19 abril, 2015

Foto da semana.

bento

Por G1

O papa emérito Bento XVI completou nesta quinta-feira (16)  88 anos e, para comemorar, celebrou numa festa ao estilo bávaro, na qual não faltou música e cerveja típica desta região alemã onde o ex-pontífice nasceu, informou a agência EFE.

O papa alemão festejou seu aniversário na porta de sua residência, o convento “Mater Ecclesiae”, junto a um grupo de pessoas vestidas com o traje típico de sua região de origem.

Durante as celebrações, segundo é possível observar em imagens divulgadas pela agência católica “Zenit”, o papa assinou bandeiras do estado federado da Baviera, no sul da Alemanha, e desfrutou da música e da cerveja típicas da região.

O Papa Francisco também lembrou da data durante missa realizada na casa Santa Marta dedicada a seu antecessor, que Bento XVI é considerado “o avô sábio que vive em casa”, como disse em diversas ocasiões.

“Gostaria de lembrar que hoje é o aniversário do papa Bento XVI. Ofereci a missa a ele e convido vocês a rezarem por ele, para que o Senhor o sustente e lhe conceda gozo e felicidade”, disse Francisco em declarações recolhidas pela “Rádio Vaticano”.

Lúcido e vivaz

O secretário particular de Bento XVI, Monsenhor Georg Gänswein, afirmou à televisão italiana Retequattro que Joseph Ratzinger está muito lúcido e vivaz. “O único problema são suas pernas, é difícil caminhar”.

Gänswein acrescentou que Bento pensa na morte e se prepara para este momento, conforme noticiou a agência AFP.

“É evidente que um homem de 88 anos pensa nisso. Falamos várias vezes sobre o tema, o papa e eu, apesar de ser uma pessoa muito discreta e reservada. Para ele, preparar-se para a morte significa preparar-se para seu encontro com Deus”, explicou.

18 abril, 2015

“Reforma Política” encabeçada pela CNBB não passou por deliberação da Assembléia dos Bispos.

Comissão de leigos ouviu os bispos e constatou que, de fato, a “reforma política” da Coalisão encabeçada pela CNBB (reforma esta de interesse do PT) não é consenso entre os bispos.

Por Prof. Hermes Rodrigues Nery | Fratres in Unum.com: Estivemos em Aparecida (SP), na sexta-feira, 17 de abril, onde pudemos ouvir, conversar e dialogar com vários bispos que participam a 53ª assembleia da CNBB.

Explicamos aos bispos que a "reforma política" proposta pela Coalisão encabeçada pela CNBB visa consolidar o projeto de poder do PT, com a implantação do socialismo no Brasil, em conformidade com as diretrizes do PT e do Foro de São Paulo.

Explicamos aos bispos que a “reforma política” proposta pela Coalisão encabeçada pela CNBB visa consolidar o projeto de poder do PT, com a implantação do socialismo no Brasil, em conformidade com as diretrizes do PT e do Foro de São Paulo.

Primeiramente fomos ouvir dos bispos o que pensam realmente da adesão da CNBB à Coalisão de 103 entidades, encabeçando uma reforma política que defende os mesmos pontos de interesse do PT, conforme atesta o recente documento o 5º Congresso Nacional do partido, a ser realizado em Salvador, de 11 a 13 de junho próximo.

Explicamos aos bispos que a reforma política proposta pela Coalisão encabeçada pela CNBB visa a implantação do socialismo no Brasil, em conformidade com as diretrizes do PT e do Foro de São Paulo, no contexto de um processo em curso já avançado de consolidação da chamada “Patría Grande” socialista, com o que o governo do PT está bastante comprometido, e usando a capilaridade da Igreja, via CNBB e segmentos da Igreja (Pastoral da Juventude outras pastorais sociais) para esses fins. Tal objetivo político conflita com a doutrina moral e social da Igreja, daí o questionamento ao posicionamento da CNBB quanto a esta reforma política.

Depois de conversar com vários bispos, constatamos que:

  1. O tema da “reforma política” não é consenso entre os bispos.
  2. O apoio à Coalisão não foi deliberado em assembleia, mas apenas decisão do Conselho Permanente.
  3. Há muitos bispos desinformados do assunto e que se interessaram em obter mais dados sobre o tema.
  4. Conseguimos o apoio de vários bispos que irão aprofundar o tema com os demais ainda durante a assembleia.

Entregamos aos bispos uma carta expondo o conteído da petição pública pedindo a retirada da CNBB ao apoio a esta reforma política da Coalisão, com o seguinte teor:

“Nós, CATÓLICOS, pertencentes ao Movimento LEGISLAÇÃO E VIDA, e membros de pastorais em nossas respectivas paróquias, vimos a presença de Vossas Excelências Reverendíssimas para solicitar que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) imediatamente RETIRE o seu apoio da proposta de reforma política apresentada pela “Coalizão pela Reforma Política Democrática” na forma de um projeto de lei de iniciativa popular (Cf. [http://www.reformapoliticademocratica.org.br/conheca-o-projeto/]). Exigência fundamentada nos motivos aqui resumidamente expostos.

A CNBB está empenhada em recolher assinaturas de católicos para legitimar uma proposta de reforma política com ítens absolutamente contestáveis. (1) A proibição do financiamento de campanha por empresas, termo que apresenta um componente ideológico escandaloso, excluindo as empresas – representadas por seus proprietários – de se posicionarem em um plano da vida pública que é determinante para o exercício de suas atividades. (2) Eleições proporcionais em dois turnos, processo que, ao contrário da economia advogada no projeto, geraria um gasto mostruoso de recursos públicos. (3) Paridade de gênero, com o estabelecimento descabido do sexo – e não da competência e qualificação – como critério para pleitear o exercício de um mandato político.

Mas o elemento que definitivamente compromete o apoio da CNBB à proposta de reforma política é (4) o fortalecimento dos mecanismos de “democracia direta”. Trata-se de uma forma de inserir a “sociedade civil” nas decisões que envolvem “questões de grande relevância nacional”, colocando-a na elaboração e na condução de plebiscitos e referendos (Cf. Art. 3A e 3B, 8A, p. 18). Acontece que a “sociedade civil” será representada – não pelo cidadão comum -, mas por uma série de organizações e “movimentos sociais” como MST, CUT, UNE, CTB, UBM, CONTAG, ABONG, etc. Estes grupos – que assinam a proposta de reforma política com a CNBB – serão inseridos nas instâncias decisórias da vida pública e eles irão definir quais são as “questões de grande relevância nacional”. Grupos que contrariam frontalmente os princípios e orientações da Igreja Católica: disseminam a luta de classes; promovem atividades criminosas contra o patrimônio público e privado; estão comprometidos com a ideologia de gênero; exigem a legalização das drogas e a implantação definitiva do ABORTO – do ASSASSINATO DE CRIANÇAS – no Brasil.

Nota-se, claramente, que o projeto maquia um consórcio para administrar as “questões de grande relevância nacional” e realizá-las. Não só no âmbito político, mas social e comportamental. Um esquema de concentração de poder que se mostra ainda mais pernicioso quando se traça a ligação dos grupos e “movimentos sociais” envolvidos, que são controlados e financiados sobretudo pelo PT e por seus aliados, por sua vez comprometidos com a promoção do totalitarismo ditado pelo Foro de São Paulo – organização fundada por Lula e por Fidel Castro para fomentar o socialismo-comunismo na América Latina.

Por isso o entusiasmo e engajamento do ex-Presidente Luiz Inácio, que tratou de convocar a militância petista para trabalhar em favor da referida proposta de reforma política (Cf. [http://youtu.be/q1X66PR3KZc]). Contudo, é lamentável o pacto que a CNBB firmou com a presidente Dilma Rousseff para impulsionar a proposta (Cf. [http://www.saladeimprensadilma.com.br/2014/08/25/dilma-sobre-campanha-vou-me-dedicar-a-esclarecer-os-mitos-e-a-discutir-propostas/]), uma vez que se trata de promover um esquema de poder de natureza expressamente condenada pela Igreja Católica:

“O comunismo é doutrina nefanda totalmente contrária ao direito natural” (Pio IX, “Qui pluribus”);

“O comunismo é intrinsecamente mau” (Pio XI, “Divini Redemptoris”);

[…] “[o socialismo] é incompatível com os dogmas da Igreja Católica, pois concebe a própria sociedade como alheia à verdade cristã” […] “Católico e socialista são termos antitéticos” […] “Socialismo religioso, socialismo cristão, são termos contraditórios. Ninguém pode ser, ao mesmo tempo, bom católico e verdadeiro socialista” (Pio XI, “Quadragesimo Anno”).

Congregação do Santo Ofício, 1949. (1) É permitido aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira? Não. O comunismo é de fato materialista e anticristão; embora declarem às vezes em palavras que não atacam a religião, os comunistas demonstram de fato, quer pela doutrina, quer pelas ações, que são hostis a Deus, à verdadeira religião e à Igreja de Cristo […] (4) Fiéis cristãos que professam a doutrina materialista e anticristã do comunismo, e sobretudo os que as defendem e propagam, incorrem pelo próprio fato, como apóstatas da fé católica, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica? Sim. – II. Congregação do Santo Ofício, 1959. É permitido aos cidadãos católicos, ao elegerem os representantes do povo, darem seu voto a partidos ou a candidatos que, mesmo se não proclamam princípios contrários à doutrina católica e até reivindicam o nome de cristãos, apesar disto se unem de fato aos comunistas e os apoiam por sua ação? Não, segundo a diretiva do Decreto do Santo Ofício de 1o. de Julho de 1949, n.1 [3865].

Nestes termos, nós, CATÓLICOS , cientes da fidelidade que a CNBB  tem à doutrina, aos princípios e às orientações da Igreja Católica Apostólica Romana; apresentamos nossa reivindicação para que a CNBB imediatamente RETIRE o seu apoio da proposta de reforma política apresentada pela “Coalizão pela Reforma Política Democrática” e com ele TODAS AS ASSINATURAS dos fiéis católicos que recolheu para legitimar essa iniciativa.

Pelos motivos expostos, solicitamos ainda que a Conferência dos Bispos abandone a campanha por um “Plebiscito Constituinte”. Trata-se de uma iniciativa do PT que foi inclusive incorporada à campanha de Dilma Rousseff, com as assinaturas entregues nas mãos da candidata (Cf. “Dilma recebe 7,5 mi de assinaturas por plebiscito para reforma política”, G1, 13 de Outubro de 2014 [http://g1.globo.com/distrito-federal/eleicoes/2014/noticia/2014/10/dilma-recebe-75-mi-de-assinaturas-por-plebiscito-para-reforma-politica.html]). Ela tem basicamente os mesmos agentes promotores do projeto de reforma política, e em essência o mesmo objetivo: fortalecer um vasto esquema de poder que contraria integralmente os princípios e orientações da Igreja Católica.

Sendo o que se apresenta para o momento, agradecemos pela atenção e esperamos que tal documento seja considerado pelos senhores durante essa assembleia e que possam ser reavaliados os passos já dados pela CNBB no que diz respeito a reforma política em curso.

Movimento Legislação e Vida 

Manifestamos ainda aos bispos a nossa preocupação com a possível eleição de Dom Joaquim Mol a Secretário-Geral da CNBB. Alguns bispos nos deram seus contatos pessoais e ficamos de apresentar material, documentos, dados e mais informações para eles, que se interessaram em aprofundar a questão.

Agradecemos de modo especial à Missão Tarso (Cláudio e Kátia) e à Meri Angélica Harakava, que estiveram conosco nesta importante missão. E à Flavia Camargo que xerocou a documentação entregue aos bispos. Que Deus os abençoe sempre, com a família.

Tags:
18 abril, 2015

Famoso exorcista Amorth: O Estado Islâmico (ISIS) é Satanás.

ROMA, 13 Abr. 15 / 05:16 pm (ACI).- O famoso exorcista da diocese de Roma, o Pe. Gabriele Amorth, afirmou que o Estado Islâmico (ISIS) “é Satanás”.

Em uma publicação recente na rede social Facebook, o conhecido sacerdote com dezenas de milhares de exorcismos, afirmou que “O ISIS é Satanás. As coisas acontecem primeiro nas esferas espirituais, logo acontecem nesta terra”.

Desta forma o presbítero descreveu os terroristas muçulmanos que perseguem e assassinam cristãos no Iraque e na Síria, países onde centenas de milhares foram obrigados a fugir dos seus lares para não morrerem nas mãos deste grupo fundamentalista.

O Pe. Amorth afirma logo que “os reinos espirituais são apenas dois: O Espírito Santo e o espírito demoníaco”.

Satanás, disse, ingressa-se “porque o mal está disfarçado de vários modos: políticos, religiosos, culturais, e tem uma única fonte inspiradora: o demônio. Como cristão combato contra o demônio espiritualmente”.

“Também a política mundial que hoje parece sem resposta diante do massacre dos cristãos deverá combater ao ISIS e o fará de modo distinto. Se avança como parece nos perguntamos o que o Ocidente fez no transcurso dos últimos decênios”.

Satanás, explicou o sacerdote que fundou a Associação Internacional de Exorcistas, “repete que o mundo está em seu poder e o que diz é certo. Biblicamente falando estamos nos últimos tempos e o demônio trabalha freneticamente”.

O Estado Islâmico (ISIS) invadiu a maior cidade cristã de Iraque, Qaraqosh, no mês de agosto do ano passado, provocando a fuga de dezenas de milhares de pessoas.

Qaraqosh está localizado entre Mossul –cidade na qual já não há cristãos–, e Erbil, a capital do Curdistão iraquiano, uma zona onde ainda não chegaram os terroristas muçulmanos do ISIS.

Segundo a ONU, 200.000 pessoas fugiram pelas estradas.

O Estado Islâmico é um movimento jihadista que nasceu do Al Qaeda mas que agora trabalha de maneira independente. O último massacre hediondo perpetrado pelo ISIS foi o de 21 cristãos coptos decapitados na Líbia.

Tags:
17 abril, 2015

Faleceu o Cardeal Francis George, arcebispo emérito de Chicago.

image

Depois de uma longa batalha contra o câncer. Em 2010, vendo a ascensão dos inimigos da Fé, declarou: “Eu espero morrer na cama, meu sucessor morrerá na prisão, e o seu sucessor morrerá como mártir numa praça pública”.

+ RIP

Rezemos pelos doentes e agonizantes.

17 abril, 2015

Católicos tradicionalistas sofrem novo revés em Minas Gerais.

20140831_100024

Missa Tridentina celebrada na capela do Colégio Monte Calvário, em Belo Horizonte.

Por Manoel Gonzaga Castro | Fratres in Unum.com: No dia 29 de janeiro, noticiamos que os católicos tradicionalistas de Minas Gerais haviam sofrido revezes em sua atuação.

Nesta semana, porém, houve novas notícias ruins para a Tradição em Minas. Até o momento, dia 3 de maio será o último domingo em que a liturgia tradicional será celebrada na capela do Colégio Monte Calvário. Para tanto, foi alegado um motivo prático – a falta de irmãs para cuidarem da capela daqui para frente.

Com isso, os fiéis tradicionais de BH ficarão sem local para serem atendidos pelo Padre Iris Mesquita, sacerdote diocesano, e pelos padres da Administração Apostólica São João Maria Vianney. Circula entre os fiéis a informação de que Dom Fernando Arêas Rifan, bispo responsável pela Administração, irá solicitar um novo local a Dom Walmor, arcebispo de Belo Horizonte, durante a Assembléia dos Bispos da CNBB que está ocorrendo em Aparecida.

Fratres in Unum pede orações a seus leitores para que a Missa Tridentina não seja interrompida na capital mineira. Que continue a ser oferecida em local apropriado e acessível e que ela se multiplique, apesar de tantas dificuldades.

 

17 abril, 2015

Pizza.

A famosa pizza tão estimada pelos populistas latino-americanos prevalece na corte de Francisco, patrocinada, neste caso, por Dom João Braz de Aviz.

Vaticano conclui controvérsia de três anos com as religiosas dos EUA 

IHU – Um programa controverso de supervisão que já durava três anos, encabeçado pelo Vaticano sobre o principal grupo que congrega as lideranças das congregações católicas americanas, chegou a um abrupto e inesperado fim, com as irmãs e a Congregação doutrinal da Igreja anunciando que o objetivo “havia sido cumprido”.

italy-pope-pizza_fran

A reportagem é publicada por National Catholic Reporter, 16-04-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa. A Congregação para a Doutrina da Fé – CDF aceitou o relatório final da avaliação doutrinária feita junto à Conferência de Lideranças das Religiosas (Leadership Conference of Women Religious – LCWR), “marcando a conclusão” das observações realizadas, anunciou o Vaticano nesta quinta-feira.

Continuar lendo

16 abril, 2015

Papa: ser obediente é estar aberto à vontade de Deus.

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco celebrou a missa matutina desta quinta-feira (16/04) na intenção do seu predecessor, Bento XVI, que completa 88 anos. “Gostaria de lembrar que hoje é o aniversário de Bento XVI. Ofereci a missa para ele (Bento XVI) e também convido todos a rezarem por ele, para que o Senhor o sustente e lhe dê tantas alegrias e felicidades”, disse Francisco. Na homilia, o Pontífice comentou a liturgia do dia, que fala da obediência.

Sinal de coragem

A obediência – observou o Papa – “tantas vezes nos leva a um caminho que não é o que eu penso que deve ser, é outro”. Obedecer é “ter a coragem de mudar de rumo quando o Senhor nos pede”. “Quem obedece tem a vida eterna”, enquanto para “quem não obedece, a ira de Deus permanece sobre ele”. Assim, na primeira leitura extraída dos Atos dos Apóstolos, os sacerdotes e os chefes ordenam aos discípulos de Jesus que não preguem mais o Evangelho ao povo: estão enfuriados, com ciúme, porque na presença deles ocorrem milagres, o povo os segue e “o número de fiéis aumentava”. Os discípulos são encarcerados, mas à noite, o Anjo de Deus os liberta e voltam a anunciar o Evangelho. Presos e interrogados novamente, Pedro responde às ameaças do sumo sacerdote: “É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens”. Os sacerdotes não entendiam:

Teimosia

“Mas estes eram doutores, tinham estudado a história do povo, tinham estudado as profecias, a lei, conheciam assim toda a teologia do povo de Israel, a revelação de Deus, sabiam tudo, eram doutores, e foram incapazes de reconhecer a salvação de Deus. Mas como é possível essa dureza de coração? Porque não é dureza de cabeça, não é simples ‘teimosia”. É a dureza… E pode-se perguntar: como é o percurso desta teimosia, que é total, de cabeça e de coração?”.

“A história desta teimosia, o itinerário – destacou o Papa – é o fechar-se em si mesmo, não dialogar, é a falta de diálogo”:

“Eles não sabiam dialogar, não sabiam dialogar com Deus, porque não sabiam rezar e ouvir a voz do Senhor, e não sabiam dialogar com os outros. ‘Mas por que esta interpretação?’. Somente interpretavam como era a lei para fazê-la mais precisa, mas estavam fechados aos sinais de Deus na história, estavam fechados ao seu povo. Estavam fechados, fechados. E a falta de diálogo, este fechamento do coração, os levou a não obedecer a Deus. Este é o drama desses doutores de Israel, desses teólogos do povo de Deus: não sabiam ouvir, não sabiam dialogar. O diálogo se faz com Deus e com os irmãos”.

Diálogo

E o sinal que revela que uma pessoa “não sabe dialogar”, “não está aberta à voz do Senhor, aos sinais que o Senhor faz no povo”  é a “fúria e a vontade de calar os que pregam, neste caso, a novidade de Deus, isto é, Jesus ressuscitado. Não têm razão, mas chegam a isso. É um itinerário doloroso. Estes são os mesmos que pagaram os guardiões do sepulcro para dizer que os discípulos tinham roubado o corpo de Jesus. Fazem de tudo para não abrirem-se à voz de Deus”:

E nesta Missa rezemos pelos mestres, pelos doutores, por aqueles que ensinam ao povo sobre Deus, para que não se fechem, para que dialoguem e, assim, se salvem da ira de Deus que, se não mudarem atitude, permanecerá sobre eles”.

* * *

Nota do Fratres em uma só imagem:

Franciscanos da Imaculada

Santidade, os Franciscanos da Imaculada concordam plenamente!

Tags:
16 abril, 2015

Summorum Pontificum no Brasil: Santa Missa em São Carlos, SP.

Data: Domingo, 19 de abril de 2015.
Horário: 11h.

Local: Santuário de Adoração São Pio X
Av. José Pereira Lopes, 386. São Carlos–SP
(ao lado do Seminário diocesano)
Mapa

15 abril, 2015

Papa Francisco identifica retrocesso na teoria do gênero.

A12 – O Papa Francisco abordou hoje, 15, em sua catequese semanal, a “ideologia de gênero”. Prosseguindo o ciclo de catequeses sobre a família, o Papa falou sobre um tema que ele considera central: a complementariedade entre homem e mulher e a importância da diferença entre ambos na definição da família e do matrimônio.

“Deus criou o ser humano à sua imagem: criou-os homem e mulher.” Esta afirmação do Gênesis, explicou Francisco, diz que nem só o homem nem só a mulher são imagem de Deus, mas ambos, como casal, são imagem do Criador. A diferença entre eles tem em vista a comunhão e a geração, e não a contraposição nem a subordinação. “Somos feitos para nos ouvir e nos ajudar reciprocamente. Sem esse enriquecimento recíproco, não se pode entender profundamente o que significa ser homem e mulher”, disse o Papa.

Numa reflexão sobre a importância do matrimônio, Francisco observou que a cultura moderna trouxe “novos espaços, novas liberdades” para a compreensão da diferença homem-mulher, mas também “muitas dúvidas e muito ceticismo”.

“Pergunto-me, por exemplo, se a chamada teoria do gênero não seja expressão de uma  frustração e resignação, com a finalidade de cancelar a diferença sexual por não saber mais como lidar com ela. Sim, corremos o risco de retroceder”, afirmou.

Francisco, advertiu ainda que a remoção da diferença é o problema, e não a solução. “Corremos o risco de dar um passo atrás. A remoção da diferença, de fato, é o problema, não a solução: para resolver o problema das relações, o homem e a mulher devem, pelo contrário, falar mais, ouvir-se mais, conhecer-se mais, gostar mais um do outro”, recomendou.

Se o homem e a mulher têm divergências, as mesmas devem ser resolvidas com o diálogo, para amarem-se mais e conhecerem-se melhor. “O elo matrimonial e familiar é algo sério, e o é para todos, não só para os fiéis. Gostaria de exortar os intelectuais a não abandonarem este tema, como se tivesse se tornado um empenho secundário a favor de uma sociedade mais livre e mais justa”, reforçou.

Francisco recordou que Deus “confiou a terra à aliança do homem e da mulher: a falência desta aliança gera a aridez dos afetos no mundo e obscurece o céu da esperança. Os sinais são visíveis e preocupantes”, disse.

Francisco indicou ainda reflexões importantes nessa relação entre o homem e a mulher: a complementaridade e a responsabilidade.

Exaltando o papel da mulher nessa busca pela complementaridade, o Santo Padre sublinhou. “De fato, é necessário que a mulher não seja só mais ouvida, mas que a sua voz tenha um peso real, que seja reconhecida na sociedade e na Igreja. Ainda não entendemos em profundidade o que pode nos dar o gênio feminino, por saber ver as coisas com outros olhos que complementam o pensamento do homem. Trata-se de um caminho a percorrer com mais criatividade e audácia”, afirmou Francisco, citando como exemplo o modo como o próprio Jesus considerou as mulheres num período em que eram relegadas ao segundo plano.

Nesse sentido, o Papa lembrou que o homem e a mulher foram criados à imagem de Deus e indagou se “a crise coletiva de confiança em Deus, que nos faz tanto mal, que nos faz ficar doentes de resignação à incredulidade e ao cinismo, não estará ligada à crise da aliança entre homem e mulher”, observou.

Sobre a responsabilidade, o Papa assinalou a atuação da Igreja e de todos os fiéis para redescobrir a beleza do projeto criador.

“A terra enche-se de harmonia e confiança quando a aliança entre o homem e a mulher é vivida no bem. Jesus nos encoraja explicitamente ao testemunho desta beleza”, concluiu o Papa.

Ao final, como de costume, o Papa cumprimentou os fiéis presentes na Praça.

Tags:
15 abril, 2015

Novo Secretário Geral da CNBB, Dom Mol?

Por Fratres in Unum.com – Fontes murmurantes dão como certa a eleição de D. Joaquim Mol como Secretário Geral da CNBB. A 53ª Assembléia Geral dos Bispos do Brasil, iniciada hoje, em Aparecida, SP, elegerá a nova presidência da CNBB.

unnamed (5)

Bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, MG, Reitor da PUC-MG e atual Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e a Educação da CNBB, Dom Mol destacou-se pela promoção do Projeto de Reforma Eleitoral e do Plebiscito Constituinte, que atendem diretamente aos interesses do Partido dos Trabalhadores (embora confusa e desarticuladamente Dom Raymundo Damasceno diga que não), e, como afirmou em recente entrevista o arcebispo primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, “não tiveram a participação de todos os bispos”.

Esta eleição representaria uma guinada ainda maior para a esquerda. Afastando-se do clamor do povo, escandalizado com a corrupção petista e com o controle estatal que torna o partido cada vez mais inatingível, a CNBB confessaria sua subserviência ao governo, subscrevendo totalmente a agenda bolivariana no Brasil.

Para a presidência da entidade, fala-se em Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, e mesmo em Dom Leonardo Ulrich Steiner, atual secretário geral. No entanto, quem desempenha papel de maior relevância sempre é o Secretário Geral, que se dedica quase que integralmente às atividades da Conferência Episcopal, cabendo ao presidente um papel mais protocolar e honorífico.

Domingo, 12 de abril de 2015 - Manifestantes penduram cartazes contrários à atuação da CNBB em frente à sede da arquidiocese de Belo Horizonte.

Domingo, 12 de abril de 2015 – Manifestantes penduram cartazes contrários à atuação da CNBB em frente à sede da arquidiocese de Belo Horizonte.

Que a Mãe Aparecida ilumine nossos bispos para que, enquanto ainda há tempo, possam rever suas posições e abrir seu coração ao grito de socorro do povo e aos interesses de Deus e da própria Igreja!

Tags: