Posts tagged ‘Plinio Corrêa de Oliveira’

13 novembro, 2015

Homilia de Dom Athanasius Schneider na Missa pelo 20º aniversário de morte de Plinio Corrêa de Oliveira.

Como oportunamente informamos, Dom Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Santa Maria em Astana, Cazaquistão, celebrou, no dia 3 de outubro deste ano, uma Missa Pontifical no Mosteiro de São Bento, em São Paulo, pelo 20º aniversário de falecimento de Plinio Corrêa de Oliveira. Sua Excelência gentilmente forneceu ao Fratres In Unum a íntegra de sua homilia, que divulgamos abaixo com exclusividade.

A homilia de Dom Athanasius Schneider

Queridos irmãos em nosso Senhor Jesus Cristo!

Segundo o calendário da liturgia Romana tradicional celebra-se hoje a festa de Santa Teresa do Menino Jesus e a Providência Divina fez que este dia fosse o dia do nascimento para a vida eterna de prof. Plínio Corrêa de Oliveira. Santa Teresinha era um profeta dos tempos modernos, lembrando-nos a graça da infância espiritual como o meio mais eficaz no caminho da santidade pessoal e no combate contra os espíritos malignos e os inimigos da Igreja. Santa Teresinha era por assim dizer uma grande enamorada da Igreja e já que a Mãe da Igreja é Maria, ela era uma alma inteiramente mariana. Ser autêntico filho da Igreja significa ao mesmo tempo ser uma alma mariana. Santa Teresinha afirmou: No Coração da Igreja Minha Mãe, eu serei o Amor, assim serei tudo, assim o meu sonho será realizado.

Dom Athanasius Schneider celebra Missa Pontifical no Mosteiro de São Bento. A seu lado, os padres brasileiros Vilmar Pavesi (esquerda na foto) e Bruno Costa, OSB (direita na foto).

Dom Athanasius Schneider celebra Missa Pontifical no Mosteiro de São Bento. A seu lado, os padres brasileiros Vilmar Pavesi (esquerda na foto) e Bruno Costa, OSB (direita na foto).

Estas palavras de fogo ressoam como um eco no seguinte testemunho pessoal que prof. Plínio proferiu em 1978 no aniversário do seu batismo: “Esta é a atitude de minha alma em todos os dias, em todos os minutos, em todos os instantes: procurar com os olhos a Igreja Católica e estar imbuído do espírito d’Ela, tê-lA dentro de minha alma, ter-me inteiro dentro d’Ela. E se [a Igreja] for abandonada por todos os homens, na medida em que isto fosse possível sem que Ela deixasse de existir, tê-lA inteira dentro de mim. Viver só para Ela, de tal maneira que eu possa dizer, ao morrer: ‘Realmente, eu fui um varão católico e todo apostólico, romano, romano e romano!’ ” (Reunião semanal de análise de noticias selecionadas de jornais e revistas, 6 de junho de 1978).

Vir totus catholicus et apostolicus plene romanus. Esta inscrição, que se lê no túmulo de Plinio Corrêa de Oliveira, no cemitério da Consolação de São Paulo, revela e resume toda a vida espiritual de prof. Plínio e de sua missão que Deus lhe deu a cumprir. Ser católico, apostólico e romano significa ser inflamado pelo amor à Igreja, e a Igreja aqui na terra é Cristo no Seu Corpo Místico, a Igreja é o reino de Cristo por meio de Maria: “regnum Christi per Mariam”, “adveniat regnum Tuum per Mariam!”. A chegada da mais plena realização do reino de Cristo na Igreja por meio de Maria –  este foi o lema e o cerne da doutrina e do apostolado de São Luis Maria Grignion de Montfort. Difundir sempre mais nas almas e na sociedade humana o reino de Cristo por meio de Maria, que se pode dizer também o reino de Maria, foi também o cerne e o coração de toda a vida e da obra de Prof. Plínio.  

Um dos meios espirituais mais eficazes para promover o reino de Cristo por meio de Maria é a consagração total à Maria na santa escravidão. A santa escravidão tornou-se a via espiritual de muitos santos, que se fizeram escravos de Maria Santíssima, e na escola de seu Imaculado Coração aprenderam a amar a Deus e fazer sua santa vontade. Santos como: São João Maria Vianney, São João Bosco, São Domingos Sávio, Santa Terezinha, Santa Gema Galgani, São Pio X, São Pio de Pietrelcina e tantos outros santos do nosso tempo, viram, na total consagração a Santíssima Virgem não uma “devoção qualquer” ou “mais uma devoção”, mas uma Devoção Perfeita, aquela devoção querida por Jesus ao fazer de cada um de nós filhos de sua Mãe Santíssima. O prof. Plínio não somente viveu com fidelidade esta santa escravidão, mas tornou-se um verdadeiro apóstolo desta consagração total a Maria.

A expressão íntima da consagração total a Maria, da escravidão santa, exprime-se no desejo da total e incondicionada entrega da própria vida como holocausto para difundir o reino de Cristo e repelir o reino anticristão. A voz interior da graça que falava à alma do prof. Plínio “o impelia a abraçar a luta contra-revolucionária. Era como se um clarão profético atravessasse as nuvens do seu futuro: não devia morrer, mas viver para combater. Mesmo nesta luta contra o reino anticristão, prof. Plínio deixou-se guiar pelo espírito de santa Teresinha, da entrega a Deus como holocausto, que a pequena Santa fez” (Roberto de Mattei, Plinio Corrêa de Oliveira. Profeta do reino de Maria, São Paulo 2015, p. 295).

Na hesitação de seguir ou o caminho escondido expiatório de Santa Teresinha que ele admirava ou o caminho da luta contra-revolucionária, o prof. Plínio resolveu o seguinte como ele mesmo relata: “Entrar por uma [parte da] via ensinada por Santa Teresinha [que consiste em] nunca pedir nada e nunca negar nada a Deus Nosso Senhor. Tudo que acontecesse aceitar, sem [fazer] o pedido divino: ‘Si fieri potest transeat a me calix iste’–‘Não tem fieri potest, não tem transite calix, beba o cálice logo que se apresentar e beba até o fim, consumando o seu sacrifício’. Eu cessei de pedir a Nosso Senhor e a Nossa Senhora qualquer coisa. Não pedia nada” (Conversas em sua residência, com um círculo reduzido de amigos, aos sábados após o jantar, 16 de julho de 1994).

Todas as fibras da alma de prof. Plinio anelavam pela luta em defesa da Igreja e da civilização cristã. Esta luta não excluía a possibilidade da morte. Ele ficaria feliz em morrer combatendo, mas a sua alma repugnava uma morte que tivesse excluído a luta: “Morrer, é belo. Os mártires morreram, as vítimas da Revolução Francesa morreram. Oferecer-se como vítima é lindo! Um doente na cama pode oferecer-se como vítima: Santa Teresinha do Menino Jesus ofereceu-se como vítima expiatória. Mas lutar tem uma beleza especial!” (Reunião semanal com os cooperadores mais jovens, aos sábados após o jantar, sobre temas de interesse para a juventude, 3 de agosto de 1974). “O bonito não é dizer o seguinte: eu gostaria tanto de minha vocação se ela não exigisse a luta. Mas é dizer o contrário: nunca a minha vocação é tão bela como quando eu luto! Aí é que a luta aparece com toda a sua grandeza, porque tem o caráter de uma afirmação do absoluto e Deus visita a alma de quem luta. Aquele que luta, [por assim dizer,] sente o absoluto de Deus tocar na sua própria alma e é nisso que ele é um herói, ainda que ele tenha que morrer esmagado” (Reunião semanal de análise de notícias selecionadas de jornais e revistas, 23 de setembro de 1974.).

Não se tratava da luta física e cruenta que enfrentaram, por exemplo, os cruzados, mas da luta cultural e moral contra os inimigos da Igreja, característica da época em que vivia. O prof. Plínio dizia: “Eu não estou oferecendo o meu sangue, mas eu estou oferecendo a minha vida. Porque são horas e horas de atenção, de esforço, de aplicação, de empenho – esta é a vida de um homem! – que eu estou sacrificando para que, em concreto, [em cada] lance a causa da Contra-Revolução tenha uma vantagem grande. Eu faço isso com o ímpeto de alma com que um cruzado avançaria na batalha. E [este ímpeto] é que me dá a coragem de fazer [esses sacrifícios], porque eu não vejo nisso um papelzinho complicado, difícil [de cumprir], não vejo uma coisinha [a mais] da vida [quotidiana]. Eu vejo a vida de todos os dias sobrenaturalizada, projetada para uma atmosfera muito mais alta, muito mais bela e ali vejo a beleza do que eu estou fazendo” (Reuniões ou conversas eventuais com algum grupo de discípulos, 11 de outubro de 1990). “Se me fosse dado escolher, eu gostaria de morrer glorificando especialmente a Nossa Senhora e, apesar de minha idade, combatendo – em pleno combate, defendendo, por exemplo, uma imagem dEla. Como também gostaria que os meus restos mortais fossem sepultados numa igreja junto a um altar, de maneira que quando o padre celebrasse a missa estivesse pisando sobre o meu corpo!” (Reuniões ou conversas eventuais com algum grupo de discípulos, 21 de agosto de 1992).

A Providência Divina juntou duas almas que brotaram do jardim espiritual do Carmelo, Santa Teresinha e prof. Plínio, que na sua juventude foi membro da Ordem Terceira do Carmelo e que em toda a sua vida guardou na sua alma o verdadeiro espírito carmelitano. Estas almas eram tão diferentes pela sua missão externa que receberam e desempenhavam, mas no mesmo eram tão próximas na vida interior. Uma alma era a pequena flor primaveril de Lisieux, a padroeira principal das missões, a outra alma era a do prof. Plínio Corrêa de Oliveira, um excepcional miles Christi, autêntico cavaleiro de Cristo dos nossos tempos. Só Deus podia juntar uma pequena flor primaveril e um destemido cavaleiro. Estas almas uniam o ardente amor para com a Igreja, para com a Santíssima Virgem Maria que significa no fundo o amor incondicional de holocausto para com Nosso Senhor Jesus Cristo e para que o crescimento, a defesa e a glória do Seu reino nesta terra e Cristo reine por meio de Maria: “per Mariam ad Jesum!.

A chave para poder levar tal intensa vida espiritual e um tal heroico zelo pelo reino de Cristo é a mediação de Maria. A ambos, à Teresinha e a Plínio, Nossa Senhora sorria já na terna idade e os escolheu para serem instrumentos humildes a fim de confundir os potentes deste mundo e o reino do mal. Neste dia da festa de Santa Teresinha e do 20 aniversário do falecimento de prof. Plínio, deixemos ressoar estas palavras da Santa Teresinha, que ela escreveu alguns meses antes da sua morte e nas quais se reflete também a alma mariana de prof. Plínio: “Quisera cantar, Maria, porque te amo, porque teu nome tão doce me faz estremecer o coração. Em breve, ouvirei esta doce harmonia, em breve, no belo Céu, hei de te ver. Tu que vieste me sorrir na manhã de minha vida, vem sorrir-me de novo, Mãe, eis que o dia já declina. Já não temo o esplendor de tua sublime glória. Contigo sofri e combati e quero agora cantar no teu regaço, Maria, porque te amo, e repetir para sempre que sou tua filha, sou teu filho” (Poesia “Por que te amo, oh Maria!” de Maio de 1897). Amém.

Fotos: IPCO

20 julho, 2013

Nada novo debaixo do sol.

Se há 36 anos a postura da CNBB é a mesma, todavia, em Campos havia quem falasse.

Mas a CNBB não quis…

Por Plinio Corrêa de Oliveira – Folha de São Paulo, 16 de maio de 1977

Quanto se enganam os que pensam que as divergências no episcopado nacional versam sobre questões nas nuvens.

É bem o contrário. Trata-se de profundas questões religiosas, das quais decorrem para a vida da Igreja, e portanto também para a do País, as mais graves conseqüências.

Um exemplo disso veio à luz quando do recente pronunciamento da CNBB acerca do divórcio.

DIVÓRCIO, NÃO -- Em defesa da moral, 20.000 católicos, na maioria mulheres, fizeram da procissão de Corpus Christi, no Rio, em 1977, um grito contra a decisão do Congresso (Foto: Walter Firmo)

DIVÓRCIO, NÃO — Em defesa da moral, 20.000 católicos, na maioria mulheres, fizeram da procissão de Corpus Christi, no Rio, em 1977, um grito contra a decisão do Congresso (Foto: Walter Firmo)

A Presidência da CNBB e a Comissão Episcopal de Pastoral representam uma tendência. Alta expressão da tendência diversa é o sr. bispo de Campos, D. Antônio de Castro Mayer.

No dia 28 de abril p.p., este prelado enviou um telegrama ao presidente da CNBB com sugestões sobre o projeto de divórcio em curso na Câmara. No dia seguinte, a imprensa divulgou uma nota da Presidência e da C.E. de Pastoral da CNBB.

Um confronto entre as aspirações do prelado de Campos e o pronunciamento da CNBB mostra bem quanto divergem as vias e as cogitações.

É possível que, no torvelinho da vida diária, tenha passado despercebida a nota oficial da CNBB. Transcrevo-lhe o parágrafo final, saltando os dois grossos parágrafos iniciais que tratam de tudo menos do divórcio. Diz a Nota:

“A Assembléia de Itaici publicou especial mensagem sobre a família, condenando, mais uma vez, a tentativa de introdução do divórcio civil entre nós. Infelizmente, numa atitude que um dos nossos grandes jornais acertadamente apelidou de “pressa indecorosa”, movimentam-se setores do Congresso Nacional para articulações, que a consciência dos eleitores bem orientados e a história não lhes perdoarão. Escutem os parlamentares dos dois partidos a voz e a advertência da Igreja, que não visa defender interesses institucionais seus, mas sim o verdadeiro bem do povo brasileiro através da defesa decidida da família e das leis morais.”

A Assembléia de Itaici, de fevereiro deste ano, se referiu de modo sumário e incolor a uma nota publicada em 1975, algum tanto mais dinâmica. De sorte que, para receber os salutares eflúvios desse dinamismo, o leitor de 1977 tem que ir buscar nos jornais de 1975 o que disse a CNBB. Quantos leitores, imaginam os dirigentes dessa entidade, se entregarão a essa complicada pesquisa?

– Com a devida vênia, digo que sobre o assunto não se poderia dizer menos nem pior.

Sem entrar ainda no mérito da questão para censurar a “pressa indecorosa” de setores do Congresso Nacional no sentido de fazer andar o assunto, a nota procura apoio em “um dos nossos grandes Jornais”.

Em seguida, acena para os deputados propugnadores do divórcio com uma perspectiva, a punição de Deus? Não. A dos homens: eles não serão perdoados pela “consciência dos eleitores bem orientados e a história”.

Por fim, faz um apelo para que os parlamentares ouçam “a voz e a advertência da Igreja”. E dá para isto dois argumentos: 1.º) a Igreja é insuspeita porque não visa a defender seus interesses institucionais. Circunlóquio estranho, que dá a impressão de que à Igreja não causam grave prejuízo os que votarem pelo divórcio; 2.º) ela age por uma razão patriótica, a saber, “o verdadeiro bem do povo brasileiro”. Ou seja, não é acima de tudo por amor à Lei de Nosso Senhor Jesus Cristo e para a salvação eterna das almas que a CNBB intervém no assunto. E com isto ela omite seu mais alto fim, no momento mesmo em que lança seu apelo que deverá ser dramático contra o divórcio.

Na nota não aparece uma só citação do Antigo nem do Novo Testamento. Nem de padres ou doutores da Igreja, nem de papas ou de santos. Apenas a de “um dos nossos grandes jornais”.

A grande indecisão que se nota até entre os deputados divorcistas resulta do desagrado que o divórcio pode produzir na opinião católica. Cabe pois à CNBB avivar este santo e legítimo desagrado. E para isto ela não encontrou senão este laico e minguado arrazoado! E na cauda da “Nota”!

Com líderes espirituais que falem ao nosso povo fiel alegando preocupações temporais, não creio que a CNBB mobilize contra o divórcio a oposição católica fervente de fé e de pugnacidade, que lhe caberia despertar.

Vejamos agora a outra voz que se levanta no campo católico. Que diferença de cogitações e de vias!

Transcrevo da “Folha da Tarde” de 30 de abril p.p. o telegrama de D. Antônio de Castro Mayer à CNBB. O telegrama cujos sábios conselhos o alto órgão episcopal deixou de lado, para fazer precisamente o contrário.

Mais uma vez, transcrevo:

“Sendo os ilustres componentes do Senado e da Câmara Federal cônscios de que pela natureza de seu mandato, devem exprimir no Poder Legislativo os desejos e aspirações do eleitorado, estou persuadido de que não aprovarão o divórcio caso sintam que a maioria do povo brasileiro não o deseja.

“A repulsa dessa notória maioria se avivará e se tornará patente caso o órgão supremo da CNBB publique largamente, e com toda a urgência, um documento mostrando que a aprovação do divórcio viola gravemente a Lei de Deus, perturba a ordem natural, prejudica a fundo a moralidade pública e privada, abala a família e arruina a nação.

“Exprimo, portanto, a V. Emcia, meu desejo seja tal pronunciamento publicado pela CNBB em comunicado especial, consagrado só a essa matéria e desvinculado de considerações sobre quaisquer outros temas.”

Se a CNBB tivesse atendido ao pedido, teria sido para ela um dia de glória, e para o divorcismo um dia de derrota na longa batalha.

Pois é com pensamentos e atitudes assim que se atraem as bênçãos do Céu, e na terra o aplauso dos fiéis.

Mas a CNBB não quis…

Créditos ao leitor G. Moreno