Interdito sobre o grão-mestre. O Papa o proíbe de pôr os pés em Roma.

Por Sandro Magister, 18 de abril de 2017 | Tradução: FratresInUnum.com: Foi convocado para o dia 29 de abril, em Roma, o Conselho Pleno de Estado entre os Cavaleiros Professos, o órgão que segundo norma de estatuto elegerá o novo Grão-Mestre da Ordem de Malta.

Como é de conhecimento público, o Grão-Mestre anterior, o inglês Fra ‘Matthew Festing, renunciou no dia 24 de janeiro, entregando nas mãos do Papa Francisco a sua demissão, em obediência à sua ordem.

Desde então, o governo supremo da Ordem está sob suplência do Lugar-tenente temporário, o Grão-Comendador Fra ‘Ludwig Hoffmann von Rumerstein.

No entanto, desde o dia 4 de fevereiro, o Papa Francisco também sobrepôs à Ordem um delegado especial de sua própria escolha e “porta-voz exclusivo”, dotado, de fato, com plenos poderes, na pessoa do Arcebispo Angelo Becciu, vice-secretário de Estado.

A carta a seguir é uma prova clara do exercício desses plenos poderes.

Em nome do Papa, Becciu proíbe o ex-Grão-Mestre Festing de participar na eleição de seu sucessor, e não apenas isso! Também o proibiu de pôr os pés em Roma por ocasião da eleição.

Aqui está a tradução completa da carta enviada para Festing no Sábado de Páscoa.

* *  *

O Delegado Especial

Junto à Ordem Soberana Militar e Hospitalária de

São João de Jerusalém

de Rodes e de Malta

00120 CIDADE DO VATICANO

Cidade do Vaticano, 15 de abril 2017

Caro Venerado Irmão,

lettera3A partir do momento em que aceitei a tarefa que me foi confiada pelo Santo Padre como seu delegado junto à Ordem Soberana Militar e Hospitalária São João de Jerusalém, de Rodes e de Malta, uma das minhas prioridades é aprofundar-me no conhecimento da Ordem, seja através de reuniões pessoais com os seus membros, seja através de correspondência. Desta forma, eu tenho sido capaz de apreciar a vitalidade da Ordem, bem como a complexidade de seus problemas. O que também surgiu foi uma certa desorientação, acompanhada de profundo sofrimento devido à crise recente. No geral, no entanto, pode-se ver claramente o desejo de virar a página, trabalhando para reconciliar os diferentes elementos e realizar uma revisão das Constituições.

No entanto, tendo em vista o Conselho Pleno de Estado a ser realizado em 29 de abril, muitos expressaram o desejo de que o senhor não venha a Roma e não participe das sessões de votação. Sua presença reabriria as antigas feridas, só recentemente cicatrizadas, e impediria o evento de ocorrer em uma atmosfera de paz e harmonia recuperada.

Em face do exposto, e tendo partilhado a decisão com o Santo Padre, peço-lhe, na competência de Delegado Especial, que não esteja presente no Conselho Pleno de Estado e que não faça nenhuma viagem a Roma nesta ocasião. Peço-lhe isso como um ato de obediência, pelo qual o senhor reconhecerá, sem dúvida, o seu sacrifício como um gesto de doação para o bem da Ordem de Malta.

Estendo-lhe os meus melhores votos de Feliz Páscoa e asseguro-lhe uma recordação constante em minhas orações.

Sinceramente em Cristo,

Arcebispo Angelo Becciu

Delegado Especial

Fra ‘Matthew Festing

Burks, Tarsot

Hexham NE48 1LA

Northumberland

GRÃ-BRETANHA

Anúncios

15 Comentários to “Interdito sobre o grão-mestre. O Papa o proíbe de pôr os pés em Roma.”

  1. “Quem só pensa em construir muros não é cristão”. Francisco, Papa.

  2. Os estados pontifícios voltaram, viva! Agora o papa pode decidir quem entra na cidade de Roma!

  3. Que se ergam as muralhas do Vaticano. : ) “Rezemos a fim de que, com a ajuda do Senhor e a colaboração de todos os homens de boa vontade, se difunda sempre mais uma cultura do encontro, capaz de derrubar todos os muros que ainda dividem o mundo. Onde há um muro, há fechamento de coração! Precisamos de pontes, não de muros!” Angelus, 9/ 11/ 2014.
    https://www.santegidio.org/pageID/64/langID/it/itemID/27436/Senza-arrendersi-alla-disumanit%C3%A0.html
    Donne migranti che, sapendo delle violenze sessuali che con tutta probabilità subiranno nel viaggio verso l’Europa, assumono anticoncezionali prima di partire. È il drammatico racconto riportato dalle ong … si moltiplica lo sforzo dei promotori dei «corridoi umanitari»: l’iniziativa voluta da Caritas, Comunità di Sant’Egidio, Chiese evangeliche e Tavola valdese che, a proprie spese e grazie alla collaborazione del governo italiano, ha già portato in Italia 200 profughi in aereo. E eu pergunto, e as mulheres de todos os países da UE ?

  4. Não tenho certeza se isso está de acordo com o discurso de tolerância, aceitação e misericórdia do Papa Francisco.

  5. Enquanto isso, o Cardeal Leo Burke também foi outro destituído por não comungar com as ideias do papa Francisco, ele mesmo dizendo que no momento está sem função definida…
    Interessante notar que o papa Francisco pareceria, de uns tempos para cá, nem tanto utilizar o termo “misericordia” como fazia tanto uso anteriormente e outros similares a todo instante, estaria mais reticente; afinal, seus assessores poderiam ter-lhe dito que estaria sendo acusado de o aplicar de modo convencional por muitos comentarios nas redes e sites católicos tradicionais, beneficiando apenas os que o aceitassem sem restrições, poderia causar incõmodos e melhor seria passar mais à ação.
    Para quem tanto insistiu em misericordia, tolerancia e acolhimento, poderia ter deixado de lado a Fra Mathew Festing e não o cercear dessa forma tão resoluta, dar-lhe pouca ou nenhuma importancia se acaso comparecesse ou, ao máximo, convidá-lo a se manter distante, quem sabe?

  6. Se Fra ‘Matthew Festing tiver força política será reeleito como forma de protesto contra a patuscada clerical. Nunca a Igreja foi tal abjetamente clerical.
    Gente horrenda e gosmenta.

  7. E é com este papa que a ingênua FSSPX deseja fazer acordos? Está dizendo a si mesma que ele seria um fraco? Coitada, se seguir este mal caminho vai ser esmagada.

  8. As recusas de Francisco a receber em Roma certos personagens que discordam dele são praticamente um caso inédito na história da Igreja. Nem entre os papas hiper-mundanos do Renascimento se deu isso! Ainda há poucos dias, lendo a vida de São Francisco de Paula, o eremita fundador da Ordem dos Mínimos (uma Ordem consagrada especificamente à propagação da mortificação corporal, através do seu Voto de Vida Quaresmal), pude conferir a caridosa recepção e o valoroso apoio que lhe foi dado por ninguém menos que… Alexandre VI – talvez o papa mais imoral da história! Embora mergulhado nos prazeres pecaminosos da carne, Alexandre VI não se recusava a cumprir seu verdadeiro papel de papa quando um santo eremita se lhe apresentava para dizer que revelações celestes lhe mandavam fundar uma Ordem para propagar entre o povo e entre o clero a mortificação corporal (o que não deixava de ser um discreto ‘tapa na cara’ de Alexandre). Por mais que Alexandre VI ofendesse a Deus com suas imoralidades, ele nunca deixou de ensinar que o que ele próprio fazia era pecado, e grave. Nunca tentou mudar a doutrina da Igreja para justificar o que ele fazia de errado. Talvez por isso o Céu, compadecido, lhe enviava pessoalmente santos e taumaturgos da estirpe de um S. Francisco de Paula. Hoje, porém, no tempo dos Bergoglios, nem o Céu se atreva a enviar mensageiros a Roma: não terão permissão de entrar. Ó noite pior, muito pior, que a dos Bórgias!

  9. Pois é ACFelix, a SSPX está tão ansiosa por fazer um acordo com esse “papa” que nem sei como ainda não saiu, viu?
    Já se vão alguns anos que eu ouço essa conversa: essa semana sai, a SSPX expulsou fulano e cicrano porque eram contra o acordo que vai sair em breve, Bispo Fellay se encontrou com Muller, se encontrou com Bergoglio, já falaram até na compra de uma mega-igreja em Roma, já saiu até decreto reconhecendo os casamentos, as confissões da SSPX e que raios de acordo é esse que não sai!
    Bom, até onde eu sei a SSPX ainda é SOBERANA em suas decisões. O mesmo eu já não posso dizer da Ordem de Malta, que ao que tudo indica perdeu completamente sua soberania.
    Esta decisão de proibir Matthew Festing, de por os pés em Roma durante a eleição de seu sucessor, tá na cara que é por medo de que ele seja reeleito. O que nos faz questionar a legitimidade de quem quer que seja que sair eleito.
    Melhor teria sido se tivessem nomeado diretamente un Gran Mestre interino por um determinado prazo do que fingir uma eleição fraudada desde o início.

  10. Eu impetraria um HABEAS CORPUS (writ) com o objetivo de proteger o meu Direito à Liberdade de Locomoção ameaçado por ato abusivo da autoridade ECLESIÁSTICA.
    Sugiro os seguinte termos a serem utilizados nesse habeas corpus:
    1) Autoridade Coatora arcebispo Angelo Becciu (vice-secretário de Estado do Vaticano).
    Designa a pessoa que exerce ou ameaça exercer o constrangimento.
    2) Cabimento de Liminar: estão presentes os requisitos do periculum in mora (probabilidade de dano irreparável à liberdade de locomoção) e do fumus boni juris (elementos da impetração que indiquem a existência de ilegalidade no constrangimento).
    3) Paciente: Fra ‘Matthew Festing. Designa a pessoa que sofre ou está ameaçado de sofrer um constrangimento ilegal.
    4) Competência originária: ONU (e não Vaticano, visto que o papa Francisco está obedecendo mais as instruções da ONU que as de Deus propriamente ditas).
    Objetivo: emissão de um Salvo-conduto.
    Tratando-se de habeas corpus preventivo, se concedido, será expedido um salvo-conduto, assinado pela autoridade competente. Salvo-conduto, do latim salvus (salvo) conductus (conduzido), dá a precisa idéia de uma pessoa conduzida a salvo. Daí a expressão salvo-conduto para exprimir o documento emitido pela autoridade que conheceu do habeas corpus preventivo, visando a conceder livre trânsito ao seu portador, de molde a impedir-lhe a prisão ou detenção pelo mesmo motivo que ensejou o pedido de habeas corpus.
    Nesses termos,
    Pede e aguarda deferimento.

  11. Tempos do relativismo para a Fé, e da corrupção na doutrina Católica. Pensam que podem desmistificar a promessa: O Mal não prevalecerá contra Ela!

  12. Temos somente 2 saídas: Resistir ou Resistir!!!!!!!

  13. Nossa, mas não era Ratzinger o “inquisidor” que calava “prelados dissidentes”?