Posts tagged ‘Una Voce’

27 agosto, 2012

Entrevista com Thomas Murphy, porta-voz oficial da Peregrinação Internacional Summorum Pontificum a Roma, 3 de novembro de 2012.

Agradecemos ao Coetus Internationalis pro Summorum Pontificum por escolher o Fratres in Unum para divulgação exclusiva desta entrevista em português [cuja tradução é da Una Voce Natal].

* * *

Thomas Murphy, você é o porta-voz oficial do Coetus Internationalis pro Summorum Pontificum: Qual é o objetivo dessa comissão?

O Coetus Internationalis reúne vários grupos de fiéis que estão trabalhando a seu modo em apoio ao [motu proprio] Summorum Pontificum. Unir esses grupos na caridade e trabalhar em cooperação são o nosso primeiro objetivo. O foco do Coetus Internationalis é organizar uma peregrinação a Roma no início de novembro.

Estamos usando a oportunidade do Ano da Fé e do 5 º Aniversário do “Summorum Pontificum” para convidar as associações, grupos e movimentos de fiéis de toda a Europa e do Mundo para se juntar a nós em Roma em uma expressão de apoio ao Santo Padre, e de dar graças por esta Magna Carta do Papa que libertou o rito gregoriano. Este é o nosso convite a todos os fiéis para afirmar a nossa fé católica e a nossa fidelidade ao Romano Pontífice, para expressar a nossa crença de que a liturgia latina tradicional é um instrumento perfeito da Nova Evangelização, inclusive pelo seu apelo para o jovem e por sua universalidade.

A peregrinação culminará com uma Missa Pontifical na forma extraordinária do Rito Romano às 10 horas do sábado 3 de novembro, na Basílica de São Pedro, o coração do mundo católico.

Quais são os movimentos que aderem à iniciativa?

A lista de movimentos está crescendo quase que diariamente. Temos a intenção de produzir uma lista inicial no lançamento oficial da romaria em 10 de setembro, mas alguns movimentos merecem menção especial. Falo também como secretário da Federação Internacional “Una Voce”, que deu o seu forte apoio ao Coetus Internationalis. As associações membros da nossa Federação, nos cinco continentes, especialmente a Una Voce Italia, têm participado ativamente da obra do Coetus Internationalis.

Uma excelente iniciativa nova foi o Coetus nationalis pro Summorum Pontificum (CNSP), reunindo grupos e organizações na Itália, incluindo algumas de nossas associações Una Voce. Gostaria ainda de fazer menção honrosa da experiente e reconhecida associação francesa Notre-Dame-de-Chrétienté, organizadora da peregrinação anual a Chartres, e da Foederatio Internationalis Juventutem, com atividade conhecida nas Jornadas Mundiais da Juventude, e que já confirmaram a sua adesão ao Coetus Internationalis nos últimos dias.

O apoio de todos esses grupos e movimentos é essencial se quisermos alcançar nosso objetivo de criar uma unidade de caridade e de cooperação entre os partidários do Summorum Pontificum, e, especialmente, de expressar nossos agradecimentos por Summorum Pontificum e nossa fidelidade ao Romano Pontífice durante a peregrinação a Roma em novembro. Reitero o convite a qualquer grupo que apóia Summorum Pontificum a registrar seu apoio ao Coetus Internationalis.

Você tem outros detalhes sobre o andamento de romaria, como exemplo, o nome do celebrante?

Estamos trabalhando tão ativamente quanto as férias de verão, sagradas em Roma, permitem-nos. O nome do celebrante será anunciado durante o lançamento oficial em setembro. Além da missa na Basílica de São Pedro, nós convidamos cada grupo que se junte a nós a realizar uma cerimônia ou reunião própria em Roma durante o fim de semana de Todos os Santos. Para este fim, nosso capelão, Padre Claude Barthe, autor de vários livros e artigos sobre questões litúrgicas, fará a ligação entre os grupos de peregrinos e os membros do clero que estarão em Roma nessa ocasião. Quem estiver interessado já pode contactar a nossa Secretaria por meio de cisp@mail.com ou  secretary@fiuv.org.

A romaria será oficialmente lançada em 10 de setembro, apenas oito semanas antes da missa de 03 de novembro. O tempo é curto. Vocês esperam que quantos romeiros façam a viagem a Roma?

É verdade que os prazos são curtos. No entanto, muito trabalho tem sido feito pelo Coetus Internationalis discretamente durante muitos meses. As estimativas que eu vi incluem entre 3.000 e 4.000 romeiros de todo o mundo.

Você mencionou que também é o secretário da FIUV? Que papel a FIUV tem desempenhado nesta romaria e que papel esta romaria tem nas atividades do FIUV?

Como a mais antiga organização de leigos a trabalhar para a preservação da liturgia latina tradicional, a Federação Internacional “Una Voce” esteve envolvida com isto desde o início. Nossa rede de associações e federações de 33 países nos cinco continentes enfatiza o trabalhar em cooperação e dentro de uma unidade em caridade. Era natural que a FIUV fosse um dos primeiros e mais firmes apoiadores do Coetus Internationalis.

Nossa Federação vem a Roma a cada dois anos para uma Assembléia Geral de Membros, mas estávamos ansiosos para fazer um esforço especial para celebrar o 5 º Aniversário de Summorum Pontificum, e demonstrar a nossa fidelidade ao Papa durante o Ano da Fé. A romaria em novembro será uma oportunidade ideal para fazer o que os católicos sempre fizeram, peregrinar aos túmulos dos Apóstolos, e declarar publicamente a sua fidelidade ao Papa.

Aquilo em que o Coetus Internationalis é diferente, e que deve agradar a todos que apoiam Summorum Pontificum, é o seu distanciamento de qualquer divisão. É um simples ato de amor por parte de muitas almas em muitos movimentos católicos que busca incluir a todos em nossa expressão visível da fé, de gratidão e de fidelidade. Para todos aqueles que compartilham da nossa fé católica, que compartilham da nossa gratidão por Summorum Pontificum, que compartilham da nossa fidelidade ao Santo Padre, e para todos aqueles que me ouvem, eu digo: Venham conosco a Roma!

19 janeiro, 2012

Começa hoje o processo de filiação à Una Voce Brasil.

Por Una Voce Brasil

A Una Voce Internacional é um grupo formado por associações nacionais presentes em mais de 36 países e atuante na defesa da sagrada liturgia latina – forma extraordinária – desde a década de 60. Sua reputação é conhecidíssima e sua contribuição na preservação da missa tradicional é singular na história recente da Igreja.

No Brasil estamos organizando desde agosto de 2011 a formação de uma associação nacional que possa incorporar todos os fiéis leigos que nutrem um verdadeiro amor pela forma extraordinária da liturgia romana, pela Igreja e pelo Papa. Este grupo nacional quer difundir e aplicar o Motu Proprio Summorum Pontificum no maior número possível de dioceses, como previsto na recente Instrução Universae Ecclesiae 8(a) – oferecer a todos os fiéis a Liturgia Romana segundo o Usus Antiquior, considerada como um tesouro precioso a ser conservado.

Nos últimos seis meses nós estivemos em contato com leigos de todo o Brasil, realizamos visitas em algumas localidades construindo laços e ganhando a experiência necessária para que o trabalho da Una Voce Brasil pudesse ser frutuoso.

Nestes meses ganhamos, além do apoio dos leigos, muitas mensagens de incentivo e reconhecimento de outras associações nacionais federadas à Una Voce Internacional, como é o caso da Argentina, do Chile, Portugal e Espanha!

O mesmo encorajamento foi dado pelos padres do Coetus Sacerdotalis “Summorum Pontificum” e pelo bispo da Administração Apostólica, Dom Fernando Rifan, que esperam da Una Voce Brasil grandes frutos para todo o país!

E para alcançarmos esses objetivos precisamos do empenho de cada leigo, da colaboração de todos os fiéis que lutam pela missa ou que trabalham para a sua preservação nas mais diversas dioceses brasileiras. Sem a participação dos leigos brasileiros e suas orações, a aplicação do Motu Proprio Summorum Pontificum continuará tímida e pontual.

Queremos construir no Brasil uma grande associação, capaz de contribuir positivamente para a queda dos preconceitos ainda cultivados em muitos lugares .

Estamos iniciando hoje, quinta-feira, o processo de filiação à Una Voce Brasil. É através dele que o leigo poderá se tornar membro pleno e participar conosco desse trabalho.

Para isso, pedimos aos interessados que acessem o site da Una Voce Brasil – www.unavocebrasil.org – e leiam com atenção todas as informações ali contidas. Há ainda, antes da formalização da filiação, a possibilidade de enviar ao grupo as suas dúvidas ou outros questionamentos.

Ressaltamos que também há a possibilidade de filiação ou adesão de grupos já constituídos ou de apostolados já criados.

Agradecemos a gentileza do editor do site Fratres in Unum pelo espaço concedido ao nosso movimento e esperamos que todos os leigos do Brasil possam trabalhar conosco para a maior glória de Deus e pelo triunfo da Sua Igreja!

[Comentários e questionamentos devem ser direcionados diretamente à Una Voce]

9 dezembro, 2011

Diante do pejo e resistência de clérigos, jovens e leigos mostram-se favoráveis à liturgia tradicional.

Carta 24 de  Paix Liturgique

Desta vez, não somos nós que o dizemos, mas sim distintos prelados romanos e a Federação Internacional “Una Voce”: para grande desespero de um certo clero de antanho, são os jovens e os leigos que, empenhando-se na aplicação do Motu Proprio Summorum Pontificum, mais testemunham a sua fidelidade ao Papa e a sua concordância com os seus pontos de vista litúrgicos.

Foi assim que, no passado dia 7 de Outubro, por ocasião da apresentação dum livro italiano sobre as oposições ao Motu Proprio, Mons. Bux — ver as nossas cartas em francês 210, 211 e 258 —, sublinhou fortemente o papel de motor desempenhado pelos leigos e pelos jovens para a boa recepção do magistério de Bento XVI em matéria litúrgica. Os Cardeais Farina e Castrillón Hoyos, que então estavam presentes, apoiaram sem hesitação as posições deste amigo do Santo Padre.

Continue lendo…

19 outubro, 2011

Blog da Una Voce Brasil.

A Una Voce Brasil acaba de lançar o seu blog. Clique para visitá-lo.

A Una Voce Brasil acaba de lançar o seu blog. Clique para visitá-lo.

 

Tags:
6 setembro, 2011

Os primeiros passos da Una Voce Brasil.

Retransmitimos a mensagem recebida sobre o início da Una Voce Brasil.

Prezado Editor do Blog “Fratres in Unum”

Salve Maria!

Após 4 anos de publicação do Motu Proprio Summorum Pontificum, os resultados no Brasil estão muito aquém do esperado, especialmente quando comparamos nosso país – o maior país católico do mundo – com países onde o catolicismo não é a religião majoritária.

Assim, querendo transformar essa realidade e tornar o Brasil um exemplo na aplicação e vivência do Motu Proprio dentro das dioceses, procurando vencer os preconceitos e difundir a missa na forma extraordinária, estamos formando um grupo nacional nos moldes da Federação Internacional Una Voce (http://www.fiuv.org).

A Una Voce, desde 1968, se dedica à promoção e difusão do rito romano na sua forma extraordinária (tridentina ou ainda gregoriana). O apostolado da Una Voce inicia-se durante a reforma litúrgica do Concílio Vaticano II, quando alguns estudiosos e eminentes intelectuais da Europa perceberam que a liturgia romana corria um sério risco de desaparecer, pelo menos na forma como era conhecida e amada por quase 500 anos.

Hoje a Una Voce está presente em mais de 36 países, atuando de diversas formas para a promoção da liturgia conforme o motu Proprio Summorum Pontificum. Cada associação nacional reúne um ou vários grupos de leigos com esse objetivo; esses leigos trabalham dentro da sua realidade para aplicar o motu proprio e tornar o rito conhecido.

Através da fundação de um grupo no Brasil – a futura Una Voce Brasil – queremos colocar todos os leigos que se esforçam isoladamente para a aplicação do Motu Proprio Summorum Pontificum em contato uns com os outros e, dessa forma, proporcionar apoio mútuo ou realizar atividades conjuntas quando o contexto permitir.

Iniciamos nossas conversas com o Sr. Leo Darroch, presidente da Una Voce internacional para a nossa formação e filiação. Para garantir o sucesso da futura “Una Voce Brasil” estamos entrando em contato com grupos que defendem a liturgia nas dioceses e com pessoas que nutrem interesse em participar desse projeto.

Reconhecendo o vosso eminente trabalho em levar informações que dificilmente estariam acessíveis ao católico pelos meios “ordinários” de comunicação, pedimos humildemente que retransmita essa mensagem aos seus leitores e a todos aqueles que possam estar interessados em fazer parte de grupo.

A formação de uma Una Voce brasileira, para se concretizar, precisa da colaboração de todos os leigos que amam a sagrada liturgia e se importam com a fé católica reta em nosso país.

Temos certeza que não faltarão boas almas que se sentirão atraídas pela proposta, justamente por já conhecerem o trabalho desenvolvido pela Federação Internacional e como ela alterou positivamente a realidade em vários países. Pedimos que entrem em contato conosco através do nosso e-mail (federacao@unavocebrasil.org)

Despedimo-nos desejando que Deus o fortaleça neste importante apostolado de informação, sempre para a Sua maior glória.

Em Cristo

Danilo A. Dias

Federação de Fiéis Leigos do Brasil – Una Voce Brasil

6 novembro, 2009

‘Una Voce’ junto ao Papa.

O Papa Bento XVI se informou sobre a implementação do Motu Proprio ‘Summorum Pontificum’ durante uma audiência geral.

O presidente da Una Voce em audiência com o Papa Bento XVI(Kreuz.net, Roma) Na quarta-feira, logo após a audiência geral, o Papa recebeu uma delegação da organização internacional de leigos tradicionalistas ‘Una Voce’, conforme informou a delegada alemã, a Sra. Monika Rheinschmitt, no sítio ‘Pro-Missa-Tridentina’.

A Federação ‘Una-Voce’ internacional esteve na Cidade Santa de 27 a 30 de outubro.

Os participantes foram:

Leo Darroch (Presidente, Inglaterra), Rodolfo Vargas Rubio (Secretário, Espanha), Jack Oostveen (Vice-Presidente, Holanda), Monika Rheinschmitt (Tesoureira, Alemanha).

Na última quarta-feira o grupo foi recebido por Bento XVI na Praça de São Pedro por alguns minutos.

Eles entregaram ao Papa uma documentação sobre “Dois Anos do Motu Proprio ‘Summorum Pontificum’ – implementação mundial” bem como sobre uma campanha de assinaturas na Alemanha.

Segundo informações da ‘Una Voce’, Bento XVI ficou ‘bastante interessado’ em ambos documentos.

Comparecimento pessoal nas congregações vaticanas

Os delegados da ‘Una Voce’ visitaram ainda diversos gabinetes no Vaticano – a redação do jornal do Vaticano ‘Osservatore Romano’, a Congregação para o Culto Divino e para o Clero, o Secretariado e a Comissão Pontifícia ‘Ecclesia Dei’.

Ademais os delegados se encontraram com o Ex-presidentes da Comissão, os Cardeais Augustin Mayer e Dario Castrillón Hoyos.

Com sua visita a Roma, a ‘Una Voce’ quis alcançar uma percepção mais forte dos tradicionalistas no Vaticano e que os dicastérios romanos conhecessem a situação mundial da implementação do ‘Summorum Pontificum’.

7 agosto, 2009

Carta de Monsenhor Lefebvre ao Dr. Eric de Saventhem.

Em novembro de 1977, a revista Itineraries publicou o Dossiê Saventhem, que consistia em quatorze documentos totalizando 52 páginas com correspondências trocadas entre Dr. Eric de Saventhem, então presidente da Una Voce, com os Cardeais Knox (Prefeito para o Culto Divino) e Villot (Secretário de Estado) e o Arcebispo Benelli (substituto da Secretaria de Estado) acerca da “proibição” ilegal à Missa tradicional.

Respondido às vezes de maneira curta, às vezes rudemente, às vezes com silêncio, Dr. Saventhem prova que a “proibição” imposta por Paulo VI era um evidente abuso de autoridade. Em sua carta ao Cardeal Villot, datada de 15 de agosto de 1976, Dr. Saventhem concluía com três pedidos que Monsenhor Lefebvre comenta na carta que publicamos logo abaixo:

  1. que Roma revisse sua recente legislação litúrgica num futuro próximo e concedesse aos ritos pré-conciliares o direito a uma pacífica co-existência ao lado dos ritos reformados;
  2. como uma medida provisória a ter efeito a partir do Advento daquele ano, qualquer sacerdote deveria estar livre para celebrar a Missa de São Pio V para os grupos que assim desejassem, contanto que fossem obedientes ao magistério Papal;
  3. Desde a mesma data, a restrição que permitia apenas a padres idosos ou enfermos utilizar o rito tradicional em missas sine populo deveria ser levantada.

Tendo recebido uma cópia desta carta, Monsenhor Lefebvre escreveu ao Dr. Saventhem em 17 de setembro de 1976:

Monsieur le President,Apologia Pro Marcel Lefebvre - Michael Davies

Li com grande interesse o extrato de sua última carta à Sua Eminência, o Cardeal Secretário de Estado, com as três requisições que lhe submeteu. Eu o cumprimento por sua iniciativa e desejo de todo meu coração que ela seja recebida em Roma com compreensão.

O fato é que me foi necessário denunciar os novos ritos como “bastardos” e dizer que o novo rito da Missa é “um símbolo de uma nova fé, uma fé modernista”; e uma das principais razões para tal era o rigor dos esforços em proibir os ritos antigos. Tal rigor pode ser explicado apenas na hipótese de que o propósito fosse expulsar da Igreja, junto àqueles veneráveis ritos, as doutrinas das quais eles são expressão.

Se a proibição de nossos veneráveis antigos ritos for levantada, se poderia tomar tal medida como um sinal de que Roma não quer nos impor, através de uma Lex orandi completamente alterada, uma nova lei da fé. E se, daqui por diante, esses veneráveis ritos recobrassem, na vida da liturgia da Igreja, os direitos e honra devidos a eles, seria uma impressionante evidência que a Igreja dita “conciliar” nos permite professar a mesma fé e extrair das mesmas fontes sacramentais, como a Igreja de sempre.

É verdade, os ritos renovados apresentam problemas mesmo se forem propostos pela Igreja como meramente experimentais. Todavia, por mais sérios que sejam estes problemas, nós devemos estar autorizados a discuti-los calmamente com as autoridades competentes, sem nos encontrarmos acusados a todo momento de faltar na fidelidade autêntica à Igreja.

Quanto ao trabalho de formação sacerdotal que levo em meus seminários, ele é centrado inteiramente, como o senhor sabe, no inesgotável mistério da Santa Missa. Esse é o porquê de nós mantermos o Missal antigo para a celebração da missa, que me parece permitir tanto ao celebrante quanto aos fiéis ter uma participação mais intensa neste mistério. O mesmo seria verdade para os outros ritos sacramentais: estou certo de que em suas antigas formas eles dão expressão, melhor do que as novas, às riquezas de seus conteúdos dogmáticos, e que eles, portanto,  têm uma maior eficácia evangélica e pastoral.

Espero para a Igreja universal, como o senhor, uma pacífica co-existência dos ritos pré e pós conciliares. Padres e povo poderiam então escolher a qual “espécie de rito” pertenceriam. O tempo então nos permitiria conhecer o julgamento de Deus sobre seus valores comparativos para a verdade e por seus efeitos salutares na Igreja Católica e em toda a Cristandade.

Com meus respeitosos e cordialmente dedicados votos em Cristo e Maria.

+ Marcel Lefebvre

Michael Davies, Apologia Pro Marcel Lefebvre, vol. I, cap. 14 – Angelus Press, 1979

18 setembro, 2008

Uma Administração Apóstolica para Una Voce?

Jack Oostveen, Monika Rheinschmitt e Leo Daroch

Foi nesta Assembléia Geral em 2003 que os benefícios da Federação vindo sob a proteção de uma administração apostólica foram discutidos pela primeira vez. Um pequeno comitê trabalhou diligentemente e produziu um relatório, mas que nunca foi levado adiante. Entretanto, no meio de 2005, um pequeno grupo composto por Conde Neri Capponi, Dr Helmut Rückriegel, Fra Fredrik Crichton-Stuart, e eu, sob a direção de um prelado simpático, concordamos num documento muito detalhado sobre a ereção de uma internacional administração apóstolica pessoal tradicional. Isso foi visto como a maneira mais efetiva de garantir um futuro seguro para a Missa e a liturgia tradicional. Foi preparada uma estrutura legal detalhada — um codex particularis. Ao grupo foi dada prima fila na Audiência Geral de 11 de janeiro de 2006 e tivemos alguns minutos falando com o Papa Bento XVI, presenteando-o com uma cópia de nossa proposta. Fomos informados depois por conversas que Sua Santidade estava profundamente tocado por nossa carta e proposta. Cremos que nossa proposta foi mencionada no encontro de cardeais em Março de 2006. Vocês podem estar interessados em saber que na parte de nossa proposta a respeito da observância litúrgica foi escrito: “membros do Rito Romano desta Administração Apóstolica terão o uso habitual de todas as formas litúrgicas do Rito Romano aprovadas pelo Beato Papa João XXIII; isto é, o Rito Romano Extraordinário”. Seria apenas uma coincidência que essa terminologia aparecesse no Motu Proprio? Eu gostaria de encorajar a qualquer padre ou religioso que possa desejar mais informações sobre uma administração apostólica pessoal tradicional internacional a me contactar particularmente em president@ifuv.org.

[…]

Devemos comprometer nossos serviços a nosso Santo Padre, Papa Bento, em seus esforços para reformar a vida eclesial e talvez isso possa ser melhor conseguido através de uma administração apostólica pessoal internacional tradicional. É claro que em Roma, e em qualquer outro lugar na Igreja, forças trabalham tentando isolar o Santo Padre e asfixiar suas intenções. Creio que ao nos dar Summorum Pontificum, nosso Santo Padre abriu uma porta a nós e ele está observando para ver onde nós estamos. É imperativo que não percamos este momento e nós devemos responder a seu chamado.

Leo Darroch, Presidente Executivo – Foederatio Internationalis Una Voce.