A herança da divisão.

Por FratresInUnum.com, 4 de agosto de 2021 – Alguém jamais terá visto algum ditador agir contra a unidade? Por definição, ditadura é a imposição de um determinado tipo de unidade a um corpo social, contra o consenso ou a vontade dos seus membros, contra o bem comum de todos eles. Contudo, para quem tem ideias fixas ou ideologias fanatizantes, tal imposição será entendida como único bem necessário, nem que seja sob os altos custos de conflitos e divisões subsequentes.

Em, “O Papa Ditador”, Macantonio Colonna (Henry Sire) conta que, na época da nomeação episcopal de Jorge Mario Bergoglio, o prepósito Geral da Companhia de Jesus, Pe. Peter Hans Kolvenbach, teria vivamente desaconselhado a Santa Sé a promovê-lo.

Dictator Pope“O texto do relatório nunca foi tornado público, mas o relato foi feito por um sacerdote que teve acesso a ele antes que desaparecesse do arquivo dos jesuítas. O padre Kolvenbach acusava Bergoglio de uma série de defeitos, que vão do uso habitual de linguagem vulgar à duplicidade, à desobediência escondida sob uma máscara de humildade e à falta de equilíbrio psicológico. Na ótica da sua idoneidade como futuro bispo, o relatório enfatizou que, como provincial, ele havia sido uma pessoa que trouxera divisão à sua ordem”.

A existência de pesados atritos entre o jesuíta Bergoglio e a sua ordem são muito conhecidos e, inclusive, são publicamente assumidos pelos seus mais devotos biógrafos, inclusive aqueles cujos textos foram revisados pessoalmente por ele mesmo. Conta-se abertamente, por exemplo, sobre o seu “exílio” em Córdoba e sobre o seu frustrado doutorado na Alemanha, assim como o próprio Francisco relata em entrevista à Civiltà Cattolica:

“Na minha experiência de superior na Companhia, para dizer a verdade, nem sempre me comportei assim, ou seja, fazendo as necessárias consultas. E isso não foi uma boa coisa. O meu governo como jesuíta no início tinha muitos defeitos. Estávamos num tempo difícil para a Companhia: tinha desaparecido uma inteira geração de jesuítas. Por isto, vi-me nomeado Provincial ainda muito jovem. Tinha 36 anos: uma loucura. Era preciso enfrentar situações difíceis e eu tomava as decisões de modo brusco e individualista. Sim, devo acrescentar, no entanto, uma coisa: quando entrego uma coisa a uma pessoa, confio totalmente nessa pessoa. Terá que cometer um erro verdadeiramente grande para que eu a repreenda. Mas, apesar disto, as pessoas acabam por se cansar do autoritarismo. O meu modo autoritário e rápido de tomar decisões levou-me a ter sérios problemas e a ser acusado de ser ultraconservador. Vivi um tempo de grande crise interior quando estava em Córdoba. Claro, não, não sou certamente como a Beata Imelda, mas nunca fui de direita. Foi o meu modo autoritário de tomar decisões que criou problemas”.

Estes problemas não foram senão a divisão política da Companhia na Argentina em duas alas antagônicas: peronistas contra gorilas (anti-peronistas). No final dos anos 80 a situação era tão grave que, segundo Austen Iverigh, um dos seus biógrafos oficiais, “nos dois anos seguintes (89-90), a província se dividiu cada vez mais profundamente e Bergoglio foi acusado de forma cada vez mais insistente de fomentar essa dissidência”. Ele cita um registro verbal das reuniões dos consultores provinciais: “Em todos os encontros, falávamos dele. Era uma preocupação constante decidir o que devíamos fazer com esse homem”.

Bergoglio foi completamente isolado na Companhia até que o arcebispo de Buenos Aires, o cardeal Quarracino, conseguiu que ele fosse nomeado seu bispo auxiliar. Após a sua nomeação, ele foi expulso da casa dos jesuítas com o endosso do superior geral da Ordem.

Em seu recente e agudíssimo artigo, “Una hipótesis sobre Traditionis Custodes”, Antonio Caponnetto mostra como a motivação deste documento não é senão ideológico-peronista: “O que tratamos de dizer é que Bergoglio não encara esta batalha (contra a Missa tradicional) pelo zelo teológico, eclesiológico ou litúrgico. Encara-a como mais uma fase da luta de classes. Eis aqui a tragédia, o drama, a comoção fatal: quem ocupa o sólio de Pedro é um agente da insurreição classista, variável chave na Revolução Mundial Anticristã”.

Em outras palavras, embora ele alegue em sua carta aos bispos o zelo pela unidade da Igreja, na verdade o que ele está fazendo é puxar a tensão dialética ainda mais para a esquerda, para aumentar a divisão entre os católicos e favorecer a ruptura interna.

A história está se repetindo. Agora, ele não deixará apenas a Província argentina dos jesuítas dividida, ele deixará a Igreja nesta confusão e, do mesmo modo como não saiu da Cúria da Companhia a não ser com uma ordem escrita do provincial e endossada pelo Padre Geral, agora ele não renunciará, pois quer favorecer exatamente esta divisão, a qual ele mesmo considera como o seu próprio triunfo. Como ele mesmo declarou, segundo as palavras do Der Spiegel: “Não excluí a hipótese de que eu seja lembrado como o Papa que, na história da Igreja Católica, a dividiu”.

10 Responses to “A herança da divisão.”

  1. Só vive na confusão quem quer conciliar gregos e troianos, e que não sabe o que é a verdade!

  2. Pois é, mas segundo um professor de catequese da internet, Francisco é “o mais medieval dos Papas das ultimas décadas, o melhor Papa do século e que Deus o conserve reinando glorioso por vários anos pois ele desagrada tanto a direita como a esquerda na Igreja. E cale a boca e obedeça para não ir para o inferno como o excomungado Dom Marcel Lefvbre!”

    • Carlos Ramalhete caiu em um fideísmo bizarro. Ele acreditaria que a neve é preta se assim o Papa falasse. É engraçado que ele não possuía essa benevolência toda com João Paulo II, por exemplo, o qual ele criticava bastante. Essa idolatria toda é pra salvar sua teoria tola de que o “catolicismo medieval” “sobrevive” culturalmente na America Latina. Ora, bolas, os bispos daqui são quase tão ruins quanto os alemães!

  3. Já relatei aqui algumas vezes que o suíço superior jesuíta, Pe Hans van Kolvenbach desaconselhou o papa S João Paulo II a nomear como bispo ao Pe Jorge Bergoglio, pois trazia diversos problemas desagregacionistas à Congregação Jesuíta, era algo meio desequilibrado e seus antecedentes, diversos não eram convenientes como um sacerdote fiel à Igreja, inclusive uma arquidiocese pouco prolífica em seminaristas, enquanto isso, D Rogelio Livieres, seu desafeto, possuía mais de 200 seminaristas e os dois jamais andavam em boas relações – seriam ciúmes de D Bergoglio, com apenas, salvo engano, possuindo apenas uma dúzia e nunca foi do que se considera “de direita”, mas, um peronista, que vive como caniço encontrado nos brejos, bem ao sabor do vento?
    As suas celebrações, especialmente para crianças, eram como shows com Pinochio e outras dancinhas infantis, mais se parecendo shows de auditório em que ele era o permissor e, além do mais, apoiava certas práticas heterodoxas, como depois de uma celebração, logo no presbitério, um casal dançando um tango – uma dança sensual, algo de assustar assombração – uma profanação da Casa de Deus e e ele assentado atrás do altar com outro bispo e padres, apreciando os remelexos dos dois dançarinos!
    Ele teria dito: quero ver as minhas reformas do lado de lá, no entanto, que não sejam do inferno, numa certa entrevista a determinada jornalista, muitos anos atrás – li, reli e tresli o trecho – e isso via várias vezes dando a outros indicações de conferirem, mas talvez a midia globalista retirou para não o “denegrir” e passar sempre como o “misericordioso e santinho”, como propagou no inicio de seu pontificado, embora sempre com feroz e enorme resistência à conversão dos povos paganizados em cristãos católicos, considerando-se um assumido anti proselitista, enormemente desestimulando as missões entre os pagãos e suas a religiões demonistas!
    “Os deuses do gentios são demônios, mas o Senhor criou o Céu e a Terra” Sal 95.5
    Isso tudo sem contar as conivências com os muçulmanos e apoio a comunistas-NOM-Maçonaria, como a Maduro, F Castro, Mujica, a Kircher-Sánchez, ao mega Ratão Lula-Dilma em que ele era o presiDENTRO, além de apoio às uniões ilícitas gays e transexuais, recepcionados no Vaticano como gente de casa, assim como dedicação particular aos “movimentos sociais” das esquerdas, tipo vândalos invasores do MST e MTST e a outras imundícies do gênero comunista martelo e foice!
    Também, chegou a ponto de o muçulmano Ahmed Al Tayyeb colocá-lo como protetor mundial dos sunitas – anti xiitas do Irã – cujas batalhas sangrentas entre si podem ter havido milhões de mortos em muitos séculos! Apenas na guerra Irã x Iraque, 500 000 soldados exterminados em combates, de cada lado!
    E o caso de Abu Dhabi, pactuando com uma única religião mundial do ramo abraâmico, um mix de todas reunidas numa só, sob a gerência de Roma – só se for pelo futuro asqueroso anticristo e vassalos – além de dar trelas aos pagãos e radicais anti cristãos católicos do PCC chinês de ordenar bispos, “validamente”, bem conhecemos dessa idéias nada aceitáveis, ao contrário, desprezadas, por dever de justiça!
    Ainda bem que temos D Viganò, Cardeal D Burke, D Schneider, D Rob Mutsaerts, D Donald Sanborn etc. apontando-lhe na mídia os erros desedificantes dos cristãos católicos!

  4. Quem diria hein, Bergoglio?
    Gravíssima esta acusação.
    Esconder passado é próprio de ditadores quando assumem o poder, por conseguinte.
    Como exemplo, temos o caso de Hitler, que sempre foi suspeito de ter descendência judia, coisa que se viesse a público na década de 30 poria a sua carreira e o seu projeto de poder abaixo.
    Para resolver o assunto, Himmler e a SS trataram de dar sumiço nos seus arquivos em Braunau am Imn, sua cidade natal na Áustria (Hitler não era alemão, como muitos pensam).

    “Nunca fui de direita”.
    Bela declaração. Ainda bem.
    Não existe socialista de direita. Todos são de esquerda, incluso Hitler e Mussolini.
    O primeiro, chefe do partido dos trabalhadores (NSDAP) descrito no título como socialista e o segundo, tão socialista que fundou a República Socialista da Itália.
    Esta classificação, para estes dois pulhas como “direita”, foi convenientemente estabelecida na II Guerra Mundial por Stalin e seus asseclas e empurrada goela abaixo em Roosevelt e Churchill.
    Pegou, até hoje razoável parcela ingênua da humanidade ainda aceita isto como verdade e a esquerda não se conforma com a realidade.

    “Não excluí a hipótese de que eu seja lembrado como o Papa que, na história da Igreja Católica, a dividiu”.
    Sugiro não excluir a hipótese de ser declarado antipapa.
    Antipapa não divide coisa alguma.

    • “Não excluí a hipótese de que eu seja lembrado como o Papa que, na história da Igreja Católica, a dividiu”, isso ele relatou uma ou mais vezes, nesse caso, seria um Lutero redivivo II, segunda edição fa simile, agora modelo século XXI e, com dissemos v e eu “nunca fui de direita”, de como, se seria adepto do peronismo?
      Perón se dizia que estava ao sabor das oportunidades; era aliado de Hitler e os alemães, após perdida a guerra, muitos fugiram para a Argentina, como Adolf Eichmann, capturado pelo Mossad e levado para Israel, onde, salvo engano, foi enforcado ou morto a bala!

  5. Esse é um currículo horrível para um bispo…quanto mais para cardeal….e impensável para um….papa

  6. Os jesuítas, com seu corporativismo mofado, fizeram dos ideais vigentes da Companhia em cada época o tudo a ser feito e implementado por seus soldadinhos de chumbo.
    Mudados os ventos a partir de João XXXIII, aliás com ampla colaboração preambular dos próprios jesuítas, em especial os franceses que enxovalhavam os documentos de Pio XII, tão logo aprovados com o placet de Madre Pasqualina…

    Perderam Leme, mais ou menos como Tristinho de Ataúde depois da morte do Cardeal: Leme.

    A história da religião conciliar seria apenas grotesca não fosse trágica com seu histriônico cair dos panos pachalâmico e a esquâlida Santa Ceia montiniesca com todos os seus santos do pau oco.

    O charlatão argentino não deu de presente um cálice ao “pastor” luterano de Roma? Se não for pra celebrar (?!) a Ceia, pra que é?

    Façam-me o favor. Sirvam a alfafa pra quem nasceu pra isso.

    Sai diabo!

  7. ILUSTRE PROF CASTRO: como aceitar in totum o papa Francisco, apoiando claramente o homossexualistas Pe James Martin e Rosica – de mãos dadas com esse – permitindo comunhões a homossexuais, amistoso com todos os comunistas, caso do mega ratão salteador do Brasil Lula(Dilma), Ortega, Maduro, Mujica, F Castro quando vivo, Emma Bonnino da Itália, com mais de 10 000 abortos praticados por ela, chamando-a de “mulher de verdade” e mais escórias da humanidade e carniceiros, tratando-os esses comunistas e abortistas como gente digna; pode uma dessa?
    Isso é sabido do H Sebastião dono do site e de muitos outros sites católicos da S Missa ante Vaticano II, como mudanças até na Consagração do vinho pois Jesus na Última Ceia disse “pro múltis” e hoje diz na missa nova “pro omnibus” – pode uma e mais dessas invencionices que talvez seriam promovidas pela Maçonaria Eclesiástica, como o suspeito Cardeal Annibale Bugnini, flagrado ligando para a Loja P2 maçônica, dizendo: foi o que consegui de modificações na missa, nada mais e depois após esse episódio deposto, mandado para Teerã, morreu pouco depois de uma morte suspeita – quem sabe, a maçonaria teria o eliminado por ter se deixado ser descoberto a quem realmente pertencia, agindo como os comunistas: quem erra, paga com a vida!
    Não foi o caso de prefeito Celso Daniel com o PT, pois ele não queria roubalheira do partido e teriam armado uma cilada para exterminá-lo, supostamente a mando de Lula?
    Lembra daquela gravações do Lula nas tv, um anjo, e ele urrou para não serem mostradas ao povo as outras dele feroz por detrás – comunistas têm pelo menos 2 caras!
    E ele por detrás, como era um vilão malvado, cujo negócio era “meter o ferro no povo”?
    Os Comunistas são os demónios antropomorfizados nesse mundo, serviçais, traidores e capachos deles!

Trackbacks