Cardeal Sarah: “O mundo não precisa de uma Igreja que seja o reflexo da própria imagem do mundo!”

Fonte: Associação Dom Vital

O Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, pronunciou uma conferência em Paris, na Igreja de Saint-François-Xavier, aos 25 de maio de 2019. Segue a tradução do texto integral dessa memorável conferência.

Caros amigos, permitam-me, antes de tudo, agradecer a Dom Michel Aupetit, Arcebispo de Paris, e ao pároco desta paróquia de São Francisco Xavier, o padre Lefèvre-Pontalis, pelas boas-vindas tão fraternas.

Devo apresentar-lhes meu mais recente livro: A tarde cai e o dia já declina. Nele, analiso a profunda crise que vive o Ocidente, crise da fé, crise da Igreja, crise sacerdotal, crise de identidade, crise do sentido do homem e da vida humana, o colapso espiritual e suas consequências.

Esta noite, gostaria de lhes reafirmar estas profundas convicções que vivem em mim, pondo-as em perspectiva com a comovente visita que fiz ontem. Algumas horas atrás estive na Catedral de Notre-Dame de Paris. Ao entrar naquela igreja mutilada, contemplando suas abóbadas desmoronadas, não pude deixar de vê-la como um símbolo da situação em que se encontra a civilização ocidental e a Igreja na Europa.

Sim, hoje, em todos os cantos, a Igreja parece estar em chamas. Parece devastada por um incêndio muito mais destrutivo que o da catedral de Notre-Dame. Qual é esse fogo? É preciso coragem para dizer seu nome. Porque, “não nomear fielmente as coisas, é aumentar a infelicidade do mundo. ” (N.T.: aforisma atribuído a Albert Camus.)

Esse fogo, esse incêndio que assola a Igreja, particularmente na Europa, é a confusão intelectual, doutrinal e moral; é a covardia de proclamar a verdade sobre Deus e sobre o homem, e de defender e transmitir os valores morais e éticos da tradição cristã; é a perda da fé, do espírito da fé, a perda do sentido da objetividade da fé e, portanto, a perda do sentido de Deus. Como João Paulo II escreveu em Evangelium Vitae: “Quando se procuram as raízes mais profundas da luta entre a ‘cultura da vida’ e a ‘cultura da morte’… É necessário chegar ao coração do drama vivido pelo homem contemporâneo: o eclipse do sentido de Deus e do homem, típico de um contexto social e cultural dominado pelo secularismo que, com os seus tentáculos invasivos, não deixa às vezes de pôr à prova as próprias comunidades cristãs (…) produz uma espécie de ofuscamento progressivo da capacidade de enxergar a presença vivificante e salvífica de Deus” [1].

Caros amigos, a Catedral de Notre-Dame tinha um pináculo que parecia um dedo apontando o céu. Ele parecia nos orientar para Deus. No coração de Paris, este pináculo parecia dizer a cada um de nós todos o sentido último de toda a vida.

Esse pináculo simbolizava a única razão de ser da Igreja: conduzir-nos a Deus, orientar-nos para Deus. Uma igreja que não é orientada para Deus é uma Igreja que morre e entra em colapso. O pináculo da Catedral de Paris entrou em colapso: não é uma coincidência! Notre-Dame de Paris simboliza todo o Ocidente. Ao se afastar de Deus, o Ocidente está entrando em colapso.

Ela simboliza a grande tentação dos Cristãos no Ocidente: ao não mais se voltarem para Deus, ao se voltarem para si mesmos, eles morrem.

Estou convencido de que esta civilização está vivendo uma crise mortal. Como na época da queda de Roma, as elites de hoje se preocupam tão somente em aumentar o luxo de sua vida cotidiana; as pessoas estão anestesiadas por um entretenimento cada vez mais vulgar.

Como bispo, devo avisar o Ocidente! O fogo da barbárie ameaça-vos! E quem são os bárbaros?

Bárbaros são aqueles que odeiam a natureza humana. Os bárbaros são aqueles que desprezam o significado do sagrado. Os bárbaros são aqueles que desprezam e manipulam a vida e querem “aumentar o homem”!

Quando um país se prontificar a deixar um homem morrer de fome e sede, um homem em estado de grande debilidade e dependência, esse país avança pela senda da barbárie! O mundo inteiro viu a França hesitar em alimentar Vincent Lambert, um de seus filhos mais fracos. Meus caros amigos, como, depois disso, o vosso país dar ao mundo lições da civilização?

Quando um país arroga para si o direito de viver e de morrer sobre os menores e os mais fracos, quando um país mata crianças não nascida, ainda no seio de suas mães, ele avança em direção à barbárie!

O Ocidente está cego pela sua sede de riquezas! O engodo do dinheiro que o liberalismo dissemina nos corações, entorpece os povos! Enquanto isso, a tragédia silenciosa do aborto e da eutanásia continua. Enquanto isso, a pornografia e a ideologia de gênero mutilam e destroem crianças e adolescentes.

Nós estamos acostumados à barbárie, isso nem nos surpreende mais!

A civilização ocidental está em profunda decadência e ruína, apesar de seus fantásticos sucessos científicos e tecnológicos e das aparências de prosperidade! Como a Catedral de Notre-Dame: a civilização ocidental está vacilante. Ela perdeu sua razão de ser: mostrar Deus e conduzir a Deus. Sem o pináculo que coroa o edifício, as abóbadas desmoronam.

Eu quero erguer um grito de alarme que é também um grito de amor e de compaixão pela Europa e pelo Ocidente: um Ocidente que abjura sua fé, renega sua história e suas raízes cristãs está condenado ao desprezo e à morte! Não é mais como uma bela catedral alicerçada na fé, mas sim uma ruína sem sentido!

Tendo perdido o sentido de Deus, minamos a fundação de toda a civilização humana. Uma catedral proclama, pela sua arquitetura vertical, que nós somos feitos para Deus. O homem, ao contrário, separado de Deus é reduzido unicamente à sua dimensão horizontal.

Se Deus perde sua centralidade primazia, o homem perde seu lugar de direito; ele não encontra mais seu lugar na criação, nas relações com os outros. A moderna negação de Deus nos condena a um novo totalitarismo: o do relativismo, que não admite lei, exceto a do lucro. É necessário rompermos as correntes que essa nova ideologia totalitária nos quer impor! Se o homem renega Deus e Dele se separa, o homem se assemelha a um rio imenso e majestoso, mas que, separado de sua fonte, mais cedo ou mais tarde secará e desaparecerá. Se o homem nega a Deus e o rejeita, ele é como uma árvore gigante que não tem mais raiz: ele logo morrerá. Nicolas Berdiaeff tem razão quando diz: “Se Deus não é, então o homem também não é: eis o que a nossa época tem descoberto por experiência. A natureza do socialismo está sendo exposta e desmascarada, suas últimas consequências estão sendo reveladas. Do mesmo modo, desnuda-se e desmascara-se o fato de que a irreligião e a neutralidade religiosa não existem, e que à religião do Deus vivo opõe-se tão somente a religião do diabo, à religião de Cristo opõe-se tão somente a religião do Anticristo. O reino do humanismo neutro, que queria se estabelecer numa espécie de esfera média, entre o céu e o inferno, decompõe-se e descortina, então, um abismo superior e um inferior. Ao Deus-Homem opõe-se não o homem do Reino neutro e médio, mas o homem-deus, o homem que se colocou a si no lugar de Deus. Os pólos opostos do ser e do nada são desvelados”[2].

Negar a Deus a oportunidade de entrar em todos as dimensões da vida humana é condenar o homem à solidão. Este homem não é mais do que um indivíduo isolado, sem origem nem destino. Este homem se vê condenado a vagar pelo mundo como um nômade bárbaro, sem saber que é filho e herdeiro de um Pai que o criou por amor e o chama para participar de Sua felicidade eterna.

Sozinho, vagando num descampado de ruínas: eis no que se tornou o homem moderno, eis o que eu experimentei ontem, enquanto visitava Notre-Dame em ruínas.

A crise espiritual que descrevo afeta o mundo inteiro. Mas ela tem sua fonte na Europa. A negação de Deus nasceu nas consciências ocidentais. O colapso espiritual, portanto, tem traços propriamente ocidentais. Eu gostaria de mencionar aqui, em particular, a rejeição da paternidade. Nossos contemporâneos estão convencidos de que, para ser livre, é preciso não depender de ninguém. Isto é um erro trágico.

Os ocidentais estão convencidos de que (o ato de) receber é contrário à dignidade da pessoa humana. Ora, o homem civilizado é fundamentalmente um herdeiro: ele recebe uma história, uma cultura, um nome, uma família, uma língua, uma religião, uma fé, uma tradição, uma pátria.

É isso que o distingue do bárbaro. Recusar-se a tomar parte nessa cadeia de dependência, de herança e de filiação é condenar-se a perambular pela selva da competição de uma economia autorreferente.

Os construtores de Notre-Dame eram profundamente imbuídos do sentido da dependência e da transmissão. Eles trabalhavam por décadas e séculos, por seus descendentes, muitas vezes sem jamais poderem ver a conclusão de seu trabalho. Eles eram conscientes de que eram herdeiros e queriam transmitir essa herança.

Como o homem moderno se recusa a aceitar a si mesmo como herdeiro, ele se condena ao inferno da mundialização liberal, em que os interesses individuais confrontam-se sem qualquer outra lei além da lei do lucro a qualquer preço.

Mas no meu livro eu queria lembrar aos ocidentais que a verdadeira razão para essa recusa em herdar, essa rejeição da paternidade é basicamente a recusa de Deus. Eu vejo no fundo do coração dos ocidentais uma profunda rejeição da paternidade criadora de Deus.

No entanto, nós recebemos de Deus nossa natureza como homem e como mulher. “E criou Deus o homem à sua imagem, criou-o à imagem de Deus, homem e mulher Ele os criou” (Gn 1,27). Ora, para as mentes modernas essa verdade se tornou insuportável. A ideologia de gênero é, assim, a recusa de receber de Deus uma natureza sexuada. Alguns, no Ocidente, chegam a revoltar-se, a rebelar-se e a lutar contra Deus. Eles se opõem frontalmente ao seu Criador e Pai. Então eles se mutilam horrível e inutilmente para mudar de sexo. Mas não mudam fundamentalmente nada na sua estrutura de homem e de mulher. Na verdade, elas apenas materializam e tornam mais radicais suas oposições e sua revolta contra Deus. A lei natural é violentamente rejeitada e combatida pela filosofia e espírito modernos. Agora, São João define o pecado como: “Todo homem que comete pecado rebela-se a lei, porque o pecado é uma violação da lei.” (1 Jo 3, 4). Essa negação é o auge da rejeição de Deus, a proclamação da liberdade sem limites como valor absoluto e a justificação do pecado. Encontramos um exemplo perfeito disso na ideologia de gênero.

O Ocidente se recusa a receber; ele só aceita o que ele mesmo constrói. O transumanismo é a última degeneração desse movimento. Até mesmo a natureza humana, porque ela é um dom de Deus, torna-se insuportável para o homem do Ocidente.

Essa revolta é, em sua essência, espiritual. É a revolta de Satanás contra o dom da graça!

No fundo, eu acredito que o homem do Ocidente se recusa a ser salvo pela pura misericórdia. Ele se recusa a receber a salvação e quer construí-la por conta própria. Os “valores ocidentais” promovidos pela ONU baseiam-se numa rejeição de Deus que eu comparo com a do jovem rico do Evangelho. Deus olhou para o Ocidente e Ele amou-o porque ele fez grandes coisas. Ele o convidou a ir mais longe, mas o Ocidente se afastou Dele, porque preferiu a riqueza, que ele conquistara por si mesmo.

Acredito que as grandes catedrais do Ocidente só poderiam ser construídas por homens de grande fé e grande humildade, que estavam profundamente felizes em saber que eram filhos de Deus. Eles são como um canto de alegria, um hino à glória de Deus talhado na pedra e pintado nos vitrais. Eles são o trabalho de filhos que amam e adoram seu Pai Celeste! Todos ficavam felizes em gravar na pedra a expressão de sua fé e seu amor por Deus, e não a glória de seu nome. Suas obras-primas serviam para glorificar e louvar unicamente a Deus. O homem moderno ocidental é triste demais para realizar tais obras-primas.

Ele escolheu ser órfão e solitário; como poderia ele cantar a glória do Pai Eterno, de quem ele recebeu tudo? Que fazer? Diante das ruínas de Notre-Dame, alguns são tentados a dizer: ‘eis aqui um edifício que já deu o que tinha de dar. Construamos algo novo, mais moderno’.

‘Vamos construir algo à nossa imagem! Um edifício que fale, não mais da glória de Deus, mas da glória do homem, do poder da ciência e da modernidade’.

Da mesma forma, alguns olham para a Igreja Católica e dizem: ‘o tempo dessa Igreja já passou; vamos muda-la, façamos uma nova Igreja, à nossa imagem’.

Eles pensam: ‘a Igreja não tem mais credibilidade, a mídia já não dá ouvidos a ela. Ela foi marcada demais por escândalos de pedofilia, de homossexualidade no clero. Um número grande de padres tem um comportamento perverso. É preciso, portanto, mudar a Igreja, é preciso reinventá-la’.

O celibato sacerdotal parece muito difícil em nosso tempo? ‘Vamos torná-lo opcional!’

O ensino moral do Evangelho parece muito exigente? ‘Vamos atenuá-lo! Vamos diluir a moral no relativismo e no laxismo. E vamos focar mais nas questões sociais’.

A doutrina católica é mal falada na mídia? ‘Mudemos a doutrina! Vamos adaptá-la às mentalidades e às perversidades morais do nosso tempo. Vamos adaptá-la à nova ética global promovida pelas Nações Unidas. Vamos adaptá-la à ideologia de gênero’.

‘Queremos fazer da Igreja uma sociedade mais humana e mais horizontal. Queremos que ela fale a língua da mídia. Queremos torná-la popular…’

Mas uma tal Igreja não interessa a ninguém!

Meus caros amigos, o mundo não precisa de uma Igreja que seja o reflexo da própria imagem do mundo!

A Igreja só tem importância porque ela nos permite encontrar Jesus. É não outra utilidade senão a de ser uma porta que nos leva ao âmago da realidade do mistério divino e nos permite olhar a Deus, olhos nos olhos. É não é legítima senão porque nos transmite a Revelação. Quando a Igreja se sobrecarrega com estruturas humanas, ela obstrui o brilho de Deus nela e através dela.

A Igreja deve ser como uma catedral. Tudo nela deve cantar a glória de Deus. Ela deve constantemente orientar nosso olhar para Ele, como o pináculo de Notre-Dame apontando para o céu.

Meus caros amigos, temos que reconstruir a catedral. Temos que refazê-la exatamente como era antes. Nós não precisamos inventar uma nova Igreja. Devemos nos converter para deixar a Igreja brilhar novamente, para que a Igreja seja novamente uma catedral que cante a glória de Deus e eleve os homens a Ele.

Por onde começar prioritariamente?

Respondo, dizendo sem hesitar: Você quer reerguer a Igreja? Então, ajoelha-te!

Você quer levantar essa bela catedral que é a Igreja Católica? Fique de joelhos!

Porque uma catedral é, antes de tudo, um lugar onde os homens podem se ajoelhar; ela é o porta-joias da presença de Deus no Santíssimo Sacramento.

A primeira das urgências, portanto, é reencontrar o sentido da adoração! A perda do senso da adoração de Deus é o princípio de todos os incêndios e crises que estão sacudindo o mundo e abalando a Igreja hoje.

Mas faltam-nos adoradores! O mundo está morrendo porque faltam adoradores! A Igreja está definhando por falta de adoradores que saciam sua sede! Faltam-nos pessoas que se ajoelhem como Jesus quando Ele fala com Seu Pai e nosso Pai: “Então (Jesus) afastou-se deles a distância de um tiro de pedra; e, posto de joelhos, rezava… Pai, afasta de mim este cálice! Não se faça, porém, a minha vontade, mas a Tua” (Lc 22, 41; Mt 26, 39; Mc 14, 35).

Nós só reencontraremos o sentido da dignidade da pessoa humana se aceitamos reconhecer a transcendência de Deus. O homem é grande e alcança sua mais alta nobreza somente quando se ajoelha diante de Deus. O grande homem é humilde e o homem humilde está de joelhos!

Meus amigos, se às vezes bate o desespero diante dos poderes deste mundo; se acontecer de você baixar a guarda diante dos poderes deste mundo, então lembre-se, ninguém jamais será capaz de te tirar a liberdade de se ajoelhar! Se padres ímpios abusam de sua autoridade e brutalmente te impedem e proíbem de se ajoelhar para receber a Sagrada Comunhão, não perca a sua calma e serenidade diante de Jesus Eucarístico. Não resista, mas reze pelos padres cujo comportamento blasfema e profana Aquele que eles têm nas mãos. Tente imitar a humildade de Deus e ajoelhe seu coração, sua vontade, sua inteligência, seu amor-próprio, seu espírito e alma. Ali os ímpios não podem alcançar você. Eles não têm acesso ao seu coração, que é domínio exclusivo de Deus. Um homem de joelhos é mais poderoso que o mundo! É uma fortaleza inexpugnável contra o ateísmo e a loucura dos homens. Um homem de joelhos faz tremer o orgulho de Satanás!

Todos vocês que, aos olhos dos homens, não têm poder nem influência, mas que sabem permanecer de joelhos diante de Deus, não tenham medo daqueles que querem intimidá-los! Sua missão é grandiosa, “Ela consiste em impedir que o mundo se desfaça”! [N.T.: citação do discurso de agradecimento à Academia Sueca proferido pelo escritor Albert Camus, em Estocolmo, no dia 10 de dezembro de 1957].

Dirijo-me particularmente aos enfermos, os mais fracos de corpo ou de inteligência, vocês que sofrem a deficiência, vocês, a quem a sociedade julga inúteis e preferiria suprimir: quando vocês rezam, quando vocês adoram, vocês são grandes! Vocês têm uma dignidade particular porque vocês se assemelham singularmente ao Cristo crucificado. Permitam-me dizer-lhes que toda a Igreja se ajoelha diante de vocês porque vocês carregam Sua imagem, Sua presença! Nós queremos servir-vos, amar-vos, confortar-vos, tranquilizar-vos. E queremos também aprender com vocês. Vocês nos anunciam o Evangelho da adoração no sofrimento. Vocês são uma riqueza para nós!

Uma catedral não tem sentido se ninguém vier adorar! Se ninguém vier prostrar-se de joelhos diante de Deus. Ela já não tem sentido se a liturgia celebrada ali não é inteiramente concebida para nos orientar para Deus, para a Sua cruz. Por isso será necessário para a nossa catedral, padres para celebrarem a liturgia da Missa e a liturgia das Horas.

Para que o povo de Deus adore, é preciso que os padres e os bispos sejam os primeiros adoradores. Eles são chamados a permanecer constantemente diante de Deus. Sua existência é destinada a se tornar uma oração incessante e perseverante, uma liturgia permanente. Eles são os primeiros da cordada (N.T.: do francês cordée, no vocabulário do alpinismo, uma equipe de escaladores unidos entre si por uma ou mais cordas).

Não é raro que bispos e padres negligenciem a adoração, quando se focam em si mesmos e em suas atividades, preocupados com os resultados humanos de seu ministério. Eles não encontram tempo para Deus porque perderam o senso de Deus. Deus não tem muito espaço em suas vidas.

Meus caros amigos, estou convencido de que, no coração da crise da Igreja, há uma crise sacerdotal, uma crise dos padres. Se a catedral desmorona, é porque a identidade sacerdotal desmoronou primeiro. A identidade dos padres foi-lhes saqueada. Fizeram-lhes acreditar que eles deviam ser como gestores, funcionários eficientes, ativos e presentes em todos os lugares e em todos os momentos.

Ora, um padre é fundamentalmente um continuador, entre nós, da presença de Cristo. Ele é essencialmente um adorador, um homem que permanece constantemente diante de Deus. Não devemos defini-lo pelo que faz, mas pelo que é: ele é ipse Christus, é o próprio Cristo.

A descoberta de numerosos abusos sexuais de menores cometidos por padres, revela uma profunda crise espiritual. Claro, existem fatores sociais: a crise dos anos 60, a erotização da sociedade, que se refletem na Igreja. Mas é necessário ter a coragem ir além. Como bem disse Bento XVI recentemente, as raízes dessa crise são espirituais. A razão última dos abusos ou de uma vida moral incompatível com o celibato sacerdotal é, definitivamente, a ausência concreta de Deus na vida dos padres. Há muito tempo temos visto difundir-se um estilo de vida sacerdotal que não é mais determinado pela fé. Se há, porém, uma vida que deve ser total e absolutamente determinada pela fé, é justamente a vida sacerdotal. Em última análise, a razão dos abusos sexuais é a ausência de Deus. É somente lá onde a fé não determina mais as ações do homem que tais fatos são possíveis. Como o Papa Bento XVI nos lembra, é importante compreender que “o fundamento permanente e vital do nosso celibato, é a Eucaristia… (como sacerdotes) o centro da nossa vida deve ser realmente a celebração quotidiana da Sagrada Eucaristia; e aqui são centrais as palavras da consagração: ‘Isto é o meu Corpo, isto é o meu Sangue’, ou seja: falamos in persona Christi. Cristo permite que usemos o seu ‘Eu’, que falemos no ‘Eu’ de Cristo, Cristo ‘atrai-nos para Si’ e permite que nos unamos, une-nos com o seu ‘Eu’. E assim, através desta ação, este fato que Ele nos ‘atrai’ para si mesmo, de modo que o nosso ‘eu’ se torna um só com o Seu, realiza a permanência, a unicidade do Seu Sacerdócio… É esta união com o seu ‘Eu’ que se realiza nas palavras da consagração… Esta unificação do seu ‘Eu’ com o nosso implica que somos ‘atraídos’ também para a sua realidade de Ressuscitado… O celibato é uma antecipação tornada possível pela graça do Senhor que nos ‘atrai’ para si rumo ao mundo da ressurreição… Isso exige uma vida de oração íntima. Um padre que não reza, que não vive concretamente como outro Cristo, está separado de seu ser, de sua fonte. Ele acaba morrendo ou caindo em onipotência e perversidade [3].

Eu dediquei este livro aos padres ao redor do mundo inteiro, porque sei que eles estão sofrendo. Muitos se sentem abandonados. Nós, bispos, temos uma pesada responsabilidade na crise do sacerdócio. Será que nós fomos pais para eles? Será que nós os ouvimos, compreendemos, guiamos? Será que nós lhes demos o exemplo?

As dioceses, frequentemente, se transformam em estruturas administrativas. As reuniões, as conferências, as comissões, as viagens se multiplicam.

O bispo deve ser o modelo do sacerdócio. Mas estamos longe de ser os primeiros a rezar em silêncio e a cantar o Ofício em nossas catedrais. Eu temo que estejamos nos descaminhando (e enganando) em responsabilidades seculares e secundárias.

O lugar de um padre é na Cruz. Quando celebra a missa, ele está aos pés da fonte de toda a sua vida, isto é, aos pés da Cruz. O celibato é um dos meios concretos que nos permitem viver este mistério em nossas vidas. O celibato grava a Cruz em nossa carne. É por isso que o celibato é insuportável para o mundo moderno. O celibato sacerdotal é um escândalo para os modernos, porque a Cruz é um escândalo.

Nesse livro, eu quis encorajar os padres. Eu quis dizer-lhes: Amem o seu sacerdócio! Tenha orgulho de ser crucificados com o Cristo! Não tenha medo do ódio do mundo! Eu quis expressar meu afeto de pai e irmão pelos padres de todo o mundo! Eu gostaria de, diante de vocês e com vocês, exprimir meu profundo afeto pelos padres fiéis, do mundo inteiro! Eu quero diante de vocês e com você prestar homenagem a eles!

Caros amigos, amem seus padres! Não lhes agradeça pelo que fazem, mas pelo que são! Caros amigos, não se deixem perturbar pelas pesquisas tendenciosos de opinião que nos apresentam a situação desastrosa dos homens irresponsáveis da Igreja, homens de vida interior anêmica, mesmo que eles estejam no comando do governo da Igreja. Guardem a serenidade e permaneçam como a Virgem e São João ao pé da Cruz. Os padres, os bispos e os cardeais sem moral, não mancharão o luminoso testemunho dos mais de quatrocentos mil sacerdotes do mundo inteiro que, todos os dias e fielmente, servem ao Senhor com santidade, alegria e humildade!

Caros amigos, eu acredito que precisamos ser realistas e práticos. Sim, há pecadores. Sim, há padres, bispos e até cardeais infiéis que faltam à castidade, mas também, e isso é tanto ou mais grave, faltam à verdade da doutrina! O pecado não nos deve surpreender. Por outro lado, é preciso ter a coragem de chamá-lo pelo nome. Precisamos ter a coragem de reencontrar os caminhos do combate espiritual: a oração, a penitência e o jejum. Nós devemos ter a lucidez para punir as infidelidades. Nós devemos encontrar formas concretas de preveni-las. Acredito que sem uma vida de oração em comum, sem um mínimo de vida fraterna e em comum entre os padres, a fidelidade é uma ilusão. Devemos nos voltar para o modelo dos Atos dos Apóstolos. Mas quero repetir a vocês, sacerdotes e religiosos discretos e esquecidos, vocês, que a sociedade às vezes despreza, vocês que são fiéis aos votos de sua ordenação, vocês fazem os poderosos deste mundo tremerem!

Você os lembram que nada pode resistir à força do dom da própria vida pela verdade. Vocês os lembram da presença vital e indispensável de Deus para o futuro da humanidade. Sua presença é insuportável para o príncipe da mentira.

Sem vocês, caros irmãos padres e consagrados, a humanidade seria menos grandiosa, menos radiante e menos bela! Sem vocês, as catedrais seriam edifícios sem vida e inúteis!

Vocês são a muralha viva da Verdade, porque aceitaram amá-la até à Cruz.

Caros irmãos padres, caros religiosos e religiosas, a experiência da Cruz é a experiência da verdade da nossa vida! O homem ou o clérigo que proclama a verdade de Deus ascende, invariavelmente, à Cruz. Ele conhecerá a paixão, a crucificação e a morte de cruz. Todos os cristãos, e os padres em particular, estão constantemente sobre a Cruz, de modo que através de seu testemunho brilhe a verdade e a mentira seja destruída. De modo eminente, nós carregamos em todos os lugares e sempre em nosso corpo os sofrimentos da morte de Jesus, para que a vida de Jesus também se manifeste em nosso corpo (2 Co 4, 10).

Muitas vezes ouço que o celibato dos sacerdotes é apenas uma questão de disciplina histórica. Eu acredito firmemente que isso é falso. Como dissemos antes, o celibato revela a própria essência do sacerdócio cristão, isto é, a configuração perfeita, a identificação total do sacerdote com Cristo, Sumo Sacerdote da Nova Aliança e dos bens futuros (Heb. 9, 11). Neste sentido, o padre não é apenas um alter Christus, um outro Cristo, mas realmente ipse Christus, o próprio Cristo. Pela consagração eucarística, ele configura-se totalmente a Cristo, ele é como ‘transubstanciado’, transformado, mudado em Cristo. E porque o Cristo e os Apóstolos viveram perfeitamente a castidade e o celibato como sinal de seu dom total e absoluto ao Pai, ainda hoje é fundamental considerar o celibato como uma exigência vital para a Igreja. Falar disso como uma realidade secundária é uma violência contra todos os sacerdotes do mundo! Eu estou intimamente convencido de que a relativização da lei do celibato sacerdotal equivale a reduzir o sacerdócio a uma simples função. Ora, o sacerdócio não é uma função, mas um estado. Ser padre não é primeiro fazer, mas é ser. É ser o Cristo; é ser um prolongamento, uma extensão da presença de Cristo entre os homens. O Cristo é realmente o esposo da Igreja. E Ele amou a Igreja e por ela se entregou a Si mesmo, para a santificar, purificando-a no baptismo da água pela palavra, para apresentar a Si mesmo esta Igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e imaculada (Ef. 5, 25-27). O padre, por sua vez, entrega-se como Cristo se entregou por toda a Igreja. O celibato manifesta este dom, é o seu sinal concreto e vivo. O celibato é o selo da Cruz em nossa vida como padre! É um clamor da alma sacerdotal que proclama o amor pelo Pai e o dom total de si à Igreja!

A vontade de relativizar o celibato é o desprezo por este dom radical que tantos sacerdotes fiéis vivem desde sua ordenação. Eu quero clamar, com tantos dos meus irmãos sacerdotes, o meu profundo sofrimento pelo desprezo com o celibato sacerdotal! Por certo, pode acontecer de haver uma fraqueza nesse domínio. Mas aquele que cai imediatamente se levanta e continua seguindo a Cristo com mais fidelidade e determinação.

E então, Caros amigos, o que ainda será necessário em nossa catedral? Ele precisará de pilares fortes para sustentar suas abóbadas ogivais. Quais serão esses pilares? Sobre que fundamento apoiar a elegância graciosa das nervuras góticas? Acredito que podemos dizer que a Doutrina Católica recebida dos Apóstolos é o único fundamento sólido possível.

Se cada um defende sua opinião, suas hipóteses teológicas, sua novidade ou uma abordagem pastoral que contradiga as exigências do Evangelho e o Magistério perene da Igreja, então a divisão se propagará por toda parte.

Estou horrorizado por ver tantos pastores barganharem a Doutrina Católica e instaurarem a divisão entre os fiéis. Devemos ao povo cristão um ensinamento claro, firme e estável. Como se pode aceitar que os bispos ou as conferências episcopais se contradigam entre elas? Onde reina a confusão, Deus não pode habitar! Porque Deus é Luz e Verdade.

A unidade da fé pressupõe a unidade do Magistério no espaço e no tempo. Quando um novo ensinamento nos é dado, ele deve sempre ser interpretado em coerência com o ensinamento que o precede. Se nós introduzirmos rupturas e revoluções, quebramos a unidade que rege a Santa Igreja ao longo dos séculos. Isso não significa que estamos condenados ao fixismo. Mas toda evolução deve ser uma melhor compreensão e aprofundamento do passado. A hermenêutica da reforma na continuidade, que Bento XVI tão claramente ensinou, é uma condição sine qua non da unidade. Aqueles que anunciam em alto e bom som a mudança e a ruptura são falsos profetas! Eles não buscam o bem do rebanho. Eles são mercenários introduzidos fraudulentamente no redil!

Nossa unidade será forjada em torno da verdade da Doutrina Católica e do ensino moral da Igreja. Não há outro caminho. Querer ganhar popularidade na mídia ao preço da verdade é como replicar a obra de Judas! Não tenhamos medo! Que presente mais maravilhoso podemos oferecer à humanidade, senão a verdade do Evangelho? Que tesouro mais precioso oferecer-lhe, senão a luz do Evangelho e a Sabedoria de Deus, isto é, Jesus Cristo (1 Cor 1, 24).

Alguns cristãos parecem querer se privar dessa luz e dessa sabedoria. Eles como que se forçam a ver o mundo com um olhar secularizado. Por quê? É o desejo de ser aceito pelo mundo? O desejo de ser como todo mundo?

Eu me pergunto se, no fundo, essa atitude não mascara simplesmente o medo que nos faz recusar a ouvir o que o próprio Jesus nos diz: “Vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo”. Que honra, mas também que responsabilidade! Que fardo! Renunciar a ser o sal da terra, é condenar o mundo a permanecer insosso e insípido; renunciar a ser a luz do mundo, é condená-lo à escuridão, é abandoná-lo nas trevas da rebelião contra Deus! Nós não podemos nos resignar a isso!

Voltemo-nos para o mundo, para portar-lhe, porém, a única luz que não engana: quando a Igreja se volta para o mundo, isso não significa que ela suprime o escândalo da Cruz, mas tão somente que ela o torna novamente acessível em toda a sua desnudez. Caros amigos, eu fiquei espiritualmente bastante comovido com uma fotografia publicada no dia seguinte ao incêndio de Notre-Dame de Paris. Via-se o interior da igreja cheia de destroços ainda fumegantes. Elevando-se acima desses amontoados de vigas calcinadas e pedras partidas, via-se a Cruz, instalada pelo Cardeal Lustiger, luminosa e de pé! “Stat Crux, dum volvitur orbis”: ‘A cruz permanece (de pé), enquanto gira o mundo’ [N.T.: divisa da Ordem dos Cartuxos]. O mundo gira e desmorona, somente a cruz permanece estável e indica a direção da salvação. Somente a verdade da Cruz permanece, a verdade da Doutrina Católica.

Se para a Igreja voltar-se ao mundo, ela tivesse que se afastar da Cruz, isso a levaria não e uma renovação, mas à morte!

Há em muitos cristãos um medo e uma relutância em testemunhar a fé ou em levar ao mundo a luz do Evangelho. Nossa fé tornou-se tíbia, como uma lembrança que pouco a pouco vai desvanecendo. Ela tornou-se como uma neblina friorenta. Nós não ousamos mais que ela é a única luz no mundo. No entanto, temos que testemunhar não de nós mesmos, mas de Deus que veio ao nosso encontro e se revelou em Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem.

Assim, é urgente insistir em ensinar o catecismo aos adultos e às crianças. Dispomos para isso de uma maravilhosa ferramenta: o Catecismo da Igreja Católica e seu Compêndio.

O fracasso da catequese leva muitos cristãos a manter uma forma indefinida da fé ou de sincretismo religioso. Alguns escolhem crer num tal artigo do Credo e rejeitam um tal outro. Chegamos ao ponto de fazer pesquisas para sondar a adesão dos católicos à fé cristã … A fé não é uma banca de feira onde escolhemos frutas e legumes do nosso gosto! Ao recebê-la, é Deus inteiro que nós recebemos! Solenemente eu chamo os cristãos a amarem os dogmas, os artigos de fé, e a apreciá-los. Amemos nosso catecismo! Se o recebermos não apenas com os lábios, mas com o coração, então, através das fórmulas da fé, entraremos verdadeiramente em comunhão com Deus. É hora de arrancar os cristãos dos discursos ambíguos e confusos de certos prelados ou do relativismo ambiente que anestesia os corações e adormece o amor! Lembre-se do testemunho claro e firme de Pedro: senão pelo nome de Jesus Cristo Nazareno… não há salvação em nenhum outro, porque, sob o céu, nenhum outro nome foi dado aos homens, pelo qual devamos ser salvos (Atos 4: 10- 12). Pense em todos aqueles cristãos na África, Ásia e Oriente Médio que estão sendo massacrados por causa do nome de Jesus!

É hora de a fé tornar-se para os cristãos o tesouro mais íntimo e mais precioso. Pense em todos esses mártires mortos pela pureza de sua fé.

Medimos pela nossa apatia face aos desvios doutrinários, a tibieza que se instalou entre nós. Não é incomum ver erros graves serem ensinado em universidades católicas ou em publicações oficialmente cristãs. E ninguém reage! Nós, bispos, contentamo-nos com correções prudentes e tímidas. Tenhamos muito cuidado, pois um dia os fiéis nos pedirão contas. Eles vão nos acusar diante de Deus de tê-los entregue aos lobos e desertado nosso posto de pastor defensor do redil.

Não me levem a mal: meu grito é um grito de amor! Nossa fé condiciona nosso amor por Deus. Defender a fé é defender os mais fracos, os mais simples, e permitir-lhes que amem a Deus em verdade. Caros amigos, devemos arder de amor pela nossa fé. Não podemos diluí-la, atenuá-la e dissolvê-la em compromissos mundanos. Não podemos falsificá-la nem corrompê-la. Isso comprometeria a salvação das almas, das nossas e dos nossos irmãos! O dia em que não mais arderemos de o amor pela nossa fé, o mundo morrerá de frio, privado de seu bem mais precioso. Cabe a nós defender e anunciar a fé!

Quem se levantará hoje para anunciar às cidades do Ocidente a fé que esperam? Quem se levantará para anunciar a verdadeira fé aos muçulmanos? Eles a procuram sem sabe-lo. Eles se voltam para o Islã porque o Ocidente lhes oferece como única religião: a sociedade de consumo.

Quem serão os missionários de que o mundo necessita? Quem serão os missionários que ensinarão a integralidade da fé a tantos católicos que não sabem em que acreditam? Não coloquemos mais a luz da fé sob o alqueire, não vamos esconder mais este tesouro que nos foi dado de graça! Ousemos anunciar, testemunhar, catequizar!

Nós não podemos dizer temos fé e, na prática, viver como ateus!

A fé ilumina toda a nossa vida familiar, profissional e cultural, não apenas nossa vida espiritual. No Ocidente, vemos alguns, sob pretexto da tolerância ou da laicidade, impor uma forma de esquizofrenia entre a vida privada e pública. A fé tem seu lugar no debate público! Precisamos falar de Deus, não para impô-Lo, mas para revelá-Lo e propô-Lo. Deus é uma luz indispensável para o homem.

Meus caros amigos, para completar a nossa catedral, faltam-nos ainda os vitrais. Eles nos trazem a presença luminosa, alegre e rica em cores dos Santos do Céu.

Precisamos de santos que ousem ver todas as coisas com um olhar de fé, e ousem esclarecer-se à luz de Deus. Meus amigos, seríamos nós os santos que o mundo está esperando? Vocês, cristãos de hoje, serão os santos e os mártires que as nações esperam para uma nova evangelização! Suas pátrias estão sedentas por Cristo! Não as decepcionem! A Igreja confia-vos esta missão!

Eu acredito que estamos em um momento decisivo da história da Igreja. Sim, ela precisa de uma reforma profunda e radical que deve começar com uma reforma do modo de vida dos padres. Mas todos esses meios estão a serviço de sua santidade. A Igreja é santa em si mesma. Nossos pecados e preocupações mundanas impedem que a santidade da Igreja resplandeça. É hora de derrubar toda essa sobrecarga para enfim deixar aparecer a Igreja como Deus a modelou.

Às vezes, acredita-se que a história da Igreja é marcada por reformas estruturais. Tenho certeza que são os santos que estão mudam a história. As estruturas sucedem essas mudanças e perpetuam a ação dos santos. Quando Deus chama, Ele é radical! Isso significa que Ele vai até ao fim, até à raiz. Caros amigos, nós não somos chamados a ser cristãos medíocres! Não, Deus nos chama a todos para o dom total, até ao martírio do corpo ou do coração! Ele nos chama à santidade: “Sede santos, porque Eu, o Senhor vosso Deus, Sou santo” (Lev 19, 1).

Na conclusão do meu livro, falo do veneno do qual todos somos vítimas: o ateísmo líquido. Ele se infiltra em tudo, até nos nossos discursos eclesiásticos. Ele consiste em admitir, ao lado da fé, modos de pensamento ou estilos de vida radicalmente pagãos e mundanos, realmente opostos ao Evangelho; e nós nos damos por satisfeitos com essa coabitação contra naturam! Isso mostra que a nossa fé tornou-se líquida e inconsistente!

A primeira reforma a ser feita é em nosso coração. Consiste em não mais pactuar com a mentira do ateísmo líquido. A fé é ao mesmo tempo o tesouro que queremos defender e a força que nos permite defendê-lo.

De todo meu coração de pastor, convido hoje os cristãos para a conversão. Não precisamos de partidos na Igreja. Não precisamos nos autoproclamarmos os salvadores dessa ou daquela instituição. Tudo isso contribuiria para o jogo do adversário. Por outro lado, cada um de nós pode tomar esta resolução: a mentira do ateísmo não passará mais por mim. Não quero mais renunciar à luz da fé, não quero, por conveniência, preguiça ou conformismo, fazer que a luz e as trevas coabitem em mim! É uma decisão muito simples, ao mesmo tempo interior e concreta. Ela vai mudar a nossa vida seus mais mínimos detalhes. Não se trata de ir à guerra. Não se trata de denunciar os inimigos. Não se trata de atacar ou criticar. Trata-se de permanecer firmemente fiel a Jesus Cristo, ao seu Evangelho e ao mistério da Igreja. Se não podemos mudar o mundo, podemos mudar-nos. Se cada um decidisse isso com humildade, então o sistema da mentira entraria em colapso por si só, porque sua única força é o lugar que nós lhe damos em nós!

Meus caros amigos, o Ocidente construiu maravilhosas catedrais. Hoje elas correm o risco de se tornarem museus sem alma. Mas um mundo em que as catedrais se tornassem como cadáveres de pedras seria um mundo triste, vão e sem sentido.

Permitam-me concluir citando ainda Bento XVI: “o homem precisa de um chamado feito à sua alma que possa carregá-lo e sustentá-lo. Ele precisa de um espaço para sua alma. É isto o que uma catedral simboliza. Mas um edifício só se torna uma catedral graças aos homens que constroem este espaço da alma, homens que transformam pedras em catedrais e assim mantêm aberto para todos o chamado do infinito, o chamado sem o qual a humanidade sufoca. A humanidade precisa de ‘servos da catedral’ cuja vida desinteressada e pura faça com que Deus seja digno de crédito”.

Meus caros amigos, convido-vos a serem esses construtores de catedrais.

Precisamos criar lugares onde as virtudes possam florescer. É hora de recuperar a coragem do ‘anticonformismo’. Os cristãos devem ter a força para formar oásis onde o ar seja respirável, onde, simplesmente, a vida cristã seja possível.

Eu conclamo os cristãos para abrir oásis de gratuidade no deserto da rentabilidade triunfante! Sim, vocês não devem ficar sozinhos no deserto da sociedade sem Deus. Um cristão que permanece sozinho é um cristão em perigo! Ele acabará sendo devorado pelos tubarões da sociedade mercantil. Os cristãos devem se reunir em grupos, ao redor de suas catedrais: as casas de Deus. Precisamos criar lugares onde o ar seja respirável, ou simplesmente, a vida cristã seja possível. Nossas paróquias devem colocar Deus no centro! No centro de nossas vidas, no centro de nossos pensamentos, no centro de nossa ação, nossas liturgias e nossas catedrais. Em meio a avalanche de mentiras, devemos ser poder encontrar lugares onde a verdade não seja apenas explicada, mas vivida. Trata-se, simplesmente, de viver o Evangelho! Não de pensa-lo como uma utopia, mas de vivenciá-lo concretamente! A fé é como um fogo! É preciso que ela esteja ardendo para poder ser transmitida. Vigiem este fogo sagrado! Que ele seja o seu calor no coração do inverno do Ocidente. Quando à noite se acende um fogo, os homens se reúnem em volta dele. Essa é nossa esperança. Essa é a nossa catedral.

Cardeal Robert Sarah

[1] Encíclica Evangelium Vitae de 25 de março de 1995, n. 21.

[2] Nikolai Berdiaev, Le Nouveau Moyen Âge. Réflexions sur les destinées de la Russie et de l’Europe,Paris, 1986.

[3] Diálogo do Papa Bento XVI com os sacerdotes. Praça de São Pedro, aos 10 de junho de 2010.

Fonte: Soyons des bâtisseurs de cathédrale – La Nef
https://lanef.net/2019/06/20/soyons-des-batisseurs-de-cathedrale/

Tradução Pe. Geraldo Vasconcelos, C.O.

9 Comentários to “Cardeal Sarah: “O mundo não precisa de uma Igreja que seja o reflexo da própria imagem do mundo!””

  1. Texto maravilhoso!
    Brilhante.
    A profundidade de suas palavras, a clareza e a precisão de sentido nos remetem à uma séria reflexão!
    Vou usar desta comunicação do Eminentíssimo Cardeal Sarah para minha meditação pessoal e Orações para que o Bom Deus tenha piedade de nosso decadente Ocidente, outrora Cristão e atualmente indiferente.
    Que a Imaculada Conceição e o glorioso São Bento – patrono da Europa – juntamente a todos os Anjos e Santos, intercedam pela nossa civilização!

    • Farei o mesmo prezado sacerdote José Antônio. Meditação e oração! Já está descortinada o “a revolta de Satanás contra o dom da graça” aqui também! – O Instrumentum laboris do Sínodo da Amazônia – e perdão se estiver equivocado com este comentário dentro do contexto do eixo do mal Latino-Americano.

  2. Esse homem de Deus tem o dom de tocar os corações! Ele denuncia o erro, anuncia a verdade e enche o coração de esperança! Assim como a homilia aos jovens na catedral de chartres, mais uma vez o cardeal conseguiu me fazer buscar a santidade e a conversão de vida para realizar a verdadeira reforma na igreja! Luminosas palavras!!

  3. Sei que não tem ligação direta com o post em questão, mas vejam o que acontece quando a igreja passa a se adaptar ao mundo: https://secretummeummihi.blogspot.com/2019/07/despues-de-130-anos-de-presencia-cierra.html?m=1
    É a “primavera da igreja” chegando a América Latina!

  4. Rezemos à Deus para que o Cardeal Sarah seja o nosso próximo Papa, creio ele que talvez possa resolver essa crise na Santa Igreja Católica causada pelo concílio Vaticano II.

  5. 1 – O filósofo Olavo de Carvalho disse uns anos atrás que a África que foi evangelizada pela Europa hoje em dia sobe para reevangelizar a atual Europa pagã! E é verdade!

    2 – Creio que o Cardeal Robert Sarah é santo! Suas palavras são muito ungidas! Que Deus o abençoe muito. Amém!

  6. Rodolfo, da vontade de chorar, diante desse Texto
    Imenso! Cansativo, contudo; Maravilhoso, pleno de gdes verdades, de um cardeal autêntico, corajoso, q expõe as verdades, necessárias a nossa Igreja e a nos tb, para nos
    Mostrar nesses dias hodierno, o q o
    Mundo ocidental tem vivido, a falta de Deus. Vale
    Muito a pena ler, e uma super aula! Gratidão
    Pela indicação.paz&bem!

  7. Maravilha de texto!
    Que seja divulgado em todos os ambientes religiosos: paróquias, seminários, dioceses, grupos de oração…
    Quem tem ouvidos, ouça!

  8. Simplesmente maravilhoso o texto do Cardeal!!
    Cansativo, é verdade, longo, é verdade, mas extremamente oportuno!