Cardeal Burke pede por consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria.

Por John-Henry Westen, LifeSiteNews – Roma, 19 de Maio de 2017 | Tradução: João Melo – FratresInUnum.com – O Cardeal Raymond Burke lançou uma convocação esta manhã aos fiéis católicos para que “trabalhem pela consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria”.

O Cardeal Burke, que é um dos quatro cardeais que pediram esclarecimentos ao Papa Francisco sobre a [exortação] Amoris Laetitia, fez seu apelo no Fórum da Vida de Roma [Rome Life Forum] no mês do centenário da primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos.

p1150084_810_500_55_s_c1

Burke é o ex-Prefeito da do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica e atual patrono da Ordem Militar e Soberana de Malta.

Em um longo discurso sobre “O Segredo de Fátima e a Nova Evangelização”, o Cardeal Burke, na presença do companheiro de dúbia Cardeal Carlo Caffarra, discursou para o bispo do Casaquistão Dom Athanasius Schneider e para mais de cem líderes pró-vida e pró-família de vinte países, dizendo que o triunfo do Imaculado Coração significaria muito mais do que o fim das guerras mundiais e dos desastres naturais que Nossa Senhora de Fátima previu.

“Terríveis que sejam os castigos físicos associados à rebelião de desobediência dos homens contra Deus, infinitamente mais terríveis são os castigos espirituais, pois são relacionados ao fruto do pecado grave: a morte eterna”, ele afirmou.

Ele demonstrou estar de acordo com um dos maiores especialistas em Fátima, Frère Michel de la Sainte Trinité, que afirmou que o triunfo prometido do Imaculado Coração de Maria sem dúvida se refere, primeiramente, à “vitória da Fé, a qual porá fim ao tempo da apostasia e à escassez de pastores da Igreja”.

Referindo-se à situação atual da Igreja à luz das revelações de Nossa Senhora de Fátima, Burke disse:

“O ensinamento integral e corajosamente da Fé é o coração do ministério dos pastores da Igreja: o Romano Pontífice, os bispos em comunhão com a Sé de Pedro e seus principais cooperadores, os padres. Por esta razão, o Terceiro Segredo é dirigido, com particular força, àqueles que exercem os cargos pastorais na Igreja. O fracasso deles em ensinar a fé de forma fiel aos ensinamentos e práticas constantes da Igreja, mesmo que com uma abordagem superficial, confusa ou mesmo mundana, e seu silêncio, colocam em risco mortal, no sentido espiritual mais profundo, precisamente aquelas almas às quais eles foram consagrados para cuidar espiritualmente. Os frutos envenenados do fracasso dos pastores da Igreja são percebidos na maneira de se adorar, de se ensinar e na conduta moral em desacordo com a Lei Divina”.

O chamado à consagração da Rússia é para alguns controverso, mas o Cardeal Burke tratou das razões para seu apelo de maneira simples e direta. “A consagração solicitada é ao mesmo tempo um reconhecimento da importância que a Rússia ainda possui nos planos de Deus para a paz e um sinal de profundo amor por nossos irmãos e irmãs russos”, ele disse.

“Certamente, São João Paulo II consagrou o mundo, incluindo a Rússia, ao Imaculado Coração de Maria em 25 de março de 1984”, o Cardeal Burke disse. “Mas, hoje, mais uma vez, nós ouvimos o chamado de Nossa Senhora de Fátima à consagração da Rússia ao seu Imaculado Coração, de acordo com suas explícitas instruções”.

Uma menção explícita da Rússia na consagração, como requisitada por Nossa Senhora, era desejada pelo Papa São João Paulo II, mas não foi cumprida devido à pressão de conselheiros. Este fato foi confirmado recentemente pelo representante oficial do Papa Francisco no aniversário da celebração de Fátima na última semana em Karaganda, Casaquistão.

Referindo-se ao dia 13 de maio, o Cardeal Paul Josef Cordes, ex-presidente do Pontifício Conselho Cor Unum, relembrou de uma conversa que teve com o Papa São João Paulo II após a consagração 1984, ou “ato de entrega”, ocorrida no dia 25 de março, quando a imagem de Nossa Senhora de Fátima estava em Roma.

“Obviamente, por um longo período, [o Papa] lidou com aquela importante missão que a Mãe de Deus (ali) havia dado às crianças videntes”, Cordes disse. “Contudo, ele absteve-se de mencionar a Rússia de modo explícito porque os diplomatas do Vaticano insistentemente lhe pediram para não mencionar esse país, já que conflitos políticos poderiam talvez surgir”.

Àqueles que ainda objetam ao chamado pela consagração da Rússia, o Cardeal Burke relembrou as palavras do Papa São Paulo II, que em 1984, durante a consagração do mundo ao Imaculado Coração comentou: “O pedido de Maria não é algo para ser feito uma única vez. Seu apelo deve ser atendido geração após geração, em concordância com os sempre novos ‘sinais dos tempos’. (Seu apelo) deve ser retomado incessantemente. Ele deve para sempre ser tido como novo”.

Instruindo os fiéis, o Cardeal Burke ensinou que Nossa Senhora de Fátima “provê para nós os meios de sermos fiéis ao seu Filho Divino e a buscarmos Nele a sabedoria e a força para trazermos a Sua graça salvadora a um mundo profundamente perturbado”.

O Cardeal Burke destacou seis meios que Nossa Senhora deu aos fiéis em Fátima para que participem da restauração da paz no mundo e na Igreja:

  1. Rezar o Terço todos os dias;
  2. Vestir seu escapulário;
  3. Realizar sacrifícios pela salvação dos pecadores;
  4. Realizar reparações pelas ofensas ao seu Imaculado Coração por meio da devoção do primeiro sábado (do mês); e
  5. Configurar nossas próprias vidas sempre mais à de Cristo;
  6. Por último, ela pede ao Romano Pontífice, em união com todos os bispos do mundo, a consagração da Rússia ao seu Imaculado Coração.

“Por estes meios, ela prometeu que seu Coração Imaculado triunfará, trazendo almas a Cristo, seu Filho”, o Cardeal Burke acrescentou. “Voltando-se a Cristo, eles farão reparações pelos seus pecados. Cristo, pela intercessão de Sua Virgem Mãe, os salvará do inferno e trará paz a todo o mundo”.

20 Comentários to “Cardeal Burke pede por consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria.”

  1. Convém lembrar que, no século XVII, cerca de cem anos antes da Revolução Francesa, também Nosso Senhor pediu, através de Santa Margarida de Alacoque, que o rei, com a corte e o clero francês, fizessem a consagração da França ao Sagrado Coração de Jesus. Ninguém deu muita atenção. Somente cem anos depois, quando a Revolução se aproximava de seu auge, é que, desesperado já dos recursos puramente humanos, Luis XVI reuniu um dia o que lhe restava da corte e consagrou a França ao Sagrado Coração. Já era tarde demais para conter o castigo em sua totalidade, mas talvez esse gesto de última hora ainda tenha pelo menos impedido a Revolução de ser pior do que foi.

  2. A data dos cem anos é de ter em conta porque foi lembrada à Irmã Lúcia em Rianjo em 1931 por Nosso Senhor Jesus Cristo:
    “Eles não desejam atender o meu pedido! Olhe para o rei da França; eles se arrependerão e então farão a consagração, mas será tarde demais. A Rússia já terá espalhado seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições contra a Igreja; o Santo Padre terá de sofrer muito.” O aviso é explicito e não necessita de explicações.*
    *http://tradutorescristaos.blogspot.pt/2016/11/santa-margarida-maria-alacoque-e-o.html

  3. Se formos mais detidamente procurarmos as raízes dos males que nos assolam via ideologias no presente, verificaremos que começaram a se intensificar após a insurgencia do filho do Iluminismo, Lutero, contra a Igreja e à sua doutrina – Reforma Protestante, ele reformou o quê? – porém, enevoou a Europa com as perfidias de uma doutrina cristã parodiada!
    Dessa forma, a Europa narcotizada e refém do liberalismo, foi cada vez mais sendo instrumentalizada pela anarquia e grupos mais que se extravazaram na Revolução Francesa; daí para frente, o básico das ideologias marxistas já existia e apenas faltava apenas quem o elaborasse e o colocasse em prática, e logo apareceram Engels e Marx executando a obra que teve a Russia “ortodoxa” como terra fértil para germinar e vicejar as ideias desses, condensadas no material-ateísta comunismo – da familia com grande parentesco do relativista protestantismo.
    O século XX foi o inicio de seu apogeu e Russia a que se refere o post já inoculou globalmente em muitas nações o veneno do marxismo, a ponto de se o respirar e, por muito poucos ser percebido, tão perfeito na arte de se mostrar que não é e será; apesar disso, sabemos ser antes de mais nada tratar-se por detrás de uma conspiração satãnica, ultra sedutora, a ponto de dentro da Igreja possuir haverem tantos membros nela subvertidos e cooperando com ideologistas, de mãos dadas com seus inimigos, agora não mais de forma velada, mas ostensiva, capitaneada pela Russia.
    Apenas N Senhora tem condições de domar ou pisar na serpente Russia, embora para que intervenha em nosso favor, teremos de Lhe devotar e a Seu Filho Jesus, condição necessaria para que sejam concedidas as graças pois, de como presentear a quem não quer receber?
    Tudo indica existirem poderosas forças contrarias dentro da Igreja conspirando contra ela, tentando obstruir tudo que não facilite as almas serem lançadas no abismo infernal, sendo um dos estratagemas manter a Igreja mais ligada no social e afins, além de o menos possível transcendente, ideias da intelligentsia, solucionando o impasse sob a consagração da Russia ao Imaculado Coração de Maria.

  4. É de causar arrepios a justificativa dada pelos conselheiros de JP II para não mencionar o nome da Rússia: “poderia causar conflitos políticos”. Isso revela o quanto esses homens não acreditavam nem um pouquinho na promessa de N,Sra de que converteria a Rússia (a fé católica, claro) se o seu pedido fosse atendido. Se JP II acolheu o parecer de seus conselheiros então tudo leva a crer que ele também não acreditava muito nessa promessa. Agora já é demasiadamente tarde, os erros da Rússia já se espalharam, de forma que não adianta fazer consagração da Rússia na atual conjuntura, haja vista que nem o atual papa nem os bispos do mundo inteiro têm o menor interesse em fazê-la. Somente quando os castigos começarem a recair sobre a Igreja e sobre o mundo é que a consagração será feita de acordo com a fórmula prescrita pela Virgem Maria. Até lá só nos resta mudar de vida, rezar muito, fazer penitência e esperar.

  5. No tocante à Consagração da Rússia pela Igreja, informo que, por razões diplomáticas, não ocorreu nos termos expressos da profecia de Fátima.
    Todavia, verificamos que os Céus, mesmo assim, deu um voto de confiança para a Igreja.
    Explico:
    o papa Pio XII, após a consagração do mundo (e não da Rússia, como queria N.S. Fátima), houve uma virada nos destinos da II Guerra Mundial, com a vitória dos Aliados diante de Hitler, Mussuline etc.
    E após uma nova consagração pelo papa João Paulo II, desabou o Muro de Berlim, e por reflexo o Comunismo como um castelo de cartas.
    Finalmente, da leitura das atuais profecias, constatamos que durante do governo do Anticristo, haverá a supressão da Eucaristia. Entretanto, tanto Mediugórie como Vassula (Verdadeira Vida em Deus) dizem que a Rússia conservará a Eucaristia, por isso será abençoada por sua fidelidade à Eucaristia.
    Quem viver, verá!
    O tempo urge, santidades (Francisco e Bento XVI).

  6. Há que se considerar que, em 05/05/1917, o Papa Bento XV instituiu o “Regina Pacis, ora pro nobis” a ser rezado a partir de 01/06/1917 … cujo centenário é daqui a 10 dias!!!

  7. A título de curiosidade, partilho os dois textos das duas consagrações que João Paulo II fez do mundo, fazendo menção indireta da Rússia, e não explícita como queria Nossa Senhora.
    Ato de Entrega
    João Paulo II,
    na Basílica de Santa Maria Maior a 7 de junho de 1981 por radiomensagem.
    “Ó Mãe dos homens e dos povos, Vós conheceis todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Vós sentis maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas, que abalam o mundo, acolhei o nosso brado, dirigido no Espírito Santo diretactamente ao vosso Coração, e abraçai com o amor da Mãe e da Serva do Senhor aqueles que mais esperam por este abraço e, ao mesmo tempo, aqueles cuja entrega também Vós esperais de maneira particular. Tomai sob a vossa proteção materna a família humana inteira, que, com enlevo afectuoso, nós Vos confiamos, ó Mãe. Que se aproxime para todos o tempo da paz e da liberdade, o tempo da verdade, da justiça e da esperança.”
    Oração de João Paulo II –
    25 de Março de 1984
    “E por isso, ó Mãe dos homens e dos povos, Vós que conheceis todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Vós que sentis maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas, que abalam o mundo contemporâneo, acolhei o nosso clamor que, movidos pelo Espírito Santo, elevamos diretamente ao vosso Coração: Abraçai, com amor de Mãe e Serva do Senhor, este nosso mundo humano, que vos confiamos e consagramos, cheios de inquietude pela sorte terrena e eterna dos homens e dos povos.
    De modo especial Vos entregamos e consagramos aqueles homens e aquelas nações que desta entrega e desta consagração têm particularmente necessidade. “À vossa proteção nos acolhemos, Santa Mãe de Deus”! Não desprezeis as súplicas que se elevam de nós que estamos na provação!”
    João Paulo II

  8. Renato Assis – V acredita em Medjugorje e Vassula Ryden, cismática e foi até excomungada pela Igreja ortodoxa e aceita tudo do papa Francisco sem nenhuma restrição, está complicado, a primeira é toda falsa, do mesmo modo a segunda; e pergunte aqueles cardeais que estão pedindo esclarecimentos ao papa Francisco e ele não dá, se está tudo bem, mas acreditar em Medjugorje e Vassula Ryden, tenha a santa paciencia, tá mal.

    • Geraldo,
      Acredito sim!
      O tempo é Senhor da verdade.
      Realmente, Geraldo, vc deve ser do tipo: não li, não gostei e não aceito alguém defender Mediugórie e Vassula. O próprio santo padre o papa Bento XVI retirou a restrição à Vassula, após as suas justificativas. Detalhe: Vassula não precisava justificar nada para a Igreja Católica Latina, pois ela é Ortodoxa, mas, mesmo assim, ela humildemente respondeu aos questionamentos da Congregação da doutrina da Fé, que deu um sinal verde.
      Sugiro que vc estude mais os documentos da Igreja, principalmente a história das aparições marianas. A título de exemplo, cito a irmã Lúcia (vidente de Fátima). Ela foi perseguida e censurada por vários anos, tanto pelas autoridades civis com também pela Hierarquia da Igreja.
      Por fim, tomo como minhas as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo:
      – “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.” (Lucas 23, 34).

  9. Vassula não é fonte digna. Medjugorje idem.

  10. Lúcia disse que em 1984 a consagração havia sido feita como Nossa Senhora pedira, após ter sido feita uma primeira vez e Nossa Senhora ter dito que não estava bem feita.
    Portanto, a consagração foi feita como Nossa Senhora pediu.

  11. Cara Teresa, se é verdade que a consagração da Rússia já foi feita como Nossa Senhora pediu, então temos que admitir que Nossa Senhora nos enganou, posto que a Rússia não se converteu coisíssima nenhuma, muito pelo contrário, de lá para cá piorou ainda mais a sua triste situação, visto que é o país que mais comete aborto no mundo, que mais pratica pornografia infantil do mundo, que mais tem ateu no mundo. Mas se isso não é o bastante, os erros da Rússia já se espalharam de tal forma pelo mundo que incontáveis países foram tão contaminadas pelo esquerdismo/comunismo que há muito perderam suas identidades de nações cristãos. E mais, na Rússia não é permitido ter seminários católicos, de forma que a presença de padres só se for do exterior e só é permitido lá ficar por apenas 3 meses, sem direito à renovação de visto. É proibido formar paróquia católica na Rússia. Enfim, não há o menor sinal de conversão da Rússia. E além do mais uma nova guerra mundial pode estourar a qualquer momento, sem falar de diversos países que estão à beira de uma guerra civil, inclusive o Brasil. Portanto, todas as evidências demonstram que a consagração da Rússia não foi feita conforme Nossa Senhora pediu, principalmente porque as tais consagrações não foram feitas em união com todos os bispos do mundo. Só não enxerga quem não quer. (http://www.fatima.org/port/crusader/portcr84_ferrara.asp).
    Podemos até duvidar dos homens da Igreja, pois são falhos. Porém jamais devemos duvidar das promessas da Virgem Maria. Tal atitude é, no mínimo, temerária e imprudente.
    Ademais, a tal declaração atribuída à Irmã Lúcia é falsa. Tudo não passou de uma manobra dos modernistas para enganar os fiéis e encerrar o assunto. (http://www.fatima.org/port/apostolate/p12quest.asp) e (http://www.fatima.org/port/resources/portcr57pg03.asp).
    Não se esqueça de que os maiores inimigos da Mensagem de Fátima estão dentro da Igreja e não fora dela. O próprio papa Bento XVI falou sobre essa triste realidade. Em 2010, Bento XVI declarou em Fátima: “ilude-se quem afirma que o conteúdo profético da mensagem de Fátima já se esgotou”. Essa pequena frase diz tudo sobre Fátima.

    • ABC, as suas informações são preciosas, mas só gostaria de fazer um comentário: não é proibido abrir paróquias católicas latinas na Rússia. A Igreja Católica tem autorização de funcionamento normal lá, só o proselitismo entre os ortodoxos que é visto com maus olhos. O que é proibido de abrir são comunidades greco-católicas, ou seja, de rito oriental, sejam russas ou ucranianas. Desde 1917 e até hoje, esses católicos mártires vivem praticamente na clandestinidade, pois são extremamente perseguidos pela Igreja Ortodoxa Russa. Lembremos deles em nossas orações.

  12. Acredite no que quiser, mas a carta da irmã Lucia existe a dizer que a Consagração foi feita como Nossa Senhora pediu. E houve uma conversão sim, a queda do muro…
    Sendo assim também não acreditaria que em Portugal nunca se perderá o dogma da fé como Nossa Senhora disse. Em Portuga o aborto e legal, casamento homossexual, ideologia do gênero nas escolas e por aí fora…
    É preciso ver mais além..

    • Teresa vc está com a razão. E contra fatos, não existem argumentos.
      Até o nome “Rússia’ foi recuperado após a extinção da URSS- União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (em russo: Союз Советских Социалистических Республик). Os valores cristãos são protegidos pelo Estado (família tradicional…).
      As celebrações da Igreja Ortodoxas são IMPECÁVEIS se comparadas com as nossas Latinas.
      O pior cego é aquele que não quer ver.

    • A “Queda do Muro de Berlim” é símbolo da decadência do ocidente.
      Não se pode querer tomar o fato da “Queda do Muro de Berlim” como sinônimo do fim do comunismo. Pelo contrário é símbolo da decadência do ocidente alemão e da heresia do modernismo na Igreja Católica.
      Tal a decadência moral que já se havia tomado o lado ocidental, que alemães, ávidos por conhecer o lado oriental, quebravam o muro feito loucos. E acreditem, a decadência moral do lado ocidental era tanta que houve queixas e lamentos do lado oriental pela derrubado do muro. Aconteceu mesmo do lado oriental quem pedisse para o muro ser reerguido.
      A decadência era tanta no ocidente alemão que já não viam mais perigo algum em derrubar o muro que os separava, pois que erro havia no comunismo? Nenhum. Era tudo gente boa.
      Talvez tenha sido, na verdade, uma estratégia para tomar de vez a Igreja Católica com cardeais do oriente. E Ratzinger era, apesar de ter escrito livros contendo heresias, o mais conservador e culto entre o seis cardeais que dominavam a Igreja do lado oriental.
      Não deixem de ler o que está neste link: http://www.dw.com/pt-br/os-alem%C3%A3es-que-elegem-o-papa/a-1543256
      Mais, a dominação desses cardeais significava eleger um papa marxista. Tal com se suspeita de Bergoglio.
      Já na Igreja cismática da Rússia, há tantos prelados verdadeiramente ortodoxos quanto modernistas. Estes apoiam as celebrações católicas(rito novo) na Rússia . Aqueles conservam ainda o rito belíssimo e coerente com a verdades de fé – claro, verdades de fé são sempre católicas.
      Esse negócio de derrubar muros e acabar com fronteiras é resultado da apostasia geral.
      Nossa Senhora de Fátima mais uma vez avisou. Não foi OBEDECIDA e vejam como estão as coisas.

  13. Um adendo à discussão acima:
    não devemos tratar o caso Fátima como se se tratasse de revelação pública oficial. Esta se encerrou com a morte do último Apóstolo, no século I. Ora, uma das principais diferenças entre a revelação divina pública e as (inúmeras!) revelações privadas consiste em que a primeira é tanto inerrante em seu conteúdo quanto infalível em sua transmissão oficial, ao passo que as últimas não são nem uma coisa nem outra. Logo, podem facilmente dar-se imprecisões e erros na transmissão e/ou na interpretação da ‘mensagem’, por parte dos próprios ‘mensageiros’. E, assim sendo, é importante não exagerar o valor do que os místicos e videntes dizem que o Céu lhes disse. Ainda que o Céu tenha de fato falado com eles, pode ocorrer que eles não se lembrem com total exatidão do que ouviram e insiram, pois, algo de sua própria cabeça entre as palavras que atribuem aos personagens celestes com quem conversaram.
    No caso de Fátima, em específico, a Irmã Lúcia assumiu isso com todas as letras. Em 15 de julho de 1946, ela foi entrevistada pelo sr. William Thomas Walsh, acompanhado de várias testemunhas. Vejam esse interessantíssimo trecho da entrevista:
    «[Thomas Walsh:] Quando a Senhora relatou as palavras do Anjo e de Nossa Senhora, repetiu as palavras exatas, que ouviu, ou apenas deu o sentido geral?»
    «[Lúcia:] As palavras do Anjo tinham a propriedade de um domínio tão intenso, de uma realidade sobrenatural, que nunca mais pude esquecê-las. Gravaram-se de si mesmas indelével e exatamente em minha memória. Com as palavras de Nossa Senhora era diferente. NÃO TENHO CERTEZA DE CADA PALAVRA EXATAMENTE. Era mais o sentido, como eu entendia, e punha isso em palavras. Não me é fácil explicar o fato».
    (Walsh, W. T. “Nossa Senhora de Fátima”. Página 196) {Obra disponível em pdf aqui: http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2011/09/nossa-senhora-de-fatima-william-thomas.html}
    No ano seguinte a essa entrevista, enquanto se preparava a primeira edição da obra de Walsh, ele fez mais algumas perguntas por carta à Irmã Lúcia. Tratando do tema da consagração da Rússia travou-se, por correspondência, o seguinte diálogo:
    “[Walsh:] É sua opinião que o Papa e os Bispos consagrarão a Rússia ao Imaculado Coração de Maria somente depois que os leigos houverem cumprido sua tarefa de sacrifícios, terços, primeiros sábados, etc.?”
    [Lúcia:] “O Santo Padre já consagrou a Rússia, incluindo-a na consagração do mundo, mas não foi na forma indicada por Nossa Senhora. NÃO SEI SE NOSSA SENHORA A ACEITOU, feita desse modo, e se realizou suas promessas. Orações e sacrifícios são sempre meios necessários para alcançar as graças e bênçãos de Deus.”
    (Walsh, obra indicada, pág. 198)
    Duas coisas chamam a atenção nessas citações acima:
    1. Há um elemento bastante humano, e perfeitamente falível, na transmissão das mensagens de Fátima: a memória de Lúcia (e talvez um pouco a sua imaginação também). Não fiquemos tristes, pois, se não vermos se cumprir tudo o que Lúcia disse que Nossa Senhora disse. A Virgem Santíssima não pode se enganar, mas Lúcia sim.
    2. Sobre a consagração da Rússia: as posições de Lúcia frente ao que fizeram Pio XII e posteriormente João Paulo II refletem simples opiniões pessoais dela. E opiniões bastante questionáveis, diga-se de passagem, porque se havia motivo para tachar de incompleta a consagração de Pio XII, por ele não mencionar explicitamente a Rússia, com João Paulo II esse motivo não deixou de existir. Na dúvida, portanto, o melhor parece ser refazer a consagração, dessa vez com maior cuidado. Porque, ainda que a consagração já tenha sido feita, nada impede que seja renovada. É claro que Francisco não o fará; mas podemos pelo menos manter em aberto o pedido, para que um futuro papa o faça.
    Eu defendo a conveniência de uma explícita consagração da Rússia ao Imaculado Coração antes por razões teológicas do que pelas revelações privadas alegadas pela irmã Lúcia. E a prática tradicional da Igreja é bem esta: sempre que há razões teológicas para fazer algo que, porventura, seja também objeto de supostos pedidos celestes privados, as razões teológicas é que devem prevalecer como razão formal da ação. Assim, por exemplo, no século XVIII, a Irmã Maria Celeste Crostarosa (declarada Venerável por S. Pio X) teve uma série de revelações privadas solicitando a fundação da Congregação do Santíssimo Redentor e indicando nominalmente o então padre Afonso de Ligório como devendo ser o fundador. Hoje todos sabemos o quão certo deram as indicações da Irmã Crostarosa, mas, em vida, Sto. Afonso sempre proibiu a seus confrades até falarem nas revelações da Irmã, porque, dizia ele, havendo boas razões tiradas da Fé pública da Igreja para a fundação, por que haveríamos de apelar para uma revelação particular? As revelações privadas podem ser usadas como fontes de boas sugestões para nossa ação, mas o que maiormente se deve considerar é a sã Teologia tradicional.

  14. Sr, Bhartolomeu, vejo que suas teses, em geral, muito se assemelham às teses tresloucadas do povo da Montfort sobre o tema. Eis que a tentativa de confrontar a Mensagem de Fátima com a revelação pública foi a principal artimanha usada pelos modernistas para minimizar e esvaziar a Mensagem de todo o seu conteúdo doutrinário e profético com o fim de torná-la facultativa e até mesmo desacreditada.
    Contudo, é bom que se esclareça que esse confronto é inoportuno e até certo ponto perverso.
    Com efeito, Nossa Senhora não foi enviada ao mundo por Deus para contradizer a verdade revelada, ou para trazer uma nova verdade, ou ainda para acrescentar algo a mais no acervo da revelação pública que se encerrou com a morte do último apóstolo.
    Não. Nada disso! Muito pelo contrário.
    Nossa Senhora foi envidada por Deus justamente para ratificar toda a verdade revelada e para alertar o mundo de que o abandono dessas verdades reveladas e ensinadas até então pela Santa Igreja, em toda sua pureza e autenticidade, haveria de trazer graves consequências para a Igreja e para o mundo.
    Assim, não há a menor sombra de dúvida de que Nossa Senhora fora enviada por Deus em Fátima para, fundamentalmente, confirmar toda a verdade revelada, pois a providência já sabia de antemão que os homens da Igreja, num futuro bem próximo, iriam cair na tentação de abandonar os dogmas da fé e abraçar a heresia modernista. Desgraçadamente, sabemos o abandono dos dogmas da fé, em sua pureza e autenticidade, já é uma triste realidade na práxis da Igreja e no mundo atual.
    Convém lembrar que Deus sempre avisa antes de executar alguma ação punitiva, como consequência dos pecados cometidos pelo seu povo. As escrituras estão repletas de exemplos sobre essa realidade. Não poucas vezes o povo de Deus se desviava do caminho da retidão, rompendo com a aliança. Então Deus enviava os profetas para chamá-los à conversão e retomar o caminho correto, sob pena de recaírem sobre suas cabeças grandes castigos. Quase sempre os profetas não eram ouvidos e muitos até eram mortos pelos chefes do povo rebelde. E os castigos aconteciam conforme anunciados, a tempo e modo.
    Agora, nos tempos atuais, dada a gravidade dos perigos, Deus não enviou um profeta, mas logrou enviar alguém direto do céu, isto é, enviou a própria Mãe de Deus, cuja dignidade é infinitamente superior a de todos os profetas juntos e a de todos os anjos juntos.
    Além disso, segundo alguns teólogos respeitosos, o episódio de Fátima encontra-se num nível muito acima das ditas revelações privadas, por três razões significativas: 1) porque a sua mensagem é pública e dirige-se a toda a humanidade, e contém avisos de consequências terríveis se a mensagem não for escutada; 2) esta mensagem foi ratificada por Deus por meio do grande Milagre do Sol, testemunhado por mais de 70 mil pessoas, e com profecias que ainda estão a realizar-se; e 3) a Igreja pronunciou-se oficialmente dizendo que a Mensagem de Fátima é verdadeira, tendo, inclusive, introduzido a sua Festa Litúrgica a 13 de Maio. Demais disso, dois dos três videntes já foram até canonizados;
    Não por acaso o papa JP II declarou publicamente que a Mensagem de Fátima é dirigida a toda a humanidade e está profundamente radicada no Evangelho e na Tradição da Igreja.
    Por tais razões, julgo descabido e imprudente jogar a Mensagem de Fátima na vala comum das revelações privadas, cuja credibilidade é meramente facultativa.
    Cumpre-me ainda lembrar que os modernistas e inimigos da Mensagem de Fátima foram mais além ao sugerir que tudo que se passou em Fátima poderia ser fantasias de crianças, razão pela qual o que lá se passou não seria digno de crédito por parte dos católicos.
    Por último, se Irmã Lúcia não é digna de credibilidade por ser uma pessoa tão falha, e até contraditória, na sua missão de transmitir ao mundo a mensagem de Nossa Senhora, conforme os modernistas querem fazer crer, então temos que admitir que Deus falhou em ter escolhido uma pessoa tão leviana e incapaz para uma missão tão importante. Sem embargo, admitir tal possibilidade é zombar de Deus.
    Portanto, reitero que desprezar ou minimizar as profecias de Fátima é certamente imprudente e temerário.
    Aguardemos o desenrolar dos acontecimentos e então ficará muito claro quem, hoje, não quer enxergar.