Posts tagged ‘Igreja’

28 agosto, 2015

Sancte Augustine, ora pro nobis!

Oração de Santo Agostinho

Vós sois, ó Jesus, o Cristo, meu Pai santo, meu Deus misericordioso, meu Rei infinitamente grande; sois meu bom pastor, meu único mestre, meu auxílio cheio de bondade, meu bem-amado de uma beleza maravilhosa, meu pão vivo, meu sacerdote eterno, meu guia para a pátria, minha verdadeira luz, minha santa doçura, meu reto caminho, sapiência minha preclara, minha pura simplicidade, minha paz e concórdia; sois, enfim, toda a minha salvaguarda, minha herança preciosa, minha eterna salvação.

Ó Jesus Cristo, amável, Senhor, por que, em toda minha vida, amei, por que desejei outra coisa senão Vós? Onde estava eu quando não pensava em Vós? Ah! que, pelo menos, a partir deste momento, meu coração só deseje a Vós e por Vós se abrase, Senhor Jesus! Desejos de minha alma, correi, que já bastante tardastes; ó, apressai-vos para o fim a que aspirais; procurai em verdade Aquele que procurais.

Ó Jesus, anátema seja quem não Vos ama. Aquele que não Vos ama seja repleto de amarguras. Ó doce Jesus, sede o amor, as delícias, a admiração de todo coração dignamente consagrado à vossa glória.

Deus de meu coração e minha partilha, Jesus Cristo, que em Vós meu coração desfaleça, e sede Vós mesmo a minha vida.

Acenda-se em minha alma a brasa ardente de vosso amor e se converta num incêndio todo divino, a arder para sempre no altar de meu coração; que inflame o íntimo de meu ser, e abrase o âmago de minha alma; para que no dia de minha morte eu apareça diante de Vós inteiramente consumido em vosso amor. Assim Seja.

Publicado originalmente na festa de Santo Agostinho de 2010.

Tags:
15 agosto, 2015

Páscoa da Mãe de Deus.

A festa da Páscoa da Mãe de Deus, no dia 15 de agosto, a sua morte e a sua plena glorificação são celebradas nas Igrejas orientais com grande solenidade. Festa precedida também por um período quaresmal de preparação, como ocorre para a Páscoa de Cristo.

unnamedQueremos nestas linhas nos debruçar sobre isso, na forma de testemunho, de comunhão e de oração com e pelos nossos irmãos cristãos no Iraque e no Oriente Próximo, sobre os textos litúrgicos das duas tradições siríacas, a ocidental e a oriental, textos que serão cantados e rezados nessa festa, mas, ao mesmo tempo, textos que, em muitas igrejas no Iraque e no Oriente Próximo, não serão mais cantadas nem rezados.

Trata-se de textos litúrgicos em que é repetidamente enfatizada a alegria de toda a criação ao acorrer à celebração do trânsito de Maria. Textos que evidenciam a presença, nessa celebração gloriosa e festiva, dos anjos, dos apóstolos, de toda a Igreja. Textos, enfim, que repetidamente invocam Maria como aquela que intercede pelo povo.

Demos simplesmente a tradução de alguns trechos pertencentes à tradição siro-ocidental, em primeiro lugar, e à siro-oriental, em segundo lugar. Textos cuja atribuição aos grandes Padres dessas Igrejas, Efrém, Tiago, Isaac, nos leva à comunhão com todos os cristãos que, por 2.000 anos, invocaram o Senhor na língua com que ele nos ensinou a invocar a Deus como Pai.

Da tradição siro-ocidental, damos a tradução de alguns textos das Vésperas da festa. A liturgia desse dia sublinha de modo especial a dimensão eclesial da festa na presença em torno de Maria de todas as hostes dos anjos e dos homens: “Fazei-nos dignos, ó Cristo Deus, de celebrar com alma pura e corpo sem pecado, junto com as multidões dos anjos e aos coros dos homens justos e dos apóstolos, este dia festivo de Vossa Mãe Santíssima. Conservai-nos pelas suas orações e pelas suas súplicas, livrai-nos de todo mal no corpo e na alma. No dia do trânsito da Virgem Maria, os apóstolos celebram a sua liturgia sagrada; as hostes dos seres de fogo e de espírito, com as almas dos justos, dispõem a procissão rumo à sua sepultura e honram o dia do trânsito da virgem Maria, filha de Davi, a Mãe que gerou Deus. A paz esteja contigo, filha de Davi, virgem cheia de graça, santa e cheia de beleza. Anjos e homens se admiram e se maravilham com o teu trânsito deste mundo para o teu Filho”.

E, ainda na véspera da festa, um dos textos de uma beleza e profundidade teológicas únicas no seu gênero. “Louvo a Vós, Cristo, nosso Deus, grande e, ao mesmo tempo velado, que descestes para habitar no seio da Virgem, Vossa Mãe, que não conheceu as núpcias. Vós vos fizestes semelhante a nós, exceto no pecado; e nós, vossos servidores na terra, na memória de Vossa Mãe, louvamo-la: ‘Tu és a esposa perfeita e a Mãe pura, fonte de benefícios, que não conheceu as núpcias. Tu és o fermento da vida misturado com as três medidas de trigo, o Cristo. Tu és o orgulho dos cristãos. No dia do teu trânsito, tu encheste o mundo de admiração; os coros dos anjos acorreram para honrar-te e unir-se aos apóstolos, reunidos para honrar a tua morte e sepultar o teu belíssimo corpo. Eles te viram deitada no leito e envolta em glória inefável, os céus abertos, e os exércitos dos seres luminosos voavam e desciam para honrar-te’. Ó dia grande e feliz dia em que a Mãe foi ao encontro do seu Unigênito. Pedro, o chefe dos apóstolos, porta o leito fúnebre, e Gabriel, o chefe dos anjos, canta: ‘Bem-vinda és tu, ó Mãe bendita e esposa pura! Louvor a ti, morada do Espírito Santo e câmara nupcial do Rei celeste, vinha fértil que deu o cacho da alegria, cujo vinho embebe toda a criação. Bem-vinda és tu, Virgem cheia de graça, rosa desejável e lírio cheio de perfume, filha bendita que libertaste Adão, teu pai, da escravidão do pecado. Bem-vinda és tu, mesa abençoada, que ofereceste o pão da vida às almas que morreram pelo pecado, pão que se torna alimento espiritual para a vida nova'”.

Da tradição siro-oriental, seguem aqui alguns trechos da liturgia: “Bendita és tu, ó virgem, prometida em casamento, mas não conhecida pelo homem. Bendita és tu, que tens um Filho, mas a tua virgindade não foi conhecida pelo homem. Bendita és tu, mar sem igual, o teu noivo é o teu Filho predileto. Bendita és tu, ó terra na qual foi formado o Senhor de Adão e na carne ele habitou. Bendita és tu, árvore prodigiosa, que produz o fruto cheio de admiração. Bendita és tu, arbusto extraordinário, não consumido pelo fogo. Bendita és tu, cetro do filho de Arão, que germinou as amêndoas sem ter sido plantada; no seu ventre, ele se fez homem. Pelo teu corpo puro que portara o Filho de Deus chegara o momento de beber o cálice que Adão tinha enchido para os seus filhos. O Senhor ordenou que os anjos do céu prestassem homenagem ao corpo de sua Mãe. Eles a escoltaram com solenidade e honra, como lhes tinha sido ordenado. Glória Àquele que exaltou o dia da sua assunção”.

Ambas as tradições invocam Maria como aquela que intercede junto a Cristo, seu Filho. Invocações que assumimos neste dia de festa, em comunhão com os nossos irmãos iraquianos e do Oriente Próximo, que cantarão na sua liturgia estes textos abençoados, ou que talvez só poderão vivê-los na liturgia de testemunho martirial das suas vidas: “Cristo, nosso Deus, que aceitais os pedidos dos pecadores e ouvis os prantos daqueles que estão aflitos, que honrais a memória da assunção de Vossa Mãe, a Virgem pura, acolhei agora o perfume da nossa oração, perdoai as nossas culpas e refazei os nossos pecados pela sua intercessão. Na Vossa imensa misericórdia, aceitai, em nome da tua Igreja, as ofertas e os dons que vos oferecem os seus filhos fiéis em homenagem da Vossa Mãe, Rainha dos anjos e dos santos”.

“Ó Cristo, nosso Salvador, tornai-nos hoje dignos da Vossa clemência, para alegrarmo-nos e gozar com Maria na vida que nunca acaba.”

PADRE MANOEL NIN, Arquimandrita e Reitor do Pontifício Colégio Grego. L’Osservatore Romano, 14-08-2014. Tradução de Moisés Sbardelotto.

Tags:
8 agosto, 2015

Os jesuítas protegidos por Nossa Senhora de Fátima em Hiroshima.

Por Myra Adams – Junto ao meu pai, minha autoridade sobre todas as coisas católicas, está meu sogro, um “funcionário público” já aposentado. Ele possui um conhecimento enciclopédico de física, história, política e religião com um interesse especial posto nos milagres bíblicos e nas manifestações sobrenaturais em geral.

Santa Missa na Catedral devastada de Hiroshima.

Santa Missa na Catedral devastada de Hiroshima.

Recentemente, meu marido e eu assistimos a um documentário interessante sobre a produção da bomba atômica, conhecido como “Projeto Manhattan”. Ambos concordamos que meu sogro também deveria desfrutar do programa e da próxima vez que ele viesse à nossa casa iríamos reproduzi-lo para ele.

Então chegou o dia!

Depois que ele assistiu, perguntei ao meu sogro, se ele tinha gostado do documentário. Ele disse que sim, mas que já conhecia muito da história. (É claro!)

Expressou desapontamento pelo fato de o documentário não mencionar o acontecido com um grupo de padres jesuítas que sobreviveram à explosão da bomba de Hiroshima, no marco zero, sem quaisquer lesões graves.

Eu disse a ele que esse “descuido” não era surpreendente, pois era, afinal, um documentário do “History Channel”. Mas eu ainda duvidava da veracidade deste acontecimento milagroso de Hiroshima.

Como meu sogro afirmou que para ele foi sem dúvida um autêntico milagre, acessei o Google e digitei “padres jesuítas sobreviveram Hiroshima”. Para minha surpresa, imediatamente apareceram inúmeros links para esta história, surpreendentemente veraz, entretanto agora quase perdida nas “poeiras do tempo”.

Aqui estão os fatos básicos desse acontecimento histórico.

Em Hiroshima, um grupo de oito padres jesuítas viviam em um presbitério, perto da igreja paroquial a menos de um quilômetro de distância de onde a primeira bomba atômica caiu e espalhou devastação e morte ao redor. Essa explosão matou instantaneamente 80.000 pessoas, chegando depois a um total aproximado de 140.000 pessoas. Mais de dois terços dos edifícios foram destruidos.

O edifício dos oito padres situava-se em cheio na área da destruição, que atingiu quilômetros de distância, mas nem as cinzas os atingiram. Apenas algumas partes do edifício sofreram danos. Muitas outras partes permaneceram de pé. Eles sairam ”praticamente ilesos dos efeitos da bomba”. Nenhum deles sofreu efeitos da radiação ou lesões graves com a explosão da bomba.

É verdade que um pequeno número de outras pessoas que se encontravam na área da explosão sobreviveram. Mas todos seriamente atingidos e a maioria, pelo menos, faleceu logo depois de doenças decorrentes da irradiação.

O que é verdadeiramente milagroso, ainda mais, é que os efeitos da irradiação não afetou nenhum dos jesuítas, nem naquele momento ou décadas mais tarde.

Por que esses oito sacerdotes foram poupados, estando numa área de morte e destruição total?

Em 1976 os oito padres jesuítas ainda viviam. Um deles, um alemão chamado Padre Hubert Schiffer, deu, em nome de todos, esta resposta:“Nós sobrevivemos porque estávamos vivendo a mensagem de Fátima: rezávamos o Rosário diariamente, naquela casa”.

Qual é a mensagem de Fátima? Pergunta-se então.

A resposta encontrei num artigo do Catholic Herald, de 2010, que dá muitos detalhes sobre este assunto.

A essência da conversão pedida por Nossa Senhora em Fátima está nas preocupações com os pecados da humanidade e a solicitação de  retorno a Deus, que envolve a reparação pelos próprios pecados e pelos pecados dos outros, bem como o oferecimento dos próprios sofrimentos e provações diárias.

Não é o caso de aprofundarmos em aspectos muito complicados da Teologia e nem nos pormenores do artigo do Catholic Herald à procura de explicações teológicas do porque os oito padres sobreviveram milagrosamente e ainda viveram até idade avançada. Entretanto, aqui está uma versão, resumidamente.

1)  6 de agosto − dia em que a bomba caiu sobre Hiroshima −, é também o dia em que a Igreja Católica celebra anualmente a Festa da Transfiguração. O Novo Testamento conta que Jesus subiu a um monte alto e foi “transfigurado” diante de seus apóstolos São Pedro, São Tiago e São João. No Evangelho de São Mateus (17:02) lê-se: “seu rosto resplandecia como o sol, e suas vestes tornaram-se brancas como a luz”.

(Observação: semelhante ao que os moradores de Hiroshima teriam visto segundos após a bomba ser lançada.)

 2) Agora, vejamos o milagre de Fátima, em Portugal, em1917,  conhecido como o “Milagre do sol”. A Virgem Maria apareceu a três crianças em seis ocasiões diferentes e deu-lhes mensagens proféticas. Para, em seguida, confirmar que suas mensagens eram de Deus, na frente de 70.000 pessoas o sol pareceu girar no céu, alterar cores e começar a cair sobre a terra, mas depois estabilizou. (Segunda observação:  a explosão da bomba atômica foi tão brilhante como o sol e que “caiu por terra”!)

3 ) Finalmente, há os oito sacerdotes, que por sua própria iniciativa disseram que “sobreviveram porque estávamos vivendo a mensagem de Fátima”.

Estes padres rezavam o terço diariamente em nome de Jesus e Maria e, enquanto a explosão feita pelo homem − de alguma forma prefigurada na “luz branca e brilhante do sol” −, devastou o mundo ao seu redor no aniversário desse dia de festa, eles foram protegidos por Deus da terrível “explosão branca”, a menos de um quilômetro de distância.

Agora, não é necessário ser católico para reconhecer que algo poderoso e de natureza milagrosa impediu os oito padres e a construção em que se encontravam de ser reduzida a cinzas e os protegeu dos efeitos da radiação mortal.

A boa notícia, eu acredito, é que este “poder extraordinário” ainda está à nossa disposição hoje em dia.

Para terminar aqui vai um relato de testemunha ocular de um dos sacerdotes como consta em um documento histórico sobre Hiroshima, produzido pela Yale Law School.

“Para mim, a verdadeira moral desta história é a de nunca duvidar do meu sogro, que está com quase 90 anos de idade e com plena saúde física e mental, e reza o Rosário diariamente. Tal qual os sacerdotes sobreviveram milagrosamente em Hiroshima, também ele experimentou o que ele acredita ser os milagres divinos que pouparam sua própria vida, várias vezes, enquanto estava servindo seu país em zonas de guerra e outras circunstâncias perigosas, em todo o mundo”.

Tags:
6 agosto, 2015

Hoje: Dia Internacional de Oração pelos Cristãos perseguidos no Oriente Médio.

Mais informações aqui.

Tags:
18 julho, 2015

Bispo fiel ao Vaticano desafia autoridades chinesas e aparece em público com anel e barrete.

BEIJING, 14 Jul. 15 / 02:31 pm (ACI).- O Bispo de Zhouzi, Dom Wu Qinjing, ordenado com a aprovação da Santa Sé, mas não reconhecido pela Associação Patriótica Católica Chinesa, conhecida também como a Igreja Cismática por não reconhecer a autoridade do Papa, desafiou as autoridades chinesas ao vestir-se com barrete e anel em um ato público na catedral de sua diocese. Em algumas províncias da China a vestimenta clerical, a batina, a faixa, o anel e o barrete, está proibida em lugares públicos e a pena pode ser a prisão.

Conforme informou o jornal South China Morning Post, Dom Wu celebrou a Eucaristia vestido como sacerdote, mas utilizou um barrete roxo e o anel próprios da sua condição de bispo, diante dos fiéis para a inauguração de uma nova cruz na catedral de Zhouzhi. O ato foi encarado como uma afronta às autoridades do país que dispuseram a proibição das vestimentas clericais para os bispos.

Dom Wu foi ordenado bispo de Zhouzhi, na província do Shaanxi, pelo antigo Bispo de Xian, Dom Anthony Li Duan, no mês de outubro do ano passado, mas, sua nominação não foi publicada até a semana passada, pouco antes do falecimento do bispo Li Duan.

O jornal assinala também que vários candidatos a bispo da Associação Patriótica Católica Chinesa, para as dioceses de Hubei, Hebei e Mongólia Interior estão prontos e poderiam ser ordenados nos próximos meses, sem a aprovação da Santa Sé.  “Muitas dioceses na China estão sem bispo. Não podemos esperar que as relações com o Vaticano melhorem para as preenche-las”, declarou a EFE Liu Bainian, Vice-presidente da Associação.

Caso sucedam estas ordenações, o fato agravaria ainda mais a tensa situação diplomática entre a Santa Sé e o governo de Pequim, pois, segundo o direito canônico somente o Papa pode nomear bispos mediante um decreto, tornando as ordenações episcopais feitas pela Associação Patriótica Chinesa ilícitas com pena de excomunhão para ordenados e ordenantes.

As relações diplomáticas entre a China e o Vaticano se romperam em 1951, dois anos depois da chegada ao poder dos comunistas que expulsaram aos clérigos estrangeiros.

Tags:
16 julho, 2015

Divulgação – Imagens sacras do Sul de MG.

O leitor Cézar pede a seguinte divulgação:

PERFEIÇÃO E ARTE A SERVIÇO DA FÉ!

Imagens sacras em madeira com a dignidade e delicadeza para o Culto Católico: artesãos sul-mineiros entalham peças exclusivas, sob encomenda, em madeira certificada, em diversos tamanhos, com olhos em vidro, policromia (pintura) empregando as técnicas típicas do século XVIII, como esgrafiados e brocados e elaborados com ouro 22k.

Modelos de imagens tradicionais, como aquelas das igrejas antigas, conhecidas como modelos clássicos (séc. XIX e início do séc. XX), bem como modelos no colonial mineiro e no barroco (séc. XVIII).

Executamos conforme sua encomenda e temos modelos à disposição!

Também trabalhamos imagens em madeira encerada (sem pintura).

Enviamos para todo Brasil!

Para maiores informações e encomendas, entre em contato conosco através de nosso e.mail: zecaartesulmg@bol.com.br

Atenção: Toda divulgação comercial no Fratres in Unum é sempre e absolutamente gratuita, contanto que útil à Igreja, e deve ser enviada para fratresinunum[arroba]gmail.com

Tags:
16 julho, 2015

Flos Carmeli, vitis florigera, splendor Coeli, Virgo puerpera, singularis!

Por Padre Élcio Murucci

Bem podemos dizer que a veste da graça foi tecida pelas mãos benditas de Maria Santíssima. A Santa Madre Igreja proclama-a Corredentora. Se deu inteiramente a si mesma, em união com o seu Filho, pela nossa redenção. Uma tradição popular fala da túnica inconsútil que a sempre Virgem Maria teceu para Jesus; mas para nós fez realmente muito mais: cooperou para nos conseguir a veste da nossa salvação eterna. Maria Santíssima nunca deixou de nos seguir com o seu olhar maternal para proteger em nós a vida da graça. Cada vez que nos convertemos a Deus, nos levantamos de uma culpa – grande ou pequena – ou progredimos na graça, sempre o fazemos por intermédio de Maria Santíssima. O escapulário que a Senhora do Carmo nos oferece não é mais do que o símbolo exterior desta sua incessante solicitude maternal; símbolo, mas também sinal e penhor de salvação eterna. “Recebe, amado filho – disse Nossa Senhora a São Simão Stock – este escapulário… quem morrer com ele não padecerá o fogo eterno”. A sua poderosa intercessão maternal dá-lhe direito a repetir em nosso favor as palavras de Jesus: “Pai Santo… conservei os que me deste e nenhum deles se perdeu”.

O Carmelo é o símbolo da vida contemplativa, vida toda dedicada à busca de Deus, toda dirigida para a intimidade divina; e quem melhor realizou este ideal altíssimo foi a Virgem, Rainha e Decoro do Carmelo. Diz o profeta Isaías XXXII, 16-18: “No deserto habitará a equidade, e a justiça terá o seu assento no Carmelo. A paz será a obra da justiça e o fruto da justiça é o silêncio e a segurança para sempre. O meu povo repousará na mansão da paz, nos tabernáculos da confiança”. Estas palavras do profeta mostram o espírito contemplativo e retratam a alma de Maria Santíssima. Carmelo em hebreu significa jardim. A alma de Nossa Senhora é um jardim de virtudes, é um oásis de silêncio e de paz, onde reina a justiça e a santidade, oásis de segurança, todo cheio de Deus.

São as paixões e os apegos que fazem barulho dentro de nós, tirando a paz da nossa alma. Só uma alma completamente desprendida e que domina inteiramente as suas paixões, poderá, como Maria Santíssima, ser um “jardim” solitário e silencioso, um verdadeiro Carmelo, onde Nosso Senhor Jesus Cristo encontre suas delícias.

“Ó Maria, flor do Carmelo, vinha florida, esplendor do céu, Virgem fecunda e singular, Mãe bondosa e intacta, aos carmelitas dai privilégios, Estrela do mar!” Em latim: “Flos Carmeli, vitis florigera, splendor Coeli, Virgo puerpera, singularis! Mater mitis, sed viri nescia, Carmelitis da privilegia, Stella Maris!”

Publicado originalmente na festa de Nossa Senhora do Carmo de 2012.

Tags:
11 julho, 2015

A Romaria de Gercione Lima.

Nossa cara colaboradora relata todo seu itinerário espiritual de Roma a Zaitzkofen.

No dia 15 de Julho saímos de Toronto com destino a Roma. Nossa primeira parada foi Paris onde nos encontramos com o restante dos peregrinos provenientes dos quatro cantos do mundo: duas senegalesas, uma família do Japão, dois chineses, duas famílias da Indonésia e uma mistura de canadenses dos mais diferentes backgrounds. Estávamos acompanhados por dois sacerdotes da FSSPX que eram nossos diretores espirituais e guias. No total formávamos uma caravana de 32 romeiros em direção à Roma Eterna. Cabe lembrar que o  termo “romaria” surgiu no séc. XIII, para denominar o caminhar dos devotos cristãos em direção a Roma (daí o termo “romaria”).

Continue lendo…

Tags:
8 julho, 2015

Nova campanha de “Obras raras do catolicismo”.

Nosso amigo Paulo Frade nos escreve:

O site Obras Católicas está promovendo uma nova campanha de digitalização de obras raras e fora de edição.http://obrascatolicas.com

Obras raras do Catolicismo - Link para o site

Ao todo são 200 obras a serem digitalizadas e precisarão arrecadar R$ 3.400,00 para atingir a meta e suprir os gastos com a digitalização e manutenção de livros. No último dia 30/06, conforme divulgado em seu boletim informativo (http://goo.gl/zoh67l), o site disponibilizou em sua biblioteca todas as obras da 3ª Campanha de Digitalização, iniciada em 20.12.2014 onde houve uma arrecadação de R$ 2.725,00.

Nesta nova campanha, das 200 obras, há algumas obras de destaque como:

Catecismo de Perseverança (10 vols.) – Mons. Gaume;

Vidas dos Santos (22 vols.) – Pe. Rohrbacher;

Jesus Cristo Rei – Monsenhor Tihamer Toth;

L’Église du Verbe Incarné: Essai de théologie spéculative (3 vols.) – Cardeal Charles Journet;

Sacrae Theologiae Summa (4 vols.) – Patres S.J. in Hispania Professores;

Theologia Dogmatica: Polemica, Scholastica, et Moralis (5 vols.) – RR. Patres SJ.;

De Gratia et libero arbítrio (3 vols.) – Pe. Norbertus Del Prado, O.P.;

Mariology (3 vols.) – Juniper Carol, O.F.M.;

The Preacher’s Encyclopedia (4 vols.) – Msgr. Angel Herrera Oria;

La palabra de Cristo (10 vols.) – Msgr. Angel Herrera Oria;

The Sacramentary (Liber Sacramentorum) in 5 vols. – Bl. Ildelfonso Schuster, O.S.B.

Tags:
28 junho, 2015

Foto da semana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Missa Afro – Dom Basile Mvé Engone, arcebispo de Libreville, Gabão, celebra Missa em paróquia confiada por ele ao Instituto Cristo Rei e Sumo Sacerdote.

Tradidi quod et accepi: num passado não muito distante, Dom Marcel Lefebvre, recém ordenado sacerdote, foi reitor do seminário de Libreville. “Uso de misericórdia até a milésima geração com aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos” (Dt, 5, 10).

Créditos: Click Vaticano

Tags: