Nice: prossegue a guerra de religião.

Artigo ainda mais atual, após o martírio de hoje do Padre Jacques Hamel.

Por Roberto de Mattei, Il Tempo, 16-07-2016 | Tradução: FratresInUnum.comO Papa Francisco tinha razão quando há mais de um ano afirmou que a Terceira Guerra Mundial já havia começado e que está sendo travada “em fragmentos”. Mas é preciso acrescentar que se trata de uma guerra de religião, pois os motivos dos que a declararam são religiosos e até os homicídios perpetrados em seu nome são de índole ritual.

Francisco qualificou o massacre de Nice de ato de violência cega. Ora, a fúria homicida que induziu o condutor do caminhão a semear a morte na orla marítima não foi um ato irracional de loucura, mas fruto de uma religião que incita ao ódio e instiga à violência. Os mesmos motivos religiosos desencadearam as carnificinas do Bataclan de Paris, dos aeroportos de Bruxelas e Istambul e do restaurante de Dacca. Por mais bárbaros que tenham sido esses atentados, nenhum deles foi cego, mas foi parte de um plano lucidamente exposto pelo Estado Islâmico em seus documentos.

O porta-voz do EI, Abu al-Adnani, em uma gravação difundida pelo Twitter em fins de maio, lançou um apelo ao assassinato na Europa em nome de Alá, com estas palavras: “Quebra-lhe a cabeça com uma pedra, assassina-o a facadas,  atropela-o, atira-o de um lugar  elevado, estrangula-o ou envenena-o.” E o Corão não se expressa de modo diverso ao falar dos infiéis. O que sim constitui sintoma de loucura cega é continuar fechando os olhos para esta realidade.  

É uma ilusão crer que a guerra ora travada não foi declarada pelo Islã ao Ocidente, mas que é uma guerra intestina do mundo muçulmano, e que a única forma de se salvar é ajudando o Islã moderado a derrotar o fundamentalista. Mas falar de Islã moderado é cair em contradição, porque os maometanos que se secularizam e se integram na sociedade ocidental deixam de ser muçulmanos, ou se tornam muçulmanos não observantes ou maus muçulmanos. Um verdadeiro muçulmano pode renunciar à violência por oportunismo, mas sempre considerará legítimo fazer uso dela contra os infiéis, porque assim ensina Maomé.

A guerra atualmente em curso é uma guerra contra o Ocidente, mas também contra o Cristianismo, porque o Islã quer substituir a Religião de Cristo pela de Maomé.  Por isso, o objetivo final de sua conquista não é Paris nem Nova York, mas Roma, centro da única religião que o Islã se propõe aniquilar desde a sua origem.  A guerra contra Roma remonta ao nascimento do próprio Islã, no século VIII. Roma era o objetivo dos árabes que em 830 e 846 ocuparam, saquearam e depois se viram obrigados a abandonar a Cidade Eterna. Roma era o ponto de mira dos muçulmanos que em 1480 decapitaram os 800 cristãos de Otranto e degolaram os nossos compatriotas em Dacca em 2016.

Trata-se de uma guerra religiosa, declarada pelo EI à irreligiosidade ocidental e à sua religião, que é o Cristianismo. E à medida que este se seculariza, vai abrindo caminho para seu adversário, que só pode ser derrotado por uma sociedade com uma identidade religiosa e cultural forte. Como observa o historiador inglês Christopher Dawson, o fator de coesão de uma sociedade e de uma cultura é o impulso religioso: “As grandes civilizações não dão à luz as grandes religiões como uma espécie de subproduto cultural; as grandes religiões são a base sobre as quais se sustentam as grandes civilizações. Uma sociedade que perdeu a sua religião está fadada a perder cedo ou tarde sua cultura.”

Esta guerra religiosa já é uma guerra civil europeia, porque se combate no interior das nações e das cidades de um continente invadido por milhões de imigrantes. Ouve-se com frequência que, face à invasão, devemos construir pontes em vez de levantar muros; mas só se defende uma fortaleza sitiada subindo a ponte levadiça, e não baixando. Alguns começam a dar-se conta.

As autoridades francesas previram a irrupção de uma guerra civil destinada a ser travada antes de tudo no interior dos grandes centros urbanos, onde a multiculturalidade impôs a impossível convivência de grupos étnicos e religiosos diversos. Em 1º de junho passado, um comunicado do Estado-Maior francês anunciou oficialmente a criação de uma força convencional do Exército, o Comando terrestre para o território nacional (COM TN), destinado a combater a jihad em território francês. Batizado de Au contact, o novo modelo estratégico se compõe de duas divisões sob um comando único, com um total de aproximadamente 77 mil homens dispostos a enfrentar o perigo de uma insurreição islâmica.

Ante esse perigo, além das armas materiais, utilizadas em todo conflito para exterminar o inimigo, são também e sobretudo necessárias as  armas culturais e morais, consistentes na consciência de que somos herdeiros de uma grande civilização que definiu sua identidade ao longo dos  séculos precisamente combatendo  o  Islã. Instamos respeitosamente o Papa Francisco, Vigário de Cristo, a ser o porta-voz de nossa história e de nossa tradição cristã face ao perigo que nos ameaça. 

15 Responses to “Nice: prossegue a guerra de religião.”

  1. A terceira parte do segredo revelado a 13 de Julho de 1917 na Cova da Iria-Fátima.

    Escrevo em acto de obediência a Vós Deus meu, que mo mandais por meio de sua Ex.cia Rev.ma o Senhor Bispo de Leiria e da Vossa e minha Santíssima Mãe.

    Depois das duas partes que já expus, vimos ao lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada de fôgo em a mão esquerda; ao centilar, despedia chamas que parecia iam encendiar o mundo; mas apagavam-se com o contacto do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora ao seu encontro: O Anjo apontando com a mão direita para a terra, com voz forte disse: Penitência, Penitência, Penitência! E vimos n’uma luz emensa que é Deus: “algo semelhante a como se vêem as pessoas n’um espelho quando lhe passam por diante” um Bispo vestido de Branco “tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre”. Varios outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fôra de sobreiro com a casca; o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trémulo com andar vacilante, acabrunhado de dôr e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de juelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam varios tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições. Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, n’êles recolhiam o sangue dos Martires e com êle regavam as almas que se aproximavam de Deus.
    Tuy-3-1-1944.
    http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20000626_message-fatima_po.html

    Ora, temos no Vaticano “um Bispo vestido de Branco que tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre”. Varios outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas subindo uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fôra de sobreiro com a casca. Ou seja, Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas tomando uma estrada escabrosa, uma montanha que leva a um local onde a cruz que encontram é distorcida, troncos toscos, uma imitação falsa da Cruz de Cristo cunhada pelo Diaboli Simia Dei.
    O Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trémulo com andar vacilante, acabrunhado de dôr e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho. Chegado ao cimo do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam varios tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares.
    A morte do padre Jacques Hamel, degolado de joelhos no altar enquanto celebrava missa é só o começo do cumprimento da profecia de Fátima. Esse sacerdote de de 86 anos de idade, segundo a Conferência de Bispos da França, foi ordenado sacerdote no dia 30 de junho de 1958 e estava servindo a paróquia de Saint-Etienne-de-Rouvray desde 2005.
    Ele que teve uma formação tradicional, certamente passou pelo martírio de ver o Rito Tradicional destruído, passou pelo martírio do Vaticano II e agora passou pelo martírio de sangue ao ser degolado como um cordeiro no altar do Santo Sacrifício. Literalmente sacerdote, vítima pela própria natureza do seu sacerdócio assim como Cristo Sumo Sacerdote que ao mesmo tempo, Vítima, se imolou a si mesmo pela vida do mundo.
    Com 86 anos de idade já havia passado da hora de se aposentar, mas cumpriu o seu destino de mártir. Ele viu essa guerra de religião que se abateu sobre a Europa e foi testemunha viva do cumprimento do Terceiro Segredo de Fátima em nossos tempos. Roma está na mira e pelo modo como o próprio Bergoglio está promovendo a invasão islâmica na Europa, não precisa ser vidente pra saber que isso não vai acabar bem.

  2. Pois é…
    Seria bom, mas “somos todos irmãos”, até nossos papas beijaram o livro sagrado do Corão…
    E, claro, papa Francisco ainda está a esperar maiores esclarecimentos…
    Afinal, as pessoas que foram atacadas poderiam estar ajudando esses pobres “irmãozinhos”… Deveriam dialogar!
    Ah… Chega!
    Cansamos desse mi-mi-mi de um cristianismo frouxo que produz um Ocodente tão frágil quanto as doutrinas relativistas.
    Viva Cristo Rei!

  3. O assassinato do Pe Jacques Hamel poderia ser o inicio da guerra religiosa: tentativa do Islã de substituir o Senhor Deus Jesus Cristo por um mortal como os outros, Maomé!
    Há varias décadas que o socialismo aliado ao Islã vem aos poucos subvertendo a Europa, mesmo os EUA – as A Latina e Central, nem citemos – com seus ilusionismos de um mundo sem se ater às Leis do Senhor Deus e de doutrinas “exigentes e tolhedoras” da liberdade humana e todos os homens, enfim livres dessas “amarras”, terem nesse mundo um “paraíso”!
    O pior é que conseguiram cooptar clérigos e infiltrar de seus adeptos dentro da Igreja católica, e esses têm sido a maior força propulsora para o relativismo, muito mais perigosos que seus inúmeros inimigos externos!
    Dessa forma, varios ajuntaram-se aos piores desafetos dos cristãos, os muçulmanos, e a partir de certos “progressistas” Altos Hierárquicos passaram dar asas a socialistas e muçulmanos que temporariamente estão unidos no intuito de destruirem a civilização cristã ocidental!
    O efeito das conspirações socialistas é que varias nações foram apostasiando-se à Igreja e sendo domesticadas por suas ideologias, a ponto de passaram a eleger os social-comunistas, colocando governos anti cristãos e impopulares, embora com bastante sagacidade propagassem em contrario.
    O resultado desses desacertos é que na Europa 3 nações estão demasiado sob as patas de ambos e que podem caotizar o resto dela, pagando o preço de dar preferencia aos muçulmanos em detrimento dos amistosos cristãos, os quais estão servindo de pasto para as hienas do ISIS e doutros grupos maometanos, sob complacencia da Europa, a qual já se parece refém desses!
    Dessa forma, a Inglaterra, França e Alemanha, essa o motor principal, atualmente sob a protestante, socialista, aliada ao Islã e globalista A Merkel foram vitais nesse processo de descristianização e alienação do continente.
    O resultado não poderia ser outro: os “refugiados” entraram à vontade nesses países e outros, e ainda os subsidiaram, esses fincaram suas raízes e aos poucos aterrorizam seus anfitriões com todos os tipos de maquinações perversas, inclusive objetivam convertê-los ao Islã á força, substituindo o Senhor Deus Jesus Cristo por Maomé!
    Nesse ínterim, deportarem ou trucidarem os opositores para poderem tomar o controle dessas e de mais nações; dois apenas exemplos do Alcorão instigador do odio, onde desde a mais tenra infancia onde os muçulmanos são doutrinados:
    “Sabei que aqueles que contrariam Alá e seu mensageiro(Maomé) serão exterminados, como o foram os seus antepassados; por isso nós lhes enviamos lúcidos versículos e, aqueles que os negarem, sofrerão um afrontoso castigo. Alcorão, Surata 58,5.
    “E combatei-os até terminar a perseguição e prevalecer a religião de Alá. Porém, se desistirem, não haverá mais hostilidades, senão contra os iníquos.” Alcorão, Surata 2,193.
    “O castigo, para aqueles que lutam contra Alá e contra o seu mensageiro(Maomé) e semeiam a corrupção na terra, é que sejam mortos, ou crucificados, ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos, ou banidos. Tal será, para eles, um aviltamento nesse mundo e, no outro, sofrerão um severo castigo. “Alcorão, Surata 5,33.

  4. Discordo de que cabe ao Papa ou ao Clero o papel de liderança de reação. Cabe antes de tudo aos leigos.

    Quando se apoia comportamentos pagãos condenados desde a alta idade média pela Europa cristã e se comemora eventos maçônicos, bem como se apoia um sistema social totalmente anticatólico e laicista – as estruturas de pecado – não se pode esperar coisa melhor. O que se planta é o que tem que se colher.

    Seja feita justiça em nome daqueles que permaneceram fiéis até o fim. O coro dos mártires clama vingança contra a terra, conforme o Apocalipse.

    Enquanto o ocidente insistir no sistema liderado pela Inglaterra e EUA, não deve esperar outra coisa.

    Compete a cada leigo e pessoa de boa vontade recusar os comportamentos maus e liberais. Compete a cada leigo espremer o Clero contra a parede, para que seja feita justiça, mas a atitude se inicia com os leigos, com a plebe e não com a alta elite.

    Assim como Ambrósio foi levado pelo povo à Sé de Milão, compete ao povo remover.

    Enquanto o povo apoiar esta Igreja progressista, então que colha os frutos. Nunca faltaram santos para alertarem a cerca dos problemas do ocidente.

    A Europa está apenas colhendo o que plantou, da mesma forma os outros países.

    Não duvido muito de que a próxima invasão de bárbaros no ocidente será a migração dos muçulmanos, porque a Europa assumiu o compromisso de se autodestruir e cometer genocídio contra seu próprio povo, ao aderir ao controle de natalidade. Agora está velha e moribunda. É o seu fruto.

    Me desculpem se estou falando besteira ou tendo surto de loucura. Mas a Europa tem que pagar pelos seus erros. O Brasil tem que pagar pelos seus erros.

    Trata-se realmente de um povo infiel que ainda se denomina católico.

    • Sabe o que é pior? Você tem toda razão. Simplesmente estamos pagando pelos próprios pecados. O único caminho é o da conversão. Voltemos para o Senhor que ele voltará para nós. Maranatha.

    • V não acha que o papa Francisco e cardeais pelo menos deveriam estar recomendando sempre aos governos da Europa, Est. Unidos e mais de tirarem os cristãos das mãos dos malvados do ISIS, tentar dar uma proteção especial a eles e recomendando cuidado com os muçulmanos na Europa que odeiam os cristãos tem cerca de 1 400 anos e não mudam nem um milímetro?
      O céu deles é apenas um lugar onde 72 virgens para cada um passam a eternidade “servindo” aos que mataram em vida muito “infiéis”, principalmente judeus e cristãos.
      O Alcorão é um livro equivocado, em sua leitura o homem carnal se refestela nos mais baixos instintos de sua natureza corrompida pelo pecado, atolando nele como porcos na lama.

  5. Como cantaria Roberto Carlos: “São tantas contradições…”
    O papa Francisco faz campanha para abrir fronteiras e acolher justamente quem vai destruir a cristandade e a Instituição que ele representa. É um tiro no pé – da Igreja claro.
    Ele expressou rapidamente solidariedade com as vítimas de Orlando, enquanto “alguém disse que ele” acompanha com dor o que passou com seu rebanho.
    Lombardi sempre foi ligeiro em interpretar os ditos do papa agora se passa tentando entender o que passou neste ato.
    Os islâmicos em tão pouco tempo estão conseguindo fazer o que muitos prelados com anos de pastoreio não conseguem: mandar almas pro céu.

  6. Simone, esse é outro sinal do cumprimento da profecia de Fátima:
    “Os islâmicos em tão pouco tempo estão conseguindo fazer o que muitos prelados com anos de pastoreio não conseguem: mandar almas pro céu”.
    Enquanto eles degolam e detonam cristãos por puro odium fidei…”Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, n’êles recolhiam o sangue dos Martires e com êle regavam as almas que se aproximavam de Deus”.
    – Sanguis Martyrum est semen Ecclesia.

  7. A solução não esta no Papa nem no clero, simplesmente porque esse problema é de ordem secular e quem está no mundo é o leigo católico. Será se não tem um, um só católico na França pra chegar e falar/anunciar Jesus pra esses refugiados e esses terroristas? Será possível que 1,9 milhões de leigos católicos na França (catolicos praticantes da França) serão subjugados por 2,5 milhões de muculmanos (muculmanos praticantes)? Cadê os evangelizadores leigos, num tem um, não tem nem um 20, 100 leigos nesse país pra chegar anunciar Jesus e convidar um desses mucumanos pra uma missa, pra um grupo de oração??? O povo critica e espera tanto do Papa, mas ninguém para pra ver uma coisa: o Papa não está na minha casa pra evangelizar minha mãe, pai e irmão pagãos, muito menos conhece meus tios, primos e avós; o Papa não mora no meu bairro pra evangelizar meus vizinhos, o Papa não estuda na minha faculdade, pra evangelizar meus colegas de curso, o Papa não estudou no meu colégio pra evangelizar meus amigos, o Papa não estagiou na mesma empresa que eu pra evangelizar meus colegas de estágio, o Papa não é amigo dos meus amigos pra evangelizar meus amigos, o Papa não está no meu whatsapp pra evangelizar os contatos do meu whatsapp, o Papa não está no meu face pra evangelizar os meus amigos do face e quando eu começar a fazer aula de dança jazz, o Papa também não estará lá pra evangelizar meus futuros amigos da dança, quando eu fizer academia o Papa não estrá lá pra evangelizar meus amigos da academia, quando eu tiver um emprego, o Papa também não estará la pra evangelizar meus colegas de trabalho, se eu, aqui no Brasil, conhecer um refugiado no futuro, também não será o Papa que irá evangelizar ele. É eu, Karol, que vou alcançar todas essas pessoas (não com minhas prórprias forças, mas com a graça)! A missão é minha, não do Papa Francisco. Temos que parar de esperar no Papa (e no clero), de culpar o Papa, porque no fim das contas, isso tudo aí é missão de um leigo. Quando eu vejo essas notícias de terrorismo islâmico, eu só me lembro da minha comunidade. Outro dia o pessoal estava organizando um retiro católico pra jovens de 12 a 25 anos (que combinava pregação, piscina, praia, dança e oração, missa), e pra divulgar esse retiro eles mandaram os jovens da comunidade pra divulgar. Teve um dia da divulgação que só foi 3 jovens (um de 15, outra de 23 e outra de 24). Eles conseguiram evangelizar 70 pessoas, em um espaço de somente 1h, num terminal de ônibus da nossa cidade. Isso, porque os outros jovens da comunidade não puderam ir naquele dia e somente esses 3 guerreiros foram a luta pra evangelizar. Conseguiram pegar o telefone de 30 jovens pra participar do retiro. Imagina se esses 1,9 milhões de leigos católicos da França tivessem essa mentalidade que esses 3 da minha comunidade? Há muito tempo já tinha parado esses ataques dos islâmicos e todo tipo de mundanidade já estaria estirpado do meio da França. Não é guerra, não é o discurso do papa, não é polícia, não é armas, não é bombardeio, não é uma nova cruzada, não é cantar “imagine”, não é “discursinho” do presidente, não é a ONU, não é o Hollande, nem a Marine Le Pen, não é “tolerância”, não é nada disso. Tudo isso aí que eu falei já está sendo feito e não adianta nada, mas somente a evangelização verdadeira, eficaz, real e persistente feita por meio de leigos católicos! Só quem dá a paz verdadeira é conhecer a Cristo e sua Igreja. Não tem outra forma.
    “Jovens, se fores aquilo que Deus quer colocareis fogo no mundo” (Santa Catarina de Sena)

    • V não acha que o papa Francisco e cardeais deveriam estar recomendando sempre aos governos da Europa, Est. Unidos e mais de tirarem os cristãos das mãos dos malvados do ISIS, tentar dar uma proteção especial a eles e recomendando cuidado com os muçulmanos na Europa que odeiam os cristãos tem cerca de 1 400 anos e não mudam nem um milímetro?
      O céu deles é apenas um lugar onde 72 virgens para cada um passam a eternidade “servindo” aos que mataram em vida muito “infiéis”, principalmente judeus e cristãos.
      O Alcorão é um livro equivocado, em sua leitura o homem carnal se refestela nos mais baixos instintos de sua natureza corrompida pelo pecado, atolando nele como porcos na lama.

    • Geraldo estamos num tempo em que a Igreja já não é mais escutada pra tomada de decisões de governo, vivemos numa democracia laica em que os papeis de Igreja estão separados. Temos que trabalhar segundo esta realidade. A Igreja não influi no Estado e graças a Deus o Estado não pode influir na Igreja, nem nomeando cardeais, nem tentar nos nacionalizar. O Papa Francisco, se ele quisesse falar, mesmo assim não seria ouvido em nada. Papa Bento falou, falou e não adiantou nada. A peteca está com os leigos catolicos, temos parar de ser acomodados e procurar cumprir com nossa missão secular no mundo. A gente vê que as missões do leigo e do clero estão invertidas quando hoje o pessoal milita pra leigos celebrarem missas, enquanto tem padres cantando pra evangelizar no mundo e tentando carreira em politica, tá tudo errado, os leigos querem se clericalizar e os padres querem se secularizar. Tudo isso que você falou aí é só um paliativo, que não vai adiantar de nada. Intervenção, bombardeio, já ta sendo feito e a cada terrorista morto, aparece mais dois. Já tem forças peshmergas e cristãs lá nas cidades, e o Daesh continua tocando o terror. O negócio é evangelizar, procurar converter os mulcumanos, não pela força, nem pelo medo, mas por força de palavras e do Espirito Santo. Jesus é a paz real.

  8. Karol: v não acha que o silencio do papa Francisco, mesmo que não resolvesse de todo, ajudaria os cristãos?
    No tempo do papa Bento XVI a coisa não estava seria como hoje, de jeito nenhum; também, inteligente e diplomata como era, ele nunca deu trelas para essa raça degenerada e estavam manerados, mas o papa Francisco já apreciaria eles, até chorando em Lampedusa, parece que teriam ficado mais incentivados por que o papa não censurava eles, e nessa hora um cara perto dele até aparecendo na foto até com roupa com o focinho de Che Guevara, estranho de mais, lembra, concorda?

    • A última vez que um papa (Bento XVI) censurou os muçulmanos, cabeças rolaram. Se ele (Francisco) dá uma declaração dessas os terroristas, violentos como são, vão ficar pior ainda. Me recordo de Francisco já ter pedido que os países grandes bombadeiem o ISIS, retomou até a doutrina da guerra justa como forma de legítima defesa, mas ninguém o ouviu. Acredito que nesse tempo tudo que ele pode fazer é rezar e se encontrar com os líderes do muçulmanos pra ver se eles param o terrorismo. Se a França, que faz pequenos bombadeios pra dete-los na Siria, os mulcumanos estão com raiva, retornando com violência em solo francês, o que você acha se um papa faz declaração contra os terroristas? O negócio é o leigo católico acordar pra vida e parar de estar culpando o clero por todos os males e fazer sua parte. Mas como o Fratres é de vertente tradicionalista, é natural que os leitores tenham uma visão pre-conciliar da coisa, como se soemnte o clero e freiras fossem somente eles que devem evangelizar. Bom nada contra, mas se tem uma coisa do Concílio que realmente guardo no meu coração (como Nossa Senhora) é a vocação universal a santidade e o fato de que nós, leigos católicos, podemos e devemos evangelizar o mundo secular.

Trackbacks