Posts tagged ‘Teologia da Libertação’

19 agosto, 2019

O próximo sínodo será “amazônico” ou “maçônico”?

O papel secreto da máfia do “anel de tucum” na preparação do encontro de outubro.

Por José Antonio Ureta, Instituto Plinio Correa de Oliveira – Stilum Curae, 6 de agosto de 2019 | Tradução: FratresInunum.comDepois que, na biografia sobre seu compatriota cardeal Godfried Daneels, os jornalistas belgas Jürgen Mettepenningen e Karim Schelkens revelaram a existência de uma “máfia de S. Gallen”, que teria contribuído de modo determinante na eleição do Papa Bergoglio, o católico médio tomou consciência da força dos grupos de pressão dentro da Igreja.

Mas historiadores e especialistas conhecem há muito tempo o peso que os lobbies tiveram sobre a vida eclesial. Imediatamente após o encerramento do Concílio Vaticano II, por exemplo, soube-se do papel desempenhado pela rede midiática IDO-C (Centro Internacional de Informação e Documentação sobre a Igreja Conciliar) para criar o “conselho de jornalistas”, o “conselho dos meios de comunicação”, que era praticamente um concílio à parte”, como disse Bento XVI em seu último discurso na véspera do dia em que sua se daria sua  renúncia.

Não muito tempo atrás, tornou-se conhecido o papel desempenhado por um grupo de padres conciliares, reunidos sob a denominação de “Igreja dos Pobres”, que firmou um secreto “Pacto das Catacumbas”, que parece estar atingindo sua plena realização em âmbito universal com o pontificado do Papa Bergoglio.

O antigo núncio em Washington, EUA, Dom Carlo Maria Viganò, causou comoção denunciando a existência de uma rede homossexual, cujos membros se ajudam mutuamente e que garantem o progresso na carreira eclesiástica (e a cobertura em caso de envolvimento em escândalos).

Para serem eficazes, esses grupos de pressão com interesses pessoais ou ideológicos devem agir de maneira coordenada, mas sempre nas sombras, imitando o trabalho da Maçonaria, com seus misteriosos sinais de reconhecimento mútuo entre irmãos que não pertencem à mesma loja.

É famosa a passagem em que Marcel Proust traça um paralelo entre a ação dos “irmãos” e a dos homossexuais de seu tempo, da qual ele falou por conhecimento direto: “[Eles] formam [um] uma maçonaria muito mais extensa e eficaz, e menos suspeita do que a das lojas, uma vez que responde a uma identidade de gostos, necessidades, hábitos, riscos, aprendizado, conhecimento, tráfego, glossário, e em que os membros que desejam não ser reconhecidos imediatamente o fazem através de sinais naturais ou convencionais”.

Seguramente, no futuro, conheceremos o impacto na próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Panamazônica do grupo de bispos e missionários engajados na Teologia Indígena, versão mais atualizada da Teologia da Libertação, que já adotou o chamado “anel de tucum” como sinal convencional de reconhecimento.

Tucumã é o nome de uma árvore amazônica de cuja madeira se origina um anel preto, supostamente usado pelos escravos na época do Império, na falta de recursos para portar o anel de ouro dos senhores. Teria servido como um símbolo de matrimônio, amizade ou resistência. “Era um símbolo clandestino cujo significado só os escravos conheciam”, afirma o blogue da Pastoral da Juventude da Diocese de Piracicaba.

Nos anos 70, dois órgãos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e a Comissão Pastoral da Terra (CPT) adotaram o anel de tucum como símbolo de compromisso na luta de classes e nas chamadas “lutas sociais”.

Parece ter sido Dom Pedro Casaldáliga – religioso claretiano catalão nomeado bispo de São Félix do Araguaia pelo papa Paulo VI e promotor do CIMI e do CPT – a popularizar o símbolo. Assim relata outro representante da Teologia da Libertação, Dom Tomás Balduino, bispo emérito de Goiás Velho e por muitos anos presidente do CIMI:

“Pedro foi consagrado bispo em 1971, na cidade de São Félix, cercado pelos pobres daquela região. Ele recebeu símbolos litúrgicos adaptados às culturas dos povos indígenas e camponeses. A mitra era um chapéu de palha, o cajado um remo de tapirapé e o anel de tucum, que em seus dedos e nos de muitos agentes pastorais tornou-se um sinal do compromisso da caminhada rumo à libertação”.

Dom Pedro Casaldáliga

Com inegáveis dotes poéticos, o prelado resumiu assim o significado desta “caminhada” no seguinte poema: “Com um calo por anel, / monsenhor corta o arroz / Monsenhor” foice e martelo “? / Eles vão me chamar de subversivo. / E eu direi a eles: Eu sou / Pelo meu povo em luta, eu vivo. / Com o meu pessoal em movimento, eu vou. Eu tenho fé de guerrilheiro / e amor à revolução”.

O anel de Tucum identificou tanto a personalidade e a agenda revolucionária do bispo de São Félix do Araguaia, e uma das teses escritas sobre ele, defendida por Agnaldo Divino Gonzaga no Departamento de Teologia da Universidade Católica de Goiás, intitula-se, precisamente, “Anel de tucum: a missão evangelizadora de Pedro Casaldáliga”.

Prova ainda mais eloqüente da importância que a Teologia Indígena confere ao anel de tucum é a história que o jornal Alvorada, órgão de conscientização da Prelazia de São Félix, fez sobre a cerimônia em que Dom Pedro Casaldáliga transmitiu o governo diocesano ao seu sucessor, Dom Leonardo Steiner:

“Pedro, ao entregar o anel de tucum a Leonardo, lembrou que as causas que defendemos definem quem somos e que as causas desta Igreja são conhecidas de todos: opção pelos pobres, defesa dos povos indígenas, compromisso com os trabalhadores e sem terra, formação de comunidades inculturadas e participativas, experiência efetiva de solidariedade”.

Em uma página do Facebook das Comunidades de Base do Brasil, lemos este verso de um poema em homenagem ao anel de tucum: “Dos povos excluídos / sois sinal da nova aliança”.

Em 1994 foi lançado o filme “O anel do tucum”, uma novela em que um grupo de fazendeiros infiltra um jornalista nas Comunidades Eclesiais de Base em uma tentativa de provar seu caráter comunista e subversivo, mas acaba se convertendo à causa da CEB. Na cena culminante, na qual ocorre a conversão, o jornalista-pesquisador tem este diálogo com Dom Casaldáliga (que interpreta a parte de si mesmo no filme):

“- Uma curiosidade, dom Pedro: O que o anel preto significa?

– É o anel de tucum, uma palmeira do Amazonas, com espinhos um tanto duros. Sinal da aliança com a causa dos indígenas, com as causas populares. Quem quer que use normalmente quer expressar que faz suas essas causas e suas conseqüências. Você pode trazer o anel? Você pode fazer isso?

– Eu posso fazer isso.

– Olha, é exigente, hein? Queima. Muitos, muitos por essa causa, por esse compromisso, chegaram ao ponto da morte. Nós mesmos aqui, na igreja de São Félix do Araguaia, temos os santuários dos mártires do caminho”.

A mesma pergunta sobre o significado desse anel foi formulada em 2012 pelo jornalista Edoardo Salles de Lima ao já citado Dom Tomás Balduino, na véspera do seu nonagésimo aniversário. Ele respondeu:

“Representa o casamento com a causa indígena. Este objeto foi feito pelos índios Tapirapé e se pode facilmente ver como é bonito, até brilha. Adotamos como um elo com a causa indígena, mas não só com ela, mas com toda causa de mudança, de transformação, na busca pelo Brasil que queremos”.

A função “identificadora” do anel foi destacada ao público, mas sobretudo para aqueles que se comprometeram com a Teologia da Libertação, do missionário comboniano italiano Padre Giampietro Baresi, já falecido, na revista Brasil de Fato:

“- O que esse anel em sua mão significa? – É a opção pelos pobres. (…) É lealdade por essa opção. Por que eu uso isso? Para tornar conhecido o que eles são. O anel de tucum é a solidariedade para com os pobres. (…) Quando vejo o anel em alguém, reconheço uma visão similar, um compromisso similar”.

A nocividade do uso do anel de tucum pelos militantes da Teologia da Libertação foi denunciada há muitos anos por Dom. Amaury Castanho, bispo emérito de Jundiaí, nas páginas do jornal Testemunho da Fé, órgão oficial da arquidiocese do Rio de Janeiro.

Em seu artigo, o prelado começou enfatizando que “sempre houve e sempre haverá tensões mais ou menos graves dentro da Igreja”. Depois do Concílio Vaticano II, “uma terrível tempestade atingiu a barca de Pedro”, e a “Teologia da Libertação, de estilo marxista, radicalizou suas posições extremistas e contestatórias, ideológicas e partidárias”.

Em seguida, ele atacou o sinal do reconhecimento mútuo de seus promotores: “O curioso anel de tucum, feito do centro de uma palmeira do Nordeste, é hoje um sinal de contestação na Igreja. Um dos sinais, talvez o mais sério. Ele é encontrado nas mãos de um bom número de sacerdotes e seminaristas, religiosos e leigos. Se é verdade que alguém, inadvertidamente, usa-o – mesmo na Igreja sempre haverá “inocentes úteis” – é igualmente verdade que a maioria o toma como uma afirmação provocativa de uma clara opção por uma eclesiologia que certamente não é a da Lumem Gentium ‘, do Concílio Vaticano II.

“O anel de tucum traz consigo, implícita e explicitamente, opções heterodoxas em favor de uma Igreja considerada uma Igreja popular, em oposição à Igreja hierárquica, a única estabelecida por Cristo. Exprime uma discutível e já condenada opção ‘excludente e exclusiva’ pelos pobres, marginalizando quem não o é, como se fosse um opressor. A partir dessa análise marxista e parcial da realidade, aqueles que usam o anel de tucum não hesitam em propor soluções revolucionárias, lutas de classes, guerrilhas, violência e terrorismo, que nada têm de evangélico e cristão. (…)

“É a divisão dentro da Igreja de Cristo, que a enfraquece, que distancia as ovelhas dos pastores, que opõem os bispos ao Papa, os bispos entre si, os sacerdotes e os leigos aos bispos (…)

“Enquanto isso, os inimigos da Igreja se divertem, aplaudem, cumprimentam-se. O que eles querem está acontecendo: uma Igreja que não é uma comunidade de amor, que une os fiéis a Cristo entre si e seus pastores”.

Em um artigo seguinte, Dom. Amaury Castanho voltou a atacar com acusações de sectarismo:

“O artigo sobre o anel de tucum, que escrevi há alguns dias, causou comoção. De fato, provocou uma controvérsia. Muitos gostaram e acreditam que chegou a hora de alguém ir ao fundo do problema, revelando o sentido mais exato e total do uso daquele anel. Outros se chatearam, porque o usavam apenas como sinal de opção pelos pobres. Retiraram-lhe de seus dedos! Eles queriam viver em plena comunhão com os pastores da Igreja, que é, por vontade de Cristo, hierárquica. Eles me parabenizaram, culparam-me, interrogaram-me várias vezes no anel de tucum.

“Falando com um certo presbítero que usava o anel de tucum, dei-lhe mais informações para esclarecer suas idéias. Entre outras coisas, eu disse a ele que não é apenas a minha interpretação. Anos atrás, li um livro de um bispo zeloso e inteligente do Maranhão. Em um capítulo inteiro, ele chegou às mesmas conclusões: o anel de tucum é um traço visível de união entre aqueles que, além da “opção pelos pobres”, também defendem a Igreja ‘popular’”.

Pode-se então afirmar que, enquanto trato de união visível de uma corrente revolucionária que desempenha o papel de quinta coluna na Igreja, o anel de tucum tem um valor análogo aos sinais identificadores da Maçonaria.

Cabe a nós observar quantos participantes do próximo Sínodo vão usá-lo… Então saberemos se a assembleia foi amazônica ou maçônica!

1 agosto, 2019

Um sociólogo esquerdista lamenta no IHU: os seminaristas não são tão esquerdistas assim.

O artigo apenas evidencia o que é por demais sabido: os senis teólogos da libertação são estéreis e o pontificado de Francisco é seu último suspiro — por isso, o desespero em impôr suas “reformas”.

* * *

Seminaristas: batalha perdida?

IHU – “Em que mundo vivem esses seminaristas? Será que não saem à rua onde necessariamente se deparariam com um número cada vez maior de pessoas pedindo esmola, jovens fazendo malabarismo para motoristas parados no sinal vermelho, gente drogada, e a quantidade de moradores de rua?”, questiona Pedro A. Ribeiro de Oliveira, sociólogo, em artigo publicado por Paz e Bem, 21-07-2019.

Eis o artigo.

read more »

8 fevereiro, 2018

Bispos ignoram danos do Lulopetismo e da Teologia da Libertação no corpo da Igreja do Brasil.

Por Hermes Rodrigues Nery

FratresInUnum.com – 8 de fevereiro de 2018: Depois do escandaloso 14° Encontro Intereclesial de CEBs, ocorrido em Londrina, PR, com atos e cenas bizarras que chocaram a tantos católicos em diversas partes do País, o Arcebispo de Curitiba, Dom José Antonio Peruzzo, em pronunciamento gravado e divulgado nas redes sociais, adotou o tom “politicamente correto” para rechaçar as abundantes críticas (especialmente de leigos) ao evento escancaradamente ideologizado e partidarizado. As palavras de Dom Peruzzo, eivadas de retórica, não convenceram, ignorando o sentimento de milhares de católicos que já não sabem mais o que fazer para estancar o lulopetismo dentro das paróquias e movimentos, que através da nefasta teologia da libertação, vem ainda causando graves danos ao corpo da Igreja.

lula missaEm março de 2016, estive pessoalmente conversando com vários bispos (inclusive na Assembléia da CNBB), sobre o modo como setores progressistas instrumentalizam a Igreja para fins políticos contrários ao ensinamento da sã doutrina moral e social católica. Na ocasião, o Cardeal de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer foi enfático em dizer que a Igreja não toma posições partidárias (o mesmo tom adotado por Dom Peruzzo), também ignorando os efeitos danosos do lulopetismo nas paróquias e dioceses. Escrevi uma “Carta aos Bispos do Brasil”, fazendo um apelo “a cada membro do episcopado brasileiro, para que em cada Diocese haja uma posição clara e firme em relação aos graves danos que o Partido dos Trabalhadores (PT) causou à Igreja Católica e à nação brasileira nestas últimas décadas, especialmente nos últimos treze anos à frente do governo. Um partido que chegou aonde chegou com a conivência, a cumplicidade, a omissão (e até o favorecimento) de muitos bispos, seduzidos pela retórica do populismo e pela demagogia.” Dizendo ainda que “era preciso ter havido coragem para denunciar o PT como um partido revolucionário, de ideário socialista, aliado de governos comunistas e ditatoriais (especialmente Cuba), que emergiu com a bandeira da ética para chegar ao poder e depois dilapidar o estado brasileiro, aparelhando as instituições e implementando a agenda anti-vida e anti-família das fundações internacionais, a agenda abortista, etc. E tudo isso com a complacência do clero progressista da CNBB, e através de ONGs e pastorais atuando no seio da igreja, dos teólogos da libertação, e de toda sorte de infiltrados.”

Não somente a “Carta aos Bispos”, como o corpo-a-corpo feito com bispos durante a Assembléia da CNBB, daquele ano, foram totalmente ignorados, desprezados. Foi então que percebi que não adiantava denunciar o que ocorria de grave em tantas paróquias cúmplices da teologia da libertação e do lulopetismo. As denúncias eram feitas e ignoradas. Os apelos eram feitos e desprezados. Como, por exemplo, quando solicitamos providências a Dom Walmor de Oliveira em relação ao caso Van Balen, quando exigimos o cancelamento de palestra feita por abortista em uma faculdade católica, quando requeremos de Dom Manoel Carral Parrado providências para afastar o Padre Paulo Bezerra, etc.

Pareciam inúteis os esforços, os apelos, as denúncias, etc. O que recebíamos? Em vez de palavras de ânimo e apoio, na defesa da sã doutrina católica (o pastoreio firme na defesa da fé e da vida), eram o riso, o escárnio, o desprezo, pois que muitos bispos continuavam confortavelmente coniventes em ver espalhada a cizânia da teologia da libertação (sob diversas formas e aspectos), principalmente nos conselhos paroquiais e diocesanos.

Durante muito tempo questionamos os motivos pelos quais tantos padres e bispos se silenciavam diante do aparelhamento ideológico, deixando que paróquias e movimentos (Pastorais sociais, da juventude, etc.) fossem utilizados como espaços de propagação da teologia da libertação, que não havia sido minada, pelo contrário, era disseminada por outros meios (inculturação, ecumenismo, ecologismo e tudo mais), com padres e até bispos agindo como intelectuais orgânicos, gramscianos. E o que vimos, ao longo de décadas, foram paróquias e movimentos se descaracterizarem, perderem sua identidade católica, para servir a um projeto de poder que visa destruir a verdadeira fé. Com o relativismo, o discurso de muitos foi ficando cada vez mais ambíguo, justificando assim uma subversão inimaginável.

Mas, o mais grave nisso tudo, ainda não foi desvendado. Quem banca esse processo? O que pensar da Caritas, por exemplo, financiada pela Fundação Ford? Pois o lulopetismo  ainda se mantém, apesar de tudo o que a Operação Lava Jato expôs ao País, porque padres e bispos são beneficiados financeiramente. Uma Lava Jato em muitas paróquias e movimentos revelaria muita coisa. Certamente, muitos padres intelectuais orgânicos também terminariam seus dias na cadeia. O fato é: o que fazer diante de tudo isso? Como desaparelhar a Igreja, se bispos tomam à frente em defesa, muitas vezes, do indefensável. Enquanto tais setores da Igreja, no Brasil, estiverem reféns do lulopetismo e da teologia da libertação, o corpo da Igreja, no Brasil, estará padecendo tão grave enfermidade, a requerer remédios amargos, que os bispos procrastinam, para angústia dos católicos.

Hermes Rodrigues Nery é coordenador do Movimento Legislação e Vida

6 fevereiro, 2018

Continua a pajelança da seita petista infiltrada na Igreja.

Uma amiga escreve:

A foto foi divulgada pela página Caia a Farsa do Facebook. Segundo eles, o celebrante é o Frei Altamiro. Não me causa estranheza, porque ele é um dos mais esquerdistas do Convento. Já tive a oportunidade de ouvi-lo em uma missa falando “contra o golpe (Temer)”. É um frei sabidamente esquerdista. O mais preocupante é que ele é sempre escalado para ouvir confissões. É bastante modernista e obviamente tem um discurso lamentável.

A missa foi por ocasião de primeiro ano de falecimento de Dona Marisa.

Imagem inline 1

Pesquisando o assunto encontrei esse site , que mostra um vídeo em que o próprio Frei Altamiro aparece pregando na missa. Lindberg Farias está na primeira fila. Veja o vídeo!

http://www.pt.org.br/dona-marisa-e-homenageada-por-liderancas-de-todo-o-brasil/

Após falar por alguns minutos, o frei dá a palavra a uma deputada. Em seguida, ele propõe uma greve de fome em frente ao tribunal (provavelmente se referindo ao tribunal onde Lula está sendo julgado). Jejum é uma palavra religiosa demais. Depois, ele mostra um cartaz com Mahatma Ghandi e propõe a construção de uma tenda na praça de mesmo nome, perto do Convento, onde pessoas de várias religiões possam fazer suas orações. Ghandi é exaltado como santo em uma igreja católica.

Após a enorme repercussão nas redes sociais, a Província Franciscana emitiu uma nota de esclarecimento, cuja íntegra publicamos:

nota

5 fevereiro, 2018

Seita petista se reúne para recordar Marisa e incensar ídolo Lula.

Observações:

  1. O bispo emérito celebrante, dom Angélico Sândalo Bernardino, tira a missa de sua própria cachola, compondo orações, como a coleta, como bem entende.
  2. Fernando Haddad fez a primeira leitura.
  3. Piedade comovente: Lula comunga diretamente na boca e recebe do padre um “carinho” na barba. Depois, volta para o banco e fica falando, como que tendo recebido algo qualquer.
1 fevereiro, 2018

CEBs foram resgatadas por Jorge Mario Bergoglio, em 2007, no Documento de Aparecida.

Por Hermes Rodrigues Nery – FratresInUnum.com, 1º de fevereiro de 2018

A base de todo o pontificado de Francisco já estava contido no “Documento de Aparecida”, principalmente em pontos que haviam sido suprimidos ou minimizados pelas autoridades vaticanas na época.

20664531_1811522125539826_2595896516339669413_n

O então Cardeal Jorge Mario Bergoglio e o Papa Bento XVI, durante a V Conferência do CELAM, em Aparecida, em 2007.

Uma das tônicas de Jorge Mario Bergoglio, em várias de suas posições, ainda enquanto arcebispo de Buenos Aires (em contraponto ao pensamento de muitos prelados), é a de que “a realidade é mais importante do que a ideia,  pois esta não passa de uma interpretação daquela”1. E esse conceito ele quis imprimir no Documento de Aparecida, cuja publicação acabou sendo autorizada, por Bento XVI, em 29 de junho de 2007, depois de várias alterações feitas no texto original, mudanças estas suprimidas, mas depois retomadas por Bergoglio durante seu pontificado. Por exemplo: a revalorização das chamadas “Comunidades Eclesiais de Base”, tão defendidas pela teologia da libertação, resgatadas pelo Documento de Aparecida: “Queremos decididamente reafirmar e dar novo impulso à vida e missão profética e santificadora das CEBs”2. Elizabeta Piqué ressalta que por meio do documento final da V Conferência do CELAM, Bergoglio “conclama a uma missão continental permanente e ratifica a opção preferencial pelos pobres”3, documento este que “representará o programa de ação do pontificado de Francisco”4.

E também, dentre os muitos pontos rechaçados pelas autoridades vaticanas no Documento de Aparecida, emergidos depois por Francisco, houve uma melhor aceitação de aspectos do pensamento de Leonardo Boff, condenados por Joseph Ratzinger, em 1984. Como ressalta Mauro Lopes: “O moto das punições a Boff: seu livro Igreja, Carisma e Poder (1981) –não sem uma ponta de ironia amarga, as teses do livro foram assumidas e radicalizadas pelo Papa Francisco, mais de 30 anos depois.”5

Se no conclave de 2005, Bergoglio havia despontado como a principal força anti-Ratzinger (com seus 40 votos), um grupo cada vez maior de apoiadores progressistas continuou dando-lhe respaldo, para, aos poucos, alargar suas possibilidades em posições estratégicas no complexo tabuleiro político entre os cardeais.

Ainda no ano 2000, por ocasião do “Grande Jubileu”, um grupo de prelados progressistas latino-americanos,  “começam a insistir na possibilidade de fazer uma quinta conferência no CELAM”6, dentre eles Cláudio Hummes, Oscar Rodriguez Maradiaga e Jorge Mário Bergoglio, conversavam nesse sentido. Em fevereiro de 2001, os três se tornaram cardeais, no mesmo consistório. E também Walter Kasper e Karl Lehman.  “Foi o momento em que a Europa perdeu o seu lugar dominante no Colégio Cardinalício”7. Naquele consistório, tornou-se cardeal também o argentino Jorge María Mejía, que foi fundamental para fazer de Bergoglio, “um bispo em 1992 diante da oposição na época encabeçada pelo secretário de Estado, o Cardeal Angelo Sodano8. Fato curioso foi Mejía “teve um ataque cardíaco no dia em que Francisco foi eleito”, e “morreu em Roma em 2014, tendo vivido para ver uma mudança de era”.9

A “mudança de era”10, sem dúvida começou com a “turma de 2001”11. No primeiro Sínodo em que participaram, como cardeais, em maio daquele ano, “o centralismo vaticano e a decadência da cultura curial romana foram tópicos constantes de debate”12, como também no Sínodo de outubro. Jorge Mário Bergoglio começou então a ser notado pelos cardeais, quando o Edward Egan, arcebispo de Nova York teve de retornar aos Estados Unidos, em meio ainda à comoção do “11 de setembro” (com o ataque às torres gêmeas do World Trade Center), e Bergoglio foi quem o substituiu como relator-geral do Sínodo. Foi “o ponto de partida para a sua projeção internacional”13. A partir de então, foi designado para funções em diversos dicastérios vaticanos, dentre eles, a Pontifícia Comissão para a América Latina. Em 2005, seu nome despontou no conclave como o principal oponente de Joseph Ratzinger.  Mesmo assim, “há uma campanha política em andamento”14 contra Bergoglio. Cardeais como Angelo Sodano e tantos outros mais conservadores ficaram preocupados com o resultado do conclave de 2005, e muitos procuravam levar informações ao Vaticano sobre o passado de Bergoglio na Argentina, no intuito de evitar que ele angariasse mais apoio entre os cardeais.

O fato é que “a oposição contra Bergoglio se manteve até o conclave que o tornou o primeiro Papa latino-americano”15.  Havia uma outra visão de Igreja, que há muitas décadas vinha procurando se impor, de baixo para cima, dos subterrâneos da Igreja, das periferias do mundo, e que Bergoglio representava o anseio, especialmente nos tempos pós Concílio Vaticano II. Para Victor Manuel Fernandez, um dos mais próximos auxiliares de Bergoglio na V Conferência do CELAM, o que havia era um “outro ideal de Igreja, poderosa, triunfante, juíza do mundo”16 que já não podia mais se aceitar. Nesse sentido, desde a V Conferência do CELAM, Bento XVI (que muitos entendiam estar associado a este “outro ideal de Igreja”17, referido por Fernández, já não conseguia mais encontrar eco no próprio clero, cada vez mais progressista, mesmo suas homilias e pronunciamentos encontrarem acolhida entre os leigos do mundo todo, especialmente entre os jovens. Mas com o Documento de Aparecida, os bispos e cardeais começaram a difundir nas paróquias e dioceses, o modelo de Igreja apresentado por Bergoglio na V Conferência do CELAM.

Trecho do livro “Um Raio na Basílica”, Parte II, “Com Plena Liberdade”, de Hermes Rodrigues Nery, ainda sendo elaborado.

Hermes Rodrigues Nery é Coordenador do Movimento Legislação e Vida.

NOTAS:

  1. BRIGHENTI, Agenor, “Documento de Aparecida: o texto original , o texto oficial e o Papa Francisco” [https://periodicos.pucpr.br/index.php/pistispraxis/article/viewFile/1318/1258]
  2. (Documento de Aparecida, nº 179)
  3. PIQUÉ, Elizabeta, Papa Francisco, Vida e Revolução, p. 127, Editora Leya, 2014, São Paulo.
  4. LOPES, Mauro, João Paulo II: os anos de terror na Igreja, Instituto Humanitas Unisinos, 24 de junho de 2017 [http://www.ihu.unisinos.br/eventos/565135-cardeal-de-bergoglio-marca-o-inicio-da-era-francisco
  5. PIQUÉ, Elizabeta, Papa Francisco, Vida e Revolução, p. 127, Editora Leya, 2014, São Paulo.
  6. Ibidem.
  7. LOPES, Mauro, João Paulo II: os anos de terror na Igreja, Instituto Humanitas Unisinos, 24 de junho de 2017 [http://www.ihu.unisinos.br/eventos/565135-cardeal-de-bergoglio-marca-o-inicio-da-era-francisco]
  8. Ibidem.
  9. Ibidem
  10. Ibidem
  11. Ibidem
  12. Ibidem
  13. PIQUÉ, Elizabeta, Papa Francisco, Vida e Revolução, p. 121, Editora Leya, 2014, São Paulo.
  14. Ib. p. 122.
  15.  Ib. p. 125.
  16.  Ibidem.
  17.  Ibidem.
29 janeiro, 2018

Chega de padres apoiando corruptos!

Por FratresInUnum.com – 29 de janeiro de 2018: Na última semana, o Brasil assistiu a condenação do ex-presidente Lula e, em seguida, a sua exaltação no 14º Intereclesial de CEBs, em Londrina. O povo se revoltou!

Como é possível que a devoção dos bispos da CNBB por Lula seja tão fanática a ponto de se colocar na contra-mão da história?… Enquanto o país sepulta o PT, os bispos procedem à exumação. Mas o cadáver já está podre!

Como o próprio Lula confessa num vídeo, a sua ascensão ao poder só se tornou possível graças à base que a Teologia da Libertação criou utilizando a estrutura da Igreja Católica, base que está na gênese do Partido dos Trabalhadores.

Ao longo de décadas, o PT se serviu de nossos altares como palanque, até que conquistou o poder e, com ele, pôde criar o maior esquema de corrupção jamais visto na história.

Agora, após o impeachment de Dilma e a condenação de Lula, resta apenas uma saída para o PT: o regresso às igrejas, onde ainda encontram os fanáticos padres formados na cartilha do esquerdismo mais desqualificado do mundo, o esquerdismo mofado da Teologia da Libertação.

Não podemos permitir que, novamente, soframos a reedição daquela enchente de esgoto borbulhando em nossos púlpitos!

O inferno está para recomeçar: cultos sincretistas, liturgias inculturadas, cânticos engajados, coreografias com enxadas, imoralidades, marxismo pregado às crianças e idosos, Igrejas católicas vazias.

Mas, afinal de contas, há algo que se possa fazer? Sim, há!

Comece a ir apenas às paróquias de padres católicos e de doutrina comprovada, de padres que não deixam dúvidas de sua condenação total a esses corruptos malditos que roubaram a nossa nação. Corte do clero esquerdista o que mais lhes interessa: dinheiro. Pague seus dízimos e dê suas ofertas apenas para paróquias de bons sacerdotes católicos e anti-comunistas declarados.

Comece a entrar nas igrejas e a desmascarar os comunistas que se infiltrarem nas sacristias. Marque sua posição, não saia de lá. Exponha ao povo comum cada um desses excomungados.

Deixe os padres da Teologia da Libertação falando sozinhos. Essa figueira é estéril e ela tem que secar!

Agora é a hora de todo o laicato do Brasil se fazer respeitar. Chega de padres defendendo corruptos! Fora Teologia da Libertação! Fora PT!

9 novembro, 2017

A “perspectiva protestante” das “teologias da libertação”, como “parte da teologia moderna”.

Por Hermes Rodrigues Nery – FratresInUnum.com, 9 de novembro de 2017

Tanto na Mensagem de Natal à Cúria romana (2005), quanto à exposição que fez ao clero romano (em 14 de fevereiro de 2013), Bento XVI permaneceu convicto de que as incompreensões do Concílio Vaticano II se deram pelo modo como os mass media estimularam e se simpatizaram por “uma hermenêutica da descontinuidade e da ruptura”1, causando confusão, “e também de uma parte da teologia moderna”2.

17800371_1639497879408919_2763369757210487848_n (1).jpg

Talvez esteja aqui, nessa colocação, o que aproxima e o que distancia Joseph Ratzinger do grupo que elegeu Jorge Mário Bergoglio, em 2013. Isso porque certos tradicionalistas dizem que tanto Ratzinger, quanto Bergoglio estão em sintonia com a mesma visão modernista de Igreja, a diferença está apenas no grau, sendo que Bergoglio mostrou-se disposto, desde o início a pisar no acelerador, por uma revolução sem precedentes, como um novo João XXIII.

Mas Bento XVI há muito havia colocado a mão no breque, aí talvez começou a se distinguir. Na sua exposição ao clero romano, Bento XVI associou a “hermenêutica da descontinuidade e da ruptura”3 estimulada pelos mass media e também por “uma parte da teologia moderna”4.

read more »

24 maio, 2016

Unisal – Campus Pio XI abriga conspiração de Lula e movimentos de esquerda.

Por Catarina Maria B. de Almeida | FratresInUnum.com – No último sábado, 21, alguns leitores de FratresInUnum.com viram o ex-presidente Lula nas imediações da Universidade Salesiana, Campus Pio XI, em São Paulo. Descrentes do que estavam vendo, foram conferir e lhes informaram que o ex-sindicalista investigado pela Operação Lava Jato estava reunido no recinto com “movimentos sociais”. Eis do que se tratava:

pioxi3

Publicação na página da Frente Brasil Popular no Facebook: “A Frente Brasil Popular conta a participação de mais de 60 entidades do movimento social e sindical e discute hoje (21) o calendário e estratégia de luta para o próximo período”.

A reunião não foi divulgada para além de seus próprios participantes e a publicação na página da Frente Brasil Popular sequer cita o local em que ocorreu.

São fotos de pessoas lá presentes que corroboram o testemunho de nossos leitores:

Talvez os próprios salesianos temam eventuais reações de seus paroquianos na nobre região paulistana do Alto da Lapa, onde não optaram preferencialmente pelos pobres ao decidirem onde atuar. Se a Lava Jato já chegou num padre do Distrito Federal, esperamos que os salesianos  não entrem para a lista de investigados…

Já Dom Bosco havia profetizado a infestação de todos os espaços da sociedade pelos comunistas, identificando a nefasta ideologia com cavalo vermelho de que fala capítulo 6º do Livro do Apocalipse: “Partiu então outro cavalo, vermelho. Ao que o montava foi dado tirar a paz da terra, de modo que os homens se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada”. Assim contam as memórias do Santo fundador dos salesianos:

No sonho de Dom Bosco parece que o cavalo representasse o comunismo, que procedendo furiosamente contra a Igreja avançava conspirando contra a ordem social, sem deter-se nem um só passo; impunha-se aos governos, nas escolas, nos municípios, nos tribunais, desejando realizar a obra destruidora começada com o apoio e cumplicidade das autoridades constituídas, em prejuízo da sociedade religiosa e de todo piedoso instituto e do direito de propriedade.

Dom Bosco disse:

— Seria necessário que todos os bons e nós em nossa pequenez procurássemos com zelo e entusiasmo pôr um freio a esta besta que irrompe em qualquer parte aloucadamente.

Rezemos, pois, a Maria Auxiliadora, pedindo-lhe hoje, dia de sua grande festa, que fulmine a besta comunista que, ao que parece, infiltrou-se inclusive entre os filhos de Dom Bosco.

Não deixemos, todavia, de manifestar o nosso repúdio às autoridades eclesiásticas pelo aparelhamento das estruturas da Igreja para fins contrários à Lei de Deus e ao Magistério:

NUNCIATURA APOSTÓLICA

Excelência Reverendíssima Dom Giovanni D’Aniello, Núncio Apostólico
Av. das Nações, Quadra 801 Lt. 01/ CEP 70401-900 Brasília – DF
Cx. Postal 0153 Cep 70359-916 Brasília – DF
Fones: (61) 3223 – 0794 ou 3223-0916
Fax: (61) 3224 – 9365
E-mail: nunapost@solar.com.br

* * *

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO

Eminência Reverendíssima Dom Odilo Pedro Cardeal Scherer
Facebook: http://www.facebook.com/domodiloscherer 
Twitter: http://twitter.com/DomOdiloScherer
E-mail: opscherer@terra.com.br 

* * *

VIGÁRIO EPISCOPAL DA ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO PARA A EDUCAÇÃO E A UNIVERSIDADE 

Excelência Reverendíssima Dom Carlos Lema Garcia

E-mail: vicariatoeducacaouniversidade@gmail.com – Twitter: https://twitter.com/vicariatoeduca

* * *

RETTORE MAGGIORE DELLA CONGREGAZIONE SALESIANA (Superior geral)

Reverendíssimo Padre Ángel Fernández Artime
E-mail: hlopez@sdb.org

* * *

INSPETORIA SALESIANA NOSSA SENHORA AUXILIADORA (SP)

Reverendíssimo Pe. Edson Donizete Castilho – Chanceler da Unisal e Inspetor Salesiano de São Paulo

E-mail: ecastilho@salesianos.com.br, ecastilho@essj.com.br, secretaria@pio.unisal.br

* * *

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

Eminência Reverendíssima Dom Gerhard Ludwig Müller
Palazzo del Sant’Uffizio, 00120 Città del Vaticano
E-mail: cdf@cfaith.va – Tel. 06.6988-3438 Fax: 06.6988-5088

 

3 janeiro, 2016

Do Pacto das Catacumbas a Francisco.