: há também aqueles que não as consideram adequadas (“Andreotti uma vez me disse a mesma coisa”). Nem sempre um grande Papa se torna necessariamente um santo para a Igreja. Como testemunha disso temos os exemplos dos Papas Bento XV e Pio XI (“Se vê que esse último não inspirou tanta devoção como João XXIII e João Paulo II”).

Mas – perguntamos então – um Católico, pode em sã consciência negar a santidade de João XXIII e João Paulo II? “Para negar a santidade, se deverá pressupor que eles se encontram no inferno”. E isso parece muito difícil, considerando as investigações acuradíssimas por parte da Igreja. E um católico — insistimos — pode ser cético sobre a santidade dos dois Papas? “A Igreja tem tantos santos… alguns podem especialmente gostar mais de São Francisco, enquanto outros não… e essa é a beleza da variedade de caminhos para se alcançar a salvação… Cada um pode ter simpatia por um santo em particular, que oferece um caminho próprio e diferente do oferecido por outro… Ninguém está forçando o católico a dizer que ele tem que gostar de todos os santos de uma forma indiferenciada… há tantos caminhos da salvação!”

Sobre João Paulo II, respondendo depois a uma pergunta “sobre ele  ter sido um fenômeno midiático”, Padre Lombardi observou que um Papa deve comunicar-se com vigor, deve proclamar o Evangelho: “O Papa Wojtyla costumava dizer as coisas que ele queria dizer, honestamente, com coragem e não porque deveria agradar a mídia!”

24 abril, 2014

Desmentidos que confirmam e esclarecimentos que confundem.

A chamada do Papa – esclarecimento Vaticano

Por Andrés Beltramo Alvaréz | Tradução: Fratres in Unum.com – Depois da polêmica das últimas horas sobre a chamada telefônica do Papa à senhora Jaqueline Lisbona, da cidade de San Lorenzo, em Santa Fé, Argentina, o diretor da sala de imprensa do Vaticano acaba de emitir a seguinte comunicação, que reproduzimos aqui na íntegra. É importante esclarecer que a doutrina da Igreja Católica em matéria da comunhão não mudou.

Evidentemente, era necessário um esclarecimento da parte da Santa Sé. Talvez poderia ter chegado antes. Considero, por outro lado, infeliz a passagem que pretende culpar os jornalistas, que só fazem o seu trabalho, pela confusão. Não somos ingênuos, sempre haverá quem busque levar “água para o seu moinho” e manipular a situação para favorecer certa agenda. Porém, o passado recente deixou bastante claro o quão negativo pode ser para a Igreja apontar o dedo contra toda a imprensa, sem distinguir nem considerar matizes. Os resultados deste exercício nunca foram bons.

É também relevante observar que a declaração não desmentiu a chamada do pontífice. Só fala genericamente de colóquios pessoais. Seria mais simples negar de maneira clara o telefonema. Mas se não o fez, é por algo. Isso para quem, com boa vontade, tinha duvidado abertamente da veracidade do relato de Lisbona. Dito isso, eis a declaração completa.

* * *

Declaração do Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé

No âmbito das relações pessoais pastorais do Papa Francisco houve diversas chamadas telefônicas.

Como não se trata, absolutamente, da atividade pública do Papa, não há que se esperar informações ou comentários por parte da Sala de Imprensa.

As notícias difundidas sobre essa matéria — já que estão fora do âmbito próprio das relações pessoais — e sua amplificação midiática não têm, portanto, confirmação alguma de confiabilidade e são fonte de mal-entendido e confusão.

Portanto, há de se evitar deduzir desta circunstância consequências relativas ao ensinamento da Igreja.

20 julho, 2013

“Lobby gay”: Padre Lombardi desmente. Magister: “Temos provas”.

Atualização sobre matéria publicada ontem sobre o “Lobby Gay”. Sandro Magister desafia o Vaticano: “Temos provas”

Questionado sobre a reportagem de capa do semanário L’Espresso acerca da destacada promoção, pelo Papa Francisco, de um suposto membro do “Lobby Gay” Vaticano, o Pe. Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, definiu a acusação como “não confiável” (non attendibile). Não só isso, de acordo com o jornalista Matteo Matzuzzi no Twitter, Lombardi teria dito hoje que “o Papa teve a oportunidade de verificar se as acusações contra Mons. Ricca eram consistentes ou não”, e que “o Papa Francisco está ciente das acusações feitas contra Mons. Ricca, mas decidiu mantê-lo em sua posição.”

Sandro Magister, o conhecido vaticanista e autor do artigo, e o semanário L’Espresso (institucionalmente) reagiram:

Pobre Padre Lombardi, as coisas que ele tem que dizer…

Esta foi a resposta imediata de L’Espresso:

“Para o Pe. Lombardi, que define como “não confiável” o que foi publicado sobre Mons. Ricca, L’Espresso responde reafirmando ponto por ponto os fatos referidos por Sandro Magister em seu artigo, confirmados por muitas fontes primárias e ao mesmo tempo julgadas, na época de tais atos graves, pelas próprias autoridades do Vaticano, a ponto de obrigá-las a remover o monsenhor da nunciatura do Uruguai, junto à qual prestava serviço, sendo causa de escândalo a bispos, sacerdotes, religiosos e leigos daquele país.

“Pode-se acrescentar que as autoridades do Vaticano, em vez de produzirem desmentidos improváveis e de improviso, poderiam verificar a confiabilidade de tudo o que foi publicado por L’Espresso simplesmente consultando a documentação exaustiva, que está em sua posse, sobre o caso, em particular aquela relacionada ao seu tempo na nunciatura em Montevidéu. Outras documentações estão disponíveis junto a autoridades uruguaias, de forças de segurança a bombeiros. Sem mencionar os numerosos bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos que, no Uruguai, foram testemunhas diretas do escândalo, e estão prontos para falar.”

Publicado originalmente em: Blog de Sandro Magister

Traduzido de Rorate-Caeli por Igreja Militante

8 janeiro, 2013

Pe. Lombardi: Magistério da Igreja e Concílio dizem que judeus não são inimigos da Igreja.

MASSIMO PERCOSSI/ANSA

Rádio Vaticano | Cidade do Vaticano – “Uma tradição magisterial de dezenas de anos por parte dos Papas e da Igreja, unida a seu compromisso com o diálogo inter-religioso, demonstra que de nenhuma forma é possível falar dos judeus como `inimigos da Igreja´”. Foi o que afirmou o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, respondendo ao apelo de jornalistas para que fizesse algum comentário sobre as declarações de Mons. Fellav (sic), superior da comunidade São Pio X.

Sem entrar no mérito das declarações de Mons. Fellav (sic), Padre Lombardi preferiu destacar como a Igreja Católica expressa sua relação com os judeus, de maneira particular no documento do Concílio Vaticano II Nostra Aetate, e como os Papas tem demonstrado frequentemente, com palavras e gestos, a grande importância atribuída ao diálogo com os judeus.

Padre Lombardi também recordou as significativas visitas dos dois últimos Pontífices a diversas sinagogas e ao Muro das Lamentações, em Jerusalém. O Papa Bento XVI, em particular, visitou a Sinagoga de Colônia em 2005, uma Sinagoga em Nova York em 2008 e a Sinagoga de Roma em 2010.(JE)

2 outubro, 2012

Grandes mudanças no Vaticano. Monsenhor Guido Pozzo “promovido”. Padre Lombardi poderia se aposentar.

Em acréscimo às informações abaixo, Andrea Tornielli afirma que Monsenhor Guido Pozzo, até o momento Secretário da Comissão ‘Ecclesia Dei’, seria nomeado Esmoleiro de Sua Santidade, o Papa Bento XVI. Embora promovido à dignidade de Arcebispo, ele deixaria um cargo de importante influência na política eclesial para passar à função de burocrata de gabinete. Com pouco mais de três anos na Comissão Ecclesia Dei, Pozzo não foi muito bem avaliado em sua atuação no diálogo entre Santa Sé e Fraternidade São Pio X, sendo frequentemente acusado de intransigência na defesa de suas posições pessoais. O esmoleiro pontifício faz parte da Casa Pontifícia e é delegado pelo Santo Padre para conceder a Bênção Apostólica por meio de um diploma em pergaminho, assim como para exercer a caridade para com os pobres em nome do Papa com modestas contribuições.

* * *

IHU – Preparam-se algumas grandes mudanças no Vaticano, segundo rumores de uma certa confiabilidade. E, ao que parece, essas novas nomeações devem demonstrar ainda mais que Bento XVI e os seus principais colaboradores veem nos Estados Unidos tanto um dos principais “frontes” de combate contra a secularização, quanto como a fonte de onde tirar energia para a solução dos problemas.

A reportagem é de Marco Tosatti, publicada no sítio Vatican Insider, 01-10-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Deveriam – e, como sempre, quando se trata de decisões desse tipo, o condicional é necessário, porque nem Bento XVI nem o seu secretário de Estado parecem ser napoleônicos nesse campo – voltar aos EUA o atual secretário da Congregação que se ocupa da vida religiosa, Joseph William Tobin. Provavelmente para uma diocese importante, talvez Indianápolis.

Uma promoção? Talvez, mas ao que parece o seu “chamado de volta” foi desejado e pedido pela Igreja norte-americana, que não apreciou o papel de Tobin no esclarecimento em curso com as irmãs “rebeldes”. Particularmente, as declarações conciliatórias e uma atitude que aos bispos norte-americanos envolvidos em um problema difícil não parecia ser de grande apoio. Ao contrário. E que estava em ruptura com a posição assumida pelo prefeito anterior, Franc Rodé, preocupado com o desvio “nova era” de muitas religiosas norte-americanas. O nome do possível sucessor de Tobin não é conhecido. É possível que seja um religioso, já que o prefeito da Congregação não é.

A mudança mais importante midiaticamente – se os rumores forem verdade – poderia se referir à Sala de Imprensa da Santa Sé. O padre Federico Lombardi, o jesuíta que herdou a nada simples tarefa de ser porta-voz do papa, completou 70 anos em agosto passado. Ele é o diretor da Rádio do Vaticano e tem a responsabilidade pelo Centro Televisivo Vaticano.

Em suma, parece que está sendo considerada a hipótese de uma substituição. Ainda de acordo com os rumores, poderia ser um leigo, desta vez; como Greg Burke, o “consultor” da Secretaria de Estado para o setor da informação. Não deveria ser um italiano, pelo que se diz, porque o interesse e o foco da sua atividade deveria ser os meios de comunicação estrangeiros e anglófonos, em particular. É provável que seja um norte-americano ou talvez algum especialista do mundo midiático de língua inglesa.

E, finalmente, deve ser substituído o vazio deixado pelo arcebispo Jean-Louis Bruguès na Congregação para a Educação Católica. Bruguès foi nomeado bibliotecário da Santa Igreja Romana. O prefeito da Congregação, o cardeal polonês Grocholewski, não é avesso a uma solução “interna”, com a nomeação de Dom Vincenzo Zani, agora subsecretário. Mas não se exclui a possibilidade – ao contrário, parece ser essa a orientação predominante – da chegada de um secretário estrangeiro. E – coincidentemente – dos Estados Unidos. America uber alles…

16 maio, 2012

O comentário do Padre Lombardi.

Com informações de Sir – “Um processo que continua ainda totalmente aberto” e  “não é oportuno neste momento prever prazos”. Assim comentou o porta-voz da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, SJ, sobre o comunicado de hoje a respeito da Fraternidade São Pio X.

“Não é questão de prazos muito curtos e de última fase, como poderia parecer”, acrescentou a respeito do resultado da reunião de hoje, da qual participaram cerca de 20 a 30 pessoas. Padre Lombardi ainda disse que é necessário fazer uma “distinção” entre o procedimento que continua, baseado na resposta de Dom Fellay, e o exame das posições tomadas por cada um dos bispos da Fraternidade.

21 abril, 2012

Começa o 8º ano do pontificado de Bento XVI. Os votos do Padre Lombardi.

Em seu editorial para a Rádio Vaticano, o Padre Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, envia seus votos ao Papa Bento XVI no início de seu oitavo ano de pontificado:

“Desejamos que possa chegar à conclusão do diálogo com a Fraternidade São Pio X como espera, isto é, de modo que se supere uma dolorosa fratura sem que se abram novas”.

Voto ou ameçada velada, hein Padre Lombardi?

6 julho, 2011

A FSSPX, obra ilegítima?

Por Enemmond – Tradução: Fratres in Unum.com

Para o Padre Lombardi, as ordenações conferidas pela FSSPX seriam ilegítimas. Ele acaba de recordá-lo. A Rádio Vaticano se apressou em retransmitir a mensagem. Somos levados a perguntar o que seria legítimo na Igreja:

– Participar ativamente em ordenações de mulheres na Inglaterra? Sim, isso é legítimo, Dom Nourrichard o fez sem sanção. Continua bispo de Evreux.

– Afirmar que Jesus Cristo não morreu para expiar os pecados dos homens? Sim, é legítimo. Dom Zollitsch o afirmou e continua presidente da conferência dos bispos alemães.

– Participar em missas show-rocks com balões de festa? Sim, é legítimo. O Cardeal Schönborn a “presidiu” e continua arcebispo de Viena.

– Sustentar que o sacerdócio é opcional? Sim, é legítimo. Dom Rouet escreveu um livro promovendo uma Igreja sem padres e acaba de deixar com honra o seu arcebispado em Poitiers para se aposentar.

– Pronunciar a shahada, ato de fé do Islã? Sim, é legítimo. O Cardeal Primaz das Gálias se gabou na catedral de Versailles de pronunciá-la no leito de morte de maometanos.

– Promover o sacerdócio das mulheres? Sim, é legítimo. O Cardeal Patriarca de Lisboa acaba de dizer que não haveria nenhuma razão fundamental para proibi-lo.

– Simplesmente continuar a celebrar a liturgia e a ensinar a doutrina como os Papas sempre celebraram e ensinaram até Pio XII? Não, não é legítimo. A FSSPX é punida por tal ação que, visivelmente, merece reprovação.

Como se quer fazer crer que haja alguma lógica canônica nisso tudo?

* * *

E você, caro leitor, poderia elencar algum ato “legítimo” realizado por seu bispo diocesano?

6 setembro, 2010

O catecismo do Padre Lombardi.

Assim se pronunciou o porta-voz da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, S.J., a respeito do caso da iraniana condenada à morte por apedrejamento:

A posição da Igreja contra a pena de morte é bem conhecida e o apedrejamento é uma forma particularmente brutal dela.”

Evidentemente, não pretendemos legitimar a sharia. No entanto, o próprio Catecismo da Igreja Católica (§2267), cuja adesão em alguns casos é tão insistentemente exigida, parece não ter sido bem assimilado pelo reverendíssimo jesuíta:

O ensino tradicional da Igreja não exclui, depois de comprovadas cabalmente a identidade e a responsabilidade de culpado, o recurso à pena de morte, se essa for a única via praticável para defender eficazmente a vida humana contra o agressor injusto.

Padre Lombardi deveria passar urgentemente por um curso de reciclagem de doutrina católica. Seu histórico de pronunciamentos denuncia a decadência da ordem à qual pertence e sua absoluta inaptidão ao cargo que ocupa.

23 julho, 2010

A ressurreição do velho esclarecimento do porta-voz da Santa Sé.

Está sendo difundida pela rede a notícia de que o Padre Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, teria retificado a informação dada por Dom Bernard Fellay de que o Papa Bento XVI celebraria a missa tradicional privadamente.

É importante notar que a matéria veiculada no Forum Catholique que deu início à difusão dessa informação [que já circula em alemão, italiano e português] data de 17 de julho… de 2007!

Portanto, o Padre Federico Lombardi não se apressou em corrigir o relato de Dom Fellay em sua visita ao Brasil, mas sim uma notícia de CWNews [em português aqui], que levantou o assunto pela primeira vez um dia antes desse “esclarecimento” do porta-voz da Santa Sé. “Esclarecimento” esse que deve ser visto à luz da grande repercussão, à época, das polêmicas suscitadas pela promulgação do motu proprio Summorum Pontificum e, por esse simples fato, considerado “cum grano salis”.

Ao passo que não há confirmação de que o Papa celebre realmente a missa tradicional, também não há nenhum novo desmentido por parte da Santa Sé. Cabe aos católicos considerar o grau de confiabilidade de Dom Bernard Fellay e do Padre Federico Lombardi…